Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Escoliose

985 views

Published on

Fala tudo sobre essa patologia. bons estudos acadêmicos.

Published in: Education
  • Be the first to comment

Escoliose

  1. 1. Escoliose Traumato-ortopedia
  2. 2. INTRODUÇÃO • A coluna apresenta • 33 vértebras • 7 vértebras cervicais • 12 torácica • 5 lombares • 5 sacrais • 4 coccígeas • Apresenta entre os corpos vertebrais um disco vertebral (DANGELO e FATTINI, 2007).
  3. 3. INTRODUÇÃO • É denominado escoliose qualquer variação lateral da coluna vertebral acima de 10° • Pode ser estrutural e não estrutural • Homens > Mulheres
  4. 4. Escoliose Estrutural Classificação 1. Idiopática: correspondente á 90% dos casos, caracterizando- se em 3 fases: Infantil, juvenil e adolescente. 2. Congênita:  Defeitos de formação  Defeitos de segmentação  MISTA 3. Neuromuscular Neuropática Neurônios motores superiores e inferiores. 4. Neuromuscular Miopática Distrofias musculares
  5. 5. Escoliose Estrutural Características • São 3 características principais:  Os tecidos moles se retraem na concavidade da curva  Surgem alterações nas formas dos corpos vertebrais, no tamanho das lâminas, nos pendículos e nos processos transversos das vértebras envolvidas na deformidade  Há deformidade em rotação fixa das vertebras envolvidas, em que o corpo vertebral roda para a convexidade da curvatura
  6. 6. Escoliose não-estrutural Classificação • É não progressiva e não relacionada a estruturas vertebrais; • Quando não tratada ainda na infância, pode se tornar estrutural e progressiva. • Escoliose postural • Escoliose histérica • Irritação das raízes nervosas • Inflamatória • Tumorais
  7. 7. Diagnóstico • Radiografia ( Raio X) • Testes Clinicos • Avaliação postural • Método de Cobb (Mensuração)
  8. 8. SINAIS E SINTOMAS • Eventual dor muscular localizada • Ombros ou quadris que parecem assimétricos • Coluna vertebral encurvada anormalmente para um os lados
  9. 9. Tratamento Conservador • Varia de acordo com alguns fatores como: Etiologia, idade do paciente, gravidade das curvas e rigidez. • Realizado em pacientes com: Escoliose idiopática, curvas não graves, ainda na fase de crescimento e flexiveis. • Coletes ortopédicos • Gesso Corretivo • 20 à 30 graus: tratamento fisioterápico e uso de colete ortopédico ou de Milwakee. • 30 à 40 graus: uso do colete ortopédico ou Milwakee. Até que o paciente atinja o crescimento completo
  10. 10. Tratamento Conservador • 10 à 20 graus: há necessidade de tratamento fisioterápico. • 20 à 30 graus: tratamento fisioterápico e uso de colete ortopédico ou de Milwakee. • 30 à 40 graus: uso do colete ortopédico ou Milwakee. • 40 à 50 graus: somente tratamento cirúrgico.
  11. 11. Tratamento Conservador
  12. 12. Tratamento Fisioterapêutico  Objetivo  Eliminar desconforto ou dor  Realinhar as fibras musculares  Devolver a mobilidade fisiológica das vértebras  Reeducar a postura  Realinhar a coluna vertebral
  13. 13. Tratamento Fisioterapêutico  Fase I  Orientações  FES  Liberação Miofascial  Iso-stretching  Fase II  Infra- vermelho  Pompagem  RPG  Alongamento  Fase II  Mobilização articular  Pilates  Treino de AVD´S e AVP´S
  14. 14. TRATAMENTO CIRURGICO • Reparação da curvatura vertebral • Se a curva na coluna for grave ou estiver se agravando rapidamente deve ser feito ainda na infância • Curvas de 40 graus ou mais geralmente precisam ser operadas. • A cirurgia consiste em corrigir a curva e encaixar os ossos dentro dela. Os ossos são fixados no lugar com uma ou duas hastes de metal presas com ganchos e parafusos até que o osso seja recuperado. Às vezes, a cirurgia é feita por meio de um corte nas costas, no abdômen ou abaixo das costelas. Pode ser necessário o uso de uma órtese para estabilizar a coluna vertebral após a operação.
  15. 15. FISIOTERAPIA P.O Imediato • Crioterapia • O paciente deverá usar um coxim ou um travesseiro para o apoio da coluna lombar, especialmente naqueles casos em que a abordagem foi nessa região (coluna lombar e lombo-sacra); • Períodos prolongados nessa posição deverão ser evitados. • Cinesioterapia dos demais grupos musculares
  16. 16. FISIOTERAPIA P.O 1 e 2 ° semanas • Crioterapia • TENS • Laserterapia • Orientações e treinos :  Paciente em PÉ:  Evitar permanecer por longos períodos nessa posição, cuidando para não sobrecarregar somente uma das pernas, especialmente para os pacientes que sofreram cirurgia na região lombar e lombo-sacra.  Treinar deambulação.
  17. 17. FISIOTERAPIA P.O 3 e 4° semanas • Liberação miosfascial • Liberação do tecido cicatricial • Alongamentos passivos • Fortalecimento  Reeducar o paciente para realização de AVD´S:  Ex: Banho, calçar sapatos, subir e descer escadas, entrada e saída de carro
  18. 18. • A partir dos 30 dias, a iniciação de atividades físicas ativamente porém com intensidade leve deve ser indicada. • Algumas atividades como, carregar peso, atividades físicas intensas e dirigir só são permitidas após 60 dias de tratamento
  19. 19. Referências • DANGELO, J. G; FATTINI, C. A. Crânio, Coluna Vertebral e Partes moles do dorso. In: ______ Anatomia Humana Sistêmica e Segmentar. 3 ed. São Paulo: Atheneu, 2007, cap. 19, p. 415- 432. • GUNTA, K. E. Alterações na função esquelética: distúrbios congênitos, doença óssea metabólica e neoplasias. In: PORTH, C. M.; KUNERT, M. P. Fisiopatologia. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Ko • MAGEE, D. J. Avaliação Musculoesquelética. 4. ed. Barueri: Manole, 2005, p.1014.ogan, 2004, cap. 58, p. 1312-1314. • SOUZA, D. E. Tratamento fisioterapêutico em escoliose através das técnicas de iso-stretching e manipulações osteopáticas. Cascavel p. 1-68, fev. 2004.
  20. 20. • FAÇANHA FILHO F. A. M; DEFINO H; GONZAGA M. C; ZYLBERSZTEJN S; MEVES R; CANTO F. T; CECIN H. A. Escoliose Idiopática no Adolescente: Instrumentação Posterior. Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia Sociedade Brasileira de Reumatologia. Jan. 2008.

×