Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Daniela Barreto Castanheiro
<ul><li>“  O empreendedor é aquele que destrói a ordem econômica existente pela introdução de novos produtos e serviços, p...
<ul><li>Iniciativa para criar um negócio; </li></ul><ul><li>Envolvimento com o que faz; </li></ul><ul><li>Utiliza os recur...
Fatores críticos para o desenvolvimento econômico (Smilor & Gill, 1986)
Fonte: adaptado de Hisrich, 1998.
Fonte: adaptado de Timmons, 1994.  Critérios para avaliar oportunidades .  Critério Atratividade Alto Potencial Baixo Pote...
<ul><li>A maior parte dos negócios criados no país é concebida por pequenos empresários. </li></ul><ul><li>Número de micro...
<ul><li>GEM – Global Entrepreneurship Monitor </li></ul><ul><li>Iniciativa conjunta do Babson Collge (EUA) e London Busine...
Fonte: Sebrae – 2007  (apud  Dornelas, 2008) <ul><li>Dados de Sobrevivência de Empresas no Brasil </li></ul>Anos de existê...
<ul><li>Carga burocrática  para abertura e manutenção das empresas; </li></ul><ul><li>Carga tributária; </li></ul><ul><li>...
<ul><li>Funções específicas dos órgãos público de turismo: </li></ul><ul><li>determinação de prioridade; </li></ul><ul><li...
<ul><li>Função de provisão da oferta turística </li></ul><ul><li>Função normativa </li></ul><ul><li>Função de estimular o ...
<ul><li>Lançado pelo Ministério do Turismo, visou “estimular em todo país a adoção de um modelo de gestão descentralizada,...
<ul><li>“  A atividade turística demanda internacionalização de operacionalidade, de infra-estrutura de transporte, de hos...
<ul><li>Dornelas, J. C. A.  Empreendedorismo: transformando idéias em negócios . 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier/Campus, 2...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Turismo, Empreendedorismo E InovaçãO

4,430 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Turismo, Empreendedorismo E InovaçãO

  1. 1. Daniela Barreto Castanheiro
  2. 2. <ul><li>“ O empreendedor é aquele que destrói a ordem econômica existente pela introdução de novos produtos e serviços, pela criação de novas formas de organização ou pela exploração e novos recursos e materiais.” </li></ul><ul><li>Joseph Shumpeter (1949) </li></ul><ul><li>Cria novos negócios </li></ul><ul><li>Inova dentro de negócios já existentes </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Iniciativa para criar um negócio; </li></ul><ul><li>Envolvimento com o que faz; </li></ul><ul><li>Utiliza os recursos de forma criativa; </li></ul><ul><li>Identificação de oportunidades; </li></ul><ul><li>Assume riscos planejados; </li></ul><ul><li>Ciente da possibilidade de fracasso. </li></ul>
  4. 4. Fatores críticos para o desenvolvimento econômico (Smilor & Gill, 1986)
  5. 5. Fonte: adaptado de Hisrich, 1998.
  6. 6. Fonte: adaptado de Timmons, 1994. Critérios para avaliar oportunidades . Critério Atratividade Alto Potencial Baixo Potencial Mercado Análise Econômica Vantagens Competitivas Equipe Gerencial
  7. 7. <ul><li>A maior parte dos negócios criados no país é concebida por pequenos empresários. </li></ul><ul><li>Número de micro-empresas </li></ul><ul><li>Em 2002, a MPE´s correspondiam a: </li></ul>1996 2.956.749 2002 4.605.607 crescimento 55,8% Fonte: Sebrae – Boletim Estatístico das Micro e Pequenas Empresas - 2005 99,2% nº total empresas formais 57,2% empregos totais 26% massa salarial
  8. 8. <ul><li>GEM – Global Entrepreneurship Monitor </li></ul><ul><li>Iniciativa conjunta do Babson Collge (EUA) e London Business Scholl com o objetivo de medir a atividade empreendedora dos países e observar seu relacionamento com o crescimento econômico. </li></ul>9ª posição (2007) Índice de criação de empregos 12,72% Envolvimento de mais de 15 milhões de pessoas. Empreendedorismo de oportunidade Empreendedorismo de necessidade Fonte: Adaptado de Dornelas, 2008
  9. 9. Fonte: Sebrae – 2007 (apud Dornelas, 2008) <ul><li>Dados de Sobrevivência de Empresas no Brasil </li></ul>Anos de existência das empresas Anos de constituição formal das empresas (triênio 2002-2000 ) Taxa de Sobrevivência (A) Anos de constituição formal das empresas (triênio 2003-2005) Taxa de Sobrevivência (B) Variação da taxa de sobrevivência (B-A) Até 2 anos 2002 50,6% Até 2 anos 78,0% + 27,4% Até 3 anos 2001 43,6% Até 3 anos 68,7% + 25,1% Até 4 anos 2000 40,1% Até 4 anos 64,1% + 24,0%
  10. 10. <ul><li>Carga burocrática para abertura e manutenção das empresas; </li></ul><ul><li>Carga tributária; </li></ul><ul><li>Falta de políticas públicas duradouras e adequadas; </li></ul><ul><li>Consolidação do capital – possibilidade de crédito aos investidores; </li></ul><ul><li>Quebra do paradigma emprego x trabalho, deu certo porque teve sorte. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Funções específicas dos órgãos público de turismo: </li></ul><ul><li>determinação de prioridade; </li></ul><ul><li>criação de normas; </li></ul><ul><li>administração de recursos; </li></ul><ul><li>estimular o setor privado; </li></ul><ul><li>dar diretrizes e prover facilidades; </li></ul><ul><li>Objetivando o desenvolvimento uniforme e orgânico da atividade turística nacional. </li></ul>Fonte: Beni (2001).
  12. 12. <ul><li>Função de provisão da oferta turística </li></ul><ul><li>Função normativa </li></ul><ul><li>Função de estimular o setor privado </li></ul><ul><li>Função de coordenação </li></ul><ul><li>- intracoordenação (horizontal) </li></ul><ul><li>- intercoordenação (vertical) </li></ul><ul><li>Função social </li></ul>Fonte: Hall ( apud Zapata, 2003).
  13. 13. <ul><li>Lançado pelo Ministério do Turismo, visou “estimular em todo país a adoção de um modelo de gestão descentralizada, coordenada e integrada, com base no princípios da flexibilidade, articulação, mobilização, cooperação intersetorial e interinstitucional, e na sinergia de decisões.” </li></ul>
  14. 14. <ul><li>“ A atividade turística demanda internacionalização de operacionalidade, de infra-estrutura de transporte, de hospedagem e dos canais de comercialização, por outro lado incorpora um forte comprometimento com o espaço e a cultura local.” </li></ul><ul><li>Sarmento (2004), apud Barbosa (2009) </li></ul>
  15. 15. <ul><li>Dornelas, J. C. A. Empreendedorismo: transformando idéias em negócios . 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier/Campus, 2008. </li></ul><ul><li>Drucker, Peter Ferdinand. Inovação e Espírito Empreendedor . 5.ed. São Paulo: Pioneira, 1987. </li></ul><ul><li>Beni, Mário Carlos. Análise Estrutural do Turismo. 12.ed. São Paulo: Editora Senac, 2007. </li></ul><ul><li>Barbosa, Luiz Gustavo. Observatório de Inovação do Turismo. 1.ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009. </li></ul>

×