Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Inteligência Coletiva e Inclusão Digital

804 views

Published on

Apresentação dos Alunos do Prof. Mateus Cozer (Sistemas de Informação) do 10º Semestre de Engenharia de Produção do Centro Educacional FEI, em São Bernardo do Campo

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Inteligência Coletiva e Inclusão Digital

  1. 1. INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />INCLUSÃO DIGITAL<br />DanielMagril <br />Danilo Moreira <br />Leonardo Matos <br />Victor Moraes<br />
  2. 2. INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />“Inteligência coletiva já existe há pelo menos tão longo quanto os humanos. Tribos de caçadores, nações e corporações modernas, todos agem em conjunto, com diferentes graus de inteligência. <br />Porém este fenômeno está ocorrendo AGORA de diversas novas maneiras.”<br />Thomas W. Malone<br />cci.mit.edu<br />
  3. 3. INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />AGORA...<br />Você quis dizer...<br />Usando o conhecimento de milhões e motivando milhares ao redor do mundo.<br />cci.mit.edu<br />
  4. 4. INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />Como pessoas e computadores podem se conectar para que, coletivamente, possam agir de forma mais inteligente do que qualquer indivíduo, grupo ou computador jamais fez antes?<br /><ul><li>Estudo de casos
  5. 5. Novos exemplos
  6. 6. Experiências sistemáticas
  7. 7. Novas teorias </li></ul>cci.mit.edu<br />
  8. 8. INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />Como abordar a questão da mudançaclimática global?<br />Combinando o melhor de cada ideia<br />Thomas W. Malone<br />climatecolab.org/web/guest<br />
  9. 9. INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />Aldeia global ou Cyber-Balcãs?<br />ElectronicCommunities:<br />Global Villageor<br />Cyberbalkans?<br />por<br />Marshall Van Alstyne e<br />ErikBrynjolfsson<br />
  10. 10. INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />Aldeia global ou Cyber-Balcãs?<br />“Melhores tecnologias aumentaram a velocidade de transmissão da informação em todas as distâncias, exceto os últimos12 centímetros.”<br />ElectronicCommunities:<br />Global Villageor<br />Cyberbalkans?<br />por<br />Marshall Van Alstyne e<br />ErikBrynjolfsson<br />
  11. 11. INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />A Balcanização é boa?<br />Aldeia global ou<br />Cyber-Balcãs?<br />ALTA ESPECIALIZAÇÃO<br />CUSTO COM TI<br />INTERCONECTIVDADE<br />BALCANIZAÇÃO<br />CONHECIMENTO<br />ElectronicCommunities:<br />Global Villageor<br />Cyberbalkans?<br />por<br />Marshall Van Alstyne e<br />ErikBrynjolfsson<br />
  12. 12. INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />Computer Supported Collaborative Work<br />Objetivo<br />Conduzir as pessoas ao trabalho colaborativo como forma de obter melhores resultados individuais, grupais e organizacionais.<br />Definições<br />1.“Captura todos os tipos de tecnologias da informação explicitamente projetadas para facilitar a cooperação e a comunicação entre as pessoas.”<br />CSCW<br />Groupware<br />Workflow<br />Comunidades Online<br />Foursquare<br />Threadless<br />Twitter<br />Facebook<br />2.“CSCW consiste de uma atividade coordenada assistida por computador, obtida a partir da colaboração de um grupo de<br /> pessoas.”<br />1. Ljungberg e Kristoffersen<br />2. Baecker<br />
  13. 13. INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />Groupware<br />CSCW<br />Groupware<br />1. “Uma família de aplicações, baseadas em computador, que dá suporte a grupos de pessoas, engajadas em uma tarefa comum e que provê uma interface para compartilhar o ambiente, especialmente ao nível de comunicação, colaboração e suporte à decisão.”<br />2. “Groupware é um termo genérico que denomina sistemas desenvolvidos objetivando a utilização e integração de muitos dos softwares e hardwares existentes de maneira a permitir o trabalho colaborativo.”<br />Workflow<br />Comunidades Online<br />Foursquare<br />Threadless<br />Twitter<br />Facebook<br />1. Ellis, Gibbs e Rein<br />2. Khoshafian e Buckiewicz<br />
  14. 14. INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />CSCW x Groupware<br />Apesar de parecerem conceitos semelhantes, o CSCW e o Groupware são atividades distintas, onde a ideia de ambos é auxiliar o trabalho de grupos de usuários.<br />CSCW<br />Groupware<br />Workflow<br />Comunidades Online<br />CSCW<br />Reuniões – metodologias<br />Ferramentas para groupwares<br />Análise / medidas da utilização de e-mail<br />Groupware<br />E-mail;<br />Editores colaborativos;<br />Workflow.<br />Foursquare<br />Threadless<br />Twitter<br />Facebook<br />Trabalho Colaborativo <br />e Groupware<br />por<br />José Braz de Araújo<br />
  15. 15. Classificações<br />INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />1. Classificação Espaço / Tempo;<br />CSCW<br />Groupware<br />Workflow<br />Comunidades Online<br />Foursquare<br />2.Classificação considerando a previsibilidade;<br />Threadless<br />Twitter<br />Facebook<br />1. Brink<br />2. Grudin<br />
  16. 16. Classificações<br />INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br /><ul><li>Outras Classificações
  17. 17. Kalliannan, 1999
  18. 18. Dinâmica de grupos;
  19. 19. Escalas espacial, numérica e organizacional.
  20. 20. Khoshafian e Buckiewicz , 1995
  21. 21. Orientado a documentos;
  22. 22. Orientado a transações;
  23. 23. Orientado à comunicação organizacional.</li></ul>CSCW<br />Groupware<br />Workflow<br />Comunidades Online<br />Foursquare<br />Threadless<br />Twitter<br />Facebook<br />Trabalho Colaborativo <br />e Groupware<br />por<br />José Braz de Araújo<br />
  24. 24. INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />Benefícios<br /><ul><li>Aumento de produtividade;
  25. 25. Melhor controle de custos;
  26. 26. Menos reuniões;
  27. 27. Integrar equipes separadas geograficamentes;
  28. 28. Melhoria no relacionamento profissional;</li></ul>CSCW<br />Groupware<br />Workflow<br />Comunidades Online<br />Foursquare<br />Threadless<br />Twitter<br />Facebook<br />Trabalho Colaborativo <br />e Groupware<br />por<br />José Braz de Araújo<br />
  29. 29. INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />Workflow<br />CSCW<br />1. “Workflow é um conjunto de ferramentas que possibilita análise proativa, compressão e automação de atividades e tarefas baseadas em informação”<br />2. “Workflow é a tecnologia que possibilita automatizar processos, racionalizando-os e potencializando-os por meio de dois componentes implícitos: organização e tecnologia”<br />Groupware<br />Workflow<br />Comunidades Online<br />Foursquare<br />Threadless<br />Twitter<br />Facebook<br />1. Koulopoulos<br />2. Cruz<br />
  30. 30. INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />Tipos<br />Existem diversas classificações de tipologia de Workflow:<br /><ul><li>Ad Hoc;
  31. 31. Administrativo;
  32. 32. Produção ou Transação;
  33. 33. Orientado a objeto;
  34. 34. Baseado no conhecimento.</li></ul>CSCW<br />Groupware<br />Workflow<br />Comunidades Online<br />Foursquare<br />Threadless<br />Estrutura<br />Twitter<br />Facebook<br />Todo sistema Workflow deve ser estruturado seguindo uma base de cinco pilares:<br /><ul><li>Processo;
  35. 35. Instâncias ou casos;
  36. 36. Pastas;
  37. 37. Papéis, regras e caminhos;
  38. 38. Documentos.</li></ul>Kobelius<br />
  39. 39. INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />Benefícios<br /><ul><li>Integridade e integração dos processos;
  40. 40. Aumento de produtividade;
  41. 41. Aumento de comunicação interna;
  42. 42. Disseminação do ciclo do processo;
  43. 43. Métrica de processos.</li></ul>CSCW<br />Groupware<br />Workflow<br />Comunidades Online<br />Elementos primários – 3R<br />Foursquare<br />Threadless<br /><ul><li>Roles (Papéis);
  44. 44. Rules (Regras);
  45. 45. Routes (Rotas / Caminhos).</li></ul>Twitter<br />Facebook<br />Sistemas Workflow em <br />processos empresariais<br />por<br />Ly Freitas Filho <br />
  46. 46. D’Accord Music Software<br />INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br /><ul><li>Exportação de Software;
  47. 47. Parcerias de distribuição;
  48. 48. Ambiente Virtua;
  49. 49. Processo de Compra;
  50. 50. Processo de transações.</li></ul>CSCW<br />Groupware<br />Workflow<br />Comunidades Online<br />Foursquare<br />Threadless<br />Twitter<br />Facebook<br />Ambiente Virtual de Negócios<br />por<br />Jairo Simião Dornelas<br />
  51. 51. INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />CSCW<br />Groupware<br />Workflow<br />Comunidades Online<br />Foursquare<br />Threadless<br />Twitter<br />Facebook<br /> “Eu defino ‘comunidade’ como redes de laços interpessoais que proporcionam sociabilidade, apoio, informação, sentimento de ‘fazer parte’ e identidade pessoal” <br />Barry Wellman<br />
  52. 52. INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />CSCW<br />Groupware<br />Workflow<br />Comunidades Online<br />Foursquare<br />Threadless<br />Twitter<br />Facebook<br /><ul><li>Rede social;
  53. 53. Interação com outras redes sociais;
  54. 54. Geolocalização;
  55. 55. Check-in;
  56. 56. Majors;
  57. 57. Daily Deals;
  58. 58. Acessibilidade</li></ul>foursquarebrasil.com.br<br />
  59. 59. INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />CSCW<br />Groupware<br />Workflow<br />Comunidades Online<br />Foursquare<br />Threadless<br />Twitter<br />Facebook<br />Harnessing Crowds: <br />Mapping the Genome of Collective Intelligence <br />por<br />Malone, Laubacher e Dellarocas<br />Threadless.com<br />
  60. 60. INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />CSCW<br />Groupware<br />Menos é mais<br />Workflow<br />O que você está fazendo?<br />Comunidades Online<br />Foursquare<br />#140<br />Threadless<br />Twitter<br />Facebook<br />O que está acontecendo?<br />TheCluetrain Manifesto<br />por<br />Thomas Petzinger Jr.<br />“Você quer que paguemos? Então preste atenção.”<br />
  61. 61. INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />CSCW<br />CS<br />Groupware<br />Workflow<br />Comunidades Online<br />Foursquare<br />"A ideia da rede de Zuckerberg é permitir que o usuário faça todas as suas atividades na web a partir do Facebook, o que já é possível ".<br />Threadless<br />Twitter<br />Facebook<br />Silvio Meira em entrevista ao site da revista Veja<br />http://veja.abril.com.br/noti<br />cia/vida-digital/especialista<br />-brasileiro-preve-a-morte-do-orkut<br />
  62. 62. Novo!<br />INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />CSCW<br />CS<br />Groupware<br />Workflow<br />Comunidades Online<br />Foursquare<br />Threadless<br />Twitter<br />Facebook<br />
  63. 63. Novo!<br />INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />OPENGRAPH<br />CSCW<br />Groupware<br />Workflow<br />Comunidades Online<br />CONECTE O QUE VOCÊ QUISER... <br /> ...DA FORMA COMO QUISER<br />Foursquare<br />Threadless<br />Twitter<br />Facebook<br />
  64. 64. INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />The Oracle of<br />Bacon<br />Kevin Bacon É o centro do Universo!<br />oracleofbacon.org<br />
  65. 65. O que o Oráculo come?<br />INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />The Oracle of<br />Bacon<br />Internet Movie Database<br />oracleofbacon.org<br />imdb.com<br />
  66. 66. INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />Rating & Review<br />zagat.com<br />
  67. 67. INTELIGÊNCIA <br />COLETIVA<br />Rating & Review<br />submarino.com.br<br />
  68. 68. INCLUSÃO<br /> DIGITAL<br />
  69. 69. INCLUSÃO<br /> DIGITAL<br />“A inclusão deve favorecer a apropriação da tecnologia de forma consciente, que torne o indivíduo capaz de decidir quando, como e para que utilizá-la”.<br />“Significa aplicar as tecnologias a processos que contribuam para o fortalecimento de suas atividades econômicas, de sua capacidade de organização, do nível educacional e da autoestima”.<br />(Cristina de Luca)<br />“Desenvolvimento sem a Internet seria o equivalente a industrialização sem eletricidade na era industrial.”<br /> (Manuel Castells)<br />Fonte: Berkeley. A galáxia da internet<br />O que as empresas podem fazer pela inclusão digital<br />por<br />Renato Cruz<br />
  70. 70. INCLUSÃO<br /> DIGITAL<br />Exclusão digital<br />Exclusão digital é não ter acesso a:<br /><ul><li>informação;
  71. 71. conhecimento;
  72. 72. redes socais;
  73. 73. opiniões diversas;
  74. 74. novas tecnologias;</li></ul>Ser um excluído digital significa não ser capaz de forma opiniões, ser facilmente manipulado, ou seja, é não poder se desenvolver como cidadão. <br />O que as empresas podem fazer pela inclusão digital<br />por<br />Renato Cruz<br />
  75. 75. INCLUSÃO<br /> DIGITAL<br />Quem pode fazer a inclusão digital<br />A inclusão digital poder ser feitas por:<br /><ul><li>pessoas comuns;
  76. 76. empresas;
  77. 77. governos;
  78. 78. parceria entre empresas e governo;
  79. 79. organizações não governamentais.</li></ul>O que as empresas podem fazer pela inclusão digital<br />por<br />Renato Cruz<br />
  80. 80. INCLUSÃO<br /> DIGITAL<br />Critérios para avaliação de acesso<br />Segundo a Bridges.org, são 12 os critérios para avaliação de existência real de acesso a tecnologia:<br /><ul><li>Acesso físico;
  81. 81. Adequação;
  82. 82. Preço acessível;
  83. 83. Capacidade;
  84. 84. Conteúdo relevante;
  85. 85. Integração;
  86. 86. Fatores socioculturais;
  87. 87. Confiança;
  88. 88. Estrutura legal e regulatória;
  89. 89. Ambiente econômico local;
  90. 90. Ambiente macroeconômico;
  91. 91. Vontade política. </li></ul>O que as empresas podem fazer pela inclusão digital<br />por<br />Renato Cruz<br />
  92. 92. INCLUSÃO<br /> DIGITAL<br />Situação do Brasil<br /><ul><li>56ª posição em levantamento do Fórum Econômico Mundial;
  93. 93. 138 participantes;
  94. 94. IAD;
  95. 95. Disponibilidade de infraestrutura;
  96. 96. Nível educacional do usuário;
  97. 97. Uso efetivo da internet;
  98. 98. Liderança da Suécia;
  99. 99. 33ª posição em uso e a eficiência de ferramentas de TIC pelos governos;
  100. 100. 49ª posição em relação ao interesse governamental por tecnologias inovadoras;
  101. 101. 29ª posição em investimentos das companhias em pesquisa e desenvolvimento.</li></ul>Obs.: Preparo dos indivíduos para usar a tecnologia, o Brasil caiu da 99ª posição obtida em 2010 para 101ª colocação.<br />www.weforum.org/issues/global-information-technology/index.html<br />Informações retiradas do 10º relatório global de tecnologia da informação (10-2011), publicada em 24 de abril de 2011.<br />
  102. 102. INCLUSÃO<br /> DIGITAL<br />Situação do Brasil - Indicadores<br />www.isc.org/solutions/ survey<br />www.cetic.br<br />Pesquisa realizada semestralmente por Internet Systems Consortium (ISC).<br />
  103. 103. INCLUSÃO<br /> DIGITAL<br />Situação do Brasil<br />Pesquisa realizada anualmente por “Centro de estudos da tecnologia da informação e da comunicação”, disponível para download em: www.cetic.com.br<br />www.cetic.br<br />
  104. 104. INCLUSÃO<br /> DIGITAL<br />Desafios da inclusão digital<br />“O incluído digital deve estar capacitado para usar tecnologia e ter um grau de educação, no sentido amplo, que permita aplica-la de forma efetiva”<br /><ul><li>Acesso à Internet;
  105. 105. Acesso à telefonia;
  106. 106. Acesso aos computadores;
  107. 107. Software livre x software proprietário;
  108. 108. Capacitação em tecnologia
  109. 109. Educação a distância;
  110. 110. Novas alternativas tecnológicas.</li></ul>O que as empresas podem fazer pela inclusão digital<br />por<br />Renato Cruz<br />
  111. 111. INCLUSÃO<br /> DIGITAL<br />Papel das empresas<br /><ul><li>Acesso físico à tecnologia;
  112. 112. Centros comunitários de informática;
  113. 113. Doação de computadores;
  114. 114. Estimulo ao voluntariado corporativo;
  115. 115. Patrocínio e desenvolvimento de tecnologias de inclusão digital;
  116. 116. Capacitação tecnológica de professores de escolas públicas;
  117. 117. Apoios a centros comunitários.</li></ul>O que as empresas podem fazer pela inclusão digital<br />por<br />Renato Cruz<br />
  118. 118. INCLUSÃO<br /> DIGITAL<br />Retorno para a empresa<br /><ul><li>Melhor gestão do conhecimento;
  119. 119. Qualificação da mão-de-obra;
  120. 120. Uso mais eficiente da informação;
  121. 121. Elevação de capital humano;
  122. 122. Elevação de capital social.</li></ul>O que as empresas podem fazer pela inclusão digital<br />por<br />Renato Cruz<br />
  123. 123. INCLUSÃO<br /> DIGITAL<br />Governo e terceiro setor<br /><ul><li>Cidade do conhecimento;
  124. 124. C.E.S.A.R.;
  125. 125. IBM;
  126. 126. CDI;
  127. 127. Casa da cultura digital.</li></ul>O que as empresas podem fazer pela inclusão digital<br />por<br />Renato Cruz<br />
  128. 128. INCLUSÃO<br /> DIGITAL<br />Comitê para democratização da informática<br />CDI<br /><ul><li>Fundado em 1995 no Rio de Janeiro por Rodrigo Baggio;
  129. 129. Pioneiro da inclusão digital na América Latina;
  130. 130. Organização não governamental global;
  131. 131. Primeira escola de informática e cidadania (EIC);</li></ul>Missão: transformar vidas e fortalecer comunidades de baixa renda através do uso das tecnologias da informação e comunicação.<br /><ul><li>Utiliza valores da pedagogia de Paulo Freire;
  132. 132. Apoio inicial:
  133. 133. Núcleo de Informática Educativa (Nied);
  134. 134. Universidade de Campinas (Unicamp);
  135. 135. Exemplo para diversas organizações;
  136. 136. Parceria com diversas empresas para desenvolvimento de projetos de inclusão digital.</li></ul>Cidade do Conhecimento<br />C.E.S.A.R.<br />IBM<br />Casa da cultura digital<br />O que as empresas podem fazer pela inclusão digital<br />por<br />Renato Cruz<br />www.cdi.com.br<br />
  137. 137. INCLUSÃO<br />DIGITAL<br />CDI<br />Cidade do Conhecimento<br />C.E.S.A.R.<br />IBM<br /><ul><li>Criado em 1999 – Gilson Schwarts
  138. 138. Objetivo
  139. 139. Projetos: </li></ul>Gestão de Mídias Digitais<br />Rede Pipa Sabe<br />Educar na Sociedade da Informação<br />Casa da cultura digital<br />O que as empresas podem fazer pela inclusão digital<br />por<br />Renato Cruz<br />
  140. 140. INCLUSÃO<br />DIGITAL<br />CDI<br />Cidade do Conhecimento<br />C.E.S.A.R.<br />IBM<br />Casa da cultura digital<br /><ul><li> Inovação </li></ul>Professor Silvio Meira <br />Cientista Chefe do C.E.S.A.R.<br />www.cesar.org.br<br />
  141. 141. INCLUSÃO<br />DIGITAL<br />Processo de Inovação<br />CDI<br />- Desenvolvimento da ideia;<br /> - Concepção;<br /> - Prototipação;<br /> - Execução de Projetos;<br />Cidade do Conhecimento<br />C.E.S.A.R.<br />IBM<br />Casa da cultura digital<br />www.cesar.org.br<br />
  142. 142. Equipes<br />INCLUSÃO<br />DIGITAL<br /><ul><li>Multidisciplinares </li></ul> 450 especialistas<br /><ul><li>Combinação </li></ul>PESSOAS + TECNOLOGIA + NEGÓCIOS<br />CDI<br />Cidade do Conhecimento<br />ADMINISTRADORES<br />C.E.S.A.R.<br />DESIGNERS GRÁFICOS<br />ENGENHEIROS <br />IBM<br />Casa da cultura digital<br />PSICÓLOGOS<br />JORNALISTAS<br />www.cesar.org.br<br />
  143. 143. INCLUSÃO<br />DIGITAL<br />Clientes<br />CDI<br />Cidade do Conhecimento<br />C.E.S.A.R.<br />IBM<br />Casa da cultura digital<br />www.cesar.org.br<br />
  144. 144. INCLUSÃO<br />DIGITAL<br /><ul><li>Patrocínio do desenvolvimento de tecnologias de inclusão digital;
  145. 145. Financiamento de computadores e acesso à internet em escolas públicas;
  146. 146. O estímulo ao voluntariado corporativo;
  147. 147. Doação de Computadores;
  148. 148. Apoio a centros comunitários e escolas de informática.</li></ul>CDI<br />Cidade do Conhecimento<br />C.E.S.A.R.<br />IBM<br />Casa da cultura digital<br />O que as empresas podem fazer pela inclusão digital<br />por<br />Renato Cruz<br />
  149. 149. INCLUSÃO<br />DIGITAL<br /><ul><li>CCR – CorporateCommunityRelations</li></ul>CDI<br /><ul><li>KidSmart</li></ul>Cidade do Conhecimento<br />C.E.S.A.R.<br />IBM<br />Casa da cultura digital<br />www.ibm.com/br<br />
  150. 150. INCLUSÃO<br />DIGITAL<br /><ul><li>OnDemandCommunity</li></ul>CDI<br />Cidade do Conhecimento<br /><ul><li>Reinventando a Educação</li></ul>C.E.S.A.R.<br />IBM<br />Objetivo: Apoiar a reforma educacional em diversos países onde a IBM atua, através da implantação de soluções tecnológicas inovadoras dentro das escolas, com foco na capacitação dos professores e na integração da comunidade escolar (professores, alunos e pais), em uma comunidade criada na Internet.<br />Casa da cultura digital<br />O que as empresas podem fazer pela inclusão digital<br />por<br />Renato Cruz<br />
  151. 151. INCLUSÃO<br /> DIGITAL<br />Casa da cultura digital<br /><ul><li>10 organizações;
  152. 152. digital é algo maior;
  153. 153. CCD é um espaço para troca de:
  154. 154. ideias;
  155. 155. projetos;
  156. 156. pessoas;
  157. 157. São pessoas e organizações tentando encontrar um modo de convivência e de convergência que respeite as individualidades, as diferenças, as diversidades.</li></ul>CDI<br />Cidade do Conhecimento<br />C.E.S.A.R.<br />IBM<br />Casa da cultura digital<br /><ul><li>Endereço: Rua Vitorino Carmilo, 459Barra Funda – São Paulo – SP</li></ul>www.casadaculturadigital.com.br<br />
  158. 158. Bibliografia<br />CRUZ, R. ; GONCALVES, B. ; SILVA, C. A. ; WEINGRILL, C. ; PACHI, F. ; SILVA, L. ; COZER, M. T. S. . O QUE AS EMPRESAS PODEM FAZER PELA INCLUSÃO DIGITAL. 1. ed. São Paulo: Instituto Ethos, 2004. v. 7.000. 110 p. <br />BRYNJOLFSSON, E. ; VAN ALSTYNE, M . Electronic Communities: Global Village or Cyberbalkans? MIT Sloan School, 1997<br /> <br />MALONE, T ; LAUBACHER, R ; DELLAROCAS, C . Harnessing Crowds: Mapping the Genome of Collective Intelligence MIT Center for Collective Intelligence, 2009<br /> <br />Disponível em: www.cdi.org.br. Acesso em 05/09/2011 às 18:50h <br />Disponível em: www.casadaculturadigital.com.br. Acesso em 06/09/2011 às 19:10h <br />Disponível em: www.cetic.br. Acesso em 08/09/2011 às 21:35h <br />Disponível em: www.serpro.gov.br. Acesso em 05/09/2011 às 19:15h<br />Disponível em: https://www.isc.org/solutions/survey . Acesso em 30/09/2011 às 22:20h<br />Disponível em: http://www.weforum.org/issues/global-information-technology/index.html . Acesso em 28/09/2011 às 21:10h<br />Disponível em: www.ufpa.br . Acesso em 10/09/2011 às 20:45h;<br />Disponível em: http://cci.mit.edu . Acesso em 15/09/2011 às 19:00h;<br />Disponível em: http://www.dca.fee.unicamp.br . Acesso em 06/09/2011 às 22:00h<br />Disponível em: https://pt.foursquare.com/ . Acesso em 10/09/2011 às 23:00h<br />Disponível em: http://glauco.net.br/glauconet/si/Workflow.pdf Acesso em 08/09/2011 às 19:30h<br />Disponível em: www.gestaoorg.dca.ufpe.br . Acesso em 28/09/2011 às 22:20h<br />Disponível em: www.oracleofbacon.org Acesso em 16/09/2011 às 23:20h<br />Disponível em: www.climatecolab.org/web/guestAcesso em 16/09/2011 às 23:30h<br />Disponível em: www.imdb.com . Acesso em 17/09/2011 às 21:20h<br />Disponível em: www.threadless.com . Acesso em 17/09/2011 às 22:20h<br />Disponível em: http://stats.wikimedia.org/EN/TablesWikipediaEN.htm . Acesso em 17/09/2011 às 22:40h<br />Disponível em: www.zagat.com. Acesso em 17/09/2011 às 22:50h<br />
  159. 159. OBRIGADO !<br />Agradecimentos a Raíssa e Karina<br />12º Produção<br />

×