Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

2012 09-05-boletim

266 views

Published on

Greve termina, mas, luta continua!

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

2012 09-05-boletim

  1. 1. 5 de setembro de 2012 BOLETIM SEMANAL Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário e do Ministério Público da União no Filiado à CUT/FENAJUFE Distrito Federal a greve termina, mas a luta continua!A assembleia geral dos tos de vista conflitantes. Mas o qui pra frente poderemos muito servidores do Judiciário resultado foi tranquilo, com uma mais”, disse o coordenador geral e do Ministério Público votação esmagadora pelo encer- do Sindjus, Jailton Assis. Ele lem-decidiu na última terça-feira, ramento da greve. brou que a nossa categoria será4, por amplíssima maioria, A proposta foi votada junto a única que terá 15% de reajusteencerrar a greve que começou com a decisão de se convocar em janeiro de 2013, além de ou-no dia 1º de agosto. A catego- atos públicos no Congresso Na- tros 9% no início de 2014 e maisria permanece em estado de cional para a fiscalizar e garantir 9% no início de 2015.greve para garantir o cumpri- o cumprimento do acordo obti- As manifestações do Sindjusmento do acordo feito entre o do nas negociações entre o Judi- no Legislativo ainda não têmJudiciário e o Executivo. ciário e Executivo. data marcada, mas começam no Em clima de muita tensão, “Conseguimos vencer a po- momento do chamado “esforçocom debates acirrados, os re- lítica do governo de reajuste concentrado”, em que os parla-presentantes da categoria zero. Nosso objetivo era maior, mentares votarão matérias an-puderam defender seus pon- mas tivemos duas vitórias, e da- tes das eleições de outubro.
  2. 2. veja aqui Como fi
  3. 3. iCará seu reajuste
  4. 4. Categoria comemora a vitória evidente Na assembleia da última terça- Houve colegas que não entraram carreira, de tal de maneira que o re--feira, a maioria dos servidores do em greve até com a desculpa de que ajuste, ao final de três anos, ficasseJudiciário e do MPU responderam tudo já estaria “combinado” com em 33%. Essa foi a nossa segundaà dúvida dos fura-greves e dos que o Supremo e o Palácio do Planalto. vitória, ainda insatisfatória. No-acham que greve é um fim e não um Ainda assim o movimento cresceu vamente cobrado pelo Sindjus e ameio: nós conquistamos, sim, uma nos piquetes, nas marchas e nos ar- Fenajufe, o presidente do Supremovitória importante com o reajuste rastões solidários, obtendo o apoio declarou que essa complementa-dos 33%. Foi uma vitória parcial, que quase unânime da categoria em vá- ção, já aceita pelos negociadores doainda precisa ser consolidada no rios locais de trabalho. governo, era o seu limite.Congresso Nacional. Mas foi uma O fato é que, diante de nossa Diante desse quadro, tínhamosvitória evidente. greve, juntamente com a paralisa- duas possibilidades. Aceitar o rea- Sem reajuste há seis anos, nosso ob- ção das mais importantes catego- juste, encerrar a greve e continuarjetivo máximo era conseguir o reajuste rias dos servidores do Executivo, o a luta para garantir no Congresso ade 56%, colocando um fim à política do governo Dilma foi obrigado a aban- sua consolidação, ou manter a grevereajuste zero do governo federal. donar a política do reajuste zero. indefinidamente, na esperança de De início, avaliamos que o cená- Essa foi nossa primeira vitória. melhorar o índice proposto até che-rio deste ano seria mais favorável O governo ofereceu aos servi- gar aos 56%. Como no samba, a ca-do que no ano passado, a começar dores do Judiciário e do Ministério tegoria ponderou: “Com que roupa”?pelo fato de que, diferentemente do Público da União os mesmos 15,8% Isto é, que força teríamos para fazerministro Cezar Peluso, o atual presi- concedidos aos demais servidores. a segunda opção, sabendo que a pro-dente do Supremo, ministro Carlos Era muito pouco, como denuncia- posta encaminhada pelo SupremoAyres Britto, se dispôs a levar em ram os diretores do Sindjus. Afinal, ao Ministério do Planejamento nãoconta as nossas reivindicações no esse índice não levava em conta que incluía a previsão orçamentária paraencaminhamento da proposta do muitos servidores do Executivo ha- cobrir esse último índice?orçamento do Judiciário ao Ministé- viam tido reajustes há três ou dois De maneira madura, realista, ario do Planejamento. Para assegurar anos, e que a nossa última reposi- maioria de nossos colegas fizeramque ele manteria essa disposição, ção foi dada há seis anos! Os 15,8% a primeira opção, preferindo o cer-decidimos promover a greve, saben- não cobririam nem a metade da in- to ao duvidoso. E agora comemora,do que quanto mais forte, ousada e flação acumulada nesse período. com justa razão, a vitória obtidamassiva, mais chance teríamos de Nas negociações com o Sindjus depois de 34 dias de uma greve queconquistar a vitória. Daí o mote da e a Fenajufe, o ministro Ayres Brit- tinha um objetivo claro e que, comocampanha: “Se você aderir, os pla- to assumiu um novo compromisso, numa história bem amarrada, tevenos passam”! de complementar a proposta do go- começo, meio e fim. Infelizmente, nem toda a cate- verno, elevando a GAJ de 50% paragoria compreendeu essa estratégia. 100% e reduzindo dois padrões da A luta continua! Chance de magistrados terem mais do que os 15,8% de reajuste é quase nula Ficou decidido em reunião entre os presidentes dos Tribunais Superiores que os magistrados devem acei- tar o índice de 15,8% (5% em janeiro de 2013, 5% em janeiro de 2014, 5% em janeiro de 2015) oferecido pelo Poder Executivo, porém, mantendo as negociações para obter uma eventual nova revisão.  Assim como aconteceu com a nossa categoria, a proposta não atendeu aos pleitos da magistratura, que exigia um reajuste de 28,86%, ou seja, a soma dos índices dos projetos anteriores com aquele que foi encami- nhado no dia 30 de agosto (14,79% + 4,8% + 7,12%). De acordo com o assessor parlamentar Antônio Augusto Queiroz, o projeto de lei dos ministros sofre do mesmo mal dos que foram para o Congresso Nacional sem acordo: falta de orçamento.  Segundo Queiroz, a intenção dos magistrados de enviar a nova proposta de reajuste é de marcar posição. “A chance de aprovar esse projeto está  perto de zero. Não há no Congresso clima para alterar as negocia- ções já feitas", explicou o assessor parlamentar. SINDJUS • Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário e do Ministério Público da União no DF • (61) 3212-2613 • www.sindjusdf.org.br

×