Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Aula gêneros textuais

Aula do curso Letrados

Aula gêneros textuais

  1. 1. GÊNEROS TEXTUAIS
  2. 2. CONVERSANDO SOBRE GÊNEROS  A expressão “gênero” não se vincula apenas à literatura;  A expressão é usada facilmente para fazer referência a uma categoria distintiva de discurso de qualquer tipo, falado ou escrito, com ou sem aspirações literárias.
  3. 3. UM MOMENTO DE REFLEXÃO..
  4. 4. UM MOMENTO DE REFLEXÃO.. Uma monografia é produzida para defender uma ideia; uma publicidade serve para divulgar um produto; uma receita culinária orienta na confecção de uma comida... Cada gênero textual tem um propósito bastante claro que o determina e lhe dá uma esfera de circulação.
  5. 5. UM MOMENTO DE REFLEXÃO.. Todos os gêneros têm uma forma e uma função, bem como um estilo e um conteúdo, mas sua determinação se dá basicamente pela função e não pela forma. A situação influencia o gênero de texto que escrevemos e a maneira como o fazemos.
  6. 6. UM MOMENTO DE REFLEXÃO.. Textos de um mesmo gênero apresentam características comuns considerando os seguintes aspectos:  Conteúdo (informações contidas no texto)  Estilo (maior formalidade / maior informalidade)  Forma de composição (formatação / estruturas)
  7. 7. Gêneros textuais Abrange um conjunto aberto e praticamente ilimitado de designações concretas determinadas pelo canal, estilo, conteúdo, composição e função. Exemplos de gêneros: telefonema, sermão, carta comercial, carta pessoal, romance, bilhete, aula expositiva, reunião de condomínio, horóscopo, receita culinária, lista de compras, cardápio, instruções de uso, outdoor, resenha, inquérito policial, conferência, bate-papo virtual, etc
  8. 8. GÊNEROS  Narrativo: ficcional, inventivo.  Descritivo: impressões pessoais; relato individual.  Argumentativo: opinião; ponto de vista; ideias.  Expositivo: informações constatadas; teses comprovadas.  Injuntivo: orientações; guias.
  9. 9. CONCEITO DE CRÔNICA. LITERÁRIA - NARRAÇÃO A crônica é o comentário noticioso de fatos, que vive do cotidiano mas não visa a informação. Pode ser uma espécie de narração de acontecimentos, uma apreciação de situações ou, na definição tradicional, assumir-se como relato histórico. Antigamente, a crônica era um relato histórico ou uma narração de fatos históricos redigida segundo a ordem do tempo (a palavra grega cronos significa tempo; e em latim chronica, diz-se da narrativa de fatos de acordo com o decorrer dos tempos).
  10. 10. Pensando algumas tipologias e recursos...
  11. 11. CONCEITO DE CRÔNICA LITERÁRIA A crônica tem sido considerada um gênero que transita entre o jornalismo e a literatura, embora seja um texto escrito propriamente para jornal. Inspira-se em acontecimentos cotidianos e comporta elementos de ficção, ora tratando os fatos de maneira trivial, ora filosófica ou mesmo em tom de crítica.
  12. 12. RESUMINDO...  Assim como o repórter, o cronista se inspira nos acontecimentos diários, que constituem a base da crônica. Há, todavia, elementos que distinguem um texto do outro. Após perceber esses acontecimentos diários, o cronista dá- lhes um toque próprio, incluindo em seu texto elementos como ficção, fantasia e criticismo, elementos que o texto essencialmente informativo não contém. Com base nisso, pode-se dizer que a crônica situa-se entre o Jornalismo e a Literatura, e o cronista pode ser considerado o poeta do cotidiano. A crônica, na maioria dos casos, é um texto curto e narrado em primeira pessoa, ou seja, o próprio escritor está "dialogando" com o leitor.
  13. 13. EXEMPLO DE CRÔNICA.. A Última Crônica Fernando Sabino A caminho de casa, entro num botequim da Gávea para tomar um café junto ao balcão. Na realidade estou adiando o momento de escrever. A perspectiva me assusta. Gostaria de estar inspirado, de coroar com êxito mais um ano nesta busca do pitoresco ou do irrisório no cotidiano de cada um. Eu pretendia apenas recolher da vida diária algo de seu disperso conteúdo humano, fruto da convivência, que a faz mais digna de ser vivida. Visava ao circunstancial, ao episódico. Nesta perseguição do acidental, quer num flagrante de esquina, quer nas palavras de uma criança ou num acidente doméstico, torno-me simples espectador e perco a noção do essencial. Sem mais nada para contar, curvo a cabeça e tomo meu café, enquanto o verso do poeta se repete na
  14. 14. Não sou poeta e estou sem assunto. Lanço então um último olhar fora de mim, onde vivem os assuntos que merecem uma crônica. Ao fundo do botequim um casal de pretos acaba de sentar-se, numa das últimas mesas de mármore ao longo da parede de espelhos. A compostura da humildade, na contenção de gestos e palavras, deixa-se acrescentar pela presença de uma negrinha de seus três anos, laço na cabeça, toda arrumadinha no vestido pobre, que se instalou também à mesa: mal ousa balançar as perninhas curtas ou correr os olhos grandes de curiosidade ao redor. Três seres esquivos que compõem em torno à
  15. 15. EXEMPLO DE CRÔNICA.. Passo a observá-los. O pai, depois de contar o dinheiro que discretamente retirou do bolso, aborda o garçom, inclinando-se para trás na cadeira, e aponta no balcão um pedaço de bolo sob a redoma. A mãe limita-se a ficar olhando imóvel, vagamente ansiosa, como se aguardasse a aprovação do garçom. Este ouve, concentrado, o pedido do homem e depois se afasta para atendê-lo. A mulher suspira, olhando para os lados, a reassegurar-se da naturalidade de sua presença ali. A meu lado o garçom encaminha a ordem do freguês. O homem atrás do balcão apanha a porção do bolo com a mão, larga-o no pratinho -- um bolo simples, amarelo-escuro, apenas uma pequena fatia triangular.
  16. 16. EXEMPLO DE CRÔNICA.. A negrinha, contida na sua expectativa, olha a garrafa de Coca-Cola e o pratinho que o garçom deixou à sua frente. Por que não começa a comer? Vejo que os três, pai, mãe e filha, obedecem em torno à mesa um discreto ritual. A mãe remexe na bolsa de plástico preto e brilhante, retira qualquer coisa. O pai se mune de uma caixa de fósforos, e espera. A filha aguarda também, atenta como um animalzinho. Ninguém mais os observa além de mim. São três velinhas brancas, minúsculas, que a mãe espeta caprichosamente na fatia do bolo. E enquanto ela serve a Coca-Cola, o pai risca o fósforo e acende as velas. Como a um gesto ensaiado, a menininha repousa o queixo no mármore e sopra com força, apagando as chamas. Imediatamente põe-se a bater palmas, muito compenetrada, cantando num balbucio, a que os pais se juntam, discretos: "parabéns pra você, parabéns pra você..." Depois a mãe recolhe as velas, torna a guardá-las na bolsa.
  17. 17. A negrinha agarra finalmente o bolo com as duas mãos sôfregas e põe-se a comê-lo. A mulher está olhando para ela com ternura - ajeita-lhe a fitinha no cabelo crespo, limpa o farelo de bolo que lhe cai ao colo. O pai corre os olhos pelo botequim, satisfeito, como a se convencer intimamente do sucesso da celebração. Dá comigo de súbito, a observá-lo, nossos olhos se encontram, ele se perturba, constrangido - vacila, ameaça abaixar a cabeça, mas acaba sustentando o olhar e enfim se abre num sorriso. Assim eu quereria minha última crônica: que fosse pura como esse sorriso.
  18. 18. CONCEITO DE PARÓDIA..  A paródia é uma imitação cômica de uma composição literária (também existem paródias de filmes e músicas), sendo portanto, uma imitação que possui efeito cômico, utilizando a ironia e o deboche. Ela geralmente é parecida com a obra de origem, e quase sempre tem sentidos diferentes. Na literatura a paródia é um processo de intertextualização, com a finalidade de desconstruir ou reconstruir um texto.
  19. 19. CONCEITO DE PARÓDIA..  A paródia surge a partir de uma nova interpretação, da recriação de uma obra já existente e, em geral, consagrada. Seu objetivo é adaptar a obra original a um novo contexto.
  20. 20. EXEMPLO DE PARÓDIA..  "Minha terra tem palmeiras, Onde canta o sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossos campos tem mas flores." (Canção do exílio - Gonçalves Dias, poeta romântico brasileiro)
  21. 21. EXEMPLO DE PARÓDIA..  A paródia de Oswald de Andrade: "Minha terra tem palmares onde gorjeia o mar Os passarinhos daqui Não cantam como os de lá" Reparem que "palmares", na verdade FAZ REFERÊNCIA ao Quilombo dos Palmares, ou seja, a expressão do nacionalismo crítico do movimento modernista brasileiro da vertente Pau-Brasil.
  22. 22. PARÓDIAS DE MONALISA
  23. 23. REFLEXÃO.. A paródia é uma forma de contestar ou ridicularizar outros textos, há uma ruptura com as ideologias impostas e por isso é objeto de interesse para os estudiosos da língua e das artes. Ocorre, aqui, um choque de interpretação, a voz do texto original é retomada para transformar seu sentido, leva o leitor a uma reflexão crítica de suas verdades incontestadas anteriormente, com esse processo há uma indagação sobre os dogmas estabelecidos e uma busca pela verdade real, concebida através do raciocínio e da crítica.
  24. 24. CONCEITO DE PARÁFRASE.. A paráfrase é um recurso que ocorre quando um texto cita outro na intenção de reafirmar, reforçar, exaltar, concordar ou apropriar-se de seu significado para a construção de uma nova ideia. O melhor exemplo é nosso Hino Nacional.
  25. 25. EXEMPLO DE PARÁFRASE.. (...) Do que a terra mais garrida Teus risonhos, lindos campos têm mais flores, “Nossos bosques têm mais vida”, “Nossa vida” no teu seio “mais amores”.
  26. 26. CONCEITO DE PARÁFRASE..  Na paráfrase as palavras são mudadas, porém a ideia do texto é confirmada pelo novo texto, a alusão ocorre para atualizar, reafirmar os sentidos ou alguns sentidos do texto citado. É dizer com outras palavras o que já foi dito. Temos um exemplo citado por Affonso Romano Sant’Anna em seu livro “Paródia, paráfrase & Cia” (p. 23):
  27. 27. CONCEITO DE PARÁFRASE.. Texto Original  Minha terra tem palmeiras Onde canta o sabiá, As aves que aqui gorjeiam Não gorjeiam como lá. (Gonçalves Dias, “Canção do exílio”). Paráfrase  Meus olhos brasileiros se fecham saudosos Minha boca procura a ‘Canção do Exílio’. Como era mesmo a ‘Canção do Exílio’? Eu tão esquecido de minha terra… Ai terra que tem palmeiras Onde canta o sabiá! (Carlos Drummond de Andrade, “Europa, França e Bahia”).
  28. 28. EXPLICANDO...  Este texto de Gonçalves Dias, “Canção do Exílio”, é muito utilizado como exemplo de paráfrase e de paródia, aqui o poeta Carlos Drummond de Andrade retoma o texto primitivo conservando suas ideias, não há mudança do sentido principal do texto que é a saudade da terra natal.
  29. 29. CONCEITO DE ANEDOTA.. Na prosa medieval, a anedota revestia-se de um alcance didático, servindo a ilustração de um conceito doutrinário ou duma lição moral. Atualmente a anedota representa uma sequência de ações cujo desfecho baseia-se na comicidade.
  30. 30. CONCEITO DE TIRINHA  As tirinhas são uma forma simplificada de arte sequencial, nas quais as histórias são divididas entre 3 e 5 quadrinhos;  Ela faz humor, trata com ironia, satiriza e provoca reflexões;  Trabalha tanto as trivialidades do dia-a-dia quanto as questões mais sérias do país e do mundo. Sua intenção de entreter traz implícito o questionamento, a denúncia e mesmo a autocrítica.
  31. 31. CONCEITO DE TIRINHA  Envolve personagens fixos: um personagem principal em torno do qual gravitam outros. Pode representar o que há de universal na condição humana.  Ex.: Mafalda, Chico Bento, Garfield, Hagar...
  32. 32. EXEMPLO DE TIRINHA
  33. 33. CONCEITO DE CHARGE  Ilustração que tem por finalidade satirizar algum acontecimento atual;  A palavra é de origem francesa e a ideia é exagerar para tornar o fato burlesco;  Muito utilizadas em críticas políticas no Brasil.
  34. 34. CONCEITO DE CHARGE  Mais do que um simples desenho, a charge é uma crítica político-social na qual o artista expressa graficamente sua visão sobre determinadas situações cotidianas atuais através do humor e da sátira. IMPORTANTE!!!
  35. 35. EXEMPLO DE CHARGE
  36. 36. EXEMPLO DE CHARGE
  37. 37. CONCEITO DE CARTUM  Os cartuns são atemporais;  Eles podem ser considerados um texto de humor universal;  Há situações em que pessoas reais são retratadas nos cartuns, mas sua imagem invoca o simbolismo, construído historicamente, como, por exemplo, a imagem de Gandhi é relacionada à paz.
  38. 38. CONCEITO DE CARTUM  O cartum também pode ser considerado a expressão gráfica de uma narrativa humorística;  Pode recorrer, se necessário, à legenda ou inserir elementos dos quadrinhos, como balões, onomatopeias e divisões de cenas.
  39. 39. EXEMPLO DE CARTUM
  40. 40. EXEMPLO DE CARTUM
  41. 41. ARTIGO DE OPINIÃO Permite a emissão de opiniões de quem o escreve, e a demonstração de seu posicionamento com relação a determinadas temáticas e/ou questões polêmicas, geralmente com a finalidade de convencer/influenciar o interlocutor.
  42. 42. ARTIGO DE OPINIÃO  É um texto dissertativo que apresenta argumentos sobre o assunto abordado, portanto o escritor além de expor seu ponto de vista, deve sustentá-lo através de informações coerentes e admissíveis.  É muito comum artigos de opinião em jornais e revistas.
  43. 43. VALE LEMBRAR As ideias defendidas no artigo de opinião são de total responsabilidade do autor, e, por este motivo, o enunciador deve ter cuidado com a veracidade dos elementos apresentados, além de assinar o texto no final.
  44. 44. ESTAMOS COM FOME DE AMOR!!!! Uma vez Renato Russo disse com uma sabedoria ímpar: "Digam o que disserem, o mal do século é a solidão" Pretensiosamente digo que assino embaixo sem dúvida alguma. Parem pra notar, os sinais estão batendo em nossa cara todos os dias. Baladas recheadas de garotas lindas, com roupas cada vez mais micros e transparentes, danças e poses em closes ginecológicos, chegam sozinhas e saem sozinhas. Empresários, advogados, engenheiros que estudaram, trabalharam, alcançaram sucesso profissional e, sozinhos. Tem mulher contratando homem para dançar com elas em bailes, os novíssimos "personal dance", incrível. E não é só isso não, se fosse, era resolvido fácil,
  45. 45. Estamos é com carência de passear de mãos dadas, dar e receber carinho sem necessariamente ter que depois mostrar performances dignas de um atleta olímpico, fazer um jantar pra quem você gosta e depois saber que vão "apenas" dormirem abraçados, sabe essas coisas simples que perdemos nessa marcha de uma evolução cega. Pode fazer tudo, desde que não interrompa a carreira, a produção. Tornamos-nos máquinas e agora estamos desesperados por não saber como voltar a "sentir", só isso, algo tão simples que a cada dia fica tão distante de nós.
  46. 46. Quem duvida do que estou dizendo, dá uma olhada no site de relacionamentos ORKUT, o número que comunidades como: "Quero um amor pra vida toda!", "Eu sou pra casar!" até a desesperançada "Nasci pra ser sozinho!" Unindo milhares ou melhor milhões de solitários em meio a uma multidão de rostos cada vez mais estranhos, plásticos, quase etéreos e inacessíveis. Vivemos cada vez mais tempo, retardamos o envelhecimento e estamos a cada dia mais belos e mais sozinhos. Sei que estou parecendo o solteirão infeliz, mas pelo contrário, pra chegar a escrever essas bobagens (mais que verdadeiras) é preciso encarar os fantasmas de frente e aceitar essa verdade de cara limpa.
  47. 47. Todo mundo quer ter alguém ao seu lado, mas hoje em dia é feio, démodé, brega. Alô gente! Felicidade, amor, todas essas emoções nos fazem parecer ridículos, abobalhados, e daí? Seja ridículo, não seja frustrado, "pague mico", saia gritando e falando bobagens, você vai descobrir mais cedo ou mais tarde que o tempo pra ser feliz é curto, e cada instante que vai embora não volta mais (estou muito brega!), aquela pessoa que passou hoje por você na rua, talvez nunca mais volte a vê-la, quem sabe ali estivesse a oportunidade de um sorriso à dois.
  48. 48. Quem disse que ser adulto é ser ranzinza, um ditado tibetano diz que se um problema é grande demais, não pense nele e se ele é pequeno demais, pra quê pensar nele. Dá pra ser um homem de negócios e tomar iogurte com o dedo ou uma advogada de sucesso que adora rir de si mesma por ser estabanada; o que realmente não dá é continuarmos achando que viver é out, que o vento não pode desmanchar o nosso cabelo ou que eu não posso me aventurar a dizer pra alguém: "vamos ter bons e maus momentos e uma hora ou outra, um dos dois ou quem sabe os dois, vão querer pular fora, mas se eu não pedir que fique comigo tenho certeza de que vou me arrepender pelo resto da vida". Antes idiota que infeliz!

    Be the first to comment

    Login to see the comments

  • MariaTelma5

    Oct. 23, 2019
  • claudiamoura9

    Nov. 4, 2019
  • cristianoprosperogom

    Mar. 3, 2020
  • AlineBarbosaAlmeida

    Mar. 5, 2020
  • SildivaniaFerreira

    Jul. 20, 2020
  • JoelmaSilva94

    Apr. 8, 2021

Aula do curso Letrados

Views

Total views

2,108

On Slideshare

0

From embeds

0

Number of embeds

13

Actions

Downloads

0

Shares

0

Comments

0

Likes

6

×