Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Maria alberta meneres 1

2,022 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Maria alberta meneres 1

  1. 1. Maria Alberta Meneres
  2. 2. Dados Pessoais • Nome - Maria Alberta Rovisco Garcia Meneres de Melo e Castro • Datade Nascimento– 25 de Agosto de 1930 • Localde Nascimento– Vila Nova de Gaia
  3. 3. Vida Académica • A suavidaacadémica– É Licenciada em Ciências Histórico-Filosóficas. Foi professora nos Ensinos Técnico, Preparatório e Secundário, tendo leccionado Língua Portuguesa e História entre 1965 a 1973. • Foi Assessora do Provedor de Justiça, de 1993 a 1998, como criadora e responsável pela linha telefónica grátis “Recados da Criança”. • Por volta dos anos 1995 e 1996 foi professora de Literatura Infantil, no Curso de Educadoras de Infância do Colégio João de Deus (Lisboa, Estrela). • A convite da Fundação Calouste Gulbenkian deu, durante 1997, no Centro de Arte Infantil (CAI) um curso pós-laboral de “Expressão Poética”. • E ainda, em 2002, a convite da Fundação Calouste Gulbenkian, fez conferências sobre “Leituras e Escritas do Nosso Dia-a-dia”, na intenção de uma descoberta e dinamização da Imaginação no nosso quotidiano, em 10 Câmaras Municipais, sob o título de “Re/visão da Matéria”, a cerca de 200/300 Professores, em sessões de 4 horas cada conferência.
  4. 4. Carreira • Quandoinicioua suacarreira- Em 1952 escreve o seu primeiro livro com o título Intervalo. • Háquantosanosescreve– Escreve há 58 anos • Queprémiosrecebeu: -Prémio Internacional de Poesia Giacomo Leopardi, 1961 (Água-Memória) -Prémio Especial de Teatro Infantil da Secretaria de Estado da Cultura, 1979 (O Que é Que -Aconteceu na Terra dos Procópios?) -Prémio "O Ambiente na Literatura Infantil", Lisboa, 1981 (A Água que Bebemos) -Prémio "O Ambiente na Literatura Infantil", Lisboa, 1984 (O Sétimo Descarrilamento) -Grande Prémio Calouste Gulbenkian de Literatura para Crianças, Lisboa, 1986 (pelo conjunto da sua obra e a manutenção de um alto nível de qualidade) -Prémio Especial de Teatro Infantil da Secretaria de Estado da Cultura, 1987 (À Beira do Lago dos Encantos) -Prémio "O Ambiente na Literatura Infantil", Lisboa, 1990 (No Coração do Trevo)
  5. 5. Os Livros • Quetipode livrosescreveu– Escreveu três tipos de livros, infantis, poesia e um ensaio. • DassuasPoesias, temGravado: • um disco (Philips 431993 - colecção Poesia Portuguesa, com prefácio do poeta António Ramos Rosa); • um disco de canções para crianças - poemas seus e música de Jorge Constante Pereira - cantadas e tocadas por alunos de música da Ludus (edição da Ludus); • presença com 4 canções no disco “Cantigas de Ida e Volta” (Orfeu Stereo Stat 032 - edição de Arnaldo Trindade); • Autora do título e letras, durante seis anos consecutivos, das canções da campanha “O Pirilampo Mágico”, em cooperação com a Antena 1(a favor das CERCI); • Várias participações com letras de canções para discos de autores musicais portugueses.
  6. 6. Curiosidades • O seulivropreferido– É o dicionário. “Gostava de aprender palavras difíceis. Por isso é que andava com o dicionário debaixo do braço? M.A.M. – Era o meu livro preferido. Eu achava que se soubesse aquilo tudo podia escrever, podia ser escritora. Não era por ser estudiosa, era porque queria conhecer as palavras todas“ Retirado da entrevista ao Diário de Notícias em 03-06-2010 • Curiosidades: Desde muito cedo que gosta de histórias: "Lembro-me que, quando criança, como era muito raro estar doente, de vez em quando dizia para os meus pais: "Amanhã faz de conta que estou doente! Quero canja e que me contem histórias todo o dia!"Retirado da entrevista ao Diário de Notícias em 03-06-2010 Maria Alberta Meneres: ”E o Pirilampo Mágico também fui eu que inventei. Estava no Alentejo e ligaram-me a dizer que precisavam de um bichinho que fosse fácil e barato de reproduzir para uma campanha de solidariedade. E eu estava debaixo de um chorão cheio de luzinhas, que eram pirilampos, e digo: um pirilampo, e do lado de lá do telefone diz o José Manuel: mágico. E ficou pirilampo mágico. E depois durante anos fui que fiz as letras para as canções da campanha.” Retirado da entrevista ao Diário de Notícias em 03-06-2010
  7. 7. Bibliografia • Os títulosdos livrosqueescreveu: • Infantil Conversas com Versos (poesia). Lisboa: Afrodite, 1968, 2ª ed. 1970. Figuras Figuronas (poesia). Lisboa: Portugália, 1969; Plátano, 2ª ed. 1977. O Poeta faz-se aos Dez Anos. Lisboa: Assírio & Alvim, 1974; Porto: Asa, 3ª ed. 1997. Ulisses. Lisboa: Cabra Cega, 1972; Porto: Asa, 20ª ed. 1996. A Pedra Azul da Imaginação (poesia). Lisboa: Plátano 1975. Um + Um = Dois Amigos. Lisboa: Plátano, 2ª ed. 1976. Lengalenga do Vento. Lisboa: Plátano Editora, 1976. A Chave Verde ou os meus Irmãos. S.l.: Eixo, 1977. Hoje Há Palhaços (com António Torrado). Lisboa: Plátano, 1977. E Pronto ! Lisboa: Plátano, 1977. Primeira Aventura no País do João. (B.D. de Pedro Massano, 1977). Semana Sim, Semana Sim. Lisboa: Plátano, 1979. Um Peixe no Ar (poesia). Lisboa: Plátano, 1980. O Ouriço-Cacheiro Espreitou Três Vezes. Porto: Asa, 1981; 5ª ed. O que é que Aconteceu na Terra dos Procópios? Lisboa: Moraes Editores, 1980. A Água que Bebemos (B.D. de Artur Correia). Lisboa: Caminho, 1981; Sismet, 5ª ed, 1985. O Livro das Sete Cores (poesia, com António Torrado). Lisboa: Moraes Editores, 1983. O Tritão Centenário. Lisboa: Dom Quixote, 1984. Esta Palavra Concelho (B.D. de Artur Correia). Lisboa: Sismet, 1984. Histórias em Ponto de Contar (com António Torrado, sobre desenhos de Amadeo de Souza-Cardoso ) Lisboa: Comunicação, 1984. Dez Dedos Dez Segredos. Lisboa: Ed. Latina, 1985; Porto: Asa, 3ª ed. 1995. Aventuras da Engrácia. Porto: Asa, 1985; 3ª ed. O Sétimo Descarrilamento (com Carlos Correia). Lisboa: O Jornal, 1985. O Retrato em Escadinha. Lisboa: Livros Horizonte, 1985. Este Concelho de Oeiras (B.D. de Artur Correia). Lisboa: Sismet, 1985. Colecção 1001 Detectives, com Natércia Rocha e Carlos Correia:
  8. 8. Bibliografia • O Mistério do Falcão Azul. Lisboa: Caminho, 1987; 3ª ed. 1992. O Mistério do Carburador Salgado. Lisboa: Caminho, 1987. O Mistério do Poço da Morte. Lisboa: Caminho, 1988; 2ª ed. 1990. O Mistério das Bonecas Holandesas. Lisboa: Caminho, 1988; 2ª ed. 1991. O Mistério do Nevão Assombrado. Lisboa: Caminho, 1989; 2ª ed. 1991. O Mistério da Marioneta Assassina. Lisboa: Caminho, 1989. O Mistério da Carruagem 013. Lisboa: Caminho, 1989; 2ª ed. 1992. O Mistério das Portas Mal Fechadas. Lisboa: Caminho, 1990. O Mistério do Bota d'Ouro. Lisboa: Caminho, 1990. O Mistério do Motorista Chinês. Lisboa: Caminho, 1990. O Mistério do Crime Mais-Que-Perfeito. Lisboa: Caminho, 1991. O Mistério do Passageiro das Peúgas Amarelas. Lisboa: Caminho, 1991. O Mistério das Galinhas Espavoridas. Lisboa: Caminho, 1991. O Mistério das Motas Sepultadas. Lisboa: Caminho, 1992. O Mistério da Ruiva Ifigénia. Lisboa: Caminho, 1992.
  9. 9. Bibliografia • Corre, Corre, Pintainho. Lisboa: Plátano, 1988. À Beira do Lago dos Encantos. (teatro) Lisboa: Rolim, 1988; Porto: Asa, 2ª ed., 1996. Um Camaleão na Gaveta. Lisboa: Plátano, 1988. Uma História em Quadradinhos (com António Torrado). Porto: Asa, 1988, 2ª ed.1992. Histórias de Tempo Vai, Tempo Vem. Lisboa: Desabrochar, 1988; 5ª ed. Histórias e Canções em Quatro Estações (coord. e colab. - 4 vols. Livro/cassette). Lisboa: Lisboa Editora/Polygram, 1988; 2ª ed. 1989. Quem faz hoje anos? Lisboa: Círculo de Leitores/Caminho, 1988, 2ª ed. 1996. A Galinha Poedeira. Porto: Desabrochar, 1989; 3ª ed. A Porquinha Asseada. Porto: Desabrochar, 1989; 3ª ed. O Coelho Comilão. Porto: Desabrochar, 1989; 3ª ed. O Cão Pastor. Porto: Desabrochar, 1989; 3ª ed. O Meu Livro de Natal. Porto: Desabrochar, 1991; 3ª ed. No Coração do Trevo (poesia). Lisboa: Verbo, 1992. Uma Palmada na Testa. Lisboa: Verbo, 1993; 2ª ed. 1996. Pêra Perinha. Coimbra: Arnado, 1993. A Gaveta das Histórias. Lisboa: Bertrand, 1995. Sigam a Borboleta! Lisboa: Bertrand, 1996.
  10. 10. Bibliografia • Poesia Intervalo (1952) Cântico de Barro. Lisboa: Portugália Editora, 1954. A Palavra Imperceptível. Lisboa: s.n., 1955. Oração de Páscoa. (1958). Água Memória. Fundão: Jornal do Fundão, 1960. Poesias Escolhidas. Covilhã: Edições Pedras Brancas, 1962. A Pegada do Yeti. Lisboa: Moraes, 1962. Os Mosquitos de Suburna. Edições Pedras Brancas, 1967. O Robot Sensível. Lisboa: Plátano Editora, 1978. O Jogo dos Silêncios. Lisboa: Hugin Editores, 1996. Ensaio O Que É Imaginação. Lisboa: Difusão Cultural, 1993.
  11. 11. Poema de Maria Alberta Meneres Eu conheço dois meninos que em tudo são diferentes. Se um diz: "Dói-me o nariz!" o outro diz: "Ai, meus dentes!" Se um quer brincar em casa, o outro foge para o monte; e se este a casa regressa, já o outro foi para a fonte. É difícil conviver com tanta contradição. Quando um diz:"Oh, que calor!", "Que frio!" - diz o irmão. Mas quando a noitinha chega com suas doces passadas, pedem à mãe que lhes conte histórias de Bruxas e Fadas. E quando o sono esvoaça por sobre o dia acabado, dizem "Boa noite, mãe!" e adormecem lado a lado. Maria Alberta Meneres, Conto Estrelas em Ti, Campo das Letras

×