Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
DSpace-CRIS
Projeto Piloto RCAAP
FernandoRibeiroeJoséCarvalho
fernando.ribeiro@fccn.pte jcarvalho@sdum.uminho.pt
1
DSpaceCRIS VS DSpace
Data model
Publications
Dataset
DSpace
Publications
Dataset
Researcher Pages
Projects
OrgUnits
2nd Level Dynamic
Objects
D...
Características DSpace-CRIS
Gestão de Utilizadores;
Vários identificadores de autores, variantes de nomes, carreira;
Sincr...
www.cineca.itVisão Integrada
07/11/2016 6
DSpace-
CRIS
2. Pessoas
3. Projetos
5. Outros
(2nd level)
4.
Organizações
1.
Publicações
O modelo de dados não
necessita de codificação,
apenas configuração!
• Pode ser efetuado pelo interface webe exportado
para .xls
• Permite a importação por .xls
Configuração do Modelo de Dados
Página (Tabs)
Caixas (Boxes)
Campos (Fields)
DSpaceCRIS – Importação de Dados
• Permite a exportação, correção e reintrodução dos
dados para correções em larga escala,...
DSpaceCRIS - Métricas
07/11/2016 14
Métricas disponíveis para o registo
/ publicação
Ligação ao Google Scholar citations
& altmetric badge
Link to Google Scholar citations &
altmetric badge
DSpaceCRIS – Relacionamentos
07/11/2016 19
Ligações para os registos das
entidades como autores, revistas e
outras entidades do sistema
Índices Internos no Dspace-CRIS
• Os valores novos introduzidos são incluídos nos
índices internos do Repositórios
• Permi...
DSpaceCRIS – Visão do Investigador
Researcher Profile
07/11/2016 22
Informação organizada em várias
páginas (tabs)
Cada página tem
várias caixas de
informação (boxes)
Cada caixa permite introduzir vários
campos com formatos distintos
(imagens, números, texto,
identificadores, ligações par...
Permite explorar as relações dos autores de acordo com os
seus critérios (co-autorias de publicação, projetos, interesses,...
Assim que seleciona um autor, visualiza as relações
DSpaceCRIS – Organizações
07/11/2016 28
Perfil da organização e sua estrutura
Todos os objetos (publicações, projetos, autores, etc.) ligados
à organização podem ser incluídos automaticamente
…incluindo a referência a métricas
Estão disponíveis estatísticas de uso em todos os níveis de
hierarquia, incluindo de todo o repositório
Integração ORCID
Autenticação via ORCID iD
Criar novas contas no ORCID
Transferência de informação do
repositório para o O...
Projeto Piloto DspaceCRIS
07/11/2016 36
Instituições Piloto
• Universidade do Algarve
• Universidade Aberta
• Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz
C...
Metodologia
Prep
DSpaceCRIS
instância master
Ferramentas
Formulário para
Instituição
Kick-off
Objetivos e
Expectativas
Def...
Cronograma
Instituição Equipa RCAAP
1 – Preenchimento de Formulário 1 – Instalação, configuração básica
2 – Identificação ...
DSpace-CRIS
40
DSPACE CRIS
• Interface do DSpace
41
Módulo CRIS
DSPACE CRIS - Administrador
42
Módulo CRIS
DSPACE CRIS - Profile
43
DSpace CRIS - Autenticação ORCID
• Piloto, apenas autenticação.
• Desenvolvimento interação com ORCID, mas
– APENAS DSpace...
1ª Fase – Instâncias Piloto
45
1ª Fase – Instâncias Piloto
• Layout igual para as 3 instituições (proveniente do layout
de desenvolvimento)
• Importação ...
Importação de dados - Problemas
• Mapeamento automático de alguns metadados em
entidades CRIS.
• Os dc.author, dc.contribu...
Importação de dados - Problemas
• Mapeamento automático de alguns metadados em entidades CRIS.
• O campo dc.sponshorship m...
Importação de dados - Problemas
• Mapeamento automático de alguns metadados em
entidades CRIS.
• O campo dc.relation mapea...
Observações
– A maior parte do mapeamento automático na
importação dos conteúdos mostra a
necessidade de haver curadoria d...
2ª Fase – Migração a partir do DSpace
• Repor a Base de Dados original dos repositórios
e migrar para DSpace CRIS.
• Já ef...
2ª Fase – UAB
52
• Manteve-se a estrutura do repositório
• Não foram criadas entidades «novas»
2ª Fase – UALG e Egas-Moniz
53
• Para o repositório da UALG, o mesmo
procedimento da UAB vai ser efetuado.
• No caso do Eg...
3ª Fase – Gestão dos CRIS e Adição de
Entidades CRIS
• Problemas de Usabilidade
• Taxonomias por definir/traduzir
• Campos...
3ª Fase – Claim do Perfil de Investigador
07/11/2016 55
ePerson
• Cria
internamente
o utilizador
com base no
autor do
trab...
Situações Distintas
• Fases a considerar
07/11/2016 56
Importação Produção
Gestão de Autoridades (new)
07/11/2016 57
Interfaces Máquina-Máquina
API REST
https://dev3.rcaap.pt/rest/
OAI-PMH
http://dev3.rcaap.pt/oai/request
CERIF-XML
Em dese...
4ª Fase – Importação de Informação
• Curadoria necessária para corrigir problemas
• Testes do processo de exportação -> Co...
Conclusões
07/11/2016 60
DSpace
Publicações
Publicações
Thesis ID
(TID)
DSpace-
CRIS
Pessoas
Projetos
Outros
(Revistas,
Livros,
Eventos,
Datasets, ...)
Organizações
Teses
Publicações
Thesis ID
(...
DspaceCRIS & Portal RCAAP
07/11/2016 63
Agora Futuro
APIs
Portal RCAAP
Repositórios
OAI-PMH (DC)
CERIF-XML
OAI-PMH (CERIF,...
07/11/2016 64
+ 3 Instâncias
Desafios
• Interligar as entidades com índices de autoridade
(Autores com ORCID/CiênciaID; Projetos com
Identificadores Op...
Dificuldades
• Curadoria de Informação
– Nomes de Autores
– Nomes de Projetos
– Um campo = múltiplos usos
– ...
• Bugs do ...
Dificuldades
• Funcionalidades em desenvolvimento
– Interface CERIF-XML (para máquinas)
– Integração com PTCRISsync
– Scri...
Aspetos Positivos
• Qualidade dos Metadados (Dublin Core -> CERIF)
(= mais tempo para registo da informação)
• Informação ...
Aspetos Positivos
• A revelar-se um projeto piloto com sucesso,
permitirá adotar 28 DSpaceCRIS
• Contribuir com a metodolo...
Obrigado!
http://www.rcaap.pt
70
Sistemas de Gestão de Ciência e Repositórios - DSpaceCRIS
Sistemas de Gestão de Ciência e Repositórios - DSpaceCRIS
Sistemas de Gestão de Ciência e Repositórios - DSpaceCRIS
Sistemas de Gestão de Ciência e Repositórios - DSpaceCRIS
Sistemas de Gestão de Ciência e Repositórios - DSpaceCRIS
Sistemas de Gestão de Ciência e Repositórios - DSpaceCRIS
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Sistemas de Gestão de Ciência e Repositórios - DSpaceCRIS

235 views

Published on

A gestão de ciência tem ganho, nos últimos anos, um papel cada vez mais importante pois a mesma tem o potencial de permitir: aceder a informação relevante, gerir e reportar, optimizar o processo de financiamento, medir e analisar a actividade de investigação, descobrir tecnologias e ideias inovadoras, identificar da concorrência, aceder a informação fidedigna, completa e atualizada sobre as instituições onde se pratica investigação.

Este workshop está organizado em duas partes. A primeira visa traçar um panorama sobre os sistemas de gestão de ciência e o referencial normativo necessário para os interligar. A segunda visa explicar o papel dos repositórios no ecossistema de gestão de ciência e as boas práticas para assegurar uma interação neste ecossistema.

Published in: Science
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Sistemas de Gestão de Ciência e Repositórios - DSpaceCRIS

  1. 1. DSpace-CRIS Projeto Piloto RCAAP FernandoRibeiroeJoséCarvalho fernando.ribeiro@fccn.pte jcarvalho@sdum.uminho.pt 1
  2. 2. DSpaceCRIS VS DSpace
  3. 3. Data model Publications Dataset DSpace Publications Dataset Researcher Pages Projects OrgUnits 2nd Level Dynamic Objects DSpace-CRIS Abordagem: dinâmica, flexível, configurável Atributos: alguns predefinidos Entidades: algumas predefinidas Principais características do modelo de dados DSpace-CRIS
  4. 4. Características DSpace-CRIS Gestão de Utilizadores; Vários identificadores de autores, variantes de nomes, carreira; Sincronismo com ORCID; Gestão online pelos administradores Separação de Entidades; Permite extensões no futuro, workflows e regras específicos Uma única entidade é caracterizada por um perfil próprio (ex: Revista, Evento, Prémio, etc.; Cada perfil tem o seu conjunto de propriedades (definidas de forma independente)
  5. 5. www.cineca.itVisão Integrada
  6. 6. 07/11/2016 6 DSpace- CRIS 2. Pessoas 3. Projetos 5. Outros (2nd level) 4. Organizações 1. Publicações
  7. 7. O modelo de dados não necessita de codificação, apenas configuração!
  8. 8. • Pode ser efetuado pelo interface webe exportado para .xls • Permite a importação por .xls Configuração do Modelo de Dados
  9. 9. Página (Tabs) Caixas (Boxes) Campos (Fields)
  10. 10. DSpaceCRIS – Importação de Dados • Permite a exportação, correção e reintrodução dos dados para correções em larga escala, curadoria ou importação de informação nova. 07/11/2016 13
  11. 11. DSpaceCRIS - Métricas 07/11/2016 14
  12. 12. Métricas disponíveis para o registo / publicação
  13. 13. Ligação ao Google Scholar citations & altmetric badge
  14. 14. Link to Google Scholar citations & altmetric badge
  15. 15. DSpaceCRIS – Relacionamentos 07/11/2016 19
  16. 16. Ligações para os registos das entidades como autores, revistas e outras entidades do sistema
  17. 17. Índices Internos no Dspace-CRIS • Os valores novos introduzidos são incluídos nos índices internos do Repositórios • Permite a uniformização dos termos (palavras- chave, nomes de autores, revistas, eventos, etc...) 07/11/2016 21
  18. 18. DSpaceCRIS – Visão do Investigador Researcher Profile 07/11/2016 22
  19. 19. Informação organizada em várias páginas (tabs)
  20. 20. Cada página tem várias caixas de informação (boxes)
  21. 21. Cada caixa permite introduzir vários campos com formatos distintos (imagens, números, texto, identificadores, ligações para outras entidades)
  22. 22. Permite explorar as relações dos autores de acordo com os seus critérios (co-autorias de publicação, projetos, interesses, etc.)
  23. 23. Assim que seleciona um autor, visualiza as relações
  24. 24. DSpaceCRIS – Organizações 07/11/2016 28
  25. 25. Perfil da organização e sua estrutura
  26. 26. Todos os objetos (publicações, projetos, autores, etc.) ligados à organização podem ser incluídos automaticamente
  27. 27. …incluindo a referência a métricas
  28. 28. Estão disponíveis estatísticas de uso em todos os níveis de hierarquia, incluindo de todo o repositório
  29. 29. Integração ORCID Autenticação via ORCID iD Criar novas contas no ORCID Transferência de informação do repositório para o ORCID (e vice versa) Liga o perfil local com o registo ORCID
  30. 30. Projeto Piloto DspaceCRIS 07/11/2016 36
  31. 31. Instituições Piloto • Universidade do Algarve • Universidade Aberta • Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz Cada instituição terá a sua área de testes 37
  32. 32. Metodologia Prep DSpaceCRIS instância master Ferramentas Formulário para Instituição Kick-off Objetivos e Expectativas Definição do projeto Equipa Entidades fase 1 Publicações Pessoas Organizações Projetos Entidades fase 2 Eventos Revistas Outros Relatório 38
  33. 33. Cronograma Instituição Equipa RCAAP 1 – Preenchimento de Formulário 1 – Instalação, configuração básica 2 – Identificação de informação - autores – ORCID; - projetos – OpenAIRE; - teses – RENATES, - instituição - ISNI; … 2 – Layout Gráfico 3 – Testes e exploração da aplicação 3 – Configurações Específicas 4 - Validação da informação 4 – Importação de Informação FORMAÇÃO ONLINE 5 - Consolidação da informação 5 - Apoio 6 - Testes com utilizadores finais 6 - Correções 7 – Análise de Métricas e estatísticas 7 - Testes de Segurança, parametrização de backups, etc... Relatório de Implementação Relatório de Implementação 39
  34. 34. DSpace-CRIS 40
  35. 35. DSPACE CRIS • Interface do DSpace 41 Módulo CRIS
  36. 36. DSPACE CRIS - Administrador 42 Módulo CRIS
  37. 37. DSPACE CRIS - Profile 43
  38. 38. DSpace CRIS - Autenticação ORCID • Piloto, apenas autenticação. • Desenvolvimento interação com ORCID, mas – APENAS DSpace -> ORCID 44
  39. 39. 1ª Fase – Instâncias Piloto 45
  40. 40. 1ª Fase – Instâncias Piloto • Layout igual para as 3 instituições (proveniente do layout de desenvolvimento) • Importação de dados: • UAB e UALG através dos AIPs (Estrutura do Site - Archival Information Packages) • Egas Moniz através da importação das comunidades/coleções do Repositório comum 46
  41. 41. Importação de dados - Problemas • Mapeamento automático de alguns metadados em entidades CRIS. • Os dc.author, dc.contributor, etc. mapeados como um Researcher Profile. Exemplo UALG, foram criados 8509 profiles. 47
  42. 42. Importação de dados - Problemas • Mapeamento automático de alguns metadados em entidades CRIS. • O campo dc.sponshorship mapeado como organização da instituição. Exemplo para o Egas-Moniz: 48
  43. 43. Importação de dados - Problemas • Mapeamento automático de alguns metadados em entidades CRIS. • O campo dc.relation mapeado como financiamento. Exemplo para o UALG: 49
  44. 44. Observações – A maior parte do mapeamento automático na importação dos conteúdos mostra a necessidade de haver curadoria de metadados na fonte. – Adotar uma outra abordagem para adicionar conteúdos nos repositórios na passagem para DSpaceCRIS. • Migração do repositório DSpace para um DSpaceCRIS. Trabalho já efetuado no repositório UAB. • A migração do Egas-Moniz não é possível, pois está inserido no repositório comum. 50
  45. 45. 2ª Fase – Migração a partir do DSpace • Repor a Base de Dados original dos repositórios e migrar para DSpace CRIS. • Já efetuado no repositório piloto do UAB. • A criação de entidades não foi automática na UAB, permitindo ter uma base de dados «limpa». 51
  46. 46. 2ª Fase – UAB 52 • Manteve-se a estrutura do repositório • Não foram criadas entidades «novas»
  47. 47. 2ª Fase – UALG e Egas-Moniz 53 • Para o repositório da UALG, o mesmo procedimento da UAB vai ser efetuado. • No caso do Egas-Moniz, o procedimento manter-se-á como na fase 1, utilizando o batch import das comunidades/coleções.
  48. 48. 3ª Fase – Gestão dos CRIS e Adição de Entidades CRIS • Problemas de Usabilidade • Taxonomias por definir/traduzir • Campos por caixa (box) e páginas (tabs) por definir • Configuração/Relacionamentos entre entidades 07/11/2016 54
  49. 49. 3ª Fase – Claim do Perfil de Investigador 07/11/2016 55 ePerson • Cria internamente o utilizador com base no autor do trabalho Researcher Profile (RP) • Sistema cria uma área RP para cada ePerson ORCID user • Com login ORCID, o user pode associar-se ao perfil (claim) Pedido Claim • Administrado r recebe pedido de associação de perfil Inserção de Nome/email • Acedendo ao perfil identificado, adicionar o nome ou email de acordo com lista automática do utilizador Associação Final • O utilizador ORCID tem acesso ao seu RP e pode editar a informação.
  50. 50. Situações Distintas • Fases a considerar 07/11/2016 56 Importação Produção
  51. 51. Gestão de Autoridades (new) 07/11/2016 57
  52. 52. Interfaces Máquina-Máquina API REST https://dev3.rcaap.pt/rest/ OAI-PMH http://dev3.rcaap.pt/oai/request CERIF-XML Em desenvolvimento SWORD http://dev3.rcaap.pt/sword/servicedocument RDF http://dev3.rcaap.pt/rdf/ http://dev3.rcaap.pt/sparql 58
  53. 53. 4ª Fase – Importação de Informação • Curadoria necessária para corrigir problemas • Testes do processo de exportação -> Correção -> Atualização (em curso) 07/11/2016 59
  54. 54. Conclusões 07/11/2016 60
  55. 55. DSpace Publicações Publicações Thesis ID (TID)
  56. 56. DSpace- CRIS Pessoas Projetos Outros (Revistas, Livros, Eventos, Datasets, ...) Organizações Teses Publicações Thesis ID (TID) ISSN ISBN
  57. 57. DspaceCRIS & Portal RCAAP 07/11/2016 63 Agora Futuro APIs Portal RCAAP Repositórios OAI-PMH (DC) CERIF-XML OAI-PMH (CERIF,mods, mets,…) PTCRISsync entidades
  58. 58. 07/11/2016 64 + 3 Instâncias
  59. 59. Desafios • Interligar as entidades com índices de autoridade (Autores com ORCID/CiênciaID; Projetos com Identificadores OpenAIRE; Organizações com ISNI,...) • Implementar alterações para cumprimento da Política OA da FCT e Depósito Legal de Teses & Dissertações 65
  60. 60. Dificuldades • Curadoria de Informação – Nomes de Autores – Nomes de Projetos – Um campo = múltiplos usos – ... • Bugs do Sistema (nível de maturidade baixo) – Colaboração na documentação e resolução de problemas – Altamente configurável = Difícil estabilizar 66
  61. 61. Dificuldades • Funcionalidades em desenvolvimento – Interface CERIF-XML (para máquinas) – Integração com PTCRISsync – Scripts de otimização de importação/verificação dos dados • Usabilidade do Sistema • Criação de Template / Layout Gráfico 67
  62. 62. Aspetos Positivos • Qualidade dos Metadados (Dublin Core -> CERIF) (= mais tempo para registo da informação) • Informação pormenorizada • Dimensão do Perfil de Investigador • Mais métricas • Projeto piloto desenvolve metodologia otimizada para importar DSpace -> DSpaceCRIS 68
  63. 63. Aspetos Positivos • A revelar-se um projeto piloto com sucesso, permitirá adotar 28 DSpaceCRIS • Contribuir com a metodologia adotada para a comunidade • Integrar o quadro normativo PTCRIS 69
  64. 64. Obrigado! http://www.rcaap.pt 70

×