Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC

11,927 views

Published on

Insuficiência Cardíaca Congestiva e Nutrição

Published in: Healthcare
  • Be the first to comment

Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC

  1. 1. INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Discentes: Anne Cardim, Cíntia Costa, Elandia Moreno, Greice Santana, Laís Santos, Larissa Cerqueira, Laura Helena, Rafaela Lima, Shâmara Lisboa.
  2. 2. DEFINIÇÃO  A insuficiência cardíaca (IC) pode ser definida como uma síndrome clínica na qual uma desordem estrutural ou funcional do coração leva a diminuição da capacidade do ventrículo em ejetar e/ou se encher de sangue nas pressões de enchimento fisiológicas. (Lameu,2005)  Assim, o coração não consegue fornecer o fluxo de sangue adequado para o resto do corpo. (Krause, 2005)
  3. 3. EPIDEMIOLOGIA
  4. 4. FISIOPATOLOGIA  IC pode ser classificada de acordo com: Lado do coração afetado (direito ou esquerdo) Parte do ciclo cardíaco envolvido (disfunção sistólica ou diastólica) 80-90% portadores de IC: Sintomas cuja origem é disfunção ventrículo esquerdo. Mahan et al, 2005
  5. 5. FISIOPATOLOGIA IC: precipitada por diferentes doenças que causam dano ao tecido e às células. Mahan etal, 2005 Também por: agentes tóxicos (álcool, quimioterápicos) ou por doenças sistêmicas HAS, doença cardíaca isquêmica ou congênita, miocardite, valvulopatiase cardiomiopatiachagásica
  6. 6. FISIOPATOLOGIA
  7. 7. SINTOMAS  Distúrbio hemodinâmicos e alterações neuro-hormonais Manifestações mais frequentes:  Dispnéia / Fadiga / Edema  Pode ocorrer baixo débito cardíaco com alterações na perfusão periférica, como:  Sudorese, palidez cutâneo-mucosa e manifestações de baixo fluxo cerebral; (Cuppari,2009)
  8. 8. SINTOMAS  Caso haja falência ventricular direita: Congestão hepática, plenitude gástrica e dor no hipocôndrio direito  Arritmias: Podem também justificar quadros de palpitações, síncope e até morte súbita.  Retenção de Líquidos (causada pela falência do ventrículo esquerdo e por congestão venocapilar): Sintoma mais freqüente na IC e é progressivo. Cansaço aos grandes esforços até em repouso ou sob forma de dispnéia paroxística noturna.
  9. 9. SINTOMAS Tolerância aos esforços habituais: Utilizada para estimar a gravidade da IC Classificação funcional (NYHA)  -Classe I: paciente é assintomático em atividades habituais.  -Classe II: assintomático em repouso. Sintomas podem ser desencadeados pela atividade física habitual.  -Classe III: assintomático em repouso, porém com sintomas em atividade < que habitual.  -Classe IV: apresenta sintomas (dispnéia, fadiga e palpitações) que podem ocorrer aos menores esforços e mesmo em repouso. New York Heart Association (NYHA), apud Fisher, 1972
  10. 10.  Estágio I: Intervenção terapêutica Alto risco de desenvolver IC pela presença de condições clínicas associadas à IC Pacientes não apresentam alteração do pericárdio, miocárdio ou de valvas cardíacas  Fatores etiológicos: -HAS, coronariopatia, DM, histórico de cardiotoxidade, tratamento por droga ou abuso de álcool, histórico pessoal de febre reumática, historia familiar de cardiomiopatia.  Estágio II: Intervenção terapêutica Já desenvolveram cardiopatia estrutural sabidamente associada à IC, mas nunca exibiram sinais ou sintomas da doença  Alterações: -hipertrofia ventricular esquerda ou fibrose, dilatação ventricular esquerda ou hipocontratilidade, e valvulopatia. (SBC,2002)
  11. 11.  Estágio III: Intervenção terapêutica Sintomas prévios ou presentes de IC associados com cardiopatia estrutural subjacente: Pacientes com dispnéia ou fadiga por disfunção ventricular esquerda sistólica; assintomáticos sob tratamento para prevenção da IC. Estágio IV: Intervenção especializada e cuidados paliativos Pacientes com cardiopatia estrutural e sintomas acentuados de IC em repouso, apesar da terapia clínica máxima. Hospitalizados por IC ou que não podem receber alta; hospitalizados esperando transplante; em casa sob tratamento de suporte intravenoso ou sob circulação assistida; em unidade especial para manejo da IC.
  12. 12. TRATAMENTO  Abordagem terapêutica multidisciplinar;  Modificações no estilo de vida, fármacos, intervenção cirúrgica e transplante cardíaco;  A Abordagem terapêutica tem como objetivos principais:  Minimizar os sintomas;  Melhorar a qualidade de vida dos pacientes;  Dentre todas as abordagens terapêuticas : Abordado o tratamento dietoterápico. Veloso, 2005
  13. 13. ALTERAÇÕES METABÓLICAS E NUTRICIONAIS ICC
  14. 14. ALTERAÇÕES METABÓLICAS E NUTRICIONAIS ICC
  15. 15. ALTERAÇÕES METABÓLICAS E NUTRICIONAIS ICC
  16. 16. ALTERAÇÕES METABÓLICAS E NUTRICIONAIS ICC
  17. 17. ALTERAÇÕES METABÓLICAS E NUTRICIONAIS ICC
  18. 18. ALTERAÇÕES METABÓLICAS E NUTRICIONAIS ICC
  19. 19. ALTERAÇÕES METABÓLICAS E NUTRICIONAIS ICC  Importantes objetivos na prática clínica:  Identificar as principais causas da desnutrição;  Compreender o melhor momento para a inserção da terapia nutricional ;  A terapia nutricional precoce: diminuir o número de complicações, tempo e custos da internação hospitalar ;  Terapia nutricional bem sucedida: diagnóstico nutricional de forma adequada;
  20. 20. AVALIAÇÃO NUTRICIONAL  Avaliação nutricional em pacientes com IC :  Evolução clínica;  Exame físico;  Antropometria;  Parâmetros bioquímicos, imunológicos;  História dietética e ingestão alimentar que refletem na alteração da composição corpórea;  Avaliação Subjetiva Global: não validada em Pacientes com ICC  Porém: pode ser método adequado por avaliar aspectos importantes como: história clínica, exame físico, anamnese alimentar e histórica de perda de peso recente.  Pode estar prejudicada devido à retenção hídrica.  O edema pode provocar alterações no peso e nas dobras cutâneas, mascarar a perda de massa muscular. Cuppari, 2009
  21. 21. AVALIAÇÃO NUTRICIONAL  Circunferências da panturrilha, da coxa e do braço -Indicador mais sensível de massa corporal magra em pacientes cardíacos que retêm líquidos. Retenção hídrica: IMC sempre associado a outros indicadores;  Bioimpedância: Pode ser utilizada, porém é altamente limitado devido à retenção hídrica.  Marcadores bioquímicos: albumina, pré-albumina, transferrina.  Desproporcionalmente baixos em razão do desequilíbrio hidroeletrolítico. Krause, 2005
  22. 22. TERAPIA NUTRICIONAL NAS CARDIOPATIAS  Introduzida o mais precocemente possível :  Objetivos principais:  Fornecer energia e nutrientes necessários para minimizar a perda de peso;  Recuperar o estado nutricional;  Evitar a sobrecarga cardíaca ; Lameu, 2005; Cuppari, 2009  Necessidade energéticas:  Estimada com base na recomendação:  28Kcal/Kg PC/dia  32Kcal/Kg PC/ dia  Peso atual deve ser utilizado-Pacientes com edema deve-se estimar o peso ajustado. Silva, 2007; Cuppari, 2009
  23. 23. TERAPIA NUTRICIONAL NAS CARDIOPATIAS
  24. 24. TERAPIA NUTRICIONAL NAS CARDIOPATIAS  Suprir as necessidades energéticas de pacientes hospitalizados (anorexia);  Aumentar a densidade calórica das preparações:  Módulos de nutrientes;  Suplementos nutricionais especializados;  Aumento de gordura da dieta; Cuppari, 2009 Carboidratos: 50 a 60% do valor calórico total Excesso de CHO (alta carga glicêmica): podem agravar a resistência à insulina, comumente encontrado em pacientes com IC, representando mau prognóstico. Kok & Costa, 2002; Silva, 2007; Cuppari, 2009
  25. 25. TERAPIA NUTRICIONAL  Proteínas: Desnutrição grave a recomendação de proteínas é de 1,5 a 2,0g/Kg/dia. Peso atual deve ser utilizado para cálculo. Se edema: utilizar o peso ajustado. Insuficiência renal: receber orientações individualizadas em relação às proteínas. Silva, 2007; Kok &Costa, 2002 Lipídios: 25 a 30% do valor calórico total; Preferência às gorduras mono e poliinsaturadas e restringir gorduras trans e saturadas. Silva, 2007; Cuppari, 2009
  26. 26. TERAPIA NUTRICIONAL  Colesterol não deve ultrapassar 200mg/dia. Seleção é importante para pacientes com dislipidemias.  Apesar de pacientes com DEP geralmente não apresentarem hipercolesterolemia, a promoção de ganho de peso deve ser saudável.  Má absorção de gordura: ocorre em cerca de 1/3 dos pacientes com caquexia cardíaca. Quando ocorrer esteatorréia: suplementação de TCM. SBC, 2002  Micronutrientes: Não há recomendações específicas para pacientes com IC adequado: utilização da Ingestão Dietética Recomendada (RDA)Lembrar: estabelecidas para atender necessidades de indivíduos saudáveis, pode subestimar necessidades reais de pacientes com IC.
  27. 27. TERAPIA NUTRICIONAL  Restrição de sódio: de acordo com o grau de IC e com o balanço hidroeletrolítico. Restrições mais severas: pouco indicadas (geralmente para pacientes hospitalizados, cuja tolerância ao sódio é incomumente baixa).  Hipocalemia: toxicidade digital (sintomas: náuseas, vômitos, desconforto abdominal, arritmia entre outros).  Recomendação de potássio: 50 a 70 mEq.  Caso o paciente apresente comprometimento renal essa recomendação deve ser reavaliada.  Oferta:atingida com consumo de frutas, legumes, verduras e leguminosas;-Em alguns casos: necessário a suplementação medicamentosa. SBC, 2002
  28. 28. TERAPIA NUTRICIONAL  Alguns diuréticos favorecem excreção de magnésio:  Hipomagnesemia: associada com pior prognóstico.  Níveis séricos de magnésio devem ser monitorados em pacientes com IC e a oferta deve ser realizada de forma adequada.  Vitaminas lipossolúveis (A, D, E eK):  Repor quando o paciente apresentar má-absorção de gorduras.  Atenção à oferta de tiamina: alguns diuréticos aumentam sua excreção.  A deficiência leva a prejuízo do metabolismo oxidativo, especialmente do carboidrato, favorecendo o acúmulo de piruvato e lactato, que pode agravar a IC.
  29. 29. TERAPIA NUTRICIONAL  Restrição hídrica:  Nem sempre é necessária e deve ser estabelecida de acordo com ao grau da IC e quadro clínico do paciente.  A restrição varia entre 600 a 1500 ml, dependendo do balanço hídrico do paciente.  A restrição hídrica e de sódio são frequentemente interrompidas com a alta hospitalar.  Fibra alimentar:  Recomendação é de 20 a 30gpor dia. Prevenir obstipação intestinal e consequente esforço para evacuar: pode predispor alterações no ritmo cardíaco.
  30. 30. TERAPIA NUTRICIONAL  Palatabilidade:  Dieta geralmente pouco saborosa: favorece diminuição da ingestão alimentar.  Para melhorar a palatabilidade: utilizar condimentos naturais com baixo teor de sódio.  Fracionamento: 5-6 refeições ao dia, podendo chegar a 8. Pequenos volumes, evitando o aumento do trabalho cardíaco durante o processo de digestão e uma sobrecarga pós-prandial.  Consistência:  Modificada de acordo com a aceitação e o quadro clínico do paciente. Dietas com consistência pastosa geralmente são utilizadas pela presença de dispnéia e dificuldade de mastigação.
  31. 31. TERAPIA NUTRICIONAL  Se a ingestão oral estiver abaixo de 60%:  Necessária suplementação com fórmula enteral. Promover a recuperação do paciente e melhorar o seu prognóstico. Considerações finais Acompanhamento nutricional individualizado Intervenções nutricionais precoces TN não segue regras fixas Realizar avaliação criteriosa e com senso crítico. Lameu, 2005; Cuppari, 2009; Silva, 2007
  32. 32. REFERÊNCIAS  New York Heart Association (NYHA), apud Fisher, 1972;  Lameu, 2005; Cuppari, 2009; Silva, 2007;  Silva, 2007; Kok &Costa, 2002;  Mahan et al, 2005;  SBC, 2002; Krause 2005;

×