Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Economia Portuguesa em Risco de Isolamento

574 views

Published on

Published in: Economy & Finance
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Economia Portuguesa em Risco de Isolamento

  1. 1. Alameda dos Oceanos, Lote 1.02.1.1. Z17 1990-302 Lisboa Telef: 218 021 413 E-Mail: geral@adfersit.pt Site: www.adfersit.pt COMUNICADO Economia Portuguesa em Risco de Isolamento É preocupante que as ligações ferroviárias internacionais em bitola europeia não constem das principais prioridades do Grupo de Trabalho para as Infra-estruturas de Elevado Valor Acrescentado. Essa omissão, a concretizar-se, condenará Portugal a transformar-se numa ilha isolada da Europa, afectando irreversivelmente a competitividade da Economia e das empresas portuguesas, particularmente do Norte e do Centro do país. Do que já se sabe, a nova Linha Aveiro - Vilar Formoso, a mais necessária ao desenvolvimento de Portugal, não consta dos 30 projectos recomendados, facto muito decepcionante que deve ser corrigido. A linha Poceirão-Caia, com ligações aos portos de Sines e Setúbal, também não faz parte das primeiras prioridades. Sem estas duas ligações ferroviárias, em bitola europeia e preparadas para grandes comboios de mercadorias, Portugal vai continuar a ser a Economia europeia mais dependente de camiões TIR e a mais vulnerável ao preço dos combustíveis. Esta omissão conduzirá a um desperdício trágico e irreversível de milhares de milhões de euros de fundos comunitários, que serão aproveitados por outros países. A UE pode comparticipar estes projectos a 85%, desde que Portugal consiga apresentá-los até 2016. Se falhar agora, desperdiçará a última oportunidade dos próximos anos de oferecer às nossas empresas e portos condições reais de competitividade. A comparticipação a 85% significa que o investimento público necessário seria facilmente recuperado em impostos e na redução de despesas sociais, como subsídios de desemprego. Esta omissão contraria irreversivelmente o objectivo estratégico do Governo de aumentar as exportações e de revitalizar a economia a curto-prazo.
  2. 2. A ADFERSIT saúda o debate público, mas estranha que ele não se tenha iniciado com a publicação do relatório. A promessa do Senhor Ministro da Economia, de que as grandes decisões dependem do resultado do debate público informado e fundamentado, são um sinal de esperança. A ADFERSIT aguarda a divulgação pública do relatório para poder fazer uma análise mais aprofundada e abrangente sobre o mesmo. Direcção da ADFERSIT 28 de Janeiro de 2014

×