Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Apresentação morfossintaxe cópia

3,085 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

Apresentação morfossintaxe cópia

  1. 1. INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PRESIDENTE KENNEDY – IFESP CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM LETRAS – HABILITAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA SEMINÁRIO DE MORFOSSINTAXE I PROFESSORA: Aparecida
  2. 2. FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL APRESENTAÇÃO: • GECIANE: Derivação Nominal; tipos de derivação. • JOVANIR: Derivação Prefixal; Derivação Progressiva. • MICARLA: Derivação Infixal. • MARIA: Derivação por sufixo zero. • NEIRLY: Derivação Verbal; prefixação e sufixação. • EDSON: Infixação; Derivação por sufixo zero. • CÉLIA: Parassíntese.
  3. 3. FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL DERIVAÇÃO NOMINAL – (GECIANE) É o processo pelo qual palavras novas são criadas a partir de outras já existentes na língua portuguesa. as palavras novas são denominadas derivadas e as que lhes dão origem, primitivas.
  4. 4. As palavras são formadas por pequenas partes (morfemas). Podemos criar palavras a partir do elemento que contém o significado básico da palavra. Baseando-se em palavras já existentes na língua, podemos criar palavras novas. No sentido literal do título em questão, constatamos que se trata da formação de algo a partir de uma base já existente. Constatação esta que se encontra intrinsecamente relacionada ao processo de formação de palavras das quais utilizamos para formar nosso léxico. Partindo-se dessa premissa, há que se mencionar que na Língua Portuguesa há dois processos básicos de formação de palavras: a derivação e a composição. A derivação, alvo principal de nossos estudos, consiste na formação de novas palavras a partir de uma palavra primitiva, ora materializada por meio de afixos. Desta feita, tomemos como ponto de partida a palavra “terra”, assim evidenciada: FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL
  5. 5. FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL “A língua não é estática e possui mecanismos próprios que criam palavras novas para expressar novas ideias’’. Mesquita (2002) As formas primitivas se constituem apenas de núcleos ou semantemas seguidos ou não de morfes flexionais. E X: JARDIM As formas secundárias acrescentam-se outros elementos, o sufixo [eiro] sendo assim uma forma secundária. EX: JARDINEIRO
  6. 6. SUFIXOS DERIVACIONAIS Funcionam como elementos que emprestam significados acessórios ao semantema vocabular ou servem para mudar a palavra de uma classe ou função gramatical para outra. EX: Pedra (nome)- Pedreiro (nome) EX: Matar (verbo)- Mata [dor] (nome) EX: Cheiro (subst)-Cheiroso (adjetivo) As formas derivadas são arrizotônicas (O acento se desloca da base para o sufixo). EX: Ouro+[ama]= Ourama EX: Lindo+[eza]= Lindeza EX: Alegre+ [ia] = Alegria Exceções: Persa+[ico]=Pérsico Globo+[ulo]=Glóbulo Ferro+[eo]=Férreo FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL
  7. 7. Quando ocorre a adjunção de qualquer sufixo iniciado por vogal acarreta a elisão ou crase da vogal temática da base: EX: Frio + [ura]=Frioúra-Friúra EX:Via+[ário]=Viaário--- Viário EX:Dia+[urno]=Diaurno-Diurno A derivação em Português tem caráter concatenante e a observância a um processo cíclico. EX:Sentimentalismo 4[ 3[ 2[ 1[Senti(r)]vment(o)]nal]Aismo]N Sentir+ [mento] + [al]+[ismo] FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL
  8. 8. TIPOS DE DERIVAÇÃO A complexidade estrutural das palavras exige que o processo de derivação se apresente em várias modalidades. a)acrescentando-se prefixo(s)-justo---injusto b)acrescentando-se sufixo(s)-porta---porteiro c)introduzindo-se um infixo-picar---pinicar d)mudando-se o tema-voar---vôo e)mudando-se a classe gramatical-viver---o viver FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL
  9. 9. FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL Derivação prefixal – (JOVANIR) Gramáticos, quando se distinguem as diversas modalidades de derivação enfrentam um sério problema: Saber se as palavras formadas por prefixação são derivadas ou compostas.  60% dos autores são da opinião que a prefixação inclui no mecanismo da derivação.  Há, porém, gramaticais e linguísticas que inclui os prefixos no processo da composição.  Alguns dos prefixos morfes que hoje são verdadeiras raízes como, por exemplo: Extra e Contra. Por isso entram na composição de compostos.
  10. 10. FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL Derivação Progressiva Quando há acréscimo no sufixo. As gramáticas costumam usar a expressão derivação progressiva. Há expressão também sugere a derivação regressiva em vez do acréscimo do sufixo ocorre à perda de elementos. Exemplo: Grande – grandioso Grandioso – grandiosíssimo.
  11. 11. FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL DERIVAÇÃO INFIXAL - (MICARLA) Embora em geral se diga não existir infixação na língua portuguesa, cremos haver demonstrado em Monteiro (1999) a ocorrência de vocábulos derivados mediante a adjunção de morfes que apresentam todas as características dos infixos. Um dos casos bem curiosos é o da inserção do morfe [inh] em vocábulos masculinos de tema em /a. Cinem-inh-a, samb-inh-a. Mas há outros casos que merecem reflexão. Assim, na formação dos hipocorísticos, a mesma regra de infixação ocorre quando o prenome ou sobrenome, embora se referindo ao sexo masculino, termina por/a: o Batista o Batistinha etc... É verdade que ao fim de muitos hipocorísticos aparece a mesma vogal, independente de como finda o prenome, conforme se constata em Zeca ou Zequinha (de José), Pedroca (de Pedro). Mas, quando ela já existe no nome próprio, não há como negar a sua retomada após a inserção do morfe no diminutivo. Assim, é de fato que alguns dos sufixos que expressam a ideia de pequenez (por exemplo, (eto em livreto ou caderneta) servem igualmente para indicar depreciação, procedência ou origem). E aí também se tornam infixos, se a palavra primitiva termina em /a.
  12. 12. FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL Além dessas situações, os infixos formam hipocorísticos quando a base termina por /s. Eis alguns dos muitos exemplos: Carl...os - Carl-inh-os, Carl-it-os Marc...os - Marqu-inh- os Domining...os - Domingu-inh-os O prenome aqui é realmente bipartido para a inseção do morfe: a terminação do hipocorístico é a mesma do prenome. Essa retomada não vale para os nomes comuns terminados em /s. Assim, um substantivo como adeus faz o diminutivo mediante ao o acréscimo do sufixo (inho): adeusinho.
  13. 13. FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL DERIVAÇÃO POR SUFIXAÇÃO ZERO OU IMPRÓRIA –(MARIA) Ocorre quando há mudança de sentido e de classe gramatical. Ex. Só compramos coisas baratas na feira. adjetivo Cara, a festa estava um tremendo barato. substantivo
  14. 14. FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL
  15. 15. Colado o couro aos pés, o olhar atento adjetivo substantivo (...) Ele se lança mais rápido que o próprio pensamento advérbio Derivação por sufixação zero ou regressiva Ocorre quando a terminação do verbo é substituída pelas desinências a, e ou o dando origem a um substantivo. FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL
  16. 16. POUSO DA BOIADA Pouso de boiadas... -A espaço. Nas dobras, Nas voltas, No retorcido das estradas. Pouso das boiadas. À s´tância Das marchas calculadas. Porteira a cadeado. Xiringa de coragem. FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL
  17. 17. O gado cansado Recanteado, esmorecida, espera. Um mar de reboliços misturados, De ancas, de patas, de dorso e de chifres, Vai entrando engarrafado Na xiringa da contagem. Janta, café. Golada... Descanso nas redes, Nos pelegos, pelo chão Morre o fogo do cozinheiro. Conversa à toa, rede a rede. Lume de cigarro Faisca de isqueiro, longe retardado, Buzina um caminhão ( Cora Coralina) FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL
  18. 18. Pouso de boiadas verbo: pousar/ pouso: substantivo Janta. Café. Golada Jantar: verbo/ janta:substantivo Conversa à toa Conversar: verbo/ conversa: substantivo Na voltas Voltar: verbo/ Voltas: substantivo Descanso nas redes descansar: verbo/ descanso substantivo FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL
  19. 19. FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL DERIVAÇÃO VERBAL – (NEIRLY) Quando a palavra nova, no caso um verbo, for obtida pelo acréscimo de afixos ao radical. É em essência o mesmo da derivação nominal. Constitui-se dos seguintes mecanismos: Prefixação Processo, onde ocorre o acréscimo de prefixo à palavra primitiva. Há prefixos que preferencialmente costumam anexar-se a bases verbais e formam novos verbos. Tal o caso de [re] e [des]. Ex: fazer desfazer ligar religar Exceção- deságio e desamor.
  20. 20. Costuma-se pensar que o morfe [re] é próprio da formação de verbos. E, sendo assim, para um nome como repescagem, deve-se propor a análise. [[re[pesc(ar)v]vagem]N Ou seja, do verbo pescar se formou repescar por prefixação e daí, por sufixação, o substantivo repescagem. Em muitos casos, os prefixos são acrescentados a bases verbais que não se realizam por dificuldades de conceptualização, como no caso de [des] em descascar, desbundar, descabelar e desmatar, pois em referencia a que atos ou fenômenos se poderiam empregar cascar e cabelar. FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL
  21. 21. FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL Quanto ao prefixo [re], Ortega (1990) entende que ele só pode ser acrescentado a verbos que possam implicar uma mudança em seu objeto, como reconstruir (uma casa) ou remodelar (um escritório), o que não pode acontecer em “reestar” e “remorrer”, por exemplo. Sufixação Processo, onde ha o acréscimo de sufixo a palavra primitiva. Os sufixos verbais são pouquíssimos, se comparados aos nominais, mas alguns se destacam pela elevada produtividade. As noções aspectuais mais comuns presentes nos sufixos verbais são: a) aspecto incoativo- traduz-se o inicio da ação, estado ou fenômeno mediante o sufixo [ec(er)]~[esc(er)]. Ex. escuro escurecer flor florescer
  22. 22. b) aspecto causativo- o sentido de produzir uma ação ou de transformar uma situação é bem percebido através dos morfes [iz(ar)], [it(ar)] e [ent(ar)]. Ex. legal legalizar fácil facilitar fuga afugentar c) aspecto diminutivo- os sufixos que expressam essa noção em geral são [ic(ar)], [isc(ar)], [inh(ar)] e [it(ar)] Ex. beber bebericar cuspir cuspinhar lamber lambiscar dormir dormitar FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL
  23. 23. FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL d) aspecto frequentativo- a ideia de ação repetida esta presente, sobretudo em [ej(ar)], [uc(ar)], [e(ar)] e [ilh(ar)]. Ex. claro clarear voo voejar bater batucar dedo dedilhar Obs.1 Modernamente só se produzem verbos de primeira conjugação. Por outro lado é notável a formação de neologismos. I- Adjetivo + [iz(ar)] ideal idealizar suave suavizar II- substantivo + [iz(ar)] Canal canalizar Horror horrorizar
  24. 24. FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL Obs2. Não é licito produzir neologismos sem conhecer bem as regras de derivação. O adjetivo ridículo mais o sufixo [iz(ar)] daria normalmente ridiculizar. Todavia, o verbo que se usa hoje é ridicularizar. Neologismos como internalizar e externalizar não são bem formados, uma vez que se associam a internal e external. Os verbos deveriam ser internizar e externizar, seguindo o modelo de eternizar. Hoje se fala até em minimalizar em vez de minimizar. Há os casos em que os verbos se formam de nomes compostos, passando-se do processo de composição para o da derivação. Ex. [[dem(o)] [crat] iz (ar)]].
  25. 25. FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL Infixação – (EDSON) Os infixos que operam no processo de derivação verbal são de caráter diminutivo ou frequentativo e, assim como os sufixos que expressam essa mesmas noções, têm a peculiaridade de não mudar a classe gramatical do vocábulo. Registramos três morfes infixados na formação de verbos em português: [in], [ic] e [it]. Exemplos: Picar pinicar Adoçar adocicar Saltar saltitar Se pinicar deriva de picar, como de fato deriva, o segmento [in] só pode ser um infixo. Igualmente, se entendermos que adocicar vem de adoçar, e não de doce. De doce deriva-se por parassíntese adoçar e daí se forma adocicar, em que o segmento [ic] acrescenta a noção diminutiva. Se adocicar, tem todas as características de um derivado por infixação.
  26. 26. FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL Resta esclarecer que a infixação não ocorre quando o verbo deriva de um nome. Observando pares do tipo florar / florear ou voltar / voltear, há o risco de se pensar que haja a inserção do morfe [e] de modo semelhante ao que vimos em saltar saltitar. Derivação por Sufixo Zero Outra modalidade altamente produtiva dentro do mecanismo da derivação verbal é a suposição do sufixo zero. A terminação [ar], constituída de vogal temática e desinência, se aplica a bases nominais ou a radicais presos. Em relação a coroar, existe a forma primitiva coroa. Todavia, louvar e amar não derivam de louvor e amor, devendo-se entender que nesse caso as bases não se realizam como formas livres. Há quem entenda que, em exemplos como esses, nem o verbo deriva do nome nem o nome deriva do verbo.
  27. 27. FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL Para os verbos florar e florir não encontrará qualquer segmento fônico que possa ser considerado sufixo. Ora, como estas são de fato formas derivadas de flor, devem trazer a marca da derivação. Em razão disso, a melhor técnica é pressupor a existência de um morfe zero e aplicar a comutação:
  28. 28. FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL Parassíntese –(CÉLIA) Comumente entendida como a adjunção simultânea de um prefixo e um sufixo a uma base, produzindo-se com isso um derivado verbal. Pode ser interpretada como a aplicação de um morfe descontínuo ou circunfixo. Ou seja, um segmento que se inicia antes da base e é interrompido para ser retomado depois dela. Assim: O segmento após a base pode não realizar-se fonicamente,, como nos exemplos abaixo:
  29. 29. Devemos, pois, ter em mente as seguintes características dos parassintéticos, com o fim de evitar análises incorretas: a) Não basta que o vocábulo tenha prefixo e sufixo. É necessário que ambos os elementos constituam um morfe único, como partes de um segmento que são aplicadas concomitamente antes e depois do radical. Na palavra recapeamento, o prefixo [re] e os sufixos [e (ar)] e [mento] não foram colocados ao mesmo tempo. De capa formou-se o verbo capear; daí recapear e, em seguida, recapeamento. Assim: [[recap(a)]ea(r)]]mento]. Logo, não se trata de parassintético. FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL
  30. 30. FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL b) Em geral, a primeira parte do morfe descontínuo que ocorre nos parassintéticos, embora pareça um prefixo, não apresenta qualquer significado. O [a] inicial do verbo amortizar ou o [en] de enfraquecer nada significam. Diferentemente, o prefixo [in] de infelicidade ou o [a] de amoral trazem ideia de negação ou privação. c) Retirando-se a parte inicial de um parassintético, quase sempre não restará uma palavra inteira. Isolando-se o [a] de amanhecer, sobra *manhecer, o que não acontece com reflorescimento em que, separando-se o [re], ainda se tem florescimento. Mais exemplos de verbos formados pela parassíntese:
  31. 31. FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL Conceitos de alguns estudiosos, referentes a derivação parassintética:  A parassíntese é particularmente produtiva nos verbos, e a principal função dos prefixos vernáculos a- e- em- (en-) é a de participar desse tipo especial de derivação: a-doç- ar/ en-tard-ecer, a-munhec-ar/ em-velh-ecer. (CUNHA, p. 119).  Damos o nome de derivação parassintética ao processo de formação de palavras que consiste na adição simultânea de prefixo e sufixo a uma base para a formação de uma palavra. (BASÍLIO, p. 43). Basílio afirma que, tradicionalmente, o reconhecimento se faz pela possibilidade ou não de se extrair um dos afixos da construção e ter como resultado uma palavra da língua. Havendo a possibilidade, a construção não seria considerada parassintética.
  32. 32.  A parassíntese, denominação que a Nomenclatura Gramatical Brasileira (NGB) aboliu, embora o fenômeno exista e persista: é a derivação simultaneamente prefixal e sufixal. Prefixo e sufixo teriam certa semelhança com significantes descontínuos, que se articulam a uma base em um mesmo momento. (CARONE, p. 41). A profª Flávia de Barros Carone considera que há na parassíntese um problema não resolvido, pois seria necessário estabelecer duas subcategorias: os parassintéticos que se formam com prefixo e sufixo (enternecer, esclarecer, amanhecer) e os que se formam apenas com prefixo e desinências verbais (engavetar, esburacar, aclarar). FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL
  33. 33. Uma breve apreciação do estudo realizado Gramáticos e linguistas dizem que a derivação se faz por meio da anexação de afixos a uma palavra primitiva. Esse processo se divide, em prefixal e sufixal. A gramática escolar, no que diz respeito ao ensino da derivação, ainda encontra-se ligada a aspectos estruturais, os quais trazem pouca significação para o aprendizado. O importante na derivação é mostrar ao aluno a alteração semântica produzida pelo afixo. O vínculo do ensino deste conteúdo, que se propõe a estabelecer com a vida diária do aluno, é exclusivamente para a aquisição dos conhecimentos necessários à compreensão dos processos de forma efetiva. FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL
  34. 34. BASÍLIO, Margarida. Teoria lexical. São Paulo : Ática, 2000. BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. 37aed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: Lucerna, 2001. CARONE, Flávia de Barros. Morfossintaxe. 6a ed. São Paulo: Ática, 1997. CUNHA, Celso Ferreira da. Gramática da Língua Portuguesa. 11aed. Rio de Janeiro : FAE, 1986. MONTEIRO,J.L.Morfologia Portuguesa.4.ed.São Paulo:Pontes,2002,p.149-157. MESQUITA,R.M.Gramática da língua portuguesa.8ed.São Paulo:Saraiva,2002. PASCHOALIN,M.A.Gramática: teoria e exercícios/Paschoalin & Spadoto.-Ed.renovada.-São Paulo:FTD,2008. TERRA, Ernani. Gramática, literatura & redação para o ensino médio/ Ernani & Nicola. – São Paulo Scipione, 1997. Site:www.brasilescola.com/gramaticaderivação.htm. REFERÊNCIAS FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL
  35. 35. COMPONENTES CÉLIA MARIA DE OLIVEIRA TAVARES GECIANE CARLA MARIA NEIRLY JOVANIR MARIA NASCIMENTO FRANCISCA MICARLA EDSON EUGÊNIO 2ª LICENCIATURA – LETRAS – TURMA 06 FORMAÇÃO DE PALAVRAS NO PORTUGUÊS DERIVAÇÃO NOMINAL E DERIVAÇÃO VERBAL

×