Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Jornal da Chapa 1 - Caixa

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Jornal da Chapa 1 - Caixa

  1. 1. CANDIDATA A PRESIDENTA Jaqueline MelloUnidade e Luta dOs BanCÁriOs Garantem aVanÇOs na CaiXaNos anos 1990, quando os bancários negociavam separadamente com cada banco, os empregados daCaixa enfrentaram a política de reajuste zero, não tinham PLR e muitos direitos foram retirados. Com aunião de todos os bancários e muita luta, foram conquistados aumento real de salários todos os anos,garantida PLR decente e recuperados praticamente todos os direitos retirados. Juntos somos mais fortes.N os últimos nove anos, os empregados da Caixa con- quistaram uma série deavanços que reverteu perdas quese arrastavam desde meados dos sindical e a própria empresa para privatizá-la. Para mudar esse jogo, a catego- ria decidiu unificar a luta. A partir de 2004, as campanhas salariais muita pressão, a direção da Cai- xa passou a cumprir a Convenção Coletiva dos Bancários, assinada com a Fenaban. Em paralelo, os sindicatos mantiveram negocia- as reivindicações específicas dos empregados. Com a categoria toda unida, os bancários passaram a ampliar os ganhos e perceberam que a divisãoanos 1990. De 2004 para cá, com passaram a ser conjuntas e, com ções com cada banco para discutir só interessa aos patrões.união e muita luta, foi conquistadoaumento real de salários todos osanos, garantidos avanços na PLR,extinta a famigerada RH 008 e re-cuperados muitos direitos retiradosdurante o governo do presidenteFernando Henrique Cardoso. As sucessivas vitórias conquis-tadas não ocorreram por acaso.Elas são frutos da luta dos em-pregados da Caixa, mas tambémda estratégia definida por mais de90% dos sindicatos do Brasil, quedecidiram unificar a campanha en-tre os bancários dos bancos públi-cos e privados. Nos anos 1990, quando a ca-tegoria negociava de forma se-parada, os empregados da Caixaamargaram oito anos sem reajustee sofreram diversos ataques quevisavam enfraquecer o movimento
  2. 2. Muito já foi feito, mas há muito por conquistar Caras e caros mídia (tevês, rádios e jornais) atos e manifestações na rua e na frente de agências bancárias. colegas Em 2000 fui eleita para a Secretaria de Imprensa e nossa luta contra os desmandos neoliberais continuou firme. Precisamos muito usar a criatividade Nos últimos anos, muitas conquistas ocorreram, como aumentos reais de salário, Entrei na Caixa em 22 de e ter parcerias com o movimento sindical, movimentos sociais e parlamenta- recuperação de direitos, avanços no PCS. Mas ainda é necessário fazer muitas coisas. maio de 1989, na agência Ca- res. Fizemos campanha por segurança bancária e pelos direitos do consumidor xangá, onde sou lotada até hoje. bancário, como redução de juros e tarifas e por melhor atendimento. E o caminho é a mobilização e a unidade de todos os bancários. Nesse ano entrou na agência Em 2003, finalmente conseguimos barrar o projeto político em curso. Co- quase uma dezena de emprega- meçamos uma nova etapa com a volta das relações democráticas e a possibili- dos e fomos recebidos com mui- dade de mudar a correlação de forças. ORGANIZAÇÃO POR LOCAL DE TRABALHO JORNADA DE TRABALHO ta alegria, já que a necessidade Nosso foco foi a reorganização dos trabalhadores. Reabrimos os processos É preciso reforçar e ampliar o trabalho dos Fim da compensação fragmentando da de pessoal era grande. O último negociais em todos os bancos, particularmente nos públicos. Derrubamos a delegados sindicais. jornada, jornada de 6h para todos, inclusive concurso acontecera em 1981. RH 008, que dava poder ao gestor de demitir sem justa causa, voltamos a ter os tesoureiros, sem redução de salário. Mas antes, em 1985, houve a o reconhecimento dos delegados sindicais e a partir daí tivemos greve todos primeira greve na Caixa e tive- os anos, com ganho real a partir de 2004, quando começamos a unificar os PSI mos uma conquista histórica, a bancários de bancos públicos e privados na Convenção Coletiva Nacional, Melhorar o processo seletivo interno, com FIM DO ASSÉDIO MORAL das 6 horas e o direito à sindi- recuperando gradativamente nosso poder de compra. acesso a comissões por meio de práticas Fim do assédio e cobrança por metas calização. Em 1988, o Sindicato À frente da Secretaria da Mulher no sindicato, assumi também a repre-foi retomado pelo movimento legítimo dos trabalhadores e filiado à Cut. sentação do Nordeste na Comissão dos Empregados da Caixa. Com as nego- transparentes e justas. abusivas. Na minha primeira campanha salarial ainda estava em estágio probatório, ciações específicas e permanentes, avançamos em vários pontos de isonomiao que não me impediu de participar de assembleias e aderir à greve. Em junho entre escriturários e técnicos bancários (pós 98), cláusulas de saúde, Plano MAIS CONTRATAÇÕES ISONOMIAde 1990, fui novamente chamada à luta com o movimento nacional, incluindo de Cargos, Salários e Comissões, promoção por merecimento, PSI- processo Garantir a posse de todos os aprovados em Isonomia de direitos nos pontos que aindagreve, pela readmissão dos colegas demitidos pelo governo Collor, o que veio seletivo interno, contratações etc.a acontecer algum tempo depois. Em 2006 assumi a Secretaria Geral do Sindicato, concurso e abrir novas seleções para cobrir a faltam conquistar. falta de pessoal em diversos setores. “ Entre o trabalho de caixa executivo na agência, o continuando na Comissão dos Empregados da Caixa ecuidado com meus quatro filhos – o último nascidoem 1995 – sempre participei do movimento do pessoalda Caixa; na Apcef, como conselheira, e no sindicato Se muito organizando os delegados sindicais, os antigos e guer- reiros militantes e os novos colegas que conhecendo nossa história de luta se dispõem a continuá-la. HORA EXTRA SAÚDE Melhorias nas condições de trabalho,como delegada sindical, mesmo sem o reconhecimentoda empresa. Além disso participo até hoje como atleta vale o já feito, Em dezembro de 2009, após a mais acirrada eleição no Sindicato, assumi novo desafio, o de ser a primeira Garantir o pagamento de todas as horas extras e acabar com a fraude no ponto prevenção e tratamento adequado de doenças ocupacionais. Avanços nodos jogos da Fenae em modalidades como vôlei, nata-ção e futebol de salão. mais vale o mulher a comandar uma diretoria com 70% de renova- ção para mudar o sindicato com os mesmos princípios eletrônico. Fim das metas vinculadas a quantitativo de horas extras. atendimento do Saúde Caixa. que será ” Das lutas desse tempo todo, lembro que os anos 90 que nortearam a retomada em 1988: autonomia e li-não foram fáceis para os trabalhadores em geral e da berdade sindical, luta, trabalho de base, transparência PLRCaixa em especial. Com a política neoliberal implanta- (Fernando Brant e e democracia. TERCEIRIZAÇÃO Maior e mais justa distribuição dos lucros,da por Collor e levada ao extremo por FHC, o objetivo Agora, mais uma vez, tenho a honra de estar à fren- Acabar com a fraude da terceirização. Todoera destruir as empresas públicas e entregá-las ao capi- Milton Nascimento) te dessa equipe com mais 11 colegas da Caixa, além de com garantia da PLR Social.tal privado, de preferência estrangeiro. companheiras e companheiros de todos os principais trabalho bancário tem de ser executado por Os ataques vieram de todas as formas: desmonte da Caixa, terceirização, bancos públicos e privados. Junto com cada bancária e cada bancário, temos o empregados com os direitos garantidos pela FUNCEFretirada de direitos, reajuste zero, perseguições, discriminações, demissões. desafio de enfrentar velhos problemas como extrapolação de jornada, a falta Convenção Coletiva nacional. Incorporação do REB e fim da discriminação Nesse contexto, fui convidada a participar da direção do sindicato nas elei- de condições de trabalho, pessoal, segurança, isonomia de direitos etc, alémções de 1997, eleita para a secretaria de Bancos Federais, sendo liberada em de todo o poder do sistema financeiro. Não existe outro caminho a não ser a aos não-saldados do REG-Replan.junho de 1998. luta e a organização. SEGURANÇA O papel do movimento sindical era basicamente de resistência e cons- A eleição é um momento importante de avaliar propostas e definir as dire- Caixa tem de seguir a lei de segurança, RET-PVtrução de mudanças. Nacionalmente, fizemos campanha permanente con- trizes para o Sindicato que pertence a todos nós. Por isso gostaríamos que você instalar equipamentos e garantir a integridadetra a privatização. Nosso sindicato, para envolver bancários e sociedade, conhecesse os pontos que defendemos e nos honrasse com seu voto. Organização e melhores condições delançou a campanha “O Banco é nosso, a Caixa é nossa - Não vamos deixar física de empregados e clientes. trabalho.vender”, fazendo debates nas unidades, materiais impressos e inserções na Jaqueline Mello, presidenta do Sindicato
  3. 3. CONHEÇA NOSSOS CANDIDATOS Jaqueline Mello Justiniano Junior Daniella Almeida Anabele Silva Edson Pereira Elvis Alexandre Joelson da Silva José Ricardo Berenguer José Ricardo Santiago Ricardo Escobar Terezinha Santiago Ula FrancoPedimos seu voto nas eleições que acontecem nos dias 16 e 17. Funcionários da ativa votam em urnas que passarão pelo local de trabalho. Aposentados e licenciados votam em urna na sede do Sindicato

×