Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Sídrome de burnout

107 views

Published on

Síndrome de Burnout é um distúrbio psíquico de caráter depressivo, precedido de esgotamento físico e mental intenso, definido pelo psicólogo nova-iorquino Freudenberger como "(…) um estado de esgotamento físico e mental cuja causa está intimamente ligada à vida profissional".

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Sídrome de burnout

  1. 1. Estudos recentes sugerem que o estresse pode ser mortal. No Brasil cerca de 70% da população economicamente ativa sofre as consequências do excesso de trabalho ou desconforto em relação à profissão. E, deste total, 30% é vítima de burnout. A estimativa é de que os gastos com medicamentos e seguros em decorrência de problemas de saúde causados pelo estresse cheguem a quase 4% do Produto Interno Bruto (PIB). Fonte: Revista Mente e Cérebro – julho de 2006
  2. 2. Síndrome de Burnout é um distúrbio psíquico de caráter depressivo, precedido de esgotamento físico e mental intenso, definido pelo psicólogo nova-iorquino Freudenberger como "(…) um estado de esgotamento físico e mental cuja causa está intimamente ligada à vida profissional". Essa síndrome se refere a um tipo de estresse ocupacional e institucional com predileção para profissionais que mantêm uma relação constante e direta com outras pessoas, principalmente quando esta atividade é considerada de ajuda (médicos, enfermeiros, professores). Bancários também podem estar sofrendo dessa síndrome, pois lidam com outras pessoas e sofrem com os problemas financeiros dos seus clientes por diversas vezes.
  3. 3. Sintomas • Fortes dores de cabeça • Tonturas • Tremores • Muita falta de ar • Oscilações de humor • Distúrbios do sono • Dificuldade de concentração • Problemas digestivos.
  4. 4. Estágios de burnout 1 -Dedicação intensificada - com predominância da necessidade de fazer tudo sozinho; 2- Descaso com as necessidades pessoais - comer, dormir, sair com os amigos começam a perder o sentido; 3- Recalque de conflitos - o portador percebe que algo não vai bem, mas não enfrenta o problema. É quando ocorrem as manifestações físicas; 4- Reinterpretação dos valores - isolamento, fuga dos conflitos. O que antes tinha valor sofre desvalorização: lazer, casa, amigos, e a única medida da autoestima é o trabalho; 5- Negação de problemas - nessa fase os outros são completamente desvalorizados e tidos como incapazes. 6- Recolhimento; 7- Mudanças evidentes de comportamento; 8- Vazio interior; 9- Depressão - marcas de indiferença, desesperança, exaustão. A vida perde o sentido; 10- E, finalmente, a síndrome do esgotamento profissional propriamente dita, que corresponde ao colapso físico e mental. Esse estágio é considerado de emergência e a ajuda médica e psicológica uma urgência.
  5. 5. A Síndrome de "Burnout" em Professores Sintomaticamente, a burnout geralmente se reconhece pela ausência de alguns fatores motivacionais: energia, alegria, entusiasmo, satisfação, interesse, vontade, sonhos para a vida, ideias, concentração, autoconfiança e humor. Um estudo feito pelo MEC entre professores que decidiram não retomar os postos nas salas de aula, revelou que entre as grandes causas de estresse estavam a falta de recursos, a falta de tempo, reuniões em excesso, número muito grande de alunos por sala de aula, falta de assistência, falta de apoio e pais hostis.
  6. 6. Causas de estresses nesses professores, por ordem decrescente: • Políticas inadequadas da escola para casos de indisciplina; • Atitude e comportamento dos administradores; • Avaliação dos administradores e supervisores; • Atitude e comportamento de outros professores e profissionais; • Carga de trabalho excessiva; • Oportunidades de carreira pouco interessantes; • Baixo status da profissão de professor; • Falta de reconhecimento por uma boa aula ou por estar ensinando bem; • Alunos barulhentos; • Lidar com os pais.
  7. 7. Quando perguntados sobre o que poderia ser feito para ajudar a diminuir o estresse, as estratégias mais mencionadas foram: Dar tempo aos professores para que eles colaborem ou conversem; Prover os professores com cursos e workshops; Fazer mais elogios aos professores, reforçar suas práticas e respeitar seu trabalho; Dar mais assistência; Prover os professores com mais oportunidades para saber mais sobre alunos com comportamentos irregulares e também sobre as opções de programa para o curso; Envolver os professores nas tomadas de decisão da escola e melhorar a comunicação com a escola. Como se pode ver, o burnout de professores relaciona-se estreitamente com as condições desmotivadoras no trabalho, o que afeta, na maioria dos casos, o desempenho do profissional. A ausência de fatores motivacionais acarreta o estresse profissional, fazendo com que o profissional largue seu emprego, ou, quando nele se mantém, trabalhe sem muito apego ou esmero. Fonte: G1 – GloboNews Jornal O Estado de São Paulo Wikipedia Revista Mente e Cérebro – julho 2006 MEC

×