Fortaleza, Setembro20132011 Fortaleza, Março de de                                                                        ...
2      JORNAL DO VILA UNIÃO                                                                                               ...
Fortaleza, Março de 2013                                                                                                  ...
4      JORNAL DO VILA UNIÃO                                                                                               ...
Fortaleza, Março de 2013                                                                                                JO...
6      JORNAL DO VILA UNIÃO                                                                                               ...
Fortaleza, Março de 2013                                                                                                  ...
8      JORNAL DO VILA UNIÃO                                                                                               ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Jornal do vila união Março de 2013

2,383 views

Published on

Published in: News & Politics
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,383
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
120
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Jornal do vila união Março de 2013

  1. 1. Fortaleza, Setembro20132011 Fortaleza, Março de de JORNAL DO VILA UNIÃO JORNAL DO JARDIM AMÉRICA 1 1 INFORMATIVO DO VILA UNIÃO • ANO I • Nº 01 • MARÇO DE 2013 Breve História do Vila União História das Ruas A Avenida que homenageia o aniversário de Fortaleza PÁG. 02 S PÁG. 04 e perguntarmos aos moradores do nosso bairro qual de nossas ruas que homenageia o aniversárioFundado pela Prefeitura de Fortaleza em 23 de agosto de 1940. Antes de ser chamado Vila União, o bairro de Fortaleza, com certeza a resposta será a mesmarestringia-se a latifúndios, propriedade da Sra. Maria da Conceição Jacinto, que em 1938 vendeu-as para o Dr. da dona de casa Maria José Rodrigues de 66 anos, “NãoManuel Sátiro, que logo loteou as terras. sei, não tenho a mínima ideia”. O que ela nem imagina é que mora justamente na avenida que recebeu o nome da data de fundação da nossa cidade. Ao ser indagado Esportes Espiritualidade sobre o motivo da rua onde mora se chamar 13 de Abril, dona Maria José conta que Antes se chamava PadreCampeonato Society Vila União, um bairro com Ambrósio Machado e depois chegou a correspondência com o nome de 13 de Abril. diversidade religiosa PÁG. 08 PÁG. 03 O bairro concentra um grande número de cristãos. A maior parte é católica, mas abriga também diversas de-A Liga Desportiva do Vila União vem falar com muito nominações religiosas, como os evangélicos, umband-entusiasmo das competições de futebol amador. istas, testemunhas de Jeová, mórmons, espiritas, etc. Vila União em Cordel Autor: José Iran da Silva (filho do Zé do Buzo) Tudo aqui começou Que semprea vigiava O transporte era difícil João birro era muito engraçado Com um bom loteamento Só tomava banho nela Se usava camionetas Jair morais e o beto gaudêncio Terras que foram compradas Quem o homem autoriza E o ônibus do montese São artistas destacados Para um investimento A praça do nosso bairro Vinham em horas incertas Perto da rodoviária E aqui surgiram familias Ela foi inaugurada Até que uma empresa Tem áreas de lazer Vendo assim o crescimento No dia oito de dezembro Veio com planos e metas Próximos do aeroporto O comprador dessas terras Ao povo foi consagrada Um problema muito antigo Várias pra você escolher Veio lá de “união” No ano se sessenta e oito Sempre foi a segurança Este é um bairro central Hoje é jaguaruana E sempre foi reformada Um posto policial Muito bom pra se viver A cidade do sertão A maçonaria teve Era nossa confi ança Em vinte e três de agosto Foi assim que nosso bairro Papel na educação Que atendia o povo La no ano de quarenta (1940) Se chamou vila união Ajudando os moradores Com bastante esperança Foi fundado este bairro A lagoa já existia Na alfabetização No bairro vila união Que cresceu de forma lenta Só com o nome de “paia” Criando a primeira escola Moradores eram lembrados Parabéns vila união Devido a um morador antigo No bairro vila união Zé do buzo o informador de ruas Que passaste dos setenta.
  2. 2. 2 JORNAL DO VILA UNIÃO Fortaleza, Março de 2013 História das Ruas A Educação Homofóbica e Editorial Machista da nossa sociedade A Avenida que homenageia U D m Projeto ousado e benéfico mudará para melhor, o hábito o aniversário de Fortaleza ia desses encontrei por acaso com um HSH (lê se homens da leitura e ação de nossos mo- Por Inácio Sousa que fazem sexo com homens) radores: O JORNAL DO VILA UN- e ele me contou um breve instante da IÃO. Projetado por meio de convicção sua vida. Disse-me que na sua ado- e necessidade, promovido entre mora- lescência um cabeleireiro gay gostou dores interessados no bem estar da co- dele e começou a assediá-lo. Inácio Sousa munidade, representa uma ferramenta Ativista LGBTT do Ceará e Ao contar as investidas para a de comunicação envolvendo todos os Estudante de Jornalismo mãe, o rapaz foi orientado pela seguimentos de nosso bairro. A falta de Faculdades Nordeste mesma, para que recebesse tudo e-mail: inacio.ss@bol.com.br que o cabeleireiro pudesse dar, comunicação entre moradores causou, mas sem satisfazer a vontade nos últimos anos, grandes percas sociais sexual deste último. Neste pequeno exemplo prático, na nossa comunidade e para acompan- da vida cotidiana, eu pude constatar como a nossa so- har o ritmo acelerado do crescimento ciedade ainda é extremamente machista e homofóbica. que ora acontece por aqui, devemos ter Ao ponto de uma mãe, mandar o seu filho usurpar tudo noção do grande potencial que temos e que ele puder de um homossexual, muitas vezes carente traduzir melhor o grande empreendi- de amor, para obter vantagem em cima disso. Ainda mento que se tornou o belíssimo Vila assim, com milhares de exemplos desses Brasil afora, parlamentares fundamentalistas como Jair Bolsonaro União. Após suprirmos algumas defi- (PP), tentam alienar a mente das pessoas afirmando que ciências de estrutura urbana, mediante a o Ministério da Educação quer transformar as crian- ocupação de vários aparelhos públicos e ças de 6 a 8 anos em homossexuais. É o que convenho da implantação de grandes empresas pri- chamar de Síndrome de Bolsonaro. O deputado parece vadas para exploração de atividades co- que subestima a inteligência do nosso povo. O tal do S merciais, nos colocamos como uma das “kit” que Bolsonaro tanto bradava contra, é apenas um e perguntarmos aos aba/Mucuripe e Avenida grandes fontes de emprego e renda da material didático com vídeos e panfletos que orientam moradores do nosso Gonçalves Dias. No mapa professores do ensino médio, sobre como reagir em ca- cidade. Este novo esforço para mostrar o bairro qual de nos- da cidade, datado de 1973, sos de bulling homofóbico nas escolas que solicitassem que o Vila União tem de potencialidade sas ruas que homenageia a Avenida 13 de abril fi o material. Entretanto, a manobra política falou mais alta e atrativo, em termos sócio-cultural e o aniversário de Fortaleza, cava entre a Rua Padre Pia- e alguns políticos evangélicos e católicos se utilizaram ambiental, prevê a transformação de com certeza a resposta será marta e a Avenida Luciano da chantagem para pressionar a presidente Dilma para ideias em projetos arrojados e voltados a mesma da dona de casa Carneiro. Hoje, porém, a boicotar o “kit”. Vemos aí o quanto eles são inescrupu- para nosso progresso e benefício glob- Maria José Rodrigues de 66 avenida perdeu a denomina- losos. Que cristianismo não?!? al. A intenção inicial dos idealizadores anos, “Não sei, não tenho ção e voltaram as denomi- Para alguns, a melhor maneira deste projeto é de valorizar nosso bairro a mínima ideia”. O que ela nações dos trechos antigos: nem imagina é que mora Rua Santa Luzia, Ambrósio de tratar os homossexuais é não perante a grande família de moradores e clamar por apoio em defesa de nosso justamente na avenida que Machado e Santa Quitéria. fazê-los mal, ou mesmo fingir maior bem e patrimônio natural, a lagoa recebeu o nome da data de Ainda segundo o Jornal “O que eles não existem, como se do Opaia. Esta comunidade deve ser fundação da nossa cidade. POVO”, a 13 de Abril gan- isso também, não fosse uma colocada entre os grandes projetos de Ao ser indagado sobre o hou esse nome porque, em forma de violência. execução para melhorias merecidas e motivo da rua onde mora algum momento da breve há muito reclamadas e ignoradas pelo se chamar 13 de Abril, dona história da capital cearense, Uma educação valorativa e positiva em relação à diver- Maria José conta que An- o prefeito Juraci Magalhães sidade sexual para crianças a partir dos sete anos é uma poder público desta cidade. tes se chamava Padre Am- (1932-2009) resolveu hom- determinação da UNESCO (Organização das Nações brósio Machado e depois enagear a cidade. No sentido Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) que coin- chegou a correspondência norte a sul duasruas Moacir cidentemente aprovou o kit anti-homofobia. A educação é o único meio em longo prazo, capaz de desconstruir o com o nome de 13 de Abril. Machado e Gonçalo Souto preconceito e combater a discriminação. Portanto, um Segundo a Secretaria de fi ndam na 13 de Abril, duas instrumento extremamente potente para extinguir com Infraestrutura de Fortaleza cortam transversalmente Expediente (Seinf), a Avenida 13 de Jorge Acú cio e Alberto a violência aos homossexuais. É fato que leis são im- portantes, e os países desenvolvidos são a prova de que Abril ou “baixada” como Montezuma, quatro iniciam elas são eficazes quando bem aplicadas. Mas só surtiram O Jornal do Vila União é uma publicação do costumam chamar alguns no sentido sul a norte Edgar efeito porque nestes mesmos países a educação sempre grupo UVU (União Vila União) com sede moradores, foi fundada Pinto Filho, João Araripe, esteve em primeiro lugar, inclusive a educação para obe- no bairro Vila União. Direção Geral: Ed- oficialmente comoavenida Moreira Gomes e Artur decê-las. Para alguns, a melhor maneira de tratar os ho- nardo Lima(Ezão); Edição de Texto: Inácio mossexuais é não fazê-los mal, ou mesmo fingir que eles por meio da lei municipal de Carvalho, fi ndando na Sousa; Diretora Comercial: Erika França; não existem, como se isso também, não fosse uma forma 3.729, de 1969. Ela foi cria- Avenida Luciano Carneiro. Diagramação: Anderson Castelo; Report- de violência. O melhor seria não ignorá-los, pois eles ex- da a partir de trechos da Rua Ainda na Avenida 13 de agens: Erika França, Geraldinho, Inácio istem e isso é fato, tratá-los com respeito e agir normal- Professor Costa Mendes, Abril, se localizam o Sindi- Sousa, Daniel Honorato e Abigail Pontes; mente. O que temos principalmente que compreender é Padre Ambrósio Machado, cato dos Policiais Federais Tiragem: 3.000 exemplares. Distribuição: que a homossexualidade não é doença! Desde 1992, a Santa Luzia e Santa Qui- do Ceará, a fábrica de con- Organização Mundial da Saúde (OMS) retirou dos seus Gratuita; Contato: UVU – Rua Almirante téria. O sentido da avenida fecção Amarelô e dois eq- quadros o CID (Classificação Internacional de Doenças) Rufi no, 105 A - Vila União - CEP: 60420- era Leste-Oeste. Quando foi uipamentos municipais: a 302.0 que considerava o homossexualismo uma doença. 070 Fortaleza/ CE. Fones: Produção de criada, compreendia trechos escola e creche Papa João Também não é anormal! O Conselho Federal de Psico- matérias: 88220524/ Anú cios: 88836620 / dos bairros XXIII. logia do Brasil proibiu qualquer tentativa de tratamento Outras Informações: 87039974 e noticias- Vila União e Bom Futuro, a homossexuais. E Não é pecado! Jesus Cristo jamais dovilauniao@gmail.com. pregou contra. entre o ramal férreo Parang-
  3. 3. Fortaleza, Março de 2013 JORNAL DO VILA UNIÃO 3 Um Grande Trabalho Bola da Vez C ostumamos dizer que um Por Ezão grande trabalho acontece quando tem um verdadeiro compromisso com o projeto em missão. Com grandes dificuldades e envolvidos totalmente em pro- mover lazer a criançada e tirá-las da ociosidade, realizamos treinos com escolinhas infantis com crianças de varias idades, promovendo uma das mais belas ações de solidariedade. Queremos homenagear e aplaudir os grandes realizadores e treina- dores das categorias de base ama- doras do Vila União. Citamos aqui A em destaque o excelente trabalho do LIGA DESPORTIVA DO (Galácticos, PSG, Swing, Prova de Raimundo auxiliado pelo Cristiano VILA UNIÃO vem falar Fogo, Mont Hell, L.G, Peulinha, e Claudinho, bem como a guerreira com muito entusiasmo das C.T, Maluquinho, Novo Ideal, Helena. Valeu! competições de futebol amador. Sport Boys, T.B, Papão, I.B, 3 de Esta é a 23ª edição das competições Agosto e Camaradas). realizadas pela nossa entidade junto O grande objetivo desta à comunidade local e adjacências, realização é a inclusão social através envolvendo mais de 1.200 atletas. Elas estão assim distribuídas: do esporte, não podemos deixar de ressaltar o compromisso com a Futsal • CAMPEONATO DE integração, diversão, participação, VETERANOS (10 EQUIPES) disciplina, educação, aplicação de A nossa entidade em parceria com a Escola Jenny Gomes, na Borges de (Sem Nome, Vila Velha, Real valores e geração de renda. Melo, contempla a comunidade com um campeonato de futsal com ado- Madri, Rasguinha, Swing, Cebolão, Paissandú, lescentes de idades entre 14 e 17 anos. Os jogos acontecem aos sábados e Ajax, Barcelona, L.G.). domingos à tarde, num total de 10 equipes e tendo como premiação: Troféus • CAMPEONATO e medalhas. DA 2ª DIVISÃO (12 EQUIPES) (Vila Real, União, Revoltados, Carrerinha, Futsal Infantil Julio Verne, J.B, Trepidantes, CTB, Os Idealizado para crianças de 10 a 15 anos, acontece na escola Haroldo Jorge Plays, Piriquitos, Lineu Juca e Saturados). Brawn Vieira (Lagoa do Opaia) o campeonato de futsal infantil em duas cat- • CAMPEONATO egorias com a coordenação do ‘Amiguinho’. Apoio - Grupo UVU, Escola OFICIAL NOVOS (16 Haroldo Jorge Brawn Vieira, Comercial Catarina e Marcos Aurélio. EQUIPES) Recordando R etiramos do baú da Liga, uma foto rara do Vila União Atlético Clube em 1982, no antigo campo próximo a Jacira. A partir da esquerda para a direita em pé (Bel, Airton, Ezão, das Chagas, Almeida, Gervazio, Raimundinho), na mesma ordem agachados (Alberto, Raimundinho II, Marquinhos, Josa, Dindo, Pelé, Jabote e Pinto). A direção da Liga Desportiva do Vila União vem através deste jornal, agradecer o total apoio recebido pelas equipes filiadas que participam de todos os nossos eventos.
  4. 4. 4 JORNAL DO VILA UNIÃO Fortaleza, Março de 2013Breve História do Vila União Eveliny de Oliveira Eleutério e Juan Nádson Marques MeloV ila União é um bairro que possui suas particu- laridades e uma dinâmica própria. Apresenta reflexos das conquistas de décadas passadas.Para a construção histórica do bairro quase não se temarquivos oficiais, assim as informações colhidas foramobtidas a partir de escritos registrados, visita ao bairro ecom auxílio da internet. Fundado pela Prefeitura de Fortaleza em 23 de ag-osto de 1940. Antes de ser chamado Vila União, o bairrorestringia-se a latifúndios, propriedade da Sra. Maria daConceição Jacinto, que em 1938 vendeu-as para o Dr.Manuel Sátiro, que logo loteou as terras. Vindo ele dacidade de União, hoje chamada Jaguaruana, nomeou oloteamento de Vila União, daí a origem do nome do bair-ro. Com a venda dos lotes, vieram as primeiras famílias:a família do Sr. Frutuoso, a família de um senhor conhe-cido como Pacoti, a família do Sr. Antônio Cambista, afamília Gadelha, a família do Parreão, a família Pajeú, afamília Nobrega, etc. A primeira escola do bairro era in-tegralmente financiada pela maçonaria, pois o corretorresponsável pela venda dos lotes era maçom. A escolafuncionava na residência do Sr. José Ramos Gadelha esua filha foi a primeira professora do bairro. O Parreão,bairro vizinho e totalmente separado do Vila União, jápossuía sua escola. Hoje os dois bairros estão interliga-dos e o Vila União o absorveu. Em 1942 foi construídaa estrada de ferro que passa pelo Vila União até hoje,ligando a Parangaba ao Mucuripe. O progresso do bairro veio de forma lenta, a energiasó chegou em 1957 e a água usada era de cacimba. Tam-bém havia a lagoa que abastecia o bairro que na épocanão era poluída e era chamada de Lagoa do paia, só de-pois passou a ser chamada de Lagoa do Opaia. Segundomoradores, antes, no local que hoje é a lagoa havia muitobarro preto e as pessoas tiravam o barro para fazer tijo-los e telhas artesanais. O Senhor Opaia tirava em muitasquantidades, e assim foi formando cacimbas e poços atécompor-se a Lagoa, que recebeu o seu nome, pois esteteve grande participação na formação da lagoa. O trans-porte não existia e quem fosse ao centro da cidade, tinhaque ir até o Benfica ou Aerolândia. Por um tempo algu-mas camionetas de particulares faziam a linha. Depoiso tenente César, que fazia a linha do Montese, colocouônibus para servir o bairro. Mas segundo o morador Jair, infância, chegou no Vila União aos dez anos de idade.os “ônibus eram muito velhos e quase sempre davam Passaram-se mais de sessenta anos e ele continuava mo-prego, um sacrifício!”. Só algum tempo depois veio a rando no mesmo local, onde criou os seis filhos. Por serempresa Nossa Senhora de Fátima, que tinha qualidade morador muito antigo, ele tinha conhecimento de todase capacidade de atender o bairro. Ainda sem uma escola as ruas e travessas do Vila União e tornou-se o “infor-pública, uma comissão formada por famílias do bairro, mador de ruas” oficial do bairro. Houve mudanças noda qual fazia parte um candidato da prefeitura de For- nome das ruas do bairro, que antes eram nome de santostaleza, o general Cordeiro Neto, pressionou autoridades e depois com a pavimentação do bairro, muitas pessoaspara a implantação de uma escola no Vila União. Com a se perdiam então Zé do Buzo decorou tudo para ajudarvitória do general, a escola foi inaugurada em 1964 com as pessoas. Seu Zé do Buzo faleceu em 2007, mas seuo nome de General Cordeiro Neto. Quanto à construção filho continuou o comércio que serve caldos famosos àdo Aeroporto Pinto Martins, moradores se dividem so- comunidade e tem na fachada o letreiro: Zé do Buzo –bre as vantagens que trouxe para o bairro, uns disseram Informador de ruas.que trouxe prestígio e que muitos pequenos comerci- A Feira do Troca-Troca, mais conhecida como “Feiraantes se estabeleceram ao redor do aeroporto, e que dos cacarecos”, acontece no local desde 1971 e passou aquando foi construído o Aeroporto Internacional Pinto ser referência no Vila União. Vende-se tudo, de animaisMartins do outro lado, muita gente ficou desempregada. a bicicletas, aparelhos domésticos, sapatos e roupas. Di-Outros moradores acreditam que o aeroporto trouxe de- zia Zé do Buzo: “Só tem coisa velha”.senvolvimento, mas também muito barulho e confusão Durante muito tempo, vários moradores do bairrono bairro, pois houve muitos conflitos entre a Infraero viviam em situação de risco ao redor da lagoa, mase a comunidade, devido à luta pela permanência das ca- recentemente, em 2004, foi construído um conjuntosas e até mesmo a possibilidade de soterrar a lagoa, em habitacional, chamado Planalto Universo, onde moramdetrimento da construção do aeroporto, mas esse acon- 648 famílias, provenientes tanto do Vila União quantotecimento vai ser mais detalhado na explanação da As- de bairros vizinhos. Foi realizado um trabalho de Açãosociação dos Moradores, que teve um papel undamental Social pela PEC-POLAR, no qual trouxe melhorias nana mobilização da comunidade. A pracinha do bairro foi convivência comunitária. O Planalto Universo possui as-inaugurada em 8 de dezembro de 1968, dia da Consag- sociação comunitária própria, creche e atividades como:ração de Nossa Senhora da Conceição. O primeiro time ginástica com idosos, feito pelos bombeiros, entrega dede futebol do bairro tinha o nome de ABC e jogava no “sopão” toda semana, iniciativa de uma representantecampo onde hoje a pracinha se localiza. É nesta pracin- comunitária em parceria com a CAGECE e trabalhoha que hoje está a igreja do bairro: Jesus, Maria, José. com reciclagem, que é uma parceria com a COELCE.Zé do Buzo, apelido que José Maria da Silva ganhou na
  5. 5. Fortaleza, Março de 2013 JORNAL DO VILA UNIÃO 5 A lgumas são as dificul- população, dessa forma, fica em Problematização dades enfrentadas pela comunidade. A falta de risco, uma vez que há ausência de infraestrutura básica. saneamento básico, abasteci- Dentro do próprio bairro existe mento de água e energia na per- uma separação, porque a co- iferia do bairro, mostrando, em munidade não reconhece o Vila parte, um descaso da Cagece, União como um todo, mas sim que tem sua sede no bairro e em fragmentado, constituído de frente ao prédio corre um es- três unidades de realidades het- goto a céu aberto; poluição so- erogêneas: o Planalto Universo, nora, proveniente do Aeroporto, um lado da Lagoa do Opaia que fica praticamente vizinho (conhecido por Vila União) e o às casas; do barulho do trem, outro lado da lagoa. Esse pode- que passa entre as casas, como ria ser um dos motivos que tem também de sons vindo de bares dificultado a articulação comu- e carros, principalmente nas nitária do bairro. A ausência de proximidades da praça, segundo ordenamento urbano, na perife- moradores, chega a causar certo ria do bairro, mostra total des- desconforto para eles além de caso, comparado ao bairro como prejudicar a celebração das mis- um todo. sas que acontecem nesse local. É ressaltamos a falta de articula- É observado um forte índice de ção comunitária e o pouco inter- poluição ambiental, tanto no que câmbio entre os equipamentos concerne a Lagoa do Opaia, pois sociais existentes na comunidade, há concentração de lixo ao redor pois muitos moradores descon- e na própria lagoa, como também hecem e/ou não se apropriam de nas ruas. No bairro há uma certa espaços importantes na comuni- aglutinação entre ambientes ur- dade, como também os próprios banos e rurais, características equipamentos sociais não sabem própria de periferias, justificada, da existência um do outro e as- pelo arquiteto contratado da pre- sim pouco se articulam no senti- feitura como sendo consequên- do de estabelecer parcerias para cia da vinda de pessoas do in- o desenvolvimento de ações terior para o bairro. A saúde da conjuntas. Equipamentos Sociais D entre os vários Equipamentos Sociais existentes no bairro, temos exemplos de alguns deles. Apreendemos o trabalho realizado nesses espaços, bem como identi- ficamos os limites e as potencialidades de cada um. São eles: • Centro de Referência de Assistência Social (CRAS); • Casa Brasil; • Associação dos Moradores; • Lar da Criança; • Centro de Atenção Psicossocial Infantil (CAPSi); • Centro de Saúde da Família Turbay Barreira • Centro Juvenil Dom Bosco • Hospital Infantil Albert Sabin • Centro Pediátrico do Câncer • Pro-Médio • Escola Papa João XXIII • Escola Haroldo Jorge Braun Vieira • Escola Aurélio Câmara • Escola Cordeiro Neto • EtuFor • Associação Peter Pan Talentos Artísticos Alguns moradores são conhecidos fora do bairro, por feitos próprios: Perfil da Comunidade D • Zé do Buzo “Informador de Ruas”; e acordo com o Censo de Pinto Martins; ferroviário, presença de • João Birro “Contador de Mentiras”; 2010 do IBGE, o número to- um trecho da estrada de ferro que liga •J air Moraes pelo jeito “Folclórico Cantador”; tal de habitantes do bairro Parangaba ao Mucuripe e rodoviário, • Beto Gaudêncio “Artista Plástico”; Vila União é de 15.378 pessoas, das que apresenta trânsito dos ônibus: Vila • O Grupo de Quadrilha Zé Testinha, que é referência no Nordeste Brasileiro. quais 7.090 são homens e 8.288 são União, Lagoa do Opaia, Albert Sabin mulheres. e Antônio Bezerra. Identificamos uma O bairro está situado entre o Aeroporto, predominância religiosa na comuni- a Base Aérea, Montese e Estação Ro- dade e, também nos espaços públicos. doviária, tendo, portanto, a abrangên- Observamos que essa religiosidade é cia da Secretaria Executiva Regional principalmente Católica. Entretanto, IV. Possui três meios de transporte: cresce com muita velocidade as de- o aéreo, referenciado pelo Aeroporto nominações chamadas, pentecostais.
  6. 6. 6 JORNAL DO VILA UNIÃO Fortaleza, Março de 2013Vila União em Imagens O Vila União no caminho do VLT Por Claudio Evanias (Um dos atingidos pelo VLT) Adaptado para o Jornal do Vila União E m um belo dia ensolarado de domingo por volta de seis horas da manhã, moradores do Pinheirinho (São José dos Campos, SP) são surpreendidos por mais de 1.800 homens da polícia militar, com cães, helicópteros e blindados. A população é expulsa de suas casas pelos ho- mens da “segurança” com truculência, gás lacrimogênio, ba- las de borracha e cassetetes. Crianças, velhos, defi cientes, mulheres grávidas saem correndo sem direção (muitos ain- da estavam dormindo quando a polícia chegou). Tudo isso para desocupar um terreno de uma empresa do picareta Naji Nahas que deve milhões de reais em impostos ao governo. Caso semelhante pode acontecer nas 12 cidades que serão sub-sedes da Copa do Mundo. Para viabilizar tal evento, osDescaso - Até quando a Prefeitura de Fortaleza desprezará a Rua Otoni Lopes de Oliveira, a via esta governos estaduais pretendem construir avenidas, ferroviastoda esburacada devido a inúmeras obras da CAGECE e necessita urgentemente de recapeamento. e outros empreendimentos. Para essas obras, terão que ser removidas milhares de famílias que estão no caminho das futuras construções. Aqui em Fortaleza, o Governo do Esta- do irá construir o VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), espécie de metrô de superfície. Os trilhos a serem construídos, pas- sarão por cima de 2.700 casas. Nesse sentido o governador baixou um decreto no ano passado, tornando toda a extensão como área de interesse público, não ouvindo os principais personagens dessa história: os moradores que perderão suas casas. Várias leis nas esferas federal, estadual e municipal protegem a moradia, inclusive a lei orgânica do município (Art. 149) propõe que “Em caso de remoção, todo o pro- cesso deve ter a participação popular em todos os níveis e mediante consulta obrigatória e acordo de pelo menos 2/3 da população atingida”. O governador não quer saber de nada disso, querendo dar uma indenização irrisória juntamente com a promessa de construção de apartamentos a de 14 km de distância de algumas comunidades. Essa distância tam- bém é contra a lei, que obriga o reassentamento no próprio bairro. O governador tem maioria na Assembleia Legisla- tiva e conta com a simpatia do poder judiciário, que se fazSão José de Ribamar fecha as portas - No último mês de Julho a empresa de transporte de surdo frente às necessidades da população. No dia 21 decoletivo deixou de operar no Vila União. O motivo e que a São José de Ribamar não teria participado da Janeiro último, a juíza Joriza Magalhães Pinheiro negou alicitação da Prefeitura de Fortaleza. suspensão da obra que havia sido pedida pela Defensoria Pública. A Defensoria considera que o empreendimentoAtividades da Secretaria de Participação não foi sufi cientemente debatido com a população local e não houve negociação sobre o lugar onde serão reassent dasPopular no mês de janeiro as mesmas. Podemos notar que assim como aconteceu no Pinheirinho, onde outra juíza autorizou a desocupação, tam- A gestão de Rober- jetivo principal capacitar jovens da comunidade na bém pode estar se delineando mais uma injustiça contra os to Cláudio ini- utilização de software livre. O projeto tem parceria mais humildes. Segundo a assessoria do Metrofor, depois da ciou e a Secretar- técnica da ONG Mahiti Infotech (Índia) e com a pressão popular, alguns trechos entre eles a AV. Lauro Vieira ia do CPP Jade Romero, colaboração da Univers dade de Columbia (Nova Chaves, foram cedidos pelo Governo do Estado. O traçado começou sua caminhada York). Como forma de incentivar a população a original da obra foi modifi cado, avançando assim o terreno em busca de conhecer doar sangue, a Secretária de Participação Popular, do aeroporto, livrando grande parte da comunidade. Das 203 projetos em andamento Jade Romero e sua equipe, estiveram na tarde de casas, agora apenas 20 serão removidas. Em todo o trecho e imprimir sua marca quarta 06 de fevereiro no Hemoce, dando um ex- que ligará o bairro de Parangaba ao Mucuripe 2.700 famílias na nova pasta. Recém emplo de solidariedade ao próximo, com a doação iam ser atingidas, agora apenas 1900. Diante das denúnciasCarlos Emanuel Bezerra Alves criada pelo Prefeito de de sangue. Além dessas ativ dades Jade Romero, de autoritarismo pelo Governo do Estado, a relatora da ONUé estudante jornalismo da Fanor, Fortaleza Roberto Cláu- esteve acompanhando as demandas do Orçamento (Organizações das Nações Unidas) para a moradia adequadaautor do blog: http://carlosemanu-eljornalista.blogspot.com.br/ dio, a Coordenadoria Participativo (OP), onde vis tou praças na Regional no Brasil Raquel Rolnik, visitou dia 15 de junho a comuni-email: carlosemanuel40@hotmail. de Participação Popular I e lideranças no Jacarecanga e Floresta, onde deba- dade da Lauro Vieira Chaves no Vila União. A relatora par-com (CPP) comandada por teu a melhoria das praças. A secretária acredita ser ticipou em Fortaleza de palestras e audiências públicas para Jade Romero teve um a praça um importante local de encontro da popu- debater exclus vamente a questão das remoções do VLT pelomês de janeiro de intensas atividades. A secretária lação. Governo do Estado. A troco de quê existe essa perversidade?Jade Romero compareceu a duas posses impor- O OP é um espaço, onde a população escolhe obras Tudo em nome de um desenvolvimento que privilegia ostantes. Uma delas foi à do presidente da OAB-CE, e serviços, e pode eleger delegados (as) que acom- agentes econômicos (empreiteiros, construtores, industriais,Valdetário Monteiro. A outra foi à posse do con- panham o andamento das demandas da cidade For- grandes comerciantes, etc.) Será que nós, povo trabalhador,selheiro Francisco Aguiar, que irá presidir o Tribu- taleza. não temos direito a cidade? Querem jogar os pobres paranal de Contas dos Municípios pelos próximos dois OP no bairro Vila União longe, pois casas feias próximas as suas propriedades as des-anos. Ainda houve um encontro com a mesa dire- O bairro conta com um representante, o Senhor valorizam. Aqui fi ca outra pergunta: o que vale mais, desen-tora do Conselho Municipal de Saúde, com intuito Abelardo, eleito na Assembleia decisiva que ocor- volvimento ou direitos humanos? Para eles o primeiro valede debater a melhoria da saúde de Fortaleza. No reu no mês de dezembro de 2012. Sendo o mais muito mais e a nós só a resistência. A resistência que é capazConjunto Palmeiras, Jade Romero visitou o Banco votado para delegado territorial. Representa a Liga de barrartal maldade. Como diz Honoré de Balzac: “As leisPalmas para conhecer o Laboratório de Inovação e Desportiva do bairro Vila União e o Grupo União são teias de aranha, em que as moscas grandes passam e asPesquisa em Finanças Solidárias, que tem como ob- Vila União (UVU). pequenas fi cam presas”.
  7. 7. Fortaleza, Março de 2013 JORNAL DO VILA UNIÃO 7 O Trabalho informal é humilde e digno D esde o tempo de Cristo quem deixar os filhos pequenos, (mães colocam suas queijo! que o comércio infor- bancas nas portas de suas casas), dentre outros moti- - Peixe! Peixe! mal faz parte da econo- vos. - Camarão. Camarão fresco! mia das pessoas mais humildes O comércio e serviço informal movem parte da eco- E as vísceras vendidas de porta em porta? Onde um e que geralmente não tinham nomia. Muitos pais sustentam suas famílias com esses homem empurrando seu “maverick” (carro de mão condições de estabelecer seu serviços, como: manicures, lavadeiras, engomadeiras, feito de geladeira e pneus velhos) diz com sua voz negócio numa loja estruturada. costureiras, bordadeiras, jardineiros, serventes, eletri- cansada: Naquela época os comerciantes cistas, bombeiros, mecânicos que nunca tiveram suas - Olha o miúdo, fígado, tripa e passarinha. montavam suas barracas impro- carteiras de trabalho assinadas. - Olha o milho verde! Por Abigail Pontes Moita visadas, abasteciam a cidade e É comum no nosso bairro Vila União ouvir diversas Entre outras iguarias oferecidas nas esquinas todos os abigailpmoita@gmail.com logo partiam para outra locali- ladainhas, que para a nossa comodidade vendem de dias ao anoitecer, temos: pratinhos, caldos, bolos, en- dade. porta em porta, produtos de limpeza, móveis, roupas, ergéticos, espetinhos e muitas guloseimas. É com toda Atualmente, o comércio e serviço informal estão em redes e até medicamentos naturais que prometem disposição que essas pessoas tocam a vida trabalhando todos os lugares. E se faz presente na economia das emagrecer. Por outro lado, ouvem-se também outras com honestidade para o sustento de suas famílias. cidades pequenas e grandes fazendo parte da rotina ladainhas mais insistentes que nos abrem o apetite ao Este espaço esntá aberto para você que trabalha na dos bairros. Os motivos que fazem as pessoas opta- amanhecer: informalidade, Conte-nos sua História. Você é nosso rem por esse tipo de trabalho são diversos, como: o - Tapioca com leite de coco! convidado para participar deste espaço. desemprego, a falta de qualificação para o mercado de - Tapioca com queijo, leite moça e manteiga! trabalho que está cada vez mais exigente. Não ter com - Olha o queijo! Olha o doce! Queijo e doce, doce e Canto das Artes e da Cultura Vila Vip S ão tantas as teorias das artes e originada em uma determinada socie- maneiras de fazê-las! Mas o seu dade, como também pode ser adquiri-Por Inácio Sousa Feliz Aniversário ao pequeno talento é especial. A arte sin- da e ganhar uma nova roupagem, isto “Pedro Ricardo”F tetiza as emoções, a beleza e a estética. é, ser modificada e passar a fazer parte oi num clima de bastante alegria e descontração que os cerca de 30 convi- A arte é uma habilidade humana e está da rotina de outras civilizações. Nossa dados deram parabéns ao lindo Pedro Ricardo na sua festinha de 1 ano. O ligada ao emocional. O artista busca cultura é bastante diversificada basta evento ocorreu no Vila União Atlético Clube, que foi alugado exclusiva- inspiração em algo que mexe com seus observarmos a vida o dia-a-dia atravésmente para o aniversário e teve como tema o desenho animado “Looney Tunes”. sentimentos, seja no amor, na revolta, do lazer, do trabalho, das brincadei-Pedro Ricardo é filho de Sara Jéssica e Francisco José “O China”, como é conhe- na harmonia, no equilíbrio, na beleza, ras, da religiosidade, dos costumes, dacido o coroinha da Paróquia Jesus, Maria e José. no exótico. Enfim, o artista aplica suas pintura, do artesanato, das cantigas, da técnicas, no belo? No que é diferente? dança, enfim, arte é toda essa diversi- No feio, que transforma em bonito? A dade cultural que vêm de muito tempo arte simplesmente sai da imaginação atrás e das novas que estão surgindo. do artista e muitas vezes nos envolvem. Este espaço é gratuito e se destina aos As manifestações artísticas, sociais, artistas do bairro vila união. Aqueles culturais, linguísticas e comportamen- que realizam atividades artísticas e tais fazem parte da cultura de um povo, culturais, tais como: artes visuais, dan- cada com suas particularidades. Uma ças, música, teatro, folclore, cinema, das capacidades que diferencia o ser literatura, invenções, pensamentos, humano dos animais é a capacidade da dentre outras. Mostre seus trabalhos e produção cultural. Conceituar cultura é conte-nos sua história. bastante complexo, pois a cultura varia Você é nosso convidado para partici- de lugar para lugar. A cultura pode ser par deste espaço.
  8. 8. 8 JORNAL DO VILA UNIÃO Fortaleza, Março de 2013 Uma Igreja sempre aberta Espiritualidade Pe. Marcos Mendes de Oliveira S omos da Paróquia Jesus, Maria e para quem conhecia a praça antes da in- José do Vila União e estamos aqui tervenção que lá fizemos. Por isso mesmo,Por Inácio Sousa desde fevereiro de 2006, ou seja, há quando você ver a praça bem cuidada com pouco mais de 6 anos. A Igreja matriz da o seu verde, pode lembrar-se: A praça teVila União, um bairro com Paróquia está sempre aberta pela manhã e a tarde. Durante à noite, celebramos a convida a ter cuidado e responsabilidade pelos embriões, fetos e crianças do mundodiversidade religiosa Santa Missa, às 19h, de terça a sábado. O propósito da Igreja ficar aberta é para inteiro. A alegria de ter uma Igreja sempre aberta facilitar que os fiéis tenham um espaço é que Ela tornouse de fato um local de ora- de oração e adoração ao Santíssimo Sac- ção, continuamente recebendo pessoas que ramento. Este fica exposto para adoração vão conversar com Deus e adorá-lo. Como da comunidade ao longo do dia desde no- disse Jesus: “A casa de Deus é casa de ora- vembro de 2010. A principal intenção da ção para todos os povos”(Mc 11,17), é esta exposição da Hóstia Consagrada é para a palavra que vivenciamos todos os dias a proteção dos embriões, dos fetos, das no Vila União. E como é importante ter crianças e para que estes possam crescer, este espaço para oração, colocar em Deus desenvolver-se com o apoio dos seus pais nossas necessidades e falar das nossas di- e de toda sociedade. ficuldades, bem como agradecer também, Após a exposição do Santíssimo Sacra- pelas alegrias e vitórias que alcançamos na mento somos testemunhas de muitas gra- vida. ças recebidas, entre elas a jardinagem e Queremos então fazer-lhe um convite. a manutenção da praça feitas pela Igreja. Venha orar conosco, adorar o Cristo no Na praça do Vila União existe a energia da Santíssimo Sacramento do Altar e renovarA oração e da adoração feitas a Deus Nosso sua vida neste encontro com o Senhor Vivo religião no Brasil é muito di- Batista, Igreja do Evangelho Quad- Senhor. Posso dizer, com muito orgulho e Ressuscitado! Obrigado ao Jornal pelo versificada e caracteriza-se rangular, Assembleia de Deus, Pente- também, que a oração dos fetos a Deus espaço de comunicação com os moradores pelo sincretismo. A Constitu- costal Vida em Cristo, Adventista do suplicando proteção, modificou a nossa do bairro! Deus abençoe a todos e a Vir-ição prevê a liberdade de culto, e Igre- Sétimo Dia, Igreja dos Mórmons, Tes- praça. A mudança é algo público e notório gem Maria os guarde!ja e Estado estão oficialmente separa- temunhas de Jeová e a Igreja Betuel.dos, sendo o Brasil um Estado Laico. Sem deixar de falar nos terreiros in-A maioria dos brasileiros é cristã, sen-do sua maior parte católica. No Vila omináveis dos nossos irmãos umband- istas. Em reverência a essa tolerância C.S.F Turbay Barreira:União, não é diferente. O bairro con-centra um grande número de cristãos. religiosa, o Jornal do Vila União dedi- cará um espaço em cada edição para Trabalho Humano e EficazA maior parte é católica, mas abriga que todos os líderes religiosos escre- educativas. Por isso não há outro atendimento futuro etambém diversas denominações reli- vam sobre os mais variados temas. Re- um atendimento especifico assim evita ter de acordargiosas, como os evangélicos, umband- speitando claro, questões igualmente individual, mas sim coletivo cedo correndo todo tipo de tratando a comunidade como perigo. O funcionamento doistas, testemunhas de Jeová, mórmons, ligadas à diversidade religiosa, sexual, um todo. No Turbay Bar- posto é de 07 da manhã àsespiritas, etc. Entre essas, as congrega- étnica e racial. Aguardem!!! reira ainda tem verificação 21 horas. Quem trabalha eções evangélicas são as que apresen- de Pressão Arterial (P.A), não tem tempo de ir durantetam um crescimento mais expressivo. retirada de pontos, glice- o dia, a unidade ainda tem oUm grande número de fiéis abandonou mia, hiperdia e curativo. Os terceiro turno, que funcionaos preceitos da Igreja Católica em bus- pacientes que tem diabete a partir das 17 horas e temca de uma nova doutrina nas últimas Carlos Emanuel Bezerra Alves tipo um são cadastrados e re- dois médicos e uma enfer- é estudante jornalismo da Fanor,décadas. autor do blog: http://carlosemanu- cebem todos os meses o Kit meira de plantão a serviço daNo Vila União, dentre as denominações eljornalista.blogspot.com.br/ com seringa, lanceta e gli- comunidade. Atualmente em email: carlosemanuel40@hotmail.religiosas podemos citar: Paróquia com cosimetro. Outros pacientes reforma há mais de um ano,Jesus, Maria e José, Capela de Santa L que recebem seu material são o posto está provisoriamenteLuzia, Comunidade do Vinde a Mim, ocalizado na Rua: os que têm problema com localizado na Rua: Teodor-ORA – Obra Rainha do Anjos, Igreja Gonçalo Souto, 420,Universal do Reino de Deus, Igreja no Bairro Vila União, próximo a Lagoa do Opaia, o C.S.F Maria José Turbay Barreira é uma referência no atendimento médico. Com uma equipe de 69 profis- sionais, sendo 33 terceiriza- dos, divididos em recepção, preparo, farmácia e serviços gerais, além do Programa Saúde da Família (PSF) di- vidido em três equipes mul- tiprofissionais, com médico, enfermeira, agente de saúde e dentista, o posto atende em média nove mil pessoas ao mês. São atendimentos de clínico geral, odontologia, pediatria, lesão medular. Além dos pa- ico Barroso, 50. Segundo neurologia, ginecologia, en- cientes de Tuberculose (TB), o Vice-Prefeito Gaudêncio fermagem, serviço social, que recebem a sexta básica. Lucena em torno de 60 dias farmacêutico, psicólogo e As consultas do posto de o novo posto estará entregue Núcleo de Apoio a Saúde saúde são agendadas de se- a população do Bairro Vila da Família (NASF). O pro- gunda a sexta sempre às 08 União. A reforma do posto é grama NASF, vinculado ao horas da manhã. O paciente uma demanda do Orçamento PSF, trabalha na prevenção sai da consulta do médico Participativo (OP) 2005. de doenças com palestras e já marca o retorno para o

×