Instituto Superior de Ciências EducativasFESTA DA FLOREstudo de CasoLicenciatura em TurismoUC: Marketing Turístico3.º Ano ...
2Resumo:O principal objectivo deste estudo foi analisar qual o impacte do eventoanualmente organizado pela Secretaria Regi...
3Com uma temperatura amena, para o espaço europeu, nesta época do ano(primavera), este evento revela-se muito adequado par...
4Explores its relationship with the hotel service quality and added value thatrepresents the region where a significant pr...
5ÍndiceResumo/Abstract-------------------------------------------------------------------------------21. Introdução ------...
6Índice de figurasFigura 1 – Festa da Flor----------------------------------------------------------------------3Figura 2,...
71. Introdução1.1 Objecto e Objectivos do EstudoO trabalho que apresentamos, é sobre um produto turístico que atrai milhar...
8Este trabalho foi desenvolvido da seguinte forma: demonstração e identificaçãodo evento; constatação do movimento aeropor...
9Figura 5 – Festa da Flor 1979Figura 6 – Festa da Flor 1979O desfile consistia em percorrer as principais artérias da cida...
102005 - Madeira, um mar de flores para ti; 2006 - Dança das estações; 2007 -Da Madeira uma flor para a paz; 2008 - Dança ...
11Como é habitual, a baixa citadina será animada com actuações de bandasfilarmónicas, grupos folclóricos e agrupamentos mu...
12Figura 10 – Muro da Esperança2.1.4 Cortejo AlegóricoAcontece no Domingo, dia reservado restritamente ao Cortejo Alegóric...
132.1.5 Percursos dos Cortejos2.1.5.1 Muro da EsperançaItinerário: Concentração na Avenida Arriaga – 9h00 – frente ao Jard...
141 – A Festa da Flor como evento de rua teve o seu início no ano de 1979.As origens da Festa da Flor remontam à “Festa da...
157 – Para integrar a Festa da Flor, é necessário apresentar um Projecto dePromoção e Animação Turísticas à Direcção Regio...
162.1.7 Entrevistas a Directores HoteleirosA propósito do impacte que este evento tem junto da hotelaria madeirense,contac...
17além de outras que ficam com muita curiosidade e visitam a Região por causadeste evento”.Salienta mesmo que, segundo dad...
18Neste âmbito lamenta que “não tenha havido um esforço concertado em passarpara a comunicação social internacional” a ima...
19Quanto à taxa de ocupação dos três hotéis do grupo durante a Festa da Flor,Sérgio Costa afirmou que será de 100%, adiant...
20contribuindo para o decréscimo de operações no Aeroporto em 2004, quedispõe de 2.273.701 passageiros em transito para a ...
21na Islândia, obrigou o cancelamento de inúmeros voos. As greves no sector,quer no pessoal de cabine e controladores aére...
22Número total de passageiros no Aeroporto da Madeira referente aos anos de2003, 2004, 2005, 2006, 2007 e 2008.Quadro 2 – ...
232003 Agosto continua a ser o mês com maior procura, seguido de Abril com64,8%.2004 O verão continua a ser procurado e Ag...
24Quadro 3 – 2000 e 2001Gráfico 3 – 2000 e 2001Quadro 4 – 2002 a 2004
25Gráfico 4 – 2002 a 2004Quadro 5 – 2005 a 2007Gráfico 5 – 2005 a 2007
26Quadro 6 – 2008 e 2009Gráfico 6 – 2008 e 20093. ConclusãoCom base em toda a análise efectuada para a elaboração deste tr...
27“Festa da Flor” tem-se revelado, ano após ano, uma aposta acertada para aentidade com responsabilidade na promoção do Tu...
28Este evento revela-se ser ma aposta ganha pelo Governo Regional, através daSecretaria Regional do Turismo e Transportes ...
29Referências Bibliográficas:http://www.anam.pt/Default.aspx acedido a 25 de Outubro de 2010http://www.madeiraislands.trav...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Festa da flor

506 views

Published on

Estudo de Caso - Festa da Flor

Published in: Education
  • Be the first to comment

Festa da flor

  1. 1. Instituto Superior de Ciências EducativasFESTA DA FLOREstudo de CasoLicenciatura em TurismoUC: Marketing Turístico3.º Ano – 1.º SemestreDocente:Dr. Nuno AbranjaDiscentes:Carlos Alberto AbreuPaulo Bruno FerreiraRafael Jorge VieiraJaneiro 2011
  2. 2. 2Resumo:O principal objectivo deste estudo foi analisar qual o impacte do eventoanualmente organizado pela Secretaria Regional do Turismo e Transportes,denominado por “Festa da Flor”, no mês de Abril.Para tal, recorreu-se a um estudo de caso relacionando o tráfego aéreo e acapacidade hoteleira e subsequente taxa de ocupação e adesão a este evento.Usando sobretudo dados recolhidos na ANAM e na Direcção Regional deEstatística e ainda de entrevistas semi-estruturadas a alguns Directores deHotéis no intuito de utiliza-las como referência de opinião do sector e umquestionário à Dr.ª Esmeralda Freitas, Técnica Superior na Direcção dosServiços de Animação Turística da Secretaria Regional do Turismo eTransportes.O estudo de caso descreve a importância do evento na Região Autónoma daMadeira.Explora a relação deste com a qualidade do serviço hoteleiro e a mais-valiaque representa para a região, onde uma parte significativa da sua populaçãodepende das actividades turísticas directas e indirectas.Constatou-se que o evento da “Festa da Flor” é um pólo da atracção numaépoca de menor disponibilidade de férias para as populações, evitando assim asazonalidade no destino Madeira.É um cartaz que atrai nichos de mercado e fideliza clientes. É também atravésdeste que obtemos um muito bom retorno, nas visitas aos nossos jardins, quenesta data são muito divulgados, podendo ser destacado o Jardim Botânicocom mais de 2.500 espécies de flores e plantas e os diferentes espaços doMonte que são por si um pólo de atracção, que na coincidência de datas com a“Festa da Flor”, tem um aumento significativo de procura.
  3. 3. 3Com uma temperatura amena, para o espaço europeu, nesta época do ano(primavera), este evento revela-se muito adequado para uma maior efectivaçãoturística, determinando o segundo mês do ano com melhor e maiorpercentagem de ocupação hoteleira e procura na Região Autónoma daMadeira.Figura 1 – Festa da FlorAbstract:The main purpose of this study was to analyze what impact the event organizedannually by the Secretaria Regional do Turismo e Transportes, called "Festa daFlor" in April.To this end, we used a case study linking air traffic and hotel capacity andoccupation rate for the event.Using data collected primarily in the ANAM and the Direcção Regional deEstatística and still semi-structured interviews to some Hotel Directors in orderto use them as reference for the sector and a questionnaire to Dr EsmeraldaFreitas, Técnica Superior na Direcção dos Serviços de Animação Turística daSecretaria Regional do Turismo e Transportes.The case study describes the importance of the event in Madeira.
  4. 4. 4Explores its relationship with the hotel service quality and added value thatrepresents the region where a significant proportion of its population dependson tourism directly and indirectly.It was found that the events "Festa da Flor" is a pole of attraction in a time ofreduced availability of holidays for the people, thereby avoiding the seasonalityin the Madeira Islands.It is a sign that attracts market niches and customer loyalty. It is also throughthis that we get a very good return on visits to our gardens, which today arehighly publicized, and may be prominent at the Botanical Gardens with over2,500 species of flowers and plants and the different aspects of the Monte thatare themselves a attraction, that the coincidence of dates with the "Festa daFlor ", is a significant increase in demand.With a mild climate, the European space, this time of year (spring), this eventproves to be very suitable for greater gross tourism, determining the secondmonth of the year with better and higher percentage of hotel occupancy anddemand in the Região Autónoma da Madeira.Palavras-chave:Festa da Flor; Ocupação hoteleira; Secretaria Regional do Turismo eTransportes; Região Autónoma da Madeira; ANAM – Aeroportos e NavegaçãoAérea da Madeira.
  5. 5. 5ÍndiceResumo/Abstract-------------------------------------------------------------------------------21. Introdução ------------------------------------------------------------------------------------71.1 Objecto e objectivos do estudo--------------------------------------------------------71.2 Estrutura do trabalho---------------------------------------------------------------------72. Estudo de Caso -----------------------------------------------------------------------------82.1 Capítulo I ------------------------------------------------------------------------------------82.1.1 Demonstração histórica---------------------------------------------------------------82.1.2 Festa da Flor--------------------------------------------------------------------------- 102.1.3 Muro da Esperança ------------------------------------------------------------------ 112.1.4 Cortejo Alegórico --------------------------------------------------------------------- 122.1.5 Percursos dos Cortejos------------------------------------------------------------- 132.1.5.1 Muro da Esperança – itinerário ------------------------------------------------ 132.1.5.2 Cortejo Alegórico – itinerário---------------------------------------------------- 132.1.8 Questionário --------------------------------------------------------------------------- 132.1.9 Entrevista a Directores Hoteleiros ----------------------------------------------- 162.2. Capítulo II -------------------------------------------------------------------------------- 192.2.1 Movimento aeroportuário----------------------------------------------------------- 192.3. Capítulo III ------------------------------------------------------------------------------- 222.3.1 Alojamento ----------------------------------------------------------------------------- 223. Conclusões e recomendações-------------------------------------------------------- 26Referências Bibliográficas ----------------------------------------------------------------- 29
  6. 6. 6Índice de figurasFigura 1 – Festa da Flor----------------------------------------------------------------------3Figura 2, 3 e 4 – Ateneu Comercial do Funchal – 1967 e 1970 -------------------8Figura 5 – Festa da Flor 1979 --------------------------------------------------------------9Figura 6 – Festa da Flor 1979 --------------------------------------------------------------9Figura 7 – Festa da Flor 2010 ------------------------------------------------------------ 10Figura 8 – Espaço Infoarte ---------------------------------------------------------------- 10Figura 9 – Animação de Rua ------------------------------------------------------------- 11Figura 10 – Muro da Esperança --------------------------------------------------------- 12Figura 11 – Cortejo Alegórico------------------------------------------------------------- 12Figura 12 – Hotel Four Views------------------------------------------------------------- 18Índice de quadrosQuadro 1 – Tráfego anual de passageiros no triénio 2008 a 2010 ------------- 21Quadro 2 – Passageiros anuais---------------------------------------------------------- 22Quadro 3 – 2000 e 2001 ------------------------------------------------------------------- 24Quadro 4 – 2002 a 2004 ------------------------------------------------------------------- 24Quadro 5 – 2005 a 2007 ------------------------------------------------------------------- 25Quadro 6 – 2008 e 2009 ------------------------------------------------------------------- 26Índice de gráficosGráfico 1 - Tráfego anual de passageiros no triénio 2008 a 2010 -------------- 21Gráfico 2 – Passageiros anuais---------------------------------------------------------- 22Gráfico 3 – 2000 e 2001-------------------------------------------------------------------- 24Gráfico 4 – 2002 a 2004-------------------------------------------------------------------- 25Gráfico 5 – 2005 a 2007-------------------------------------------------------------------- 25Gráfico 6 – 2008 e 2009-------------------------------------------------------------------- 26
  7. 7. 71. Introdução1.1 Objecto e Objectivos do EstudoO trabalho que apresentamos, é sobre um produto turístico que atrai milharesde pessoas todos os anos à ilha da Madeira, que observam e participam na“Festa da Flor”.Na perspectiva de obter a sustentabilidade e garantir uma admirável taxa deocupação hoteleira, que permite manter um serviço de excelência e de procurade um destino, que ao longo dos anos foi aprofundando e melhorando asraízes de um programa capaz de constituir-se como cartaz de referênciapossibilitando aos visitantes, o desfrute de um evento único e particularmenteesplendoroso que deleita de prazer quem tem a oportunidade de observá-lo.Exploraremos as diferentes fases deste evento, com o intuito de constatar quala sua utilidade para a região.O nosso Estudo de Caso será interpretativo, capaz de demonstrar aenvolvência criada pelos diferentes actores posicionados, de forma a obter osucesso deste cartaz.Estudaremos os “como” e “porquê” que caracterizam todo o desenvolvimentoestrutural e histórico da “Festa da Flor”.Finalmente faremos considerações sobre todo estudo realizado.1.2 Estrutura do TrabalhoO trabalho será realizado com uma metodologia de identificação dosparâmetros e interpretação dos dados e valores disponibilizados, nas diferentesentidades consultadas.
  8. 8. 8Este trabalho foi desenvolvido da seguinte forma: demonstração e identificaçãodo evento; constatação do movimento aeroportuário; percentagem estatísticadas entradas de hóspedes nas diferentes unidades hoteleiras da RegiãoAutónoma da Madeira; realização de um questionário directo e objectivo aosServiços de Animação Turística; realização de entrevistas semi-estruturadas adiferentes Directores hoteleiros.2. Estudo de Caso2.1 Capitulo I2.1.1 Demonstração históricaA Festa da Flor, inicia-se em 1955 com a designação “Festa da Rosa”,organizada pelo Ateneu Comercial do Funchal, fundado em 1898, Associaçãoque primou pela sua vertente recreativa, cultural e educativa.Figura 2, 3 e 4 – Festa da Rosa (Ateneu Comercial do Funchal) 1967 e 1970A Festa da Rosa consistia na apresentação de flores em duas categorias:flores cortadas e flores em vaso, avaliadas por um júri.Em 1979, já com o Director dos Serviços de Animação de então, João CarlosNunes Abreu a festa vem para a rua com o seu desfile alegórico, convidandoos madeirenses, e os funchalenses em particular a participar no certame,atraindo por contágio todos quantos visitavam esta magnífica ilha.
  9. 9. 9Figura 5 – Festa da Flor 1979Figura 6 – Festa da Flor 1979O desfile consistia em percorrer as principais artérias da cidade do Funchal,com os trajes tradicionais de diferentes locais da Região Autónoma da Madeira,acompanhados das suas bandas de música e ranchos folclóricos.Desde de 1997 o cortejo, passa a ser explorado pelos diferentes participantescom um Tema conjunto, mas trabalhado por cada grupo de forma diferente. OsTemas são: 1997 - O mais belo jardim; 1998 - O mar; 1999 - O artesanato e asflores; 2000 - Natureza e ambiente; 2001 - Laurissilva; 2002 - A ilha e o mar;2003 - A ilha dos amores; 2004 - Madeira euforia de flores dentro da Europa;
  10. 10. 102005 - Madeira, um mar de flores para ti; 2006 - Dança das estações; 2007 -Da Madeira uma flor para a paz; 2008 - Dança das flores; 2009 - Oprincipezinho; 2010 - Terra.Figura 7 – Festa da Flor 20102.1.2 Festa da FlorEsta festa é desenvolvida em várias componentes, das quais destacamos aexposição e cenários de flores no Largo da Restauração, cortejos alegórico einfantil do “Muro da Esperança” nas principais artérias da Cidade do Funchal,“quadros vivos” alusivos ao evento na Avenida Arriaga e exposição no espaçoInfoarte da Secretaria Regional do Turismo e Transportes, referente ao temaescolhido.Figura 8 – Espaço Infoarte
  11. 11. 11Como é habitual, a baixa citadina será animada com actuações de bandasfilarmónicas, grupos folclóricos e agrupamentos musicais diversos (sopros,cordas, percussão e teclas).Figura 9 – Animação de ruaA cidade do Funchal veste-se a rigor, por ocasião da Festa da Flor, numambiente único e inesquecível, numa verdadeira explosão de cor, presente nostapetes florais expostos pelas ruas, nas montras decoradas com flores e numsem fim de apresentação, pormenor e variedade de espécies, coloridos efeitios de flores.2.1.3 Muro da EsperançaA manhã deste dia é exclusivamente dedicada às crianças. Na baixa doFunchal, especificamente entre a Avenida Arriaga e a Praça do Município,crianças de várias escolas do Funchal concentram-se na Avenida Arriaga, apartir de onde vão em cortejo até à Praça do Município, onde irão depor umaflor no “Muro da Esperança”, num gesto simbólico de apelo à paz.Seguidamente realiza-se a largada de pombos, símbolo de PAZ no Mundointeiro seguido de um espectáculo infantil.
  12. 12. 12Figura 10 – Muro da Esperança2.1.4 Cortejo AlegóricoAcontece no Domingo, dia reservado restritamente ao Cortejo Alegórico daFlor, o qual integra diversos carros alegóricos decorados com flores e centenasde figurantes organizados por grupos, que com trajes alusivos ao objecto dacomemoração (a flor), desfilam entre a Avenida do Mar e das ComunidadesMadeirenses e o Largo do Município, onde se dá por terminado o corso.Figura 11 – Cortejo Alegórico
  13. 13. 132.1.5 Percursos dos Cortejos2.1.5.1 Muro da EsperançaItinerário: Concentração na Avenida Arriaga – 9h00 – frente ao JardimMunicipal, Avenida Zarco, Rua Câmara Pestana e Praça do Município.2.1.5.2 Cortejo AlegóricoItinerário: Partida da Praça da Autonomia (lado Sul), Avenida do Mar e dasComunidades Madeirenses (faixa Sul), mudança para faixa Norte (frente aoMarina Shopping) e subida pela R. Dias Leite, Rotunda do Infante, Av. Arriaga(faixa Norte – até ao Banco de Portugal), Avenida Zarco (faixa Norte), RuaCâmara Pestana e Praça do Município.2.1.6 QuestionárioFoi contactada a Secretaria Regional do Turismo e Transportes com o intuitode nos informarem mais sobre a Festa da Flor.As respostas foram dadas muito amavelmente pela Drª Esmeralda Freitas,Técnica Superior da Direcção dos Serviços de Animação Turística daSecretaria Regional do Turismo e Transportes.Para o efeito, foi utilizado o seguinte questionário:1 – Quando surgiu a Festa da Flor e porquê?2 – O que se perdeu e o que se ganhou?3 – O porquê da data?4 – As flores são todas oriundas da Madeira?5 – O porquê da escolha dessas flores?6 – Quais os temas e o porquê deles?7 – O que é necessário para participar na Festa da Flor?8 – Quantos grupos existem?9 – Quem organiza?10 – Quando é que começam os preparativos?11 – Qual a duração da Festa?12 – Qual o montante em dinheiro investido?13 – Um pouco da história da Festa da Flor?
  14. 14. 141 – A Festa da Flor como evento de rua teve o seu início no ano de 1979.As origens da Festa da Flor remontam à “Festa da Rosa”, organizada peloAteneu Comercial do Funchal, que teve lugar em 1955 e que a partir desse anose passou a intitular “Festa da Flor”. Essa festa era composta por um baile quemarcava o início da Primavera, denominado “Baile da Rosa” e uma exposição -concurso de flores.A Festa da Flor foi um meio encontrado para realçar a importância económica epotenciar o valor da flor como factor de dinamização turística.2 – Em relação ao evento, podemos afirmar que só temos ganhos a reportar. Aaposta no mesmo resultou num cartaz turístico mundialmente reconhecido, quegarante uma enorme procura turística e taxas de ocupação hoteleira na ordemdos 90 a 95%, bem como um tempo de permanência na ilha superior aqualquer um dos outros cartazes turísticos, que por vezes ultrapassa umasemana.3 – A data, foi calendarizada para duas semanas após a Páscoa, que marca oinício da Primavera, altura em que a Ilha está mais florida.4 – Assiste-se a um aumento da utilização da flor produzida na Região, já quea produção regional tem vindo a ser incrementada, no entanto, há necessidadede recorrer ao exterior visto que a mesma não é suficiente para suprir a procuraaquando da realização da Festa, dadas as avultadas quantidades utilizadasnas decorações dos carros alegóricos.5 – As flores utilizadas no evento são essencialmente flores da época e daMadeira.6 – Os temas são sempre escolhidos pela SRTT/DRT e a sua escolha baseia-se em temáticas regionais ou intimamente relacionadas com a natureza, bemcomo comemorações de anos internacionais como foi o caso do corrente ano,cujo tema definido foi a “Terra”, com base nas comemorações do AnoInternacional da Biodiversidade.
  15. 15. 157 – Para integrar a Festa da Flor, é necessário apresentar um Projecto dePromoção e Animação Turísticas à Direcção Regional do Turismo/SecretariaRegional do Turismo e Transportes, acompanhado de respectiva candidatura aProtocolo de Desenvolvimento e Cooperação, que é submetido a análise poruma Comissão nomeada para o efeito e posteriormente aprovado ou não porparte da Secretária Regional, de acordo com a Portaria 78/2001 de 13 deJulho.8 – O número de grupos varia de acordo com o número de projectosaprovados. O Cortejo alegórico da Flor em 2010 integrou 10 grupos.9 – A organização da Festa é da responsabilidade da Direcção Regional doTurismo/ Secretaria Regional do Turismo e Transportes, através da Direcçãode Serviços de Animação Turística.10 – O evento é preparado com muita antecedência. O tema é apresentado noano anterior à realização do mesmo e a entrada nos Serviços dos projectos ecandidaturas iniciam-se no mês de Janeiro do ano em que têm lugar,seguidamente são analisados e seleccionados os projectos e informados oscandidatos da decisão de inclusão dos mesmos no certame.11 – As Festas têm uma duração de 6 dias. Iniciam-se na Quinta-Feira, com ainauguração das exposições e decorações citadinas e terminam na Terça-Feirada semana seguinte.12 – Cerca de 300.000,00 €13 – Parte da história da Festa da Flor pode ser encontrada na resposta nº. 1,podendo-se ainda acrescentar que no ano em que se iniciou comemorava-se oAno Internacional da Criança, e que a Festa da Flor organizada pelo AteneuComercial do Funchal foi transformada num cartaz turístico internacional, pelaDirecção Regional do Turismo e passou incluir para além da exposição dasflores, o Muro da Esperança e o Cortejo da Flor.
  16. 16. 162.1.7 Entrevistas a Directores HoteleirosA propósito do impacte que este evento tem junto da hotelaria madeirense,contactamos vários hoteleiros e directores de hotéis, que nos transmitiram nogeral, uma reacção muito positiva sobre a contribuição da “Festa da Flor” paraa economia da Região e das unidades hoteleiras em particular.De acordo com o director do Hotel Tivoli Madeira, João Sanches, a importânciada “Festa da Flor” para a hotelaria madeirense “é bastante grande”, pois, “é osegundo cartaz com maior importância na ilha da Madeira, logo a seguir ao“Fim do Ano””.Destaca mesmo que “devido aos acontecimentos do dia 20 de Fevereiro estaFesta da Flor traz ainda mais importância, reflectindo toda a campanhaefectuada”.No que se refere à taxa de ocupação do Tivoli Madeira, o director deste hotelrealça que este “estará cheio, com apenas meia dúzia de quartos disponíveispara os últimos pedidos, com uma ocupação que ronda os 95% para os quatrodias da Festa da Flor”.Neste âmbito, lamentou mesmo que a “Festa da Flor” “não tenha sido este anoprolongada um pouco mais”, lembrando que “há muito mais Madeira após aFesta da Flor”. João Sanches considera, por isso, necessário prosseguir napromoção do destino, destacando nomeadamente, a importância de outroevento que tem ganho clientela, que é o Festival do Atlântico, em Junho, “e queé preciso não esquecer”.Segundo o director da Quintinha de São João, no Funchal, a “Festa da Flor” “éum evento consolidado, que permite que o destino apareça lá fora comvisibilidade, pelo que é de grande importância”.André Barreto destaca mesmo que já há uma clientela que “procura visitar aMadeira durante a “Festa da Flor”, muitas das quais já aqui tinham estado,
  17. 17. 17além de outras que ficam com muita curiosidade e visitam a Região por causadeste evento”.Salienta mesmo que, segundo dados de 2007, a “Festa da Flor” “trouxe maisgente à Madeira que o Fim do Ano”, acrescentado que o período da Páscoamais o evento da “Festa da Flor” “permite manter uma boa taxa de ocupação”que, realçou, no caso da Quintinha de São João é próxima dos 90%.Por seu lado, o director do Hotel Porto Santa Maria, no Funchal, tambémacentuou a importância da “Festa da Flor” para a hotelaria madeirense,considerando “que logo a seguir ao “Fim do Ano” este é o evento maismarcante em termos turísticos da imagem que passa lá para a fora daMadeira”.Assim, Virgílio Silva realça a importância deste cartaz turístico no que se refereà captação do interesse dos turistas em visitar a Região, sublinhando mesmoque “este evento já se vende por si”.Neste âmbito, considera que “é necessário promover muito a Madeira noutrasalturas”, salientando mesmo a importância da promoção da Região durante a“Festa da Flor” que diz, “será o evento que irá permitir apagar um pouco aquelaimagem recente resultante do temporal de 20 de Fevereiro, permitindorestaurar a imagem da Madeira”.Apesar de reconhecer que o Porto Santa Maria irá “estar cheio” durante operíodo da “Festa da Flor”, adiantou que “não se verifica a situação de“overbooking” de outros anos.Também Sérgio Costa, responsável pela direcção dos hotéis Four ViewsMonumental, Four Views Baía, no Funchal, e Four Views Oasis, no Caniço,sublinha a importância da “Festa da Flor”, sobretudo após os acontecimentosdo dia 20 de Fevereiro de 2010.
  18. 18. 18Neste âmbito lamenta que “não tenha havido um esforço concertado em passarpara a comunicação social internacional” a imagem da recuperação daMadeira, realçando que “só em cancelamento de estadias o grupo Four Viewsperdeu à volta de 600 mil euros, sem contabilizar as reservas que estão amenos de metade do ano passado”.“Esperemos que a “Festa da Flor” seja o evento que venha dar a volta a tudoisto”, acentuou, destacando ser um “cartaz turístico fantástico que tem dado aconhecer a Madeira a nível internacional e um dos eventos mais importantesque temos em termos turísticos”.Todavia, considera que as consequências positivas do evento para arecuperação da imagem da Madeira “já vêm um pouco tarde, especialmentepara o mercado externo”.Figura 12 – Hotel Four ViewsNo entanto, o director dos hotéis Four Views acredita que o mercado nacional eo mercado espanhol poderão compensar algumas das perdas de clientes nomercado externo, “especialmente em Julho e em Agosto”.Neste âmbito, volta a sublinhar que “tem de ser feita uma campanha deinformação e promoção muito bem feita no mercado internacional, sobretudojunto dos tradicionais, Alemanha e Inglaterra especialmente, para as pessoassaberem que as coisas estão normais”.
  19. 19. 19Quanto à taxa de ocupação dos três hotéis do grupo durante a Festa da Flor,Sérgio Costa afirmou que será de 100%, adiantando mesmo “haver algumassituações de overbooking”.2.2 Capitulo II2.2.1. Movimento aeroportuárioO Aeroporto da Madeira é inaugurado em 1966, até então o acesso à Ilha daMadeira fazia-se através de barco ou hidroavião.Após o único acidente trágico da TAP - Transportes Aéreos Portugueses,ocorrido neste aeroporto em 1977, a população madeirense na figura do seuPresidente Dr. Alberto João Jardim, reivindicam a melhoria do Aeroporto daMadeira, infra-estrutura indispensável para o desenvolvimento da RegiãoAutónoma da Madeira, que valoriza as suas capacidades turísticas como umdos pólos de desenvolvimento da sua população e um dos sectores deactividade que emprega mais colaboradores.As obras de melhoramento da pista original decorrem entre 1982 a 1986, o quefaz com que a pista passe a ter 1.800m em vez dos 1.200m iniciais.A inauguração da última fase de construção do Aeroporto da Madeira efectua-se em Setembro de 2004, permanecendo esta com 3.100m.Com esta remodelação torna-se possível a aterragem de aparelhos detransporte aéreo de passageiros de maiores dimensões, além de que asegurança das pistas evoluem e os serviços disponibilizados na estruturapassam a ser equiparados ao do que melhor existe mundialmente.Em 2003 o movimento de passageiros ascendia os 2.600.000 por ano, mashipoteticamente devido às obras de melhoramento e aos condicionalismos dohorário da pista, que tem de coordenar o tempo de utilização da mesma com oConsórcio responsável pela execução das obras de beneficiamento desta,
  20. 20. 20contribuindo para o decréscimo de operações no Aeroporto em 2004, quedispõe de 2.273.701 passageiros em transito para a Madeira.Em 2005 o Aeroporto da Madeira inicia uma recuperação de passageiros quepermite constatar que o número total tenderia a se aproximar aos valores dedois anos antes, assim temos 2.320.658, que cresce em 2006 para 2.362.398.Em 2007 este número era de 2.419.698 passageiros em chegadas noAeroporto da Madeira. Com o início da crise imobiliária nos Estados Unidos daAmérica e a falência da instituição bancária Lehmon & Brothers Corporation Ince consequente arrastamento da Europa para a crise económica o movimentode passageiros em 2008 diminui para 2.362.398.Em 2009 o número de passageiros praticamente se mantém em 2.346.649 dechegadas, num ano em que a crise persiste ou ainda podemos considerar quese acentua.O número de passageiros em 2010, no Aeroporto da Madeira é de 2.233.524.Analisando os dados disponíveis do século XXI, com maior incidência no últimotriénio de 2008 a 2010, no tráfego aéreo, em 2008 o mês com maior afluênciade passageiros é o de Agosto seguido pelo mês de Março, que neste anocoincidiu com a realização da “Festa da Flor”. Os restantes meses de verãoJulho e Setembro são aqueles que maior movimento de passageiros gera noAeroporto da Madeira.Em 2009 os meses com maior entradas de visitantes é o de Agosto, época deférias na Europa, seguido de Abril, mês da “Festa da Flor” e que mesmo emaltura de recessão consegue despertar o interesse por quem nos visita.2010 É um ano particularmente atípico no tráfego aéreo, pois para além doaprofundamento da crise económica europeia, com particular atenção para aGrécia e a Irlanda. A intempérie que assolou a Madeira a 20 de Fevereiro eainda a nuvem vulcânica, gerada pelo vulcão inactivo a mais de trezentos anos
  21. 21. 21na Islândia, obrigou o cancelamento de inúmeros voos. As greves no sector,quer no pessoal de cabine e controladores aéreos, a vaga de frio no hemisférionorte que paralisou a grande maioria dos aeroportos no mês de Dezembro.Em suma, verifica-se que apesar de o mês de Agosto ser o de maiormovimento de passageiros, pois é o mês tradicionalmente de férias, em Abrilexiste uma boa afluência de passageiros, muito por responsabilidade da “Festada Flor”.Quadro 1 – Tráfego anual de passageiros no triénio 2008 a 2010Gráfico 1 – Tráfego anual de passageiros no triénio 2008 a 2010
  22. 22. 22Número total de passageiros no Aeroporto da Madeira referente aos anos de2003, 2004, 2005, 2006, 2007 e 2008.Quadro 2 – passageiros anuais Gráfico 2 – passageiros anuais2.3 Capitulo III2.3.1 AlojamentoProcedeu-se à interpretação das diferentes taxas de ocupação nas unidadeshoteleiras da Região Autónoma da Madeira ao longo da primeira década doséculo XXI.Analisando os dados referentes a este século, determina-se que o mês deAbril, directamente relacionado com o evento “Festa da Flor”, obtém ao longodos anos uma boa percentagem de ocupação, em especial nas unidadeshoteleiras localizadas na cidade do Funchal, que em alguns casos atinge ooverbooking.Assim, os dados concretos da Direcção Regional de Estatística apontam para,em 2000, a percentagem de ocupação das unidades hoteleiras na RAM tem oseu expoente máximo no mês de Abril atingindo o valor de 74,0%.2001 O valor máximo é atingido em Agosto, seguido de Abril com 71,8%.2002 Obteve maior afluência em Agosto, repartindo o segundo lugar, o final deMarço e o início de Abril, data do programa promocional da “Festa da Flor”neste ano. A ocupação foi de 64,9%.
  23. 23. 232003 Agosto continua a ser o mês com maior procura, seguido de Abril com64,8%.2004 O verão continua a ser procurado e Agosto mantém a liderança, e asegunda marca de maior ocupação continua a ser Abril com 63,2%.2005 Os meses de verão são os mais procurados com Agosto em primeirolugar, seguido de Setembro e de Julho. O mês de Abril relacionado com a“Festa da Flor” obtém uma taxa de ocupação de 58,1%, um pouco abaixo dasexpectativas.2006 Agosto é o mês mais procurado, seguido de Abril com 66,8%.2007 É a repetição do ano anterior tendo Abril registado 69,5%.2008 Continua os resultados anteriores e Abril representa 68,5% de ocupação.2009 Depois de Agosto, Abril mantém o segundo lugar com 59,1%.2010 É um ano difícil de aferir, enquanto não são divulgados os resultadosoficiais, pois se por um lado as unidades hoteleiras aproveitaram este eventopara alguma recuperação do 20 de Fevereiro, não evitaram totalmente oscancelamentos provocados por esta tragédia.Quadros e gráficos demonstrativos do alojamento nas unidades hoteleiras daMadeira na primeira década deste século:
  24. 24. 24Quadro 3 – 2000 e 2001Gráfico 3 – 2000 e 2001Quadro 4 – 2002 a 2004
  25. 25. 25Gráfico 4 – 2002 a 2004Quadro 5 – 2005 a 2007Gráfico 5 – 2005 a 2007
  26. 26. 26Quadro 6 – 2008 e 2009Gráfico 6 – 2008 e 20093. ConclusãoCom base em toda a análise efectuada para a elaboração deste trabalho,desperta a atenção para o aumento de visitantes à Ilha da Madeira no mês deAbril, mês este, que está associado ao evento “Festa da Flor ”. É também nestaépoca do ano que se regista o segundo maior pico de taxa de ocupação para osector hoteleiro, que apesar de estar fora do período normal de férias, é semsombra de dúvida um período onde se regista uma forte afluência à Região. Oevento assim, celebra a Primavera, que afortunadamente conta com ocontributo da temperatura amena que se faz sentir nesta época do ano. A
  27. 27. 27“Festa da Flor” tem-se revelado, ano após ano, uma aposta acertada para aentidade com responsabilidade na promoção do Turismo para a RegiãoAutónoma da Madeira, pois este evento tem transmitido para quem nos visitauma imagem fascinante sobre a região e que continuamente deixa encantado aquem assiste ao evento. Não falemos apenas e somente do Cortejo, ondevarias associações e particulares, dão asas à imaginação e fazem-serepresentar com diferentes caracterizações utilizando as flores de forma a quese passe uma mensagem que somente através de palavras, não teriacertamente o mesmo resultado. Não podemos esquecer todos os rituaisassociados ao evento, as inúmeras exposições de flores promovidas pordiversas identidades, a elaboração do célebre “Tapete de Flores Naturais” nocoração da cidade, que encanta todos aqueles que têm a oportunidade deassistir a tão extremoso espectáculo, não só visual mas que também nós dá apossibilidade de nos deslumbramos com todo a fragrância libertada por todasas flores.Associado a tudo isto, a possibilidade de promoção dos anos seguintes porparte daqueles que nos visitam nesta época, com o despertar da curiosidadepara uma maior “descoberta” da região, com a vontade de conhecer melhor, oque tudo de magnífico que a Ilha lhes pode proporcionar.É também de ressalvar que nos últimos anos a Madeira tem aumentado a suaprópria produção de flores e com isso também aumentou a sua exportação,fruto esse que advém do cartaz “Festa da Flor”, promovendo o que de maisgenuíno e autêntico que podemos encontrar na região.Verifica-se uma excelente taxa de ocupação, a rondar os 70% de média naregião e em que nos Hotéis no Funchal, alguns chegam a atingir ooverbooking.Apesar de ser o segundo evento com maior orçamento disponível, depois das“Festas do Fim do Ano”, este cartaz é sem dúvida o que melhor retorno oferecea esta região.
  28. 28. 28Este evento revela-se ser ma aposta ganha pelo Governo Regional, através daSecretaria Regional do Turismo e Transportes na Direcção dos Serviços deAnimação Turística, que em boa hora faz da “Festa da Rosa” uma festaverdadeiramente da flor, incluindo a criação do “Muro da Esperança”, CortejoAlegórico e Tapetes Florais, contribuindo fortemente para a não existência desazonalidade do turismo da região.Esta actividade, é a segunda maior empregadora na região, dependendofortemente destas iniciativas de governo para manter excelentes percentagensde ocupação ao longo de todo o ano.Julgamos pertinente para a Direcção Regional dos Assuntos Culturais (DRAC)a elaboração de um livro que registe e retrate toda a evolução deste evento(“Festa da Flor”).
  29. 29. 29Referências Bibliográficas:http://www.anam.pt/Default.aspx acedido a 25 de Outubro de 2010http://www.madeiraislands.travel/pls/madeira/wsmwdet0.detalhe_conteudo?p_cot_id=320&p_lingua=pt&p_sub=1 acedido a 25 de Outubro de 2010http://jn.sapo.pt/paginainicial/pais/concelho.aspx?Distrito=Funchal&Concelho=Funchal&Option=Interior&content_id=1545048 acedido a 11 de Novembro de2010http://www.four-views-baia.com/en/location.html acedido a 10 de Janeiro de2011Cedência de fotografias da Secretaria Regional do Turismo e TransportesCedência de Fotografias do Museu Vicentes

×