Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Victor queiroz passos costa terceirização

331 views

Published on

* Conceito: aspectos do PL 4330/04 e regras atuais;
* Aspectos do PL 4.302/98;
* Quais atividades podem ser terceirizadas;
* Atividade meio e atividade fim;

Published in: Business
  • Be the first to comment

Victor queiroz passos costa terceirização

  1. 1. TERCEIRIZAÇÃO Conceito e Prática Victor Queiroz Passos Costa – Advogado • Atuante na área trabalhista/empresarial há mais de 10 anos; • Especialização em Processo Civil (FDV); • LL.M em Direito Empresarial (FGV) • Cursando pós-graduação em Direito Civil e Processo Civil (FGV) • Sócio do Escritório Passos Costa Advogados .
  2. 2. REGRAS ATUAIS E NOVAS  O que é terceirização? Terceirização e autonomia  Requisitos do vínculo e atividade fim  Sumula 331 TST  Atividade meio  Vínculo com tomador se atividade fim, além de subordinação  Responsabilidade subsidiaria  Lei 13.429/17 (Lei 6.019/74, arts. 4-A, 4-B, 5-A, 5-B, 19, A, B e C)  Atividade fim - Empresas entrepostas  Art. 4-A. Empresa prestadora de serviços a terceiros é a pessoa jurídica de direito privado destinada a prestar à contratante serviços determinados e específicos. § 1o A empresa prestadora de serviços contrata, remunera e dirige o trabalho realizado por seus trabalhadores, ou subcontrata outras empresas para realização desses serviços.
  3. 3.  § 2o Não se configura vínculo empregatício entre os trabalhadores, ou sócios das empresas prestadoras de serviços, qualquer que seja o seu ramo, e a empresa contratante.”  Lei 13.429 (cont.)  Art. 4º-B. Regras para criação das empresas entrepostas.  Particular x Público  Art. 5-A. Contratante é a pessoa física ou jurídica que celebra contrato com empresa de prestação de serviços determinados e específicos.  Legalidade (art. 37 CF): O gestor público não age como “dono”, que pode fazer o que lhe pareça mais cômodo. Diz-se, então, que ao Administrador Público só é dado fazer aquilo que a lei autorize, de forma prévia e expressa. (Henrique Savonitti Miranda)  Responsabilidade subsidiaria  § 5o A empresa contratante é subsidiariamente responsável pelas obrigações trabalhistas referentes ao período em que ocorrer a prestação de serviços, e o recolhimento das contribuições previdenciárias  Direitos dos terceirizados iguais aos empregados: Não há previsão, apenas obrigação de manter segurança e salubridade dentro da empresa contratante.
  4. 4. CONTRATAÇÃO DE AUTÔNOMOS – “PEJOTIZAÇÃO”  PEJOTIZAÇÃO. A caracterização do vínculo empregatício depende da presença de seus elementos fático-jurídicos, que são a prestação de serviço por pessoa física, a onerosidade, a subordinação, a não-eventualidade e a pessoalidade. No caso dos autos, a empresa utilizou- se de procedimento conhecido por pejotização, segundo o qual a empregadora, no afã de reduzir os encargos trabalhistas, obriga o trabalhador a constituir pessoa jurídica posteriormente contratada para prestar serviços aparentemente autônomos. Trata-se, na verdade, de fraude à legislação trabalhista, a qual merece ser combatida pelo Judiciário, devendo ser reconhecido o vínculo de emprego com o consequente pagamento das verbas trabalhistas. (TRT MA 31/01/2017)
  5. 5. CONTRATAÇÃO DE AUTÔNOMOS – “PEJOTIZAÇÃO”  O fenômeno denominado pejotização constitui modalidade de precarização das relações de trabalho por intermédio da qual o empregado é compelido ou mesmo estimulado a formar pessoa jurídica, não raras vezes mediante a constituição de sociedade com familiares, e presta os serviços contratados, mas com inteira dependência, inclusive econômica, e controle atribuídos ao tomador. Tal prática vem sendo declarada ilegal pela Justiça do Trabalho, quando comprovado o intuito de fraudar a aplicação da lei trabalhista, diante da inteira e completa subordinação com o suposto contratante, situação incompatível com o próprio conceito de empresa e em clara afronta aos princípios protetivos clássicos do Direito do Trabalho. Outrossim, o quadro fático delineado no acórdão regional reflete, ainda, a existência de terceirização ilícita da atividade-fim do reclamado. (TST 06/03/2017)
  6. 6.  TERCEIRIZAÇÃO LÍCITA: Afasta-se o vínculo empregatício declarado na origem, entre o tomador dos serviços e a reclamante, diretamente, uma vez que não há vedação legal para a terceirização de serviços de tomografia computadorizada pelo hospital contratante e a clínica de radiologia, uma vez que a atividade- fim daquele é o tratamento médico, visando obter a melhora ou a cura de seus pacientes, não a prestação de serviços diagnósticos de imagem computadorizada. (TRT MG 23/10/2015)  TERCEIRIZAÇÃO IL[ICITA: A atividade de radiologia é essencial aos médicos e aos hospitais no auxílio dos diagnósticos para os pacientes acometidos de enfermidades, razão pela qual se insere na atividade-fim do empreendimento hospitalar. Assim sendo, é ilegal e fraudulenta a contratação de técnicos de radiologia por intermédio de pessoa jurídica formada exclusivamente para atender às necessidades do hospital. (TRT DF 08/02/2017)
  7. 7. Victor Queiroz Passos Costa E-mail: victor@passoscosta.com.br Website: www.passoscosta.com.br Facebook: /passoscostaadvogados Linkdin: Passos Costa Advogados Telefone: 3324-1318 Whatsapp: 993090640

×