Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

CT Conjunta - 22.03.16 - Dengue, chikungunya e Zika: situação epidemiológica e vigilância

2,773 views

Published on

Dengue, chikungunya e Zika: situação epidemiológica e vigilância

Coordenação do Programa Nacional do Controle da Dengue - CGPNCD
Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis - DEVIT
Secretaria de Vigilância em Saúde - SVS
Ministério da Saúde - MS

Brasília, 22 de março de 2016.

Published in: Health & Medicine
  • Verifique a fonte ⇒ www.boaaluna.club ⇐. Este site me ajudou escrever uma monografia.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Be the first to like this

CT Conjunta - 22.03.16 - Dengue, chikungunya e Zika: situação epidemiológica e vigilância

  1. 1. Coordenação  do  Programa  Nacional  do  Controle  da  Dengue  -­ CGPNCD Departamento  de  Vigilância  das  Doenças  Transmissíveis  -­ DEVIT Secretaria  de  Vigilância  em  Saúde  -­ SVS Ministério  da  Saúde  -­ MS Brasília,  22  de  março  de  2016. Dengue,  chikungunya  e  Zika:  situação   epidemiológica  e  vigilância  
  2. 2. Situação  epidemiológica  da  Dengue,  Brasil  SE  1  a  10/2016* 2014:  98.332  casos  prováveis  (SE  1  a  SE  10) 2015:  428.413  casos  prováveis  (SE  1  a  SE  10) 2016:  573.725  casos  prováveis  (SE  1  a  SE  10) 94.655  casos  descartados  em  2016 33,92%  em  relação  a  2015 Fonte:  Sinan  online,   *dados  atualizados  em  15/03/2016.
  3. 3. Situação  epidemiológica  da  Dengue,  Brasil  SE  1  a  10  de  2016 Fonte:  Sinan  online,   dados  atualizados  em   15/03/2016. 2015 2016 2015 2016 Norte 10.517           25.048                   60,2 143,4 RO 485                       4.989                       27,4 282,2 AC 3910 3532 486,6 439,6 AM 1374 3066 34,9 77,9 RR 174 65 34,4 12,9 PA 1609 4080 19,7 49,9 AP 1410 339 183,9 44,2 TO 1.555                 8.977                       102,6 592,5 Nordeste 41.545           109.721               73,5 194,0 MA 2.092                 7.124                       30,3 103,2 PI 1.171                 566                             36,5 17,7 CE 6.970                 6.800                       78,3 76,4 RN 6.512                 18.957                   189,2 550,7 PB 1.798                 12.419                   45,3 312,6 PE 12.559           34.388                   134,4 368,0 AL 2.408                 3.657                       72,1 109,5 SE 1.028                 1.790                       45,8 79,8 BA 7.007                 24.020                   46,1 158,0 UF INCIDÊNCIASemana  10 2015 2016 2015 2016 Sudeste 307.976       325.498               359,2 379,6 MG 24.125           190.941               115,6 914,9 ES 1.988                 19.777                   50,6 503,2 RJ 10.452           23.974                   63,2 144,9 SP        271.411   90.806                   611,3 204,5 Sul 10.929           42.105                   37,4 144,0 PR 9.461                 37.730                   84,8 338,0 SC 1.292                 2.993                       18,9 43,9 RS 176                       1.382                       1,6 12,3 Centro-­Oeste 57.446           71.353                   372,0 462,1 MS 6.011                 17.276                   226,7 651,6 MT 2.640                 12.580                   80,8 385,2 GO 47.371           35.255                   716,6 533,3 DF 1.424                 6.242                       48,9 214,1 Total 428.413       573.725               209,5 280,6 UF INCIDÊNCIASemana  10
  4. 4. 2015 2016 2015 2016 Norte 10.517           25.048 60,2 143,4 RO 485                       4.989 27,4 282,2 AC 3910 3.532 486,6 439,6 AM 1374 3.066 34,9 77,9 RR 174 65 34,4 12,9 PA 1609 4.080 19,7 49,9 AP 1410 339 183,9 44,2 TO 1.555                 8.977 102,6 592,5 Nordeste 41.545           109.721 73,5 194,0 MA 2.092                 7.124 30,3 103,2 PI 1.171                 566 36,5 17,7 CE 6.970                 6.800 78,3 76,4 RN 6.512                 18.957 189,2 550,7 PB 1.798                 12.419 45,3 312,6 PE 12.559           34.388 134,4 368,0 AL 2.408                 3.657 72,1 109,5 SE 1.028                 1.790 45,8 79,8 BA 7.007                 24.020 46,1 158,0 UF INCIDÊNCIASemana  10 Situação  epidemiológica  da  Dengue,  Brasil  SE  1  a  10  de  2016 Fonte:  Sinan  online,   dados  atualizados  em   15/03/2016. 2015 2016 2015 2016 Sudeste 307.976       325.498               359,2 379,6 MG 24.125           190.941               115,6 914,9 ES 1.988                 19.777                   50,6 503,2 RJ 10.452           23.974                   63,2 144,9 SP        271.411   90.806                   611,3 204,5 Sul 10.929           42.105                   37,4 144,0 PR 9.461                 37.730                   84,8 338,0 SC 1.292                 2.993                       18,9 43,9 RS 176                       1.382                       1,6 12,3 Centro-­Oeste 57.446           71.353                   372,0 462,1 MS 6.011                 17.276                   226,7 651,6 MT 2.640                 12.580                   80,8 385,2 GO 47.371           35.255                   716,6 533,3 DF 1.424                 6.242                       48,9 214,1 Total 428.413       573.725               209,5 280,6 UF INCIDÊNCIASemana  10
  5. 5. Óbitos  por  dengue,  Brasil  SE  1  a  10  de  2014/2015/2016* -­ 72% -­ 10% Fonte:  Sinan  online,   *dados  atualizados  em   15/03/2016. 207  óbitos  em  investigação  (SE1  a  SE10)  
  6. 6. Circulação  dos  sorotipos  da  Dengue  – Brasil,  2016 Fonte:  Gerenciador  de  Ambiente  Laboratorial  (GAL),  dados  atualizados  em  01/03/2016. n % DENV1 DENV2 DENV3 DENV4 Norte 31 15 48,4 14 0 0 1 Rondônia 28 15 53,6 14 0 0 1 Pará 3 0 20,0 0 0 0 0 Nordeste 163 1 0,6 0 0 1 0 Pernambuco 163 1 0,6 0 0 1 0 Sudeste 542 228 42,1 219 8 0 1 Minas  Gerais 277 143 51,6 143 0 0 0 Espírito  Santo 20 7 35,0 7 0 0 0 Rio  de  Janeiro 106 17 16,0 17 0 0 0 São  Paulo 139 61 43,9 52 8 0 1 Sul 38 26 68,4 25 0 1 0 Paraná 323 77 23,8 77 0 0 0 Rio  Grande  do  Sul 38 26 68,4 25 0 1 0 Centro-­‐Oeste 478 258 54,0 243 2 0 13 Mato  Grosso  do  Sul 255 217 85,1 214 0 0 3 Mato  Grosso 77 1 1,3 1 0 0 0 Goiás 146 40 27,4 28 2 0 10 Brasil 1.252 528 42,2 501 10 2 15 Região/Unidade  da   Federação Amostras   enviadas   (n) Positivas Sorotipos  confirmados  (n)
  7. 7. 2016  -­ autóctones   • Nº  de  casos  prováveis:  9.089 • Nº  de  casos  confirmados:   • Nº  de  municípios  com  transmissão   autóctone:  121  municípios  (22  UF) Situação  epidemiológica  chikungunya,  2016 Fonte:  Sinan-­NET  (10/03/2016) UF  sem  registro UF  com  casos  importados UF  com  casos  autóctones Municípios  com  autoctonia
  8. 8. Casos Incidência RO 260 43,7 AM 112 5,4 RR 10 3,1 PA 86 9,6 AP 51 8,9 TO 281 61,5 MA 109 10,1 PI 6 0,7 CE 2 0,1 RN 814 92,0 PE 2.565 74,2 AL 649 52,3 SE 1.242 123,6 BA 1.832 36,2 UF SE  1  a  10 Casos*  e  incidência  de  chikungunya  por  UF,  2016 Fonte:  Sinan-­NET  (10/03/2016)..  *Considerados  apenas  os  casos  autóctones Casos Incidência MG 16 2,3 SP 774 5,6 PR 39 6,8 SC 55 26,8 MS 16 5,0 DF 170 5,8 Total 9.089 23,0 UF SE  1  a  10
  9. 9. Casos  autóctones  de  chikungunya,  Brasil*,  2015-­2016 *Apenas  casos  de  municípios  com  autoctonia 248,8  %  em  relação  a  2015 Fonte:  Sinan-­NET  (14/03/2016  e  10/03/2016)
  10. 10. Situação  epidemiológica  – Óbitos  suspeitos  de  Chikungunya,  2016 • Paraíba/PB -­‐ 02 óbitos confirmados (♀ 51 anos; ♂ 65 anos) de manifestações neurológicas (SGB), ambos com infecção viral prévia confirmada para Chikungunya(SorologiaIgM reagente); -­‐ Municípios:Monteiroe Santa Cecília • Bahia/BA -­‐ 01 óbito confirmado (♂ 20 anos) de chikungunya(sorologia IgM reagente e PCR +); -­‐ Município:Itaberaba • Minas Gerais/MG -­‐ 01 óbito em investigação (♀ puérpera) de chikungunya(PCR +) • Alagoas/AL -­‐ 01 óbito em investigação (♂ 45 anos) de chikungunya -­‐ Município:Maceió.
  11. 11. Situação  epidemiológica  – Óbitos  suspeitos  de  Chikungunya,  2016 • Pernambuco/PE -­‐ 84 óbitos notificados por arboviroses; -­‐ Municípios com maior número de óbitos: Recife (55), Caruaru (8), Jaboatão (5).
  12. 12. Norte Roraima Rondônia Pará Amazonas Tocantins Nordeste Maranhão Piauí Ceará Rio  Grande  do  Norte Paraíba Pernambuco Alagoas Bahia Sergipe Circulação  de  Zika  vírus  no  Brasil,  2015-­2016. Fonte:  GAL-­Sinan  NET-­SES.  Dados   atualizados  em  05/03/2016 Sudeste Rio  de  Janeiro São  Paulo Espírito  Santo Minas  Gerais Centro  Oeste Mato  Grosso Mato  Grosso  do  Sul Distrito  Federal   Goiás Sul Paraná 23  UF  com  confirmação   laboratorial  de  Zika   vírus  no  Brasil.
  13. 13. Fonte:  Sinan-­NET  (10/03/2016) Casos  notificados  de  Zika,  Brasil*,  2016
  14. 14. 2016   • Nº  de  casos  prováveis:  23.847 • Nº  de  casos  confirmados:    3.324 (154  municípios) • Nº  de  casos  confirmados  por  laboratório:  333  (95   municípios)   • Nº  de  municípios  notificantes:  797 Situação  epidemiológica  Zika,  2016 Fonte:  Sinan-­NET  (10/03/2016) UF  com  casos  importados UF  com  autoctonia 2016  – gestantes • Nº  de  casos  prováveis:  1.856 • Nº  de  casos  confirmados:    213 (114  laboratório)
  15. 15. Casos Incidência Norte 2.874               16,4 RO 318 18,0 AC 19 2,4 AM 1049 26,6 RR 13 2,6 PA 172 2,1 AP 25 3,3 TO 1278 84,3 Nordeste 14.791             26,2 MA 448                     6,5 PI 1                             0,0 CE 19                         0,2 RN 62                         1,8 PB 76                         1,9 PE 207                     2,2 AL 565                     16,9 SE 250                     11,1 BA 13.163             86,6 UF SE  1  a  10 Casos  e  incidência  de  Zika  por  UF,  2016 Fonte:  Sinan-­NET  (10/03/2016) Casos Incidência Sudeste 4.343               5,1 MG 2.996               14,4 ES 755                     19,2 RJ 344                     2,1 SP 248                     0,6 Sul 1.157               4,0 PR 998                     8,9 SC 18                         0,3 RS 141                     1,3 Centro-­Oeste 682                     4,4 MS 97                         3,7 MT -­                       0,0 GO 422                     6,4 DF 163                     5,6 Total 23.847             11,7 UF SE  1  a  10
  16. 16. Portaria  No  -­‐ 204,  de  17  de  fevereiro  de  2016:   • Doença  de  notificação  compulsória  semanal • Óbitos  suspeitos-­‐ notificação  compulsória  e  imediata  às  SMS,  SES  e  MS   (em  até  24  horas) Vigilância  de  dengue
  17. 17. Definição  de  caso  suspeito Pessoa que viva em área onde se registram casos de dengue, ou que tenha viajado nos últimos 14 dias para área com ocorrência de transmissão de dengue (ou presença de A. Aegypti). Deve apresentar febre, usualmente entre 2 e 7 dias, e duas ou mais das seguintes manifestações: • náusea,  vómitos;; • exantema;; • mialgias,  artralgia;; • cefaleia,  dor  retro-­orbital;; • petéquias;; • prova  do  laço  positiva;; • leucopenia Vigilância  de  dengue http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2015/fevereiro/06/guia-­‐vigilancia-­‐saude-­‐atualizado-­‐ 05-­‐02-­‐15.pdf
  18. 18. Laboratorial:  por  sorologia  IgM,  NS1teste  rápido  ou  ELISA,   isolamento  viral,  PCR,  imuno-­histoquimica. Critérios  de  confirmação  de  dengue Em  período  não  epidêmido:  realizar  sorologia  de  todos  os  pacientes  com   suspeita  de  dengue Em  período  epidêmico: • Confirmação  laboratorial  de  10%  dos  casos  suspeitos;; • Casos  graves  e  óbitos  -­ devem  ser  preferencialmente  confirmados  por   laboratório  (sorologia  IgM,  NS1  teste  rápido  ou  ELISA,  isolamento  viral,   PCR,  imuno-­histoquímica),  na  impossibilidade   podem  ser  confirmados   por  vínculo  epidemiológico   com  caso  confirmado  laboratorialmente.
  19. 19. Clínico-­epidemiológico Critérios  de  confirmação  de  dengue http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2015/fevereiro/06/guia-­‐vigilancia-­‐saude-­‐atualizado-­‐ 05-­‐02-­‐15.pdf Em períodos epidêmicos: • confirmação laboratorial apenas dos primeiros casos da área • casos com sorologia negativa poderão ser confirmados por critério clínico-­epidemiológico desde que tenha vínculo com um caso confirmado laboratorialmente, e que tenham sido descartadas outras etiologias.
  20. 20. Ficha  de  Notificação/Investigação  – Dengue   Instrumento  de  notificação/investigação Em  vigor  até  o   dia  13/03/2015
  21. 21. Sinan  Dengue  online Inserção e disseminação dos dados de dengue em tempo real. http://sinan.saude.gov.br/sinan/login/login.jsf Em vigor até 13/03/2016! Sistema  de  informação
  22. 22. Portaria  MS  1.271,  de  06  de  junho  de  2014  – doença  de  notificação   compulsória  imediata  (em  até  24  horas) Portaria  No  -­‐ 204,  de  17  de  fevereiro  de  2016:   •Em  áreas  com  transmissão  autóctone-­‐ notificação  compulsória  semanal •Em  áreas  sem  transmissão  e  óbitos  suspeitos-­‐ notificação  compulsória  e   imediata  às  SMS,  SES  e  MS  (em  até  24  horas) Vigilância  de  chikungunya
  23. 23. Ficha  de  Notificação/Conclusão  Sinan  net Instrumento  de  notificação  e  Sistema  de  informação http://portalweb04.saude.gov.br/sinan_net/default.asp Módulo  de  notificação  individual Em vigor até o dia 13/03/2016!
  24. 24. Definição  de  caso  suspeito Paciente com febre de início súbito, acima de 38,5°c, e artralgia ou artrite intensa de início agudo, não explicado por outras condições, sendo residente em (ou tendo visitado) áreas endêmicas ou epidêmicas até duas semanas antes do início dos sintomas, ou que tenha vínculo epidemiológico com caso confirmado Vigilância  de  chikungunya http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2015/fevereiro/06/guia-­‐vigilancia-­‐saude-­‐atualizado-­‐ 05-­‐02-­‐15.pdf
  25. 25. Laboratorial: Caso suspeito com um dos seguintes parâmetros laboratoriais nos testes específicos para diagnóstico de CHIKV: • isolamento viral positivo; • detecção de RNA viral por RT-­‐PCR; • detecção de IgM em uma única amostra de soro (coletada durante a fase aguda ou convalescente); • demonstração de soroconversão nos títulos de IgG por testes sorológicos (ELISA ou teste de Inibição da Hemaglutinação-­‐IH) • PRNT positivo para o CHIKV em uma única amostra de soro (fase aguda ou convalescente). Critérios  de  confirmação  de  chikungunya http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2015/fevereiro/06/guia-­‐vigilancia-­‐saude-­‐atualizado-­‐ 05-­‐02-­‐15.pdf
  26. 26. Por  critério  clínico-­‐epidemiológico: ü em situação de epidemia -­‐ diagnóstico deve ocorrer somente por critério clínico-­‐epidemiológico, exceto para as formas atípicas e óbitos.. Critérios  de  confirmação  de  chikungunya http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2015/fevereiro/06/guia-­‐vigilancia-­‐saude-­‐atualizado-­‐ 05-­‐02-­‐15.pdf
  27. 27. • 2015  -­‐ Desenvolvimento  e  homologação  de  um  sistema  de  informação  online-­‐ Dengue  e  Chikungunya,   üHomologação  pelo GT-­‐SINAN,  CGPNCD  e  grupo  técnico  Tripartite • Suporte  técnico – sob  responsabilidade  do  DATASUS;   • Março -­‐ realização de videoconferências com SES para apresentação do Sinan online -­‐ Dengue e Chikungunya e vigilância de Zika üImplantação do Sinan online (versão 3.0) em 14/03/2016 • Convivência dos dois sistemas (Net e Sinan online) até 04/04/2016; Vigilância  dengue  e  chikungunya
  28. 28. Instrumento de notificação • Ficha de notificação e investigação-­‐ única • Inclusão de campos referentes aos sinais de alarme e gravidade para dengue • Campos de laboratório habilitados para os dois agravos permitindo registrar diagnóstico diferencial entre as duas doenças Vigilância  dengue  e  chikungunya
  29. 29. Instrumento  de  informação  -­‐ dengue  e  chikungunya
  30. 30. Instrumento  de  informação  -­‐ dengue  e  chikungunya
  31. 31. Instrumento  de  informação  -­‐ dengue  e  chikungunya
  32. 32. Zika:  Investigação  de  doença  exantemática  no  nordeste Antecedentes Vigilância  de  Zika
  33. 33. • Julho 2015: Adoção da unidade sentinelacomo estratégia de vigilânciade Zika no Brasil • Agosto -­‐ Outubro de 2015-­‐ suspeição de relação entre o aumento na prevalência de microcefalias e Sindrome de GuillanBarré associados a infecção pelo vírus Zika • Dezembro de 2015 -­‐ elaboração do Protocolo de Vigilâncias dos casos de manifestações neurológicas com histórico de infecção viral prévia. • Janeiro de 2016 – reunião com especialistas para discussão da reestruturação da vigilância do vírus Zika no Brasil. • Fevereiro 2016: Redefinição para o modelo de vigilânciauniversal Antecedentes
  34. 34. Circulação  de  Zika  vírus Zika vírus • 22 Estados com transmissão autóctone Maior concentração Norte e Nordeste • 104 Unidades Sentinelas informadas Zika  vírus  -­‐ Vigilância  sentinela
  35. 35. Resultados  da  reunião  com  especialistas Propostas para implementação imediata: • Ampliação  do  modelo  de  vigilância  – universal; • Revisão  da  Portaria  Nº  1.271,  de  6  de  junho  de  2014,  para  inclusão  da  Doença   pelo  vírus  Zika; • Consolidação  da  vigilância  de  manifestações  neurológicas  com  história  prévia   de  infecção  viral  em  estados  com  circulação  de  vírus   Zika/dengue/chikungunya • Substituição  do  FORMSUS  pela  ficha  de  Notificação/investigação  (NOTINDIV) • Utilização  do  SINAN  NET    para  notificação  universal  de  todos  os  casos; • Confirmação  laboratorial  para  100%  das  gestantes  com  exantema,  formas   graves/manifestações  neurológicas  e  100%  dos  óbitos  suspeitos;   • Investigação  obrigatória  de  óbitos  suspeitos.
  36. 36. Propostas para implementação a longo prazo: • Implantação  de  vigilância  integrada  de  dengue,  Zika  e  chikungunya; • validação  de  uma  proposta  de  ficha  de  notificação  integrada  de  dengue,  Zika  e   chikungunya;   • elaboração  de  guia  de  manejo  clínico  integrado  para  dengue,  chikungunya  e   Zika; • elaboração  de  guia  de  vigilância  integrado  para  as  3  doenças. Resultados  da  reunião  com  especialistas
  37. 37. • Portaria nº 204 de 17 de fevereiro de 2016 estabelece a notificação compulsória nacional: -­‐ Doença aguda pelo vírus Zika -­‐ Doença aguda pelo vírus Zika em gestante -­‐ Óbito com suspeita de doença pelo vírus Zika • Notificação deixa de ser exclusiva em unidades sentinela e passa a ser universal; Qualquer  serviço  de  saúde  deve  notificar  os  casos  a  partir  da  suspeita  clínica Zika  vírus  -­‐ Vigilância  Universal
  38. 38. • Gestantes: comunicação imediata (24 horas) para as Secretarias Municipais de Saúde e Secretarias Estaduais de Saúde • Óbitos: comunicação imediata para as Secretarias Municipais de Saúde, Secretarias Estaduais de Saúde e Ministério da Saúde O  óbito  por  Zika  é  um  evento  raro  e  precisa  ser  exaustivamente   investigado,  sendo  necessária  a  confirmação  laboratorial Zika  vírus  -­‐ Vigilância  Universal
  39. 39. • Caso suspeito: Pacientes que apresentem exantema maculopapular pruriginoso acompanhado de DOIS ou mais dos seguintes sinais e sintomas: -­‐ Febre OU -­‐ Hiperemia conjuntival sem secreção e prurido OU -­‐ Poliartralgia OU -­‐ Edema periarticular. Definição  de  caso http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2016/marco/07/Nota-­Informativa-­zika.pdf
  40. 40. • Caso confirmado: Caso suspeito com um dos seguintes testes positivos específicos para diagnóstico de Zika: -­‐ Isolamento viral; -­‐ Detecção de RNA viral por reação da transcriptase reversa(RT-­‐PCR); -­‐ SorologiaIgM Após  a  confirmação  de  circulação  autóctone,  os  demais  casos  de  Zika   agudos  devem  ser  confirmados  por  critério  clínico-­epidemiológico,  exceto   gestantes,  manifestações  neurológicas  e  óbitos Definição  de  caso http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2016/marco/07/Nota-­Informativa-­zika.pdf
  41. 41. • Caso descartado: Caso suspeito que possua um ou mais dos critérios a seguir: -­‐ Sorologia IgM negativa, desde que comprovada que a amostra foi colhida no tempo oportuno e acondicionada e transportada adequadamente; -­‐ Possuir diagnóstico de outra enfermidade; -­‐ Seja um caso suspeito com exame laboratorial negativo (RT—PCR) ou sem exames laboratoriais, cuja investigação clínica e epidemiológica seja compatível com outras doenças. Definição  de  caso http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2016/marco/07/Nota-­Informativa-­zika.pdf
  42. 42. Instrumento de notificação: ficha de Notificação/conclusão (NOTINDIV); Sistema de notificação: SINAN NET, inclusive para gestantes (sai do RESP); Link do FORMSUS -­‐ desabilitado para inserção de novos casos, disponível para consulta e alteração dos casos inseridos Instrumento  e  Sistema  de  notificação Sinais e sintomas, dados laboratoriais (data de coleta de exames e resultados laboratoriais) e epidemiológicos complementares devem ser inseridos no campo “Informações complementarese observações” http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2016/marco/07/Nota-­Informativa-­zika.pdf
  43. 43. Nota  informativa  com  orientações  e  o  protocolo  para  implantação  da   vigilância  de  Zika. http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2016/marco/07/Nota-­Informativa-­zika.pdf
  44. 44. Ofício  Circular  nº  94/2015  – Implantação  do  Protocolo  de  Manifestações   Neurológicas Vigilância  de  manifestações  neurológicas  com  histórico  de   infecção  viral  prévia
  45. 45. http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2016/janeiro/15/Protocolo-­‐de-­‐vigila-­‐-­‐ncia-­‐de-­‐manifestac-­‐-­‐a-­‐-­‐o-­‐neurolo-­‐-­‐ gica-­‐Vers-­‐-­‐o-­‐FINAL.pdf) Vigilância  de  manifestações  neurológicas  com  histórico  de   infecção  viral  prévia Registro  dos  casos  suspeitos  em  planilha  de  monitoramento  padronizada,   conforme  protocolo  já  divulgado!  
  46. 46. Planilha  de  notificação  e  registro  de  manifestações  neurológicas http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2016/janeiro/15/Protocolo-­‐de-­‐vigila-­‐-­‐ncia-­‐de-­‐manifestac-­‐-­‐a-­‐-­‐o-­‐neurolo-­‐-­‐ gica-­‐Vers-­‐-­‐o-­‐FINAL.pdf)
  47. 47. Vigilância  de  Manifestações  Neurológicas Objetivos: • Identificar  relação  entre  a  manifestação  neurológica  e  infecção  por  doenças   virais.   • Descrever  os  dados  clínicos,  laboratoriais  e  epidemiológicos  em  tempo,  lugar  e   pessoa.   • Determinar  a  ocorrência  de  manifestação  neurológica  possivelmente   relacionada  à  dengue,  chikungunya  e  Zika  vírus.   http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2016/janeiro/15/Protocolo-­‐de-­‐vigila-­‐-­‐ncia-­‐de-­‐manifestac-­‐-­‐a-­‐-­‐o-­‐neurolo-­‐-­‐ gica-­‐Vers-­‐-­‐o-­‐FINAL.pdf)
  48. 48. Vigilância  de  Manifestações  Neurológicas Produto  esperado:  conhecer  a  ocorrência,  distribuição  e  os  determinantes  da   manifestação  neurológica  por  infecção  viral  prévia • Caracterização  em: ü Pessoa ü Tempo ü Lugar http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2016/janeiro/15/Protocolo-­‐de-­‐vigila-­‐-­‐ncia-­‐de-­‐manifestac-­‐-­‐a-­‐-­‐o-­‐neurolo-­‐-­‐ gica-­‐Vers-­‐-­‐o-­‐FINAL.pdf)
  49. 49. Critérios para Seleção da Unidade Sentinela de referência: •Hospital  referência  em  neurologia,  com  serviço  de  pronto-­atendimento   (urgência/emergência)  e  neurologista  de  plantão;;   •Boa  articulação  com  a  vigilância  epidemiológica;; •Possuir  estrutura  mínima  para  colher,  processar  e  armazenar  as  amostras   de  maneira  adequada Protocolo  – Vigilância  de  Manifestações  Neurológicas http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2016/janeiro/15/Protocolo-­‐de-­‐vigila-­‐-­‐ncia-­‐de-­‐manifestac-­‐-­‐a-­‐-­‐o-­‐neurolo-­‐-­‐ gica-­‐Vers-­‐-­‐o-­‐FINAL.pdf)
  50. 50. Definições de caso Suspeito: Paciente atendido na unidade sentinela, que apresentou quadro de manifestação neurológica* de origem indeterminada e registro de infecção viral prévia até 60 dias antes do início do quadro neurológico. Provável: Caso suspeito que não foi possível realizar exame laboratorial e que apresentou quadro clínico compatível com as definições de caso de: -­‐ Febre do Zika -­‐ Dengue -­‐ Febre de chikungunya *Manifestações neurológicas: quadros de encefalite, meningoencefalite, mielite, paralisias flácidas agudas, ADEM (encefalomielite disseminada aguda) e/ou Síndrome de Guillain-­‐Barré. Protocolo  – Vigilância  de  Manifestações  Neurológicas http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2016/janeiro/15/Protocolo-­‐de-­‐vigila-­‐-­‐ncia-­‐de-­‐manifestac-­‐-­‐a-­‐-­‐o-­‐neurolo-­‐-­‐ gica-­‐Vers-­‐-­‐o-­‐FINAL.pdf)
  51. 51. Definições de caso Confirmado: Caso  suspeito  com  confirmação  laboratorial  pela  técnica  RT-­‐PCR  para  os   seguintes  agentes  etiológicos: -­‐ Febre  do  Zika:  amostras  de  líquor,  urina  ou  soro. -­‐ Dengue:  amostras  de  líquor ou  soro.   -­‐ Febre  do  chikungunya:  amostras  de  líquor ou  soro. Descartado: Paciente que se enquadrou na definição de caso suspeito e: -­‐ Confirmou-­‐se outro agente etiológico (excluindo os agentes da definição de confirmado), tais como: Epstein-­‐Barr, Herpesvírus, Citomegalovírus, Campylobacter, entre outros, OU -­‐ Que apresentou outro diagnóstico pelo médico, tais como: AVC, acidose diabética, entre outros. Protocolo  – Vigilância  de  Manifestações  Neurológicas http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2016/janeiro/15/Protocolo-­‐de-­‐vigila-­‐-­‐ncia-­‐de-­‐manifestac-­‐-­‐a-­‐-­‐o-­‐neurolo-­‐-­‐ gica-­‐Vers-­‐-­‐o-­‐FINAL.pdf)
  52. 52. Amostras laboratoriais Os pacientes internados que atenderem a definição de caso suspeito, deverão coletar amostras de soro, urina, líquor e seguir o fluxo para os laboratórios de referência, conforme estabelecido abaixo: •Fiocruz-­‐PR: UFs de cobertura -­‐ PR, SC e RS. •Fiocruz-­‐RJ: UFs de cobertura -­‐ RJ, ES e MG. •Fiocruz-­‐PE: UFs de cobertura -­‐ PE, PB e RN. •IAL-­‐SP: UF de cobertura -­‐ SP, MT, MS, GO e DF. •IEC-­‐PA: UF de cobertura -­‐ AC, RR, RO, TO, AM, AP, PA, MA, PI, CE, AL, SE e BA. Protocolo  – Vigilância  de  Manifestações  Neurológicas
  53. 53. Protocolo  – Vigilância  de  Manifestações  Neurológicas Unidades  Sentinelas  informadas  até  21/03/2016 UF Nº  Unidades   Municípios Nome  da  Unidade  Sentinela MA 1 São  Luís UPA  de  Araçagy 1 São  Luís Hospital  de  Urgência  Djalma  Marques  -­‐ Socorrão  I PB 1 Campina  Grande Hospital  de  Emergência  e  Trauma  Dom  Luiz  Gonzaga   RO 1 Boa  Vista Hospital  Geral  de  Roraima 1 Boa  Vista Hospital  da  Criança  Santo  Antônio SE 1 Aracajú Hospital  de  Urgência  de  Sergipe  Governador  João  Alves   Filho  (HUSE) TO 1 Palmas Hospital  Geral  de  Palmas  Dr.  Francisco  Aires 1 Araguaína Hospital  Regional  de  Araguaína

×