Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Workshop Inovação - 2006

368 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Workshop Inovação - 2006

  1. 1. ENCONTRO NACIONALENCONTRO NACIONAL DA INDÚSTRIADA INDÚSTRIA ““DESAFIOS PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA:DESAFIOS PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA: INSERÇÃO INTERNACIONAL E INOVAÇÃO”INSERÇÃO INTERNACIONAL E INOVAÇÃO” Rodrigo CostaRodrigo Costa dada Rocha LouresRocha Loures Presidente da FIEP e do COPIN - CNIPresidente da FIEP e do COPIN - CNI Brasília – 29 de junho de 2006Brasília – 29 de junho de 2006
  2. 2. RENDA “PER CAPITA” COMPARADA EM ∆ (%) a. a. BRASIL E MUNDO – 1900-2004 Brasil Mundo 1900-1950 2,22% 0,92% 1950-1980 4,39% 2,83% 1980-2004 0,43% 1,04% 1900 - 1980 3,04% 1,92% Brasil Mundo 1900-1950 2,22% 0,92% 1950-1980 4,39% 2,83% 1980-2004 0,43% 1,04% 1900 - 1980 3,04% 1,92% BrasilBrasilBrasil MundoMundoMundo 1900-19501900-19501900-1950 2,22%2,22%2,22% 0,92%0,92%0,92% 1950-19801950-19801950-1980 4,39%4,39%4,39% 2,83%2,83%2,83% 1980-20041980-20041980-2004 0,43%0,43%0,43% 1,04%1,04%1,04% 1900 - 19801900 - 19801900 - 1980 3,04%3,04%3,04% 1,92%1,92%1,92% Fonte: Paulo CunhaFonte: Paulo Cunha
  3. 3. APROFUNDAR A POLÍTICAAPROFUNDAR A POLÍTICA INDUSTRIALINDUSTRIAL ““UMA POLÍTICA INDUSTRIAL DEVEUMA POLÍTICA INDUSTRIAL DEVE CONTRIBUIR PARA COLOCAR A NAÇÃOCONTRIBUIR PARA COLOCAR A NAÇÃO NO TRILHO DA EXPANSÃO ECONÔMICANO TRILHO DA EXPANSÃO ECONÔMICA E CONECTAR O PAÍS ÀS TENDÊNCIASE CONECTAR O PAÍS ÀS TENDÊNCIAS INTERNACIONAIS DE TRANSFORMAÇÃOINTERNACIONAIS DE TRANSFORMAÇÃO TECNOLÓGICA À PARTIR DO FOMENTOTECNOLÓGICA À PARTIR DO FOMENTO À INOVAÇÃO.”À INOVAÇÃO.”
  4. 4. DOUTORES FORMADOS INTERNAMENTE BRASIL, CORÉIA, ÍNDIA E CHINA 0 2.000 4.000 6.000 8.000 10.000 12.000 14.000 1975 1979 1983 1987 1991 1995 1999 2003 Doutoradosporano Brasil Coréia India China
  5. 5. DISTRIBUIÇÃO DOS CIENTISTAS E ENGENHEIROS – BRASIL e CORÉIA 29.086 90.635 51.527 5.924 13.913 94.333 0 20.000 40.000 60.000 80.000 100.000 Brasil (2000) Coréia (2000) CientistaseEngenheiros Empresas Universidades Institutos
  6. 6. PARTICIPAÇÃO DO BRASIL NO MUNDO ATUAL PIB 1,9% Publicações Científicas 1,7% Patentes 0,2%
  7. 7. TECNOLOGIAS E SETORESTECNOLOGIAS E SETORES ALTAMENTE COMPETITIVOSALTAMENTE COMPETITIVOS  Aviões a jato - EMBRAERAviões a jato - EMBRAER  Automação BancáriaAutomação Bancária  Exploração de petróleo em águas profundasExploração de petróleo em águas profundas (1.886 m) – PETROBRÁS(1.886 m) – PETROBRÁS  Imposto de Renda via InternetImposto de Renda via Internet  Votação Eletrônica: 100 milhões de eleitoresVotação Eletrônica: 100 milhões de eleitores (resultado no mesmo dia)(resultado no mesmo dia)  Biotecnologia na agricultura – EMBRAPABiotecnologia na agricultura – EMBRAPA  Agronegócio: maior e mais eficiente produtor deAgronegócio: maior e mais eficiente produtor de Etanol; soja mais produtivaEtanol; soja mais produtiva  Veículo Flex-FuelVeículo Flex-Fuel
  8. 8. TECNOLOGIAS E SETORESTECNOLOGIAS E SETORES PORTADORES DE FUTUROPORTADORES DE FUTURO  Tecnologias da Informação e Comunicação  Biotecnologia (agrícola, florestal, alimentos e saúde)  Nanotecnologia  Genômica  Robótica  Tecnologia de Hidrogênio  Energias Alternativas e Renováveis  Eficiência Energética  Alimentos Funcionais  Conservação e Embalagens de Alimentos  Segurança e Qualidade de Alimentos  Tecnologias de Combustíveis  Tecnologias Ambientais  Gestão da Inovação
  9. 9. CONTEXTO MACROECONÔMICO  Mix perverso das variáveis macroeconômicas básicas: juros, câmbio, tributos e dispêndio governamental  Crescimento pífio do PIB face à média mundial e aos países emergentes, incluíndo os BRICs  Instrumentos da Política Industrial insuficientes para reverter os danos macroeconômicos: no longo prazo caminhamos para uma “desindustrialização precoce”  Renda per capita cresceu 0,7% a.a. em média na última década: levaremos 100 anos para dobrar e alcançar o patamar atual da Coréia do Sul e Portugal “ Sociedade Rentista e Antiempreendedora”
  10. 10. PERDENDO OPORTUNIDADES DE NOVOS MERCADOS  Desperdício das oportunidades geradas pela expansão da demanda agregada mundial (em quantidades e preços)  A supervalorização cambial retira competitividade das atividades industriais de maior valor agregado e conduz à exportação de empregos  O câmbio supervalorizado abre oportunidades para os exportadores estrangeiros tomarem crescentes fatias de mercado de empresas brasileiras, as quais em condições de tratamento cambial isonômico estariam absorvendo mercados externos  Enquanto na China os empresários contam com políticas proativas de apoio à expansão das empresas (câmbio, crédito, exportações, tecnologia,etc), no Brasil estamos subordinados à obtenção da confiança dos investidores financeiros, que acredita-se “um dia virão nos desenvolver” “Isonomia de paridade cambial com os emergentes”
  11. 11. OS GRANDES DESAFIOSOS GRANDES DESAFIOS • AOS EMPRESÁRIOS: faltam culturaAOS EMPRESÁRIOS: faltam cultura inovadora e recursos financeirosinovadora e recursos financeiros • AOS GOVERNOS: faltam políticasAOS GOVERNOS: faltam políticas públicas perenes e consistentes parapúblicas perenes e consistentes para estimular P&D&Iestimular P&D&I • AO PAÍS: ausência de uma boa políticaAO PAÍS: ausência de uma boa política econômica que proporcione um ambienteeconômica que proporcione um ambiente plenamente favorável aos negócios eplenamente favorável aos negócios e investimentos de forma sustentadainvestimentos de forma sustentada
  12. 12. METAS DESAFIADORAS PARA 2010  4.000 INDÚSTRIAS INOVADORAS COM PRODUTOS DIFERENCIADOS (PINTEC/IBGE)  500 INDÚSTRIAS COM PROCESSOS INOVADORES DE IMPACTO MUNDIAL  2% DO PIB INVESTIDOS EM P&D
  13. 13. O QUE FAZER? Agenda microeconômica: racionalização e gestão empresarial para a produtividade, inovação e competitividade Agenda macroeconômica:  Governança da política econômica: incluir todos os interesses da sociedade  Gasto público: aumento da eficiência e eficácia visando reduzir o montante dos tributos  Expansão comandada por investimentos como verdadeiro antídoto antiinflacionário  Políticas de longo prazo: não existe política industrial emergencial
  14. 14. COMO FAZER? “CRESCENTE E CONSISTENTE PARTICIPAÇÃO DOS EMPRESÁRIOS NA VIDA POLÍTICA DO PAÍS.”

×