Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Sondagem Indústria da Construção | Setembro 2014 | Divulgação 27/10/2014

860 views

Published on

Divulgação da Sondagem Indústria da Construção de setembro de 2014

Published in: Business
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Sondagem Indústria da Construção | Setembro 2014 | Divulgação 27/10/2014

  1. 1. SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Atividade continua em queda O desaquecimento da indústria da construção continuou em setembro e o cenário negativo dos me-ses anteriores se intensificou. As quedas tanto do nível de atividade como do número de empregados foram mais intensas e disseminadas pelo setor. A utilização da capacidade de operação manteve-se em 67% em setembro de 2014, três pontos percen-tuais abaixo do registrado nos meses de setembro de 2013 e 2012. O índice de nível de atividade efetiva em relação ao usual recuou para 38,8 pontos e situa-se, pela primeira vez na série, abaixo dos 40 pontos. Como reflexo do cenário adverso, as empresas do setor mostram insatisfação crescente com suas margens de lucro e situação financeira. O acesso ao crédito permanece difícil. As perspectivas também são cada vez mais negativas. Em outubro, os empresários da construção mostram pessimismo maior do que no mês anterior. 1 Indicadores CNI ISSN 2317-7322 • Ano 5 • Número 9 • Setembro de 2014 DESEMPENHO MENSAL DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicador AGO/14 SET/14 O que representa EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE ATIVIDADE 43,0 42,3 Queda disseminada do nível de atividade Nº DE EMPREGADOS 43,5 43,1 Manutenção do ritmo de queda UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE OPERAÇÃO 67% 67% Uso da capacidade estável NÍVEL DE ATIVIDADE EFETIVO EM RELAÇÃO AO USUAL 41,4 38,8 Nível de atividade se afasta do usual CONDIÇÕES FINANCEIRAS NO TRIMESTRE Indicador II-14 III-14 O que representa MARGEM DE LUCRO OPERACIONAL 41,4 39,3 Margem de lucro mais insatisfatória PREÇO MÉDIO DAS MATÉRIAS-PRIMAS 59,1 62,0 Aumento dos preços mais acelerado SITUAÇÃO FINANCEIRA 45,1 44,5 Insatisfação estável ACESSO AO CRÉDITO 37,9 37,8 Manutenção da dificuldade de acesso ao crédito EXPECTATIVAS Indicador SET/14 OUT/14 O que representa NÍVEL DE ATIVIDADE 48,4 47,3 Expectativa mais negativa NOVOS EMPREENDIMENTOS E SERVIÇOS 48,5 47,4 Expectativa mais negativa COMPRAS DE INSUMOS E MATÉRIAS-PRIMAS 47,5 46,5 Expectativa mais negativa NÚMERO DE EMPREGADOS 47,7 46,8 Expectativa mais negativa Indicadores variam no intervalo de 0 a 100. Valores acima de 50 indicam evolução positiva, estoque acima do planejado, utilização da capacidade instalada acima do usual, satisfação com a margem de lucro operacional e a situação financeira, facilidade no acesso ao crédito, aumento no preço médio das matérias-primas ou expectativa positiva.
  2. 2. A contínua queda na atividade se traduz em for-te desaquecimento do setor. O índice de nível de atividade em relação ao usual também é o menor da série. A utilização da capacidade de operação ficou em 67% em setembro de 2014, uma queda de 3 pontos percentuais na comparação com os meses de setembro de anos anteriores. Evolução do nível de atividade Linha divisória 2 Sondagem Indústria da Construção ISSN 2317-7322 • Ano 5 • Número 9 • Setembro de 2014 DESEMPENHO MENSAL DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Evolução do nível de atividade Nota: Indicador varia no intervalo de 0 a 100. Valores acima de 50 indicam aumento do nível de atividade frente ao mês anterior. Queda na atividade e no emprego A indústria de construção mostra tendência de queda na atividade. O índice de evolução da produção recuou pelo décimo mês consecutivo e assumiu o menor valor da série histórica (com início em dezembro de 2009). O índice de núme-ro de empregados também é o menor da série (iniciada em janeiro de 2011). JAN 2013 MAR MAI JUL SET NOV JAN 2014 MAR MAI JUL SET 45,6 48,9 45,5 46,9 44,3 49,0 47,0 45,4 45,8 44,5 44,9 43,0 42,3 47,1 46,5 47,0 49,7 49,5 44,5 45,8 46,3 Aumento Queda 50,0 Índice totalizou 12 meses de tendência de queda Índice é o menor da série Nível de atividade efetivo em relação ao usual Nota: Indicadores variam de 0 a 100. Valores maiores que 50 pontos indicam nivel de atividade efetivo acima do usual para o mês. Nível de atividade efetivo em relação ao usual Linha divisória
  3. 3. 3 Sondagem Indústria da Construção ISSN 2317-7322 • Ano 5 • Número 9 • Setembro de 2014 CONDIÇÕES FINANCEIRAS NO TRIMESTRE Quadro de piora do setor se reflete nas condições financeiras Os empresários mostram insatisfação recorde com a margem de lucro e com a situação finan-ceira de suas empresas. Ao mesmo tempo, a in-flação dos preços dos insumos segue em acele-ração, pressionando o custo das empresas. A dificuldade no acesso ao crédito prejudica o financiamento das atividades corriqueiras e dos projetos de investimento de longo prazo. Lucro operacional Lucro operacional Linha divisória Acesso ao crédito Situação financeira Situação financeira Linha divisória Preço médio das matérias-primas Acesso ao crédito Linha divisória Preço médio das matérias-primas Linha divisória Nota: Indicadores variam de 0 a 100. Valores maiores que 50 indicam satisfação com a margem de lucro operacional e a situação financeira, facilidade no acesso ao crédito ou aumento no preço médio das matérias-primas.
  4. 4. Elevada carga tributária Falta de trabalhador qualificado Falta de demanda Taxas de juros elevadas Alto custo da mão de obra Competição acirrada de mercado Inadimplência dos clientes Falta de capital de giro Alto custo da matéria-prima Licenciamento ambiental Condições climáticas Falta de financiamento de longo prazo 4 Sondagem Indústria da Construção ISSN 2317-7322 • Ano 5 • Número 9 • Setembro de 2014 PRINCIPAIS PROBLEMAS Falta de demanda ganha espaço entre principais problemas O principal problema enfrentado pela indústria da construção no terceiro trimestre de 2014 foi a elevada carga tributária, assinalado por 50,6% das empresas. A falta de trabalhador qualificado manteve-se na segunda po-sição do ranking de principais problemas, com 36,2% de assina- Principais problemas enfrentados pela indústria da construção no terceiro trimestre de 2014 (%) 36,2 34,2 32,2 29,7 22,5 23,9 21,9 18,9 18,8 21,4 13,0 14,3 13,2 13,5 11,5 10,1 7,0 5,5 5,7 5,1 3,6 1,8 1,3 2,1 14,9 30,8 46,9 1,3 9,7 16,5 29,8 50,6 Outros Disponibilidade de terrenos Falta de equipamentos de apoio Falta de matéria-prima III-2014 II-2014 lações. O problema de falta de demanda foi assinalado por 32,2% das empresas e assumiu o terceiro lugar no ranking (era o quarto no segundo trimestre). Em seguida, está o problema de taxas de juros elevadas, assina-lado por 29,8% das empresas, 7,3 pontos percentuais (p.p.) a mais que no segundo trimestre. O alto custo da mão de obra foi assinalado por 23,9% das empresas, 6,9 p.p a menos que no segundo trimestre. Com isso, passou da terceira para a quinta colocação no ranking de princi-pais problemas. O principal problema enfrentado pelas grandes empresas no terceiro trimestre de 2014 foi a falta de demanda, assinalado por 41,4% das empresas do porte.
  5. 5. EXPECTATIVAS Expectativas cada vez mais pessimistas Todos os indicadores de expectativa mos-tram queda em outubro na comparação com se-tembro. Os indicadores apontam expectativa de queda mais intensa do nível de atividade, nos 5 Sondagem Indústria da Construção ISSN 2317-7322 • Ano 5 • Número 9 • Setembro de 2014 48,4 Nível de atividade JAN 2014 FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT 60 58 56 54 52 50 48 46 44 Compras de insumos e matérias-primas 47,3 42 57,7 novos empreendimentos e serviços, compra de insumos e matérias-primas e número de empre-gados nos próximos seis meses. Novos empreendimentos e serviços Número de empregados Nível de atividade Linha divisória Compras de insumos e matérias-primas Linha divisória Novos empreendimentos e serviços Linha divisória Número de empregados Linha divisória
  6. 6. 6 Sondagem Indústria da Construção ISSN 2317-7322 • Ano 5 • Número 9 • Setembro de 2014 Resultados por porte de empresa PRINCIPAIS PROBLEMAS CONSTRUÇÃO PEQUENAS MÉDIAS GRANDES II-14 III-14 II-14 III-14 II-14 III-14 II-14 III-14 ÍTENS % % Posição % % Posição % % Posição % % Posição Elevada carga tributária 46,9% 50,6% 1 44,9% 55,6% 1 50,2% 53,1% 1 43,2% 39,1% 2 Falta de trabalhador qualificado 34,2% 36,2% 2 29,3% 37,2% 2 35,4% 37,7% 2 38,4% 32,0% 3 Falta de demanda 29,7% 32,2% 3 31,7% 24,4% 4 27,4% 33,1% 3 31,2% 41,4% 1 Taxas de juros elevadas 22,5% 29,8% 4 22,8% 30,0% 3 24,9% 28,9% 4 17,6% 31,3% 4 Alto custo da mão de obra 30,8% 23,9% 5 21,6% 21,7% 5 35,9% 23,4% 6 33,6% 28,1% 5 Competição acirrada de mercado 18,9% 21,9% 6 18,0% 14,4% 8 17,7% 25,5% 5 22,4% 25,8% 6 Inadimplência dos clientes 21,4% 18,8% 7 18,6% 16,7% 7 21,1% 19,7% 7 25,6% 20,3% 7 Falta de capital de giro 13,0% 16,5% 8 13,2% 13,3% 9 11,8% 18,0% 8 15,2% 18,0% 9 Alto custo da matéria-prima 13,2% 14,3% 9 12,0% 20,6% 6 12,2% 12,1% 9 16,8% 9,4% 12 Licenciamento ambiental 11,5% 13,5% 10 9,0% 11,7% 11 14,3% 12,1% 9 9,6% 18,8% 8 Condições climáticas 14,9% 10,1% 11 12,6% 12,8% 10 19,0% 7,9% 12 10,4% 10,2% 11 Falta de financiamento de longo prazo 7,0% 9,7% 12 6,6% 8,9% 12 5,9% 9,2% 11 9,6% 11,7% 10 Outros 5,7% 5,5% 13 6,6% 5,0% 14 5,1% 5,9% 13 5,6% 5,5% 14 Disponibilidade de terrenos 3,6% 5,1% 14 4,2% 5,6% 13 3,0% 3,8% 14 4,0% 7,0% 13 Falta de equipamentos de apoio 1,3% 1,8% 15 1,8% 2,8% 15 0,8% 1,7% 15 1,6% 0,8% 16 Falta de matéria-prima 2,1% 1,3% 16 3,6% 0,6% 16 0,8% 1,3% 16 2,4% 2,3% 15
  7. 7. Sondagem Indústria da Construção ISSN 2317-7322 • Ano 5 • Número 9 • Setembro de 2014 Resultados por porte de empresa DESEMPENHO MENSAL DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO UCO (%)1 Nível de atividade2 Atividade em relação ao set-13 ago-14 set-14 set-13 ago-14 set-14 set-13 ago-14 set-14 set-13 ago-14 set-14 CONSTRUÇÃO 70% 67% 67% 49,7 43,0 42,3 46,0 41,4 38,8 47,8 43,5 43,1 POR PORTE PEQUENA 63% 61% 63% 49,0 44,8 44,7 44,3 42,5 43,0 48,1 44,3 45,2 MÉDIA 72% 67% 67% 48,8 43,1 43,6 46,5 42,2 40,2 47,3 45,0 45,0 GRANDE 72% 70% 69% 50,4 42,3 40,7 46,4 40,6 36,4 48,0 42,3 41,3 CONDIÇÕES FINANCEIRAS NO TRIMESTRE Margem de lucro operacional4 Preço médio dos insumos e matérias-primas2 Situação financeira4 Acesso ao crédito5 III-13 II-14 III-14 III-13 II-14 III-14 III-13 II-14 III-14 III-13 II-14 III-14 CONSTRUÇÃO 46,3 41,4 39,3 60,4 59,1 62,0 48,5 45,1 44,5 41,8 37,9 37,8 POR PORTE PEQUENA 46,4 43,3 43,5 61,4 59,4 60,7 50,3 44,6 46,5 40,2 37,9 36,5 MÉDIA 47,0 40,3 38,3 64,6 61,5 59,7 51,3 44,1 43,6 43,6 36,6 37,5 GRANDE 45,9 41,4 38,4 57,6 57,6 63,7 46,3 45,9 44,2 41,3 38,6 38,5 EXPECTATIVAS Nível de atividade6 Novos empreendimentos e serviços6 out-13 set-14 out-14 out-13 set-14 out-14 out-13 set-14 out-14 out-13 set-14 out-14 CONSTRUÇÃO 56,0 48,4 47,3 55,9 48,5 47,4 54,7 47,5 46,5 54,6 47,7 46,8 POR PORTE PEQUENA 56,9 52,1 50,3 56,4 51,8 50,9 56,4 50,4 49,6 54,7 50,9 49,6 MÉDIA 57,6 49,0 46,8 57,5 48,6 47,7 56,7 47,7 46,7 56,4 48,2 47,0 GRANDE 54,8 46,7 46,5 54,8 47,2 46,0 53,0 46,3 45,2 53,6 46,3 45,6 1 Indicador varia no intervalo de 0% a 100%. Série iniciada em janeiro de 2012. 2 Indicador varia no intervalo de 0 a 100. Valores acima de 50 indicam aumento. 3 Indicador varia no intervalo de 0 a 100. Valores acima de 50 indicam atividade acima do usual. 4 Indicador varia no intervalo de 0 a 100. Valores acima de 50 indicam situação mais que satisfatória. 5 Indicador varia no intervalo de 0 a 100. Valores acima de 50 indicam fácil acesso ao crédito. 6 Indicador varia no intervalo de 0 a 100. Valores acima de 50 indicam expectativa positiva. usual3 Número de empregados2 Compras de insumos e matérias-primas6 Número de empregados6 i Veja mais Dados da pesquisa Mais informações como série histórica e metodologia da pesquisa em: www.cni.org.br/sondconstrucao Perfil da amostra: 550 empresas, sendo 181 pequenas, 241 médias e 128 grandes. Período de coleta: 1º a 10 de outubro de 2014. SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO | Publicação Mensal da Confederação Nacional da Indústria - CNI | www.cni.org.br | Diretoria de Políticas e Estratégia - DIRPE | Gerência Executiva de Política Econômica - PEC | Gerente executivo: Flávio Castelo Branco | Gerência Executiva de Pesquisa e Competitividade - GPC | Gerente executivo: Renato da Fonseca | Análise: Marcelo Souza Azevedo e Luis Fernando Melo Mendes (CBIC) | Estatística: Roxana Campos e Aretha Silícia Lopez Soares | Informações técnicas: (61) 3317-9472 - Fax: (61) 3317-9456 | Design Gráfico: Carla Gadêlha | Assinaturas: Serviço de Atendimento ao Cliente - Fone: (61) 3317-9989 - email: sac@cni.org.br. Autorizada a reprodução desde que citada a fonte.

×