Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Obesidade fatores que minimizam a obesidade dormir mais comer menos fora de hora diminuir o calor pdf

179 views

Published on

Estudo prospectivo, de base populacional do norte da Itália sobre o papel dos fatores de estilo de vida, tais como a restrição do sono/freqüência do consumo de refeições em restaurante e aumento da temperatura da casa/no desenvolvimento da obesidade e hiperglicemia durante um período de 6 anos.Os investigadores demonstram, por regressão logística,um efeito significativo da atividade física de lazer/ingestão de alimentos 1 vez por semana em restaurantes/hs de sono mínimo de 8 hs p/24hs.

Published in: Health & Medicine
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Obesidade fatores que minimizam a obesidade dormir mais comer menos fora de hora diminuir o calor pdf

  1. 1. ESTRATÉGIAS IDEAIS PARA O TRATAMENTO DE PACIENTES COM OBESIDADE PERMANECERAM INDESCRITÍVEIS. AGORA, BO ET AL. DEMONSTROU A CONTRIBUIÇÃO DE UM CONJUNTO DE FATORES DE ESTILO DE VIDA, COMO RESTRIÇÃO DO SONO FACILMENTE MUTÁVEL, ALTO CONSUMO DE REFEIÇÕES DE RESTAURANTE E AUMENTO DA TEMPERATURA AMBIENTE, COM A INCIDÊNCIA DE OBESIDADE E HIPERGLICEMIA EM UMA COORTE DE BASE POPULACIONAL ITALIANO. FISIOLOGIA– ENDOCRINOLOGIA–NEUROENDOCRINOLOGIA–GENÉTICA– ENDÓCRINO-PEDIATRIA (SUBDIVISÃO DA ENDOCRINOLOGIA): DR. JOÃO SANTOS CAIO JR. ET DRA. HENRIQUETA VERLANGIERI CAIO. Dada a alta prevalência contínua de obesidade nos EUA, com um ato combinado com a retirada da sibutramina, medicamento para perda de peso em 2010 e o recente fracasso de vários agentes farmacológicos novos para a obesidade para ganhar a aprovação pelo FDA, o estudo por Bo et al. é oportuna, uma vez que sugere que certos fatores de estilo de vida, podem ser facilmente alterados contribuindo para o desenvolvimento da obesidade e hiperglicemia. Bo e co-pesquisadores relatam os resultados de um estudo prospectivo, de base populacional do norte da Itália sobre o papel dos fatores de estilo de vida, tais como a restrição do sono, freqüência do consumo de refeições em restaurante e aumento da temperatura da casa, no desenvolvimento da obesidade e hiperglicemia durante um período de 6 anos.
  2. 2. Especificamente, os investigadores demonstram, por regressão logística, um efeito significativo da atividade física de lazer, ingestão de alimentos 1 vez por semana em restaurantes, horas de sono por dia num mínimo de 8 hs e a temperatura da casa, bem como linha de base IMC, sobre a incidência de obesidade. Usando o mesmo método estatístico, os investigadores também mostraram um efeito significativo da ingestão de fibra, a ingestão de alimentos em restaurante 1 vez por semana e a temperatura da casa resfriada, assim como a concentração de glicose de base, sobre a incidência de hiperglicemia. O foco nos fatores de estilo de vida, incluindo a restrição do sono, temperatura ambiente doméstico elevado e consumo de alimentos em
  3. 3. restaurantes, é interessante com base em dados fisiológicos e epidemiológicos. A morbidade e mortalidade constatadas no relatório semanal pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), 3 com base em uma pesquisa telefônica de 74,571 adultos em 12 estados dos EUA, determinou que o sono insuficiente (definido como, em média <7 h de sono em um período de 24 hs) é um problema que aproximadamente marcou 35,5% dos adultos norte-americanos. Com o aumento epidemiológico, fisiológico e estudos moleculares demonstrando um possível vínculo biológico entre o sono insuficiente, hormônios alterados e resposta fisiológica alterada a estímulos metabólicos, a alta prevalência de restrição de sono pode ter consequências clinicamente significativos sobre a obesidade e suas complicações. Os resultados de Bo e colegas emprestaram mais apoio para a associação de restrição do sono e obesidade. Um estudo clínico está atualmente sendo investigado assim como as intervenções não farmacológicas e baseadas em comportamento para aumentar a duração do sono podem melhorar a composição corporal, os parâmetros endócrinos e metabólicos. Dada a multiplicidade de responsabilidades e distrações em nossa sociedade
  4. 4. que contribuem competir com o sono, eu não consideraria necessariamente o aumento da duração do sono uma tarefa simples; no entanto, esta abordagem, obviamente, tem muito menos risco do que intervenções farmacológicas ou cirúrgicas para perda de peso. ... certos fatores de estilo de vida, que podem ser facilmente alterados, podem contribuir para o desenvolvimento da obesidade e hiperglicemia. A temperatura ambiente doméstica também é um fator intrigante a se considerar na obesidade, sobretudo tendo em conta o interesse emergente sobre a biologia do tecido adiposo marrom em seres humanos. Apesar de sua importância fisiológica contínua a ser determinada, a redescoberta do tecido adiposo marrom em humanos adultos, e a demonstração da sua ativação em temperaturas frias tem alimentado especulações de que a regulação positiva da atividade de desacoplamento termogênico do tecido adiposo marrom pode ajudar a dissipar o calor e possivelmente auxiliar na perda de peso.
  5. 5. No entanto, em vez de perseguir farmacológico significado de regulação farmacológica da massa de tecido adiposo castanho e/ou atividade, pode ser muito mais simples se ajustar a temperatura ambiente interior para ativar naturalmente o tecido adiposo castanho. A forte associação entre maior temperatura interior do agregado familiar (≥20 ° C) e desenvolvimento da obesidade e hiperglicemia em modelos de regressão logística ajustados mostrou por Bo e colegas de trabalho sugerem que este método pode de fato ser uma alternativa viável. A relação significativa entre o aumento da frequência de consumo em restaurante de refeições e incidência de obesidade e hiperglicemia também levanta questões interessantes. Como <10% dos participantes no estudo por Bo et al. consumiam regularmente refeições fora de casa, e é impossível determinar se qualquer tipo específico de alimentos contribuiu mais para a incidência da obesidade ou hiperglicemia. No entanto, nos EUA, fast food e restaurantes da cadeia compõem três quartos de todas as visitas a
  6. 6. restaurantes. As pessoas geralmente subestimam o conteúdo calórico e de macronutrientes das refeições em restaurantes. A crescente epidemia de obesidade e sua relação com a ingestão de refeições fora de casa ou restaurantes de food demonstrada em estudos anteriores levaram a diversas decisões de política pública, incluindo a recente legislação que exige a exibição de conteúdo nutricional e calorias em menus dos restaurantes. As controvérsias que cercam os debates políticos estão fora do escopo deste artigo; no entanto, vale a pena notar os efeitos negativos do consumo freqüente de refeições em restaurantes que pode incidir sobre obesidade e hiperglicemia confirmadas por Bo e colegas. A VERDADEIRA CONTRIBUIÇÃO DESSES FATORES DE ESTILO DE VIDA TERÁ DE SER VERIFICADA EM UM ESTUDO DE INTERVENÇÃO. Embora muito intrigantes, várias limitações existem para o estudo por Bo et al.. que sejam devidamente considerados pelos pesquisadores. Em primeiro lugar, este estudo foi realizado no norte da Itália, com uma população de amostra que consistia inteiramente de adultos brancos com idade entre 45-64 anos.
  7. 7. Para generalizar as conclusões deste estudo para outras configurações pode, portanto, não ser possível. Em segundo lugar, os dados sobre fatores de estilo de vida primários foram obtidos apenas por questionário. Embora os pesquisadores usassem questionários já validados, os resultados não foram julgadas por meios alternativos, levantando a possibilidade de repórter e viés de memória. Além disso, a incidência global de diabetes mellitus durante o período de estudo de 6 anos foi baixa, necessitando a combinação de glicemia de jejum alterada e diabetes mellitus em uma categoria, definida como “a hiperglicemia incidente.” O uso de antidepressivos ou antipsicóticos também foi baixa nesta amostra populacional, o que torna difícil avaliar a sua real contribuição para a obesidade e a hiperglicemia incidente. Apesar dessas limitações, Bo et al. realizaram um estudo instigante que sugere meios alternativos de intervenções não farmacológicas, como o aumento da quantidade de sono, diminuição do consumo de refeições em restaurantes e baixando a
  8. 8. temperatura do agregado familiar, que pode ser benéfica para o tratamento da obesidade. A verdadeira contribuição desses fatores de estilo de vida terá de ser verificada em um estudo de intervenção. No entanto, mudanças simples para o estilo de vida que estão dentro de nossos meios de controle podem melhorar o nosso risco metabólico. Dr. João Santos Caio Jr. Endocrinologia – Neurocientista-Endócrino CRM 20611 Dra. Henriqueta V. Caio Endocrinologista – Medicina Interna CRM 28930 COMO SABER MAIS: 1. A perda de sono ocorre não só como um resultado de comportamento habitual, mas também na presença de condições patológicas associadas com perturbações do sono, como apnéia obstrutiva do sono (AOS)... http://tireoidecontrolada.blogspot.com 2. O aumento tanto da prevalência e da gravidade da obesidade tem se traduzido em um aumento na prevalência de comorbidades relacionadas à obesidade, incluindo AOS... http://hipotireoidismosubclinico2.blogspot.com 3. A prevalência de AOS na população adulta dos EUA tem sido estimada em 24% em homens e 9% nas mulheres, mas é aumentada em obesidade grave em até 93,6% entre os homens e 73,5% entre as mulheres... http://hipotireoidismosubclinico2.blogspot.com AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA. Referências Bibliográficas: Caio Jr., Dr. João Santos. Endocrinologista – Neuroendocrinologista e Dra. Caio, Henriqueta V. Endocrinologista – Medicina Interna, Van Der Häägen Brasil – São Paulo – Brasil; Morselli L, Leproult R, Balbo M, Spiegel K. Role of sleep duration in the regulation of glucose metabolism and appetite. Best Pract Res Clin Endocrinol Metab. 2010;24:687–702.; Knutson KL. Sleep duration and cardiometabolic risk: a review of the epidemiologic evidence. Best Pract Res Clin Endocrinol Metab. 2010;24:731–
  9. 9. 743; Hobson JA. Sleep. Scientific American Library; New York: 1995; Bass J, Takahashi JS. Circadian integration of metabolism and energetics. Science. 2010;330:1349–1354; Scheer FA, Hilton MF, Mantzoros CS, Shea SA. Adverse metabolic and cardiovascular consequences of circadian misalignment. Proc Natl Acad Sci U S A. 2009;106:4453–4458; Esquirol Y, Bongard V, Mabile L, et al. Shift work and metabolic syndrome: respective impacts of job strain, physical activity, and dietary rhythms. Chronobiol Int. 2009;26:544–559; De Bacquer D, Van Risseghem M, Clays E, et al. Rotating shift work and the metabolic syndrome: a prospective study. Int J Epidemiol. 2009;38:848–854; Garaulet M, Ordovas JM, Madrid JA. The chronobiology, etiology and patho-physiology of obesity. Int J Obes (Lond) 2010;34:1667–1683; Pannain S, Miller A, Van Cauter E. Sleep loss, obesity and diabetes: prevalence, association and emerging evidence for causation. Obes Metab-Milan. 2008;4:28–41; Knutson KL, Van Cauter E. Associations between sleep loss and increased risk of obesity and diabetes.Ann N Y Acad Sci. 2008;1129:287– 304; Patel SR, Hu FB. Short sleep duration and weight gain: a systematic review. Obesity (Silver Spring) 2008; 16:643–653; Leproult R, Van Cauter E. Role of sleep and sleep loss in hormonal release and metabolism. Endocr Dev. 2010;17:11–21; Cappuccio F, Miller M. The epidemiology of sleep and cardiovascular risk and disease. In: Cappuccio F, Miller M, Lockley S, editors. Sleep, health and society: from aetiology to public health. Oxford University Press; Oxford: 2010. pp. 83–110; Buxton OM, Marcelli E. Short and long sleep are positively associated with obesity, diabetes, hypertension, and cardiovascular disease among adults in the United States. Soc Sci Med. 2010;71:1027–1036; Magee CA, Caputi P, Iverson DC. Is sleep duration associated with obesity in older Australian adults? J Aging Health. 2010;22:1235–1255; Magee CA, Caputi P, Iverson DC. Short sleep mediates the association between long work hours and increased body mass index. J Behav Med. 2011;34:83–91; Anic GM, Titus-Ernstoff L, Newcomb PA, et al. Sleep duration and obesity in a population-based study.Sleep Med. 2010;11:447–451. . Site Van Der Häägen Brazil www.vanderhaagenbrazil.com.br www.clinicavanderhaagen.com.br www.crescimentoinfoco.com www.obesidadeinfoco.com.br http://drcaiojr.site.med.br http://dracaio.site.med.br João Santos Caio Jr http://google.com/+JoaoSantosCaioJr Video http://youtu.be/woonaiFJQwY Google Maps: http://maps.google.com.br/maps/place?cid=50999013390003517 30&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=- 23.578256,46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=- 23.575591,-46.650481&spn=0,0&t = h&z=17 Site Van Der Häägen Brazil www.vanderhaagenbrazil.com.br www.clinicavanderhaagen.com.br www.crescimentoinfoco.com www.obesidadeinfoco.com.br
  10. 10. http://drcaiojr.site.med.br http://dracaio.site.med.br Joao Santos Caio Jr http://google.com/+JoaoSantosCaioJr google.com/+JoãoSantosCaioJrvdh google.com/+VANDERHAAGENBRAZILvdh Video http://youtu.be/woonaiFJQwY VAN DER HAAGEN BRAZIL Instagram https://instagram.com/clinicascaio/ Google Maps: http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=- 23.578256,46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie =UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t = h&z=17

×