Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
CRESCIMENTO INFANTO JUVENILMétodo autodidata de interpretar o crescimento infantojuvenil, um problema biopsicossocial marc...
ANTES DE COMEÇARAumento na síntese proteica celular. Isso ocorre porque o hormônio do crescimentoaumenta o transporte de a...
HISTÓRIAA estatura é a medida da altura de um ser humano. As medidas dealtura possuem muitas unidades de medida, porém as ...
Embora o ganho de altura seja o melhor efeito conhecido do GH, o hormôniotambém assiste muitas outras funções metabólicas....
passar) a estatura do outro indivíduo, mas ao final estaria em condições desaúde muito mais precárias. Veja, mais abaixo, ...
área de impacto e de crescimento. Além do hormônio de crescimento HGH ofator de crescimento semelhante à insulina - IGF-1,...
os nossos hormônios podem sofrer declínio natural, em torno dos 45 a 50 anosde idade em diante.Sintomas, Crianças com defi...
laringe, fica maior. Os testículos começam a produzir espermatozoides. Apesardos dados coletados para gráficos de crescime...
defeitos físicos da face e do crânio, como o lábio leporino ou fenda palatina ,poderão, provavelmente, ter a produção de h...
tem implicações clínicas para o tratamento de pacientes com esta condição,como indivíduos com (heterozigoto GH1) mutações ...
alterações dos lípides no hipotireoidismo. Estas avaliações sugerem que osreceptores de hormônios tireoidianos podem ser u...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Crescimento infanto juvenil

584 views

Published on

Published in: Health & Medicine
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Crescimento infanto juvenil

  1. 1. CRESCIMENTO INFANTO JUVENILMétodo autodidata de interpretar o crescimento infantojuvenil, um problema biopsicossocial marcante, e carregadode efeitos negativos quando possível tratar, envolvendo agenética, o meio ambiente e doenças graves, da fase fetalaté a fase adulta, que suas sequelas serão cobradas de nóspais se não fizermos nossa parte como tal, que afeta amaioria dos humanos estatisticamente.1ª EdiçãoDr.João Santos Caio Jr e Dra Henriqueta Verlangieri Caio ©MMXII - VAN DER HÄÄGEN SÃO PAULO – BRASIL Editoração Suelene Quidicomo
  2. 2. ANTES DE COMEÇARAumento na síntese proteica celular. Isso ocorre porque o hormônio do crescimentoaumenta o transporte de aminoácidos através da membrana celular, aumenta aformação de RNA (matriz do DNA) e aumenta os ribossomos no interior das células.Tudo isso proporciona, nas células, melhores condições para que as mesmassintetizem mais proteínas. Menor utilização de glicose pelas células para produção deenergia promove, assim, um efeito poupador de glicose no organismo. Aumento dautilização de gordura pelas células para produção de energia ocorre, também, umamaior mobilização de ácidos graxos dos tecidos adiposos para que os mesmos sejamutilizados pelas células. Uma consequência disso é a redução dos depósitos de gorduranos tecidos adiposos. Devido aos efeitos acima citados, observa-se um importanteaumento na quantidade de proteínas em nossos tecidos. Em consequência do aumentodas proteínas e de um maior armazenamento de glicogênio no interior das células,estas aumentam em volume e em número. Portanto observamos um aumento notamanho de quase todos os tecidos e órgãos do nosso corpo. O hormônio docrescimento humano é uma proteína de 191 aminoácidos com uma massamolecular de cerca de 22.000 Dalton (medida molecular). Sua estrutura inclui quatrohélices, necessárias para a interação funcional com o receptor do GH hormônio decrescimento. O GH é homólogo estrutural e evolucionário da prolactina eda somatotropina coriônica. Apesar da marcante similaridade estrutural entre oshormônios do crescimento de diferentes espécies, apenas os hormônios GH humano ede primatas têm ação significante em seres humanos. O GH é secretado na correntesanguínea pelas células somatotrópicas da glândula pituitária anterior no cérebro.Dentre os hormônios dessa glândula, o GHhormônio de crescimento é aqueleproduzido em maior quantidade. O fator de transcrição PIT-1 estimula tanto odesenvolvimento dessas células quanto sua produção de GH. A falha nodesenvolvimento dessas células, assim como a destruição da glândula pituitáriaanterior, resulta na deficiência do GHhormônio de crescimento. Os peptídeos liberadospelos núcleos neurossecretores do hipotálamo à veia portal pituitária, que cerca aglândula, são os principais controladores da secreção do GH por partedos somatotrópos. O Hormônio da Liberação do Hormônio do Crescimento (GHRH eminglês), proveniente do núcleo arqueado (estrutura do cérebro), e a grelina promovema secreção de GH, enquanto que a somatostatina, que vem do núcleo periventricular(estrutura do cérebro), a inibe. Embora o balanço destes peptídeos estimulantes einibidores determinam a emissão do GHhormônio do crescimento, este mesmo balançoé por outro lado afetado por muitos outros fatores. Dentre os estimulantes daliberação do GH pode-se citar o sono, o exercício físico, a hipoglicemia (diminuição deaçúcar), as proteínas consumidas na dieta e o estradiol (hormônio sexual feminino). Osinibidores da liberação do GH incluem os carboidratos consumidos na dieta eos glicocorticoides. A maior parte da secreção fisiologicamente importante do GHacontece em forma de pulsos ou picos de liberação do GH várias vezes ao dia.
  3. 3. HISTÓRIAA estatura é a medida da altura de um ser humano. As medidas dealtura possuem muitas unidades de medida, porém as mais comuns sãoem metros/centímetros e em pés/polegadas. A maior parte da secreçãofisiologicamente importante do GHhormônio do crescimento acontece em formade pulsos ou picos de liberação do GH várias vezes ao dia. O nível doGHhormônio do crescimento durante tais picos pode ir de 5-30 ng/mL ou mais.Os picos geralmente duram de 10-30 minutos e então retornam aos níveisbasais. O maior e também o mais provável desses picos de GH hormônio docrescimento acontece por volta de uma hora após deitar-se. De qualquer forma,há uma variação ampla de acordo com o dia e o indivíduo. Entre picos, osníveis basais de GH hormônio do crescimentosão baixos, geralmente abaixo de3 ng/mL na maior parte do dia e da noite. A quantidade e o padrão de secreçãodo GH hormônio do crescimentomudam ao longo de toda a vida. Os níveis basaissão máximos durante a infância. A amplitude e a frequência de picos sãomáximas durante o estirão puberal, mas pode acontecer que por disfunçãometabólica ou orgânica, esta situação fique comprometida e o estirão puberalacabe não se verificando como o previsto. As crianças e os adolescentes sadiostêm uma média de 8 picos a cada 24 horas. Os adultos, em média 5 picos. Osníveis basais, a frequência e a amplitude dos picos caem ao longo da vidaadulta.Existem várias formas moleculares do GH. A maior parte do hormônio docrescimento na circulação sanguínea está ligada a uma proteína (GHBP eminglês, Proteína Ligadora do Hormônio do Crescimento), que é derivada doreceptor de hormônio do crescimento, outro detalhe que devemos ter emmente, é que GH hormônio de crescimento é necessário para toda e qualquercélula de humanos.FUNÇÃO FISIOLOGICA DO HGH HORMÔNIO DE CRESCIMENTO EMHUMANOSOs efeitos do hormônio do crescimento nos tecidos do organismo podem sergeralmente descritos como anabólicos (efeito construtivo). Da mesma formaque a proteína de outros hormônios, o GH age por meio da interação com umreceptor específico encontrado na superfície das células.O ganho de altura conseguido durante a infância é o melhor efeito conhecidoda ação do GH e parece ser estimulado por no mínimo dois mecanismos: 1. OGH estimula diretamente na divisão e multiplicaçãodos condrócitos da cartilagem. Estas são as células primárias encontradas nasextremidades dos ossos longos das crianças (braços, pernas, dedos). 2. O GHtambém estimula a produção do Fator do Crescimento do Tipo Insulina 1 (IGF-1 em inglês, antigamente conhecido como somatomedina C), um hormôniohomólogo à pro insulina. O fígado é o alvo principal do GH neste processo e é oprincipal local de produção de IGF-1. O IGF-1 estimula o crescimento eminúmeros tecidos, e é gerado nesses tecidos-alvos, o que faz dele tanto umhormônio endócrino quanto um hormônio autócrino/parácrino.
  4. 4. Embora o ganho de altura seja o melhor efeito conhecido do GH, o hormôniotambém assiste muitas outras funções metabólicas. O GH aumenta a retençãode cálcio e aumenta a mineralização dos ossos; aumenta a massa muscular;induz a síntese de proteínas e o crescimento de vários órgãos do corpo.O hormônio também estimula o sistema imunológico e tem um papelna homeostase de energia do organismo: ele reduz o consumo de glicose porparte do fígado, que é um efeito oposto ao da insulina. Também contribui paraa manutenção e funcionamento das ilhotas pancreáticas; tende apromover lipólise, que resulta em alguma redução do tecido adiposo (gorduracorporal) e no aumento de ácidos graxos livres e glicerol na correntesanguínea.Ele também promove a queima de gordura ao mover gordura armazenada paraa corrente sanguínea para ser utilizada como energia. Por conta desse efeitomobilizador de gordura, o GH reduz a quantidade de glicose e proteínas usadacomo combustível. Então, altos níveis de GH protegem a perda de massa magrae resultam em alguma redução do tecido adiposo.A estatura final, no entanto, não é regida exclusiva e simplesmente pelaquantidade de GH à qual é submetido o indivíduo. Trata-se de uma conjunçãode fatores que inclui outros hormônios, mas mais fundamentalmente qual é aresposta que cada tecido pode dar a uma oferta maior de GH; em outraspalavras, depende da programação genética do indivíduo. Se os níveis séricosde GH de um determinado indivíduo ainda em fase de crescimento são normais,somente haverá alteração significativa de estatura se este indivíduo recebercargas consideravelmente acima de seu nível padrão (que é normal, porhipótese). Entretanto, sob cargas sensivelmente acima do normal, os diversostecidos respondem de maneiras diferentes (respostas descompassadas,desequilibradas, desproporcionais) e problemas podem surgir. Um exemplo éo gigantismo quando, entre outros problemas, verifica-se um crescimento forado comum (há casos de indivíduos que passam de 2,50m), sempreacompanhado de diabetes severa, cardiomegalia e outros distúrbios queinvariavelmente encurtam a vida do indivíduo (raramente atingem 40 anos deidade).Assim, a estatura final do indivíduo depende, grosso modo falando, de suaprogramação genética em geral (desde que tenha alimentação adequada eníveis normais de GH). Se a programação genética apontar para uma estaturafinal de, por exemplo, 1,60m, e se hipoteticamente submetido (artificialmenteou não) a uma carga alta de GH, o indivíduo poderá atingir 1,70, 1,80m oumais, mas sempre à custa de um desequilíbrio orgânico perigoso e quase emsua totalidade irreversível (ainda que os níveis de GH regridam depois deatingida a estatura desejada). Em outras palavras, se tivermos dois indivíduosnormais (sem falta nem excesso de GH) e um deles for, por exemplo, 20 cmmais alto que o outro, essa diferença de estatura não se deverá a níveissubstancialmente diferentes de GH, mas sim à programação genética de cadaum; se o mais baixo fosse, hipoteticamente, submetido a um tratamento comaltas doses de GH com vistas a uma estatura final maior, poderia atingir (e até
  5. 5. passar) a estatura do outro indivíduo, mas ao final estaria em condições desaúde muito mais precárias. Veja, mais abaixo, "Riscos do tratamento".CRESCIMENTO INDIVIDUALQualquer célula viva aumenta de tamanho, por absorção e metabolização denutrientes, desde o momento em que separa da sua célula-irmã até atingir umtamanho a partir do qual a célula, ou se divide para dar origem a duas células-filhas (ver ciclo celular), ou exerce a sua função específica (no caso de ser umacélula diferenciada) até ao momento da sua morte.Os seres vivosmulticelulares aumentam de tamanho por divisão celular nos seustecidos e também por crescimento individual das suas células.Aumento da massa corpórea, pela multiplicação celular (hiperplasia) e aumentodo volume celular (hipertrofia), que pode ser identificada em unidade tais comog/dia, g/mês, kg/mês, kg/ano, cm/mês, cm/ano, isto é, aumento da "unidadede massa" em determinada "unidade de tempo".O crescimento infantil é normalmente medido por três parâmetros: altura; pesoe perímetro cefálico. Todos estes parâmetros encontram-se tabelados sendodefinidos por curvas de probabilidade estatísticas chamadas percentis,correspondendo o percentil 50 ao crescimento normal.CRESCIMENTO ÓSSEOO efeito do hormônio do crescimento no crescimento ósseo ocorre de umaforma indireta: O hormônio do crescimento estimula nas células hepáticas e,em menor proporção, nos rins a produção de uma substância denominadasomatomedina. A somatomedina estimula a síntese de substância fundamentalna matriz óssea, necessária ao crescimento deste tecido. Portanto, um déficitna produção de hormônio do crescimento acarreta também um déficit nocrescimento em estatura.Embora o crescimento estatural cesse após a juventude, o hormônio docrescimento continua a ser secretado por toda a vida. Ocorre apenas umapequena redução em sua secreção após a juventude. O crescimento estaturalnão mais ocorre, a partir desta fase, devido ao esgotamento da cartilagem decrescimento dos ossos longos, impedindo o crescimento dos mesmos emcomprimento. Porém ossos mais membranosos, como os do nariz, continuarãoa crescer lentamente.ENDOCRINOLOGIA NEUROENDOCRINOLOGIA: O EFEITO DOHORMÔNIO DE CRESCIMENTO HGH SOBRE O OSSO.Recentemente chegou-se a uma melhor compreensão do efeito do hormônio decrescimento HGH sobre o osso. A deficiência de hormônio de crescimento HGHestá relacionada à baixa massa óssea em crianças e adultos, além de ser uma
  6. 6. área de impacto e de crescimento. Além do hormônio de crescimento HGH ofator de crescimento semelhante à insulina - IGF-1, tem ação direta sobre oesqueleto do organismo, também é possível que o hormônio da paratireoide(glândulas do tamanho de lentilhas que se localizam duas ou mais atrás decada lobo da tireoide que estão relacionadas com o metabolismo do cálcio)quando secretado de forma desorganizada possa mediar consequênciasdeletérias da deficiência de hormônio de crescimento – HGH no osso.Através de diversos estudos ficaram demonstrados os benefícios da reposiçãode hormônio de crescimento HGH na densidade mineral óssea.O impacto positivo da reposição de hormônio de crescimento HGH sobre ocrescimento está bem definido, no início da infância, bem como em diversasoutras condições pediátricas.O hormônio de crescimento HGH pode ter umpapel relevante na fisiologia do osso e de várias outras doenças, além dareposição por deficiência de hormônio de crescimento HGH com efeitossaudáveis para o crescimento ósseo e para a melhora da densidade mineralóssea.HORMÔNIO DE CRESCIMENTO (GH), A DEFICIÊNCIA DEHORMÔNIODE CRESCIMENTO (GH) NA INFÂNCIA LEVA AS CRIANÇASÀ BAIXA ESTATURAComo resultado da deficiência de hormônio de crescimento (GH), podemos terna infância a estatura anormalmente baixa. As causas podem ser: O hormôniodo crescimento (GH) é produzido na glândula pituitária, que está localizado nabase do cérebro.Diferentes hormônios são produzidos no cérebro, e a glândula pituitária produzo hormônio de crescimento (GH), que é muito necessário durante toda a nossavida, desde a fase intrauterina e ela pode produzir o hormônio de crescimento(GH) de forma insuficiente; o hormônio do crescimento (GH) entra no sangue eestimula o fígado a produzir um hormônio chamado fator de crescimentosemelhante à insulina (IGF-1), que desempenha um papel fundamental nocrescimento infantil. Estatura anormalmente baixa na infância pode ocorrer se ohormônio de crescimento (GH) não for produzido numa quantidade normal. Namaioria das vezes, nenhuma causa evidente de deficiência de hormônio decrescimento (GH) é encontrada. A deficiência de crescimento (GH) pode estarpresente desde o nascimento (congênita); A deficiência de hormônio decrescimento (GH) pode também se desenvolver após o nascimento, comoresultado de uma lesão, condição médica ou tumor cerebral. Crianças comdefeitos físicos da face e do crânio, como o lábio leporino ou fenda palatina,poderão, provavelmente, ter a produção de hormônio de crescimento (GH)diminuída. A deficiência de hormônio de crescimento (GH) normalmente não épassada de pai para filho. A deficiência de hormônio de crescimento (GH)também pode ser diagnosticada em adultos, principalmente da somatopausa(época em que diminuem todos os hormônios) em diante, quando todos
  7. 7. os nossos hormônios podem sofrer declínio natural, em torno dos 45 a 50 anosde idade em diante.Sintomas, Crianças com deficiência de hormônio de crescimento (GH) tem umritmo lento de crescimento, geralmente menos de 2 cm por ano. O lentocrescimento pode não aparecer até que a criança tenha de 2 a 3 anos de idade.A criança apresentará uma estatura muito inferior à média da estatura dasoutras crianças de mesma idade e sexo. Crianças com deficiência de hormôniode crescimento (GH) ainda têm proporções corporais normais, bem comointeligência normal. No entanto, seu rosto parece muitas vezes mais jovem doque de outras crianças de mesma idade. Elas também podem ter um corpogordinho, isto porque, geralmente nascem pequenos para a idadegestacional (PIG), porque a deficiência de hormônio de crescimento (GH) podevir desde a fase intra-útero. Quando as crianças estão mais velhas,a puberdade pode demorar mais, uma vez que, existe um sinergismo entre ohormônio de crescimento (GH) e os hormônios sexuais.CARACTERÍSTICAS DO DESENVOLVIMENTO PUBERAL DE MENINOS EMENINAS, POR VOLTA DE QUE IDADE ELES PARAM DE CRESCER,QUANDO APARECEM AS CARACTERÍSTICAS SEXUAIS SECUNDÁRIASDOS MENINOS E DAS MENINASO desenvolvimento das mamas, geralmente são o primeiro sinal visível dapuberdade em meninas, pode começar a qualquer momento entre as idades de8 e 13. Essas características descrevem a sequência de eventos em meninascomo eles acontecem na puberdade: Os seios começam a se desenvolver e osquadris ficam arredondados. O aumento na taxa decrescimento emaltura começa. Cabelo púbico começa a aparecer, geralmente de 6 a 12 mesesapós o início do desenvolvimento da mama. Cerca de 15% das meninas irádesenvolver pelos pubianos antes do desenvolvimento da mama começar a sedesenvolver. O útero e a vagina, bem como os grandes lábios e o clitóris,aumentam de tamanho. Os pelos púbicos estão bem estabelecidos e os seioscrescem ainda mais. A taxa de crescimento em altura atinge o seu pico emcerca de 2 anos após o início da puberdade (idade média é de 12 anos). Oinício da menstruação (1ª menstruação também chamada de menarca) ocorrequase sempre após a taxa de pico de crescimento de altura ser alcançado(idade média é de 12,5 anos). Uma vez que as meninas começam a menstruar,elas costumam crescer cerca de 2,5 a 5 centímetros, atingindo a sua estaturafinal como adulto com cerca de 14 ou 15 anos de idade (dependendo sea puberdade começou mais cedo ou mais tarde). A maioria dos meninosmostram as primeiras mudanças físicas da puberdade entre as idades de 10 e16, e tendem a crescer mais rapidamente entre as idades de 12 e 15. O surtode crescimento dos meninos é, em média, cerca de 2 anos mais tarde do quedas meninas. Aos 16 anos, a maioria dos meninos para de crescer, mas seusmúsculos vão continuar a desenvolver. Outras características da puberdade emmeninos incluem: O aumento do tamanho do pênis e dos testículos. Pelospubianos aparecem, seguidos pelas axilas e pelos faciais. A voz aprofunda e àsvezes pode ter voz de “taquara rachada”. O pomo de Adão, ou cartilagem da
  8. 8. laringe, fica maior. Os testículos começam a produzir espermatozoides. Apesardos dados coletados para gráficos de crescimento, o que é "normal" paraaltura e peso é difícil de definir. Pais mais baixos, por exemplo, tendem a terfilhos mais baixos, enquanto os pais mais altos tendem a ter crianças maisaltas. Embora você possa se preocupar se seu filho não é tão alto quanto asoutras crianças dessa idade, a questão mais importante é saber se a criançacontinua a crescer a um ritmo normal. Se o seu médico detecta um problema -como uma taxa de crescimento que tinha sido normal, mas recentementeabrandou - ele ou ela pode acompanhar as medições de seu filhocuidadosamente durante vários meses para determinar se o padrão decrescimento sugere um possível problema de saúde ou é apenas uma variaçãode normal. Se ele descobriu que seu filho está crescendo ou se desenvolvendomuito lentamente, o médico pode solicitar exames para verificar se hácondições médicas, como hipotireoidismo, deficiência de hormônio decrescimento, ou outras condições genéticas que podem afetar o crescimento.Se você tiver alguma preocupação sobre o crescimento ou desenvolvimento doseu filho, converse com seu médico endocrinologista ou neuroendocrinologista.CRESCER IDEAL - HORMÔNIO DE CRESCIMENTO (GH), ADEFICIÊNCIA DE HORMÔNIO DE CRESCIMENTO (GH) NA INFÂNCIALEVA AS CRIANÇAS À BAIXA ESTATURA, PORTANTO O CRESCERIDEAL SÃO PAIS ATENTOS.CRIANÇAS QUE PODEM NASCER COM DEFEITOS FÍSICOS DA FACE EDO CRÂNIO, COMO O LÁBIO LEPORINO OU FENDA PALATINA,PODERÃO PROVAVELMENTE, TER A PRODUÇÃO DE HORMÔNIO DECRESCIMENTO (GH) DIMINUÍDA.CRESCER IDEAL – é evitar ou não permitir qualquer equívoco ou esperança quetudo vai se resolver até a puberdade. Como resultado da deficiência dehormônio de crescimento (GH), podemos ter na infância a estaturaanormalmente baixa. O hormônio do crescimento (GH) é produzido na glândulapituitária, que está localizado na base do cérebro. Diferentes hormônios sãoproduzidos no cérebro, e a glândula pituitária produz o hormônio decrescimento (GH), que é muito necessário durante toda anossa vida, desde afase intrauterina e ela pode produzir o hormônio de crescimento (GH) de formainsuficiente. O hormônio do crescimento (GH) entra no sangue e estimula ofígado a produzir um hormônio chamado fator de crescimento semelhante àinsulina (IGF-1), que desempenha um papel fundamental no crescimentoinfantil. Estatura anormalmente baixa na infância pode ocorrer se o hormôniode crescimento (GH) não for produzido numa quantidade normal. Na maioriadas vezes, nenhuma causa evidente de deficiência de hormônio de crescimento(GH) é encontrada. A deficiência de hormônio de crescimento (GH) pode estarpresente desde o nascimento (congênita); A deficiência de hormônio decrescimento (GH) pode também se desenvolver após o nascimento, comoresultado de uma lesão, condição médica ou tumor cerebral. Crianças com
  9. 9. defeitos físicos da face e do crânio, como o lábio leporino ou fenda palatina ,poderão, provavelmente, ter a produção de hormônio de crescimento (GH)diminuída. A deficiência de hormônio de crescimento (GH) normalmente não épassada de pai para filho. A deficiência de hormônio de crescimento (GH)também pode ser diagnosticada em adultos, principalmente da somatopausa(época em que diminuem todos os hormônios) em diante, quando todos osnossos hormônios podem sofrer declínio natural, em torno dos 45 a 50 anos deidade em diante. Crianças com deficiência de hormônio de crescimento (GH)tem um ritmo lento de crescimento, geralmente menos de 2 cm por ano. Olento crescimento pode não aparecer até que a criança tenha de 2 a 3 anos deidade. A criança apresentará uma estatura muito inferior à média da estaturadas outras crianças de mesma idade e sexo. Crianças com deficiência dehormônio de crescimento (GH) ainda têm proporções corporais normais, bemcomo inteligência normal. No entanto, seu rosto parece muitas vezes maisjovem do que de outras crianças de mesma idade. Elas também podem ter umcorpo gordinho, isto porque, geralmente nascem pequenos para a idadegestacional (PIG), porque a deficiência de hormônio de crescimento (GH) podevir desde a fase intra-útero. Quando as crianças estão mais velhas, apuberdade pode demorar mais, uma vez que, existe um sinergismo entre ohormônio de crescimento (GH) e os hormônios sexuais, neste momento é oinstante de perceber se o crescer foi ideal, e podemos ter um desapontamento,mas já é tarde.CAUSAS GENÉTICAS E TRATAMENTO ISOLADO DO GH HORMÔNIO DECRESCIMENTO OU SOMATOTROFINA – ENDOCRINOLOGIA –NEUROENDOCRINOLOGIA.A deficiência isolada do GH-HORMÔNIO DE CRESCIMENTO é a deficiência dohormônio hipofisário (hormônio de crescimento produzido pela glândula hipófiselocalizado no sistema nervoso central) mais comum, e pode resultar de causascongênitas ou adquiridas, embora a maioria dos casos não é de fácilidentificação a causa provável (etiologia). São conhecidos genes envolvidos nacausa (etiologia) genética da deficiência isolada do hormônio de crescimento,incluem os que codificam o hormônio do crescimento (GH1), o crescimento dohormônio liberador de receptores hormonais (GHRHR) e (SOX3) fatores detranscrição ou de comando. No entanto, mutações são identificadas em umpercentual relativamente pequeno de pacientes, o que sugere que outrosfatores ainda estão em avaliação para melhor identificação, que são os outrosfatores genéticos que estão envolvidos. Entre os fatores conhecidos, mutaçõesem um par de genes, sendo um dominante e outro não dominante no hormôniode crescimento-GH (heterozigoto no GH1) permanecem como a causa maisfrequente de deficiência isolada do hormônio do crescimento. As implicaçõesclinicadas mutações genéticas do hormônio de crescimento-hGH em pacientescom deficiência ou não do hormônio de crescimento-hGH, devido a importânciadesta substância e absolutamente todas as células do nosso corpo, pois é oúnico hormônio que possuí carga genética em todas as células em quantidadesexatas e receptores específicos, qualquer alteração por mais sensível que sejacompromete sua fisiologia individual específica. A identificação de mutações
  10. 10. tem implicações clínicas para o tratamento de pacientes com esta condição,como indivíduos com (heterozigoto GH1) mutações no fenótipo variam epodem, em alguns casos, desenvolver adicionais deficiências de hormônio docrescimento hGH. Ao Longo da Vida o acompanhamento desses pacientes é,portanto, recomendado. Novos estudos envolvendo a etiologia genética dadeficiência isolada do hormônio do crescimento vão ajudar a elucidar osmecanismos envolvidos no controle do crescimento e pode influenciar futurasopções de tratamento. Avanços na farmacogenômica poderá otimizar otratamento da deficiência isolada do hormônio do crescimento HGH e outrascondições associadas com baixa estatura, para os quais o hormônio docrescimento humano recombinante HGH é uma terapia licenciada, segura e semefeitos deletérios que comprometa o usuário conforme milhares de utilização epesquisas científica absolutamente séria.TIREOIDE (HIPOTIREOIDISMO, HIPERTIREOIDISMO, TIREOIDITE DEHASHIMOTO, SINDROME DE GRAVES, HIPOTIREOIDISMO PRIMÁRIO,HIPOTIREOIDISMO SECUNDÁRIO)– NOVOS CONHECIMENTOS NOS MOSTRAM A IMPORTÂNCIA DOMETABOLISMO DOS HORMÔNIOS TIREOIDIANOS NO CONTROLEDOS LÍPIDES (COLESTEROL TOTAL, MAU-COLESTEROL, BOM-COLESTEROL,TRIGLICÉRIDES) NO ORGANISMO.Os hormônios tireoidianos têm um importante papel na termogênese (produçãode calor) e controle dos lípides (colesterol total, mau-colesterol, bom-colesterol,triglicérides) no organismo, aqui observamos a evidencia da triiodotironina (T3)no controle do metabolismo dos lípides através dos receptores dos hormôniostireoidianos, observados recentemente. Achados recentes mostram que ometabolismo lipídico é controlado por receptor de hormônio tireoidianosemelhantes, em um tecido de certa maneira independente, que foirecentemente descoberto em laboratório genes mutante idêntico ao gene Thra(Thra1pv) ou ao gene Thrb (Thrbpv).A mutação no gene Thra diminuiu deforma dramática o volume do tecido adiposo e do fígado, no entanto a mutaçãodo gene Thrb aumentou de forma significativa o volume de tecido adiposo nofígado, mas não aumentou de forma importante o tecido adiposo dosubcutâneo. Foi mostrada que a ação do gene daenzima lisogênica (responsável pela formação de gordura) está diminuída notecido adiposo branco do gene Thra1pv, mas não no geneThrbpv. Marcadamente o aumento da ação da enzima lisogênica e a diminuiçãoda atividade da oxidação dos ácidos graxos contribuem para a esteatosehepática (gordura no fígado) e acúmulo de lípides no fígado devido ao geneThrbpv. Em contraste, a redução da ação de genes críticos paraa lipogênese (formação de gordura) media a diminuição da quantidadede lípides no fígado. Fica claro que, receptores de hormônios tireoidianosmediam diversos efeitos de alteração do metabolismo dos lípides. Ambosreceptores semelhantes de hormônios tireoidianos contribuem para as
  11. 11. alterações dos lípides no hipotireoidismo. Estas avaliações sugerem que osreceptores de hormônios tireoidianos podem ser utilizados como terapêuticapara anormalidades lipídicas.O crescimento adequado e dentro dos padrões saudáveis normais, dentro damédia da população mundial com mesmas características, é um grandebenefício para o psiquismo e para a saúde individual de cada indivíduo, masnão acredite que somente a genética seja a culpada de todos os possíveismales ou preocupações relacionadas com alterações do crescimento ou baixaestatura, pois existem inúmeros fatores externos ou exógenos, ambientais oubiopsicossociais que pode tornar qualquer problema nesta área comprometedorou irreversível, mas não se esqueça como pais, de tomar todas as atitudespreventivas, procurem ajuda profissional principalmente preventiva pois maiscedo ou mais tarde serão cobrados por sua prole.BIBLIOGRAFIA

×