Successfully reported this slideshow.
Your SlideShare is downloading. ×

Aula- O que é a identidade.pptx

Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad

Check these out next

1 of 22 Ad
Advertisement

More Related Content

Recently uploaded (20)

Advertisement

Aula- O que é a identidade.pptx

  1. 1. z O que é a identidade? Professor: Claudinei de oliveira
  2. 2. z
  3. 3. z  A identidade é o senso de si mesmo. A adolescência é a primeira vez na vida que uma pessoa considera intensamente a questão  “Quem sou eu?”.  A resposta para essa pergunta continuará evoluindo ao longo da vida e constitui a base de identidade pessoal, ou o senso de si mesmo.
  4. 4. z  Os dois aspectos-chave da identidade são: o autoconceito e a autoestima.
  5. 5. z AUTOCONCEITO  Diz respeito ao quanto você acredita em si mesmo e é determinado pelas percepções sobre seus talentos, qualidades, objetivos e experiências de vida. O autoconceito também pode incluir crenças religiosas ou políticas.  Por exemplo, o autoconceito de um adolescente pode basear-se na crença de que ele é inteligente, artístico, politicamente conservador e interessado em se tornar um médico.  O autoconceito do adolescente também é influenciado pela identificação com um grupo étnico e as experiências que ele ou ela tem como resultado dessa conexão.
  6. 6. z AUTOESTIMA  Como você se sente em relação ao seu autoconceito. Ou seja, ele tem alta consideração por quem é?  A autoestima é afetada pela sensação de aprovação dos pais e outros adultos, o nível de apoio recebido dos amigos e da família e sucesso pessoal.  Índices mais baixos de autoestima são normais durante a adolescência, particularmente no início (em torno do Ensino Médio), e se torna mais estável à medida que adolescentes envelhecem.
  7. 7. z ONDE EU ME ENCAIXO?  Uma das muitas contradições fascinantes na adolescência é que os adolescentes desejam independência e, ao mesmo tempo, têm uma profunda necessidade de se encaixar e pertencer.  Por um lado, os jovens podem chorar e dizer: “Deixe-me em paz”, mas por outro buscam grupos com os quais sentem afinidade – os geeks, os atletas, os nerds, e assim temos uma lista enorme.  Esse aparente comportamento contraditório é uma parte previsível do processo de formação de identidade.
  8. 8. A aceitação social pelos pares desencadeia emoções positivas mais fortes (uma “resposta de recompensa” maior) durante a adolescência do que em idade adulta. Fazer parte de um grupo oferece aos adolescentes oportunidades de aprender e praticar os novos papéis que irão assumir como membros adultos da sociedade. Curiosamente, adolescentes populares também são suscetíveis de se deixar influenciar pelos amigos porque racionalizam que precisam manter sua posição no topo da pirâmide social. Por isso, para impressionar, eles podem ter mais comportamentos de risco, como fumar, beber ou fazer sexo sem proteção.
  9. 9. Durante a segunda década de vida, jovens estão descobrindo seu autoconceito e sua autoestima, em parte, por meio de cinco tarefas de desenvolvimento: •Tornar-se independente; •Alcançar domínio ou senso de competência; •Estabelecer status social; •Experimentar intimidade; •Determinação da identidade sexual.
  10. 10. Desde o nascimento, as crianças começam a desenvolver autonomia ou capacidade de pensar e agir de forma independente. Durante a adolescência, alcançar autonomia significa tornar-se uma pessoa desassociada dos pais.
  11. 11. À medida que desenvolvem autonomia ou independência, os adolescentes exercitam sua capacidade crescente de agir por meio de suas próprias decisões e formular seus próprios princípios de certo e errado. Identidade saudável é derivada em parte do aprendizado dos jovens em confiar na sua capacidade de tomar escolhas para si mesmos.
  12. 12. z TIPOS DE AUTONOMIA  Existem dois tipos de autonomia: física e psicológica.  Autonomia física é a capacidade de fazer as coisas por conta própria, além da família. À medida que os adolescentes ganham autonomia física, eles assumem mais responsabilidades, como organizar o próprio material de estudo, cuidar da grade de horários e provas, resolver certos problemas burocráticos sozinhos, entre outros.
  13. 13. Autonomia psicológica é a capacidade de exercer independentemente o julgamento e descobrir os próprios princípios do certo e do errado. Os adolescentes começam a afirmar suas próprias opiniões e apontam quando os adultos próximos cometem erros.
  14. 14. Autoconsciência: o que fazer com o que eu sinto?
  15. 15. Os sentimentos não podem ser rotulados com precisão, a menos que a atenção consciente seja dada a eles, e isso envolve ir mais profundo. Ir mais fundo significa é você descobrir que se sente "ansioso" sobre um próximo teste ou "triste" quando rejeitado por alguém, por exemplo. Identificar a fonte de um sentimento pode levar a descobrir maneiras construtivas para resolver um problema.
  16. 16. Sem essa consciência, os sentimentos ficam indefinidos e podem se tornar desconfortáveis o suficiente para que cresçam introspectivos ou deprimidos ou para que se coloquem em risco com entorpecentes como álcool e drogas ou comer demais.
  17. 17. Consciência social: o que fazer com o que outras pessoas sentem?
  18. 18. Embora seja vital reconhecer suas próprias emoções, também devemos desenvolver empatia e levar em conta os sentimentos dos outros. Compreender os pensamentos e sentimentos dos outros e apreciar o valor das diferenças humanas são as pedras angulares da consciência social.
  19. 19. Identidade sexual: Quem sou sexualmente? A adolescência marca a primeira vez que jovens experimentam sentimentos sexuais e pensar em sua sexualidade. A identidade sexual é a identificação de alguém com um sexo e com uma orientação sexual:
  20. 20. • Identidade de gênero (masculino / feminino) pode diferir do biológico de uma pessoa sexo (masculino / feminino). • Orientação sexual (heterossexual /bissexual / lésbica / gay / transexual) baseia-se na consciência de ser atraídos pelo mesmo sexo ou sexo oposto.
  21. 21. A formação da identidade é um processo interativo, significando que os adolescentes tentam repetidamente respostas diferentes para a pergunta: Quem sou eu? https://www.youtube.com/watch?v=OvkK3b1PIE0
  22. 22. Referencias bibliográficas SIEGEL, Daniel J. Cérebro Adolescente. São Paulo: nVersos, 2016. https://parentcoachingbrasil.com.br/wp- content/uploads/2020/09/Adolescencia_Blindada_29_07_2020_otimizado.pdf

×