Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Augusto de Franco - As Empresas e as Redes Sociais - CICI2011

1,389 views

Published on

As Empresas e as Redes Sociais: atividades para execultivos de empresas
Palestrante: Augusto de Franco - CICI2011

Published in: Business, Lifestyle

Augusto de Franco - As Empresas e as Redes Sociais - CICI2011

  1. 1. =As Empresas e as Redes Sociais=
  2. 2. = Como ser uma empresa de sucesso no mundo digital?=
  3. 3. = Não é no mundo digital e sim no mundo social=
  4. 4. = Uma sociedade-em-rede está emergindo=
  5. 5. = Uma nova ciência das redes está nascendo Barabási Strogatz Watts O digital é apenas um aspecto da mudança=
  6. 6. = Mas afinal: o que é rede? Não é um novo tipo de organização, mas um padrão de interação=
  7. 7. = O exemplo habitual: Internet=
  8. 8. = Grafo: representação estática=
  9. 9. = O melhor exemplo Rede neural=
  10. 10. = Redes sociais são pessoas interagindo Segundo um padrão distribuído=
  11. 11. = O que é distribuição? Múltiplos caminhos=
  12. 12. = Topologias de rede: Paul Baran (1964)=
  13. 13. = Descentralização não é distribuição=
  14. 14. = Mídias sociais ≠ Redes sociais Como o nome está dizendo, as redes são sociais, não digitais. São pessoas, não ferramentas.=
  15. 15. = Redes são ambientes de interação Não é o mesmo que participação=
  16. 16. = Um caso de interação Cupinzeiro africano=
  17. 17. = Fenomenologia da interação Clustering=
  18. 18. = Fenomenologia da interação Swarming=
  19. 19. = Espanha 11M 2004 Swarming civil em Madri=
  20. 20. = Egito 11F 2011 Swarming civil na Praça Tahir=
  21. 21. = Fenomenologia da interação Small-World Phenomenon Crunching=
  22. 22. = Fenomenologia da interação Os fenômenos que ocorrem em uma rede não dependem das características intrínsecas de seus nodos=
  23. 23. = Fenomenologia da interação O conteúdo do que flui pelas conexões não determina o comportamento de uma rede=
  24. 24. = O modo-de-interagir depende do grau de distribuição=
  25. 25. = A grande descoberta do óbvio Tudo que é sustentável tem o padrão de rede=
  26. 26. = Tudo que é sustentável... ... tem membranas, não paredes opacas=
  27. 27. = O mundo dos negócios na sociedade-em-rede Negócios Negócios Negócios serão para serão serão em qualquer inovação rede um=
  28. 28. = Negócios para qualquer um...=
  29. 29. = Negócios para qualquer um...=
  30. 30. = Negócios para qualquer um nos Highly Connected Worlds Conhecimento Capital inicial Relações mais menos políticas mais disponível relevante democráticas=
  31. 31. = Negócios serão inovação=
  32. 32. = Inovação é relação Toda inovação surge por polinização mútua, por fertilização cruzada=
  33. 33. = Inovação e empresa Nenhuma empresa sozinha conseguirá se manter na ponta da inovação sem lançar suas “hifas” para importar capital humano (conhecimento) e social (relações) do ambiente em que opera!=
  34. 34. = Um exemplo: o crowdsourcing É óbvio, não? 200 cérebros aprisionados não podem competir com 20 mil cooperando livremente para encontrar uma solução (de gestão, processo ou produto)=
  35. 35. = 40% da inovação vêm de fora da empresa, por um custo 40% menor=
  36. 36. = Investindo US$ 200 milhões em crowdsourcing para descobrir novas tecnologias=
  37. 37. = Nos mundos altamente conectados Unidades administrativo-produtivas fechadas não conseguirão acompanhar o ritmo das inovações=
  38. 38. = Negócios serão em rede=
  39. 39. = Negócios em rede Redes de stakeholders (novas comunidades de negócios separadas do meio por membranas)=
  40. 40. = Não é preciso ser gênio para concluir que as empresas têm um problema=
  41. 41. = As empresas não têm um padrão de rede Uma imagem aterrorizante São piramidais, monárquicas, fechadas e baseadas em comando-e-controle=
  42. 42. = Seria cômico se não fosse trágico=
  43. 43. = E as conseqüências serão trágicas... . ...para as empresas que não aprenderem a conviver em rede=
  44. 44. = As empresas que não aprenderem a conviver em rede: Não conseguirão estimular a inovação no ritmo exigido pelo mercado. Não conseguirão se preparar para a transição dos negócios imposta pelo dealbar de uma sociedade-em-rede.=
  45. 45. = E agora?=
  46. 46. =
  47. 47. = Não, nem tudo está perdido!=
  48. 48. = Iniciar a transição da empresa-pirâmide para a empresa-em-rede Sim, isso é possível!=
  49. 49. = O que fazer? Não adianta tentar mudar a cabeça dos indivíduos=
  50. 50. = Não é falta de informação Redes sociais não são redes de informação, mas de comunicação=
  51. 51. = Só comportamentos mudam comportamentos Tentar usar as redes para obter algum resultado instrumental adianta muito pouco se continuarmos nos organizando hierarquicamente=
  52. 52. = Não adianta ocupar agressivamente as mídias sociais Os esforços que confundem redes sociais com mídias sociais consomem recursos e desperdiçam preciosas oportunidades estratégicas=
  53. 53. = Por onde começar e como fazer? Estas são as grandes perguntas
  54. 54. = A primeira coisa é... articular e animar uma rede social no ecossistema da empresa Mas como fazer isso?
  55. 55. = Não pode ser mais um trabalho Nada de tarefa rotineira ou de atividade monitorada, comandada e controlada
  56. 56. = O melhor caminho é um creative social game . As pessoas aderirão se acharem legal, bacana, divertido... e útil!
  57. 57. = Obrigado http://www.redes.org.br

×