Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

BULLYING E CYBERBULLYING

20,271 views

Published on

Orientações para Professores e Alunos.
Há dois vídeos que tratam do assunto sobre o Bullying, um pela Rede Globo e outro pela Bandeirantes porém, você poderá anexar a sua apresentação outro tema nestas duas telas que não irão abrir devido que a plataforma SlideShare não suporta vídeos.

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

BULLYING E CYBERBULLYING

  1. 1. Bullying é a prática de atos violentos, intencionais e repetidos, contra uma pessoa indefesa, que podem causar danos físicos e psicológicos às vítimas. O termo surgiu a partir do inglês bully​, palavra que significa tirano, brigão ou valentão, na tradução para o português.
  2. 2. No Brasil, o Bullying é traduzido como o ato de: - bulir, tocar, bater, socar, zombar, tripudiar, ridicularizar, colocar apelidos humilhantes . Essas são as práticas mais comuns do ato de praticar Bullying. A violência é praticada por um ou mais indivíduos, com o objetivo de intimidar, humilhar ou agredir fisicamente a vítima.
  3. 3. Legislação Art. 1º Fica instituído o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying) em todo o território nacional.
  4. 4. § 1º No contexto e para os fins desta Lei, considera-se intimidação sistemática (Bullying) todo ato de violência física ou psicológica, intencional e repetitivo que ocorre sem motivação evidente, praticado por indivíduo ou grupo, contra uma ou mais pessoas, com o objetivo de intimidá-la ou agredi-la, causando dor e angústia à vítima, em uma relação de desequilíbrio de poder entre as partes envolvidas.
  5. 5. FORMAS: I - ataques físicos; II - insultos pessoais; III - comentários sistemáticos e apelidos pejorativos; IV - ameaças por quaisquer meios; V - grafites depreciativos; VI - expressões preconceituosas; VII - isolamento social consciente e premeditado; VIII - pilhérias.
  6. 6. Parágrafo único: Há intimidação sistemática na rede mundial de computadores (Cyberbullying), quando se usarem os instrumentos que lhe são próprios para depreciar, incitar a violência, adulterar fotos e dados pessoais com o intuito de criar meios de constrangimento psicossocial.
  7. 7. “Algumas pessoas desinformadas, tendem a utilizar o Facebook como se não fosse terra de ninguém. Muitos brasileiros ignoram a existência da Delegacia de Crimes Cibernéticos que investiga casos de crimes ocorridos no mundo virtual. Esse jovem casal de Muiraé/MG, sofreu diversos comentários racistas no Facebook e a moça cancelou sua conta da rede social.”
  8. 8. Art. 3º A intimidação sistemática (Bullying) pode ser classificada, conforme as ações praticadas, como: I - verbal: insultar, xingar e apelidar pejorativamente; II - moral: difamar, caluniar, disseminar rumores; III - sexual: assediar, induzir e/ou abusar;
  9. 9. IV - social: ignorar, isolar e excluir; V - psicológica: perseguir, amedrontar, aterrorizar, intimidar, dominar, manipular, chantagear e infernizar;
  10. 10. VI - físico: socar, chutar, bater; VII - material: furtar, roubar, destruir pertences de outrem; VIII - virtual: depreciar, enviar mensagens intrusivas da intimidade, enviar ou adulterar fotos e dados pessoais que resultem em sofrimento ou com o intuito de criar meios de constrangimento psicológico e social.
  11. 11. Art. 4º Constituem objetivos do Programa referido no caput do art. 1º: I - prevenir e combater a prática da intimidação sistemática (Bullying) em toda a sociedade; II - capacitar docentes e equipes pedagógicas para a implementação das ações de discussão, prevenção, orientação e solução do problema; III - implementar e disseminar campanhas de educação, conscientização e informação;
  12. 12. IV - instituir práticas de conduta e orientação de pais, familiares e responsáveis diante da identificação de vítimas e agressores; V - dar assistência psicológica, social e jurídica às vítimas e aos agressores;
  13. 13. PROTAGONISTAS DO BULLYING Vítima- Agressor- Testemunha
  14. 14. A vítima na maioria das vezes, aceita todo o sofrimento sem dizer nada a ninguém, porém se transforma em uma pessoa triste, constantemente deprimida e sem perspectivas de lutar pelos seus direitos.
  15. 15. Orientações para a vítima: Não sofra em silêncio! Aquele que sofre em silêncio poderá sofrer por muito tempo. O Bullying, se alimenta do silêncio das vítimas. Pedir ajuda não é dedurar ! É ajudar quem precisa!
  16. 16. O agressor manipula suas testemunhas, anda em grupo, não suporta ser contrariado, apresenta atitudes agressivas por qualquer motivo, seu tom de voz é grosseiro, aparece com pertences, lanches das vítimas, entre outros.
  17. 17. A testemunha assiste a tudo na maioria das vezes sem se manifestar, em alguns casos participa como cúmplice das agressões temendo contrariar o agressor.
  18. 18. Cyberbullying : delete esta ideia da sua vida - mensagens e imagens por meio de aparelhos eletrônicos. - enviadas em qualquer hora e em qualquer lugar. - compartilhadas com muitas pessoas. - enviadas anonimamente.
  19. 19. Art. 4º Constituem objetivos do Programa referido no caput do art. 1º: VI - integrar os meios de comunicação de massa com as escolas e a sociedade, como forma de identificação e conscientização do problema e forma de preveni-lo e combatê-lo; VII - promover a cidadania, a capacidade empática e o respeito a terceiros, nos marcos de uma cultura de paz e tolerância mútua;
  20. 20. VIII - evitar, tanto quanto possível, a punição dos agressores, privilegiando mecanismos e instrumentos alternativos que promovam a efetiva responsabilização e a mudança de comportamento hostil;
  21. 21. IX - promover medidas de conscientização, prevenção e combate a todos os tipos de violência, com ênfase nas práticas recorrentes de intimidação sistemática (Bullying), ou constrangimento físico e psicológico, cometidas por alunos, professores e outros profissionais integrantes de escola e de comunidade escolar.
  22. 22. Art. 5º É dever do estabelecimento de ensino, dos clubes e das agremiações recreativas assegurar medidas de conscientização, prevenção, diagnose e combate à violência e à intimidação sistemática (Bullying). http://sinepecontraobullying.blogspot. com.br/p/dia-da-solidariedade.html
  23. 23. Art. 6º Serão produzidos e publicados relatórios bimestrais das ocorrências de intimidação sistemática (Bullying) nos Estados e Municípios para planejamento das ações.
  24. 24. Art. 7º Os entes federados poderão firmar convênios e estabelecer parcerias para a implementação e a correta execução dos objetivos e diretrizes do Programa instituído por esta Lei.
  25. 25. Art. 8º Esta Lei entra em vigor após decorridos 90 (noventa) dias da data de sua publicação oficial.
  26. 26. Lei nº 13.185 Brasília, 6 de novembro de 2015, 194º da Independência e 127º da República.
  27. 27. Eu estou fora! Bullying e Cyberbullying César Tavares Professor Mestre em Educação Membro Efetivo: Associação Paranaense de Pediatria – Área de Saúde e Educação: Bullying e Cyberbullying. cesartavares28@gmail.com (41) 9212-2451

×