Especialista internacional em Economia Criativa, Sustentabilidade e Futuros                                               ...
Por que falamos de FUTURO                                            1906, o bisavô do twitter ou SMS : “telégrafo wireles...
Mudam os produtos, mas não mudam os processos.                                         Em 1900, sonhamos calçadas que anda...
Por que falamos de futuro                      Sustentabilidade não é mais adjetivo opcional                              ...
Por que falamos de futuro                       Sustentabilidade:                      • Somos INTERDEPENDENTES           ...
Século XXI‐ Pós Industrial                                                Criatividade, Conhecimento e Cultura         MAT...
Temas abordados                                                                I.                                         ...
QUATRO DIMESÕES DA                      SOCIAL                                                                     COORDEN...
AMBIENTAL                                                         Quais a chaves para as empresas no futuro?              ...
EXCEDENTE COGNITIVO, Clay Shirky, A cultura da Participação                                                               ...
Para Ganhar Tempo....                  Novos negócios  “software”: usam estruturas ou materiais                           ...
QUATRO DIMESÕES DA                   SOCIAL                                               CAPITAIS E RIQUEZAS NAS 4 DIMENS...
UM CONVITE DE COOPERAÇÃO: ECOAÇÃO CULTURAL                       TEORIA DE GAIA     Um movimenro colaborativo para cultura...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Palestra de Lala Deheinzelein no IV Fórum de Integração Bunkyo - #FIB11

521 views

Published on

Palestra "Visão e Valores", de Lala Deheinzelein, no IV Fórum de Integração Bunkyo - #FIB11, no dia 29 de outubro de 2011.

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
521
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Palestra de Lala Deheinzelein no IV Fórum de Integração Bunkyo - #FIB11

  1. 1. Especialista internacional em Economia Criativa, Sustentabilidade e Futuros “COMISTA” E  “SINTETISTA”  "Visão e projeção de futuro melhor, e sua relação com p j ç ç valores e cultura" Criatividade e Cultura Eventos Desenvolvimento  Sustentável IV Fórum de Integração BUNKYO,REPENSANDO A COOPERAÇÃO Corporativos  Terceiro  São Paulo, 29 de outubro  de 2011 Multimídia Setor ONGs Artes cênicas TV Governos Desenvolvimento  Local Lala Deheinzelin Lala Deheinzelin Futuro Enthusiasmo Cultural Inovação Cooperação  www.laladeheinzelin.com Internacional www.criefuturos.com www criefuturos com Empreendedorismo   Estudos de Futuro  Temas abordados Temas abordados I. I Por que pensar o futuro P f t I. I Por que pensar o futuro  Por q e pensar o f t ro II. Sustentabilidade, o modus operandi do séc XXI. Como? III. Centralidade do intangível e economia criativa ld d d í l IV. Duas coordenadas equivalentes: tangível e intangível  V. Pilar 1, Infinito 1: Recursos intangíveis • Diversidade // Experiência //  Economia de Nicho  VI. Pilar 2, Infinito 2: Novas tecnologias digitais e de comunicação  • Excedente cognitivo e produção colaborativa  // Forma x Função  ‐ mudam os suportes, seguem as linguagens VII. Pilar 3 , Infinito 3: Novos modelos de  relação e negócios • Negócios colaborativos – MESH // Compartilhar o “ hard “ e  distinguir‐se  pelo “soft”// VIII. A chave : Riqueza  quadridimensional e novas métricas VIII A h Ri d idi i l é i Visão de futuro  “ Eu apenas vejo o que está ali mas ainda não foi percebido” Peter Drucker, futurista Peter Drucker, futurista ? Pois ... .... Podemos estar deixando de ver muita coisa ...Lala Deheinzelin , 2011
  2. 2. Por que falamos de FUTURO  1906, o bisavô do twitter ou SMS : “telégrafo wireless, permite declarações de amor à distância distância… ? Pois ... .... ele é fruto dos sonhos do passado e escolhas do  futuro... Sonhos de pessoas...Lala Deheinzelin , 2011 Lala Deheinzelin , 2011 Vendo o “passado do Futuro” fica claro que o presente é fruto do que  Vendo o “passado do Futuro” fica claro que o presente é fruto  semeamos no imaginário semeamos no imaginário. do que semeamos no imaginário do que semeamos no imaginário. Telefone com vídeo , 1912, França com vídeo 1912 França Imaginamos internet, skype , antenas , mega cidades 1921‐EUA Lala Deheinzelin , 2011 Sonhamos cidades em escala inumana e  São dezenas de imagens o domínio do automóvel  que sonharam as tecnologias atuais Flash Gordon  1937 Amazing stories  1932 ‐EUA 1939‐EUA Lala Deheinzelin , 2011
  3. 3. Mudam os produtos, mas não mudam os processos. Em 1900, sonhamos calçadas que andam  (lógico!!) mas isso não evoluiu,  porque pensamos na forma ( carro) e não na função (transporte) Computadores individuais na sala de aula + manutenção do esquema escolar tradicional Lala Deheinzelin , 2011 Lala Deheinzelin , 2011 Século XIX – Londres pensa em fraldas como solução para as fezes  Por que falamos de FUTURO dos muitos cavalos na cidade que cresce muito... Século XX – Fim do cavalo como meio de transporte ... ? Século XXI – É importante evitar “fraldas de cavalos”,  trabalhar com premissas do passado...  .... o futuro chega cada vez mais rápido. E as coisas podem mudar também rapidamente... E i d d t bé id t Além de não ver o que está lá, estamos cometendo mais  algum equívoco?Lala Deheinzelin , 2011 Lala Deheinzelin , 2011 Temas abordados Pensar no futuro para: I. I Por que pensar o futuro P f t • Enxergar além  e identificar oportunidades (  II. Sustentabilidade, o modus operandi do séc XXI. Como? Gorilas!!)  ) • Evitar foco em modelos já ultrapassados ( (Fraldas de cavalo!!)  ) PREPARAR  PESSOAS PARA VER O NOVO,  FLEXIBILIDADE, OLHAR INCLUSIVO • Futuro é fruto dos sonhos do passado e  escolhas do presente SONHAR FUTUROS DESEJÁVEIS  • Criar oportunidades  pensando na Função e  na não na Forma , no suporte. PARA PREPARAR‐SE PARA O FUTURO,  PERCEBER A FUNÇÃO PERCEBER A FUNÇÃO
  4. 4. Por que falamos de futuro  Sustentabilidade não é mais adjetivo opcional É um modus operandi a ser adotado ? Pressupõe uma mudança cultural : de mentalidades e hábitos. .... Estamos numa mudança de era. NOSSO ENFOQUE ESTÁ LIGADO AOS INTANGÍVEIS NA O que está acontecendo ? SUSTENTABILIDADE SUSTENTABILIDADE E INTERDEPENDÊNCIA Lala Deheinzelin , 2011 Tangível – Tsunami Ambiental Intangível – Tsunami Financeiro- Mercados AMBIENTAL FASES DA HUMANIDADE Bio Diversidade INTER‐INDEPENDÊNCIA TANGÍVEL Í “HARDWARE” Natureza e Sociedade Tangível e Intangível Técnico e Humano Da tolerância à celebração da diversidade “Das diferenças vem a evolução “ Darwin  A diversidade é o patrimônio que pode diferenciar, valorizar e  A diversidade é o patrimônio que pode diferenciar valorizar e SUSTENTABILIDADE  inovar empresas.  PARTINDO DO  Tem o mesmo peso da diversidade ambiental.  Tem o mesmo peso da diversidade ambiental. HUMANO, INTANGÍVEL HUMANO INTANGÍVEL SÓCIOCULTURAL Diversidade Cultural INTANGÍVEL “SOFTWARE”
  5. 5. Por que falamos de futuro  Sustentabilidade: • Somos INTERDEPENDENTES ? • Ser sustentável será obrigatório num  .... Estamos numa mudança de era. futuro próximo • Isso é mais do que apenas reduzir  O que está acontecendo ? O á d resíduos ou gastos energéticos – é um  outro modo de viver, outra economia INTANGÍVEIS • Deve incluir os intangíveis e a parte  humana, sócio‐cultural h ó i l l MAS COMO? Lala Deheinzelin , 2011 Século XXI ‐ CAPITAL INTELECTUAL CAPITAL DE RELACIONAMENTO Patentes Negociação co fornecedores O Intangível vale mais que o Tangível g q g Fidelidade dos Clientes Fid lid d d Cli t P&D (Pesquisa e Desenvolvimento) Criatividade Relação com Imprensa Inteligência Competitiva Acesso à Créditos Exemplo: Marca mais valiosa  Liderança Relação com Acionistas Inovação Relação com Comunidade Google : US$ 66,3 bilhões Conhecimento C h i t ATIVOS Relação com Colaboradores Folha de SP, 23/04/08 Teses, Modelos, Metodologias INTANGÍVEIS Relação com Concorrentes Rotatividade de Pessoal 75% DO VALOR DE UM PRODUTO ESTÁ EM SEUS INTANGÍVEIS 75% DO VALOR DE UM PRODUTO ESTÁ EM SEUS INTANGÍVEIS Ladislaw Dowbor CAPITAL ORGANIZACIONAL Alianças e Parcerias Modelo de negócio Lobby Político Intangível gera resultados no presente e valor da no presente e valor da Gestão de Conhecimento G tã d C h i t CAPITAL INSTITUCIONAL empresa no futuro CRM (Gestão de Relacionamento com Marcas, Símbolos Clientes) ) Imagem, Imagem Reputação SIGE (Sistemas Integrados de Gestão Embaixadores Corporativos 72% das capas de revistas brasileiras e  internacionais Empresarial) Responsabilidade Social tratam de intangíveis de intangíveis Processo de Seleção P d S l ã Feitos, Mitos Daniel Domeneghetti Processo de Treinamento Daniel Domeneghetti, E- Consulting Mas, quê inovação ? Nova Perspectiva - Poder do “Soft”, intangível AVALIAÇÃO DE INTANGÍVEIS PODER NACIONAL Valor de mercado das Empresas  de Capital Aberto, Brasil  PODER “SOFT” – INTANGÍVEIS PODER “HARD” – TANGÍVEIS Funcionalidade Estrutura Integração Ano Intangíveis Tangíveis MULTI CAPITAIS Poder Econômico 1981 17% 86% • Capital Natural • Capital Social CAPITAL “HARD” HARD •Capital Humano • Recursos materiais 1998 71% 29% • Capital Cultural • Capital financeiro Gazeta Mercantil 10/06/08 CAPACIDADE DE INOVAÇÃO SOFT TECH Ã • Tecnologias de gestão organizacional Poder da Defesa NacionalO que garante o valor de uma empresa é sua longevidade, sua  • Tecnologias r de comercialização •TTecnologias di l á i l i diplomáticas Poder Hard” Tech Hard capacidade de manter‐se no mercado . Isso depende de sua  • Tecnologias do conhecimento etc... “inteligência”, seus intangíveis .  AMBIENTE “HARD” AMBIENTE DE INOVAÇÃO SOFT TECH Infra – estrutura“Aumenta valor entregue e protege valor futuro” Daniel Domeneghetti • Ambiente institucional: políticas, leis, Base Industrial regulamentação , indicadores Matéria Prima • Ambiente cultural outros “tangíveis” tangíveis • Mercado local e internacional Jin Zhouying, Academy of Soft Technologies,  • Infraestrutura adequada para o intangível Beijing, 2009
  6. 6. Século XXI‐ Pós Industrial Criatividade, Conhecimento e Cultura MATÉRIA PRIMA , PRODUTOS , SERVIÇOS  MATÉRIA PRIMA PRODUTOS SERVIÇOS Economia Criativa Tangível, Finito, Inelástico RECURSOS QUE  SE RENOVAM E MULTIPLICAM  CONSUMIDOS COM O USO CONSUMIDOS COM O USO COM O USO   Economia da Escassez COMPETIÇÃO SÓ ESTE FATO JÁ DEVERIA FAZER COM QUE FOSSEM PRIORIDADE  SÓ ESTE FATO JÁ DEVERIA FAZER COM QUE FOSSEM PRIORIDADE ESTRATÉGICA  E  CHAVE PARA A SUSTENTABILIDADECRIATIVIDADE,  CONHECIMENTO, CULTURA, EXPERIÊNCIA Intangível, Infinito, Elástico Intangível Infinito Elástico MULTIPLICADOS COM O USO Economia da Abundância Economia da Abundância COLABORATIVO Lala Deheinzelin , 2011 As reservas de valor , tangíveis e intangíveis, se convertem em riqueza  e  Economia Criativa: cadeia de geração de valor, que através de  qualidade de vida, quando são reconhecidas e há um processo para  qualidade de vida quando são reconhecidas e há um processo para etapas onde ocorrem sinergias com outras áreas, ativa e  d i i á i adicionar valor ao produto original . concretiza as reservas de valor/patrimônios intangíveis  Inovação Riqueza e  Reserva de valor + + Processo qualidade de vida Produto  Produto + Produto + Produto   Design Distribuidor Criatividade $ 2$ Marketing  4$ Comunicação 8 $ Riqueza e  • Os patrimônios intangíveis‐ diversidade cultural, conhecimento,  Economia  qualidade de  qualidade de criatividade, experiências ‐ são a  reserva de valor como o criatividade experiências são a “reserva de valor”, como o  Reserva de valor vida  ouro  ou petróleo ainda bruto e não acessado.  POÇO DE PETRÓLEO   Tradicional  • O processo de ação integrada entre áreas agrega valor a cada O processo de ação integrada entre áreas agrega valor a cada  Riqueza e  anel da cadeia, fazendo com que  o potencial do patrimônio  intangível se transforme em renda e qualidade de vida Reserva de valor de valor qualidade de  DIVERSIDADE CULTURAL  Economia Criativa vida  • ECONOMIA CRIATIVA SÓ É POSSÍVEL ATRAVÉS DE AÇÃO  INTEGRADA, ESTA É A SUA NATUREZA Processo integrado gera VALOR Adicionado Por quê a Economia Criativa  é estratégica ?  Maior a qualidade e diversidade da experiência , maior valor  • Crise financeira e de sustentabilidadeAlgodão Confecção Moda Alta Moda • Recurso que não se esgota e é abundante 1kg= 1U$  1kg= 1U$ 1kg= 20U$   1kg 20U$ 1kg= 80 U$   1k 80 U$ 1kg= 8000 U$   $ nos países emergentes í t • Atividade que tem – simultaneamente – resultados simbólicos, econômicos,  resultados simbólicos econômicos sociais e ambientais. Q SÓ ISSO JÁ DEVERIA FAZER COM QUE  FOSSEM PRIORIDADE ESTRATÉGICA  E  CHAVE PARA A SUSTENTABILIDADE Lala Deheinzelin , 2011
  7. 7. Temas abordados I. I Por que pensar o futuro P f t CENTRALIDADE DO INTANGÍVEL II. Sustentabilidade, o modus operandi do séc XXI. Como? • Sustentabilidade só será de fato possível quando Sustentabilidade só será de fato possível quando  III. Centralidade do intangível e economia criativa sociedade e negócios se organizarem a partir de  recursos intangíveis IV. Duas coordenadas equivalentes: tangível e intangível  TANGIBILIZAR O INTANGÍVEL • Muda a noção de valor, patrimônios e resultados VALOR NAS 4 DIMENSÕES DA SUSTENTABILIDADE • Novas tecnologias : dão visibilidade, permitem  ação conjunta, viabilizam uso da inteligência  coletiva TANGÍVEL Ecossistema  SOCIEDADE “HARDWARE” ESTRUTURAL interdependente: Intangível Duas coordenadas  “Software” equivalentes PROCESSUAL DUAS COORDENADAS EQUIVALENTES AMBIENTE Tangível í l INTANGÍVEL “Hardware” “SOFTWARE” “ ” PROCESSUAL ESTRUTURALExemplo:Energia Exemplo: Copa e  Hardware/ Tangível g Olímpiada Hardware/ Tangível g ESTRUTURAL  ESTRUTURAL  Energia e emissão de CO2 Energia e emissão de CO INFRA INFRA‐ ESTRUTURASoftware/ Intangível : Software/ Intangível : PROCESSUAL PROCESSUAL Confiança e ética GESTÃO, EDUCAÇÃO,  EMPREENDEDORISMO
  8. 8. QUATRO DIMESÕES DA  SOCIAL COORDENADAS EQUIVALENTES: SUSTENTABILIDADE • Distinguir o que é estrutural ( tangível) e Distinguir o que é estrutural  ( tangível) e  o que é processual ( intangível),  q lembrando que hardwares não  Intangível I t í l funcionam sem software e os  ingredientes não são o bolo! • O que dá valor e diferencia é o Intangível  (Processual/ Software ‐ marca, design, AMBIENTAL ECONÔMICA Ô processos) e portanto podemos  ) t t d compartilhar o Tangível ( Estrutura/  Hardware  espaços, equipamentos,  Hardware – espaços equipamentos matérias primas). Q VERIFICAR ESTRUTURAS QUE POSSAM SER  COMPARTILHADAS Tangível CULTURAL SIMBÓLICO Temas abordados Temas abordados I. Futuro : enxergando além do presente I. I Por que pensar o futuro P f t II. Sustentabilidade, o modus operandi do séc XXI. Como? II. Sustentabilidade, o modus operandi do séc XXI. Como? g III. Centralidade do intangível e economia criativa III. Centralidade do intangível e economia criativa IV. PILAR 1, INFINITO 1: Recursos intangíveis IV. Duas coordenadas equivalentes: tangível e intangível  • Diversidade // Experiência //  Economia de Nicho  Diversidade // Experiência // Economia de Nicho V. Pilar 1, Infinito 1: Recursos intangíveis • Diversidade // Experiência //  Economia de Nicho  O QUE LEVOU À CENTRALIDADE DO INTANGÍVEL NESTA ÉPOCA? CRIATIVIDADE, CONHECIMENTO, CULTURA,  CRIATIVIDADE CONHECIMENTO CULTURA PATRIMÔNIOS INTANGÍVEIS  EXPERIÊNCIAS, VALORES Ativos Intangíveis, Criatividade, Diversidade Cultural  Ativos Intangíveis Criatividade Diversidade Cultural tornam‐se visíveis e potencializados graças a: p g ç DIVERSIDADE CULTURAL Experiência NOVAS TECNOLOGIAS (bits são infinitos, mundos virtuais) : Economia de Nicho de Nicho Intangíveis combinados às novas tecnologias resultam em  :  I t í i bi d à t l i lt PILAR 1, INFINITO 1 COLABORATIVO, REDES COLABORATIVO REDES (modelos de negócios e organização humana) = 3 PILARES, 3 INFINITOS ... Lala Deheinzelin , 2011 Lala Deheinzelin , 2011
  9. 9. AMBIENTAL Quais a chaves para as empresas no futuro? Bio Diversidade NICHO, DIVERSIDADE, EXPERIÊNCIA  TANGÍVEL Í “HARDWARE” Da tolerância à celebração da diversidade “Das diferenças vem a evolução “ Darwin  SÉC XX ‐ Economia de Escala SEC XXI= Economia de Nicho A diversidade é o patrimônio que pode diferenciar, valorizar e  A diversidade é o patrimônio que pode diferenciar valorizar e De poucos para muitos De muitos para muitos inovar empresas e instituições .  Tem o mesmo peso da diversidade ambiental.  Tem o mesmo peso da diversidade ambiental. Homogeinização Diversificação GERA DIVISAS – PIB GERA TRABALHO E RENDA Ç ESPECIALIZAÇÃO DIVERSIFICAÇÃO Ç SÓCIOCULTURAL Diversidade Cultural INTANGÍVEL Reforça a importância da Economia Criativa / Intangíveis ç p g “SOFTWARE” Necessidade de trabalhar os dois combinados  Século XXI: Valor agregado por intangíveis   ‐ Diversidade cultural é estratégica Diversidade cultural é estratégicaCOMO ESTIMULAR A DIVERSIDADE?   Matéria Prima : = Grão de Café : US$ 0, 1 $ , Diversidade de Produto: experiências  = Pó de Café:US$ 0, 3 $ , Do ter ao usar, desfrutar A qualidade Da EXPERIÊNCIA  q muda o valor Serviço: ç Na lanchonete: US$ 1 Experiência: p No restaurante 5 * : US$ 5 No Café Florian, Praça São Marcos, Veneza: US$ 15 , ç , $ Diversidade é a chave .  Temas abordados Pilar 1, Infinito 1 : Intangíveis  I. I Por que pensar o futuro P f t • Diversidade cultural: base para  II. Sustentabilidade, o modus operandi do séc XXI. Como? produtos, processo, marcas  produtos processo marcas III. Centralidade do intangível e economia criativa diferenciadas e valorizadas. Base para  IV. Duas coordenadas equivalentes: tangível e intangível  ç , g inovação, inteligência funcional • Valor estará em experiências  V. Pilar 1, Infinito 1: Recursos intangíveis diferenciadas ‐ e diversas. Comunicação  • Diversidade // Experiência //  Economia de Nicho  = diversidade de experiências. VI. Pilar 2, Infinito 2: Novas tecnologias digitais e de  • Economia de Nicho: diversidade +  comunicação  experiência resultam em muitas  • Excedente cognitivo e produção colaborativa  // Forma x  oportunidades de nichos – Função ‐ mudam os suportes, seguem as linguagens diversificação  diversificação
  10. 10. EXCEDENTE COGNITIVO, Clay Shirky, A cultura da Participação WIKIPEDIA = 100 milhões de horas !!! NOVAS TECNOLOGIAS Mundo: 1 trilhão de horas /ano na TV !!! (bits são infinitos) : Imagine tudo o que podemos fazer com essas horas de “excedente  cognitivo” ? Democracia real – movimentos descentralizados  D i l i d li d Tecnologias digitais trazem novos recursos e  possibilidades ibilid d PILAR 2, INFINITO 2 Lala Deheinzelin , 2011Atenção na FUNÇÃO E NÃO NA FORMA Pilar 2, Infinito 2 : Novas Tecnologias Ex: Desde a invenção do rádio se diz que os concertos iriam acabar Ex: Desde a invenção do rádio se diz que os concertos iriam acabar • Reputação – maior valor do futuro  ... O digital não acabou com o impresso,nem com os CDS (mas os  p gsuportes seguirão mudando) .) •Mídia de Massa X Mídia Pessoal +  Consumo Autoral = necessidade  de repensar a  Publicidade , trabalhar com PROPÓSITO,  PRESTAR SERVIÇO PRESTAR SERVIÇO • Pensar na Função e se re‐inventar à medida  que mudam os suportes, a Forma  que mudam os suportes a Forma Ex: carro ( forma) ou transporte ( função) ? • Possibilidade de criar junto reconhecer e usar Possibilidade de criar junto, reconhecer e usar  o conhecimento e criatividade de  colaboradores e consumidores. Colaboração – a  característica do século XXI Temas abordadosI.I Por que pensar o futuro P f tII. Sustentabilidade, o modus operandi do séc XXI. Como?III. Centralidade do intangível e economia criativa ld d d í lIV. Duas coordenadas equivalentes: tangível e intangível V. Pilar 1, Infinito 1: Recursos intangíveis SOLIDARIEDADE, COOPERAÇÃO, REDES • Diversidade // Experiência //  Economia de Nicho  ( infinitas formas de organização humana)VI. Pilar 2, Infinito 2: Novas tecnologias digitais e de comunicação  • Excedente cognitivo e produção colaborativa  // Forma x Função  ‐ mudam os suportes, seguem as linguagens Novas formas de relacão, negócios,  , g ,VII. Pilar 3 , Infinito 3: Novos modelos de  relação e negócios estruturas empresariais • Negócios colaborativos – MESH // Compartilhar o “ hard “ e distinguir‐se  pelo “soft”// PILAR 3, INFINITO 3 Lala Deheinzelin , 2011
  11. 11. Para Ganhar Tempo.... Novos negócios  “software”: usam estruturas ou materiais  Para ganhar Tudo... P h T d existentes e entram com a  inteligência existentes e entram com a “inteligência” Negócios Mesh = Trama  g TEMPO Do ter, ao usar   único recurso não renovável  Arvores de Natal, Casas em Férias  Uso compartilhado de automóveis Colaboração Produção Colaborativa No site há exemplos de mais de  Novos Modelos  1.000 negócios MESH   1 000 negócios MESH Novas Tecnologias  Lala Deheinzelin , 2011 Pilar 3, Infinito 3 : Novos Modelos  Colaborativos  C l b ti • D “t ” ( Do  “ter” ( consumo) ao “ ) “usar”( desfrute) ”( d f t ) • Colaboração requer outra estrutura  interna, sistêmica e não compartimentada.  interna sistêmica e não compartimentada • Colaboração requer outro tipo de  p profissional – multidisciplinar, criativo,  p , , pró‐ativo • Colaboração dá outro sentido à tudoTemas abordadosI.I Por que pensar o futuro P f tII. Sustentabilidade, o modus operandi do séc XXI. Como?III. Centralidade do intangível e economia criativa ld d d í l O QUE FALTA PARA QUE TUDO IV. Duas coordenadas equivalentes: tangível e intangível  ISSO SEJA POSSÍVEL?V. Pilar 1, Infinito 1: Recursos intangíveis • Diversidade // Experiência //  Economia de Nicho  Ter outras maneiras de medir VI. Pilar 2, Infinito 2: Novas tecnologias digitais e de comunicação  resultado e valor !! • Excedente cognitivo e produção colaborativa  // Forma x Função  ‐ mudam os suportes, seguem as linguagensVII. Pilar 3 , Infinito 3: Novos modelos de  relação e negócios • Negócios colaborativos – MESH // Compartilhar o “ hard “ e  distinguir‐se  pelo “soft”//VIII.A chave : Riqueza  quadridimensional e novas métricasVIII A h Ri d idi i l é i
  12. 12. QUATRO DIMESÕES DA  SOCIAL CAPITAIS E RIQUEZAS NAS 4 DIMENSÕES DA  SUSTENTABILIDADE SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA Intangível I t í l SIMBÓLICA SOCIAL Capital financeiro Capital humano Capital Social Capital CulturalAMBIENTAL ECONÔMICA Ô AMBIENTAL: NATURAL e TECNOLÓGÍCO Capital natural e tecnológico Tangível CULTURAL SIMBÓLICO Lala Deheinzelin , 2009 Onde estão as riquezas? Patrimônios ou recursos nas 4 dimensões ECONÔMICA SOCIAL  SOCIAL CULTURAL ECONOMICO SOCIAL  SIMBÓLICA/ CULTURAL PIB Mundial  ‐ Investimento ‐ Tecido social Economia da solidariedade  ‐ Conhecimento ‐ Financiamento ‐ Redes Menor que a soma ( Love Economy) ‐ Saberes e Fazeres ‐ Mercados/ distribuição ‐ Representação política ? Da green economy  e Love economy US$ 11 Trilhões _ Mulheres ‐RReputação/ marca  t ã / ‐História ‐ Vida comunitária ‐ Permutas ‐Voluntariado ‐ Banco de horas ‐‐ Articulação/alianças ‐ Ação coordenada US$ 5 Trilhões – Homens  US$ 5 Trilhões – Homens ‐‐ Institucionalidade ‐ Linguagens artísticas ‐ Moedas complementares ‐‐ ‐ Tecnologias “Soft” AMBIENTAL: NATURAL E TECNOLÓGICO AMBIENTAL NATURAL E TECNOLÓGICO Green Economy Report –ONU AMBIENTAL (natural e tecnológico) US$ 34 trilhões US$ 34 trilhões ‐ Espaços, estrutura, equipamentos ‐ Bio diversidade ‐ Matérias primas e resíduos e resíduos ‐ Tecnologia “Hard” Hazel Henderson, 2008 Lala Deheinzelin , 2010 RIQUEZA MULTIDIMENSIONAL RESIGNIFICAR RECURSOS • T ibili Tangibilizar o intangível i í l Japão:País que é “Pobre” , mas está rico. • Mudar maneiras de “medir”, com  “réguas” adequadas ( métricas “réguas” adequadas ( métricas para o o  tangível não servem ao intangível ) Por quê?  • Criar novas métricas e indicadores para Criar novas métricas e indicadores para  Capital Social ativa outros  valor e resultados, nas quatro dimensões  capitais  capitais da sustentabilidade • Possibilidade de sintetizar o que já  existe ( empresarial, 3º. Setor, Setor  ambiental ) = índice de riqueza 4D Exemplo: Tsunami , Celebração  • Mudar maneira de medir a riqueza das  centenário . nações e empresas Principais recursos: voluntários • RE‐ INVENÇÃO DA ECONOMIA
  13. 13. UM CONVITE DE COOPERAÇÃO: ECOAÇÃO CULTURAL TEORIA DE GAIA Um movimenro colaborativo para cultura da sustentabilidade e sustentabilidade na cultura Se a Terra é um ser vivo  e a  última coisa que neles  se Segunda ação: 25 e 26 de novembro, CCSP desenvolve é o sistema  d l é it nervoso...• Prefeitura Municipal de São Paulo: p – Secretaria Municipal de Cultura, com coordenação do Centro Cultural São Paulo Como estamos nos • EUNIC (European Union National Institutes for Culture conectando para gerar e  conectando para gerar e – British Council transmitir informações,  – Centro Cultural de Espanha em São Paulo g gerando uma noosfera ao  – Instituto Goethe redor do planeta, seriam as  – Instituto Cultural da Dinamarca pessoas  o sistema nervoso  – Circolo Italiano em formação ? • Culture/ Futures / C40 Cities• Crie Futuros/ EnthusiasmoMUNDO no século XXI: OBRIGADA !Um outro mundo é www.laladeheinzelin.com.br possível: vídeo  artigos Temos recursos recursos, publicações  publicações conhecimento e pessoas !! Lala Deheinzelin lala@enthusiasmo.com.br 

×