Estoque de Carbono no Solo e Fluxo de Gases de Efeito Estufa na Cana-de-açúcar

1,968 views

Published on

Apresentação de Carlos C. Cerri realizada no "Workshop Mecanização de Baixo Impacto para o Plantio Direto de Cana-de-açúcar "

Data : 5 de março de 2009
Local: CTBE, Campinas, Brasil
Website do evento: http://www.bioetanol.org.br/workshop2

Published in: Business, Travel
  • Be the first to comment

Estoque de Carbono no Solo e Fluxo de Gases de Efeito Estufa na Cana-de-açúcar

  1. 1. ESTOQUE DE CARBONO NO SOLO E FLUXO DE GASES DE EFEITO ESTUFA NA CANA‐DE‐AÇÚCAR Carlos Cerri
  2. 2. Índice A agricultura como agente mitigador daemissão de gases do efeito estufa Seqüestro de Carbono: conceito Plantio convencional versus plantio direto Estoques e fluxos de C Considerações finais
  3. 3. Índice A agricultura como agente mitigador daemissão de gases do efeito estufa Seqüestro de Carbono: conceito Plantio convencional versus plantio direto Estoques e fluxos de C Considerações finais
  4. 4. CO2 Sumidouros biológicos CO2CO2 CO2 CO2 CO2 CO2 CO2 CO2 CO2 CO2 CO2Situação atual 
  5. 5. CO2 Sumidouros biológicos CO2CO2 CO2 CO2 CO2 CO2 CO2 CO2 CO2 CO2 CO2
  6. 6. CO2 Sumidouros biológicos CO2 CO2 CO2 CO2 CO2 CO2 CO2 CO2 CO2 CO2 CO2Será esta uma solução simples e de baixo custo?
  7. 7. Índice A agricultura com agente mitigador daemissão de gases do efeito estufa Seqüestro de Carbono: conceito Plantio convencional versus plantio direto Estoques e fluxos de C Considerações finais
  8. 8. Seqüestro de Carbono: conceito GEE Seqüestro C solo = Acúmulo C solo - Emissão de Gases de Efeito Estufa Emissões GEE Acúmulo de carbono solo Carbono introduzido Carbono introduzido pela cana-de-açúcar pela cana-de-açúcar Carbono do solo Carbono do solo Remanescente vegetação nativa Remanescente vegetação nativa Agricultura Plantio direto convencional
  9. 9. Seqüestro de Carbono: conceito ? Carbono introduzido pela cana-de-açúcar Carbono introduzido pela cana-de-açúcar Carbono do solo Carbono do solo Remanescente vegetação nativa Remanescente vegetação nativa Agricultura Plantio direto Reforma Convencional
  10. 10. Índice A agricultura com agente mitigador daemissão de gases do efeito estufa Seqüestro de Carbono: conceito Plantio convencional versus plantio direto Estoques e fluxos de C Considerações finais
  11. 11. Plantio convencional versus plantio direto Sistema Sistema convencional Plantio Direto GEE Redução da emissão Decomposição de Mineralização Resíduos COS Decréscimo do Aumento doestoque de C do solo estoque de C solo Acúmulo de C do solo
  12. 12. Plantio convencional versus plantio direto Taxas de acúmulo do C Cerri et al., 2005 (revisão da literatura) Média de 0,50 t C ha‐1 ano‐1 na camada 0‐20 cm
  13. 13. Plantio convencional versus plantio direto Cerrados 17.5 Outra vegetação 15 12.5 AtualmenteSurface (Millions hectares) 10 7.5 ~24 M ha: Taxa anual 5 ~12 Mt C 2.5 0 90/91 91/92 92/93 93/94 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 Mas é preciso considerar os fluxos de N2O e CH4, e outros fluxos de CO2
  14. 14. Plantio convencional versus plantio direto Serviços ambientais do sistema Plantio Direto Luta contra erosão Seqüestro de carbono Sequestro de carbono Outros: biodiversidade, ciclo da água,....
  15. 15. Colheita com queima versus sem queima Mitigação: 2 aspectos Combustível fóssil Biocombustível (etanol) Redução da emissão Colheita: com queima Colheita: sem queima Seqüestro de C
  16. 16. Colheita com queima versus sem queima Combustível fóssil Biocombustível (etanol) Redução da emissão Colheita: Com queima Colheita: Sem queima
  17. 17. Colheita com queima versus sem queima Aquecimento global CO2 Fotossíntese
  18. 18. Colheita com queima versus sem queima Combustível fóssil Biocombustível (etanol) Colheita: com queima Colheita: sem queima Seqüestro C
  19. 19. Índice A agricultura com agente mitigador daemissão de gases do efeito estufa Seqüestro de Carbono: conceito Plantio convencional versus plantio direto Estoques e fluxos de C Considerações finais
  20. 20. Colheita com queima versus sem queima Sistema de colheita de cana‐de‐açúcar COM QUEIMA SEM QUEIMA
  21. 21. Balanço de CO2 no agrossistema cana-de-açúcar lh eita Co Com queima CO2 CO2 Planta folhas Sem queima - folhasFotossíntese - colmos - raízes Álcool C offset = álcool cana destilaria Açúcar CO2 Bagaço C solo Mineralização CO2 C solo C estocado no solo/palhada derivado da palhada C seqüestrado = ΔC com o tempo
  22. 22. Estoques e fluxos de CEvolução das liteiras Estudo da decomposição durante um ano Meia‐vida de 207 dias Estudo em varios anos Meia ‐vida de 257 dias Compartimento  muito vulnerávelFotos Campos (2003)
  23. 23. Estoques e fluxos de C Saída para a atmosfera (CO2)a Camada de palha Camada de palha Entrada no solo (C orgânico)
  24. 24. Estoques e fluxos de C Variação no estoque de carbono do solo 48 950 55 450 ΔC = 4 870 kg C ha‐1 em 4 anos Solo ΔC = 1 625 kg C ha‐1 ano‐1
  25. 25. Índice A agricultura com agente mitigador daemissão de gases do efeito estufa Seqüestro de Carbono: conceito Plantio convencional versus plantio direto Estoques e fluxos de C Considerações finais
  26. 26. Etanol: alternativa para a mitigação do aquecimento global? Emissão de GEE pela gasolina Extração Transporte + Combustão Processamento do petróleo Emissão de GEE pelo etanol Plantio Manejo + Combustão Processamento da cana
  27. 27. Emissão de GEE pelo uso de combustíveis fósseis CO2eq Gasolina Extração Transporte Processamento PetróleoEmissão na extração, transportee processamento + Emissão na combustão 0,4 kg GEE litro-1 2,3 kg GEE litro-1 Total = 2,7 kg CO2eq. litro-1
  28. 28. Emissão de GEE pelo uso do etanol CO2eq CO2FOTOSSÍNTESE ÁlcoolPLANTIO MANEJO PROCESSAMENTO Emissão no plantio, manejo e processamento da cana + Emissão na combustão Total = ?? kg CO2eq. litro-1
  29. 29. Etanol: alternativa para a mitigação do aquecimento global? “CARBONFOOT PRINT” = RASTRO DE CARBONO“Carbon footprint” dos Emissão de GEE combustíveis fósseis = na extração e + Emissão de GEE pela combustão em CO2 eq. refino do petróleo “Carbon footprint” do Emissão de GEE da etanol = cana-de-açúcar no + Emissão de GEE pela combustão em CO2 eq. campo e na usinaGEE = gases do efeito estufa
  30. 30. CO2 fotossintético: CO2 = CO2 fotossíntese C orgânico ETANOL Processo produção decomposição • no campo • na indústria C fixado + C Consumo
  31. 31. CO2eq CH4 CO2 CH4 CO2 N2O CO2 CH4 CO2 CH4FOTOSSÍNTESE N2O FERTI‐ VINHAÇA Fonte de  IRRIGAÇÃO energia CH4PLANTIO CO2 USINAMANEJOS CO2 CH4 N2O BAGAÇO ENERGIA ELÉTRICACOLHEITA N2O RESÍDUO SÓLIDOS TORTA DE FILTRO COMPOSTADA TRANSPORTE
  32. 32. Equivalente CO2 Gasolina Etanol Emissão de CO2,  Emissão de  Fixação biológica CH4 e N2O CH4 e N2O C‐CO2 A• extração do petróleo • produção da cana T • aumento do • transporte • processamento U estoque de C no • processamento • combustão nos veículos A solo• combustão nos veículos L M Emissão de CO2 E N • combustíveis fósseis     T (tratores e máquinas) E • uréia (fertilizante) • calcário
  33. 33. GASES DOAGRONEGÓCIO EFEITO ESTUFA CULTURAS ENERGIA Biodiesel Biomassa vegetal Etanol OFFSET Biocombustível TEP Resíduos C culturais Decomposição Seqüestro FIXAÇÃO de C no solo Papel significativo
  34. 34. Agro-negócio para produção de biocombustíveis e AmbienteCondição usual Condição ideal Gases do  Redução de Emissão de  Efeito Estufa Gases do Efeito Estufa Tecnologias apropriadas Seqüestro de Carbono no  Carbono Solo e Palhada do solo Carbono ‐Colheita sem queima ‐Uso racional de fertilizantes  do solo e insumos agrícolas ‐Manutenção do C estocado tempo
  35. 35. Atitude internacional Aumentar os sumidourosDiminuir as fontes Agronegócio
  36. 36. ESTOQUE DE CARBONO NO SOLO E FLUXO DE GASES DE EFEITO ESTUFA NA CANA‐DE‐AÇÚCAR Carlos Cerri
  37. 37. Estoques e fluxos de C lheita Co Com queima CO2 Planta folhas ‐ folhas Sem queima ‐ colmosCO2 ‐ raízes Álcool C offset = álcool colmos Açúcar CO2Fotossíntese Bagaço C solo Mineralização CO2 C solo C estocado no solo/liteira C seqüestrado = ΔC com o tempo

×