Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Indianismo, a 1ª fase do romantismo

13,384 views

Published on

Trabalho de didática da UNIRIO.

Published in: Education
  • Be the first to comment

Indianismo, a 1ª fase do romantismo

  1. 1. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Aluno: Bernardo Baumann Rocha Coelho Professora: Rachel Colacique
  2. 2. Aula de Literatura Indianismo – 1ª fase do Romantismo no Brasil Aula para alunos do 9º ano do ensino fundamental
  3. 3. Como surgiu esse movimento literário? O Grito do Ipiranga – Pedro Américo O romantismo no Brasil surge a partir da independência política do Brasil. Os primeiros artistas românticos passam a ter uma missão: criar uma cultura literária própria do Brasil.
  4. 4. Contextualização histórica... Com a eminente invasão de Napoleão, D. João VI transfere seu governo para o Brasil em 1808. Junto com a corte, o Brasil recebe também escolas de ensino superior, imprensa regular entre outras mudanças. Em 1822, ocorre a proclamação de independência do Brasil, com isso surge uma necessidade de criar uma nova cultura e uma nova nação...
  5. 5. Romantismo no BRASIL No Brasil o romantismo assumiu um caráter anticolonialista, rejeitando a literatura produzida no período colonial por ser apegada aos modelos culturais portugueses (pelo menos, essa foi a intenção). Portanto um traço muito importante do romantismo brasileiro é o nacionalismo, que irá exaltar a natureza e o folclore. Apesar desse distanciamento da literatura portuguesa o romantismo não deixa de ser um movimento originado na Europa, que foi adaptado às características geográficas do Brasil...
  6. 6. Na Europa os heróis do romantismo eram cavaleiros da era medieval, mas no Brasil não houve cavaleiros medievais, os portugueses não poderiam ser heróis muito menos os negros que naquela época eram escravos, então os heróis formadores desta nova nação foram os índios.
  7. 7. O indianismo Para buscar essa nova identidade nacional ao Estado que se formava, os autores indianistas exaltaram o homem primitivo e a natureza exuberante que os portugueses encontraram aqui. Pode-se dizer que tais temáticas foram inspiradas em Montaigne e, principalmente em Rousseau. O indianismo exaltava o índio como bom selvagem cujo caráter “heróico” se torna um modelo de formação para o povo brasileiro. Montaigne Rousseau
  8. 8. Autores Gonçalves de Magalhães e Porto Alegre foram os primeiros a introduzirem o romantismo no Brasil, porém os autores que mais se destacam são Gonçalves Dias, com seus poemas e posteriormente José de Alencar com seus romances “Iracema” e o “Guarani”. Gonçalves de Magalhães Gonçalves Dias Araújo Porto Alegre José de Alencar
  9. 9. “Canção do exílio”    Minha terra tem palmeiras,  Onde canta o Sabiá;  As aves, que aqui gorjeiam,  Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas,  Nossas várzeas têm mais flores,  Nossos bosques têm mais vida,  Nossa vida mais amores. Em  cismar, sozinho, à noite,  Mais prazer eu encontro lá;  Minha terra tem palmeiras,  Onde canta o Sabiá.   Minha terra tem primores,  Que tais não encontro eu cá;  Em cismar –sozinho, à noite–  Mais prazer eu encontro lá;  Minha terra tem palmeiras,  Onde canta o Sabiá. Não permita Deus que eu morra,  Sem que eu volte para lá;  Sem que disfrute os primores  Que não encontro por cá;  Sem qu'inda aviste as palmeiras,  Onde canta o Sabiá.   - Gonçalves Dias
  10. 10. Quando esse poema foi escrito, Gonçalves Dias estava em Portugal estudando. Foi um exílio, porém por vontade própria. No poema “canção de exílio” de Gonçalves Dias está bem evidente a exaltação da natureza brasileira.
  11. 11. Saiba mais sobre: Gonçalves de Magalhães: http://www.soliteratura.com.br/biografias/biografias006.php Manuel José Araújo Porto Alegre: http://www.brasilescola.com/biografia/manuel-jose-de-araujoporto-alegre.htm Gonçalves Dias: http://www.e-biografias.net/goncalves_dias/ http://objdigital.bn.br/Acervo_Digital/livros_eletronicos/jucapirama. pdf José de Alencar: http://www.e-biografias.net/jose_alencar/

×