Boletim 2.2012.13.01

580 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
580
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Boletim 2.2012.13.01

  1. 1. 2012/2013 * NOVEMBRO | DEZEMBROBoletim BE // CRE VOLUME 2, EDIÇÃO 2 Nesta edição  Aquisições  Autor em Destaque  Atividades Desenvolvidas  Concursos “A leitura de um bom livro é um diálogo incessante: o li- vro fala e a alma responde." André MauroisBom regresso às aulas e votos de um segundo período com muitos sucessos escolares.
  2. 2. AQUISIÇÕES TÍTULO AUTOR John Boyne O RAPAZ DO PIJAMA AS RISCAS Agatha Christie UM CRIME NO EXPRESSO ORIENTE Carlos de Oliveira CASA NA DUNA Camilo Castelo Branco AMOR DE PERDIÇAO Ondjaki BOM DIA CAMARADAS Richard Zimler DANÇA QUANDO CHEGARES AO FIM José Saramago MEMORIAL DO CONVENTO Gonçalo M. Tavares UMA VIAGEM A INDIA Mário de Carvalho CRÓNICA DOS BONS MALANDROS José Mauro de Vasconcelos MEU PE DE LARANJA LIMA Jane Austen ORGULHO E PRECONCEITO Camilo Castelo Branco MEMÓRIAS DO CÁRCERE José Eduardo Agualusa ANO EM QUE ZUMBI TOMOU RIO Maria Àngels Anglada O VIOLINO DE AUSCHWITZ Isabelle Allende A CASA DOS ESPÍRITOS José Luís Peixoto LIVRO Charlotte Bronte JANE EYRE Fyodor Mikhaylovich Dostoyevsky CRIME E CASTIGO HISTÓRIA DE UMA GAIVOTA E DO GATO QUE A Luís Sepúlveda ENSINOU A VOAR José Rodrigues dos Santos A MÃO DO DIABO Richard Zimler OS ANAGRAMAS DE VARSÓVIA O DISCURSOS QUE MUDARAM A HISTÓRIA Ferdie Addis HISTÓRIA DA PEDRINHA DO SOL António Mota António Mota FORA DE SERVIÇO António Mota A TERRA DO ANJO AZUL António Mota CORTEI AS TRANÇAS António Mota O AGOSTO QUE NUNCA ESQUECI António Mota PEDRO ALECRIM António Mota PARDINHAS António Mota NINGUÉM PERGUNTOU POR MIM António Mota FILHOS DE MONTEPO António Mota O RAPAZ DE LOUREDO MAX E ACHEBICHE UMA HISTÓRIA MUITO FIXE António Mota Boletim BE // CRE * Volume 2 Edição 2* PÁGINA 2
  3. 3. AQUISIÇÕESDestacamos os seguintes títulos: UM CRIME NO EXPRESSO ORIENTE AGATHA CHRISTIE Pouco depois das doze batidas da meia todos eles estão circunscritos ao uni- -noite, um nevão obriga o Expresso do verso dos passageiros da carruagem. Oriente a parar. Para aquela época do ano, o luxuoso comboio estava surpre- Para ajudar às investigações, o morto endentemente cheio de passageiros. é reconhecido como sendo o autor de Só que pela manhã havia, vivo, um um dos crimes mais hediondos do passageiro a menos. Um homem de século. Com a tensão a aumentar negócios americano jazia no seu com- partimento, apunhalado até à morte. perigosamente, Poirot acaba por es- clarecer o caso…de uma maneira a Poirot aceita o caso, aparentemente fácil, que acaba por se revelar um dos todos os títulos surpreendente! mais surpreendentes de toda a sua carreira. É que existem pistas (muitas!), existem suspeitos (muitos!), sendo que CASA NA DUNA CARLOS OLIVEIRA Casa na Duna foi publicada pela pri- O grande fascínio deste livro surge meira vez em 1943. “Aqui não sabe- ao nível da técnica estilística: o autor mos o que mais admirar — da desen- joga com mudanças súbitas de tem- voltura da escrita à densidade do te- po, de forma verbal, de sujeito narra- ma, passando pelas principais perso- tivo. Por influência do cinema, recor- nagens, jamais reduzidas a caricatu- re a flashbacks para diversificar a ras. Isto num autor que, à época, só acção. Inspirado em autores como tinha 22 anos! Corrocovo, a aldeia da Hemingway, Caldwell e Jorge Amado novela, funciona como poderosa metá- — que marcaram todo o neo- fora de um país arcaico e claustrofóbi- realismo português —, cultiva o pará- co, ainda dominado pela atmosfera grafo curto, seco, incisivo. Nesta rural. Lá, como em Portugal inteiro, ‘há prosa não há um adjectivo a mais, homens a viver como os bichos’. Mas nem um vocábulo fora do lugar . o seu empenhamento social não leva Boletim BE // CRE * Volume 2 Edição 2* PÁGINA 3
  4. 4. AQUISIÇÕES BOM DIA CAMARADAS ONDJAKI Infância é um antigamente que sempre hino cantado de manhã e a cidade de volta. Luanda com a capacidade de trans- Este livro é muito isso: busca e exposi- formar mujimbos em factos. Todas ção dos momentos, dos cheiros e das estas coisas, mais o camarada Antó- pessoas que fazem parte do antiga- nio... mente, numa época em que Angola e os luandenses formavam um universo diferente, peculiar. Tudo isto contado pela voz de uma criança; tudo isto em- bebido na ambiência dos anos 80: o monopartidarismo, os cartões de abas- tecimento, os professores cubanos, o UMA VIAGEM À ÍNDIA GONÇALO M. TAVARES  Prémio SPA/RTP para a melhor a seu modo também é já texto de ficção narrativa 2011 decepção, por conta da realidade),  Grande Prémio de Romance e uma viagem ao fim do nosso fabulo- Novela da Associação Portuguesa de Escritores so presente como glosa interminável  Prémio Literário Fernando Namo- da existência como tédio de si mes- ra/ Estoril Sol 2011 ma. Partindo como Gama de Lisboa, Excerto e diferindo o mais que pode e sabe, «A singular e provocante Viagem à como Ulisses, não o regresso, mas o Índia de Gonçalo M. Tavares não é, “fim” da Viagem, Bloom, o seu tão contudo, a epopeia desta espécie de célebre e literário herói, não contem- terra de ninguém do sentido, em que o plará (como a humanidade inteira) a Ocidente se converteu, mas a traves- face de Deus ou as pegadas de sia e o confronto, ao mesmo tempo Deus, que no espelho da Índia imagi- intemerato e burlesco, desse caos, nava contemplar, mas não volverá o não para descobrir nele uma mítica mesmo. Agora sabe o que já pres- porta de saída mais ilusória ainda que sentia. Que não viajamos para ne- as já conhecidas, mas para encarar a nhum paraíso. Que todas as viagens sério o seu paradoxal enigma. É ape- são sempre um regresso ao passado nas, num travestimento sem preceden- de onde nunca saímos.» tes do texto epopaico (Os Lusíadas, Eduardo Lourenço, no prefácio ao livro Boletim BE // CRE * Volume 2 Edição 2* PÁGINA 4
  5. 5. AQUISIÇÕES MEU PÉ DE LARANJA LIMA JOSÉ MAURO DE VASCONCELOS «O leitor vai-se encontrar com a história comoven- te do menino Zezé, de seis anos, garoto pobre, inteligente, sensível e carente. Carente de um afeto que não encontra na família, o endiabrado garoto sai pelas ruas fazendo mil travessuras...» LIVRO JOSÉ LUÍS PEIXOTO Este livro elege como cenário a extra- Avassalador e marcante, Livro expõe ordinária saga da emigração portugue- a poderosa magnitude do sonho e sa para França, contada através de a crueza, irónica, terna ou grotesca, uma galeria de personagens inesque- da realidade. Através de histórias de cíveis e da escrita luminosa de José vida, encontros e despedidas, os leito- Luís Peixoto. Entre uma vila do interior res de Livro são conduzidos a um final de Portugal e Paris, entre a cultura desconcertante onde se ultrapassam popular e as mais altas referências da fronteiras da literatura. Livro confirma literatura universal, revelam-se os si- José Luís Peixoto como um dos princi- nais de um passado que levou milha- pais romancistas portugueses contem- res de portugueses à procura de me- porâneos e, também, como um autor lhores condições e de um futuro com de crescente importância no panora- dupla nacionalidade. ma literário internacional. JANE EYRE CHARLOTTE BRONTE Jane Eyre é uma obra-prima da literatu- Numa atmosfera misteriosa e ines- ra inglesa, a autobiografia ficcionada de quecível, acompanhamos esta heroí- uma jovem que, depois de uma infância na de espírito puro e apaixonado, que e adolescência desprovidas de afecto, trava uma luta interior constante para se torna preceptora em Thornfield Hall e se manter fiel às suas convicções e a se apaixona pelo seu proprietário, Mr. si própria. Jane Eyre tem agora uma Rochester. Plenamente correspondida nova versão cinematográfica, com nos seus sentimentos, Jane julga ter Mia Wasikowska, Michael Fassben- encontrado o amor por que ansiara toda der e Judi Dench nos principais pa- a vida, mas Thornfield Hall esconde um péis. segredo tenebroso que ameaça ensom- brar a sua felicidade. Boletim BE // CRE * Volume 2 Edição 2* PÁGINA 5
  6. 6. AQUISIÇÕES CRIME E CASTIGO FIÓDOR DOSTOIÉVSKI Datado de 1866, este é o primeiro dos exploração das motivações não cons- grandes romances que Dostoiévski escre- cientes e a aparente irracionalidade veu já em plena maturidade literária, sendo, nos comportamentos das persona- provavelmente, a mais bem conhecida de gens, este autor russo tornou-se uma todas as suas obras. referência universal na literatura, sem Recriando um estranho e doloroso mundo perda de continuidade até aos nossos em torno da figura do estudante Raskólni- dias. Esta nova versão em língua por- kov, perturbado pelas privações e duras tuguesa das obras de Dostoiévski, cuja condições de vida, é uma das obras por qualidade permite ao leitor usufruir excelência fundadoras da modernidade. plenamente da extraordinária riqueza Pelo inexcedível alcance e profundidade dos textos originais, é da responsabili- psicológica, sobretudo no que implica a dade de Nina e Filipe Guerra. OS ANAGRAMAS DE VARSÓVIA RICHARD ZIMLER Um romance policial arrepiante e soberba- Erik luta contra a sua raiva avassala- mente escrito passado no gueto judaico de dora e o seu desespero jurando des- Varsóvia. Narrado por um homem que por cobrir o assassino do sobrinho para todas as razões devia estar morto e que vingar a sua morte. Um amigo de in- pode estar a mentir sobre a sua identida- fância , Izzy, cuja coragem e sentido de... de humor impedem Erik de perder a No Outono de 1940, os nazis encerraram confiança, junta-se-lhe nessa busca quatrocentos mil judeus numa pequena perigosa e desesperada. Em breve área da capital da Polónia, criando uma outro cadáver aparece – desta vez o ilha urbana cortada do mundo exterior. Erik de uma rapariga, a quem foi cortada Cohen, um velho psiquiatra, é forçado a uma das mãos. As provas começam a mudar-se para um minúsculo apartamento apontar para um traidor judeu que com a sobrinha e o seu adorado sobrinho- atrai crianças para a morte. neto de nove anos, Adam. Neste thriller histórico profundamente Num dia de frio cortante, Adam desapare- comovente e sombrio, Erik e Izzy le- ce. Na manhã seguinte, o seu corpo é des- vam o leitor até aos recantos mais coberto na vedação de arame farpado que proibidos de Varsóvia e aos mais he- rodeia o gueto. Uma das pernas do rapaz róicos recantos do coração humano. foi cortada e um pequeno pedaço de cordel deixado na sua boca. Por que razão terá o cadáver sido profanado? Boletim BE // CRE * Volume 2 Edição 2* PÁGINA 6
  7. 7. AQUISIÇÕES A MÃO DO DIABO JOSÉ RODRIGUES DOS SANTOS A VERDADE OCULTA SOBRE A CRISE. A crise atingiu Tomás Noronha. Devido às medidas de austeridade, o his- toriador é despedido da faculdade e tem de se candidatar ao subsídio de desemprego. À porta do centro de emprego, Tomás é interpelado por um velho amigo de liceu perseguido por desconhecidos. O fugitivo escondeu um DVD escaldante que compromete os responsáveis pela crise, mas para o encontrar Tomás terá de decifrar um criptograma enigmático. O Tribunal Penal Internacional instaurou um processo aos autores da cri- se por crimes contra a humanidade. Para que este processo seja bem- sucedido, e apesar da perseguição implacável montada por um bando de assassinos, é imperativo que Tomás decifre o criptograma e localize o DVD com o mais perigoso segredo do mundo. Numa aventura vertiginosa que nos transporta ao coração mais tenebroso da alta política e finança, José Rodrigues dos Santos volta a impor-se como o grande mestre do mistério. Além de ser um romance de cortar o fôlego, A Mão do Diabo divulga informação verdadeira e revela-se um precioso guia para entender a crise, conhecer os seus autores e compre- ender o que nos reserva o futuro. Boletim BE // CRE * Volume 2 Edição 2* PÁGINA 7
  8. 8. Autor em Destaque Richard Zimler Alguns Dados Biográficos Richard Zimler (Roslyn Heights, Nova Iorque, 1956) é um jornalista, escritor e pro- fessor norte-americano naturalizado português. É formado em Religião Comparati-va pela Universidade de Duke (1977) e mestre em Jornalismo pela Universidade de Stanford (1982). Depois de seformar, trabalhou durante oito anos como jornalista na zona administrativa da Baía de São Francisco. Radicou-se emPortugal em 1990, residindo desde então na cidade do Porto. É atualmente professor catedrático na Universidade doPorto, lecionando disciplinas na área do Jornalismo. Obteve a nacionalidade portuguesa em 2002. Richard Zimler tem publicado vários romances, alguns dos quais se tornaram bestsellers em diversos países, ejá ganhou prémios como o National Endowment of the Arts Fellowship in Fiction, em 1994, e o Herodotus Award parao melhor romance histórico, em 1998. Quatro dos seus romances - Meia-Noite ou o Principio do Mundo, Goa ou oGuardião da Aurora, A Sétima Porta e Os Anagramas de Varsóvia - foram propostos para o Prémio Literário Interna-cional IMPAC. A título da obra «Goa ou o Guardião da Aurora» (Le Gardien de LAube), foi-lhe atribuído o prémio literário Alber-to Benveniste 2009, destinado a romances em língua francesa que se enquadrem no programa do Centro AlbertoBenveniste (Estudos Judeo-Sefarditas). Zimler recebeu o galardão no dia 26 de janeiro de 2009, na Sorbonne.O seu primeiro livro para crianças, lançado em 2009, tem por título «Dança Quando Chegares ao Fim: bons conse-lhos de amigos animais» e ilustrações de Bernardo Carvalho. O seu segundo livro infantil, lançado em 2011, tem portítulo «Hugo e Eu e as Mangas de Marte» e é também uma colaboração com Bernardo Carvalho.Obras O Último Cabalista de Lisboa (Lisboa: Quetzal Editores, 1996, tradução: José Lima; São Paulo: Companhia das Letras, 1997; adaptação para o português do Brasil: Rosa Freire dAguiar) — romance histórico cuja ação decorre em 1506 entre os judeus forçados; as principais personagens pertencem a uma família de cristãos-novos residente em Alfama, cujo patriarca, Abraão Zarco, é iluminador e membro da célebre escola cabalística de Lisboa. Trevas da Luz Meia-Noite ou o Princípio do Mundo Goa ou o Guardião da Aurora À Procura do Sana A Sétima Porta Confundir a Cidade com o Mar Dança Quando Chegares ao Fim Os Anagramas de Varsóvia Ilha Teresa Hugo e Eu e as Mangas de Marte Boletim BE // CRE * Volume 2 Edição 2* PÁGINA 8
  9. 9. Atividades desenvolvidasFeira do LivroRealizou-se entre os dias 26 e 30 de novembro, na Biblioteca Escolar da Esco-la Sec/3 Prof. Dr. Flávio F. Pinto Resende, uma Feira do Livro. A Feira esteveaberta à comunidade educativa em geral e à comunidade local e teve comoobjetivos estimular o gosto pela leitura e pelos livros, promover a divulgação devários géneros literários e autores, proporcionar a aproximação dos leitores aosescritores, facilitar o acesso ao livro e, em particular, às novidades editoriais apreços mais acessíveis e otimizar os recursos e espaço da Biblioteca Escolarao serviço da comunidade educativa.Encontro com o escritor António Mota No âmbito da atividade Feira do Livro, as turmas de oitavo ano participaram numa ses- são com o escritor António Mota, podendo, dessa forma, contactar directamente com o mundo da escrita. O escritor conquistou os nossos jovens com a magia das palavras, proporcionando momentos culturalmente enriquecedores para todos os que assistiram a esta atividade. No final do encontro, houve lugar a uma sessão de autógrafos. Boletim BE // CRE * Volume 2 Edição 2 * PÁGINA 9
  10. 10. Atividades desenvolvidasFormação PORDATAEsta formação realizou-se, na nossa escola, no dia 4 de dezem-bro e contou com a participação de treze alunos e dez profes-sores, dois dos quais da EB2/3 de Souselo. Esta atividade foiorganizada pela Fundação Francisco Manuel dos Santos e aRede de Bibliotecas Escolares, e teve a duração de sensivel-mente duas horas. Baseou-se na exploração, por parte do For-mador, do sítio http://www.pordata.pt/ que contém uma basede dados estatísticos PORDATA, salientando as suas caracterís-ticas, a informação de que dispõe e as suas potencialidades,dando, de igual modo, algumas dicas aos alunos que estejaminteressados em participar no Concurso PORDATA.Exposição alusiva ao DiaInternacional da Pessoa comDeficiênciaO dia internacional das pessoas com deficiência (3 dedezembro) é uma data comemorativa internacional promovi-da pelas Nações Unidas desde1998, com o objetivo de promoveruma maior compreensão dos as-suntos relativos à deficiência epara mobilizar a defesa da digni-dade, dos direitos e o bem estardas pessoas. Procura tambémdesenvolver a consciência dosbenefícios trazidos pela integra-ção das pessoas com deficiênciaem cada aspeto da vida política,social, econômica e cultural.Para lembrar este dia, o Grupo de Educação Especial dinamizou uma expo-sição, na Biblioteca Escolar, alusiva ao tema , entre os dias 7 e 14 de de-zembro de 2012. Boletim BE // CRE * Volume 2 Edição 2 * PÁGINA 10
  11. 11. Concursos CONCURSO NACIONAL DE LEITURARelembram-se todos os alunos que se inscreveram no Concurso Nacional de Lei-tura que a prova da primeira fase (Fase Escola) realiza-se, no próximo dia 8 dejaneiro de 2013, pelas 14.20, na Biblioteca Escolar. Os três me-lhores de cada grupo participarão na fase distrital.  3º Ciclo · Ensino Secundário Projeto “Bibliohertz...de nós para vós!Já se encontram na Biblio-teca Escolar seis tablets edois computadores para po-deres trabalhar, ler, fazertrabalhos, explorar, apren-der e desenvolver os teusconhecimentos. Participa! Boletim BE // CRE * Volume 2 Edição 2* PÁGINA 11
  12. 12. Visita-nos no Facebook Facebook: http://www.facebook.com/#!/biblioteca.secundariadecinfaes?fref=tsVisite-nos em: www.bibblogue.blogspot.comContacto: bibliotecaescolar.sec.cinfaes@gmail.com Boletim BE // CRE * Volume 2 Edição 2* PÁGINA 12

×