Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Idade média - 3º Ano

12,580 views

Published on

Published in: Technology
  • Be the first to comment

Idade média - 3º Ano

  1. 1. Feudalismo<br />Alta Idade Média<br />Baixa Idade Média<br />Séc V Séc XI Séc XV<br />
  2. 2. Alta Idade Média – Séc. V – XIA organização medieval do ocidente europeu<br />Queda do Império Romano Ocidental<br />Insegurança provocada pelas invasões bárbaras, árabes , vikings <br />Inicia-se um processo de ruralização<br />
  3. 3. 1 – CARACTERÍSTICAS GERAIS:<br /><ul><li> Formação e apogeu do Feudalismo.
  4. 4. Período de constantes invasões e deslocamentos populacionais.
  5. 5. Síntese de elementos do antigo Império Romano + povos bárbaros + cristianismo.</li></li></ul><li>2 – OS POVOS BÁRBAROS:<br /><ul><li>Povos fora das fronteiras (sem cultura greco-romana).
  6. 6. Germânicos – principal grupo (suevos, lombardos, teutônicos, francos, godos, visigodos, ostrogodos, vândalos, burgúndios, anglos, saxões...).
  7. 7. Economia agropastoril.
  8. 8. Ausência de comércio e moeda.
  9. 9. Ausência de escrita.
  10. 10. Politeístas.
  11. 11. Inicialmente sem propriedade privada.
  12. 12. Poder político = casta de guerreiros.
  13. 13. Direito Consuetudinário (tradição).
  14. 14. COMITATUS (laços de dependência entre guerreiros).</li></li></ul><li>Elementos feudais:<br />
  15. 15. Não Esqueça<br />Colonato Romano<br />Junta tudo<br />Comitatus Germânico<br />Troca de Terra por PRODUÇÃO e PROTEÇÃO!!!<br />
  16. 16. 3 – O FEUDALISMO<br />Economia: agrícola, auto-suficiente (subsistência), sem comércio e moeda.<br />O comércio era por meio do Escambo<br />Unidade econômica básica: FEUDO (benefício).<br />MANSO SENHORIAL – castelo + melhores terras.<br />MANSO SERVIL – terras arrendadas (lotes = glebas ou tenências).<br />MANSO COMUNAL – bosques e pastos (uso comum) <br />Visão interna da casa dos servos<br />
  17. 17. <ul><li>Sociedade:
  18. 18. Estamental (posição social definida pelo nascimento).
  19. 19. Poder vinculado à posse e extensão da terra.
  20. 20. Laços de dependência pessoal:
  21. 21. SUSERANIA e VASSALAGEM (entre nobres);
  22. 22. SENHOR e SERVOS.</li></ul>CLERO: terra + poder político + poder ideológico (salvação)<br />NOBREZA: terra + poder político (defesa)<br />SERVOS: obrigações (corvéia, talha, banalidades, tostão de Pedro (dízimo), mão-morta, capitação, formariage...) e VILÕES: quase servos, porém com menos obrigações<br />
  23. 23. OBRIGAÇÕES SERVIS<br />Corvéia – Imposto pago em serviço. <br />Banalidades – Pagamento pela utilização de equipamentos e instalações do feudo.<br />
  24. 24. OBRIGAÇÕES SERVIS<br /><ul><li>Talha – Obrigação de entregar parte da produção agrícola ao senhor feudal.
  25. 25. Capitação – Imposto pessoal pago pelos servos
  26. 26. Tostão de Pedro –</li></ul> Dízimo pago a igreja.<br />
  27. 27. SUSERANIA E VASSALAGEM<br />
  28. 28. <ul><li>Política: descentralização;
  29. 29. Ideologia:
  30. 30. Teocentrismo
  31. 31. IGREJA: maior instituição (atuante em todos os setores)
  32. 32. Conformismo, continuismo
  33. 33. Ética paternalista cristã</li></li></ul><li>Maior Instituição MedievalIgreja Católica<br />Teocentrismo<br />
  34. 34. Filosofia Medieval – Alta Idade Média (séc. V – XI)<br />Santo Agostinho (354-430)<br />Obra: A cidade de Deus<br />Subordina a história à vontade divina e estabelece a predestinação<br />
  35. 35. Filosofia Medieval – Baixa Idade Média (séc. XI – XV)<br /><ul><li>Santo Tomás de Aquino (1225-1274)</li></ul>Tomismo ou Escolástica<br />Obra: Suma Teológica<br />Razão e Fé em equilíbrio<br />Livre-arbítrio<br />Condenava a Usura (lucro)<br />
  36. 36. Organização Interna da Igreja Católica<br />Clero Secular – Papa, bispos, padres (ocupavam-se das coisas terrenas)<br />Clero Regular – monges e abades (isolavam-se do mundo em mosteiros, vivendo segundo os princípios da castidade, da pobreza e da caridade)<br />Principais ordens: Beneditinos – Dominicanos - Franciscanos<br />
  37. 37. Não Esqueça!<br />Nobreza Feudal<br />Descentralização<br />Economia Agrícola<br />Subsistência<br />Sociedade Estamental<br />Poder Clerical<br />Cultura influenciada pela Igreja<br />Trevas/Ignorância<br />Religião Cristã<br />Poder do Papado<br />
  38. 38. O Sacro Império Romano-Germânico - SIRG<br />911 – Extinção da Dinastia Carolíngia<br />Fundação do Reino Germânico<br />Por pressão da Igreja, os quatro duques da região (Alemanha, Francônia, Saxônia, Suábia e Baviera)<br />Elegem Henrique da Saxônia (919-936)<br />Oto I (936-973) – Considerado o criador do SIRG (962)<br />I REICH<br />
  39. 39. BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br />1 – CARACTERÍSTICAS GERAIS:<br /><ul><li>Decadência do feudalismo.
  40. 40. Estruturação do modo de produção capitalista.
  41. 41. Transformações básicas:</li></ul>auto-suficiência para economia de mercado;<br />novo grupo social: burguesia;<br />formação das monarquias nacionais.<br />
  42. 42. BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br />2 – CRESCIMENTO POPULACIONAL:<br />Fim das invasões.<br />Maior consumo.<br />Excedentes populacionais expulsos dos feudos.<br />Retomada das cidades.<br />Aumento do comércio.<br />Aumento da criminalidade.<br />Aperfeiçoamento de técnicas agrícolas.<br />Moinho hidráulico, arado de ferro...<br />Busca de mais terras para cultivo<br />
  43. 43. As Cruzadas:a fé, as armas e o comércio(séc. 1096-1270)<br />
  44. 44. Fatores que ocasionaram as Cruzadas<br />Marginalização social – Crise feudal : Cavalaria andante e bandoleiros (servos marginalizados)<br />Trégua de Deus – limitavam os dias que poderiam ocorrer lutas (p/ resolver este problema foram criados os torneios)<br />Afastar os turcos seldjúcidas do Império Bizantino (Turquia)<br />Igreja Católica desejava unir-se com a Igreja Cristã Ortodoxa (Império Bizantino)<br />
  45. 45. Fatores que ocasionaram as Cruzadas<br />Cidades italianas – vantagens comerciais<br />Ideologia – libertar Jerusalém (Santo sepulcro) dominada pelos muçulmanos<br />
  46. 46. O discurso proferido pelo papa Urbano II, na França – Concílio de Clermont<br />""Deixai os que outrora estavam a se baterem, impiedosamente contra os fiéis, em guerras particulares, lutarem contra os infiéis... Deixai os que até aqui foram ladrões, tornarem-se soldados. Deixai aqueles que outrora se bateram contra seus irmãos e parentes, lutarem agora contra os bárbaros como devem. Deixai os que outrora foram mercenários, a baixos salários, receberem agora a recompensa eterna. Uma vez que a terra que vós habitais, fechada por todos os lados pelo mar e circundada por picos e montanhas, é demasiadamente pequena para vossa grande população: a sua riqueza não abunda, mal fornece o alimento necessário aos seus cultiva-dores... Tomai o caminho do Santo Sepulcro; arrebatai aquela terra à raça perversa e submetei-a a vós mesmos..."<br />
  47. 47. As Cruzadas ocorreram de 1096-1270.<br />As Principais:<br />1ª Cruzada (1096 – 1099) – Cruzada dos Nobres (reconquistou Jerusalém)<br />
  48. 48. 3ª Cruzadas (1189 – 1192) – Cruzada dos Reis (acordo entre Ricardo Coração de Leão e o sultão Saladino – permissão para os cristãos visitarem Jerusalém)<br />
  49. 49. 4ª Cruzada (1202 – 1204) – Cruzada Comercial (comerciantes venezianos dominando Constantinopla)<br />
  50. 50. Conseqüência das Cruzadas- reabertura do Mar Mediterrâneo<br />
  51. 51. BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br />– O RENASCIMENTO COMERCIAL:<br /><ul><li>Cidades italianas. (GÊNOVA – VENEZA)
  52. 52. Surgimento de rotas de comércio ligando o continente europeu.
  53. 53. Cruzamento de rotas: feiras.</li></ul> - Champanhe (FRANÇA) e Flandres (BÉLGICA).<br /><ul><li>Retomada da moeda.
  54. 54. Atividades de crédito e bancárias.
  55. 55. Séc. XII – HANSAS ou LIGAS: associações de comerciantes.</li></ul> - Comércio em grande escala.<br /> - LIGA HANSEÁTICA (ALEMANHA) – Mar do Norte<br />
  56. 56. BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br />ROTAS DE COMÉRCIO MEDIEVAIS:<br />
  57. 57. BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br />5 – O RENASCIMENTO URBANO:<br />Retomada do comércio impulsiona o renascimento urbano.<br />Burgos (fortalezas).<br /><ul><li> Burgueses: habitantes dos burgos (artesãos e comerciantes).
  58. 58. Movimento comunal (séc. XI – XIII): libertação das cidades da autoridade dos senhores feudais.</li></li></ul><li>BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br /><ul><li>GUILDAS: associações de mercadores (monopólio do comércio local, controle da concorrência estrangeira, regulamentação de preços).
  59. 59. CORPORAÇÕES DE OFÍCIO: associações de artesãos (monopólio das atividades artesanais, controle da concorrência, regulamentação de preços, estabelecimento de normas de produção, controle de qualidade e assistência aos membros).
  60. 60. Formação de grupo de grandes comerciantes e artesãos que se sobrepunham aos demais, impondo seu poder econômico.
  61. 61. Trabalho assalariado.</li></li></ul><li>BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br />– FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS NACIONAIS:<br /><ul><li>Aliança entre reis e burgueses.
  62. 62. Reis: redução de poderes dos nobres e da Igreja.
  63. 63. Burguesia: unificação de impostos, moeda e sistema de pesos e medidas.
  64. 64. Nobreza e clero: cargos e pensões concedidos pelo rei.
  65. 65. A monarquia francesa:</li></ul>Capetíngeos (987 – 1328): medidas que fortaleceram o poder real em detrimento da autoridade descentralizadora dos senhores feudais.<br />
  66. 66. BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br />Principais Representantes Monarquia Francesa<br /><ul><li>Felipe Augusto (1180 – 1223): exército nacional, conquistas territoriais, controle de subvassalos, concessão de cartas de franquia (maior renda), criação de impostos nacionais.
  67. 67. Luís IX (1226 – 1270): maior poder para tribunais reais, moeda nacional, engajamento no movimento cruzadista (São Luís).
  68. 68. Felipe IV, o Belo (1285 – 1314):
  69. 69. atritos com a Igreja (cobrança de impostos)
  70. 70. convocação dos Estados Gerais (1º - 2º - 3º Estado)
  71. 71. CISMA DO OCIDENTE. - Cativeiro de Avignon (1307 – 1377), </li></li></ul><li>Cisma do Ocidente – 1378-1417<br />
  72. 72. Monarquia Inglesa<br />1189 -1199 – Ricardo Coração de Leão<br />1199 -1216 – João Sem Terra<br />1215 – João Sem Terra assina a Magna Carta (limitação dos poderes do rei)<br />Grande Conselho 1265 – Parlamento<br />1350 – Divisão Câmara dos Lordes (Nobreza) e Câmara dos Comuns (Representantes do povo)<br />Rei + Parlamento<br />
  73. 73. Monarquia Inglesa<br />Guerra das Duas Rosas (1455 – 1485) <br /> Família Lancaster x Família York<br />Henrique VII – centralização monárquica.<br />Dinastia Tudor (mesmo com o parlamento conseguiu governar absolutamente)<br />
  74. 74. Guerra da Reconquista - (718 – 1492)<br />Os Portugueses e espanhóis (castelhanos) expulsam os mouros (muçulmanos da Península Ibérica)<br />
  75. 75. BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br /><ul><li>As monarquias Ibéricas:</li></ul>Guerra de Reconquista (espírito cruzadista)<br />ESPANHA: Reis Católicos: Fernando (Aragão) e Isabel (Castela) – Simples Casamento<br />PORTUGAL<br />Diversos conflitos <br /><ul><li>Dinastia de Borgonha – Reconquista
  76. 76. Dinastia de Avis (1385) – Estado Nacional com aliança da burguesia.</li></li></ul><li>Sacro Império Romano Germânico x Igreja<br />Século XI – Movimento reformista liderado pela oredem de Cluny (FRANÇA)<br />Este movimento desejava moralizar a Igreja, eram contra: *Simonia = venda das relíquias eclesiásticas <br /> *Nicolaísmo = casamento dos padres<br /><ul><li>1073 – Papa Gregório VII (antigo monge de Cluny)
  77. 77. QUERELA DAS INVESTIDURAS (nomeação de bispo)</li></ul>Papa Gregório VII x Imperador Henrique IV<br />* 1122 – Concordata de Worms = Investidura espiritual feita pelo papa / investidura temporal feita pelo imperador<br />
  78. 78. BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br /> A CRISE DOS SÉCULOS XIV E XV:<br /><ul><li>Guerra dos Cem Anos (1337 – 1453):</li></ul>FRANÇA X INGLATERRA<br />Causa Política: Sucessão do trono francês<br />Filipe VI (Dinastia Valois – FRA) X Eduardo III (ING)<br />Causa Econômica: Controle de Flandres (comércio de tecidos)<br />1ª fase – vantagem da INGLATERRA<br />Carlos V (FRANÇA) – recuperação parcial francesa<br />Recuperação francesa: Joana D’Arc + Carlos VII<br />Centralização política da FRANÇA<br />
  79. 79. BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br />Peste Negra (1347 – 1350):<br />Peste bubônica. (proveniente do Oriente)<br />Morte de 1/3 dos europeus (25 milhões).<br />Enfraquecimento dos nobres.<br />
  80. 80.
  81. 81. BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br />JACQUERIES – França<br />rebeliões camponesas.<br />1381 – Inlgaterra - Wat Tyler e o padre John Ball<br />Manifestações de religiosidade contrárias aos dogmas da Igreja Católica<br />Heresia dos Valdeneses (pobres de Lyon)<br />Heresia dos Albigenses <br />(contra a corrupção do clero)<br />
  82. 82. BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br />Baixa Idade Média: Escolástica(São Tomás de Aquino).<br />Harmonia entre razão e fé.<br />Valorização do esforço humano.<br />Livre arbítrio.<br />Clero = orientador moral e espiritual.<br />Liberdade de escolha = concepções da Igreja.<br />“preço justo” – condenação da usura.<br />Arquitetura<br />Alta Idade Média: ROMÂNICA – construção maciça, pesada, linhas simples, horizontalidade, poucas janelas (idéia de segurança e tranqüilidade).<br />
  83. 83. BAIXA IDADE MÉDIA - SÉC. XI - XV<br />Baixa Idade Média: GÓTICA – leveza, graciosidade, verticalidade, grandes janelas, vitrais, luminosidade.<br />ESTILO GÓTICO<br />ESTILO ROMÂNICO<br />
  84. 84. Mudanças no final da Idade Média<br />Política - Nobreza e Clero perdem o poder - Rei centraliza o poder<br />Religião - Decadência da Igreja - Início da Reforma Religiosa (1517)<br />Economia – Capitalismo<br />Cultura - Novos padrões sociais burgueses (filosofia, artes e ciências) - RENASCIMENTO<br />
  85. 85. Características do Renascimento<br /><ul><li>Renovação da cultura greco-romana
  86. 86. Naturalismo
  87. 87. Humanismo (elemento central)
  88. 88. Antropocentrismo
  89. 89. Hedonismo (prazeres mundanos)
  90. 90. Otimismo</li></li></ul><li><ul><li>Berço do renascimento: Itália (Florença, Veneza, Roma, Milão)
  91. 91. Mecenas - apoiavam e</li></ul> financiavam as novas obras artísticas e literárias (os Medici , em Florença;e os Sforza, em Milão<br />
  92. 92. Fases do Renascimento Italiano<br />Precursor - Dante Alighieri<br />Obra: Divina Comédia (crítica ao comportamento eclesiástico, embora ainda apresente influências medievais)<br />
  93. 93. Trecento (anos trezentos) - língua italiana da Toscana - influências medievais<br />Giotto - Precursor do naturalismo (pintura)<br />
  94. 94. Trecento – Anos trezentosLiteratura <br />Francisco Petrarca – “Pai do Humanismo”<br />Obras: Canzonieri – De Vita Solitária – <br />África<br />Giovanni Boccaccio – “Paganismo”<br />Obra: Decameron<br />
  95. 95. Quatrocento (anos quatrocentos) língua latina, influência clássica e bizantina<br />Masaccio (1401-28) primeiro realista da arte renascentista<br />Obra: A expulsão de Adão e Eva do Paraíso<br />
  96. 96. Quatrocento (anos quatrocentos) língua latina, influência clássica e bizantina<br />Sandro Botticelli<br />Obra: Nascimento de Vênus<br />
  97. 97. Quatrocento - O Gênio Absoluto - Pintor, escultor, arquiteto, engenheiro e cientista = Da Vinci<br />
  98. 98. Cinquecento(anos quinhentos) apogeu do Renascimento<br />Nicolau Maquiavel<br />Obra: O príncipe (os fins justificam os meios)<br />
  99. 99. Maior representante do cinquecento - Michelangelo<br />
  100. 100. Tartarugas Ninjas é Cultura<br />Mestre Splinter para homenagear os homens da renascença chamou-os de:<br />Leonardo (da Vinci)<br />Rafael (Sanzio) - Pintura<br />Michelangelo (Buonarroti)<br />Donatelo - pintura<br />
  101. 101. Causas do declínio do renascimento italiano<br />Declínio econômico - Expansão Ultramarina<br />Reforma Católica - Contra Reforma<br />Instabilidade Política<br />Reação contra os humanistas (exemplo: Giordano Bruno)<br />
  102. 102. Expansão do Renascimento<br />LITERATURA<br /><ul><li>França </li></ul>- Rabelais (Gargântua e Pantagruel) <br /><ul><li>-Montaigne (Ensaios)
  103. 103. Inglaterra</li></ul> - Thomas Morus (Utopia) <br /> - William Shakespeare (Ricardo III - Hamlet – Marco Antônio e Cleópatra - Romeu e Julieta)<br />
  104. 104. Expansão do Renascimento<br />LITERATURA<br /><ul><li>Países Baixos - Erasmo de Roterdã (Elogio da Loucura)</li></ul>Espanha - Miguel de Cervantes (Dom Quixote)<br />Portugal - Luís de Camões (Os Lusíadas)<br />
  105. 105. RENASCIMENTO CIENTÍFICO<br /><ul><li>Nicolau Copérnico – Heliocentrismo
  106. 106. Galileu Galilei - defendeu o sistema de Copérnico
  107. 107. Johannes Kepler – </li></ul>Inventor do telescópio - movimento elíptico dos astros<br />
  108. 108. RENASCIMENTO CIENTÍFICO<br /><ul><li>Isaac Newton –</li></ul>Lei da Gravidade<br /><ul><li> Gabriel de Falópio – Trompas</li></ul> do aparelho genital feminino<br /><ul><li>Miguel Servet – </li></ul>Descobriu o funcionamento da pequena circulação sanguínea<br />
  109. 109. CONSEQÜÊNCIA DO RENASCIMENTO<br />EUROCENTRISMO - A Europa como centro do mundo (inferiorizando as demais culturas)<br />

×