Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Triathlon

Triathlon - Arícia Motta Nutrição

  • Be the first to comment

Triathlon

  1. 1. AARRÍÍCCIIAA MMOOTTTTAA AARRAANNTTEESS LLUUSSTTOOSSAA NNUUTTRRIICCIIOONNIISSTTAA CCRRNN11 11440088 aarriicciiaa@@tteerrrraa..ccoomm..bbrr
  2. 2. TRIATHLON  Sprint:  750 metros de natação/ 20 km de bicicleta / 5 km de corrida  Olímpico:  1.5 km de natação / 40 km de bicicleta/ 10 km de corrida  Ironman:  3.8 km de natação / 180 km de bicicleta / 42 km de corrida .
  3. 3.  Dependente do tipo de prova  Dependente do atleta  Profissional ou amador  Capacidade cardiorrespiratória  Nível de treinamento
  4. 4. FISIOLOGICA E METABOLICAMENTE: O QUE ACONTECE DURANTE A PROVA?
  5. 5. A australiana Emma Snowsill ficou com a medalha de ouro no triatlo dos Jogos Olímpicos de Pequim com o tempo de 1h58m27s. Depois de ficar com o terceiro lugar na natação e o quinto no ciclismo, ela chegou com mais de um minuto de vantagem sobre a portuguesa Vanessa Fernandes, número 1 do ranking mundial, que completou a prova com 1h59m34s. A medalha de bronze ficou com a também australiana Emma Moffatt com 1h59m55s. Mariana Ohata, única representante do Brasil na competição chegou apenas com a 39ª colocação com 2h07m11s.
  6. 6. • essencial que o emagrecimento ocorra o mais antecipadamente possível, • a alimentação deve ser planejada para preservar a massa magra,. • durante os treinamentos a alimentação deve repor a energia, os carboidratos, as proteínas, os minerais perdidos. Assim, é essencial uma alimentação rica rica em calorias e em nutrientes.
  7. 7.  A alimentação faz parte do treinamento!  O atleta não terminou de treinar até que tenha cumprido todas as refeições!  Fundamental: é ingerir o alimento certo na hora certa!  Se o atleta chega para o treino com o “tanque na metade de combustível” ele não conseguirá concluir os treinamentos.
  8. 8.  Nenhum suplemento fará efeito caso haja deficência na alimentação;  Atleta que treina bem, compete bem ® alimentação para treinos e reposição pós treinos é essencial para um bom desempenho!  É essencial que se treine todo o esquema de alimentação/ suplementação a ser utilizado no dia da prova.
  9. 9.  EXCESSO DE PROTEÍNAS;  EXCESSO DE AÇÚCARES;  EXCESSO DE ELETRÓLITOS;  EXCESSO DE VITAMINAS.  CURREL, JEUKENDRUP, MSSE, 2008.
  10. 10.  DURANTE OS TREINAMENTOS:  SOBREPESO  INTOLERÂNCIA ALIMENTAR PRÉ TREINO  DIFICULDADE EM CUMPRIR TODAS AS REFEIÇÕES E SUPLEMENTOS PREVISTOS:  DIFICULDADE PARA RECUPERAÇÃO  BAIXA IMUNIDADE
  11. 11. DURANTE A PROVA INGESTÃO DE ÁGUA DO MAR: Mar marolado – atleta amador, natação modalidade + fraca: Líquidos de menor osmolaridade, com < teores de sódio. NÁUSEA, DIARRÉIA causas: ↓ ingestão de líquidos; Ingestão de substâncias que não utilizou durante os treinamentos; Ingestão de carboidratos com ingestão insuficiente de líquidos.
  12. 12.  DURANTE A PROVA  PERDA DA SPECIAL NEEDS:  Pela organização da prova,  Pelo próprio atleta:  Deixa cair,  BCAA que derreteu no quadro da bicicleta.  GARANTIR GÉIS EXTRAS PARA PREVENIR OS ACIDENTES,  COLOCAR TODAS AS SUBSTÂNCIAS NA CARAMANHOLA PARA EVITAR A PERDA DE CÁPSULAS, COMPRIMIDOS.
  13. 13.  Cromo;  Ferro;  Magnésio;  Cálcio;  Potássio;  Cloro;  Carboidratos;  Proteínas;
  14. 14.  Anemia:  Baixa ingestão de ferro – mito da carne vermelha. “alergia” aos verdes!  Bilirrubina indireta:  Hemólise por esforço;  TGO/ TGP/ CPK:  Intensidade dos treinamentos,  Excesso de ingestão de proteínas,  Deficiência no consumo de carboidratos,  Elevada densidade urinária:  ↓ ingestão de líquidos durante os treinos e durante o dia.
  15. 15.  Hidratação:  1mL/ kcal ingerida em repouso;  400-800mL de líquidos a cada hora de treino/ competição;  1,5mL/ kg perdido: ingerir após o treino.
  16. 16.  O que deve conter os líquidos?  Varia com duração/ intensidade/ clima/ individualidade biológica:  Água;  Cloro;  Sódio;  Potássio;  Carboidratos;
  17. 17.  CARBOIDRATOS:  1g/kg/hora;  Mais de 70g/hora – risco de transtorno gastro intestinal;  1 a 2g/kg imediatamente após e 2h após;
  18. 18.  SUPLEMENTAÇÃO  Apenas quando não for possível alimento ou haja necessidade de absorção excepcionalmente rápida;  Fundamental estar associada a adequada ingestão de líquidos.
  19. 19.  PROTEÍNAS: Associar no pós-treino proporção de 4g CHO para 1g de PRO;  Fonte:  Leite ou Whey;  Carnes;  Ovos.  Para hipertrofia a proporção pode variar.
  20. 20.  Durante os exercícios que tenham duração superior a 2horas. Oferecer cerca de 5- 10% da energia necessária;  Fonte:  Whey;  BCAA;  Proteína de colágeno hidrolisado;  Glutamina.
  21. 21.  HIDRATAÇÃO  CARBOIDRATOS  PROTEÍNAS  MINERAIS:  FERRO  MAGNÉSIO  ZINCO  CROMO  SELÊNIO  FLUOR  COBRE
  22. 22.  TMB  EXAMES BIOQUÍMICOS  AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA  FREQUENCIA ALIMENTAR  DIA ALIMENTAR TÍPICO  PLANILHA DE TREINAMENTO  ATIVIDADES DIÁRIAS  HORAS DE SONO: NOITE/ DIA
  23. 23.  Emagrecimento;  Mudança da composição corporal;  Sofrer menos = terminar mais rápido;  Desempenho.
  24. 24. NUTRIENTE GUIA 1989 GUIA 2002 ATLETAS CHO ≥50% VET 45-65% VET MODERADO – 5- 7g/kg INTENSO – 7- 12g/kg PTN 10-15% VET 0.8g/kg 10-35%VET 0.8g/kg 1.2-1.7g/kg (15%VET) LIP ≤30% VET 20-35%VET 20-35% VET *após adequação CHO/PTN 27
  25. 25. EXAME DE TAXA DE METABOLISMO BASAL Tempo VO2/Kg VE Rf FeO2 TMB hh:mm:ss mL/Kg/min L/min 1/min % Kcal/dia 00:00:30 223 6,7 16,3 16,70 1550 00:01:00 179 5,5 16,4 16,78 1248 00:01:30 210 6,6 14,8 16,88 1462 00:02:00 158 5 14,5 16,90 1102 00:02:30 221 6,5 14,6 16,61 1536 00:03:00 202 6,3 15,6 16,84 1409 00:03:30 180 5 14,4 16,34 1255 00:04:00 174 5,1 14,4 16,59 1211 00:04:30 196 5,6 13,2 16,48 1363 00:05:00 185 5,2 14,7 16,39 1291 00:05:30 164 4,7 15,7 16,48 1144 00:06:00 179 5,4 13,7 16,71 1246 00:06:30 193 5,8 11,2 16,70 1342 00:07:00 176 4,7 14,3 16,16 1226 00:07:30 192 5,4 15,6 16,40 1338 00:08:00 195 5,5 15,3 16,42 1357 00:08:30 193 5,5 15 16,47 1342 00:09:00 165 5,4 13,8 17,05 1146 00:09:30 197 6 11,2 16,74 1375 00:10:00 180 4,9 14,2 16,26 1251 00:10:30 185 5,1 15,1 16,30 1291 00:11:00 181 4,9 15,2 16,24 1257 00:11:30 172 5 15,9 16,54 1200 00:12:00 207 5,7 13,7 16,31 1440 00:12:30 202 5,8 14,7 16,50 1405 00:13:00 182 5,4 15,5 16,65 1264 00:13:30 186 5,6 16 16,70 1296 00:14:00 214 6,4 13,1 16,67 1491 00:14:30 211 5,9 14,1 16,38 1468 00:15:00 193 5,7 14,9 16,63 1341 RESULTADO: TMB = 1319 kcal/dia Referências TMB: IOM (2002) = 1198,07kcal FAO/OMS (1985) = 1172,20kcal CONCLUSÃO: O metabolismo apresentou aumento de 13% em relação ao previsto pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Esta alteração estende-se para todas as atividades realizadas, inclusive as de fundo esportivo.
  26. 26. TREINAMENTO REQUERIMENTO DE NUTRIENTES CHO G/ Kg 3-4 horas intensidade moderada/ alta 10-12 90min a 3h intesidade moderada/ alta 7-10 < 1 intensidade moderada/ algumas horas de 5-7 intensidade leve PRO Treinamento moderado 1 Intenso 1,1-1,6 Muito Intenso 1,8-2 CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS – PRO Atleta adolescente 1,8-2 Atleta em restrição calórica 1,8-2 Treinamento de força, fase de treinamento, experiente 1-1,5 Treinamento de força, fase de treinamento, novato 1,6 Máximo recomendável para cargas extremamente 2,2 elevada LIP Moderado 1 Endurance – duração > 4h 1-1,2 Treinamento de ultraendurance 1-1,6 RYAN, M. 2007. 29
  27. 27. 32 UM POUCO DE CAFEÍNA E …
  28. 28.  Trimetilxantina – droga mais consumida no mundo;  Poucos riscos para a saúde;  Rapidamente absorvida pelo estômago;  Doses comuns: 4- 6mg/kg. 33
  29. 29.  Picos de concentrações plasmáticas atingidos em 1h;  Em corridas de velocidade a cafeína contribui tanto em 1 como em múltiplos sprint.  Dose: 5mg/kg 1 hora antes da competição (out 2008). 34 GLAISTER et al. CAFFEINE SUPPLEMENTATION AND MULTIPLE SPRINT RUNNING PERFORMANCE. MSSE, v. 40, n.10, pp.1183-1840, 2008.
  30. 30.  Estimulante do SNC aumenta o estado de alerta, função cardíaca, circulação sanguínea, liberação de adrenalina pela glândula adrenal,  Aumenta a performance:  ­ mobilização de FFA;  poupa o glicogênio muscular;  Reduz a percepção do esforço, aumentando a intensidade.
  31. 31. EFEITOS COLATERAIS: • insônia, tremores, nervosismo; • desidratação. USUÁRIOS: •sem benefícios; INTERRUPÇÃO: •dores de cabeça, fadiga, irritabilidade.
  32. 32. UM POUCO DE REDOX  ROS (reactive oxidative species) promovida por exercícios de intensidade moderada   função contrátil do musculo esquelético  Ativação de vários sinalizadores das cascatas de oxiredução (redox), que promovem a expressão de genes do músculo esquelético bem como da integridade dos mesmos.
  33. 33.  O QUE PREOCUPA?  Atletas que quebram  Consumo 4g de ptn/kg/dia para esportes de endurance.

    Be the first to comment

    Login to see the comments

  • larissybarbosa123

    Oct. 11, 2014

Triathlon - Arícia Motta Nutrição

Views

Total views

1,297

On Slideshare

0

From embeds

0

Number of embeds

146

Actions

Downloads

23

Shares

0

Comments

0

Likes

1

×