Filosofia 2013

588 views

Published on

Catálogo de revistas
http://bibliotecaantoniojosepaniago.blogspot.com.br/2014/03/revistas-da-biblioteca-catalogo.html

Published in: Education
  • Be the first to comment

Filosofia 2013

  1. 1. il ciência&vida
  2. 2. SUMARIO .núme roTB aneiro 2013 ENTREVISÏA Edgar Morin, gue veio ao Brasil pura o lançamento de três de suas obras, fala da impor- tância do diário em sua vida, da complexidade com simplicidade e das fronteiras dos saberes CAPA A facilidade de conseguir um diplom ã, ã ilusão da "compra do conhecimento" e a máqualidade da Educação em geral encontra explicações em uma sociedade cada vez mais mercantilista e corroborada pela crise familiar ESTÉTICA Ainda que a concepção de beleza tenha bases na Antiguidade, conì a busca pela perfeição, as concepções de belo e feio podem ter resquícios no inconsciente coletivo do legado deixado pelas experimentações do nazismo ,l Sucesso a qualquer preÇo mostra a ,;.1, natureza competitiva do homem, de acordo com as ideias de Hobbes, que passa por cima do outro para garantir o seu espaço '' Somos, cad a vez mais, uma porção de :. ,,'' ,r,.:;,:. ,, estatísticas, sendo calculadas por qualquer atitude de nossas ações na internet. Esses dados terão um emprego mercadológico t para estipular preferências e o estímulo ao consumo Com o fim 30a Bienal de São Paulo, Walter Cezar Addeo f az uma crítica sobre a necessidade e o futuro desses eventos. O 1a Encontro da Aproffesp, com a participação de Carlos Cianazzi e o Semìnárìo Nemes sobre Religião e Cultura, na Puc-SP, com Pondé 60:.t'ÊHlavançadas, que abrangem também experi mentos com humanos, os Comitês de Ética em Pesquisa (CEP) e desenvolvem e se especializam. Qual é o cenário brasileiro hoje e como este trabalho está sendo feito? i,,, ' .? Arthur Meucci discute o que ele .,, chama de "mito da iniciativa priracla" desmistificando a ideia da ineficiência do funcionalismo público ":l i ,, A convivência em sociedacle, enr :a,-'' a (_)Lr - I ll ? - no trabalho, nos transfornìanì en. :- -: É dificultam o limite do "eu" : , As fronteiras da physis e tekhne: c(:)ir' .-Ì '., :' técnicas avançadas de cirurgias 1tlá'ti:a= -, que se busca é a imitação, não mais clo huÌ-Ììarìo. :--â: r,iÊ avatares, seres virtuais. Segundo Sloterclijk, este € âlc,râS o resultado do natural projeto eugenista, qLle ocorre lle úì evolução humana e pela universalização clo capital Coopetição: tanto a cooperação quanto a competição, para diferentes fins, são importantes na natureza do homem. Mas, para a vida em sociedade, é fundamental que o homenr concatene esses dois aspectos
  3. 3. I ciÊncia&vida ANO Vll N'79 fevereirs 2013 VINGANçA ou JUsTrçA? A iguatdade específica de HEGEL e a punição como vingança mnrsrÉnro DA EDUCAçAO www. po rta lcie nciaeviòa. co m. b r i BUSCADO íõ L 'lÉ íõ 5çEr-r(lJ :sE'õü :C 00(IJ 9n - 40 - 'Ë -- {E= LhJ : ='tl - :- Z: - a --JÁÁ E.., -=; -g'u+-^r ru J LJ = Z=- ol-r. v= =- - ' =-- jj:í# r., -E-- yr -- -Ê úz:* órsã - : -=-õ'g õ - l.lJ O00 FíDE re 1É N ô.í oôorggrl'' t EQUTLtBRIO i. Para CONFUCIO, speitar a mutação cicto da natureza revitariam as crises A industrialização dOTEMPO LIVRENo lugar do ócio e da reflexão, o descanso é pensado para manter a tógica da alienção e a dedicação ao trabalho, em MARX, FOUCAULTE DOMENICO DE MASI
  4. 4. SUMARIO . núme roTg.fevereiro 2013 CAPA A industrialização do tempo livre: em uma sociedade workaholic, férias e feriados deixam o cidadão alienado e culpado. A diversão vira o do trabalho. A discussão em e Domenico de Masi prolongamento Marx, Foucault ENTREVISTA Márcio Seligmann, um dos maiores estudiosos da obra de Benjarim, fala dos desafios da tradução e de como o filósofo tem sido revisitado na atualidade A indut:e,.:eéc *1El''l;3 - ':: - SOCIEDADE Hegel e a igualdade específica: justiça e vingança se diferem pelo mediador, o juiz. Mas, a punição, nos moldes juríclicos que temos hoje à disposição, não seria da mesma fornra vingança para a vítima? Conr quem o jornalist.r se cot't'tunic.l, de fato? Clóvis de Barros Fillrr-r f.ìZ -, t''ì.ì análise sobre os meios de comut-tic.-tÇãrr e S-,cìS -,-rrrtes "Por que o amor deve ter cLr'-- -.'--.ì cle suas obiecões, uma de sLia> ccì'-: ---: - :iÌcas gu€, citadas por autores como Sterrclh.rl l-: -: --:'ì- fazer dele, o amor, um irresponsár'el?", rì, - -:-. liirio de um filósofo clínico O Cinema é uma linguaqerìr í -, -, : baseada em Sergei Eisensteir- = :'- Bazin, questiona o sentido da linguâe€n' : -r: forma o Cinema pode se comunicar Não à toa, RousseaLl colc-rf r--,., .ì l:'r,=ciacle no centro da conclicão hlt rr-r.ì'-.ì. ausência da comoaixão é unt ,ràrieo rJ.ìIcì a .'.:cl.t ert't--l--- l- *- | sociedade. E quem não se conrpaclece l),.'cle ser "hum ano"?. FILOSOFIA ORIENTAL O pensamento chinês não leva em conta o verbo "ser" e postula que o homem deve se adequar às mudanças e ciclos da natureza em busca do equilíbrio. Para Confúcio, as crises sociais ocorrem porque o homem não segue essa lógica " -"'- I ,' Se aspectos biológicos devem ser levados em conta na hora do julgamento, como fica o livre-arbrítrio? A discussão por meio dos filmes O sol é para todos e Todos dizem eu te amo com base na filosofia de Bacon "i . :'': "Se Deus não existe, por que se preocupar',a :''t"' .,:.,' .:,,: ,, . tanto com ele?". A avalanche ateísta de Richard Dawkins, Daniel Dennett e Sam Harris em contraposição à busca pelas áreas do cérebro que respondem à experiência religiosa. ... ì'. . :''1 .- 1"' ,.,ti.:. | ",'- " .' .- '" : ' i :... ,.' : ,"' t: Entrevista com Francisco Creter sobre o4,11-.;;1ç.;;ji r',' ',:,j ïi I Encontro da Aproffesp, os 70 anos de Cil retratados em exposição no ltaú Cultural e John Heartfield Fotomontagens, no Museu Lasar Segall fr,
  5. 5. t ciência&vida ANO Vll N'80 marçs 2013 www. porta lcienciaeviòa.co m. br íg firú;{J fiÍ- =&Ì .sEffL' 3Ë Ël) c) S-o ferente eDI INTOLERAVELA suposta superioridade faz o homem tratar a dessemelhança como defeito. DERRIDA e FOUCAULT discutem os mecanismos de poder por meio da identidade e do discurso ACRITICADEZIZEK Em nome da sustentabilidade, empresas vendem mais, instituindo uma nova modatidade do consumo sem culpa t APOS AS coMEMORAçÕrS Uma revisão sobrá da obra de ROUSSEAU depois das celebraçÕes dos 300 anos de nascimento M ,X'Jú'uïffiRo FME 1ÉN 04 oôo,*sÌ
  6. 6. SUMARIO' nÚmero BO' marÇo 2013 if, l;:r-.EI l!,' ,ill ITTEF"_-TL,Ll'. I lí_ rl lIÀ(, ,L l. I : T.'-rr^itrE S.,t rt{-)!, trE OLt'.'Etprt F ENTREVISTA trp".iulista em Hans Jonas, J Lilian Codoy fala de como é possível viver uma vida de for- ma mais ética, aliando tecnologia e responsabilidade. E porque isso não acontece liberdade de escolha e também o controle sobre nos. No resultado final, estamos mais livres? i I rt- ti: b n 4 ^ CAPA I ArO ser maquiavélico: I I travestido de máscaras que o impede de se ver um animal, o homem teima em se sentir superior aos demais ou apontar a diferença como defeito. A reflexão em Jacques Derrida e Michel Foucault EXISTENCIA O capitalismo cínico: as ideias do filósofo Slavoj Zizek e do cineasta Sérgio Bianchi para a crítica da tentativa de tirar o peso negativo do consumismo. Consumir - de uma empresa politicamente correta -, providencialmente, torna-se "boa ação", 9ue alivia a consciência e propicia ainda mais consumo il: $r'J ffi fl,-d,,e A possibilidade de robôs simularem sentimentos trazem à consciência a ideia du que não somos especiais. A reflexão com base em 200'1, uma odissei a no espaço p$ *"_fl"3 ruffi Ë $ e g3$_*. e* # Fd"r *: Mundos possíveis de Saul Kripke: seriam eles apenas uma entidade lógica e matemática ou um mundo paralelo? E quanto aos ambientes virtuais? Onde se situa a dor nesses mundos? Onde está a linha divisória para eles? w.rffi .# $3&W& reffiS**ffi"i-lffi üdru-ru .d& Reality Shows como rituais de tortura, **# ffi Circuitos Cruzados: o Centre Pompidou encontra o MAM, o adeus aZanini, primeiro diretor do MAC (USP) e a poesia como espelho GRANDES NOMES O naturalismo de Jean-Jacques Rousseau: a obra do filósofo revisitada depois das comemorações dos 300 anos de nascimento do filósofo, QU€ aconteceu no ano passado '&ç?ì{tÍ.$f{:ìJi',*rrr :"":Ì!r .,,,jï O envelhecimento: se na antiguidade ,,,,otu,1,u',,n',,, e na cultura oriental a sabedoria da;l- maturidade é valorizada, a velhice, em nossa sociedade, é vista como um grande problema a ser evitado e protelado com exercícios, plásticas e cosméticos ,;,çr,p1 +'f € 1 i: :' ,': .'.',' -' -{:--*-. A depressão como estímulo à vida. sr r'*"s*ìrJffir*ì Há quem diga que apenas na depressão conseguiu acessar sentimentos que o fizeram sentir vivos, no consultório de um filósofo clínico *ÈÍìl:r-ì$i.11r.:.l.-:.lii....Ì.]'i..;...'. ;:: Ì*i " ' Copérnico, Darwin, Freud e o ,s:Íi:ì 'qo * golpe que abalou o regime de exceção que nutria o narcisismo. O eu não é senhor em sua própria casa. Mas depois de Lacan, o inconsciente antes de ser um fato psíquico é um fato linguístico : O balanço das liberdades humanas: neste último século aumentou a nossa
  7. 7. W ciência&vida
  8. 8. SUMARIO .número Bl 'abriL 2Ol3 ENTREVISTA Maria Cistina Müller, esPe- cialista em Hannah Arendt, fala do pouco espaço q ue airrcla é destinado à mulher. Ela aborda também de que forma os estudos da filósofa podem ser aPlicados na Política atual CAPA Perseguidos para gostos e intenções. Esse fato é e será usado futuramente para que grandes empresas nos ofereçam serviços. A discussão em Heidegger, Capu tro, Kronenberger e Floridi ': O lançamento de O caPital, de Marx, .'ì , pela Boitempo, os diversos eventos que acompanharam o lançamento com Slavoj Zizek e David Harvey e entrevista com Rry Braga. Carranchos, textos selecionados de Craciliano Ramos, pela Record i:ì -, Flávio Paranhos fala sobre Etica - e sobre / c' ouê qe en a aula de Etica -, Q que se ensina em umi utilizando o filme de Kieslowski Não levantarás falso testemu nho, presente em sua obra baseada iìos Dez Mandamentos I ::.; ''*', ,ji Diante da renúncia de Bento XVl, João ., ..tÍ ,:i,-',,.:.:: Teixeira relembra o conto ficcional de Robert Silverberger, em que um papa robô é eleito durante um conclave. E a discussão sobre máquinas no lugar de homens para profissÕes insalubres , E A;ii:"'.il,:::dac.r' J a rente existencialista, basea- dos nas ideias de Kierkegaard, abordam um "existir" que nunca se conclui, não se objetiva, e acontece no devir RELIGIÃO A crítica cle Lev Tolstoi ao esta- blishment cristão, clue clistorce a religiosiclacle, está oltosta a Cristo e favorece a violênci.t e o ódio O fim clo cliplol-ììiì [Jcìra jortr.llist.ìS pocle sigrrificar Lllìì â'cìl'ìç() rìa llttsc.-t por dribles cla falta de esltaço J)âl'c'ì a criatir iclacle oLl irrovações cle estilo clLte os valores eticos cl.t 1tr, rfissão pautanl para si nìestlìos Da.irea cla saúcle, 1tass.ìtìcl(-) i)eia EclLrca- ção e a família, o llleclo hoit':.,2 ll.rrte cle( u ma ind ústria rentável, rro corìsurltó rio cle -i rrì f i ltisofo clínico, baseaclo enr Bertratrcl Rltssell e Pa:t.ìl - ^ .^^.-.'--^^:^ -l-- D^.-+^ /'1. ì 'ìi,r--ra/ì/- A renúncia cle Bento XVI: .ì [)ersi]t'cttva ato clo antigo [)ontíf ice e aS possír eis c(,)rì>eC]Liertcias furturas Jlara a igreia Corrtra o que cliz Fottcaltlt, Retrato Janine Ribeiro allorcla.r cltrecla cla pena de morte clo ntunclo que, SegLltrclo ele, rellresenta u nla evolurção civilizatória Iflqrsa
  9. 9. I ciência&vida ANO Vll N'82 maio 2013 www. po rta lcie nciaeviòa.co m. b r FME lr"' lÉNÒ< oêo,"P* t " .i'LUKACS i' ,:. .. .CONTRA HEGEL O resgate de umT rnarxismo com base " !: :ji:r " no, ser,sociat e naturat . .. .ì''-,- iiti1..+:fl ,', 'r'".,, PODER .I1ççONTESTAVEL ',firasiteiros remetem os potíticos ao absotutismo defendido por Hobbes e Maquiavel Os gregos já utitizavam para ensinar a refletir. Para nenÁCLFO e NIETZSCHE eles seriam uma fuga da moralidade e das regftts sociais. Mas o conceito tem se deturpado na modernidade... rõ 'r fira3(JfrL Fal .sEõL,l n6 G, S-o
  10. 10. SUMARIO . núme ro 82. maio 2Ol3 ENTREVISTA Os estudos póstumos de Nietzsche apresentam nova metodologia em obra de Paul van Tongeren. O tradutor da obra de grande referência para o estudo do filósofo, Jorge Luiz Viesentei- ner, falou para a revista Filosofia CAPA Antes alvo de estudo, apren dizag€ffi, fuga da moralidade e das regras sociais, hoje a disputa a qualquer preço e a competição sem critérios transformaram o lúdico dos jogos e a competição saudável na realidade da Má Eris Mostra de Cao Cuimarães, no ltaú Cultural, entrevista com Bruno Berlendis sobre a coleção Filósofos na sala de aula, e o PNLL, que passa a ser comandado por José Castilho Marques Neto utonomia kantiana e autonomia bioética: qual é o limite desses parâmetros para pacientes com distúrbios mentais? A discussão no documentário do psiquiatra Lourival Belém Jr. A guerra cibernética: a internet, distante de ser um ambiente seguro, sofre diárias invasõeS, Que têm intenções financeiras e políticas. A solução para o colapso de um serviço que já se encontra sobrecarregado é inversamente proporcional à segurança da rede l- ^ FlLosoFlA LLPoLtflcA ,-r, I Orenascimentodo marxismo proferido por Lukács leva em conta o ser natural e social e entra em conflito com as ideias dialéticas de Hegel SOCIEDADE O Leviatã cla política brasileira: o inconsciente coletivo do brasileiro acredita em Lrnìa figura forte e incontestável, que não pode ser destituícla. Algo que pode nos leml-",rar as teses de Hobbes e de Muquiavel sobre o soberano Ou problemas dos traltallros ric,-,-,nclusão de curso em universiclacles [].lrtic-. iares "de massa". Baixos salários, forrlação clLi€ Sc tornou mero adestramento para o Erracle e ,., il.ìit) desenvolvimento escolar e acadêmico clits .-ìi-r r(-rS Alguns fatores atenuanl as clúr€-. existenciais, conìo errtencl i rlerrtr-r Ê insensibilidade. Mas há como separar cartesiarrarlente dores físicas e mentais? Qural a difererìca cla cjcrr rl€ cicatrização da dor de um ferinrento recente? Como grande forma de trarrsnritir informações, a fotografia reflLrqrì -i'-i e depois conquistou Baudelaire e foi alvo cle estlicl,t cle filósofos como Vilém Flusser e Roland Barthe: Quanclo se comparam os lronrerìs as socieclacles animais, conro iizerailì alguns filósofos, acaba-se por clescobrir as fracluezas lrunranas e o desregramento de nosso cultura
  11. 11. #. t ciência&vida www. porta lcienciaeviòa. com. br .s g€.rt Í- FoJ _: ==:aE : ET i !!!!!!Ën. o ï -- oo-c4 'i5' ? : --s5:; ãsE ^=E- -i.': -yT-: I Si.l=É-- ;= a z - tõË'5a,ü Mf;ËË .i' **íF Ì + NAESTRADA O conceito de ' diferença a partir de ponderaçÕes t i te rá ri o-f i tosóf i cas entre KEROUAC E DELEUZÊ OLADOB RUSSELL e os matefícios das tecnociências para a sociedade à ANO Vll N'83 junho 2013 TROCAematé30 dias? A facitidade da mudança de parceiro em um primeiro sinal de descontentamento descortina a fragilidade de vínculos e o trato do relacionamento como mercadoria. Ref lexões acerca deBAUMANePLATÃO urnlsrÉnlo trâ EDUCÂçâO 1ÉH a.ç o+s1Btç= & *, ** '* *s"
  12. 12. SUMARIO . número 83 . junho 2Ol3 ENTREVISTA O filósofo pop: com filmes, óp"ras e nome de banda em sua homenageffi, Slavoj Zizek falou à Filosofia durante uma visita ao Brasil em março. Ele abordou Chávez, o Bolsa família e seus projetos futuros CAPA O medo de amar, em nossa sociedade individualista, deriva do medo de sofrer. Cada vez mais as relações pessoais estão equiparadas às de consumo. Essa forma egoísta de se relacionar não abre espaço para que se vivencie o amor Cai Cuo-Qiang - Da Vincis do Povo no CCBB; Edgard de Assis Carvalho fala sobre Edgar Morin no Palas Athena, effi São Paulo; Odorico Tavares; o centenário de Rubem Braga O que é a culpa essencial d" que nos fala Martin Heidegger? Por que uns a sentem e outros não? A relação entre a culpa e a indignação em Ernst Tugenhadt e o Macbeth de Kurosawa Thomas Nagel: entre "Darwin s", memes e "o que é ser um morcego", o filósofo americano critica a Teoria da Evolução e abre espaço para novas interpretações sobre o início de nossa h istória l- Â TEcNoLoGIA ^ì L|ldeais humanitários de ,*r, I Russell nos alerta para o fato d" que avanços tecnocientíficos apresentam resu ltados ambivalentes em nossa civilização. Aqueles que detêm a tecnologia exploram aqueles que, de alguma forma, dela necessitam, fato este que agrava a desigualdade social e os impactos ambientais LITERATURA A evolução a-paralela entre a filosofia de Deleuze e a prosa delirante de Kerouac elucida como o conceito de diferença é fundamental para gue, a partir da singularidade, se compreenda o universal A codificação da mensagem iornalística e os efeitos produzidos naquele que a recebe. A busca pela imparcialidade e pela informação desprovida de adjetivações pode não ser alcançável, mas existem interesses escusos nas técnicas, no estilo e no gênero O que é a velhice? Ela é passageira como a juventude? Como saber quando somos velhos? Acomete a todos que vivem muito? Reflexoes no consultório de um filósofo clínico Em tempo de hostilidades e ódio por toda a parte , a filosofia chinesa questiona: será que no lugar de clamar por igualdade, não deveríamos pedir e incentivar a harmonia entre as d iferenças? Simulacro e peculiaridade: se mesmo os animais podem mentir, somente o homem usa do subterfúgio para criar mundos de ficção e para agregar a ele novos e belos atributos í t xffit:ls* í'ë I:Fi'I :, iii i , : ìi,1 PW
  13. 13. www. ps rta [c ienciaeviòa.co m. b r ü ciência&vida l$.C ãÍ6 *HFqJ '- t- .sb<,,: qp ==- ú" -: íSn : iE -.- Ë tU :t'v- ---=^ rrrl = oo-cl tË H ''-'ì.r_ - ^ - '-s:--, r,,a- '*, Y-= írt - ;ì - Y-:* E "l.*;tE--- J: y Ç->_ .o E p = efi-r- íõ E - - an u:t z ..ËõE {$acuara!== Para a construção de UMNOVOHOMEM MACHADODEASSISe NIETZSCHE, com seus respectivos "su per-homens", defendem a revisão dos valores e o abandono de fatsos moralismos ANO VII N" 84 jutho 2013 MINISTERIO DA EDUCAçAO iÉN ô{
  14. 14. SUMARIO .número84. jutho 2ol3 Eec=..-Lr nÌ{O1rQ F0ã, G'- t :.:- -r ENTREVISTA Ceraldo Horn, QU€ estuda aspectos da aplicação da disciplina de Filosofia no ensino médio, fala nesta entrevista do que funciona e dos passos que ainda não foram dados CAPA Preguiça, sem culpa. Tanto para Nietzsche , , quanto para Machado de Assis, com portamentos considerados negativos e indesejáveis - como a preguiça, a inveia e a crueldade - seriam apenas manifestações humanas necessárias que não deveriam ser evitadas ou condenadas A pinacoteca de São Paulo com Seis sécu/os de pintura chinesa, Craciliano Ramos na Flip e o evento com Lula e Marilena Chaui para marcar o lançamento da Boitempo Editorial Devemos quebrar um sigilo profissional para que não sejamos acusados por um crime que não cometemos? O rei do suspense, Alfred Hitchcock, nos leva a refletir sobre questões acerca da Ética profissional a partir de seu filme I confess, de 1953 ::"" A':fi : "'"1.ï ï l: ï "',ï:'ï: ; :ï":ï entre a teoria de Charles Darwin e as ponderações do filósofo britânico Colin McCinn l- Â ctÊNctA ArHobbes utiliza premissas ,r-, I da Ciência Moderna .W,W'. na formação de seu pensamento filosófico, como a associação do princípio da inércia à conservação da identidade EXISTÊruCIA O tempo para orientais e ocidentais: os relógios são apenas uma marcação do tempo. Não se pode capturá-lo, sua fisicalidade não existe. Só temos acesso a ele indiretamente por meio cle sua captação em relógios e calendários O avanço da tecnologia médica favorece a cura de doenças e o prolongamento da vida, porém, levado ao exagero, pode f azer conl que o sofrimento seja adicionado ao que se proprle ser um benefício Lúcio Packter explica que aquilo que enxergamos como o reverso das situaç,-,res sofre influências inconscientes e sociais e faz c(-)nr que o verso e o reverso se misturem em uma conrplea teia que coabita nossa mente Poupar as crianças da morte ou dr-, conceito de morte achando que sãr,r muito pequenas para entender não é o icle.ìl p.lr.t que cresçam sem medo Honra é uma qualidade que não tta.t.t por si só. O sentimento de honra lerà cìi pessoas a buscar e também a manter a consideraçã,-l pública, mas não basta ser honrado... É pteciso que todos saibam que és honrado
  15. 15. www. porta lcienc iaeviòà.co m. b r ü ciência&vida Para a construção de POLíilCO, MASCIENTíFICO O mecanicismo que permeia as reflexões de HOBBES rÏíflSPENSE E ËTICA tffiitchcock e o sigilo' prófissional, U''..,.NOVOHOMEM MACHADODEASSISe NIETZSCHE, com seus respêgtivos "super-homens", defehdem a revisão dos valo 'eoabandono de falsos moralismos ANOVII N" 84 jutho 2013 {ett o"
  16. 16. SUMARIO . número B 4 - jutho 2Ol3 Íffirls-. ffi-6ç-. |@-,w tur't*ã tla ENTREVISTA Ceraldo Horn, QU€ estuda aspectos da aplicação da disciplina de Filosofia no ensino médio, fala nesta entrevista do que funciona e dos passos que ainda não foram dados EXISTÊruCIA O tempo para orientais e ocidentais: os relógios são apenas uma marcação do tempo. Não se pode capturá-lo, sua fisicalidade não existe. Só temos acesso a ele indiretamente por meio de sua captação em relógios e calendários O avanço da tecnologia médica favorece a cura de doenças e o prolongamento da vida, porém, levado ao exagero, pode fazer conì que o sofrimento seja adicionado ao que se propoe ser um benefício Lúcio Packter explica que aquilo que enxergamos como o reverso das situa,:,-,e= sofre influências inconscientes e sociais e faz ccrn' qre o verso e o reverso se misturem em uma complera teia que coabita nossa mente Poupar as crianças da morte ou do conceito de morte achando que sãr,, muito pequenas para entender não é o ideal 1t.rr.t que cresçam sem medo Honra é uma qualidade que não ba=t.r por si só. O sentimento de honra ler â cìS pessoas a buscar e também a manter a consideraçãrt pública, mas não basta ser honrado... É preciso que todos saibam que és honrado 64 4 A CAPA I /JrPreguiçu, sem culpa. I I Tanto para Nietzsche , , quanto para Machado de Assis, comportamentos considerados negativos e indesejáveis - como a preguiça, a inveia e a crueldade - seriam apenas manifestações humanas necessárias que não deveriam ser evitadas ou condenadas l:,i:;:"r, -, ï,:ï,: ;:ff:; Ramos na Flip " o evento com Lula e Marilena Chaui para marcar o lançamento da Boitempo Editorial Devemos quebrar um sigilo profissional para que não sejamos acusados por um crime que não cometemos? O rei do suspense, Alfred Hitchcock, nos leva a refletir sobre questões acerca da Ética profissional a partir de seu fitme I confess, de 1953 São fatores biológicos ou culturais que nos fazem sentir nojo? Uma reflexão proposta entre a teoria de Charles Darwin e as ponderações do filósofo britânico Colin McCinn l- Â clÊNcrA ^ì /J-Hobbes utiliza premissas r, I da Ciência Moderna W,#..^ na formação de seu pensamento filosófico, como a associação do princípio da inércia à conservação da identidade
  17. 17. t ciência&vida
  18. 18. SUMARIO . número 85 . agosto 2013 ENTREVISTA Especialista em Filosofia e Teologia, Everaldo Cescon fala sobre a possibilidade de uma via de mão dupla entre a Religião e a Ciência e defend" q ue razão e fé são aliadas na busca pela verdade CAPA Multidão e violência: os atos violentos que têm ocorrido durantes as manifestações populares no Brasil analisados em termos do antagonismo entre os interesses da população e os interesses do Estado Lucien Freud, no Masp, a palestra de Vladimir Safatle e o destaque que a Flip deu às manifestações, e o Congresso da Sociedade Interamericana de Filosofia, em Salvador Como se mede a culpa de um ato praticado por muitos? E qual é a responsabilidade de alguém q ue escapou de u m campo de concentração? A reflexão em Hannah Arendt e a peç alfilme fhe man in the g/ass booth O difícil meio termo entre a liberdade da rede e atos criminosos para controle do Estado. O papel da internet nas mobilizações l- Â soclEDADE ) +::ï:i,:,ï,J":' ocorridas em todo o Brasil podem ter influência de uma reprodução dos memes positivos nas redes sociais. Uma análise a partir do pensamento de Daniel Dennett r ^ EXTSTÊNC|A b +:#ïï:ï;,", cad a vez mais individualista e alienada, segue seu curso em constante busca pela estabilidade emocional e pela realização de seus desejos A liberdade deliberativa da notícia e os códigos de ética do Jornalismo: a perigosa escolha por temas e formas de noticiar os fatos remete à censura e aos tempos da ditadura Toda resposta é uma parte indissociável da pergunta que a motivou. Espera-se que ela indique um canrinho, uma solução, tal como um oráculo dos tempos antigos A Teoria das Pulsões, de Freud, mantém uma tensão entre mito e Ciência na Psicanálise. A pulsão seria uma espécie de mitologia moderna, algo situado entre o corpo e a alma Don Juan, o famoso personagem literário q ue conq u ista todas as mulheres mas não ama nenhuma, ilustra a diferença entre honra, dos templos clássicos, e honradez, dos dias atuais
  19. 19. I ciência&vida ANO Vll N'86 setembro 2013 www. portatcienciaevi òa.com. br ffi T.#G E apóÈ,ea-' daWcorno avaIiara t o,têcnocientíf',,1 úô9m maiores q uê]p- Í.€i@F? O h dasituação? Em BACON e HANSJONAS MINI$TERIO DA EDUCAçAO FN'E KIERKEGAARD, BtcENTEnÁnlo Atemporal, o filósofo d i namarquês taz Fi losofia com a sutileza tíPica de um titerato DAOíSMOE coNFucloNlsMo Seria possível um desprendimento total? 1ÉN 04 oôo,"st íc í6 r(J .4ro ËFT -r (l) .q .9 9-o FE ào oE oN ,gE Eo- E€ó5 Fo =o.q,E íú o)+t .!Q s, c, íõL() íú iF tã'gui oI) OI w- - -t^ lEo Eo oo-er'l ---r ('/-(^t- -,à'-qv1- r- c)-^ w-^^ --(ÃJ - t'7-é ã-F- wl-' CD-t â'
  20. 20. SUMARIO .número 86 .setembro 2Ol3 ENTREVISTA Domingo Carcia Marzâ, professor catedrático de Etica Empresarial na Universi- dade Jaime I de Castellón, na Espanha, explica a importância da Ética nas empresas para o desenvolvi mento econôm ico, social e ecológico CAPA Hoje, mais do que nunca, ser humano significa ser tecnológico. Essa nova Era, segundo diversos filósofos da Ciência, como George Kneller, Edgar Morin, Hans Jonas já apresenta sinais nefastos para as sociedades pós-modernas . Os mestres do renascimento no CCBB (SP), Dalí: a Divina Comédia naCaixa Cultural em São Paulo e entrevista com Francisco Bosco, participante do Mutações, evento do Sesc Flávio Paranhos aborda as dicotomias na .i incorreto, obra de Warren Beatty. A verdade é relativa? A biblioteca e o tom revisionista de Borges Filosofia da Mente e a inteligência artificial 54 FILOSOFIA ORIENTAL Convergências e divergências entre a ,i ! ''--ilr' i,'it-r r.r ': .|' :r[ti Ir LITERATURA A Filosofia não poder ser um sistema especulativo, mas sim um diário íntimo da existência singular e irrepetível. Kierkegaard propõe reflexões filosóficas acerca de emblemáticas f igu ras literárias Os aspectos sociais que condicionanr o casamento. Nietzsche, Bordieu e Kierkegaard e as formas otimistas e pessimistas de se pensar o matrimônio Erros e acertos: o trabalho da Filosofia Clínica para diferenciar esses aspectos. Os antagonismos, por exemplo, quando se fala em erro quando consideradas arazão e a emoção O desejo como âncora que unifica as dinâmicas mediadoras das novas fornras de vida do mundo pós-moderno A palavra de hon ra jâ não tem o mesmo valor. A honra pré-moderna tinha o sentido bem diferente da honra burguesa atual ação osocial radical do confucionismo e desprendi mento absol uto daoísta çfr
  21. 21. W ciência&vida www.ps rta têie nci aeviòa, co rn. b r ,: , ,: ' : ,, N" 87
  22. 22. SUMARIO . número 87. outubro 2Ol3 ENTREVISTA Elnora Lima, professora da UFPI, elucida a impor- tância da teoria rawlsiana para pautar debates sobre proble- mas atuais e concretos, como a Educação, o aborto e a justiça como equidade CAPA A sociedade contemporânea prefere ignorar a morte do que falar abertamente sobre o tema, mas a questão da finitude nem sempre foi um tabu. Uma análise pautada na filosofia de Heidegger e de Ortega Y Gasset A 1a Bienal Masp Pirelli de Fotografia, em São Paulo, a libertação animal abordada por Peter Singer no Café Filosófico da CPFL e Paulo Werneck como novo curador da Flip A justiça só atende os que têm poder? A exposição sobre a fragilidade de um dos pilares que sustentam o Estado democrático em lese sobre um homicídio. Dennett, Eagleman, Libet e a discussão sobre o determinismo. Somos apenas marionetes de nossos cérebros? F ^ soclEDADE LLO teólogo e filósofo ,-r, I espanhol lgnácio Ellacuría desenvolveu relevante reflexão sobre o papel da Filosofia nas relações humanas em vista da promoção da dignidade do ser humano I FOTOGRAFIA As fotos não são apenas registros miméticos do real mediados por um instrumento tecnológico, mas, antes recortes subjetivos codificados em uma linguagem específica que representará a realidade percebida. A representação de seu significado pode suscitar muita reflexão filosófica O comunicador tem liberclacle para decidir o que é notícia? ,s justificativas inexoráveis para as ações de meios cle comunicação Muitas pessoas senteu'ì-se devedoras reféns de seus passados. Seria possível modificar o passado com atitudes do presente? 3'fiï : ï' ff J;: :,',:: ffi :ï;ï'*, Das tecnologias do século XlX, como o surgimento da energia artificial ao Facebook, há formas diversas para utilizá-las com criatividade. As recentes manifestaçoes foram uma delas rruitr -** re"
  23. 23. ANO Vll N'88 novembro 2013 ciância&vida www. porta [cienciaeviòa.co m, b r ü,4 ocffi :: !F,n mO :==o C€-cÕ ' r-( I ôl- ^ ^-!ì c0 '-: ryOE- Õ oo-J IY -Èr+E_ ã(nEt Z. o ffiffiffi
  24. 24. SUMARIO . número BB . novembro 2Ol3 : ENTREVISTA Cassiano Terra Rodrigues, em sua diversidade de estudos acadêmicos, discute a pesquisa e o ensino da Filosofia no Brasil e afirma que o pensamento crítico não pode ser estimulado por imposição CAPA Os meios de comunicação têm grande poder para influenciar nossos comportamentos. Analisaremos de que modo tal influência pode vir a nos transformar em uma "sociedade do espetáculo". Em Platão, Lipovetsky e Debord Sebastião Salgado, no Sesc Belenzinho, em São Paulo, entrevista com Flávio Paranhos, sobre o livro com as colunas de Cinema que produziu para a revista Filosofia, e Valter Hugo Mãe e Tony Belotto no Pauliceia Literária Cinema, Literatura e imaginação: será que as adaptações de obras literárias em filmes são capazes de empobrecer a nossa imaginação? De acordo com o colunista Flávio Paranhos, "depende" Seria essa uma nova fase nas relações entre o homem e o mundo vegetal? Estamos presenciando o início de uma nova Ética a ser ainda debatida e compreendida, mas que já demonstra a inclusão das plantas dentro de nossa comunidade moral Ì- A HERMENÊulca [Em comemoração ,.t, I aos 150 anos da obra Introdução às Ciên cias Humanas de ,, Wilhelm Dilthey, revisitaremos a originalidade de seu pensamento e CENTENÁRIO Uma análise literato-filosófica do absurdo existencial na obra de Albert CamuS, gue completaria 100 anos em novembro A degradação du qualidade ambiental nítida na maior parte dos espaços públicos brasileiros, em especial das grandes capitais, é ref lexo da nossa imaturidade altruísta gue, privilegia o bem particular em detrimento do bem comum A retomada da importância de conersar e A an Poe ïi :il:::ï;:il:: ï:ÏI ï::l;i: meio de nossas intuições? Seriam anjos seres clLre inspi ram, sugerem e orientam sutilmente? O mistério da esfinge, de Édipo a Nietzsche: uma reflexão sobre o nrundo trágico, constituído na Crécia Antiga, que teve seu declínio justamente a partir da criação cla F i losof ia soc rática Tecnologia, entretenimento e c/es rgn: dedicados a espalhar ideias criatir,'as e inovadoras, os TEDs podem ser uma nova ntaneira de pensar os problemas sociais sua efetiva contribuição para a Filosofia
  25. 25. t ciência&vida www.portatc to o IM N( s rll lll L :H AI tc T,.. ll A TE' N F ANO Vll N'89 òezembro 2013 lrilxlsrÉnrQ DA EDUCAçAO 1ÉN o{ oâorB,aF HANNAHARENDT De Eichmann em Jerusalém à frivotidade da violência no Brasil O Natal foi dissociado de seu objetivo primordial para se transformar em um joguete da ideologia de consumo. Em KARL MARX e ERICH FROMM FOUCAUUT, POR NIETZSCHE A influência decisiva no pensamento do fitósofo francês FN}E
  26. 26. SUMARIO . número 89 . dezembro 2013 FETICHISMO i NATALTNo.S---- tr-r-.-:ln-:É-?-ç-4 ìfft.'-ì'iÍ ^ HERMENEUTICA /JrA apropriação de I d iversos elementos do ENTREVISTA Hugh Lacey fala sobre a relação entre valores e atividades tecnocientíficas, que se friccionam e se estimulam, provocando as centelhas que transformam, mas que também conservam o que é digno de ser resguardado .l CAPA De que maneira o Natal passou de celebração religiosa à data mais importante do comércio? A profanação dos valores sagrados pela lógica capitalista em Karl Marx e Erich Fromm De acordo com Clóvis de Barros Filho, a democratização da infornração colaborativa é apenas u ma fachada do fascismo virtual imposto pela Wikipédia, maior enciclopédia em língua portuguesa disponível na internet Seguimos um modelo que nos é oferecido por aqueles que um dia foranì nossos responsáveis? Ou nossa orientação existencial se dá de forma aleatória? A seletividade que perpassa nossas escolhas determina quem sonìos lmanência x transcendência: qual caminho devemos seguir ltara alcançar u ma vida melhor? O especialista enr cu ltu ra ch inesa And ré da Silva B ueno aponta h ipóteses pautadas no Confucionismo, flo Daoísnro e no B ud ismo Recontextualizando afortuna e a virtú, Janine Ribeiro, em defesa de Maquiavel, aponta que, para o filósofo florentino, nem sem pre "os f ins justif icam os meios" pensamento de Nietzsche permite a Michel Foucault construir, de forma autêntica e autônoma, a sua própria Filosof ia i', ' ,;,,,,"' ,:..',, ï. O MIS apresenta Stanley Kubrick em -,,,.,,,'i' uma expografia inédita na América Latina, entrevista com Maria Cecília de Almeida sobre a I Jornada de Filosofia Política da UnB e Millôr Fernandes, o homenageado na Flip de 201 4 ",-' .,' O filme A caminho de Kandahar de ïi;, ''" .. .,.rilii ,,;;:,.'1:.::.;i; Mohsen Makhmalbaf é o pano de fundo para a discussão sobre a possibilidade do agir ético e moral em relação àqreles que não f azem parte do nosso gru po de afin idades , l: :,to, l: ' ,, :t"":' i.', , ou são apenas resu ltado da interação de nossa visão com os objetos externos? U m debate sobre a existência e a n atureza dos qualia, bem como seu importante papel na Filosofia da Mente f- ^ soclEDADE ) +l:[:,;:ï:::,i; ou da violência nossa de cada dia, Hannah Arendt alega que o fundamento da banalidade do mal não tem como pano de fundo a "mdignidade". Somos capazes de cometer inimagináveis atrocidades sem qualquer motivação maligna Â6núdc quc tem mcdô? bb*F*-- &Êú--- Mcdo c PolÍticr O---dò4 ad&âl*

×