Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Newletter da Esposende Ambiente - Nós por cá, Ed 2

344 views

Published on

Artigo publicado na newsletter da Esposende Ambiente, retrata a missão da SEPRI na partilha de conhecimento com os nossos clientes. Iniciativas destas promovem a consolidação e o desenvolvimento de relações fortes e duradouras a nível pessoal e profissional.

Published in: Healthcare
  • Be the first to comment

Newletter da Esposende Ambiente - Nós por cá, Ed 2

  1. 1. 1 NÓS POR CÁ Nesta Edição Violência Doméstica Mitos e Crenças (pg. 2) Espaço Colaborador (pg. 4) Iniciativas Internas (pg. 6) Espaço lazer (pg. 7) NÓS POR CÁ… + A Esposende Ambiente foi distinguida pela ERSAR com o selo de “Qualidade do Ser- viço de Gestão de Resíduos Urbanos”. Nota Editorial Nesta segunda edição do “Nós por cá” destacamos dois temas de particular relevância nos dias de hoje e aos quais não podemos ficar alheios: a violência doméstica e a segurança e saúde no trabalho. Enquanto empresa socialmente responsável, e subscritora do Pacto Global das Nações Unidas (e de forma mais concreta dos programas de defesa dos direitos das mulheres e das crianças), sensibilizar para esta problemática é um dever e uma responsabilidade que assumimos de forma ativa. Por isso, nesta edição abordaremos a questão dos mitos e dos preconceitos profundamente enraizados na nossa cultura, e que continuam a dificultar a denúncia de situações de violência doméstica. Estes mitos, que são explica- ções simplistas (e falsas) para a violência, levam muitas vezes a pensar que estes fenómenos apenas acontecem aos “outros”. É por isso fundamental desconstruir os falsos argumentos, desmistificá-los e combatê-los. Não se esqueça: a violência doméstica é um crime público! Isto significa que qualquer cidadão que assista ou tenha conhecimento de uma situação de vio- lência doméstica pode e deve denunciar para se dar início ao procedimento criminal, não havendo possibilidade de desistência por parte da vítima. E porque no dia 28 de Abril celebramos o Dia Nacional de Prevenção e Segu- rança no Trabalho , o nosso Espaço Colaborador ficou a cargo do Dr. Francisco Lopes (médico de Medicina do Trabalho) e do Engº Daniel Sá (Técnico Superi- or de Segurança e Higiene no Trabalho) da Sepri, que nos deixam algumas dicas importantes a não esquecer! N.º 2 Abril 2015
  2. 2. 2 O CICLO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA A violência doméstica funci- ona como um sistema circu- lar – o chamado Ciclo da Violência Doméstica – que apresenta, regra geral, três fases: 1. aumento de tensão: as tensões acumuladas no quotidiano, as injúrias e as ameaças tecidas pelo agres- sor, criam, na vítima, uma sensação de perigo eminen- te. 2. ataque violento: o agres- sor maltrata física e psicolo- gicamente a vítima; estes maus-tratos tendem a esca- lar na sua frequência e in- tensidade. 3. lua-de-mel: o agressor envolve agora a vítima de carinho e atenções, descul- pando-se pelas agressões e prometendo mudar (nunca mais voltará a exercer vio- lência). Fonte: Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) Violência Doméstica - Mitos e Crenças A Violência Doméstica está envolta em alguns mitos, que têm servido para “desculpar” a violência do agressor ou para “culpabilizar” a vítima. Importa, por is- so, desmistificá-los e combatê-los. Afinal, quantas vezes já ouviu estas frases? “Entre marido e mulher não se mete a colher”. Este provérbio popular traduz a crença difundida durante décadas, e parcialmente aceite ainda hoje, de que a violência conjugal é um fenómeno privado e no qual nin- guém, senão o casal, deve interferir. Porém, toda a sociedade tem a responsabilida- de de agir, revelar, denunciar, prevenir. A violência doméstica é um crime público! “A mulher só é agredida porque não faz nada para o evitar ou porque merece”. Quantas vezes já não pensamos: Mas como é que ela não deixa o agressor, não sai de casa? São muitos os fatores que podem condicionar uma atitude destas. O primeiro assenta na falsa ideia de que a mulher tem o poder de interromper a situação abusi- va quando quiser. Na maioria dos casos, isso não é verdade, devido às estratégias de manipulação e de controlo do abusador e das consequências psicológicas da própria violência. Estratégias de coação ou intimidação exercidas pelo agressor, o medo e o terror paralisante sentido pela vítima, a dependência emocional, económica ou social do agressor, ou a crença de que o casamento “é uma cruz a ser carregada”, são al- guns dos fatores que levam as vítimas a perpetuarem estas relações. Por outro lado, existe ainda enraizada na nossa sociedade a legitimidade da violência exercida pelos homens quando associada a uma função de “educação/correção” dos filhos e da esposa. Ainda é comum ouvir homens afirmar que agrediram as esposas porque “o jantar não estava pronto à hora”, a mulher “foi ao café sem a sua autorização” ou “não cuidou das lidas da casa” . “Bater é sinal de amor” , “uma bofetada de vez em quando nunca fez mal a nin- guém” ou “Quanto mais me bates mais gosto de ti”. Bater nunca é um sinal de amor! É um exercício ilegítimo e abusivo de poder ou con- trolo. Além disso, a violência não é “uma bofetada de vez em quando”. É sim um padrão continuado de violências várias, exercidas sobre a vítima com a intenção de a subjugar/dominar/controlar. “A violência doméstica só ocorre nos estratos socioeconómicos mais desfavoreci- dos”. Falso. As vítimas e os agressores são provenientes de qualquer estrato socioeconó- mico. A violência doméstica é transversal aos diferentes padrões culturais, religiosos, económicos e profissionais.
  3. 3. “A violência doméstica só ocorre sob efeito do álcool ou outras drogas” O uso de álcool ou drogas pode ser, em certas ocasiões, facilitador ou desencadea- dor de situações de violência doméstica. Contudo, não podemos achar que esta só ocorre sob o efeito destas substâncias ou por causa delas. Basta pensarmos nos agressores que não consomem álcool, ou que a maioria dos agressores agride mes- mo quando não está sob efeito do álcool. Ou ainda, que a maioria das pessoas que se embriaga ou consome drogas não agride as/os companheiras/os. O consumo de álcool/drogas funciona essencialmente como desculpa para evitar a responsabili- dade pelos comportamentos violentos. Dizer “não fui eu, foi o álcool” ou “só acon- teceu porque bebi demasiado”, é uma desculpa muito conveniente. Além disso, os agressores, mesmo quando consomem álcool, não agridem alvos indiscriminados: habitualmente, embriagam-se fora de casa, mas esperam até chegar a casa para agredir a mulher e/ou os filhos. “As crianças vítimas de maus tratos serão, no futuro, maltratantes. Os agressores são-no por terem sido vítimas na sua infância” À semelhança do que acontece com o álcool ou outras drogas, podemos afirmar que uma criança vítima (direta ou indireta) de violência poderá ter maior probabili- dade de vir a ser maltratante no futuro. Porém, é incorreto afirmar que as vítimas se tornarão maltratantes ou que os maltratantes o são porque foram vítimas. Estu- dos recentes demonstram que apenas uma minoria das vítimas de maus tratos se torna um dia maltratante e que a maioria dos agressores não teve, no seu passado, experiências de maus-tratos ou de vitimação familiar ou interpessoal relevante. A Violência Doméstica é um fenómeno raro ou pouco frequente Todas as estatísticas nacionais e internacionais contrariam esta ideia. Por outro lado, é mais fácil acreditar que a violência é um problema apenas de alguns (os outros), do que admitir que ela possa existir no seio da nossa família, entre os nos- sos amigos, colegas ou vizinhos. O Espaço Bem me Querem da Câmara Municipal de Esposende proporciona às víti- mas de violência doméstica respostas em situações de crise e de emergência. Por outro lado, disponibiliza todo o tipo de informação, nomeadamente sobre os trâmites legais do processo-crime de violência doméstica, direitos e deveres de acordo com o estatuto de vítima, outros processos legais asso- ciados à regulação das responsabilidades parentais e tipos de apoio dispo- níveis para a vítima. O “Espaço Bem me Querem” funciona no Serviço de Ação Social do Município, localizado na Rua dos Bombeiros, nº 51, em Es- posende, de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 16h30. AS MULHERES A violência contra as mulheres é um fenómeno complexo, que atravessa classes sociais, idades e regiões. A reação de cada mulher à sua situação de vitimação é única e deve ser enca- rada como um mecanismo de sobre- vivência psicológica que cada uma aciona de maneira diferente para suportar a vitimação. AS CRIANÇAS As crianças podem ser consideradas vítimas de violência doméstica quan- do: . presenciam ou ouvem os abusos infligidos sobre a vítima, vêm os si- nais físicos depois de episódios de violência ou testemunham as conse- quências desta violência na pessoa abusada; . são usados pelo pai ou mãe agres- sor como uma forma de abuso e con- trolo; . são física e/ou emocionalmente abusadas pelo agressor (ou mesmo, em alguns casos, pela própria vítima). OS HOMENS Apesar de as mulheres sofrerem mai- ores taxas de violência doméstica, os homens também são vítimas deste crime. O medo e a vergonha são a principal barreira para fazer um pri- meiro pedido de ajuda. Muitas vezes, os homens vitimas de violência do- méstica receiam ser desacreditados e humilhados por terceiros (familiares, amigos e até mesmo instituições judiciárias e policiais) se decidirem denunciar a sua vitimação. OS IDOSOS Um inquérito realizado pela APAV confirma que a violência contra os idosos parte, muitas vezes, dos fami- liares ou amigos. Os dados em Portu- gal são alarmantes, pois em cada mil portugueses com 60 ou mais anos, 123 pode ser alvo de algum tipo de violência (a média europeia é de 21 a 22 casos por cada mil pessoas). Ain- da segundo este estudo, depois dos 76 anos, a possibilidade de o idoso sofrer algum tipo de violência cresce 10% a cada ano e a limitação para atividades diárias pode potenciar atos violentos. Fonte: APAV Segundo dados da GNR, Esposende está no topo dos concelhos, do distrito de Braga, com maior ocorrência de casos de violência do- méstica.
  4. 4. ESPAÇO COLABORADOR/A O que é ao certo a Medicina do Trabalho? A Medicina do Trabalho, como Especialidade Médica, constitui uma área de intervenção que valo- riza o local de trabalho como espaço de eleição para a prevenção dos riscos profissionais, assim como a proteção e promoção da saúde dos trabalhadores. Estes conceitos são relativamente re- centes quando aplicados ao local de trabalho, mas constituem hoje uma forte área de interven- ção e de investigação nas sociedades modernas. A Medicina do Trabalho desempenha hoje um papel crucial nas empresas, subscrito pela genera- lidade das comunidades científicas e pelos organismos de referência, tais como a OMS (Organização Mundial de Saúde), a OIT (Organização Internacional do Trabalho) a nível Internaci- onal assim como a DGS (Direção Geral de Saúde) a nível nacional. As ações da Medicina do Trabalho pretendem divulgar e aplicar todas as condições de trabalho que garantam o mais elevado grau de qualidade, protegendo os trabalhadores, promovendo o seu bem-estar físico, mental e social, prevenindo as doença e os acidentes no contexto laboral. A saúde e o bem-estar dos trabalhadores são extremamente importantes para a qualidade das suas prestações e para o desempenho das suas funções. Diariamente, podem estar expostos a fatores múltiplos que podem afetar a sua saúde, sendo assim de toda a importância, a interven- ção da Medicina e da Segurança no Trabalho, que devem trabalhar de forma partilhada e intervir com ações conjuntas. É neste contexto, que se consideram fundamentais as visitas aos locais de trabalho, pois permitem um conhecimento adequado do posto de trabalho e das várias tarefas desempenhadas pelos colaboradores. Estas visitas são uma excelente oportunidade para o esclarecimento de questões diversas, sendo também uma boa forma de divulgar informações importantes sobre boas práticas de saúde, pre- venção de riscos de doenças cardiovasculares, diabetes, tabagismo, alcoolismo, entre outras. No âmbito das ações da SEPRI, são realizados exames médicos mensais para a emissão de fichas clínicas e de aptidão individual, bem como exames complementares tais como Optometria (rastreio oftalmológico), Eletrocardiograma, Espirometria (rastreio respiratório), e Audiograma (rastreio auditivo). É, de facto, para mim um enorme prazer integrar a SEPRI e poder trabalhar com profissionais de extrema competência e dedicação, sempre no sentido de proporcionar aos nossos parceiros a melhor colaboração, na procura constante da qualidade e da melhoria das condições de traba- lho. Faço votos para que esta amizade com a Esposende Ambiente, se mantenha por muitos anos. Francisco Lopes Médico de Medicina no Trabalho
  5. 5. 5 ESPAÇO COLABORADOR/A Nos últimos anos, a vida das pessoas sofreu tantos ajustes, motivados pela conjuntura económica do país, não só a nível pessoal como também a nível profissional, havendo mesmo uma relação direta, que em muitos casos a qualidade de vida foi reduzida de forma significativa afetando de forma negativa a saúde física e mental. A qualidade de vida, tem como parte integrante a vida profissional, pois, é bem verdade que gran- de parte da nossa vida é passada no local de trabalho, geralmente ainda mais tempo do que com a nossa própria família, o que dá uma enorme importância à forma como a esfera laboral é carac- terizada. Neste sentido, a segurança e saúde no trabalho, desempenham um papel fundamental na vida das pessoas, na medida em que melhorando as condições de trabalho potencia-se a satis- fação a motivação e o bem-estar geral que se traduz num estado de saúde desejável. Tendo presente esta missão, a Esposende Ambiente, E.M. tem, baseada no princípio da melhoria contínua, desenvolvido sinergias, no sentido de assegurar aos colaboradores condições adequa- das a que cada um se sinta realizado profissionalmente, contribuindo desta forma para a realiza- ção dos seus projetos pessoais, que estão no centro do dia-a-dia de todos nós. Para levar a cabo esta missão, a Esposende Ambiente, E.M. conta com uma equipa de profissio- nais, muito motivados, que procura, incansavelmente, melhorar cada vez mais as condições de segurança e saúde no trabalho, contando com a participação ativa de todos. Posto isto, interessa relembrar alguns dos princípios importantes, que a todos dizem respeito, e que fazem toda a diferença, sendo eles:  A consulta da informação disponibilizada sobre riscos profissionais e respetivas medidas pre- ventivas/corretivas a observar;  O cumprimento das regras de segurança, designadamente o uso de equipamento de proteção individual;  A participação de potenciais situações que possam resultar em acidentes de trabalho ou do- enças profissionais, bem como acidentes de trabalho, por forma a evitar reincidências;  A participação ativa nas atividades informativas e formativas com vista à partilha de conheci- mento visando a preparação para o dia-à-dia seguro e saudável;  A promoção do espírito de equipa, o bom relacionamento interpessoal e o consequente bem- estar entre todos;  A comparência na realização dos exames complementares de diagnóstico e consultas de me- dicina do trabalho, com vista à avaliação dos postos de trabalho e sua influência no bem-estar dos colaboradores;  A participação nas consultas de opinião, sobre situações menos conseguidas, bem como de melhoria das conseguidas. Como nota final, nós SEPRI-MT, aproveitamos a oportunidade para manifestar o nosso orgulho e gratidão por fazermos parte dessa equipa, numa excelente parceria, que já conta com alguns anos, que também em muito nos enriquece e nos torna melhores profissionais e melhores pesso- as. Daniel Sá Superior de Segurança e Higiene no Trabalho
  6. 6. 6 INICIATIVAS INTERNAS SEMANA DO BEM-ESTAR Dias 27, 28, 29 e 30 de Abril Promoção da ginástica ocupacional: Em cada dia da semana serão enviados, via e-mail, exercí- cios de ginástica laboral que poderão ser executados no local de trabalho. Início da campanha de rastreios dentários: Decorrerão as inscrições para a realização de ras- treios dentários gratuitos, rastreios esses que se realizarão em Maio, numa clínica dentária do concelho. Dia 28 de Abril Dia Nacional da Prevenção e Segurança no Trabalho: Distribuição da newsletter Nós por cá, particularmente dedicada à Segurança e Saúde no Trabalho na EAmb. Dia 29 de Abril ACÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO PARA OS RISCOS ASSOCIADOS À UTILIZAÇÃO DE MÁQUINAS Das 11h às 12h, no Auditório do Turismo (dirigido apenas a quem utiliza máquinas) Dia 30 de Abril Ação de Sensibilização para uma alimentação saudável Das 10h às 11h e das 11h00 às 12h00, no Auditório do Turismo. Mega Aula de Exercício Físico: Destinada a todos os que quiserem participar, mediante inscrição prévia. Os participantes deverão trazer roupa e calçado desportivo. Será oferecida a T-shirt da EAmb “Pelo Ambiente” (quem já a tem, deverá trazê-la). Das 16h às 17h, no Centro de Educação Ambiental . COM EXCEÇÃO DA MEGA-AULA DA TARDE DO DIA 30 E DO RASTREIO DENTÁRIO, TO- DAS AS INICIATIVAS SÃO DE PARTICIPAÇÃO OBRIGATÓRIA.
  7. 7. 7 ESPOSENDE + “Espetáculos de dança”, 2 e 9 de maio, Auditório Municipal + Espetáculo musical “Mulheres”, 16 de maio, Auditório Municipal + “ Fórum da Educação”, 23 a 31 de maio + Oficina “Hoje é dia de construir um jardim sustentável”, 30 de maio, Centro de Educação Ambiental + Caminhada “Aquacavado, o rio que nos une”, 31 de maio Algumas iniciativas dirigidas aos mais novos e famílias, para os próximos tempos. BRAGA O GATO DAS BOTAS, 31 de maio, 17hoo, Theatro Circo PORTO PRIMEIROS CONCERTOS - BEBÉ GRIGI, 03 de maio, 11h30, 15hoo, 17h00, Casa da Música BARCELOS FESTA DAS CRUZES , 24 de abril a 03 de maio GUIMARÃES CANTASTÓRIAS – DE COR E SALTEADO , 9 de maio, Centro de Artes e Espetáculos ESPAÇO LAZER … A PENSAR NAS FAMÍLIAS

×