Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Obstipação

4,154 views

Published on

O que é a obstipação infantil???
Quais as causas???
O que fazer???

Um texto simples para ajudar pais e mães.

Published in: Health & Medicine
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Obstipação

  1. 1. OBSTIPAÇÃO INFANTILCENTRO SOCIAL PAROQUIAL DOS POUSOS
  2. 2. OBSTIPAÇÃO INFANTILO que é?• Define-se como trânsito intestinal irregular, acompanhado de fezes duras e grossas que provocam dor ou dificuldade durante a defecação.• As modificações da rotina ou alimentares, ansiedade, doenças intercorrentes, indisponibilidade de casas de banho ou adiamento da defecação porque a criança está ocupada são alguns dos motivos envolvidos.• Em crianças dos 2 aos 4 anos a obstipação é semelhante nos dois sexos. Contudo na idade escolar( a partir dos 6 anos) é mais frequente no sexo masculino.
  3. 3. Como perceber se uma criança é obstipada? As crianças têm vários padrões de hábitos intestinais. Podem não ter qualquer dejeção durante 3 ou 4 dias, sem que isso por si só represente qualquer perigo.Alertas: Frequência de 2 ou menos dejeções/semana; História de retenção fecal ou postura de defesa quando defeca; Cólicas abdominais ou dor à defecação; História de fezes volumosas; Em crianças de <4 anos os sintomas devem estar presentes 1 mês; Em crianças de >4 anos os sintomas devem estar presentes num período de 2 meses.
  4. 4. Quais as causas?• Erros alimentares (dietas pobres em água e fibras, excesso de ingestão de leite)• Diminuição da atividade física/ Aumento do sedentarismo ( tempos de lazer ocupados a ver televisão, videojogos e computador…)O que fazer?• Reforçar a importância do hábito da ida à casa de banho, preferencialmente após a prática de atividade física ou das refeições (altura em que existe maior atividade intestinal).
  5. 5. O que fazer? (Cont.)• Reforçar a importância de hábitos alimentares saudáveis:  Refeições regulares;  Importância do consumo da sopa;  Reforço da ingestão abundante de líquidos (água e sumos naturais)  Limitar o consumo de gorduras, açúcar e produtos açucarados;  Incentivo ao consumo de fruta, hortícolas, cereais e seus derivados e leguminosas ( acrescentar azeite cru aos purés após a cozedura das verduras, antes de as triturar e ás massas depois de cozidas e escorridas; consumo de frutas como a laranja, ameixa, pêssego, pêra, manga, papaia e kiwi reduzindo o consumo de maçã e banana que são frutas obstipantes assim como da cenoura e do arroz dando preferência a pão, bolachas e massa integrais);  Limitar o consumo de leite (podendo ser substituído pelo iogurte ou leite fermentado porque as bactérias vivas existentes neles contribuem para o crescimento da flora intestinal benéfica);  Incentivo ao consumo de carnes brancas e peixe.• Privilegiar a prática regular de atividade física
  6. 6.  A obstipação pode estar relacionada com o treino do bacio/sanita. Criar hábitos regulares de evacuação implica paciência e tempo, sendo que estes hábitos devam ser implementados quando a criança já consegue antecipar a necessidade de ir à casa de banho, aproveitando os momentos de reflexo gastro-cólico (ao acordar ou após as refeições durante 5/10 min.) recorrendo se necessário a técnicas de “distração” como a leitura ou contar de uma história. Em todas as faixas etárias ter um trânsito intestinal regular é considerado um sinal de saúde. A Obstipação é comum nas crianças. E porque muitas vezes gera ansiedade nos pais é frequente o recurso à ajuda médica.
  7. 7.  A depressão, a baixa autoestima, dificuldades de relacionamento com os colegas e ansiedade são algumas das consequências psicológicas da obstipação, sendo reconhecido que têm menor qualidade de vida ( presença de defecações dolorosas com dor abdominal) quando comparadas com crianças saudáveis. É imprescindível a necessidade de reconhecer este problema de modo que se possa atuar precocemente!!!!
  8. 8. Um contributo da mãe Isabel Semeão Enfermeira no Hospital Santo André Leiria

×