Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Cateterismo vesical
conceitos e estratégias
assistenciais de
enfermagem
27/07/2016 10:20
Anatomia do sistema urinário
 A micção está
normalmente sob
controle após os três
anos de idade
 Este controle é
exercido pelo 2º
esfíncter muscular
...
27/07/2016 10:20
• Cateterismo vesical de
alívio
• Cateterismo vesical de
demora
• Cateterismo
suprapúbico
Conceito
• É a introdução de sonda na bexiga através da
uretra;
Objetivo
• Preparo para cirurgias
• Pós-operatório de ci...
Excepcionalmente é realizado
quando:
• Houver necessidade de aliviar
distensão vesical
• Evitar a umidade em paciente com...
 Idosos
 Imunodepressivos –
soropositivos
 Gestantes
 Diabéticos
 Crianças
 Pós trauma
raquimedular
 Pós cirúrgicos...
Prevenção de infecção no paciente
cateterizado
• Uso do bom senso acima de tudo!!!!!
• Antes de realizar um cateterismo a...
27/07/2016 10:20
Prevenção de infecção no
paciente cateterizado
• Quando o cliente estiver com SVD
 Nunca desconectar o ...
Fechar e interromper o fluxo da SVD,
proporcionando o enchimento da
bexiga com urina por cerca de uma a
duas horas
Solic...
 CALIBRE:
• deve ser determinado de acordo com o tamanho da uretra do
paciente em questão.
• Crianças de 8 a 10, mulheres...
 Ter atenção quanto ao intervalo de troca e encaminhar o
paciente para realizar a troca da sonda por profissional
capacit...
Até a
próxima
aula,
obrigada
27/07/2016 10:21
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Cateterismo vesical

1,601 views

Published on

Aula que descreve a anatomia do sistema urinário, a assistência de enfermagem e as possíveis causas que desencadeiam a necessidade do procedimento.

Published in: Healthcare
  • Be the first to comment

Cateterismo vesical

  1. 1. Cateterismo vesical conceitos e estratégias assistenciais de enfermagem 27/07/2016 10:20
  2. 2. Anatomia do sistema urinário
  3. 3.  A micção está normalmente sob controle após os três anos de idade  Este controle é exercido pelo 2º esfíncter muscular externo, localizado mais ou menos no meio da uretra ( em homens logo que a uretra penetra na glande do pênis)  Um adulto elimina cerca de 1000 a 1500 27/07/2016 10:20
  4. 4. 27/07/2016 10:20 • Cateterismo vesical de alívio • Cateterismo vesical de demora • Cateterismo suprapúbico
  5. 5. Conceito • É a introdução de sonda na bexiga através da uretra; Objetivo • Preparo para cirurgias • Pós-operatório de cirurgias • Lavagem e irrigação da bexiga • Monitorar débito urinário • Drenagem urinária em pacientes com bexiga neurogênica • Parâmetro para balanço hídrico 27/07/2016 10:20
  6. 6. Excepcionalmente é realizado quando: • Houver necessidade de aliviar distensão vesical • Evitar a umidade em paciente com incontinência urinária • Obter uma amostra estéril para urocultura 27/07/2016 10:20
  7. 7.  Idosos  Imunodepressivos – soropositivos  Gestantes  Diabéticos  Crianças  Pós trauma raquimedular  Pós cirúrgicos de via urinárias 27/07/2016 10:20
  8. 8. Prevenção de infecção no paciente cateterizado • Uso do bom senso acima de tudo!!!!! • Antes de realizar um cateterismo avaliar a real necessidade • Utilizar meios físicos para estimular a eliminação expontânea • Preferir absorventes e preservativos para clientes com incontinência 27/07/2016 10:20
  9. 9. 27/07/2016 10:20 Prevenção de infecção no paciente cateterizado • Quando o cliente estiver com SVD  Nunca desconectar o circuito para obter amostras de urina para exame, irrigar ou para transporte e deambulação do cliente  Evitar trocas fora do padrão ou necessidade expressa  Esvaziar o coletor da SVD a cada 8 horas ou quando houver um volume grande  Não permitir que o coletor toque o chão
  10. 10. Fechar e interromper o fluxo da SVD, proporcionando o enchimento da bexiga com urina por cerca de uma a duas horas Solicitar ao paciente que relate quando estiver com vontade de urinar 27/07/2016 10:20
  11. 11.  CALIBRE: • deve ser determinado de acordo com o tamanho da uretra do paciente em questão. • Crianças de 8 a 10, mulheres 14 a 16 e homens de16 a 18  TEMPO DE PERMANÊNCIA: • Cateter plástico, para uso intermitente • Cateter de látex, permanência máxima de 3 semanas • Cateter de silicone puro ou teflon, longa duração  DIÂMETRO DO BALÃO: • Até 3 ml, pediátrico • De 5 a 30, adulto • Acima de 30 ml até 75 ml, pós op de prostatectomia  COMO INSUFLAR O BALÃO: • Utilizar exclusivamente água destilada estéril. O uso de solução salina está contraindicado pelo risco de cristalização e deflação do balão  UTILIZAR MEDICAÇÃO ANTIESPASMÓDICA EM CASO DE VASAMENTO 27/07/2016 10:21
  12. 12.  Ter atenção quanto ao intervalo de troca e encaminhar o paciente para realizar a troca da sonda por profissional capacitado .  Visualizar sempre o aspecto de urina que está saindo na bolsa coletora e atentar para urina com presença de sangue, pus, grumos (como coágulos), etc.  Observar a quantidade de urina que está sendo drenada diariamente e sinais de que possam indicar a obstrução da sonda, como por exemplo, mal-estar geral , quantidade reduzida de urina na bolsa coletora e bexiga dura à palpação.  Não abrir o sistema entre a sonda e a bolsa coletora. O sistema de sondagem vesical de demora é fechado e estéril, devendo assim ser mantido. Esvaziar a bolsa coletora conforme técnica 27/07/2016 10:21
  13. 13. Até a próxima aula, obrigada 27/07/2016 10:21

×