Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Extrema ou verdadeira direita?

838 views

Published on

Palestra apresentada em Sorocaba sobre Donald Trump, "extrema-direita" e alt-right.

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Extrema ou verdadeira direita?

  1. 1. Extrema ou verdadeira direita? André Assi Barreto Graduado e mestre em Filosofia pela Universidade de São Paulo. Professor de Filosofia das redes pública e privada de São Paulo.Trabalha com tradução e revisão de textos.Trabalha para as editoras Linotipo Digital e Armada.
  2. 2. ▪O que os acontecimentos recentes (Brexit,Trump, partidos eurocéticos se fortalecendo etc) ensinam para a direita brasileira?
  3. 3. ▪ DonaldTrump ▪ Nigel Farage ▪ “Policamente incorreto” ▪ Direita sem medo de militar e assumir-se como direita. ▪ “Direita Forte”
  4. 4. ▪ Direita “envergonhada”. ▪ Direita globalista. ▪ “Neocons” (clã Bush). ▪ Certas alas dos partidos republicano e dosTories. ▪ Classe política. ▪ “cucks”
  5. 5. ▪ As pessoas comuns (que elegeramTrump e tiraram o Reino Unido da União Europeia) estão cansadas da esquerda, do establishment, mas também da “direita” que se curva para a esquerda (ala anti-Trump do partido republicano, Tories contra o Brexit ou o “nosso” PSDB).
  6. 6. ALT-RIGHT
  7. 7. Uma definição “não-científica” da alt- right ▪ “Direita nas crenças (algumas), esquerda na estratégia”. ▪ Reivindicação de território. ▪ Richard Spencer, formado na Duke University – antro feminista. ▪ Política de identidade. ▪ Direita anti-liberal ou, ao menos, não-liberal. “Aceitamos uma sociedade COM um mercado, não uma sociedade DE mercado”, afirma Alain de Benoist (“nouvelle droite” francesa). Para tristeza dos liberais e libertários (Trump e Le Pen “estatistas”). ▪ Subtítulo do livro de Friberg: “um manual para uma oposição de verdade” -> MILITÂNCIA.
  8. 8. Identidade étnica e nacional ▪ Esquerda desde a década de 60: negros, gays, mulheres etc, i.e., minorias, DEVEM votar em nós por terem essa identidade. ▪ Alt-right reverte a polaridade: há uma guerra contra a etnia branca e votar como um grupo minoritário pode ser útil. • O homem branco sob ataque: é estuprador em potencial, necessariamente racista, deve estar fora da universidade (ou as minorias precisam de “espaços seguros” para se proteger dele).
  9. 9. Nacional
  10. 10. RESULTADOS ▪ MiloYiannopoulos, Paul JosephWatson e Alex Jones. ▪ Sapo Pepe fez por merecer um discurso de Hillary Clinton. ▪ Memes, 4chan, wikileaks, shitposting. ▪ “CONCLUSÃO”: a direita toma conta de ao menos um braço da guerra cultural. “Ganhar” o debate não é suficiente.
  11. 11. ▪ O crescimento da alt-right como braço à direita na guerra cultural pela internet reverbera até na mídia tradicional. – Breitbart.com (“porta voz da alt-right”) tem alcance maior que o da CNN. E devemos tirar o chapéu e aprender a lição (“ainnnn, a alt-right é antissemita”). • Milo, Alex e Watson quebram a narrativa hegemônica da mídia (e dos “especialistas”). • A resposta dos “especialistas” e da velha mídia não tarda: pós-verdade e “fake news”. A única verdade é a da mídia tradicional, bem como a única responsável por notícias verdadeiras. • Pós-verdade: o “conceito do ano de 2016”, acrescido ao dicionário Oxford. A palavra de 2016 só aparece em dezembro (!).
  12. 12. Recomendações de Friberg para uma militância à direita e eficaz ▪ Um resumo teórico: aplicar Antonio Gramsci e Saul Alinsky (exatamente o que faz a alt-right). ▪ A guerra é, primariamente, cultural. ▪ Friberg: “A metapolítica é uma guerra de transformação social travada no campo da visão de mundo, do pensamento e da cultura. Qualquer batalha parlamentar deve ser precedida, legitimada e apoiada por uma batalha metapolítica. A metapolítica reduz, na melhor das hipóteses, o parlamentarismo a uma mera questão de formalidade.”
  13. 13. MILITÂNCIA ▪ Pratique ativismo. ▪ Boicote os meios de comunicação deles. ▪ Construa redes de mídia (TERÇA LIVRE!!!). ▪ Vá a público. ▪ Não desistir, manter a esperança. Somos “chatos”, mas estamos certos e as pessoas estão ao nosso lado.
  14. 14. • Livre-se totalmente da visão de mundo da esquerda (ou eles usarão seus princípios contra você – “faça-os operar pelo seu próprio livro de regras”, dizia Alinsky). • Aprenda virtudes cavalheirescas básicas. REFORCE OS PAPEIS DE GÊNERO.
  15. 15. • Tenha uma atitude saudável perante as mulheres do grupo. • Sem endeusamento. • E PARA AS MULHERES: • Estabeleça com clareza suas prioridades (carreira vs família). • Reconheça o valor de sua honra pessoal (revolução sexual – o maior engodo do século XX). • Estimule sua feminilidade (REFORCE OS PAPEIS DE GÊNERO).
  16. 16. Bandidolatria e Democídio - SORTEIO
  17. 17. Esse e outros títulos em: http://prevenda.editoraarmada.com.br/

×