Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
A CIÊNCIA DO YOGA
I. K. Taimni
Introdução
Todo estudante de Yoga necessita de uma apreciação inteligível e
clara da filosofia e técnica do Yoga para que ...
Introdução
Há uma vasta literatura atualmente disponível sobre Yoga e seus
vários tipos. Mas, em torno de um pequeno núcle...
Primeira Seção (Samādhi Pāda) Natureza geral do Yoga e sua técnica.
Responde “o que é Yoga?”
Samādhi é a técnica do Yoga p...
Introdução
Não deve haver dúvida de que a séria persecução do ideal do
Yoga é uma tarefa muito difícil. E não pode ser ass...
SEÇÃO 1
SAMĀDHI PĀDA
Atha yogānusāsanam
I-1) (Será feita) agora uma exposição do Yoga
Patanjali condensou em uns poucos sūtras todo o conhecime...
Yogaś citta-vrtti-nirodhah
I-2) Yoga é a inibição das modificações da mente
Yoga (da raiz yuj, “unir”) trata da UNIÃO de j...
Cit: aspecto em que se baseia o lado forma do universo e através
do qual ele é criado (correspondente ao Logos Cósmico
Man...
PRAKRITI
PURUSA
Cit
Cit é da natureza de
Purusa, mas afetada
por Prakriti
A natureza de citta é
fundamentalmente a da
cons...
Vrtti é derivada da raiz vrt, que significa “existir”.
Vrtti é assim uma maneira de existir, um funcionamento ou
modificaç...
Conceituando Vrtti
As coisas não mudam, nós é que mudamos. O início de um
hábito é como um fio invisível (vrttis), mas cad...
Nirodha, derivado de niruddhan, significa “restringido”,
“controlado”, “inibido”, palavras que se aplicam aos diferentes
e...
Quando todas as modificações da mente, em todos os níveis,
foram completamente inibidas, o vidente é estabelecido em seu
p...
Vrtti-sārūpyam itaratra
I-4) Nos outros estados existe assimilação (do vidente) com
as modificações (da mente)
Quando as c...
Vrttayah pañcatayyah klistāklistāh
I-5) As modificações da mente são de cinco tipos e são
dolorosas ou não dolorosas
Há mo...
Pratyaya  conhecimento tingido por um objeto, conhecimento de
alguma coisa. Muitas vezes pratyaya e vrtti são entendidos ...
Pramanā-viparyaya-vikalpa-nidrā-smrtayah
I-6) (Elas são) conhecimento correto, conhecimento
errôneo, fantasia, sono e memó...
Vikalpa (imaginação) e smrti (memória) abrangem todas as imagens
ou modificações da mente que são produzidas sem qualquer ...
Pratyaksānumānāgamāh pramānāni
I-7) (Os fatos de) conhecimento correto (são baseados em)
cognição direta, inferência e tes...
Viparyayo mithyā-jñanam atad-rūpa-pratisthami
I-8) Conhecimento errôneo é uma concepção falsa de uma
coisa, cuja forma rea...
śabda-jñānānupātī vastu-śūnyo vikalpa
I-9) Uma imagem evocada por palavras sem base em
nenhuma substância, é fantasia
Ness...
Abhāva-pratyayālambanā vrttir nidrā
I-10) A modificação da mente baseada na ausência de
qualquer conteúdo é sono
Durante o...
Anubhūtavisayāsampramosah smrtih
I-11) Memória é não permitir a fuga de um objeto que foi
experimentado
As experiências sã...
Abhyāsa-vairāgyabhyām tan-nirodhah
I-12) A sua supressão (é obtida) pela prática persistente e
pelo desapego
Os dois meios...
Tatra sthitau yatno ´bhyāsah
I-13) Abhyāsa é para permanecer firmemente estabelecido
nesse estado (de citta-vrtti-nirodha)...
As tu dīrgha-kāla-nairantarya-satkārāsevito drdha-bhūmih
I-14) (Abhyāsa) torna-se firmemente estabelecido pela
prática por...
A verdadeira causa da descontinuidade da prática é, na grande maioria dos
casos, a falta de maturidade espiritual, sem a q...
A exigência de não ser permitida interrupções se baseia no fato de que muito
do trabalho do Yoga implica realizar mudanças...
O sādhaka deve trabalhar contínua e deliberadamente para eliminar, uma a
uma, todas as atividades e os interesses que inte...
Drstānuśravika-visaya-vitrsnasya vāśīkāra-samjñā vairāgyam
I-15) A coexistência de perfeito domínio (dos desejos) no
caso ...
O desapego, que significa liberdade tanto em relação à atração quanto à
repulsão, expressa corretamente o significado de v...
A prática de vairāgya procura destruir a sede pelas duas espécies de deleites,
aqueles provenientes de objetos que são vis...
O domínio completo do desejo vem quando não há mais atração.
A prova vem da vitória em meio aos prazeres e às tentações.
A...
Tat param purusa-khyāter gunavaitrrsnyam
I-16) Este é o mais elevado vairāgya, no qual, devido ao
percebimento do purusa, ...
Para-vairāgya, que é uma característica da consciência do purusa, somente
pode aparecer na conquista de Kaivalya, pois emb...
Vitarka-vicārānandāsmitānugamāt samprajñātah
I-17) Samprajñāta samādhi é aquele que é acompanhado por
raciocínio, reflexão...
Samādhi
• Os três estágios da meditação conduzindo a samādhi. (III-1 a 4);
• Samprajñāta samādhi e asamprajñāta samādhi (I...
Samādhi
• A consciência é um aspecto da Realidade Última em manifestação e sua
expressão depende do grau específico da men...
Samādhi
• O primeiro aspecto de samādhi destacado por Patañjali é a distinção
entre samprajñāta e asamprajñāta samādhi.
• ...
Prajñā
• Prajñā significa a consciência superior atuando através da mente em todos
os seus estágios. É a inteligência do L...
Pratyaya
• Tanto samprajñāta quanto asamprajñāta samādhi estão ligados a prajñā
(samprajñā).
• A diferença está na presenç...
• Em samprajñāta samādhi há um pratyaya (chamado
“semente”) no campo da consciência, e a consciência é
inteiramente dirigi...
Asamprajñāta samādhi
• Tão logo pratyaya (P) é abandonado ou suprimido, a consciência começa a
retroceder automaticamente ...
Asamprajñāta samādhi
• Mente desligada do mundo exterior, mas perfeitamente concentrada e
sob total controle da vontade.
•...
Samādhi
• No caso do yogi avançado, essa experiência pode ser repetida muitas
vezes e ele passa de um plano a outro até qu...
Samādhi
• No recolhimento progressivo da consciência do plano mental inferior para
sua origem, samprajñāta samādhi com seu...
Samādhi
• O tempo empregado na passagem pelos diferentes planos e vazios
intermediários depende do progresso alcançado pel...
O Sūtra I-17 - Samādhi
• Em I-17 Patañjali menciona as características da consciência que se
desdobra nos quatro estágios ...
Samādhi
• Samprajñāta samādhi começa quando a consciência está completamente
desligada do mundo externo, após passar pelos...
Os
Sucessivos
estágios de
Samādhi
Samādhi
• Observe que quando uma pessoa puder deixar seu corpo físico e atuar nos
veículos mais sutis chamados corpo astra...
Samādhi
• Depois de dominar a técnica das fases savitarka e nirvitarka no primeiro
estágio, o yogi pratica asamprajñāta sa...
Estágios dos Gunas
• Vejamos o significado das palavras vitarka, vicāra,
ānanda e asmitā, conforme sūtra II-19.
• Como são...
Característica do Estado de
Consciência
Estágio dos
Gunas
Veículo de
Expressão
Explicação do Estágio dos Gunas Exemplo
Vit...
• Os estágios mentais de vitarka e vicāra não correspondem aos
processos mentais que ocorrem no estado de samādhi. No
esta...
• Em samprajñāta-samādhi a consciência pode conhecer
somente a natureza de algo que esteja colocado em seu
campo de ilumin...
Virāma-pratyayābhyāsa-pūrvah samskāra-śeso ´nyah
I-18) A impressão remanescente que perdura na mente com
a supressão do pr...
• A pressão deve ser exercida em samprajñāta-samādhi antes que possa ser
utilizada em asamprajñāta-samādhi.
• A impressão ...
Nirodha parināma
 No processo progressivo de Auto-Realização através de
samādhi, a mente pode passar de um para outro est...
Nirodha parināma
 Nirodha no começo (dhāranā) significa restrição e que
evolui depois para supressão em samādhi.
 Em dhā...
Nirodha parināma
 Entre duas impressões sucessivas é preciso haver um estado
momentâneo no qual a mente não tem, absoluta...
Nirodha parināma
 Nirodha parināma abrange todo o processo, começando
com o primeiro esforço na supressão da “semente” e
...
Nirodha parināma
 Ao passar de uma condição em que a “semente” de samādhi
ocupa o campo da consciência para uma condição ...
Nirodha parināma
 Esta é a razão por que, quando a força de vontade é exercida
para suprimir a “semente”, é somente esta
...
Nirodha parināma
 O primeiro esforço para suprimir a “semente” de samprajñāta–
samādhi produz um vazio apenas momentâneo....
As Três parināmas (transformações)
Sutrā III-9
Dhāranā
Dhyāna
Samādhi
Samprajñāta-Vitarka
Asamprajñāta
Savitarka
Nirvitark...
• Asamprajñāta-samādhi não é senão o recolhimento da consciência para o
seu centro laya, antes que possa começar a atuar e...
• Mas se esse centro comum a todos os veículos é também o centro da
Realidade no interior de cada yogi, por que não tem el...
Há uma diferença entre dois tipos de yogis. Para os videhas e prakrtilayas,
seu transe não resulta da autodisciplina regul...
Videhas: significa literalmente “incorpóreo”
Prakrtilayas: significa “fundido em prakrti”
Videhas provavelmente refere-se ...
Como podem aqueles que estão fundidos em prakrti, que é jada, ser
considerados yogis avançados? Esses pseudo-yogis possuem...
Yogis verdadeiros  certos traços de caráter essenciais. Patañjali mencionou
quatro, mas cujas implicações são bem maiores...
Energia: o yogi deve possuir uma vontade indomável que
sobrepuja todos os obstáculos e força o caminho para o objetivo
des...
O primeiro fator determinante da velocidade dos progressos obtidos é o grau
de dedicação.
Quanto mais ardente o desejo de ...
Iśvara-pranidhāna é um meio independente e auto-suficiente de ocasionar
samādhi. Pode ser desenvolvido com extrema rapidez...
A real dificuldade para a maioria dos aspirantes é que o grau de
determinação é muito débil e não há suficiente pressão da...
O outro fator que indica a velocidade de progresso do yogi é a natureza dos
meios que ele adota.
Astānga-Yoga de Patañjali...
Patañjali classificou os meios em três classes:
- Suave
- Média
- Intensa
seguindo assim o clássico método de classificaçã...
É possível atingir samādhi seguindo-se outra senda, na qual o estudante não
causa a supressão deliberada das citta-vrttis ...
Mas isso não quer dizer que o Yoga é baseado em
Sāmkhya. O próprio fato do Yoga apresentar a questão
do Iśvara-pranidhāna ...
Neste sūtra Patañjali nos dá duas idéias com relação à Īśvara.
1 - Ele é um purusa, uma unidade individual de Consciência
...
Īśvara é a Divindade que preside um Sistema Solar. Durante seus
estágios anteriores de evolução, ele ocupou muitos estágio...
Este sūtra nos dá uma outra idéia com relação à Īśvara.
Cada Sistema Solar é considerado uma manifestação separada e, em g...
Como cada Īśvara representa um estágio definido no infinito
desenvolvimento da consciência no mundo do relativo, conclui-s...
Vimos que todos os purusas derivam seu poder e consciência de Īśvara que
representa o limite desses atributos em seu siste...
Nesse sūtra e nos próximos dois Patañjali estabelece um método preciso para
um contato direto com Īśvara.
Antes de continu...
É o ramo do Yoga que procura produzir mudanças na matéria e na
consciência pela ação do “Som” (som num sentido especial).
...
Em certo sentido, Matéria = Energia.
Percepção dos fenômenos materiais = percepção de vibrações que causam
cinco tipos de ...
Indo mais profundamente na ciência oculta, todas as vibrações infindáveis em
número e complexas são expressões de uma Únic...
A Realidade Última, trazendo Consigo os samskāras de manifestações
anteriores, diferencia-se na manifestação em duas expre...
Vibração e consciência encontram-se indissoluvelmente ligadas e para cada
espécie de vibração há um aspecto particular de ...
Não somente a consciência pode ser afetada pela vibração, mas a
consciência, provocando determinadas vibrações, pode també...
A idéia essencial de ambos é:
“produzindo-se um tipo específico de vibração através de um veículo, é
possível atrair uma e...
Consideremos agora o sūtra em discussão.
Īśvara é o verdadeiro Instrutor de todos e a fonte da Luz Interior, com cujo
auxí...
O primeiro e mais eficiente meio que Patañjali prescreve para superar a
condição de distração da mente é japa, de pranava,...
O poder de um mantra como pranava é potencial, não ativo. É como o poder
de uma semente que precisa ser desenvolvida gradu...
Os dois principais meios de desenvolver o poder latente em pranava
(aplicáveis a outros mantras) são:
a) Japa: técnica de ...
A potência do mantra depende da
capacidade de despertar vibrações
sutis no interior dos veículos que
ele afeta.
A vibração...
b) O outro meio de utilizar o poder latente de pranava é bhāvanā, que
significa literalmente “habitar em um tema na mente”...
Neste sūtra Patañjali deu os dois resultados conseqüentes da pratica prescrita
no sūtra anterior. Primeiro o despertar de ...
PRATYAK CETANĀ PARĀŃGA CETANĀ
Todo o objetivo do Yoga consiste em retirar a consciência de fora para dentro,
em busca do supremo mistério da vida oculto...
A força de ātmā, a iluminação de buddhi e o conhecimento da mente
superior infiltram-se aos poucos na personalidade, de um...
Obstáculos cedem assim ao seu estímulo dinâmico.
Deficiências são compensadas pelo desenvolvimento de faculdades
correspon...
Obstáculos cedem assim ao seu estímulo dinâmico.
Deficiências são compensadas pelo desenvolvimento de faculdades
correspon...
Os sūtras I-23 a I-29 formam, de certo modo um conjunto distinto, dando a
técnica da senda do misticismo, na qual o aspira...
Neste sūtra Patañjali fala das condições que distraem a mente e a mantém
constantemente para fora (viksepa), tornando impo...
a) Falta de objetivo: não há em seu interior uma
força direcional que possa modificar suas
circunstâncias e dar rumo certo...
b) Mente completamente voltada para o exterior: as mentes das
pessoas estão tão habituadas a estarem voltadas somente para...
A condição da mente voltada para o exterior é chamada de
parāoga-cetanā ou viksepa e é uma condição normal no
caso do home...
A é o objeto e A’ é sua imagem formada pelo espelho MN. Os raios de luz
vindos do objeto A são refletidos no espelho de ta...
De maneira semelhante, o mundo familiar das formas, cores, sons,
etc. que vemos fora de nós e no qual vivemos nossa vida é...
Essa projeção para o
exterior, pela mente
inferior, daquilo que
se encontra
realmente no interior
é que se constitui a
nat...
Mas apesar de a imagem do mundo que vemos fora de nós ser uma
ilusão não significa necessariamente a negação do mundo físi...
Patañjali enumerou nove condições da mente ou do corpo que
causam viksepa:
1) Doença: a doença do corpo físico atrai muita...
3) Dúvida: a fé inabalável na eficácia do Yoga e de seus métodos é
condição mandatória. Na Divina aventura com que o sādha...
4) Negligência: Tem o efeito de relaxar a mente e minar o trabalho. A
negligência é uma fraqueza que impede o homem de ati...
6) Mundanalidade: imersão em interesses pertinentes à vida
exterior. O alvorescer de viveka e o progressivo despertar das ...
8) Não-conquista de um estágio: a técnica essencial do Yoga consiste,
nas etapas iniciais, em estabelecer a mente com firm...
Os nove obstáculos enumerados nesse sūtra são aqueles que
causam viksepa.
Há defeitos sérios de caráter que podem tornar-s...
Neste sūtra Patañjali mostra as condições pelas quais pode ser reconhecida a
presença de viksepa.
Dor = estado de conflito...
Como se tratam de meros sintomas, a maneira certa de lidar com eles é tratar
a mente da doença fundamental que a aflige. E...
O objetivo das práticas dos sūtras seguintes não é a conquista de samādhi.
Para tal conquista há uma série de diferentes p...
Neste sūtra Patañjali define a atitude correta do yogi nas várias situações que
podem surgir em seu relacionamento com aqu...
Frieza diante das pessoas também não é a solução. A vida espiritual não
combina com reações violentas, nem com fria indife...
Neste sūtra Patañjali referiu-se somente a algumas práticas preliminares de
prānāyāma e que tem objetivo limitado: a purif...
O meio que Patañjali sugere a seguir para tornar a mente firme é sua
absorção em alguma cognição sensorial superfísica. Ta...
Em Laya-Yoga a mente torna-se serena pela absorção em Anāhata śabda. O
mesmo pode ser obtido colocando-se me contato com o...
Vītarāgas são as almas que venceram as paixões humanas e elevaram-se
acima de rāga-dvesa. A meditação sobre a vida e o car...
Como pode o sādhaka utilizar a condição vazia da mente durante o sono para
desenvolver a unidirecionalidade?
Nesse sūtra, ...
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

8

Share

Download to read offline

A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada

Download to read offline

Resumo da introdução e seção 1 do livro "A CIÊNCIA DO YOGA" de I.K.Taimni - Ed. Teosófica

Related Books

Free with a 30 day trial from Scribd

See all

Related Audiobooks

Free with a 30 day trial from Scribd

See all

A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada

  1. 1. A CIÊNCIA DO YOGA I. K. Taimni
  2. 2. Introdução Todo estudante de Yoga necessita de uma apreciação inteligível e clara da filosofia e técnica do Yoga para que possa decidir se vale a pena empreender um estudo mais profundo até onde é permitido ao intelecto ir. Assim, o estudante sério poderá, com mais propriedade, decidir se deseja, mais tarde, ingressar no caminho do Yoga como sādhaka. Somente quando ingressa no caminho do Yoga prático e começa a efetuar mudanças fundamentais em sua natureza é que o estudante pode esperar vislumbrar de fato os problemas do Yoga e sua solução.
  3. 3. Introdução Há uma vasta literatura atualmente disponível sobre Yoga e seus vários tipos. Mas, em torno de um pequeno núcleo de ensinamentos fundamentais e genuínos do Yoga, cresceu, ao longo dos milhares de anos, uma vasta quantidade de literatura espúria. Tudo isso se tornou muito perigoso para os estudantes inexperientes, principalmente no que tange às práticas tântricas. Os Yoga-Sūtras de Patañjali revelam-se a obra de maior autoridade e a mais útil de todas. São 196 sūtras que sintetizam o essencial da filosofia e da técnica do Yoga, numa exposição condensada e sistemática.
  4. 4. Primeira Seção (Samādhi Pāda) Natureza geral do Yoga e sua técnica. Responde “o que é Yoga?” Samādhi é a técnica do Yoga por excelência Segunda Seção (Sādhana Pāda) – primeira parte Trata de filosofia de Klesas Responde: “por que deveria alguém praticar Yoga?” A filosofia de Klesas tem que ser muito bem entendida para se seguir no caminho do Yoga. Segunda Seção (Sādhana Pāda) – segunda parte Trata das primeiras cinco práticas da técnica do Yoga, referidas bahiranga ou externas. São práticas preparatórias que visam tornar o sādhaka apto à prática do samādhi. Esta seção visa habilitar o aspirante física, mental, emocional e moralmente à prática do Yoga superior, daí ser chamada de Sādhana Pāda Terceira Seção (Vibhūti Pāda) – primeira parte Trata das três práticas restantes da técnica do Yoga, referidas antaranga, ou internas. É através dessas práticas, que culminam em samādhi, que todos os mistérios da vida do Yoga são desvendados e os poderes ou siddhis são adquiridos. Terceira Seção (Vibhūti Pāda) – segunda parte São discutidas em detalhes essas realizações. Por isso a seção se chama Vibhūti Pāda. Quarta Seção (Kaivalya Pāda) São expostos todos os problemas filosóficos essenciais envolvidos no estudo e prática do Yoga (natureza da mente e a percepção mental, do desejo e seus efeitos aprisionadores etc.). Fornece uma base de conhecimento teórico. Em resumo é apresentado o seguinte nos Yoga- Sūtras:
  5. 5. Introdução Não deve haver dúvida de que a séria persecução do ideal do Yoga é uma tarefa muito difícil. E não pode ser assumida como mero lazer, ou como um meio de escapar às tensões da vida comum. Pode ser empreendida apenas a partir de: • Um pleno entendimento da natureza humana, da miséria e do sofrimento que lhes são inerentes; • Uma compreensão de que o meio de acabar permanentemente com a miséria e com o sofrimento é encontrar a verdade que está guardada em nosso íntimo através da disciplina do Yoga.
  6. 6. SEÇÃO 1 SAMĀDHI PĀDA
  7. 7. Atha yogānusāsanam I-1) (Será feita) agora uma exposição do Yoga Patanjali condensou em uns poucos sūtras todo o conhecimento essencial concernente à ciência do Yoga com máxima condensação e continuidade do tema fundamental. O esforço para se reconhecer o “fio” oculto do raciocínio, sob idéias aparentemente desconexas, muito frequentemente fornece a chave para o significado de muitos sūtras. O método sūtra é superior sobre os métodos modernos de apresentação. A necessidade de lutar com as palavras e as idéias e extrair seus significados ocultos assegura uma assimilação bastante completa do conhecimento e desenvolve, simultaneamente, os poderes e as faculdades da mente, em especial aquela importante e indispensável capacidade de extrair do recôndito da própria mente o conhecimento nele oculto.
  8. 8. Yogaś citta-vrtti-nirodhah I-2) Yoga é a inibição das modificações da mente Yoga (da raiz yuj, “unir”) trata da UNIÃO de jivātmā ou alma humana com Paramātmā, a superalma. Paramātmā jivātmā Yoga Embora os dois sejam o mesmo e sejam indivisíveis, ainda sim jivātmā tornou-se subjetivamente separado de Paramātmā e está destinado, depois de atravessar um ciclo evolutivo no universo manifesto, a unir-se outra vez com Ele, em consciência. Yoga é esse estado de unificação dos dois, em consciência, bem como o processo mental e a disciplina por meio da qual essa união é atingida.
  9. 9. Cit: aspecto em que se baseia o lado forma do universo e através do qual ele é criado (correspondente ao Logos Cósmico Manifesto ou o Filho, que ao criar se torna o Pai ou Deus Criador ou Demiurgo) O reflexo de cit na alma individual é citta. Citta é aquele instrumento através do qual jivātmā materializa seu mundo individual, nele vive e evolui, até que se torne perfeito e unido com Paramātmā. Cada ser involuído vive em seu mundo, com seu citta, aspecto de cit. Aspecto imperfeito até que, com os ciclos evolutivos, citta passa a refletir cit, até a união suprema. Neste sentido cada jivātmā é Paramātmā, mesmo quando condicionado e limitado Citta pode ser considerado um meio universal através do qual a consciência atua em todos os planos do universo manifesto (na psicologia a mente é confinada tão somente à expressão do pensamento, volição e sentimento).
  10. 10. PRAKRITI PURUSA Cit Cit é da natureza de Purusa, mas afetada por Prakriti A natureza de citta é fundamentalmente a da consciência. É imaterial, mas afetada pela matéria. De fato, se pode dizer que citta é um produto de consciência e matéria, ou purusa e prakrti, sendo ambos necessários para o seu funcionamento. Citta é como uma tela intangível, que permite que a luz da consciência seja projetada no mundo manifestado e somente pode ser conhecido quando se atinge a iluminação
  11. 11. Vrtti é derivada da raiz vrt, que significa “existir”. Vrtti é assim uma maneira de existir, um funcionamento ou modificação. Citta tem existência somente quando a consciência é afetada pela matéria. Então ela funciona entre a consciência e a matéria. Então a palavra “funcionamento” talvez expresse ao máximo a importância de vrtti no presente contexto. Pontos importantes a destacar: 1 - Citta-vrtti não é uma vibração. Citta não é algo material. As vibrações somente ocorrem no veículo e podem produzir uma citta-vrtti. 2 – Citta-vrtti não é uma imagem mental (ver I-5). Ela tem um caráter mais fundamental do que meras imagens mentais às quais estão associadas.
  12. 12. Conceituando Vrtti As coisas não mudam, nós é que mudamos. O início de um hábito é como um fio invisível (vrttis), mas cada vez que o repetimos o ato reforça o fio, acrescenta-lhe outro filamento (samskaras), até que se torna um enorme cabo e nos prende, de forma irremediável, no pensamento e ação (vásaná)
  13. 13. Nirodha, derivado de niruddhan, significa “restringido”, “controlado”, “inibido”, palavras que se aplicam aos diferentes estágios do Yoga. Restrição nos estágios iniciais; controle nos estágios mais avançados; inibição ou total supressão, no último. Esse sūtra e suas quatro palavras definem magistralmente a natureza essencial do Yoga e sua definição cobre todos os estágios do progresso pelos quais passa o yogi, assim como os estágios de desenvolvimento da consciência resultante desse progresso. É igualmente aplicável ao estágio de Kriyā-Yoga no qual ele aprende as lições preliminares, aos estágios de dhāranā e dhyāna, nos quais ele traz a mente sob seu completo controle, para os estágios de sabīja-samādhi, no qual ele tem de suprimir as “sementes” de samprajñāta samādhi, e ao último estágio de nirbīja-samādhi, em que se inibe todas as modificações de citta e ultrapassa o domínio de prakrti, entrando no mundo da Realidade.
  14. 14. Quando todas as modificações da mente, em todos os níveis, foram completamente inibidas, o vidente é estabelecido em seu próprio svarūpa e atinge a auto-realização. Não podemos saber o que é esse estado de auto-realização enquanto estivermos envolvidos no movimento dos citta-vrttis. Só pode ser percebido de dentro para fora, não pode ser compreendido de fora para dentro Mesmo a compreensão parcial e superficial que podemos obter sob nossas limitações atuais, por meio do estudo e da reflexão, somente é possível alcançar após dominarmos por completo e teoria e a técnica do Yoga, apresentadas neste tratado. Tadā drastuh svraūpe ‘vasthānam I-3) Então o vidente está estabelecido em sua própria natureza essencial e fundamental
  15. 15. Vrtti-sārūpyam itaratra I-4) Nos outros estados existe assimilação (do vidente) com as modificações (da mente) Quando as citta-vrttis não estão no estado de nirodha, e drastā (o vidente) não está estabelecido em seu svarūpa (em sua forma original, em sua identidade real) ele está assimilado com aquele vrtti particular que ocorre ocupar, no momento, o campo de sua consciência. As citta-vrttis não permitem assim o repouso da mente e a real expressão da natureza da consciência. A mente entra em repouso ou através de para-vairāgya (desapego, renúncia. A palavra vairāgia forma-se a partir de “vai” que significa seco e “rāga” que significa cor, paixão, sentimento, emoção, interesse), desenvolvido por Iśvara-pranidhāna (redenção à Divindade por parte do indivíduo, submissão absoluta da vontade individual à Vontade Divina), ou através da prática de samādhi. Em ambos os casos o resultado é a iluminação.
  16. 16. Vrttayah pañcatayyah klistāklistāh I-5) As modificações da mente são de cinco tipos e são dolorosas ou não dolorosas Há modificações da mente que provocam o prazer e a dor e há outras que são neutras (uma percepção sensorial qualquer que nada signifique para nós). Todas as experiências de prazer e dor são penosas para as pessoas que desenvolveram a faculdade do discernimento e não estão cegas pelas ilusões da vida inferior. Ignorância  busca de fontes de prazer (que se tornarão fontes de dor). Toda fonte de prazer encerra uma potencial fonte de dor. Viveka ou discernimento permite ver a fonte de dor oculta por trás de cada experiência prazerosa. Todas as experiências que envolvem nossos sentimentos são fontes de dor, pois geram rāga (apego, paixão) e dvesa (aversão). Além da classificação dos citta-vrttis em dolorosos e não-dolorosos, os mesmos foram classificados com base na natureza do pratyaya produzido em citta.
  17. 17. Pratyaya  conhecimento tingido por um objeto, conhecimento de alguma coisa. Muitas vezes pratyaya e vrtti são entendidos como sinônimos, mas não são, já que a presença de pratyaya não implica necessariamente a ocorrência de um vrtti. Isso é evidente pelo fato de que em samādhi aparecem vários tipos de unidades de consciência (vitarka, vicāra etc. ) os quais não podem ser classificados como vrtti mas que pertencem às várias categorias de pratyaya. O objetivo dessa classificação é mostrar que todas as nossas experiências no domínio da mente consistem em modificações mentais e nada mais. O controle e a total supressão dessas modificações, portanto, exigem por completo nossa vida inferior e levam-nos, inevitavelmente, à aurora da consciência superior.
  18. 18. Pramanā-viparyaya-vikalpa-nidrā-smrtayah I-6) (Elas são) conhecimento correto, conhecimento errôneo, fantasia, sono e memória Nossa vida mental consiste num grande número de imagens mentais variadas. E todas podem ser classificadas conforme esse sūtra. Pramānā (reta percepção) e viparyaya (percepção errônea, erro) abrangem todas as imagens mentais formadas por algum tipo de contato direto, através dos órgãos dos sentidos, com o mundo exterior. Pramānā Mente (Citta) Meio de obtenção do conhecimento Prameya Objeto do conhecimento Pramatā O conhecedor
  19. 19. Vikalpa (imaginação) e smrti (memória) abrangem todas as imagens ou modificações da mente que são produzidas sem qualquer contato direto com o mundo exterior. São resultado da atividade independente da mente, a partir de dados obtidos pelos sentidos. Nidrā é o estado de sono sem sonho, quando o Ego se retira com sua vontade e quando até mesmo os resquícios da mente inferior também se retiram para além do limiar da consciência cerebral. Neste estado não há imagens mentais no cérebro. A mente continua ativa em seu próprio plano, mas suas imagens não são refletidas na tela do cérebro físico. Citta-vrttis Superiores As citta-vrttis correspondentes aos níveis mais elevados da mente, embora definidos, vívidos e capazes de serem expressos indiretamente através da mente inferior, estão além de sua compreensão e podem ser percebidos em seus próprios planos, no estado de samādhi, quando a consciência transcende a mente inferior. O Yoga começa o controle e a supressão do tipo inferior das citta-vrttis. O sādhaka tem de esperar até que ele compreenda a técnica do samādhi para tratar do citta-vrttis do tipo superior.
  20. 20. Pratyaksānumānāgamāh pramānāni I-7) (Os fatos de) conhecimento correto (são baseados em) cognição direta, inferência e testemunho Pramānā (conhecimento correto ou conhecimento relacionado a fatos), abrange todas as experiências em que a mente está em contato direto ou indireto com o objeto dos sentidos no tempo, e a percepção mental correspondente aos objetos. As fontes de conhecimento são três e somente em uma, pratyasaka, há o contato direto com o objeto. Nos outros dois casos o contato é indireto através de algum outro objeto (inferência) ou pessoa (testemunho). O conhecimento direto pode prover de uma, de duas ou das três fontes de conhecimento e somente se estiver correto será do tipo pramānā. Se estiver errado, pertencerá à segunda categoria, viparaya.
  21. 21. Viparyayo mithyā-jñanam atad-rūpa-pratisthami I-8) Conhecimento errôneo é uma concepção falsa de uma coisa, cuja forma real não corresponde a tal concepção errada Esse vrtti também é baseado no contato com o objeto externo. Mas a imagem mental não corresponde ao objeto. Sempre que houver falta de correspondência entre nossa concepção de uma coisa e a coisa em si, temos realmente um exemplo de viparyaya. Parece que esse tipo de vrtti é muito mais frequente do que pensamos, pois, em geral, como podemos garantir que nossas imagens mentais correspondem à realidade, à coisa em si? O que é de fato a coisa em si? Qual é a realidade de uma coisa?
  22. 22. śabda-jñānānupātī vastu-śūnyo vikalpa I-9) Uma imagem evocada por palavras sem base em nenhuma substância, é fantasia Nesse vrtti e no próximo não existe contato com o objeto e a imagem mental é pura criação da mente. Se a modificação é baseada em experiência anterior e é meramente reproduzida, temos um caso de memória. Mas se é pura criação da mente (não baseada em experiência real prévia) então temos a fantasia ou imaginação. Quando lemos um romance nossos vrttis pertencem ao domínio da fantasia. Quando relembramos, as modificações mentais pertencem ao domínio da memória. Mesmo a fantasia usa imagens mentais derivadas da memória (percepções sensoriais passadas). Mas, as combinações são novas e não correspondem a qualquer experiência verdadeira.
  23. 23. Abhāva-pratyayālambanā vrttir nidrā I-10) A modificação da mente baseada na ausência de qualquer conteúdo é sono Durante o tempo que a pessoa está em sono, a mente é um espaço em branco ou um vazio. Não há pratyaya (conhecimento de alguma coisa) no campo da consciência. Esse estado parece ser o mesmo que citta-vrtti nirodha, no qual há também completa supressão das modificações mentais. Como então esse estado difere da condição de nirbīja-samādhi, já que os dois são polos à parte? A diferença está que no estado de sono a mente não para de modo algum. Somente sua atividade é que não fica registrada no cérebro. No sono, com o cérebro desligado, é como se desengatasse o motor de um carro sem desligá- lo. A atuação do motor não seria possível, mas o mesmo continuaria a funcionar. No sono a atividade do cérebro é transferida para um veículo mais sutil e continua como antes No Yoga, a atividade da mente ou citta é que é suprimida e para isso é necessário parar as vibrações do corpo mental inferior, enquanto em vigília.
  24. 24. Anubhūtavisayāsampramosah smrtih I-11) Memória é não permitir a fuga de um objeto que foi experimentado As experiências são retidas na mente como meras impressões (samskāra) e, enquanto estiverem presentes em sua forma potencial, como meras impressões, não poderão ser consideradas como citta-vrtti. Somente quando as impressões potenciais são convertidas em seu estado ativo, sob a forma de imagens mentais, é que podem ser consideradas, propriamente, como uma citta-vrtti.
  25. 25. Abhyāsa-vairāgyabhyām tan-nirodhah I-12) A sua supressão (é obtida) pela prática persistente e pelo desapego Os dois meios usuais de se conseguir a supressão das modificações da mente são: prática e desapego, duas palavras aparentemente simples, mas que significam um enorme esforço da vontade humana.
  26. 26. Tatra sthitau yatno ´bhyāsah I-13) Abhyāsa é para permanecer firmemente estabelecido nesse estado (de citta-vrtti-nirodha) Abhyāsa é todo esforço no sentido de alcançar esse estado transcendente em que foram suprimidas todas as citta-vrttis e a luz da Realidade brilha sem cessar em seu pleno esplendor. Os meios são muitos e variados e todos podem ser incluídos em abhyāsa. Patañjali incluiu em seu sistema particular de Yoga oito tipos de práticas, daí Astānga-Yoga, ou Yoga de oito partes. Mas há outros sistemas de Yoga usuais no Oriente. Yoga é um sistema experimental e, como qualquer ciência, constantemente são descobertas novas técnicas. Cada instrutor de nível avançado, embora seguindo os princípios gerais do Yoga e as técnicas de sua escola específica, imprimi um toque pessoal aos seus ensinamentos.
  27. 27. As tu dīrgha-kāla-nairantarya-satkārāsevito drdha-bhūmih I-14) (Abhyāsa) torna-se firmemente estabelecido pela prática por longo tempo, sem interrupção e com reverente adoração Três condições habilitam o sādhaka a estabelecer-se firmemente no caminho: a) As práticas devem ser continuadas por longo tempo; b) Não deve haver interrupções; c) A senda deve ser trilhada com espírito de reverência e devoção Tais condições visam deixar claro as dificuldades, tendo-se em vista que daqueles que ingressam nessa senda, apenas uma microscópica minoria está apta a progredir. A maioria dos aspirantes cedo ou tarde desiste por completo, ou conserva uma aparência de meras formas exteriores, logo que o encantamento esgota-se.
  28. 28. A verdadeira causa da descontinuidade da prática é, na grande maioria dos casos, a falta de maturidade espiritual, sem a qual não é possível sucesso na senda. As práticas devem ser continuadas por longo tempo porque as mudanças que devem ser efetuadas em nosso caráter, em nossa mente e em nossos veículos é tal que, a menos que as práticas sejam mantidas por longo tempo, não se pode esperar progresso apreciável. Nossa natureza tem que ser completamente mudada e a mudança é de um caráter fundamental. Tal mudança vai depender do estágio evolutivo de cada um. Teoricamente, um homem pode passar imediatamente ao samādhi, “se” ele estiver apto a uma completa autoentrega a Iśvara. Mas este é um enorme “se” e os samskāras do passado não lhe permitirão realizar, imediatamente nesta vida, aquilo que só pode ser feito após longa e ardorosa disciplina. Assim, aquele que ingressa seriamente na senda precisa estar decidido a continuar não apenas por muitos anos, mas através de muitas vidas.
  29. 29. A exigência de não ser permitida interrupções se baseia no fato de que muito do trabalho do Yoga implica realizar mudanças básicas, muito profundas e fundamentais nos vários veículos. O sucesso na execução das mudanças desejadas depende da continuidade da prática. A interrupção pode significar não só atraso como retrocesso. A maioria das mudanças requeridas em nossa mente e em nosso caráter implica algumas alterações nos diversos veículos, e estes últimos processos, que são materiais, devem estar quase completos para que se tornem praticamente irreversíveis. Yoga é um empreendimento sério e exige uma aplicação intensa e de todo o coração, Quanto mais difícil o trabalho, maior a devoção requerida. E Yoga é o mais difícil dos trabalhos que se possa empreender. Antigamente, as pessoas que desejavam praticar Yoga se retiravam para a floresta para devotar-se completamente a essa tarefa. Hoje o isolamento completo não é possível e, talvez, nem necessário, mas uma devoção de todo o coração a essa tarefa sagrada é absolutamente imprescindível.
  30. 30. O sādhaka deve trabalhar contínua e deliberadamente para eliminar, uma a uma, todas as atividades e os interesses que interferem em seu trabalho principal e que inutilmente consomem seu tempo e energia. A capacidade de empenhar-se com toda a dedicação e persistência na tarefa, na qual o sādhaka comprometeu-se é uma qualificação necessária e mostra até que ponto a alma está pronta para a Divina Aventura. Quando as três condições mencionadas no sūtra estão presentes, o progresso na senda do Yoga está assegurado.
  31. 31. Drstānuśravika-visaya-vitrsnasya vāśīkāra-samjñā vairāgyam I-15) A coexistência de perfeito domínio (dos desejos) no caso de alguém que tenha deixado de ansiar por objetos vistos ou não vistos é vairāgya. Esse sūtra define vairāgya, o segundo meio usual de produzir a supressão dos citta-vrttis. O completo significado de vairāgya e seu papel de propiciar à mente uma condição de repouso será plenamente compreendido somente após o estudo da filosofia dos kleśas. A palavra vairāgya é derivada da palavra rāga definida como atração proveniente do prazer originário de qualquer objeto. Vairāgya significa, portanto, a ausência de atração por objetos que dão prazer. E a repulsão, dvesa, que faz parte da atração, também está incluída em rāga e com rāga forma um par de opostos. A alternância da atração e da repulsão entre dois indivíduos ligados entre si mostra a relação subjacente de atração e repulsão e sua origem comum derivada do apego.
  32. 32. O desapego, que significa liberdade tanto em relação à atração quanto à repulsão, expressa corretamente o significado de vairāgya. Por que vairāgya desempenha um papel tão importante na restrição e, depois, na eliminação de citta-vrttis? Porque o desejo em suas duas expressões - rāga e dvesa – é uma força extraordinariamente impulsionadora e perturbadora que, de forma ininterrupta, produz vrttis na mente. Somente quando a força motriz do desejo é completamente eliminada que a mente descansa (estado de nirudha) de modo natural e automático. A prática de vairāgya é a eliminação das forças motrizes do desejo (aqui em seu mais amplo sentido de vasanā). Mas a eliminação dos citta-vrtti pela prática exclusiva de vairāgya não é recomendável e nem executável. Precisa- se também de abhyāsa. Abhyāsa e vairāgya são utilizadas conjuntamente para citta-vrtti nirodha.
  33. 33. A prática de vairāgya procura destruir a sede pelas duas espécies de deleites, aqueles provenientes de objetos que são vistos e aqueles provenientes do que não é visto. O yogi tem um ideal de realização que vai além dos deleites de uma vida suprafísica de deleites (céu) os quais reconhece também como transitórios. Todo prazer e poder “nascidos” do contato com prakriti não são inerentes ao Eu e, por conseguinte, não tornam o yogi auto-suficiente. Quando a consciência atua nos mundos superiores, não é o sentimento de prazer ou bem aventurança que constitui rāga. A atração, e o consequente apego, é que causam a escravidão e precisam ser destruídos pela prática de vairāgya. A indiferença temporária aos prazeres sensuais não é vairāgya. A atração latente é tão perniciosa quanto a ativa. O que é necessário para vairāgya é a deliberada destruição de todas as atrações e o consequente apego e domínio consciente dos desejos. Para se conseguir domínio sobre os desejos é preciso que se tenha tido contato com toda espécie de tentação, ter passado por todas as provas e ter saído não apenas triunfante, mas sem a mais leve sensação de atração.
  34. 34. O domínio completo do desejo vem quando não há mais atração. A prova vem da vitória em meio aos prazeres e às tentações. A verdadeira vairāgya não é uma luta violenta contra os desejos. Vem com o exercício do discernimento ou viveka. A verdadeira arma a ser utilizada na aquisição do autêntico vairāgya é a mais penetrante luz de buddhi, que se expressa como viveka. À medida que nossos corpos vão se purificando e nossa mente se tornando livre dos desejos mais grosseiros, essa luz aumenta e destrói nossos apegos, expondo as ilusões neles subjacentes. Vairāgya e viveka podem ser considerados dois aspectos do mesmo processo de dissipação da ilusão pelo exercício do discernimento, de um lado, e a renúncia, de outro. À medida que o processo vai atingindo seu nível mais profundo, ele vai-se fundindo cada vez mais com jñāna, tornando-se quase indistinguível dele.
  35. 35. Tat param purusa-khyāter gunavaitrrsnyam I-16) Este é o mais elevado vairāgya, no qual, devido ao percebimento do purusa, cessa o mais leve desejo pelos gunas Foi mencionado que o discernimento e a renúncia fortificam-se mutuamente e produzem a destruição progressiva de ilusões e apegos, raiz e causa da escravidão. Isso resulta na liberação da consciência dos grilhões que a ligam aos mundos inferiores e todo o processo culmina com Kaivalya, objetivo final do Yoga. Purusa, tendo compreendido sua verdadeira natureza e se livrado do jugo da matéria torna-se superior a todas as atrações que se baseiam no jogo dos gunas. Este vairāgya baseado na destruição de avidhyā e na compreensão de que tudo está contido no próprio purusa, ou que purusa é a fonte de tudo, é a mais elevada espécie de vairāgya e é chamada para-vairāgya.
  36. 36. Para-vairāgya, que é uma característica da consciência do purusa, somente pode aparecer na conquista de Kaivalya, pois embora possa não haver apego ativo nos estágios inferiores, ainda assim, as raízes do apego permanecem. Este fato foi muito bem exposto na sloka (II-59) do Bhagavad-Gitā: “Os objetos dos sentidos, mas não o gosto por eles, afastam-se de um abstêmio morador no corpo; e mesmo o gosto por eles afasta-se dele após o Supremo ser visto”
  37. 37. Vitarka-vicārānandāsmitānugamāt samprajñātah I-17) Samprajñāta samādhi é aquele que é acompanhado por raciocínio, reflexão, bem-aventurança e sentido de puro ser I-17 e I-18 tratam das duas variedades de samādhi: • samprajñāta samādhi • asamprajñāta samādhi • É aconselhável antes examinarmos a natureza de samādhi, mencionados nos Yoga-Sūtras. • Os sutras concernentes aos diferentes aspectos da samādhi estão espalhados por diferentes partes dos Yoga-Sūtras.
  38. 38. Samādhi • Os três estágios da meditação conduzindo a samādhi. (III-1 a 4); • Samprajñāta samādhi e asamprajñāta samādhi (I-17, 18); • O processo essencial envolvido em sabīja samādhi.(I-41); • As diferentes fases de sabīja samādhi (I-42 a 50); • A técnica de nirbīja samādhi (I-51; III-8; IV-26 a 29) • Os três tipos de transformação envolvidas em samādhi.(III-9 a 12) Samādhi pode ser definido como: “um mergulho nas camadas mais profundas da consciência de quem esteja operando através dos diferentes graus da mente” • Samadhi não expressa um estado específico ou definido da mente. Ele se aplica a uma extensa série de estados mentais superconscientes os quais conduzem à kaivalya
  39. 39. Samādhi • A consciência é um aspecto da Realidade Última em manifestação e sua expressão depende do grau específico da mente através da qual ela esteja atuando. • Os diferentes estágios de samādhi representam a liberação progressiva da consciência em relação às limitações em que se encontra envolvida, sendo que Kaivalya é o estado em que ela pode novamente funcionar em plena liberdade. • Como a consciência funciona em diferentes níveis, em diferentes graus da mente, através de diferentes mecanismos chamados veículos ou kośas, sua liberação progressiva das limitações pode ser encarada também como sua retirada de um veículo para outro mais sutil, que tem menos limitação e funções mais abrangentes devido à matéria mais sutil.
  40. 40. Samādhi • O primeiro aspecto de samādhi destacado por Patañjali é a distinção entre samprajñāta e asamprajñāta samādhi. • Muitos estudantes os confundem com sabīja e nirbīja samādhi. Os pares de termos são bem distintos e devem ser bem entendidos pelo estudante sério. • Vejamos primeiro a distinção entre samprajñāta e asamprajñāta samādhi. Samprajñāta samādhi quer dizer samādhi com prajñā. Asamprajñāta samādhi quer dizer um estado associado com prajñā mas diferente de samprajñāta samadhi
  41. 41. Prajñā • Prajñā significa a consciência superior atuando através da mente em todos os seus estágios. É a inteligência do Logos, a sabedoria que está além da mente e além do intelecto. • É a sabedoria que extingue as aflições e traz a iluminação advinda da meditação sobre o princípio Universal. • É o mais elevado conhecimento, o conhecimento direto da Realidade através do intuicional ou da precisão cognitiva. Não está baseado nos sentidos nem na lógica, diferenciando-se do Jñāna, que é aquele conhecimento obtido através dos órgãos da percepção e do raciocínio. • Essa consciência superior, a qual se desenvolve em samādhi, é obtida quando a mente é completamente isolada do mundo físico e a consciência é centralizada em um ou mais grupos de veículos, começando pelo mental inferior e finalizando com o veículo ātmico. A consciência está, assim, livre da carga e interferência do cérebro físico.
  42. 42. Pratyaya • Tanto samprajñāta quanto asamprajñāta samādhi estão ligados a prajñā (samprajñā). • A diferença está na presença ou na ausência de um pratyaya no campo da consciência. Pratyaya: Conteúdo total da mente a qualquer momento, mente no seu sentido mais amplo e não apenas como intelecto. Pratyaya pode ser de qualquer tipo e pode existir em qualquer plano da mente. Uma imagem mental de uma criança, um conceito de um princípio matemático, uma visão todo-abrangente da Unidade da vida são todos pratyayas de diferentes tipos e pertencentes a diferentes planos.
  43. 43. • Em samprajñāta samādhi há um pratyaya (chamado “semente”) no campo da consciência, e a consciência é inteiramente dirigida para ele. A consciência é assim dirigida do centro para o exterior. • Em asamprajñāta samādhi não há pratyaya e, portanto, nada há que retire a consciência para o exterior e que a retenha ali. • A figura 1 a seguir ilustra os estágios progressivos de recolhimento da consciência para o seu centro e sua emergência no plano seguinte.
  44. 44. Asamprajñāta samādhi • Tão logo pratyaya (P) é abandonado ou suprimido, a consciência começa a retroceder automaticamente para o seu centro (O), e, depois de passar momentaneamente através deste centro laya, tende a emergir no próximo veículo mais sutil. Completado este processo, pratyaya (P’) do plano seguinte mais elevado aparece, e a direção da consciência novamente se dá do centro para fora. • Desde o instante em que pratyaya (P) é suprimido até o momento em que o pratyaya (P’) do plano seguinte aparece, o yogi está no estágio de asamprajñāta samādhi, um estado plenamente consciente e sob controle da vontade, mas com a mente num espaço em branco, o espaço em branco de samādhi, e não o tipo de vazio que normalmente acontece no estado de sono profundo ou coma.
  45. 45. Asamprajñāta samādhi • Mente desligada do mundo exterior, mas perfeitamente concentrada e sob total controle da vontade. • Asamprajñāta samādhi representa uma condição muito dinâmica da mente e difere de samprajñāta samādhi somente quanto à ausência de pratyaya no campo da consciência. • O vazio de asamprajñāta samādhi é as vezes chamado de “nuvem” no Yoga e a experiência pode ser comparada a de um piloto cujo avião penetra numa massa de nuvens. • Quando a consciência do yogi sai de um plano e o pratyaya desse plano desaparece, ele se encontra num vazio e ali deve permanecer até que sua consciência automaticamente emirja no plano seguinte com seu novo e característico pratyaya.
  46. 46. Samādhi • No caso do yogi avançado, essa experiência pode ser repetida muitas vezes e ele passa de um plano a outro até que do mais sutil deles, o ātmico, ele dá o mergulho final na Realidade – a consciência do purusa. A “nuvem” na qual ele agora entra é chamada de dharma megha. Quando ele sai dessa “nuvem”, já deixou para trás o domínio de prakrti e encontra- se em seu próprio svarūpa.
  47. 47. Samādhi • No recolhimento progressivo da consciência do plano mental inferior para sua origem, samprajñāta samādhi com seu característico pratyaya e asamprajñāta samādhi com seu vazio seguem um ao outro, alternando-se sucessivamente, até que a última barreira tenha sido transposta e o yogi esteja estabelecido em seu svarūpa e sua consciência tenha se unificado com a consciência do purusa. • O recolhimento da consciência em direção ao seu centro não é assim, um mergulho firme e ininterrupto em profundidades cada vez maiores, mas consiste em alternados movimentos da consciência, para fora e para dentro, em cada barreira que separa dois planos.
  48. 48. Samādhi • O tempo empregado na passagem pelos diferentes planos e vazios intermediários depende do progresso alcançado pelo yogi. Em geral, quando o yogi está ainda aprendendo a técnica do samādhi, precisa empregar considerável tempo num determinado plano antes de tentar passar ao plano imediatamente superior. Seu progresso depende: • De seu esforço atual • Do impulso do passado • Dos samskāras que traz de suas vidas anteriores samskāras : ativadores subliminares ou kármicos. Impressões deixadas pelo passado no subconsciente da mente e que determinam o modo como percebemos os pensamentos internos e as coisas externas.
  49. 49. O Sūtra I-17 - Samādhi • Em I-17 Patañjali menciona as características da consciência que se desdobra nos quatro estágios de samprajñāta samādhi, correspondente aos quatro estágios dos gunas mencionados em II-19 (Os estágios dos gunas são o particular, o universal, o diferenciado e o indiferenciado) • Este sūtra significa que as quatro fases ou estágios sucessivos de samprajñāta samādhi são acompanhados pelas atividades ou estados da mente denominados, respectivamente, vitarka, vicāra, ānanda e asmitā. • Esses são representações funcionais dos estágios de samādhi, diferentes da representação estrutural de classificação dos planos, e indicam as funções essenciais e dominantes da mente e não os nomes dos veículos através dos quais essas funções são exercidas.
  50. 50. Samādhi • Samprajñāta samādhi começa quando a consciência está completamente desligada do mundo externo, após passar pelos estágios preliminares de dhāranā e dhyāna. • No primeiro estágio de samprajñāta samādhi a consciência está centrada no mundo mental inferior e atua através do manomaya kośa. A função essencial da mente nesse estágio é designada pela palavra vitarka.
  51. 51. Os Sucessivos estágios de Samādhi
  52. 52. Samādhi • Observe que quando uma pessoa puder deixar seu corpo físico e atuar nos veículos mais sutis chamados corpo astral e corpo mental ela não estará, necessariamente em estado de samādhi por não estar presente a condição peculiar descrita em III-3. A mente está dirigida para diferentes objetos em sucessão e não concentrada em um único objeto. Sutra III-3: “A mesma (contemplação), quando há consciência somente do objeto de meditação, e não de si mesma (a mente) é samādhi”
  53. 53. Samādhi • Depois de dominar a técnica das fases savitarka e nirvitarka no primeiro estágio, o yogi pratica asamprajñāta samādhi e retira sua consciência para o plano imediatamente superior atravessando a “nuvem” que acompanha asamprajñāta samādhi. • A consciência do yogi emerge então no mundo mental superior e atua através do corpo causal. A função essencial da mente ao atuar através desse veículo é chamada vicāra. O yogi começa agora a praticar samādhi nesse plano dominando lentamente as técnicas de savicara e nirvicara e mais uma vez pratica asamprajñāta samādhi até emergir com sua consciência no veículo ānandamaya kośa e depois em ātmā, cujas funções essenciais são denominadas ānanda e asmitā.
  54. 54. Estágios dos Gunas • Vejamos o significado das palavras vitarka, vicāra, ānanda e asmitā, conforme sūtra II-19. • Como são quatro os estados de consciência que o yogi tem de atravessar em samādhi, antes de ele ser liberado do domínio dos gunas, é natural que haja quatro estágios de gunas. As características dos quatro estados de consciência, os estágios dos gunas e os veículos através dos quais estes estados de consciência expressam-se são:
  55. 55. Característica do Estado de Consciência Estágio dos Gunas Veículo de Expressão Explicação do Estágio dos Gunas Exemplo Vitarka (atividade da mente inferior através da qual ela diferencia determinado objeto de todos os outros) Viśesa (particular) Mental Concreto Viśesa significa “particular” e refere-se ao estágio da mente inferior que vê todos os objetos apenas como coisas particulares, como nomes e formas, com existência separada e independente, além de uma identidade separada. O objeto está separado de seu arquétipo e da Divina consciência da qual faz parte. Conceito de um cão em particular, com o conceito de sua espécie, raça, nome e demais atributos específicos daquele animal Vicāra (processo mental no qual as qualidades são isoladas de objetos particulares e combinadas em um único conceito abstrato) Aviśesa (universal) Mental Abstrato Aviśesa significa “universal” ou “não- específico”. Corresponde à atividade da mente superior, cuja função é lidar com universais, arquétipos e princípios subjacentes ao mundo dos nomes e das formas. Conceito de “cão” a partir da observação de um representante particular. Conceito da espécie “canina” a partir da observação de um grande número de representantes com a formação de um conceito abstrato referente a tal animal Ānanda (neste estado de consciência todos os objetos e princípios universais tornam-se parte de uma consciência universal, como partes de um todo indivisível. Mas cada parte ainda tem sua identidade distingüível Lioga (marca) Búdico Lioga-mātra significa um estado de consciência em que objetos particulares, e até mesmo princípios, são meros marcos ou sinais que servem para distingüí-los de outros objetos. É o estágio de gunas correspondente ao estado supramental de buddhi ou intuição. O estágio correspondente, em samādhi, é acompanhado por ānanda Condição de unidade na diversidade. Os objetos são percebidos lado a lado com o percebimento da consciência. Asmitā Alioga (Sem marca) Ãtmico Neste estágio, objetos e princípios perdem sua identidade separada. A consciência torna- se tão predominante que ela fica “fora de foco”. Percebe-se que tudo no universo consiste apenas de modificações na consciência – Brahma-vrtti. Os objetos saem de foco e somente permanece o percebimento da consciência Divina, da qual eles são modificações.
  56. 56. • Os estágios mentais de vitarka e vicāra não correspondem aos processos mentais que ocorrem no estado de samādhi. No estado de samādhi a mente está completamente isolada do mundo exterior, fundida por assim dizer com o objeto, num estado de abstração. O pensamento concreto e abstrato são apenas tímidos reflexos, representações qualitativas dos processos mentais extremamente sutis que tem lugar em samādhi. • Deve-se notar que, do começo ao fim do recolhimento da consciência, nos quatro estágios, há sempre algo no campo da consciência. Durante o período de asamprajñāta samādhi não há pratyaya, mas somente uma “nuvem” ou vazio que é uma cobertura sobre a consciência pura, uma impressão não nítida produzida na consciência quando esta passa através da fase crítica entre o pratyaya de dois planos sucessivos.
  57. 57. • Em samprajñāta-samādhi a consciência pode conhecer somente a natureza de algo que esteja colocado em seu campo de iluminação. Ela não pode conhecer sua própria natureza. • Sobre o pratyaya de planos superiores, quanto mais elevado o plano maior o fracasso em tentar descrevê-los. Cada mundo só pode ser conhecido através do veículo que a consciência utiliza nele. • A descida sucessiva da consciência implica não só limitação por certo número de envoltórios, mas também a perda de certo número de dimensões de espaço e tempo com limitações adicionais na consciência.
  58. 58. Virāma-pratyayābhyāsa-pūrvah samskāra-śeso ´nyah I-18) A impressão remanescente que perdura na mente com a supressão do pratyaya, após a prática anterior, é a outra (isto é, asamprajñāta samādhi) • Virāma-pratyayā significa “a cessação” do pratyaya. Isso, é claro, refere-se à “semente” de samprajñāta-samādhi que é abandonada e desaparece no campo da consciência na prática de asamprajñāta-samādhi. • Asamprajñāta-samādhi somente pode ser praticada após a prática prolongada de samprajñāta–samādhi. De fato, o recolhimento da consciência em asamprajñāta-samādhi e sua passagem através do centro laya dependem da manutenção de uma pressão constante da vontade que está implícita no esforço de manter a mente em samprajñāta-samādhi. Não há mudança na condição da mente, exceto o desaparecimento do pratyaya.
  59. 59. • A pressão deve ser exercida em samprajñāta-samādhi antes que possa ser utilizada em asamprajñāta-samādhi. • A impressão que perdura na mente, depois que pratyaya de um plano tenha sido suspenso e antes que pratyaya do próximo plano apareça, em condições normais, só pode ser o vazio. Mas este vazio não é um estado estático (embora possa ser essa a sensação do yogi quando o atravessa). É uma condição dinâmica, porque a consciência está sendo lenta ou rapidamente transferida de um plano para outro, como mostrado na figura 1. A consciência não pode ficar suspensa indefinidamente no vazio. Ela precisa emergir em um dos dois lados do centro laya. • Se a técnica de nirodha parināma não tiver sido suficientemente dominada, ela pode ser impelida a voltar ao plano que acaba de deixar, e, então, as “sementes” que tenham sido suspensas reaparecerão. Mas se a mente pode permanecer no estado de niruddha por um tempo suficientemente longo, como indicado em III-10, a consciência cedo ou tarde emergirá no plano superior seguinte.
  60. 60. Nirodha parināma  No processo progressivo de Auto-Realização através de samādhi, a mente pode passar de um para outro estágio através do uso de três, e somente três, tipos de transformações sequencialmente inter-relacionadas e que constituem três partes de um complexo e mais amplo processo, que deve ser repetido em cada plano, à medida que a consciência se recolhe em direção à Realidade.  Nirodha parināma é a transformação que resulta da supressão dos citta-vrttis.  Tão logo se inicie o controle da mente, nirodha entra em ação. Sutrā III-9
  61. 61. Nirodha parināma  Nirodha no começo (dhāranā) significa restrição e que evolui depois para supressão em samādhi.  Em dhāranā quando a vontade está procurando todo o tempo suprimir as distrações e substituí-la pelo objeto escolhido, há um estado momentâneo no qual nem a distração nem o objeto escolhido estão presentes, ficando a mente sem qualquer pratyaya.  Assim, nirodha parināma é aquele estado momentâneo da mente que intervém quando uma impressão que ocupa o campo da consciência é substituída por outra. Sutrā III-9
  62. 62. Nirodha parināma  Entre duas impressões sucessivas é preciso haver um estado momentâneo no qual a mente não tem, absolutamente, qualquer impressão, ou está presente em uma condição não modificada.  O objetivo de nirodha parināma é produzir, voluntariamente, este estado momentâneo e, gradualmente, prolongá-lo, de modo que a mente se mantenha nesse estado não modificado durante considerável espaço de tempo.  O prolongamento do estado de niruddha, por meio de esforços repetidos significa a permeação da mente pelo momentâneo estado de nirodha, ou completa supressão dos vrttis. Sutrā III-9
  63. 63. Nirodha parināma  Nirodha parināma abrange todo o processo, começando com o primeiro esforço na supressão da “semente” e terminando com o firme estabelecimento do estado de niruddha ;  O yogi deve estar apto a manter o estado de niruddha por um tempo suficientemente longo, para possibilitar à consciência passar através da “nuvem”, ou vazio, e emergir no plano seguinte. Sutrā III-9
  64. 64. Nirodha parināma  Ao passar de uma condição em que a “semente” de samādhi ocupa o campo da consciência para uma condição de completo nirodha. Há uma luta entre duas tendências contrárias, a da “semente” de surgir de novo no campo da consciência, e a da mente de permanecer na condição de nirodha  Nenhuma outra distração pode surgir e ocupar o campo da consciência, pois esta tendência já foi eliminada nos dois processos anteriores de samādhi parināma e ekāgratā parināma.  Samādhi parināma eliminou a tendência de surgirem distrações no campo da consciência.  Ekāgratā parināma estabeleceu a tendência de a mesma impressão – a “semente” – persistir sem interrupção. Sutrā III-9
  65. 65. Nirodha parināma  Esta é a razão por que, quando a força de vontade é exercida para suprimir a “semente”, é somente esta sementeespecífica que pode aparecer outra vez.  Isso mostrará também por que os estados de samādhi parināma e ekāgratā parināma têm de ser atingidos antes que a vontade possa ser exercida para produzir o estado de niruddha  Se essas técnicas não tiverem sido dominada, então após cada esforço de supressão, poderá surgir um novo pratyaya, ou distração, como acontece no caso do homem comum que tenta praticar nirodha. Sutrā III-9
  66. 66. Nirodha parināma  O primeiro esforço para suprimir a “semente” de samprajñāta– samādhi produz um vazio apenas momentâneo. A tendência da “semente” de voltar a emergir na consciência, é tão forte, devido à prática anterior de ekāgratā , que ela retoma a posse da mente e a transforma à sua própria imagem.  A repetição do esforço, na supressão, torna cada vez um pouco mais fácil produzir o estado de niruddha e nele manter a mente por um pouco mais de tempo.  Esta prática contínua aumenta gradualmente a tendência da mente de permanecer no estado de niruddha, e enfraquece a tendência da “semente” de reaparecer no campo da consciência Sutrā III-9
  67. 67. As Três parināmas (transformações) Sutrā III-9 Dhāranā Dhyāna Samādhi Samprajñāta-Vitarka Asamprajñāta Savitarka Nirvitarka Samādhi parināma Ekāgratā parināma Nirodha parināma Niruddha elimina a tendência de surgirem distrações no campo da consciência estabelece a tendência de a mesma impressão – a “semente” – persistir sem interrupção produz voluntariamente o estado momentâneo no qual a mente não tem, absolutamente, qualquer impressão Estado de completa supressão dos vrttis
  68. 68. • Asamprajñāta-samādhi não é senão o recolhimento da consciência para o seu centro laya, antes que possa começar a atuar em outro plano. Esse centro da Realidade é cercado por certo número de veículos concêntricos os quais são iluminados pela consciência a partir desse centro quando a consciência é focada num determinado veículo. É nesse sentido que a transferência da consciência de um veículo para outro em samādhi deve ser compreendida. • Outro ponto importante é o de que por ser o centro comum a todos os veículos o ponto de encontro de todos os planos, é para ele que a consciência deve se recolher, antes que possa ser transferida para outro veículo. • Se a consciência estabelecer-se permanentemente no centro da realidade, como ocorre com Adeptos altamente avançados, a questão do recolhimento para o centro deixa de existir.
  69. 69. • Mas se esse centro comum a todos os veículos é também o centro da Realidade no interior de cada yogi, por que não tem ele um vislumbre da realidade ao atravessar de um plano para outro? O que impede o yogi de atingir a Realidade sempre que pratica asamprajñāta-samādhi? • A resposta são os samskāras, ainda perturbando a mente do yogi, obscurecendo sua visão e impedindo-o de ter um vislumbre da Realidade. Urge que os samskāras sejam inteiramente destruídos, antes que o yogi esteja livre para entrar no campo da Realidade, a partir de qualquer ponto que desejar. Mas, embora o yogi, ainda sobrecarregado com samskāras, não possa ter um claro vislumbre da Realidade, ele pode sentir, por assim dizer, a Realidade cada vez mais, à medida que progride na direção de seu objetivo e o fardo de seus samskāras torna-se mais leve. Visto dessa maneira, cada asamprajñāta-samādhi sucessivo é um precursor do nirbīja samādhi, único que pode oferecer uma visão límpida da Realidade.
  70. 70. Há uma diferença entre dois tipos de yogis. Para os videhas e prakrtilayas, seu transe não resulta da autodisciplina regular referida nos Yoga-Sūtras. Depende de seu “nascimento” (capacidade de passar ao transe de modo natural, sem esforço, como resultado de uma constituição física e mental peculiar) Para o segundo tipo de yogi, o samādhi resulta da prática regular do Yoga, a qual requer certos traços elevados de caráter. O estado de samādhi é assim precedido por fé, energia, memória e elevada inteligência. Os verdadeiros yogis deste tipo atingem seus objetivos de maneira normal, adotando os meios normais preconizados nos Yoga-Sūtras. Com isso deduz-se que para os yogis do primeiro tipo, suas faculdades e poderes vêm-lhes de um modo anormal, como um acontecimento acidental resultante de suas vidas, sem qualquer esforço considerável da parte daqueles. Bhava-pratyayo videha-prakrtilayānāmh I-19) Daqueles que são videhas e prakrtilayas, o nascimento é a causa
  71. 71. Videhas: significa literalmente “incorpóreo” Prakrtilayas: significa “fundido em prakrti” Videhas provavelmente refere-se ao grande número de psíquicos espalhados pelo mundo e que são médiuns por natureza. O psíquico é uma pessoa com constituição física peculiar (facilidade do corpo denso de ser separado do duplo etérico ou prānamaya kośa). É possível que a palavra videha deva sua origem a essa peculiaridade da pessoa de ser capaz de tornar-se parcialmente “desincorporado”, peculiaridade acompanhada da capacidade de exercer faculdades psíquicas espúrias. Prakrtilaya também não são uma classe elevada de yogis. São pseudo-yogis que tem a capacidade de entrar num estado passivo ou transe que, externamente, se assemelha ao samādhi. Tal samādhi é chamado de jada- samādhi. No verdadeiro samādhi a Consciencia do yogi vai se fundindo cada vez mais com a Mente Universal e, depois, com a Consciência Universal – que é Caitanya.
  72. 72. Como podem aqueles que estão fundidos em prakrti, que é jada, ser considerados yogis avançados? Esses pseudo-yogis possuem certa capacidade de refletir a consciência superior em seus veículos. Tais poderes, porém, não estão sob seu controle e a consciência que eles trazem para esse plano é obscurecida e têm uma vaga compreensão do Grande Mistério. Esses poderes são, sem dúvida, devido aos samskāras vindos à tona a partir das vidas passadas nas quais eles praticaram Yoga, mas também fizeram algo que lhes cortou o direito de temporariamente fazer mais progressos. Esses samskāras dão-lhes uma constituição peculiar dos veículos inferiores, mas não a vontade e a capacidade de trilhar a senda regular do Yoga.
  73. 73. Yogis verdadeiros  certos traços de caráter essenciais. Patañjali mencionou quatro, mas cujas implicações são bem maiores que o significado literal das palavras. A conquista do ideal do Yoga é a culminação de um longo e severo processo de construção do caráter e de disciplina, para o desabrochar de poderes e faculdades a partir do interior, e nunca o resultado de métodos vulgares de uma cultura autodidata, de métodos fáceis e passado por novos instrutores. As quatro qualificações dadas por Patañjali são: Fé: convicção firme no que concerne à presença da verdade que procuramos em nosso interior e na eficácia da técnica do Yoga para a consecução de nosso objetivo. É o estado de certeza interior quando a mente é irradiada pela luz de Buddhi. Śraddha-vīrya-smrti-samādhi-prajñāpūr-vaka itaresām I-20) (No caso) dos outros (upāya-pratyaya yogis), fé, energia, memória e grande inteligência precedem e são necessários para o samadhi
  74. 74. Energia: o yogi deve possuir uma vontade indomável que sobrepuja todos os obstáculos e força o caminho para o objetivo desejado. Esse traço permite ao yogi conseguir exercer o esforço quase sobre-humano que se exige no Yoga. Memória: o yogi precisa adquirir a capacidade de prestar atenção às lições da experiência e retê-las em sua consciência. As lições aprendidas e, depois, esquecidas normalmente redundam em enorme perda de tempo. Grande inteligência: Samādhi-prajñā é o estado de mente ou consciência essencial à prática do Samādhi. Nesse estado a mente volta-se habitualmente para dentro, empenhada na busca da Realidade oculta em seu interior, absorta nos profundos problemas da vida, esquecida do mundo externo, ainda que tomando parte em suas atividades.
  75. 75. O primeiro fator determinante da velocidade dos progressos obtidos é o grau de dedicação. Quanto mais ardente o desejo de atingir o objetivo, mais rápido o progresso. Uma grande intensidade de desejo polariza todos os poderes e faculdades mentais e ajuda enormemente na realização dos objetivos. No caso do yogi, as mudanças envolvidas estão todas dentro de sua consciência. Nada realmente se interpõe entre o yogi e seu objetivo, exceto seus próprios desejos e fraquezas. os quais são subjetivos e exigem meramente compreensão e mudança de atitude. Na prática essencial do Yoga estamos lidando com o recolhimento da consciência para dentro de si mesma. Tivra-samvegnām āsannah I-21) (O samādhi) está mais perto daqueles cujo desejo (pelo samādhi) é intensamente forte
  76. 76. Iśvara-pranidhāna é um meio independente e auto-suficiente de ocasionar samādhi. Pode ser desenvolvido com extrema rapidez, quando uma alma espiritualmente madura entrega-se de todo o coração à Iśvara, com total desapego e desprendimento.
  77. 77. A real dificuldade para a maioria dos aspirantes é que o grau de determinação é muito débil e não há suficiente pressão da vontade para vencer os obstáculos que surgem no caminho. Desejos e fraquezas que simplesmente se desvaneceriam numa atmosfera de seriedade e enfoque realístico em relação aos problemas da vida continuam a mantê-los escravizados, ano após ano, vida após vida por falta de desejo determinado de atingir o objetivo. De fato a Auto-Realização pode ser instantânea, se a intensidade e sinceridade do desejo forem igualmente grandes Observe que nesse contexto a palavra “desejo” exprime a idéia de vontade indomável, de intensa concentração de propósitos, ante o qual todos os obstáculos se dissolvem gradualmente.
  78. 78. O outro fator que indica a velocidade de progresso do yogi é a natureza dos meios que ele adota. Astānga-Yoga de Patañjali menciona somente os princípios gerais do método a ser seguido na liberação da consciência das limitações de avidyā e na obtenção da Auto-Realização. Astānga-Yoga: sistema com técnica bem definida, mas sem rigidez, adaptável às necessidades individuais de diferentes tipos, em diferentes épocas e com diferentes potencialidades e capacidades. É um regime elástico e flexível. Embora os meios sejam flexíveis, o sistema se baseia numa técnica bem definida para lidar com os diferentes problemas de sādhana. Mrdu-madhyādhimātratvāt tato’pi viśesah I-22) Mais uma diferenciação (surge) em razão da suave, média ou intensa (natureza dos meios empregados)
  79. 79. Patañjali classificou os meios em três classes: - Suave - Média - Intensa seguindo assim o clássico método de classificação adotado no pensamento filosófico hindu, um sistema algumas vezes estranho, mas bastante recomendável por ser simples, elástico e levar em consideração a natureza relativa dos meios empregados. O que pode parecer intenso para um yogi em um estágio de evolução, pode parecer moderado a outro mais avançado e movido por um desejo mais intenso.
  80. 80. É possível atingir samādhi seguindo-se outra senda, na qual o estudante não causa a supressão deliberada das citta-vrttis pela força de sua vontade. Nesta senda ele simplesmente se entrega à vontade de Iśvara e funde todos os seus desejos com a Vontade Divina. O que é Iśvara-pranidhāna e como pode levar ao samādhi, é explicado detalhadamente em II-32 e II-45 que tratam desse caminho de entrega à Iśvara. Esses sutras (I-23 a I-28) relativos à Iśvara deram origem a uma controvérsia entre os eruditos pois o Yoga é considerado baseado no Sāmkhya e Sāmkhya é considerada uma doutrina ateísta. A relação entre Yoga e Sāmkhya não foi nitidamente estabelecida, mas Yoga é uma ciência prática que necessita de uma base teórica. Como o sistema esboçado por Patañjali é essencialmente científico, tornou-se inevitável que ele adotasse o sistema de filosofia Sāmkhya como base teórica, já que tal sistema é mais científico em sua perspectiva e abrangente em seu tratamento. Īśvara-pranidhānād vā I-23) Ou pela auto-entrega a Deus
  81. 81. Mas isso não quer dizer que o Yoga é baseado em Sāmkhya. O próprio fato do Yoga apresentar a questão do Iśvara-pranidhāna mostra que a similaridade entre Yoga e Sāmkhya não pode ser levado muito a sério. O fato de Sāmkhya, ao tratar amplamente de questões teóricas, silenciar quanto aos métodos práticos de obter-se a liberação do cativeiro de avidyā mostra que o sistema pretendeu não ser mais do que puramente teórico deixando ao indivíduo a tarefa de descobrir diretamente as verdades genuínas da existência, seguindo um sistema prático, tal como esboçado nos Yoga-Sūtras.
  82. 82. Neste sūtra Patañjali nos dá duas idéias com relação à Īśvara. 1 - Ele é um purusa, uma unidade individual de Consciência Divina, como os outros purusas. 2 - Ele não é submetido a kleśa, karma etc, como os outros purusas, ainda envolvidos no ciclo da evolução. Purusa livra-se de kleśa e karma ao atingir Kaivalya, e o veículo através do qual karma atua (karmāśaya) é destruído. Kleśa-karma-vipākāśayair aparāmrstah purusa-viśesa Īśvarah I-24) Īśvarah é um purusa particular, que é incólume às aflições da vida, às ações e aos resultados e impressões produzidos por essas ações.
  83. 83. Īśvara é a Divindade que preside um Sistema Solar. Durante seus estágios anteriores de evolução, ele ocupou muitos estágios na Hierarquia que governa e dirige o Sistema Solar. Em Sua Consciência o Sistema Solar vive, se move e tem o seu ser. Os diversos planos do Sistema Solar são seus corpos e as forças que fazem funcionar o Sistema Solar são suas forças. Qual a relação entre o Īśvara de um Sistema Solar e os inúmeros purusas que estão na evolução pré-Kaivalya ou ainda associados a um Sistema Solar após alcançarem a libertação? De acordo com a ciência oculta os purusas separados são, de um modo misterioso unos e participantes da Vida e Consciência Unas de Īśvara. Os purusas individuais são nutridos pela Vida de Īśvara ou purusa-viśesa. Há uma coexistência de Unidade e Separatividade até o fim do manvantara, um paradoxo que o intelecto não pode desvendar, mas que a Auto-Realização desvela.
  84. 84. Este sūtra nos dá uma outra idéia com relação à Īśvara. Cada Sistema Solar é considerado uma manifestação separada e, em grande parte, independente da Realidade Una, correspondendo assim, sua separação e seu isolamento às enormes distâncias de outros Sistemas Solares espelhados pelo cosmo, como tantos outros centros na Consciência da Realidade Una em manifestação, chamada Saguna Brahman. Em torno de cada centro manifesta-se a vida do Logos ou Īśvara, desse sistema. Sistema Solar = reencarnação de seu Īśvara, trazendo a cada nova manifestação, em escala macroscópica, os Samskāras dos sistemas que o precederam. Tatra niratiśayam sarvajña-bījam I-25) Nele está o limite mais elevado da Onisciência.
  85. 85. Como cada Īśvara representa um estágio definido no infinito desenvolvimento da consciência no mundo do relativo, conclui-se que seu Conhecimento, ainda que quase ilimitado em relação aos outros purusas no Sistema Solar, tem que ser considerado limitado em relação à Realidade Última, da qual Ele é uma manifestação parcial. Essa limitação é o limite mencionado neste sūtra. Mesmo um Īśvara está no domínio de māyā, por mais tênue que seja o véu de separação de Sua Consciência daquela de Nirguna Brahman, a única Consciência que pode ser considerada ilimitada. Todos os purusas em determinado Sistema Solar estão em evolução. Quando o Yoga é praticado o desenvolvimento da consciência é acelerado a um grau notável e as fronteiras do conhecimento são subitamente ampliadas a cada estágio sucessivo em samādhi. Quando Kaivalya é atingido, depois de dharma-megha-samādhi, ocorre uma enorme expansão da consciência, mas que não é o fim da evolução. Haverá a necessidade dessa expansão ser acompanhada pela correspondente expansão do conhecimento. Mas haverá um limite para o conhecimento que pode ser obtido nesse sistema, que é o limite de onisciência do Īśvara do sistema.
  86. 86. Vimos que todos os purusas derivam seu poder e consciência de Īśvara que representa o limite desses atributos em seu sistema. No enorme período de existência de um Sistema Solar (bilhões de anos), somente Īśvara guia todas as cadeias, globos, raças e sub-raças. Todos os Instrutores e Líderes são inspirados pelo Īśvara do sistema que é o único Grande Instrutor. A pressão de seu Conhecimento e de sua Vontade Divina, por trás do progresso evolutivo do ser humano, vai naturalmente ampliando os limites do conhecimento humano. Todos os grandes Instrutores Espirituais foram considerados corporificações do Grande Guru. A “Luz no Caminho” é a luz de seu conhecimento, e a “Voz do Silêncio” é a Sua voz. Sa pūrvesām api guruh kālenāna-vacchdāt I-26) Não estando condicionado pelo tempo, Ele é o Instrutor até mesmo dos Antigos.
  87. 87. Nesse sūtra e nos próximos dois Patañjali estabelece um método preciso para um contato direto com Īśvara. Antes de continuarmos com o comentário deste sūtra, façamos um breve estudo da teoria do Mantra-Yoga. Tasya vācakah pranavah I-27) Sua designação é o Om.
  88. 88. É o ramo do Yoga que procura produzir mudanças na matéria e na consciência pela ação do “Som” (som num sentido especial). A manifestação primordial da Realidade Última ocorre através de uma vibração peculiar, sutil, denominada śabda, que significa “Som” ou “Verbo”. O mundo é não apenas criado, mas mantido por este śabda que se diferencia em inúmeras formas de vibração, subjacentes ao mundo dos fenômenos. Todos os fenômenos da natureza podem, em última análise, basear-se em vibração ou expressões peculiares de energia. A ciência tem demonstrado que matéria e energia são interconversíveis (E=mc2). Mantra-Yoga
  89. 89. Em certo sentido, Matéria = Energia. Percepção dos fenômenos materiais = percepção de vibrações que causam cinco tipos de sensações. Fenômenos mentais = percepção de vibrações em meios mais sutis que o físico (p. ex. Transmissão de pensamento). Assim, o fundamento de todo o mundo manifesto é um agregado de vibrações de vários graus e tipos. Essas vibrações ou expressões de energia não somente constituem o mundo manifesto (planos), mas também, por suas ações e interações, produzem todos os fenômenos. Mantra-Yoga
  90. 90. Indo mais profundamente na ciência oculta, todas as vibrações infindáveis em número e complexas são expressões de uma Única Vibração produzida pela Vontade de Īśvara. Essa primária e integrada vibração, da qual derivam todas as vibrações em manifestação, é chamada Śabda-Brahman (a Realidade Última em seu aspecto de “Som”). Mantra-Yoga
  91. 91. A Realidade Última, trazendo Consigo os samskāras de manifestações anteriores, diferencia-se na manifestação em duas expressões primárias, complementares e mutuamente dependentes:  Uma Vibração Integrada composta denominada Śabda-Brahman;  Uma Consciência Integrada subjacente, chamada Brahma-Caitanya (a Realidade em Seu aspecto Consciência) Desse relacionamento primário de vibração e consciência, existente no mais alto nível de manifestação, flui a relação das duas em todos os planos de manifestação até chegar ao físico. Verifica-se assim que, sempre que haja manifestação de consciência há uma vibração a ela associada, esteja-se ou não apto a percebê-la. Mantra-Yoga
  92. 92. Vibração e consciência encontram-se indissoluvelmente ligadas e para cada espécie de vibração há um aspecto particular de consciência associado. No mundo físico, cada vibração da luz (comprimento de onda) produz uma particular percepção de cor. O mesmo vale para o som. No futuro deverá a ciência descobrir que para cada sensação peculiar de olfato, paladar e tato corresponde um determinado tipo de vibração. E o que é verdadeiro embaixo é verdadeiro em cima. Com isso é natural supor-se que a consciência pode ser influenciada ou alcançada por meio de vibrações. Determinados estados de consciência podem ser causados por determinadas espécies de vibração. Mantra-Yoga
  93. 93. Não somente a consciência pode ser afetada pela vibração, mas a consciência, provocando determinadas vibrações, pode também influenciar a matéria e acarretar-lhe mudanças. Os princípios aqui citados formam a base do Mantra-Śāstra, a ciência de usar os mantras para obter certos resultados tangíveis, bem como o Mantra-Yoga, a ciência da unificação ou desenvolvimento da consciência com o auxílio de mantras. Mantra-Yoga
  94. 94. A idéia essencial de ambos é: “produzindo-se um tipo específico de vibração através de um veículo, é possível atrair uma espécie particular de força através do veículo, ou produzir determinado estado de consciência no veículo” As letras do alfabeto sânscrito (52 letras = 52 forças) são os elementos dos quais derivam todos os mantras de origem sânscrita. Cada letra é o veículo de uma força eterna básica (aksara) que quando introduzida em um mantra, contribui com sua influência específica para o efeito total. Mantra-Yoga
  95. 95. Consideremos agora o sūtra em discussão. Īśvara é o verdadeiro Instrutor de todos e a fonte da Luz Interior, com cujo auxílio o yogi triha a senda da Liberação. Essa Luz aparece quando a mente torna-se suficientemente purificada pela prática do Yoga. Mas há certas dificuldades iniciais a serem superadas antes que a prática possa ser iniciada com a necessária seriedade. Essas dificuldades relacionam-se com as condições gerais da mente, quase sempre desfavoráveis à prática do Yoga. Uma mente inconstante e indisciplinada torna muito difícil o mergulho nos recessos da consciência. Como superar as distrações e estabilizar a mente o suficiente?
  96. 96. O primeiro e mais eficiente meio que Patañjali prescreve para superar a condição de distração da mente é japa, de pranava, e a meditação sobre seu significado. Ele considera pranava o vācaka de Īśvara. O que é vācaka? Significa literalmente nome ou designação, mas no Mantra-Yoga ele tem um significado específico, que é essencialmente da natureza de um mantra e, quando usado de um modo especial, tem o poder de revelar a consciência e liberar o poder de um Devatā ou Ser Divino. Sendo uma combinação sonora que designa uma entidade específica, ela é semelhante a um nome. Um vācaka é um nome que tem um relacionamento místico com o Vācya (Entidade designada) e tem, inerente, o poder de revelar a consciência e liberar o poder do individuo a quem se destina. Om, por exemplo, é um vācaka, considerado pelos hindus, o mais místico, sagrado e poderoso mantra, por ser o vācaka de Īśvara.
  97. 97. O poder de um mantra como pranava é potencial, não ativo. É como o poder de uma semente que precisa ser desenvolvida gradualmente, a partir do preenchimento de certas condições essenciais. Muitos pensam que simplesmente repetindo um mantra já podem obter o resultado desejado. Não podem, do mesmo modo que uma semente de mangueira não pode satisfazer um homem que está com fome. O poder que reside em um mantra deve ser desenvolvido gradualmente, mediante a aplicação de métodos corretos, antes que possa ser utilizado pelo sādhaka. O processo exige anos de disciplina intensa e concentração. Quanto mais elevado o objetivo do Mantra mais difícil e prolongado o processo de desenvolvimento do poder nele latente. Tajjapas tad-artha-bhāvanam I-28) Sua constante repetição e meditação sobre seu significado
  98. 98. Os dois principais meios de desenvolver o poder latente em pranava (aplicáveis a outros mantras) são: a) Japa: técnica de Mantra-Yoga de repetição do mantra (primeiro em voz audível, depois silenciosamente e, por último, mentalmente) da forma prescrita até que os resultados comecem a aparecer. A repetição é, por vezes, um teste de paciência do sādhaka. A eficácia de japa se deve ao fato de todo jīvātama ser um microcosmo, contendo em si a potencialidade do desenvolvimento de todos os estados de consciência e todos os poderes presentes, em forma ativa, no macrocosmos. “Todas as forças que possam ajudar essa centelha divina, no coração de cada ser humano, a se transformar em um fogo crepitante, devem ser aplicadas” O Mantra funciona como a semente, o elemento que integra e polariza as forças presentes no jīvātama.
  99. 99. A potência do mantra depende da capacidade de despertar vibrações sutis no interior dos veículos que ele afeta. A vibração física do mantra tem atrás de si vibrações mais sutis. São os diferentes aspectos de vāk ou “fala”. É a ação das formas sutis do som que desencadeia o desenvolvimento da consciência e torna as potencialidades ocultas em poderes ativos. Essa liberação de poderes toma um curso definido de acordo com a natureza do mantra, tal qual certa árvore advém de um certo tipo de semente.
  100. 100. b) O outro meio de utilizar o poder latente de pranava é bhāvanā, que significa literalmente “habitar em um tema na mente”. O objetivo de pranava é contatar a Consciência Divina de Īśvara. Japa tem o efeito de sintonizar os veículos (abrir o caminho). Mas para que flua a Consciência Divina de “cima para baixo” é necessário que haja uma pressão ou força para unir jīvātama com Paramātmā. Em Bhakti-Yoga essa força assume a forma de intensa devoção ou Amor. Na Mantra-Yoga assume a forma de bhāvanā ou intensa meditação sobre o significado do Mantra e do objeto que se busca alcançar. Bhāvanā não é um mero processo intelectual mas a conjunção de todas as nossas faculdades em busca do objetivo. Bhāvanā polariza todos os nossos poderes e faculdades e produz a necessária concentração de propósito e faz com que as distrações que nos afastam de nosso interior aos poucos sejam removidas.
  101. 101. Neste sūtra Patañjali deu os dois resultados conseqüentes da pratica prescrita no sūtra anterior. Primeiro o despertar de um novo tipo de consciência denominado pratyak cetanā e, segundo, o gradual desaparecimento dos obstáculos. Há duas espécies de consciência diametralmente opostas – pratyak e parāoga - voltada para o interior e voltada para o exterior, respectivamente. Mente do indivíduo comum  totalmente voltada para o exterior (parāoga- cetanā) Pratyak–cetanā é a consciência voltada para seu centro Tatah pratyak-cetanādhigamo ´py antarāyā-bhāvāś ca I-29) Daí (resulta) o desaparecimento dos obstáculos e a orientação da consciência para o interior
  102. 102. PRATYAK CETANĀ PARĀŃGA CETANĀ
  103. 103. Todo o objetivo do Yoga consiste em retirar a consciência de fora para dentro, em busca do supremo mistério da vida oculto no centro de nosso ser. Assim o yogi deve substituir gradualmente a tendência da mente de se voltar para o exterior pela tendência natural e sem esforço de se centralizar. Somente nessa condição ela pode “unir-se” aos princípios mais elevados. Mas o simples fato de orientar-se para o centro não é o pratyak cetanā. Pratyak Cetanā significa o verdadeiro contato com os princípios superiores ātmā-buddhi-manas que se irradia pela personalidade. Mesmo sendo um contato indireto, ele é bastante eficiente e real para que a personalidade tire dele muitas vantagens.
  104. 104. A força de ātmā, a iluminação de buddhi e o conhecimento da mente superior infiltram-se aos poucos na personalidade, de uma forma sempre crescente e provêm o impulso e a orientação necessários para trilhar a senda do Yoga. O contato torna-se direto somente em samādhi, quando a consciência vai deixando um veículo após o outro e centraliza-se em níveis cada vez mais profundos. O outro resultado de japa e da meditação sobre pranava é o gradual desaparecimento dos obstáculos que estão no caminho do yogi (impurezas, desarmonias nos veículos, fraquezas de caráter, falta de desenvolvimento). Pranava toca o próprio coração de nosso ser e desperta vibrações que podem trazer para fora dele todos os poderes e faculdades latentes.
  105. 105. Obstáculos cedem assim ao seu estímulo dinâmico. Deficiências são compensadas pelo desenvolvimento de faculdades correspondentes. Impurezas são dissolvidas As desarmonias nos veículos são atenuadas e os veículos sintonizam-se entre si e com Īśvara. Assim, dá-se uma completa regeneração da personalidade, uma regeneração que a torna apta a trilhar a senda de Astānga-Yoga ou de Īśvara-pranidhāna. Instrumento tão eficaz e poderoso não pode ser usado com descuido. Ele envolve o sādhaka em dificuldades e perigos. Portanto uma cautelosa observação das condições necessárias e a estrita observância de suas regras são absolutamente imprescindíveis. A prática só pode ser exercida, de maneira útil e segura, após terem sido suficientemente dominadas yama e niyama.
  106. 106. Obstáculos cedem assim ao seu estímulo dinâmico. Deficiências são compensadas pelo desenvolvimento de faculdades correspondentes. Impurezas são dissolvidas As desarmonias nos veículos são atenuadas e os veículos sintonizam-se entre si e com Īśvara. Assim, dá-se uma completa regeneração da personalidade, uma regeneração que a torna apta a trilhar a senda de Astānga-Yoga ou de Īśvara-pranidhāna. Instrumento tão eficaz e poderoso não pode ser usado com descuido. Ele envolve o sādhaka em dificuldades e perigos. Portanto uma cautelosa observação das condições necessárias e a estrita observância de suas regras são absolutamente imprescindíveis. A prática só pode ser exercida, de maneira útil e segura, após terem sido suficientemente dominadas yama e niyama.
  107. 107. Os sūtras I-23 a I-29 formam, de certo modo um conjunto distinto, dando a técnica da senda do misticismo, na qual o aspirante vai direto ao seu objetivo, sem estudar e sem dominar os planos intermediários que o separam do objeto de sua busca. Senda do Misticismo A auto-entrega é a única arma. Japa e a meditação sobre pranava são a única técnica. A técnica orienta o aspirante e remove os obstáculos e a auto-entrega faz o restante.
  108. 108. Neste sūtra Patañjali fala das condições que distraem a mente e a mantém constantemente para fora (viksepa), tornando impossível obter o sucesso no Yoga. Para praticar Yoga temos que compreender claramente a natureza de viksepa e os meios de evitá-la. Para fazer isso, examinemos antes a mente do homem comum. Há duas características que provavelmente encontraremos na maioria das pessoas: Vyādhi-styāna-samśaya-pramādālasyā-virati-bhrānti- darśāladhabhūmi-katvānavasthitatvāni citta-viksepas te ´ntarāyāh I-30) Doença, languidez, dúvida, negligência, preguiça, mundanalidade, ilusão, não-conquista de um estágio, instabilidade, estes (nove) causam a distração da mente e são os obstáculos
  109. 109. a) Falta de objetivo: não há em seu interior uma força direcional que possa modificar suas circunstâncias e dar rumo certo à sua vida. Mesmo quando decidem por um caminho em especial são facilmente jogados para fora dele ao primeiro obstáculo. Não desenvolvem a necessária FIRMEZA DE PROPÓSITO. Mas a procura de ideais do Yoga requer mais firmeza de propósito que qualquer objetivo mundano porque as dificuldades são maiores e a área de atividade é interior e o objetivo é em grande parte desconhecido e intangível. Os esforços levam muito tempo para aparecer e quando aparecem não trazem a espécie de satisfação que a personalidade geralmente espera. Sem uma extraordinária firmeza de propósito não poderá o yogi manter seu rumo, poderá ser levado à frustração e às distrações mencionadas no sūtra.
  110. 110. b) Mente completamente voltada para o exterior: as mentes das pessoas estão tão habituadas a estarem voltadas somente para o exterior que qualquer esforço de fazer voltá-las para dentro implica em uma luta mental. No caso do homem comum a tendência centrífuga da mente não é relevante, já que seu campo de atividade está no mundo exterior. Mas, no caso do yogi a tendência centrífuga da mente tem que ser substituída por uma tendência centrípeta tão forte que torne necessárias uma grande força de vontade para fazê- la se voltar para o exterior.
  111. 111. A condição da mente voltada para o exterior é chamada de parāoga-cetanā ou viksepa e é uma condição normal no caso do homem comum. Essa tendência possui um mistério subjacente e que, se estudado, lança alguma luz sobre a natureza de viksepa. Para entender esse mistério, consideremos primeiro o reflexo de uma imagem virtual em um espelho plano. Uma imagem exata do objeto colocado em frente ao espelho é vista nele como se estivesse do outro lado do espelho na mesma distância que o objeto que está na frente do espelho, conforme a figura 3:
  112. 112. A é o objeto e A’ é sua imagem formada pelo espelho MN. Os raios de luz vindos do objeto A são refletidos no espelho de tal maneira que parecem irradiar de A’, criando em A’ a imagem de A. Assim o objeto A pode ser visto onde não existe objeto algum que corresponda a ele.
  113. 113. De maneira semelhante, o mundo familiar das formas, cores, sons, etc. que vemos fora de nós e no qual vivemos nossa vida é formado por um misterioso processo de projeção mental. As vibrações transmitidas pelos órgãos sensoriais ao nosso cérebro produzem, por intermédio da mente, uma imagem em nossa consciência. A mente, porém, projeta essa imagem para o exterior, e esta projeção que produz a impressão de um mundo real fora de nós. Essa impressão de um mundo familiar, sólido e tangível é pura ilusão. O aparecimento dos objetos do mundo externo em nossa consciência está baseado no mundo externo de átomos, moléculas e suas vibrações que estimulam os órgãos sensoriais, bem como no mundo interno da Realidade, última base da imagem mental. A mente produz a interação de espírito e matéria e, além disso, projeta o resultado dessa interação para o exterior, como uma imagem virtual, como indicado na figura 4.
  114. 114. Essa projeção para o exterior, pela mente inferior, daquilo que se encontra realmente no interior é que se constitui a natureza fundamental de viksepa e que se encontra na base desta condição da mente orientada para o exterior.
  115. 115. Mas apesar de a imagem do mundo que vemos fora de nós ser uma ilusão não significa necessariamente a negação do mundo físico. O mundo físico é o estimulador da imagem do mundo, mas a imagem é a criação da própria mente (à luz da Realidade). Por exemplo, a questão da cor. Tudo o que a ciência sabe é que certa frequência luminosa dá a impressão de certa cor. Sabe somente do lado objetivo do fenômeno. Mas nada pode dizer sobre a razão de certa frequência dar a sensação de determinada cor. O mundo físico da ciência é um mundo meramente de átomos e moléculas com elétrons orbitantes e sob a ação de várias espécies de energias. O mundo mental que brota em nossa consciência por meio do mundo físico é algo totalmente à parte, ainda que dependente do mundo físico. Há um abismo entre os dois que a ciência não conseguiu e não conseguirá transpor, até que leve em consideração o mundo da Realidade, que se expressa através dos fenômenos de consciência.
  116. 116. Patañjali enumerou nove condições da mente ou do corpo que causam viksepa: 1) Doença: a doença do corpo físico atrai muitas e muitas vezes a mente para o exterior e torna difícil conservá-la voltada para o interior. Āsana e prānāyāma foram incluídas no sistema de Patañjali para garantirem a condição de saúde do corpo, condição essencial no Caminho; 2) Languidez: falta de vitalidade no sistema nervoso que pode ser devido a algum defeito em prānamaya kośa (má suprimento de energia vital para o corpo físico) ou de origem psicológica devido à ausência de um propósito dinâmico e definido na vida. A languidez sempre mina os esforços para a prática de sādhana;
  117. 117. 3) Dúvida: a fé inabalável na eficácia do Yoga e de seus métodos é condição mandatória. Na Divina aventura com que o sādhaka se compromete, o objetivo é desconhecido e não há padrões claramente definidos pelos quais ele possa mensurar e julgar seu progresso. Há, portanto, a possibilidade de surgirem dúvidas sobre os métodos empregados e sua eficiência, sobre a capacidade de se superar os obstáculos, principalmente em períodos de depressão que cruzam o caminho de todo o aspirante. É ai que ele necessita de śraddhā – fé inabalável em seu objetivo, nele próprio e nos métodos que adotou. Os períodos de depressão são inevitáveis, especialmente no começo, mas a fé inabalável é que vai determinar se o aspirante irá retornar ao caminho com força renovada ou acabar por abandonar completamente da senda;
  118. 118. 4) Negligência: Tem o efeito de relaxar a mente e minar o trabalho. A negligência é uma fraqueza que impede o homem de atingir a excelência em qualquer atividade e, mais especialmente, no Yoga. O sucesso no Yoga se atinge prestando atenção às coisas importantes e também àqueles consideradas sem importância; 5) Preguiça: Como no caso da languidez, gera ineficiência na vida. Mas difere daquela porque é um mau hábito adquirido ao longo de continuada submissão ao gosto pelo conforto, pela facilidade e pela tendência de evitar qualquer esforço. Se a languidez é um defeito puramente físico, a preguiça é uma condição psicológica. A languidez se cura com o restabelecimento da saúde e a preguiça por meio de prolongada disciplina, baseada na realização de tarefas duras e difíceis;
  119. 119. 6) Mundanalidade: imersão em interesses pertinentes à vida exterior. O alvorescer de viveka e o progressivo despertar das ilusões não elimina de imediato o impulso do passado que estimulam os interesses pela vida mundana. Tudo irá depender da realidade de viveka. Um viveka falso, resultado apenas do “pensar” leva a uma luta constante entre os desejos que impelem a mente para o exterior, e a vontade do yogi que tenta fazer a mente mergulhar no interior. A mundanalidade é uma causa séria de viksepa; 7) Ilusão: tomar uma coisa pelo que não é. Deve-se à falta de inteligência e discernimento. As experiências psíquicas podem ser muito enganosas nas práticas iniciais e podem reter o sādhaka ou mesmo retirá-lo do caminho. Excitações provenientes de experiências psíquicas causam perturbação e impedem que a mente mergulhe no interior;
  120. 120. 8) Não-conquista de um estágio: a técnica essencial do Yoga consiste, nas etapas iniciais, em estabelecer a mente com firmeza, nos estágios de dhāranā, dhyāna e samādhi e uma vez atingido samādhi, impulsioná- la firmemente, degrau por degrau, para os níveis mais profundos da consciência. Todos esses estágios implicam mudanças de um estado para outro, o que resulta de um persistente esforço de vontade. Algumas vezes a passagem é mais fácil. Em outras é como se um muro bloqueasse o caminho. O fracasso em obter uma base no estágio seguinte pode causar distração e perturbação à perfeita equanimidade da mente a menos que o yogi tenha desenvolvido inesgotável paciência e capacidade de auto-entrega. 9) Instabilidade: dificuldade que surge quando o yogi atinge uma base no estágio seguinte, mas não consegue mantê-la por muito tempo. A mente volta a seu estágio anterior e torna-se necessário considerável esforço para que a base seja recuperada. Em todos os processos mentais, reversões são, até certo ponto, inevitáveis. Somente quando a instabilidade decorre da falta de firmeza da mente é que se pode dizer que viksepa está presente.
  121. 121. Os nove obstáculos enumerados nesse sūtra são aqueles que causam viksepa. Há defeitos sérios de caráter que podem tornar-se obstáculos. O karma pode colocar obstáculos no caminho do aspirante que tornem a prática do Yoga temporariamente impossível. Nos sūtras I-32 a I39, Patañjali trata dos vários métodos para a superação dessa tendência.
  122. 122. Neste sūtra Patañjali mostra as condições pelas quais pode ser reconhecida a presença de viksepa. Dor = estado de conflito (físico ou mental) Trata-se ou de um estado de conflito interior em que a mente está dividida entre os desejos opostos, ou sob o domínio de kleśas. O desespero decorre do sentimento de impotência ou da incapacidade de remover a dor o que pode então levar ao nervosismo. O nervosismo, quando atinge certo nível, perturba a respiração, pois desorganiza o fluxo das correntes prânicas. Esses quatro sintomas representam os quatro estágios que se seguem um ao outro quando a mente está na indesejável condição causadora de viksepa. Dukkha-daurmanasyāogamejayatva-śvāsa-praśvāsā viksepa- sahabhuvah I-31) Dor (mental), desespero, nervosismo e respiração difícil são sintomas de uma condição mental dominada por distrações
  123. 123. Como se tratam de meros sintomas, a maneira certa de lidar com eles é tratar a mente da doença fundamental que a aflige. E isso implicará um longo e tedioso processo de disciplina de toda a nossa natureza, já que todas as partes de nossa natureza estão inter-relacionadas. Todo o problema referente ao sofrimento e à miséria humanos foi tratado por Patañjali na seção II, na sua teoria dos kleśas. A solução para o problema do sofrimento humano exige a conquista da Grande Ilusão. Enquanto a mente permanecer submetida às ilusões da vida inferior, o sofrimento e a miséria permanecerão e os sintomas externos que refletem essa condição desordenada da mente continuarão a aparecer.
  124. 124. O objetivo das práticas dos sūtras seguintes não é a conquista de samādhi. Para tal conquista há uma série de diferentes passos claramente definidos em Āstāoga-Yoga. O objetivo nesses sūtras é reverter a tendência da mente de correr para o exterior e desenvolver a capacidade de perseguir constantemente um objetivo no âmago do domínio de consciência. O aspirante deve desenvolver em alto grau a firmeza de propósito e a capacidade de manter a mente voltada para dentro. O objetivo dinâmico do Yoga deve entrar na vida do sādhaka de tal maneira a polarizar todas as suas forças mentais até que todas as dificuldades desapareçam. Os exercícios recomendados por Patañjali são de tal ordem que essas duas capacidades são desenvolvidas simultaneamente. Tat-pratisedhārtham eka-tattvābhyāsah I-32) Para remover esses obstáculos (deveria haver) a prática constante de uma verdade ou princípio.
  125. 125. Neste sūtra Patañjali define a atitude correta do yogi nas várias situações que podem surgir em seu relacionamento com aqueles com os quais vive. Uma das maiores fontes de perturbação para a mente são as reações descontroladas que temos em relação ao nosso ambiente humano, aquilo que as pessoas fazem ao nosso redor e as condições agradáveis ou desagradáveis nas quais nos vemos envolvidos. O homem comum não dispõe de um princípio bem definido para regular essas reações. Ele reage a essas coisas de modo casual, segundo seu humor, seus caprichos. Daí ser ele constantemente perturbado por todo tipo de emoções violentas. Maitrī-karunā-muditopeksānām sukha-duhkha-punyāpunya- visayānam bhāvanātaś citta-prasādanam I-33) A mente torna-se clara pelo cultivo de atitudes de cordialidade, compaixão, alegria e indiferença diante da felicidade, miséria, virtude e vício, respectivamente.
  126. 126. Frieza diante das pessoas também não é a solução. A vida espiritual não combina com reações violentas, nem com fria indiferença. Exigem-se reações equilibradas e corretamente reguladas pelos motivos mais elevados e em harmonia com a Grande Lei. O desenvolvimento de uma natureza dura e insensível não é desejável, pois contraria a Lei do Amor. O yogi deve ajustar e regular suas reações ao seu ambiente de acordo com as leis da psicologia e da experiência prática. O estudante de Yoga não pode demonstrar desaprovação ao vício, pois isso perturbaria sua mente. Também não pode mostrar-lhe simpatia. Assim resta- lhe somente a indiferença. O que resulta da observância da regra contida nesse sūtra é a clareza da mente e a remoção de uma das causas de perturbação mental do principiante. Todas as distorções e todos os complexos que o homem comum desenvolve em seu conflitante relacionamento com os outros devem ser pesquisados e sua psique tornada saudável e harmoniosa. Além de uma mente clara, outro requisito essencial à prática do Yoga é um sistema nervoso forte e tranquilo como descrito no próximo sūtra.
  127. 127. Neste sūtra Patañjali referiu-se somente a algumas práticas preliminares de prānāyāma e que tem objetivo limitado: a purificação dos nādis ou canais por onde fluem as correntes de prāna ou vitalidade no prānamaya-kośa. Má fluição de prāna  distúrbios nervosos  sensação de inquietação física e mental, que causa viksepa. Esta condição pode ser superada pela prática de prānāyāma (seção II). Como kumbhaka (retenção) não se inclui entre esses exercícios e nenhum tipo de tensão encontra-se envolvido, eles são completamente inofensivos e altamente benéficos para o sistema nervoso. Se praticados corretamente, por longos períodos de tempo e, simultaneamente, for seguido o regime de vida do Yoga, o corpo físico tornar-se-á leve e cheio de vitalidade e a mente calma e tranqüila. Patañjali não considera como prānāyāma esses exercícios preliminares para purificação dos nādis. Ele define prānāyāma em II-49. Kumbhaka, a cessação da inspiração e da expiração é uma parte essencial de prānāyāma. Pracchardana-vidhāranābhyām vā prānasya I-34) Ou pela expiração e retenção da respiração
  128. 128. O meio que Patañjali sugere a seguir para tornar a mente firme é sua absorção em alguma cognição sensorial superfísica. Tal cognição pode ser criada de várias maneiras, por exemplo concentrando a mente em certos centros vitais do corpo. Em exemplo típico deste método é Laya-Yoga, na qual a mente é concentrada em nāda, ou sons superfísicos que podem ser ouvidos em certos pontos dentro do corpo. De fato esse método de sossegar a mente é tão eficiente que desenvolveu-se um ramo separado de Yoga. Assim é possível que alguns yogis avancem de modo considerável em sua busca através desse método. É muito provável que Laya-Yoga se una à Rāja-Yoga em algum estágio. De qualquer modo, é muito provável que Laya-Yoga seja útil apenas no trabalho preliminar de tornar a mente calma e tranquila, propiciando ao sādhaka uma experiência direta com alguns fenômenos superfísicos. Visayavatī vā pravrttir utpannā manasah sthiti-nibandhanī I-35) A ativação dos sentidos (superiores) também ajuda a estabelecer firmeza na mente.
  129. 129. Em Laya-Yoga a mente torna-se serena pela absorção em Anāhata śabda. O mesmo pode ser obtido colocando-se me contato com outras sensações superfísicas ou outros estados de consciência transcendentes. Há muitos métodos para estabelecer contato entre os veículos inferiores e os superiores. Alguns desses métodos dependem puramente de auxílio artificial, outros do japa de um Mantra e, outros, ainda, de certo tipo de meditação. Qual desses métodos será adotado pelo sādhaka, dependerá dos samskāras que ele traz de vidas anteriores e da capacidade e do temperamento do instrutor que o inicia nessas práticas preliminares. Como resultado de tal prática, o sādhaka pode começar a ver em seu interior uma luz fora do comum ou ter uma sensação de completa paz e tranquilidade. Embora sem grande importância por si mesmas, essas experiências podem ajudar a reter a mente e proporcionar a necessária condição de serenidade. O sādhaka deve tomar o cuidado para não dar excessiva importância para tais experiências e nem deixar tais experiências tornarem-se uma fuga das tensões e pressões do dia-a-dia. Viśokā vā jyotismatī I-36) Também (através de estados experimentados interiormente) serenos ou luminosos
  130. 130. Vītarāgas são as almas que venceram as paixões humanas e elevaram-se acima de rāga-dvesa. A meditação sobre a vida e o caráter de uma alma assim naturalmente irá ajudar o sādhaka a libertar-se de rāga-dvesa. Na vida tendemos a reproduzir as idéias que constantemente ocupam nossa mente. O efeito torna-se bastante ampliado se deliberadamente selecionamos alguma virtude e sobre ela ficamos a meditar constantemente. Essa lei para construção do caráter é melhor discutida em III-24. Patañjali não recomenda a meditação sobre uma virtude abstrata, mas sobre uma virtude de modo que se corporifica em uma personalidade humana. Tal associação personalidade-virtude aumenta enormemente o poder de atração dessa virtude e sua influência em nossa vida. Outro fator importante é que uma séria meditação sobre tal personalidade nos põe em sintonia com ela e acarreta um fluxo de força e influência que acelera nosso progresso. O objeto da meditação pode ser o Mestre de alguém ou um grande Instrutor Espiritual ou uma das Encarnações Divinas. Vīta-rāga-visayam vā cittam I-37) Também a mente fixada naqueles que estão livres de apego (adquire firmeza)
  131. 131. Como pode o sādhaka utilizar a condição vazia da mente durante o sono para desenvolver a unidirecionalidade? Nesse sūtra, svapna e nidrā não se referem à condição do cérebro durante o sono, mas aos veículos mais sutis aos quais a consciência transfere-se durante o período de sono. O sonho comum é caótico e sem significado (devido ao funcionamento automático do cérebro durante o sono). Às vezes jīvātmā é capaz de registrar alguma idéia ou experiência no cérebro, produzindo, então, um sonho expressivo, mas isso é muito raro. Toda essa atividade está incluída no estado svapna. Svapna-nidrā-jñānālambanam vā I-38) Também (a mente) apoiada em conhecimentos obtidos durante o sono, com ou sem sonhos (adquirirá firmeza)
  • iseltalavera

    Jan. 16, 2021
  • gabiifsp

    Mar. 21, 2020
  • anabarbarulo

    Jan. 28, 2020
  • ayawellness

    Oct. 31, 2019
  • CarolinaEri

    Oct. 1, 2019
  • FlorbelaSequeira

    Jan. 24, 2019
  • ritto

    Apr. 24, 2018
  • IreneBSans

    Jul. 23, 2017

Resumo da introdução e seção 1 do livro "A CIÊNCIA DO YOGA" de I.K.Taimni - Ed. Teosófica

Views

Total views

2,729

On Slideshare

0

From embeds

0

Number of embeds

5

Actions

Downloads

196

Shares

0

Comments

0

Likes

8

×