I guerra mundial

1,692 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,692
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
272
Actions
Shares
0
Downloads
27
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

I guerra mundial

  1. 1. PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL (1914-1918) Professor Anderson História Colégio Japão 2013
  2. 2. O QUE É GUERRA? - “A Guerra se configura, ao mesmo tempo, como uma espécie de conflito, de violência, um fenômeno de psicologia social, uma situação jurídica excepcional, e um processo de coesão interna.” (GORI, IN:BOBBIO, 1992, p. 572) -Não é só ATIVIDADE MILITAR: -INSTRUMENTO POLÍTICO -DISPUTAS JURÍDICAS E TERRITORIAIS -PSICOLÓGICA E SOCIAL  ENVOLVE TODA UMA SOCIEDADE
  3. 3. GUERRAS ANTERIORES -EXTENSÃO LIMITADA -GUERRAS DE CURTA DURAÇÃO (NO MÁXIMO DURAVAM MESES) -RECURSOS LIMITADOS -REVOLUCIONÁRIAS E/OU IDEOLÓGICAS -NÃO ENVOLVEM TODA A SOCIEDADE -POSSIBILIDADE DA GUERRA NÃO INTERFERIR NA VIDA SOCIAL E ECONÔMICA DAS SOCIEDADES ENVOLVIDAS
  4. 4. A PRIMEIRA GUERRA: INAUGURAÇÃO DA “GUERRA TOTAL”-GUERRA DE EXTENSÃO GLOBAL -GUERRAS DE LONGA DURAÇÃO ( 1º - 4 ANOS; 2º - 6 ANOS) -ECONOMIA DE GUERRA  AS NAÇÕES USAM OS RECURSOS FINANCEIROS E HUMANOS PARA SUSTENTAR OS CONFLITOS (ARMAMENTOS, TECNOLOGIA DE GUERRA, ALIMENTAÇÃO DAS TROPAS, VESTIMENTAS, SOLDADOS...) - MOTIVAÇÕES ECONÔMICAS  DISPUTAS POR MERCADOS, RECURSOS ECONÔMICOS - OS CIVIS SÃO ATINGIDOS DIRETA E INDIRETAMENTE PELO CONFLITO (DEMOCRATIZAÇÃO DA GUERRA)
  5. 5. A GRANDE GUERRA: CAUSAS 1 – IMPERIALISMO (S) Potências econômicas rejeitam as fronteiras políticas para buscar novos mercados  CRESCIMENTO ECONÔMICO =EXPANSÃO TERRITORIAL 2- NACIONALISMO (S) Rivalidades imperialistas exploradas e que levou a construção de Histórias Nacionais em que o outro é visto como “inimigo”.
  6. 6. O CANTO DO ÓDIO QUE NOS IMPORTA O RUSSO OU O FRANCÊS (...) NÃO GOSTAMOS DELES, TAMBÉM NÃO OS ODIAMOS (...) TEMOS UM SÓ ÓDIO. AMAMOS O MESMO, ODIAMOS O MESMO. TEMOS UM SÓ INIMIGO. TODOS O CONHECEM ESCONDIDO ATRÁS DO MAR CINZENTO, CHEIO DE INVEJA E MALÍCIA, CÓLERA E ASTÚCIA, DE NÓS SEPARADO POR ÁGUAS ESPESSAS DE SANGUE. TEMOS UM SÓ ÓDIO. TEMOS UM SÓ INIMIGO: A INGLATERRA. (FERRO, 2008)
  7. 7. IMPERIALISMO -DISPUTAS POR NOVOS MERCADOS -GRÃ-BRETANHA/FRANÇA  MELHORES ÁREAS NA “PARTILHA DA ÁFRICA” NA CONFERÊNCIA DE BERLIM (1884-1885) -ALEMANHA/ITÁLIA  UNIFICAÇÕES TARDIAS E CONQUISTARAM POUCOS RECURSOS E TERRITÓRIOS. -ALEMANHA  EXPANSÃO ECONÔMICA PÓS-UNIFICAÇÃO, MAS ENFRENTAVA RESISTÊNCIA DAS GRANDES POTÊNCIAS (ALE/FRA) – DIFICULDADE EM ENCONTRAR NOVOS MERCADOS E ZONAS DE INFLUÊNCIA. -GRÃ-BRETANHA  ALIA-SE A FRANÇA E RÚSSIA PARA IMPEDIR A EXPANSÃO ALEMÃ. -FRANÇA  TENTATIVA DE RECUPERAÇÃO DA ALSÁCIA-LORENA -RÚSSIA  TEMEROSA DO AVANÇO ALEMÃO NA EUROPA ORIENTAL. -ITÁLIA  APÓIA A ENTENTE EM TROCA DE RECURSOS.
  8. 8. NACIONALISMO -AS RIVALIDADES IMPERIALISTAS LEVAM AO AUMENTO DO SENTIMENTO DE DEFESA DA PÁTRIA NAS NAÇÕES ENVOLVIDAS  TODOS OS CIDADÃOS DEVEM COMBATER O INIMIGO. -RIVALIDADES ECONÔMICAS VIRAM QUESTÕES NACIONAIS  INTERESSE DE TODOS -ESTADO-NAÇÃO: EXPLORA O SENTIMENTO NACIONALISTA A PARTIR DO ENSINO DE HISTÓRIA  O PAÍS TEM UM INIMIGO HISTÓRICO E É DEVER DOS CIDADÃOS ENFRENTÁ-LO. -FRANÇA X ALEMANHA  QUESTÃO DA ALSÁCIA-LORENA -GRÃ-BRETANHA X ALEMANHA  DISPUTA POR MERCADOS -RÚSSIA/SÉRVIA X ALEMANHA/ÁUSTRIA-HUNGRIA  PAN-ESLAVISMO -PAN-ESLAVISMO  TENTATIVA DOS POVOS ESLAVOS DE FORMAR UMA NAÇÃO, COM APOIO RUSSO  RESISTÊNCIA DO IMPÉRIO AUSTRO-HÚNGARO, COM PODER SOBRE ALGUMAS REGIÕES ESLAVAS.
  9. 9. O “ESTOPIM” -ASSASSINATO DO DUQUE AUSTRÍACO FRANCISCO FERDINANDO EM SARAJEVO (SÉRVIA) POR UM GRUPO NACIONALISTA ESLAVO, EM 28/06/1914. -“FESTIVAL” DE DECLARAÇÕES DE GUERRA: -ÁUSTRIA HUNGRIA  SÉRVIA -RÚSSIA  ÁUSTRIA-HUNGRIA -ALEMANHA  RÚSSIA E FRANÇA -INGLATERRA  ALEMANHA -A GUERRA JÁ IMAGINADA PELOS EUROPEUS INICIAVA-SE... IMAGINAVA-SE UMA GUERRA TRADICIONAL, QUE SE RESOLVERIA EM DIAS, E QUE OS ESTADOS JÁ ESTAVAM PREPARADOS ESPIRITUALEMENTE (NACIONALISMO) E MATERIALMENTE (PAZ ARMADA). -NO ENTANTO, ACONTECE DIFERENTE E INAUGURA-SE A GUERRA TOTAL.
  10. 10. AS ALIANÇAS PARA A GUERRA
  11. 11. AS ALIANÇAS PARA A GUERRA -PRIMEIRA GUERRA DE PROPORÇÕES MUNDIAIS - EUA  ENTRA NA GUERRA EM 1917 -JAPÃO, CHINA, BRASIL... SIM, O BRASIL ENTROU NA GUERRA EM 1917!  SOLIDARIEDADE AOS EUA; ENVIO DE EQUIPES MÉDICAS E DE NAVIOS A DISPÓSIÇÃO DA ENTENTE. -TRÍPLICE ENTENTE – INGLATERRA/FRANÇA/RÚSSIA (até 1917)/ ITÁLIA (a partir de 1915) + EUA, BRASIL, SÉRVIA, MONTENEGRO, BÉLGICA -TRÍPLICE ALIANÇA – ALEMANHA/ÁUSTRIA-HUNGRIA/IMPÉRIO TURCO- OTOMANO/ BULGÁRIA
  12. 12. FASES DA GUERRA -GUERRA DE MOVIMENTO (1914) – TENTATIVA DE ACABAR COM A GUERRA RAPIDAMENTE COM ATAQUES RÁPIDOS CONTRA OS INIMIGOS -INVASÃO ALEMÃ À FRANÇA, ATRAVESSANDO A NEUTRA BÉLIGCA  ESTA ADERE A ENTENTE APÓS A INVASÃO -RESISTÊNCIA FRANCESA COM APOIO INGLÊS E BELGA  RECUO ALEMÃO E FIXAÇÃO DAS POSIÇÕES ENTRE A FRENTE OCIDENTAL (FRA+ING) E FRENTE ORIENTAL (RUS)
  13. 13. FASES DA GUERRA -GUERRA DE TRINCHEIRA(1915-1918) – “Milhões de homens ficavam uns diante dos outros nos parapeitos das trincheiras barricadas com sacos de areia, sob os quais viviam como – e com – ratos e piolhos. De vez em quando seus generais buscavam romper o impasse. (...) os franceses perderam mais de 20% de seus homens em idade militar, não muito mais de um terço dos soldados franceses saiu da guerra intacto.” (HOBSBAWM, 1996, P.33) - COMBATES RAROS: OCASIONALMENTE TENTAVA-SE IR PARA ENFRENTAMENTO, SAINDO DAS TRINCHEIRAS.
  14. 14. FASES DA GUERRA -GUERRA DE TRINCHEIRA(1915-1918) – AS TRINCHEIRAS
  15. 15. FASES DA GUERRA -GUERRA DE TRINCHEIRA(1915-1918) – AS TRINCHEIRAS
  16. 16. FASES DA GUERRA -GUERRA DE TRINCHEIRA(1915-1918) – - RETIRADA DA RÚSSIA (REVOLUÇÃO RUSSA) NA FRENTE ORIENTAL EM 1917 E ENFRAQUECIMENTO DO IMPÉRIO AUSTRO-HÚNGARO. -ESGOTAMENTO FRANCO-INGLÊS NA OCIDENTAL  VITÓRIA ALEMÃ? -A ENTRADA DOS EUA EQUILIBRA A GUERRA  APOIO MATERIAL A ENTENTE PARA ENFRENTAR O ATAQUE DA ALEMANHA E TENTATIVA DE MEDIAR O FIM DO CONFLITO (14 PONTOS DE WILSON) -- VITÓRIA (?) DA ENTENTE
  17. 17. TRATADO DE VERSALHES -ACORDO DE PAZ DA ENTENTE (ING/FRA/EUA/ITÁ)COM A ALEMANHA -VISAVA CONTROLAR A ALEMANHA, IMPEDINDO SEU REOTRNO ENQUANTO POTÊNCIA  IMPOSIÇÃO DE CONDIÇÕES HUMILHANTES -DEVOLUÇÃO DA ALSÁCIA-LORENA À FRANÇA -NÃO-INTERVENÇÃO NA ÁUSTRIA E NA POLÔNIA -DEVOLUÇÃO DE TERRITÓRIOS COLONIAIS -IMPEDIMENTO DE A ALAMENHA TER UMA GRANDE FORÇA MILITAR -PAGAMENTO DE INDELIZAÇÕES POR “CAUSAR” A GUERRA “Impôs-se a Alemanha uma paz punitiva, justificada pelo argumento de que o Estado era o único responsável pela guerra e todas as suas consequências, para mantê-la enfraquecida. (...) essa paz punitiva foi ,na realidade, assegurada privando-se a Alemanha de uma marinha e uma força área efetivas; limitando-se seu exército a 100 mil homens; impondo-se reparações teoricamente infinitas; e não menos, privando-se a Alemanha de todas suas antigas colônias.” (HOBSBAWM, 41)
  18. 18. TRATADO DE VERSALHES - TENTATIVA FRACASSADA DE EVITAR UMA NOVA GUERRA COM A LIGA DAS NAÇÕES (PRECURSORA DA ONU) -CONSEQUÊNCIA: SURGIMENTO DO ULTRANACIONALISMO ALEMÃO E DO SENTIMENTO DE REVANCHISMO, APROPRIADO POR UM EX- COMBATENTE DA GUERRA: ADOLF HITLER E O SEU PARTIDO NAZISTA
  19. 19. QUESTÕES PARA PENSAR... -A GUERRA NÃO PODERIA TER SIDO EVITADA? - A GUERRA ERA REALMENTE NECESSÁRIA?
  20. 20. IMPACTO HUMANO DA GRANDE GUERRA -GUERRA DE MASSAS  A GUERRA FRANCO-PRUSSIANA (1870-71) MATOU 150 MIL PESSOAS X A GRANDE GUERRA MATOU EM TORNO DE 10 MILHÕES DE PESSOAS! -GUERRA PSICOLÓGICA  UTILIZAÇÃO DE FORÇAS AEREAS PARA BOMBARDEAR ÁREAS CIVIS (CIDADES)  ATINGIR MORALMENTE O ADVERSÁRIO -GUERRA TECNOLÓGICA  USO DE GÁS QUÍMICO E OS SUBMARINOS  BLOQUEIO MARÍTIMO AOS TERRITÓRIOS INIMIGOS, PARA HOBSBAWM: “Incapazes de derrotar os soldados uns do outro, decidiram matar de fome os civis dos adversários” (p.36) -GUERRA IMPESSOAL  O ATO DE MATAR MILHARES DE PESSOAS COM UM BOTÃO OU ALAVANCA  APENAS ESTATÍSTICAS...
  21. 21. IMPACTO HUMANO DA GRANDE GUERRA -INDÚSTRIA DA GUERRA  ECONOMIAS VOLTADAS PARA A PRODUÇÃO DE ALIMENTOS, VESTIMENTAS E ARMAMENTOS VOLTADOS A GUERRA  RECURSOS FINANCEIROS PREFERENCIAIS – OU TOTAIS – AOS ESFORÇOS DE GUERRA -“Temos como certo que a guerra moderna envolve todos os cidadãos e mobiliza a maioria; é travada com armamentos que exigem um desvio de toda a economia para a sua produção, e são usados em quantidades inimagináveis; produz indízivel destruição e domina e transforma absolutamente a vida dos países nela envolvidos. Contudo, todos esses fenômenos pertencem apenas às guerras do século XX.” (HOBSBAWM, P.51) -EUA – VITORIOSO DE FATO: ENVOLVEU-SE POUCO E APROVEITOU O DESGASTE DOS ALIADOS PARA ENRIQUECER SUA ECONOMIA COM VENDA DE PRODUTOS PARA A POPULAÇÃO EUROPEIA, JÁ QUE ESSA ESTAVA VOLTADA PARA O CONFLITO.
  22. 22. IMAGENS Cartaz britânico convocando os cidadãos para o alistamento militar.
  23. 23. IMAGENS Soldados franceses dentro de uma trincheira.
  24. 24. IMAGENS Cartaz francês em que um soldado estrangula a Águia, símbolo da Alemenha.
  25. 25. IMAGENS Charge ironizando a situação alemã pós- Tratado de Versalhes.
  26. 26. IMAGENS O Mapa europeu antes e depois da Guerra.
  27. 27. IMAGENS Uma trincheira na Itália de hoje.
  28. 28. IMAGENS Famosa cena em que dois soldados – inglês e alemão – trocam cigarros na trégua não-oficial de Natal de 1914 – os nacionalismos caiem diante da atrocidade da guerra.
  29. 29. Tombou morto em outubro de 1918, num dia tão tranquilo em toda a linha de frente que o comunicado se limitou a uma frase: nada de novo no front. Caiu de bruços e ficou estendido, como se estivesse dormindo. Quando alguém o virou, viu-se que ele não devia ter sofrido muito. Tinha no rosto uma expressão tão serena que quase parecia estar satisfeito de terminar assim. Remarque, Nada de novo no front.
  30. 30. MÚSICA: ERA UM GAROTO QUE COMO EU AMAVA OS BEATLES E OS ROLLING STONES.
  31. 31. BIBLIOGRAFIA BERUTTI, F; FARIA, R; MARQUES, A. História Contemporânea através de textos. São Paulo, Contexto, 2008. BOBBIO, N; MATTEUCCI, N; PASQUINO, G.. Dicionário de Política. Brasília, Ed. da UNB, 1992. Vol.1. FERRO, Marc. A Grande Guerra. Lisboa, Edições 70, 2008. HOBSBAWM, Eric. A Era dos extremos. São Paulo, Paz e Terra, 1986. REMARQUE, Erich. Nada de novo no Front... RÉMOND, René. O Século XX. São Paulo, Cultrix, 1974.

×