Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Escravidão no Brasil do século XIX

17,029 views

Published on

  • Be the first to comment

Escravidão no Brasil do século XIX

  1. 1. ESCRAVIDÃO NO BRASIL DO SÉCULO XIX: ESTRUTURA E COTIDIANO COLÉGIO JAPÃO PROFESSOR: ANDERSON TURMAS: 73 E 74 DISCIPLINA: HISTÓRIA
  2. 2. ESCRAVIDÃO: DEFINIÇÃO Modo de Exploração do homem pelo homem a partir da construção de uma distinção entre grupos sociais exploradores e explorados  perpetuação da escravidão a partir do comércio e/ou da reprodução natural. Escravo  desumanizado pelo explorador: tratado como uma “coisa”, uma propriedade jurídica a serviço daquele que adquire por compra sua força de trabalho. Todavia, o escravo era sim, um humano e como tal estabelecia relações sociais e estratégias de resistência a este status jurídico. Escravidão moderna: introduzida pelos colonizadores europeus do século XVI a partir de relações comerciais com os Estados Africanos, retirando os negros de suas terras e culturas e os enviando para as áreas colonizadas (as Américas) como mãode-obra escrava. Justificação ideológica dos europeus, brancos e cristãos: inferioridade intelectual e moral dos negros africanos.
  3. 3. ESCRAVIDÃO: DEFINIÇÃO Contradição europeia: Defendiam as liberdades dentro dos seus estados em formação, mas admitiam a escravidão e a desigualdade nas suas colônias.... “... O estudo da escravidão deve enveredar pelas relações sociais, notando as resistências e as acomodações, os conflitos e as negociações que podiam existir entre senhores e escravos. Ou seja, deve-se ter como referencial as multifacetadas relações interpessoais entre senhores e escravos.” (SILVA, 2010, p.113)
  4. 4. ESCRAVIDÃO: A ESTRUTURA NO BRASIL COLONIAL E IMPERIAL ECONOMIA: predomínio das grandes propriedades monocultoras  Grandes pedaços de terra na mão de poucos e com a produção de um tipo de produto. EX: Nordeste  Açucar – Sudeste  Café Tais produtos eram exportados para a Metrópole Portuguesa, que em troca enviava manufaturados que não podiam ser produzidos na Colônia. Por exemplo, as vestimentas. Escravos  principal força de trabalho dentro das propriedades. OBS: Também existia trabalho livre, mas em bem menor número. PÓS-INDEPENDÊNCIA DO BRASIL  O Sistema econômico não se altera: grandes fazendeiros seguem produzindo visando a exportação. A produção industrial no Brasil é frágil e o trabalho escravo seguia predominando. ESCRAVIDÃO INIBIA A ENTRADA DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL NO BRASIL
  5. 5. ESCRAVIDÃO: A ESTRUTURA NO BRASIL COLONIAL E IMPERIAL PRESSÃO INGLESA PELO FIM DA ESCRAVIDÃO: Interesses religiosos e morais  os Quakers Interesses econômicos  Industriais e empresários interessados em abrir mercados consumidores para os produtos ingleses no Brasil. Para isso, precisavam de consumidores  Trabalhadores livres que recebessem salários! 1831 – Lei “para inglês ver” decretava o fim do tráfico de escravos no Brasil, mas não vingou e o contrabando de escravos só cresceu. 1845 – Lei Bill Aberdeen  lei do parlamento inglês que autorizava o aprisionamento de Navios Negreiros – começava a cessar de vez a entrada de escravos no Brasil. Os grandes fazendeiros começavam a ceder e o fim da escravidão era questão de tempo... Embora ainda fizessem uso do tráfico interno de escravos: comercialização de mão-de-obra dentro do Brasil.
  6. 6. ESCRAVIDÃO: A ESTRUTURA NO BRASIL COLONIAL E IMPERIAL LEIS DECISIVAS: 1850 – Lei de Terras  impedia a possibilidade de adquirir terras sem que fosse pela compra. Na prática, impedia pessoas mais pobres de ter propriedades. 1850 –Lei Eusébio de Queirós  Extinção do tráfico de escravos. 1871 – Lei do Ventre Livre  filhos de escravos nasciam “livres” (até os 21 anos ficava sob guarda do senhor) 1885 – Lei dos sexagenários  Libertava os escravos acima dos 60 anos 1888 – Lei Áurea  Abolia a escravidão definitivamente MOVIMENTO ABOLICIONISTA: Atuação importante em favor do fim da escravidão Caráter urbano  profissionais liberais, empresários, trabalhadores livres, colonos, negros libertos. Argumentos: desumanidade; entrave ao desenvolvimento econômico; estimulava o ócio; desvirtuava a natureza humana, etc.
  7. 7. ESCRAVIDÃO: CONDIÇÕES DE VIDA, COTIDIANO E RESISTÊNCIA • VESTIMENTAS, MORADIA, ALIMENTAÇÃO E ASSISTÊNCIA: Calças e camisas de algodão – renovação das roupas em geral apenas uma vez por ano! Recebendo no máximo três mudas por ano. Senzalas de pau-a-pique, cobertas de folhas de madeira; dormiam em geral em esteiras sob madeiras. A dieta incluía farinha, feijão, charque e, eventualmente, a cachaça. Assistência médica precária, permitindo a proliferação de doenças entre a escravaria. “Mal nutridos, mal vestidos, minados por verminoses e febres, pela tuberculose e a sífilis, varíola e cólera, submetidos a um intenso trabalho que atingia 18 horas por dia, os escravos morriam em grande número” (COSTA, 1999, p.284) Crenças religiosas para a cura das moléstias.
  8. 8. ESCRAVIDÃO: CONDIÇÕES DE VIDA, COTIDIANO E RESISTÊNCIA • VESTIMENTAS, MORADIA, ALIMENTAÇÃO E ASSISTÊNCIA: Duração média do tempo de trabalho de um escravo: 15 anos Mortalidade infantil: atingia 88% da população escrava. • FAMÍLIA E LICENCIOSIDADE Proporção de Mulheres/Homens nas senzalas: 1 mulher para 5 homens! Impossibilidade de construir famílias aos moldes cristãos  consentimento dos senhores para as relações sexuais “promiscuas”  o que não significa que a senzala fosse um lugar sem regras ou limites. Relações entre proprietários e escravos  tática para garantir a liberdade, embora nem sempre o senhor garantisse ou assumisse o relacionamento com escravas...
  9. 9. ESCRAVIDÃO: CONDIÇÕES DE VIDA, COTIDIANO E RESISTÊNCIA •RELAÇÕES DE AFETIVIDADE E PRECONCEITO RACIAL Existia relações de afeto entre brancos e negros: as mucamas ou mães negras(babás) que cuidavam dos filhos dos fazendeiros e estabeleciam uma relação de amizade; crianças brancas que tinham amigos na senzala, etc. Entretanto, longe de suavizar a escravidão, tais relações de compadrio e paternalistas não escondiam que ainda se tratava de um sistema de dominação do homem pelo homem  por mais afeto que houvesse nas relaçoes pessoais, ainda era uma relação social entre dominador e dominado. Mesmo entre abolicionistas, predominava o pensamento de que o negro era inferior intelectualmente ao branco! Ter amizade não significava dar espaços para a autonomia dos negros. O racismo implícito na relação escravista permaneceria forte,e ainda hoje herdamos tal pensamento....
  10. 10. ESCRAVIDÃO: CONDIÇÕES DE VIDA, COTIDIANO E RESISTÊNCIA • CASTIGOS FÍSICOS E RESISTÊNCIA: Chicote, palmatória, açoite, tronco, argolas no pescoço  Principais formas de castigo Razões: tentativas de insurreições, assassinatos de senhores, desrespeito aos senhores e a sua família. Era comum a deformação física ou mesmo a morte de escravos por excesso de castigo. Vigilância aos escravos para impedir organizações de insurreições. Todo escravo que não tivesse na sua fazenda antes das 10 horas da noite era preso; era comum o uso de anúncios de jornais oferecendo recompensa para quem achasse escravos fugidos. Todavia, isso não impedia que houvessem reuniões, fugas e insurreições entre os escravos!
  11. 11. ESCRAVIDÃO: CONDIÇÕES DE VIDA, COTIDIANO E RESISTÊNCIA • CASTIGOS FÍSICOS E RESISTÊNCIA: Levantes de resistência: Revolta dos malês (Bahia- 1835) -> Escravos muçulmanos se insurgiram contra os proprietários Acabou fortemente reprimida, mas mostrou a capacidade dos escravos em reagirem ao sistema escravista! População livre  apoiava as forças do governo denunciando escravos fugidos Surgimento dos Quilombos  locais em que os escravos fugidos se reuniam e formavam uma comunidade autonôma. Capitães-do-mato  Funcionário das fazendas especializados em “caçar pretos” fugidos. “Insurreições, , crimes, fugas, trabalhos mal executados, ordens não cumpridas, pachorra e negligência eram formas dos escravos protestarem.” (COSTA, 1999, p.295)
  12. 12. ESCRAVIDÃO: CONDIÇÕES DE VIDA, COTIDIANO E RESISTÊNCIA • CULTURA E RELIGIOSIDADE: -Mescla de tradições africanas - Processo de reinterpretação das culturas africanas  mescla cultural entre a cultura africana e a brasileira -Cristianismo e religiões afro: Os escravos mantiveram suas tradições sob roupagem católica -A partir do cristianismo, os africanos mantiveram na essência as suas práticas religiosas! -Os senhores liberavam, no campo, as festas em dias importantes para os escravos. Na cidade, era mal visto pela população e o governo não aceitava.
  13. 13. ESCRAVIDÃO BIBLIOGRAFIA AMANTINO, M; FREIRE, J. Amor em cativeiro. IN: Revista de História da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, ano 8, nº 89, Fevereiro de 2013. COSTA, Emília Viotti. O escravo na grande lavoura. IN: Da monarquia a república: momentos decisivos. Ed. UNESP, São Paulo, 1999. SILVA, K.; SILVA, M. Dicionário de conceitos históricos. Ed. Contexto, São Paulo, 2010. (verbete: Escravidão)
  14. 14. Johann Rugendas – Navio Negreiro Condições em que os escravos eram submetidos durante a viagem entre a África e as colônias
  15. 15. Johann Rugendas – Habitação dos negros Retrato da moradia dos negros, bem como das suas vestimentas e seus hábitos cotidianos.
  16. 16. Johann Rugendas – Jantar no Brasil Convívio entre brancos e negros não significava igualdade: notam-se negros trabalhando enquanto os patrões jantam. Tais imagens reforçaram o mito da democracia racial brasileira.
  17. 17. Alberto Hanschel Fotografo alemão retratou com clareza a desigualdade racial nas relaçoes de afetividade entre brancos e negros
  18. 18. Jean Baptiste Debret – Açoite público Debret retratou nas pinturas os castigos aos quais os escravos passavam, como açoite público, no pelourinho.
  19. 19. Jean Baptiste Debret – Colar de Ferro O colar de ferro era outro castigo comum que os escravos acabavam se submetendo.
  20. 20. Jean Baptiste Debret – Mulher brasileira em seu lar As escravas costumavam fazer seu trabalho dentro da Casa Grande.
  21. 21. Jean Baptiste Debret – Máquina que faz caldo da cana Enquanto os homens eram submetidos ao pesado trabalho braçal, como nos engenhos de açúcar nordestinos.
  22. 22. Anúncio de escrava fugida A fuga era uma forma de resistência dos escravos ao sistema de dominação.
  23. 23. Johann Rugendas – Roda de Capoeira A manutenção da cultura africana aparecia nos costumes de entretenimento como a capoeira, que também poderia ser vir como forma de resistência.
  24. 24. Johann Rugendas – Capitão-do-mato O temido capitão-do-mato era aquele que ia a caça dos escravos fugitivos.
  25. 25. Jean Baptiste Debret - barbeiros ambulantes Os escravos e ex-escravos buscavam também outras formas de sobrevivência como o trabalho autônomo, ou trabalho “de ganho” – neste caso, de barbeiros.

×