Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Recursos Estilísticos

2,941 views

Published on

Published in: Business
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Recursos Estilísticos

  1. 1. Disciplina: Língua Portuguesa Professor: Paulo Faria
  2. 2.  É um caso especial de repetição: quando uma palavra aparece repetida no inicio de um verso ou frase.  Ex.: Amor é fogo que arde sem se ver, é ferida que dói e não se sente; é um contentamento descontente, é dor que desatina sem doer. (Camões)
  3. 3.  Processo de evidenciar semelhanças entre duas realidades. Pode ser realizado através da partícula comparativa como ou de verbos como: parecer, assemelhar- se, fazer lembrar.  Ex: O Amor queima como o fogo (Luís de Camões)
  4. 4.  Interpelação de pessoas ausentes ou presentes, identidades reais ou irreais, sob a forma exclamativa.  Exemplo: » Ó lua inspira-me» ( Luís de Camões)
  5. 5.  Atribuição de aspectos antagónicos a uma mesma realidade. Ex.: “Amor é fogo que arde sem se ver” “É ferida que dói e não se sente”
  6. 6.  Consiste na associação ou sobreposição de duas realidades diferentes que têm algo em comum.  Ex: Meu coração é um balde despejado (Fernando Pessoa)
  7. 7.  É a substituição de um termo por outro, em que os sentidos destes termos têm uma relação de extensão desigual. Exemplo: » Que, da Ocidental praia Lusitana» ( Luís de Camões)
  8. 8.  Recuo temporal destinado a relatar eventos anteriores ao presente da acção. Os Lusíadas de Camões, como começam quot;a meio da acçãoquot; (in media res), farão, depois, uso da analepse para que sejam referidos acontecimentos prévios. No cinema, o flashback é um recurso típico de vários géneros cinematográficos, sendo frequente nos filmes policiais e nos clássicos do filme negro norte-americano: por exemplo, em “Out of the Past”, de Jacques Tourneur, onde o passado é essencial para a compreensão da acção, é apresentado numa longa sequência que justifica o título original do filme (Fora do Passado, em tradução literal).
  9. 9.  Atribuição de qualidades, características e atitudes humanas a outros seres não humanos (animais ou seres inanimados).  Ex: quot;A Bomba atómica é triste, Coisa mais triste não há Quando cai, cai sem vontadequot; (Vinícius de Morais)
  10. 10.  Consiste na atribuição a um objecto de uma característica que, na verdade, pertence a outro com o qual está relacionado.  Exemplo: »Tentou todavia uma garfada tímida» (Eça de Queiroz)
  11. 11.  É a relação de planos sensoriais diferentes: Por exemplo, o gosto com o cheiro, ou a visão com o olfacto.  Ex.: “ e remando ouvia o som trémulos dos peixes – voadores.”
  12. 12.  Expressão de uma ideia, mas fazendo entender precisamente o seu contrário.  Ex: quot;E fique sabendo o Dantas que se um dia houver justiça em Portugal todo o mundo saberá que o autor dos Lusíadas é o Dantas que num rasgo memorável de modéstia só consentiu a glória do seu pseudónimo Camões.quot; (Almadaaviso de proibido A figura mostra um Negreiros, fumar colocado sobre figuras de Sherlock Manifesto Anti-Dantas)Holmes fumando, um exemplo típico da ironia de situação.
  13. 13.  Figura de estilo através da qual determinada realidade, geralmente negativa, é suavizada. Exemplo: » Após prolongada doença ele apagou-se»
  14. 14.  Recurso estilístico que consiste na representação de uma realidade abstracta através de uma realidade concreta  Os ditados populares são alegorias contextualizadas: “Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura.” “Mais vale um pássaro na mão que dois a voar.” “Casa de ferreiro, espeto de pau.”
  15. 15.  Apresentação sucessiva de vários elementos dominados por uma realidade comum.  Exemplo: » Vaidade é o luxo, a glória, caridade» ( António Nobre)
  16. 16.  Consiste Acto ou modo de atribuir qualidades aos substantivos, precisando o seu significado. Ex.: “Figura resoluta e forte”

×