Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

D. pedro i e d. inês de castro trabalho de grupo de história ppt

2,271 views

Published on

  • Be the first to comment

D. pedro i e d. inês de castro trabalho de grupo de história ppt

  1. 1. 1. Quem foi D. Pedro?
  2. 2. Era filho legítimo do rei D. Afonso IV e de sua mulher D. Beatriz de Castela. Sucedeu ao pai em 1357, tornando-se, assim, o oitavo rei de Portugal. Pertenceu à 1ª Dinastia ou Dinastia Afonsina. Casou-se quatro vezes: primeiro com D. Branca de Castela, que repudiou mas de quem teve Branca, princesa de Castela. Do segundo casamento com D. Constança Manuel, do Reino de Castela teve três filhos: D. Luís, infante de Portugal, D. Maria, infanta de Portugal e D. Portugal. Do terceiro casamento, com Inês de Castro, teve quatro filhos: D. Afonso, infante de Portugal (1346), D. Beatriz, infanta de Portugal (1347-1381), D. João, infante de Portugal (1349-1387) e D. Dinis, infante de Portugal (1354- 1397).Casou-se em quarto lugar com D. Teresa, dama galega, com quem teve um filho, D. João I. Ficou conhecido pelos cognomes de: Justiceiro, Cruel e Cru. D. Pedro nasceu em Coimbra no dia 8 de Abril de 1320 e morreu em Estremoz no dia 18 de Janeiro de 1367.
  3. 3. 2. Quem foi D. Inês de Castro?
  4. 4. Nasceu em 1325 na Galiza. Era filha de Pedro Lourenço de Castro e Aldonça Fernandes Valadares. Era descendente do rei Sancho I de Aragão. Veio para Portugal como aia da rainha D. Constança Manuel, quando ela se casou com Pedro I. Teve uma relação extramatrimonial com D. Pedro I, da qual nasceram os quatro filhos acima referidos.
  5. 5. 3. Por que motivo é que D. Afonso IV não aprovava a relação entre D. Pedro e D. Inês?
  6. 6. O Rei D. Afonso IV não aprovava a relação entre D. Pedro e D. Inês pelo facto de ela ter começado quando D. Pedro ainda era casado com D. Constança Manuel e por esta relação ter sido muito mal vista pela opinião pública. Além disso, havia boatos segundo os quais os irmãos de D. Inês pretendiam matar D. Fernando, filho legítimo de D. Pedro e D. Constança e herdeiro do trono de Portugal, para que o filho mais velho de D. Pedro e D. Inês se tornasse herdeiro da coroa portuguesa.
  7. 7. 4. Por que nome é conhecido o local onde D. Inês foi assassinada? Quinta das Lágrimas
  8. 8. Jardim da Quinta das Lágrimas
  9. 9. Fonte dos Amores
  10. 10. 5. Em que ano mandou D. Afonso IV executar D. Inês?
  11. 11. Fonte das Lágrimas
  12. 12. O local onde D. Inês foi assassinada chama-se Paço de Santa Clara ou Quinta das Lágrimas e situa-se em Coimbra. Foi nesta quinta que D. Pedro e D. Inês viveram durante muitos anos, depois de terem vivido em várias partes do Norte de Portugal. Diz uma lenda que as lágrimas derramadas no Mondego pela morte de Inês teriam feito surgir na Quinta das Lágrimas a Fonte das Lágrimas, que tem no fundo algas de cor vermelha, que, segundo essa lenda, seriam sangue de Inês. O local onde D. Inês foi assassinada chama-se Paço de Santa Clara ou Quinta das Lágrimas e situa-se em Coimbra.
  13. 13. Súplica de D. Inês a D. Afonso IV
  14. 14. Súplica de D. Inês a D. Afonso IV e aos três assassinos
  15. 15. D. Inês morta
  16. 16. Numa altura em que D. Pedro saiu da Quinta das Lágrimas, o rei D. Afonso IV, mandou três homens - Pêro Coelho, Álvaro Gonçalves e Diogo Lopes Pacheco -, matarem Inês de Castro. O rei terá ido também e ter-se-á comovido com o pedido de clemência por parte de Inês. O rei foi-se embora, mas os três homens assassinaram barbaramente D. Inês, segundo a tradição, perante os próprios filhos, então crianças. Quando soube, D. Pedro ficou furioso e entrou em guerra contra o pai, no que foi ajudado por nobres do Norte de Portugal e pelos irmãos de Inês de Castro. Esta guerra só terminou após alguns meses, devido à intervenção da Rainha D. Beatriz. Mandou prender e assassinar barbaramente os assassinos de D. Inês. Foram capturados Pêro Coelho e Álvaro Gonçalves, a quem foi arrancado o coração, a um pelo peito e ao outro pelas costas. Diz-se, embora não haja provas, que D. Pedro fez desenterrar D. Inês, fê-la sentar-se no trono, coroou-a rainha de Portugal e obrigou, os nobres, sob pena de morte, a beijarem-lhe as mãos.
  17. 17. 6. Por que é que D. Pedro fez uma declaração solene de que, em 1334, tinha casado com D. Inês?
  18. 18. Essa declaração teve como objetivo que ela fosse considerada rainha. D. Pedro mandou fazer dois túmulos lindíssimos, um para D. Inês e outro para si próprio, que mandou colocar no transepto do Mosteiro de Alcobaça. Em Junho de 1360, em Cantanhede, D. Pedro fez uma declaração solene de que tinha casado com D. Inês, em segredo, em 1334.
  19. 19. Túmulo de D. Inês Túmulo de D. Pedro Os túmulos de D. Inês e de D Pedro
  20. 20. 7. O romance de D. Pedro e D. Inês na literatura 120 Estavas, linda Inês, posta em sossego, De teus anos colhendo doce fruto, Naquele engano da alma, ledo e cego, Que a Fortuna não deixa durar muito, Nos saudosos campos do Mondego, De teus formosos olhos nunca enxuto, Aos montes ensinando e às ervinhas O nome que no peito escrito tinhas. 121 Do teu Príncipe ali te respondiam As lembranças que na alma lhe moravam, Que sempre ante seus olhos te traziam, Quando dos teus formosos se apartavam; De noite, em doces sonhos que mentiam, De dia, em pensamentos que voavam; E quanto, enfim, cuidava e quanto via Eram tudo memórias de alegria.
  21. 21. (continuação)O romance de D. Pedro e D. Inês na literatura 122 […] Vendo estas namoradas estranhezas, O velho pai sesudo, que respeita O murmurar do povo e a fantasia Do filho, que casar-se não queria, 123 Tirar Inês ao mundo determina, Por lhe tirar o filho que tem preso, […]
  22. 22. (continuação)O romance de D. Pedro e D. Inês na literatura 132 Tais contra Inês os brutos matadores, No colo de alabastro, que sustinha As obras com que Amor matou de amores Aquele que depois a fez Rainha, As espadas banhando, e as brancas flores, Que ela dos olhos seus regadas tinha, Se encarniçavam, férvidos e irosos, No futuro castigo não cuidosos. 134 Assim como a bonina, que cortada Antes do tempo foi, cândida e bela, Sendo das mãos lascivas maltratada Da minina que a trouxe na capela, O cheiro traz perdido e a cor murchada: Tal está, morta, a pálida donzela, Secas do rosto as rosas e perdida A branca e viva cor, com a doce vida.[i] […] (Os Lusíadas, de Luís Vaz de Camões, Canto III)
  23. 23. O romance de Pedro e Inês foi tratado várias vezes na literatura portuguesa, nomeadamente nas seguintes obras: O romance de Pedro e Inês foi tratado várias vezes na literatura portuguesa, nomeadamente nas seguintes obras: Trovas à Morte de Inês de Castro, de Garcia de Resende; no Cancioneiro Geral de 1516; no teatro de cordel; Os Lusíadas de Luís Vaz de Camões, nas estrofes 120 a 135 do Canto III; na tragédia A Castro (1587), de António Ferreira; Bocage dedicou-lhe uma cantata; A Nova Castro, de João Batista Gomes Júnior (1775?-1803); por Alexandre Herculano e Oliveira Martins, entre outros; por Manuel de Figueiredo e Reis Quita; Nas Adivinhas de Pedro e Inês, de Agustina Bessa-Luís (1922-); O Amor infinito de Pedro e Inês, de Luís Rosa e Inês de Portugal, de João Aguiar; A história de Inês de Castro, Ângelo da Silva; Pedro e Inês ou As Madrugadas Esculpidas , de João Rasteiro e em Uma Aventura na Quinta das Lágrimas, de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada.
  24. 24. Trabalho realizado por: Ana Lopes Alves

×