Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Resumo expandido

946 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Resumo expandido

  1. 1. O cuidar e o ser cuidado Daiane Backes Ellen Kelúbia Taiane Freitas Lima Cintia Braghetto Ferreira RESUMO Devido as enormes modificações nos padrões de saúde-doença no mundo, cujos reflexos são o aumento da expectativa de vida e, ao mesmo tempo, o aumento dos casos de doenças crônico-degenerativas, fez-se necessário um estudo sobre a relação cuidador-cuidado. A presença do câncer modifica decisivamente, todos os aspectos da vida do indivíduo, podendo alterar profundamente a rotina de vida conforme o comprometimento da capacidade. As mudanças da integridade físico-emocional por desconforto, dor, desfiguração, dependência e perda da autoestima são relatadas por esses doentes que percebem a qualidade de suas vidas sendo profundamente decomposta em um espaço de tempo muito curto. A própria palavra 'câncer' carrega consigo um simbolismo de ameaça à vida, trazendo com ela uma associação direta a morte. Dessa maneira, o objetivo deste trabalho foi compreender a relação existente entre o cuidador direto o qual zela pelo bem-estar, saúde, alimentação, higiene pessoal, educação, cultura, recreação e lazer da pessoa que é cuidada (paciente com doença crônica), assim como vários aspectos que envolvem o processo da saúdedoença crônica-cuidado. O cuidador acompanha e auxilia a pessoa cuidada e nem sempre é alguém escolhido pelo paciente, e esse ato de cuidar é nobre, embora muito complexo, já que a convivência é permeada por uma mistura de sentimentos bons e contraditórios. O cuidar vai além de cuidados físicos, pois se deve observar que o sofrimento está atrelado a questões emocionais, à história de vida e aos sentimentos e emoções da pessoa a ser cuidada. O estudo realizado foi do tipo qualitativo-interpretativo e realizado em uma cidade situada no Sudoeste do Estado de Goiás. Após a aprovação de um Comitê de Ética em Pesquisa, um primeiro contato telefônico foi feito com as pessoas cadastradas em uma instituição que acolhe pacientes com câncer, no referido município, com o objetivo de agendar uma visita em seus domicílios para a realização das entrevistas. Foram feitas entrevistas semiestruturadas com quatro pacientes oncológicos e quatro cuidadores diretos. Todas as entrevistas foram gravadas, transcritas na íntegra, lidas de forma exaustiva e organizadas nas seguintes temáticas: saúde-doença-cuidado; religião; cuidado e gênero e, relação cuidador-cuidado, sendo que todas essas temáticas foram analisadas à luz do referencial construcionista social. A ideia básica dessa corrente teórica “Construcionismo Social” postula que a criação de sentido para as coisas ocorre por meio de nossas atividades colaborativas, a construção social não é de autoria única, ela
  2. 2. pressupõe um compartilhamento. O Construcionismo dá importância não ao indivíduo, mas as relações que eles têm entre si. Foram observados que a posição de cuidado reservado à figura feminina também é reafirmada a partir do desconforto relatado por uma das participantes ao se perceber no lugar de ser cuidada. Mesmo assim, alegaram que é inevitável a mudança de atitudes, pensamentos e convicções após o tratamento e vivência dessa enfermidade. As famílias envolvidas no processo saúde-doença-crônica reorganizam a vivência familiar e os cuidados em vários aspectos de suas vidas, as definições de saúde para paciente e cuidador se diferenciaram. A maioria dos pacientes entrevistados se atentaram às questões psíquicas que envolvem a enfermidade, demonstrando que, às vezes, a repercussão do câncer como símbolo de morte pode ser mais ameaçadora e adoecedora do que a própria doença. Um fator interessante é que alguns dos pacientes atribuíram o equilíbrio mental mais à saúde e identificaram o estar doente a um desequilíbrio físico. Acrescenta-se também que a religiosidade influenciou fortemente a maneira de experienciar o câncer, servindo como amparo e esperança para os entrevistados perante o processo de adoecimento e tratamento da doença. Um ponto em comum entre pacientes e cuidadores foram as mudanças relacionais entre eles, pois afirmaram haver transformações no cuidado entre si, questionamentos de valores, conceitos, ações e pensamentos, ou seja, na maioria das vezes, experienciar o câncer pôde permitir as pessoas obterem uma ressignificação de suas vidas. Esta produção científica além de proporcionar um maior entendimento no que diz respeito à relação cuidador direto e paciente oncológico, acrescenta ainda a compreensão sobre o cuidado informal, já que na maior parte dos artigos encontrados prevalecem análises referentes à relação cuidador profissional-pacientes. Palavras – Chave: Psicologia; Cuidado; Oncologia.

×