Atenção à saúde no nível secundário e terciário

63,103 views

Published on

Visitem o blog: http://amamosaenfermagem.blogspot.com.br/

0 Comments
7 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
63,103
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
764
Actions
Shares
0
Downloads
548
Comments
0
Likes
7
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Atenção à saúde no nível secundário e terciário

  1. 1. UNIME – Faculdade De Ciências Agrárias e Saúde Turma – Enfermagem Noturno - AATENÇÃO À SAÚDE NO NÍVEL SECUNDÁRIO E TERCIÁRIO Talita Farias Feitosa
  2. 2. “Atenção a saúde é tudo que envolveo cuidado com a saúde do ser humano,incluindo as ações de promoção,proteção, reabilitação e tratamento àsdoenças.” (Secretária de Atenção à Saúde – SAS)
  3. 3. Introdução Criação do Sistema Único de Saúde (SUS); Críticas ao SUS; Criação da Política Nacional de Humanização (PNH); 01
  4. 4. 02
  5. 5. Diretrizes de organização das Microrregiões Organização da atenção secundária, ouseja, dos serviços ambulatoriais ehospitalares especializados de médiacomplexidade, pactuados entre o conjuntode municípios, considerando a otimizaçãodos recursos e a resolutividade, para agarantia do atendimento à população damicrorregião. 03
  6. 6. Atenção de nível secundário Compõe-se por ações e serviçosque visam a atender aos principaisproblemas de saúde e agravos dapopulação, cuja prática clínica demandedisponibilidade de profissionaisespecializados e o uso de recursostecnológicos de apoio diagnóstico eterapêutico. 04
  7. 7. As Unidades de ProntoAtendimento - UPA 24h  São estruturas de complexidade intermediária entre as Unidades Básicas de Saúde e as portas de urgência hospitalares, onde em conjunto com estas compõe uma rede organizada de Atenção às Urgências. 05
  8. 8. Atenção de nível terciário A atenção terciária é constituída por serviços ambulatoriais e hospitalares especializados de alta complexidade e alto custo, tais como serviços de urgência e emergência, atenção à gestante de alto risco, cardiologia, oncologia, neurologia e atenção ao paciente grave. Garante o acesso à quimioterapia, radioterapia, terapia renal substitutiva, exames hemodinâmicos, medicina nuclear, radiologia intervencionista e exames de diagnose de maior complexidade. 06
  9. 9. Artigo 1 Humanização e equidade na atenção ao parto em município da região sul do Brasil. Elizabeth Eriko Ishida Nagahama, Silvia Maria Santiago
  10. 10. Objetivo Identificar fatores associados á qualidade da atenção e possíveis predisponentes de iniqüidades no cuidado ao parto, a partir das características sócio- demográficas e obstétricas de mulheres atendidas em 2 hospitais vinculados ao SUS no município de Maringá- Paraná.
  11. 11. Método Estudo conduzido mediante pesquisa em prontuário hospitalar e entrevista com 569 pueperas. Com indicadores de qualidade que classificam a atenção em excelente, boa, regular e insatisfatória.
  12. 12. Indicadores Escores1.Fornecimento ás mulheres de todas -Sim : 2informações e explicações que desejassem -Em parte:1no trabalho de parto. -Não: 02.Presença do acompanhante no trabalho de -Mais da metade do tempo do trabalho departo. parto: 2 -Metade do tempo do trabalho de parto ou menos:1 -Não: 03.Uso de métodos não- invasivos e nãofarmacológicos de alivio da dor no trabalho de -Uso de quatro métodos: 4parto: mensagens, banho de chuveiro, musica e - Uso de três métodos: 3exercícios de respiração. - Uso de dois métodos:2 - Uso de um dos métodos:1 - Nenhum dos métodos:04. Oferecimento de líquido por via oral -Sim:2durante o trabalho de parto. -Não:05. fornecimento ás mulheres de todas as -Sim:2informações e explicações que desejassem -Em partes:1no parto. -Não:0
  13. 13. -Sim 26. Presença do acompanhante no parto. -Não: 07. Contato pele e pele entre mãe e filho na -Contato pele a pele entre mãe e filho porsala de parto. 30 minutos ou mais :2 -Contato pele a pele entre mãe e filho por tempo menor que 30 min. : 1 -Apresentação/ Não apresentação:0
  14. 14. Conclusão Três características compuseram o perfil da parturiente que se beneficiou da atenção mais qualificada: Ter menos de 19 anos, ensino médio completo e não ter antecedentes de cesarianas
  15. 15. Artigo 2 Fatores associados ao abandono de tratamento em saúde metal em uma unidade de nível secundário do Sistema Municipal de Saúde Mário Sérgio Ribeiro, Márcio José Martins Alves, Eveline Maria de Melo Vieira, Priscila Matthiesen e Silva e Camila Vieira Dal-Bianco Lamas
  16. 16. Introdução A ocorrência de abandono de tratamento psiquiátrico de nível secundário é uma relevante questão clínica e econômica. Três aspectos devem ser abordados na avaliação da qualidade de um serviço de saúde:1) a "estrutura" existente;2) o "processo" de atendimento desenvolvido;3) a verificação de seus "resultados", procurando determinar se o serviço produz o impacto esperado na saúde dos pacientes. Cerca de 57,5% dos pacientes encontrados afirmaram não ter voltado a procurar atendimento em saúde mental. Como motivos de abandono: - 35% referiram que obtiveram melhora - 19% consideraram o tratamento - inadequado ou ineficaz.
  17. 17. Objetivo Este estudo tem como objetivo avaliar variáveis demográficas, psicopatológicas e interativas, de diagnóstico e tratamento, enquanto possíveis fatores associados ao abandono do tratamento em serviço especializado de saúde mental.
  18. 18. Método Todas as variáveis utilizadas constam dos prontuários clínicos semi-estruturados. As variáveis “demográficas” e “socioeconômicas” foram coletadas a partir de um formulário, especialmente desenvolvido para a referência ao nível secundário. As demais variáveis constam de registros efetuados pelos especialistas ao longo do atendimento no nível secundário.
  19. 19. Resultado Dos 870 pacientes que tiveram sua primeira consulta com a equipe de especialistas, 240 (27,6%) abandonaram o tratamento no serviço secundário (CRRESAM-Oeste).
  20. 20.  Entre as inúmeras variáveis relativas ao exame psicopatológico e características interativas apenas duas evidenciaram associação com o abandono de tratamento, quais sejam, memória quanto ao passado recente e relação do humor com fatos reais, atuais
  21. 21. Conclusão Os resultados deste estudo parecem confirmar tendências observadas por diferentes autores que têm evidenciado que variáveis sociodemográficas, psicopatológicas e interativas, de diagnóstico e tratamento podem ser consideradas preditoras de abandono.
  22. 22. Artigo 3 Perfil de idosos hospitalizados e nível de dependência de cuidados de enfermagem:identificação de necesidades. Fabrícia Martins Sales;Iraci dos Santos
  23. 23. Introdução Aborda-se, neste trabalho, a descrição do perfil das pessoas idosas internadas e a identificação de sua dependência de cuidados de enfermagem na admissão hospitalar. De acordo com os atuais conceitos de gerontologia, o idoso capaz de manter sua autodeterminação e que dispensa qualquer ajuda ou supervisão para agir no seu cotidiano, é considerado saudável, ainda que possua uma ou mais de uma doença crônica.
  24. 24. Objetivo Esta pesquisa visa alcançar os objetivos:descrever o perfil das pessoas idosas internadas em unidade clínica e identificar sua dependência de cuidados de enfermagem na ocasião da admissão hospitalar.
  25. 25. Método Escolheu-se o método quantitativo, descriti-vo,através das técnicas de pesquisa:Análise documental dos prontuários dos clientes e a investigação clínica aplicando-se a anamnese e exame físico. A análise documental nos prontuários foi realizada com a finalidade de se coletar os dados referentes às variáveis do estudo sócio- demográficos(faixa etária e sexo);institucionais(patologia) Diagnóstico de internação e procedência regional. A investigação clínica incluiu anamnese, implementando-se um apurado exame clínico do cliente recém hospitalizado,ou seja,internado num tempo até 24 h.
  26. 26. ResultadoFaixa Etária n %60 a 66 anos 43 28,667 a 73 anos 38 25,374 a 80 anos 36 24,081 a 87 anos 19 12,688 a 93 anos 10 06,6Acima de 93 anos 04 02,6Total 150 100
  27. 27. Tipo de cuidados n %exigidosCuidados mínimos 50 33.3Cuidados intermediários 55 36,6Cuidados semi-intensivos 39 26,0Cuidados intensivos 06 04,0Total 150 100,0
  28. 28. Conclusão A reorganização das políticas públicas desaúde no Brasil tem como uma das diretrizes básicas a assistência às necessidades desaúde da pessoa idosa,alerta-se que ela só épossível desde a oferta dos cuidadosindividualizados.Para consegui-la,deve-seidentificar as necessidades humanas básicasafetadas nos indivíduos,a fim de proporintervenções profissionais adequadas à suaqualidade de vida,prevenindo-se assim oadoecimento crônico e, consequentementegastos públicos com a hospitalização.
  29. 29. Conclusão do Tema Concluímos que os níveis de atenção secundária e terciária compreende um conjunto de ações e serviços de saúde realizados em ambiente ambulatorial, que incorporam a utilização de equipamentos médico-hospitalares e profissionais especializados para a produção do cuidado em média e alta complexidade. Com o intuito de facilitar o acesso da população a procedimentos esecializados.
  30. 30. Referências SALES, Fabrícia Martins Sales;Iraci dos Santos. Perfil de idosos hospitalizados e nível de dependência de cuidados de enfermagem:identificação de necessidades. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104- 07072007000300016&lng=pt&nrm=iso >. Acesso em: 10 de maio de 2011. NAGAHAMA, Elizabeth Eriko Ishida, Silvia Maria Santiago. Humanização e eqüidade na atenção ao parto em município da região Sul do Brasil. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ape/v21n4/a12v21n4.pdf >. Acesso em: 10 de maio de 2011. RIBEIRO, Mário Sérgio, et al. Fatores associados ao abandono de tratamento em saúde mental em uma unidade de nível secundário do Sistema Municipal de Saúde. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/jbpsiq/v57n1/v57n1a04.pdf>. Acesso em: 10 de maio de 2011. Portal de Saúde. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/saude/Gestor/visualizar_texto.cfm?idtxt=27143>. Acesso em: 18 de maio de 2011.

×