Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Regulamento centro nacional formacao

118 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Regulamento centro nacional formacao

  1. 1. FEDERAÇÃO DE FUTEBOL DA GUINÉ-BISSAU *Fundada a 10 de Setembro de 1974* (Membro da CAF – FIFA – UFOA) PROPOSTA Elaborado nos termos do Artigo ______No _____dos Estatutos da FFGB Aprovado em Reunião do Congresso da FFGB, a______/200___ REGULAMENTO CENTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE FUTEBOLISTAS
  2. 2. 2 CAPÍTULO – I (NOMENCLATURA) 1. GENERALIDADES 1.1.O Centro Nacional de Formação de Futebolistas, adiante designado por CNFF constitui-se como um serviço Desconcentrado da FFGB que se submete hierarquicamente à Direcção Técnica Nacional (DTN); 1.2. O CNFF é um serviço Técnico Nacional para a Definição de estratégias e Coordenação das Escolas Nacionais de Formação de Atletas para a prática de Futebol; 1.3.O CNFF é sustentado por uma Direcção suportada por uma parte técnica e outra administrativa que assegura o seu pleno funcionamento; 1.4.A nomeação de todo o pessoal dirigente e de apoio são da responsabilidade da FFGB, consultado a sua DTN; 1.5.Para a consecução dos objectivos pelo que foi instituído o CNFF, ele tem a cumprir: 1.5.1. Desenvolver programas para a detecção de talentos, de forma dirigida, criteriosa e coerente; 1.5.2. Criar um processo de avaliação de aptidão de atletas para o alto rendimento; 1.5.3. Apoiar no aperfeiçoamento dos Atletas de alta competição, em locais adequados a este nível de participação; 1.5.4. Preparar equipas de alto nível, na sequência lógica do referido no ponto anterior; 1.5.5. Apoiar as acções de Formação de Técnicos, Árbitros e outros Agentes, garantia indispensável da qualidade de todo o trabalho a desenvolver; 1.5.6. Propor realização de Quadros competitivos de alto nível, eventual corolário de todas as acções anteriores. CAPÍTULO – II (ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E TÉCNICA) 1. DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA 1.1. O CNFF é dirigido por um Director Técnico nomeado pelo Presidente da FFGB sob proposta da DTN e ouvidos os membro do Comité Executivo, que assume a coordenação das questões administrativas e técnicas, através do secretariado administrativo e técnico; 1.2. Para coadjuvar o Director, assumindo a coordenação técnica do funcionamento do Centro é nomeado pelo Presidente da FFGB sob proposta da DTN e ouvidos os membros do Comité Executivo o Coordenador; 1.3. O CNFF funcionará em dois períodos de trabalho: 1.3.1. De Manhã: 1.3.2. De Tarde: REGULAMENTO CENTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE FUTEBOLISTAS DA FFGB
  3. 3. 3 2. ORGANIZAÇÃO TÉCNICA 2.1. A parte técnica é suportada por uma Coordenação Técnica assumida por um coordenador com uma equipa técnica constituída por Monitores responsáveis pela formação de vinte (20) Alunos (atletas) cada; 3. Os alunos representam os Clubes, essencialmente os da cidade de Bissau, podendo os do interior do país serem também abrangidos; 4. Para cumprir com o papel que lhe é consignado tem como função: 4.1. Elaborar e Calendarizar o Plano de actividade conjuntamente com a DTN/FFGB os trabalhos a serem realizados durante cada época, desportiva; 4.2. Definir as regras e requisitos para captação de talentos; 4.3. Criar Selecções nos diferentes escalões etárias de formação nomeadamente (Infantis, Iniciados e Juvenis); 4.4. Divulgar e promoção dos valores formados nas diferentes categorias referido no ponto anterior; 4.5. Desenvolver o potencial futebolístico nas diferentes camadas em formação; 4.6. Conceber o perfil de atletas para as Selecções Nacional das Escalões de formação; 4.7. Definir os parâmetros de captação de talentos; 4.8. Definir o perfil de jogo para as características dos atletas da Guiné-Bissau; 4.9. Trabalhar em prol da continuidade e seguimento das Selecções Nacionais de Júnior enquanto a evolução por faixa etária dos valores seleccionados com vistas a criar um retorno em termo de sequência dos valores em causa, encaminhando-os para a equipa - A Nacional; 4.10. Renovar ciclicamente as Selecções Nacional em todos os Escalões de formação e de projecção; 4.11. Fixar os objectivos e metas a ser atingido para cada uma das Selecções; e 4.12. Definir em conjunto com a DTN/FFGB um plano global que contemple quatro (4) anos de trabalhos a ser submetido a mais alto nível com vistas a sua aprovação e execução uma vez fixado os objectivos e metas a tingir. 3. ATRIBUIÇÕES 3.1. Ao Director e Coordenador Técnico Naciona1 do Centro de Formação de Futebolistas Compete: 3.1.1. Definir em conjunto com a Federação de Futebol através da sua Direcção Técnica Nacional os objectivos do Centro; 3.1.2. Elaborar planeamento de actividades desportivo anual a desenvolver no Centro;
  4. 4. 4 3.1.3. Verificar mensalmente as actividades desenvolvidas pelos técnicos do Centro e das Escolas; 3.1.4. Verificar semanalmente o cumprimento dos planos elaborados para o Centro de Formação; 3.1.5. Reunir anua1mente com os Técnicos Nacionais e Regionais, a quando do encontro Nacional anual das Escolas de Futebol; 3.1.6. Promover Acordos colóquios palestras e cursos de reciclagem para os técnicos de Centro e as Escolas de Futebol; 3.1.7. Reunir mensalmente com todas as estruturas de Centro de Formação; 3.1.8. Acompanhar de forma pontual o trabalho que se desenvolve nas Escolas de Futebol; e 3.1.9. Avaliar as capacidades e nível dos técnicos das Escolas de Futebol e Centro de Formação 3.2. O Coordenador Técnico é considerado um dos estafes técnicos da Direcção do Centro e serão eles como elo de ligação entre os responsáveis máximos das restantes estruturas administrativas e tem como funções: 3.2.1. Participar na elaboração de planos das actividades do Centro e as Escolas de Futebol; 3.2.2. Controlar a hora do início e do fim de treino de cada professor (Técnico/Monitor) com a sua Classe/equipa; 3.2.3. Apresentar relatório nas reuniões Técnicas; 3.2.4. Velar pelo cumprimento do programa e apresentar o relatório mensal das actividades nas reuniões de coordenação técnica; 3.2.5. Despachar sempre com o Director Técnico do Centro; 3.2.6. Aconselhar os professores das Escolas de Futebol caso for necessário; e 3.2.7. Propor a convocação das sessões extraordinárias de reunião se for necessário. 3.3. Monitores 3.3.1. Selecção e admissão de Monitores para o CNFF deve passar um processo por concurso; 3.3.2. Os Monitores serão assumidos financeiramente pela FFGB e destacados nos Clubes; 3.3.3. 3.4. Alunos 3.4.1. Selecção e admissão dos talentos serão realizados a partir de um processo a definir pela DTN/CNFF; 3.4.2. As faixas etárias dos talentos são as seguintes: 3.4.2.1. Infantis:
  5. 5. 5 3.4.2.2. Iniciados: 3.4.2.3. Juvenis: 3.4.3. A Direcção do Centro produzirá uma nota pedido dispensa das aulas de educação física para todos os inscritos nas escolas 3.5. CAPÍTULO – III (ORGANIZAÇÃO FINANCEIRA) 1. COMPETÊNCIA 1.1.Sendo um serviço desconcentrado da FFGB tem a sua total dependência financeira à esta Instituição e que se assume pelos Serviços da Direcção de Administração Financeira e Patrimonial; 1.2.Todos os encargos financeiros inerentes ao funcionamento deste órgão são assumidos directamente pela FFGB. 2. ENCARGOS FINANCEIROS 2.1.Constituem encargos de organização e funcionamento do CNFF: 2.1.1. Pagamento dos funcionários afectos; 2.1.2. Funcionamento e Manutenção do Centro; 2.1.3. Aquisição e disponibilização de material de escritório e desportivo; 2.1.4. Organização de competições das Escolas; e 2.1.5. Outras despesas que possam surgir no âmbito da formação;

×