Protocolo e.max

19,088 views

Published on

Protocolo E-max

Published in: Entertainment & Humor
0 Comments
8 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
19,088
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1,070
Actions
Shares
0
Downloads
462
Comments
0
Likes
8
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Protocolo e.max

  1. 1. Caso Clínico Protocolo clínico para utilização de uma nova cerâmica vítrea reforçada por leucita Sidney Kina Resumo ção contra os estresses da mastiga- As cerâmicas dentárias, além de qui- ção. Assim, várias formas de reforço micamente estáveis, apresentam à sua estrutura estão descritas na li- propriedades ópticas excelentes teratura e aplicadas na Odontologia quando comparadas às estruturas restauradora. O presente trabalho dentárias, garantindo assim um pos- descreve a utilização clínica de um to especial no rol dos materiais res- novo material cerâmico reforçado tauradores estéticos. Porém, sua co- por leucita denominado IPS Empress nhecida friabilidade limita seu uso, Esthetic (Ivoclar Vivadent), através exigindo estratégias para sua prote- de cinco casos clínicos. PalavRaS-chave: Cerâmicas dentárias. Leucita. IPS Empress Esthetic. - Professor de Prótese Dentária e Odontogeriatria da Universidade Estadual de Maringá - UEM; - Editor da Revista Dental Press de Estética. R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005 23
  2. 2. Protocolo clínico para utilização de uma nova cerâmica vítrea reforçada por leucita InTROduçãO te em temperaturas entre 1150 e 1180°C (sob As propriedades físicas das cerâmicas den- pressão de 0,3 a 0,4 MPa), utilizando a técnica de tárias há muito são apreciadas na Odontolo- molde refratário confeccionado pela técnica de gia restauradora. Com sua natureza vítrea e cera perdida. Ao final, a microestrutura dessas cristalina (núcleos cristalinos), elas apresen- cerâmicas prensadas pelo calor consiste de cris- tam interação de reflexão óptica elaborada, tais de leucita com tamanho variando entre 1 a muito semelhante às estruturas dentárias. 5µm que, dispersas na matriz vítrea, funcionam Graças à sua inércia química característica, suas como arcabouço de reforço para a estrutura da propriedades de solubilidade e corrosão são cerâmica1. bastante adequadas, além de constituírem ex- O material de referência deste processo é celentes isolantes, com baixa condutividade e conhecido comercialmente como Empress (Sis- difusividade térmica e elétrica, possibilitando a tema IPS Empress, Ivoclar Vivadent), estando no construção de restaurações com boa aparência mercado odontológico desde 1991. Trabalhado e tolerância ao meio bucal . 1,2 basicamente pela técnica de coloração ou ma- Suas qualidades mecânicas, entretanto, apre- quiagem (muito embora aceite a técnica de sentam comportamento pouco plástico, com redução e estratificação de capas de cerâmica), propriedades tensionais precárias, tornando-as suas indicações clínicas são para trabalhos uni- um material com baixa maleabilidade e sensi- tários como coroas e facetas anteriores, inlays velmente friável, contra-indicando sua utiliza- e onlays3. ção em regiões de suporte de carga ou estresse Recentemente, uma nova cerâmica reforça- mastigatório. Desta forma, diferentes mecanis- da por leucita foi disponibilizada sobre o nome mos foram considerados para melhorar suas ca- comercial de IPS Empress Esthetic, integrando o racterísticas, reduzindo seu potencial de falhas Sistema Empress (Ivoclar Vivadent)4. O presente sob estresse. Uma das estratégias para melhorar trabalho tem por objetivo descrever sua utiliza- esta característica foi uma maior incorporação ção clínica, através de cinco casos clínicos, assim de leucita fortalecendo mecanicamente a estru- como estabelecer nossas primeiras impressões tura da cerâmica dentária. As cerâmicas à base sobre este produto. de leucita (KAlSi2O6 ou K2O•Al2O3•4SiO2) a utili- zam como uma fase de reforço em quantidades IPS eMPReSS eSTheTIc que variam de 35 a 55%. Disponíveis na forma de Desenvolvido a partir do sistema IPS Empress, lingotes de cerâmica, são prensados geralmen- o Empress Esthetic é composto por três partes Tabela 1 - Resistência à flexão de acordo com o valor limite ISO 6872. Tabela 2 - Indicações do sistema IPS Empress Esthetic3. Material Resistência à valor limite: ISO Indicação Forma de aplicação Flexão 6872 Inlays / Onlays Glazeadas IPS Empress 138 +/- 12MPa 100MPa Glazeadas ou parcialmente Facetas laminadas IPS Empress estratificadas 160 +/- 8MPa 100MPa Esthetic Glazeadas ou parcialmente Coroas anteriores Medições internas, Ivoclar Vivadent AG, Schaan, 20034, 5 estratificadas Coroas posteriores Glazeadas24 R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005
  3. 3. Sidney Kinacoordenadas: pastilhas, cerâmica de cobertura(Veneer) e revestimento (Esthetic Speed)3. O IPS Empress Esthetic é uma cerâmica ví-trea reforçada por leucita, cuja pastilha cerâmicapara injeção apresenta a formulação clássica dosistema IPS Empress: K2O•Al2O3•SiO2. Entretan-to, graças a novas tecnologias de processamen-to, suas características foram otimizadas. Comcristais de leucita menores e uma distribuiçãomais homogênea e compacta, ele alcança pro-priedades mecânicas melhores (Tab. 1) assimcomo maiores níveis de translucidez. Coordenado com as novas pastilhas, umacerâmica de cobertura (IPS Empress EstheticVeneer), com temperaturas de cocção maisbaixas, foi desenvolvida para estratificaçãocerâmica da porção incisal em facetas e co-roas anteriores. Esta possibilidade otimiza as Figura 1 - Corte transversal de um incisivo central superior sobrecaracterizações e efeitos internos desta re- luz transmitida. Observe como a estrutura dentária apresenta vá- rios graus de translucidez. Exatamente esta complexa interaçãogião de propriedades ópticas tão complexas com a luz que determina a dificuldade na construção de restau-(Fig. 1). Assim, de forma simples e racional, são rações estéticas, em especial na região da borda incisal.possíveis efeitos de translucidez e opalescên-cia, criando bordas incisais bastante naturais(Fig. 2, 3), enquanto do terço médio para cervicaltrabalha-se sobre a própria cerâmica injetada,através da técnica de maquiagem. Esta com-binação permite trabalhar de forma mais fácilno laboratório quando comparado com a técni-ca sobre refratário e com qualidades estéticas Figura 2 - Caso inicial.mais acuradas, quando comparada à técnica demaquiagem.IndIcaçõeS As indicações deste sistema são basicamen-te para restaurações unitárias, pois, como todacerâmica reforçada por leucita, a resistênciamecânica é insuficiente para ser usada na fabri-cação de pontes dentárias. Suas indicações es- Figura 3 - Caso final. Laminados cerâmicos (13 ao 23) con-tão resumidas na tabela 2. feccionados com IPS Empress Esthetic. Observe os efeitos de opalescência na borda incisal da cerâmica e compare com a situação inicial (Figura 2). (TPD. Murilo Calgaro, Curitiba/PR) R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005 25
  4. 4. Protocolo clínico para utilização de uma nova cerâmica vítrea reforçada por leucita caSO 1Figuras 4, 5 - Caso inicial. Este jovem senhor de 43 anos apresentava grandes restaurações lascadas e despolidas de resina composta nos dentes anteriores.Figuras 6, 7, 8 - Caso inicial. Observe, além das restaurações deficientes, a desarmonia anatômica entre os elementos dentais. O planejamento para estecaso foi a confecção de laminados cerâmicos nos elementos 13, 12, 11, 21, 22 e 23.Figuras 9, 10 - Início dos preparos dentais (11 e 21). O primeiro passo foi romper os pontos de contato, conferindo um desenho mesio/distal reto,de acordo com o eixo de inserção pretendido. Observe que este passo facilita a visualização espacial do preparo durante sua execução.26 R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005
  5. 5. Sidney KinaFiguras 11, 12 - Sondagem do sulco gengival para determinar a posição intrasucular da margem cervical do preparo.Figuras 13, 14 - Após a sondagem foi colocado um fio de afastamento (Ultrapak #000, Ultradent) para proteção da margem gengival durante o preparoda cervical.Figuras 15, 16 - Preparo da borda incisal. Observe o posicionamento da ponta diamantada em 45º para palatina em relação ao eixo de inserção esta-belecido. R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005 27
  6. 6. Protocolo clínico para utilização de uma nova cerâmica vítrea reforçada por leucita Figura 17 - Sulcos de orientação para o desgaste incisal. Desgaste médio de 1,5mm.Figuras 18, 19, 20 - Preparo dentário: confecção de sulcos de orientação para o desgaste vestibular.Figuras 21, 22 - Desgaste vestibular através da união dos sulcos de orientação. Desgaste médio em torno de 0,6mm.Figura 23 - Detalhe da região cervical interproximal entre o 21 e o 22. Observe o resíduo da antiga restauração de resina composta e a posição dotérmino cervical supragengival.28 R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005
  7. 7. Sidney KinaFiguras 24, 25, 26 - Detalhe do preparo do término cervical. Observe na figura 25 o acabamento cervical com auxílio do recortador manual (MA2,Safident). Na figura 26 observe o término cervical pronto e sua posição intrasucular.Figuras 27, 28, 29 - Preparos dentários prontos. Figura 30 - Guia de cor Stumpfmaterial para Die Material, Ivoclar Vivadent.Figuras 31, 32, 33 - Seleção da cor do substrato dentário (Guia de cor Stumpfmaterial). Em trabalhos com laminados cerâmicos, a comunicação da cordo substrato do preparo dentário ao ceramista é passo importante para o resultado final da cor. R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005 29
  8. 8. Protocolo clínico para utilização de uma nova cerâmica vítrea reforçada por leucitaFiguras 34, 35, 36 - Inserção do fio de afastamento Ultrapak #1, Ultradent, para moldagem dos preparos dentários.Figuras 37, 38, 39 - Fios de afastamento posicionados.Figura 40 - Vista oclusal. Observe a interposição do fio de afastamento Figura 41 - Após remoção do fio de afastamento (Ultrapak #1, Ultradent),entre o tecido gengival e a cervical dos preparos dentários. É fundamental observe o afastamento da margem gengival e a completa exposição donesta etapa que o fio fique visível, indicando o afastamento do tecido término cervical. Observe ainda, no fundo do suco gengival o fio #000gengival. usado durante as etapas de preparo dentário (Figuras 13 e 14).Figuras 42, 43 - Injeção do silicone de adição para moldagem (Virtual Light Body, Ivoclar Vivadent).30 R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005
  9. 9. Sidney Kina Figura 44- Molde concluído.Figuras 45, 46, 47 - Detalhes do molde obtido (Silicone de Adição Virtual, Ivoclar Vivadent).Figura 48 - Close-up da região cervical do 21 após remoção do fio de Figura 49 - Close-up do molde da região cervical do 21. Observe o deta-afastamento #1. Observe no detalhe a efetiva exposição do término cer- lhe da impressão do espaço obtido no afastamento da margem gengival.vical. A “leitura” do molde deve mostrar claramente o término cervical. R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005 31
  10. 10. Protocolo clínico para utilização de uma nova cerâmica vítrea reforçada por leucitaFiguras 50, 51 - Enceramento das facetas laminadas. Facetas cerâmicas injetadas. Figuras 52, 53 - Facetas cerâmicas injetadasFiguras 54, 55, 56 - Cut Back (Redução) incisal. Observe o desenho do corte delimitando os lóbulos dentinários.Figura 57 - Caracterização da borda incisal através da Figuras 58, 59 - Estratificação da cerâmica incisal (incisal opal). Observe o detalhe das caracteri-aplicação das pastas Wash. zações para formar a borda incisal.Figuras 60, 61, 62, 63, 64 - Facetas laminadas prontas sobre modelo rígido. Vistas em diversos ângulos.Figuras 65, 66, 67 - Facetas laminadas cerâmicas sobre o troquel de Die Material, Ivoclar Vivadent, de acordo com a cor selecionada dos preparos den-tários (Figuras 31, 32 e 33). Este passo permite ao ceramista observar se existe interferência significativa da cor do substrato dentário com o resultadode cor pretendida (compare com as figuras 60, 61, 62 e 63 e 64 onde as cerâmicas estão sobre modelo de gesso).32 R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005
  11. 11. Sidney KinaFigura 68 - Detalhe da translucidez desta faceta laminada cerâmica. Figura 69 - Prova das cerâmicas. Observe que as cerâmicas secas posicio-Observe a partir deste fato que a interação entre os vários substratos: nadas sobre os preparos não dão a noção real de cor final.preparo dentário/cimento resinoso/cerâmica dentária é que resultará nacor final do trabalho.Figura 70 - Pasta matizada Try In (Variolink 2, Ivoclar Vivadent), para prova Figura 71 - Prova das cerâmicas com Try In. Observe as nuances de core escolha de cor do cimento resinoso. das cerâmicas posicionadas com Try In. R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005 33
  12. 12. Protocolo clínico para utilização de uma nova cerâmica vítrea reforçada por leucita CIMENTAÇÃO ADESIVA IPS EMPRESS ESTHETIC CERÂMICA PREPARO DENTÁRIO Figura 72 - Preparo da su- Figura 76 - Preparo da super- perfície cerâmica para ci- fície dentária para cimentação mentação adesiva: aplicação adesiva. Isolamento relativo e de ácido fluorídrico 10% por proteção dos dentes vizinhos 60 segundos. com fita de PTFE (Poli Tetral Flúor Etileno). Figura 73 - Após limpeza em Figura 77 - Condicionamen- ultra-som por 4 minutos em to com: ácido fosfórico 37% álcool 90%, aplicação do si- por 15 segundos. lano (Monobond S, Ivoclar Vivadent) por 1minuto. Figura 74 - Aplicação do Figura 78 - Aplicação do adesivo (Excite DSC, Ivoclar adesivo (Excite DSC, Ivoclar Vivadent). Vivadent). Figura 75 - Fotopolimeriza- Figura 79 - Fotopolimeriza- ção por 15 a 20 segundos. ção por 15 a 20 segundos. Figuras 80, 81, 82 - Inserção do laminado cerâmico com ajuda de aplicador flexível com ponta adesiva (vivastick, Ivoclar vivadent). cimentação com variolink 2 (Ivoclar vivadent).34 R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005
  13. 13. Sidney KinaFiguras 83, 84, 85, 86, 87, 88, 89, 90 - Caso finalizado, logo após cimentação.Figura 91 - Caso finalizado. Revisão de 1 ano. Figura 92 - Vista lateral. R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005 35
  14. 14. Protocolo clínico para utilização de uma nova cerâmica vítrea reforçada por leucitaFiguras 93 - Observe na imagem negativa a borda incisal estratificada e seu efeitos de translucidez.36 R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005
  15. 15. Sidney KinaFiguras 94, 95, 96 - Revisão de um ano. Linha do sorriso. Observe a ótima integração entre lábios e estruturas dentárias (TPD Peter Fisiak, Bogotá,Colômbia). R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005 37
  16. 16. Protocolo clínico para utilização de uma nova cerâmica vítrea reforçada por leucita caSO 2Figura 97 - Caso inicial. Esta jovem senhora de 39 anos apresentava coroas metalocerâmicas no 12 e 22 e diastema entre o 11 e 21.Figuras 98, 99, 100- Caso inicial. Observe a desarmonia entre a proporção dos incisivos centrais e as coroas metalocerâmicas nos laterais.Figura 101 - Núcleos estéticos foram realizados no 12 e 22, substituindo antigos núcleos metálicos.38 R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005
  17. 17. Sidney KinaFiguras 102, 103 - Preparos para faceta laminada no 11 e 21. Observe que o preparo está limitado ao esmalte dental.Figura 104, 105, 106 - Para direcionar espacialmente o preparo dentário, assim como a quantidade de desgaste, foi utilizada uma guia de silicone, previamenterealizada sobre o modelo com enceramento diagnóstico. Obs.: o desgaste mínimo para laminados cerâmicos no sistema IPS Empress Esthetic é de 0,6mm.Figura 107 - Preparos dentários concluídos. R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005 39
  18. 18. Protocolo clínico para utilização de uma nova cerâmica vítrea reforçada por leucitaFigura 108 - Cerâmicas prontas. Coroas de IPS Empress 2 no 12 e 22. Figura 109 - Vista interna das cerâmicas dentais.Facetas laminadas cerâmicas de IPS Empress Esthetic no 11 e 21.Figura 110 - Observe a diferença de translucidez e espessura entre os laminados e as coroas cerâmicas.40 R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005
  19. 19. Sidney KinaFigura 111 - Cimentação adesiva das coroas no 12 e 22. Condicionamen- Figura 112 - Aplicação do adesivo (Excite DSC, Ivoclar Vivadent).to com: ácido fosfórico 37% por 15 segundos.Figura 113 - Fotopolimerização por 15 a 20 segundos. Figura 114 - Cimentação das coroas com cimento resinoso (Variolink 2, Ivoclar Vivadent).Figura 115 - Coroas cimentadas. Figura 116 - Vista dos preparos dentários do 11 e 21 prontos para rece- berem os laminados cerâmicos. R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005 41
  20. 20. Protocolo clínico para utilização de uma nova cerâmica vítrea reforçada por leucitaFigura 117 - Condicionamento com: ácido fosfórico 37% por 15 segundos. Figura 118 - Aplicação do adesivo (Excite DSC, Ivoclar Vivadent).Figura 119 - Fotopolimerização por 15 a 20 segundos. Figura 120 - Inserção do laminado cerâmico com ajuda de aplicador flexível com ponta adesiva (Vivastick, Ivoclar Vivadent).Figura 121 - Fotopolimerização por 60 segundos. Figura 122 - Caso finalizado, logo após cimentação. Observe a ótima inte- gração entre as coroas de IPS Empress 2 e os laminados cerâmicos de IPS Empress Esthetic.42 R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005
  21. 21. Sidney KinaFigura 123-127 - Caso finalizado. Revisão de 6 meses. R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005 43
  22. 22. Protocolo clínico para utilização de uma nova cerâmica vítrea reforçada por leucita44 R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005
  23. 23. Sidney KinaFiguras 128, 129, 130 - Close-up da região cervical. Observe que, após 6 meses, existe uma ótima integração entre as cerâmicas e os tecidos gengivais(TPD Luiz Alves Ferreira, São Paulo/SP). R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005 45
  24. 24. Protocolo clínico para utilização de uma nova cerâmica vítrea reforçada por leucita caSO 3Figuras 131 - Caso clínico inicial. Esta jovem senhora de 34 anos sofreu um acidente doméstico aos 23 anos de idade, que causou a fratura coronal do 21 eabalou severamente o 22, porém, sem avulcioná-lo. Na época, o tratamento realizado foi a endodontia do 21 e 22, com a confecção de núcleo metálico e coroametalocerâmica no 21.Figuras 132, 133 - Observe que passados, 11 anos, o trauma ocorrido ocasionou uma rotação do 22 e um defeito ósseo entre o 21 e 22, com conseqüenteperda da papila gengival.46 R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005 R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 104-112, out./nov./dez. 2005 46
  25. 25. Sidney KinaFiguras 134, 135 - Após a remoção da coroa metalocerâmica e do núcleo metálico do 21, foi confeccionado um núcleo estético com pino pré-fabricado de fibrade carbono (Reforpost RX, Angelus) e preparo dentário no 22.Figuras 136 - Para conseguir uma melhor harmonia e proporção, foram preparados os elementos 13, 12, 11 e 23 para receberem laminados cerâmicos.Figuras 137, 138 - Detalhes dos preparos dentários. R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005 47
  26. 26. Protocolo clínico para utilização de uma nova cerâmica vítrea reforçada por leucitaFigura 139 - Laminados cerâmicos (13, 12, 11 e 23) e coroas totais (21 e 22) prontas. Sistema IPS Empress Esthetic.Figura 140 - Vista interna das peças cerâmicas.Figura 141 - Imagem em negativo, onde se observa melhor a espessura e translucidez das peças cerâmicas.48 R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005
  27. 27. Sidney KinaFigura 142 - Caso concluído.Figura 143 - Observe o detalhe da coroa 22, com uma projeção da face me- Figura 144 - Caso final. Vista comparativa com os dentes inferiores.sial para fechar o diastema inicial e diminuir o espaço da ameia gengival. R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005 49
  28. 28. Protocolo clínico para utilização de uma nova cerâmica vítrea reforçada por leucitaFigura 145 - Caso final (TPD José Carlos Romanini, Londrina/Paraná).50 R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005
  29. 29. Sidney KinaFigura 146 - Caso final (TPD José Carlos Romanini, Londrina/Paraná). R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005 51
  30. 30. Protocolo clínico para utilização de uma nova cerâmica vítrea reforçada por leucita caSO 4Figura 147 - Este senhor de 54 anos de idade apresentava grandes restaurações de resina composta na maioria manchadas ou despolidas, que por motivosdiversos, com freqüência precisavam ser trocadas. Para uma resolução mais definitiva para estes problemas o planejamento foi a confecção de laminados ce-râmicos em toda bateria anterior (13 ao 23).Figura 148 - Vista vestibular dos preparos dentários (12, 11, 21 e 23). Observe a proximidade cervical entre os dentes, indicando uma anatomia mais alongadacom perfil emergente reto.52 R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005
  31. 31. Sidney KinaFiguras 149 e 150 - Cimentação das lâminas provisórias com Temp Bond Clear (Kerr).Figura 151 - Lâminas provisórias cimentadas. Esta etapa serve para definir a Figura 152 - Lâminas cerâmicas prontas sobre modelo rígido. Observe a con-anatomia provável para as lâminas cerâmicas. Observe neste estudo a proje- cordância anatômica com os provisórios.ção distal dos incisivos centrais sobre os laterais, evitando a impressão anato-mica alongada.Figuras 153, 154 - Observe na figura 153 as lâminas cerâmicas sobre luz incidida, e na figura 154 sobre luz negra (luz de Wood). Observe a ótima fluorescênciado sistema IPS Empress Esthetic, tanto no setor maquiado (Ingots) como na cerâmica de cobertura (Veneer). R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005 53
  32. 32. Protocolo clínico para utilização de uma nova cerâmica vítrea reforçada por leucitaFiguras 155, 156 - Caso concluído.54 R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005
  33. 33. Sidney KinaFigura 157 - Vista mais aproximada vestibular. Observe a ótima integração com os tecidos gengivais e na vista lateral, a sobreposição distal do central com olateral (TPD. José Carlos Romanini, Londrina/Paraná). R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005 55
  34. 34. Protocolo clínico para utilização de uma nova cerâmica vítrea reforçada por leucitacaSO 5Figuras 158, 159 - Caso inicial. Esta jovem de 25 anos apresentava os elementos 11 e 21 com tratamento endodôntico e grandes restaurações de resinacomposta, com uma aparência escurecida e envelhecida. O elemento 12 com uma restauração Classe IV mesial, com grande envolvimento palatino, e o 22com uma coroa metalocerâmica.Figuras 160, 161, 162 - Caso inicial em vista aproximada. Observe na figura 162 o aspecto opaco da coroa metalocerâmica e o diastema com o elemento 23.O planejamento para este caso foi a confecção de coroas totais cerâmicas no 12, 11, 21 e 22, e laminado cerâmico no 23.Figura 163 - Remoção da coroa metalocerâmica (22). Figura 164 - Após afinar o munhão coronal do núcleo metálico, ele foi re- coberto com uma camada de resina composta na espessura mínima de 0,5 mm (Z100 UD, 3M). Compare o contorno do tecido gengival com a figura 163, e observe o novo “desenho” conseguido através do perfil da coroa pro- visória, para fechar os espaços da ameia gengival.56 R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005
  35. 35. Sidney KinaFiguras 165, 166 - Início dos preparos dentais (11 e 21). O primeiro passo foi romper os pontos de contato, conferindo um desenho mesio/distal reto, de acor-do com o eixo de inserção pretendido. Este passo facilita a visualização espacial do preparo durante sua execução para fechar os espaços da ameia gengival.Figura 167 - Sondagem do sulco gengival para determinar a posição intrasu- Figura 168 - Após a sondagem foi colocado um fio de afastamento (Ultrapakcular da margem cervical do preparo. #000, Ultradent) para proteção da margem gengival durante o preparo da cervical.Figuras 169, 170 - Preparo dentário: confecção de sulcos de orientação para o desgaste vestibular. R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005 57
  36. 36. Protocolo clínico para utilização de uma nova cerâmica vítrea reforçada por leucitaFiguras 171 - Sulcos de orientação para desgaste incisal com profundidade Figura 172 - Desgaste incisal. Este desgaste é orientado em 45º para palatina,de 1,5mm. em relação ao seu eixo de inserção.Figura 173 - Preparo do término cervical em chanfrado. Figura 174 - Detalhe do preparo cervical em chanfrado. Observe como a utili- zação do fio retrator favorece esta fase do preparo, dando mais espaço entre a cervical do dente e a margem gengival para utilização da ponta diamantada.Figura 175 - Acabamento manual do término cervical (Recortador MA2, Sa- Figura 176 - Término cervical pronto.fident).58 R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005
  37. 37. Sidney KinaFigura 177 - Preparos dentários do 11 e 21 prontos. Figura 178 - Máscara de silicone feita a partir do enceramento diagnóstico para checagem dos espaços dos preparos dentários. Observe que ele é fatia- do em três níveis para observação de todo corpo do preparo.Figura 179, 180 181 - Máscara de silicone posicionada: nível incisal, terço médio e cervical.Figura 182 - Preparos dentários prontos. Preparo para coroas totais no 12, 11, Figura 183 - Detalhe da moldagem. Técnica do duplo fio.21 e 22 e para laminado cerâmico no 23. R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005 59
  38. 38. Protocolo clínico para utilização de uma nova cerâmica vítrea reforçada por leucitaFigura 184 - Remoção do fio de afastamento (Ultrapak #1, Ultradent). Figura 185 - Injeção do silicone de adição para moldagem (Virtual Light Body,Observe o afastamento gengival conseguido e o fio no fundo do sulco Ivoclar Vivadent).gengival (Ultrapak #000, Ultradent).Figura 186 - Detalhe do molde obtido.Figura 187, 188, 189 - Cerâmicas prontas sobre modelo rígido (IPS Empress Esthetic, Ivoclar Vivadent).60 R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005
  39. 39. Sidney KinaFigura 190 - Coroas cerâmicas (12, 11, 21 e 22). Observe os detalhes ópticos das bordas incisais.Figura 191 - Vista interna das cerâmicas dentais. R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005 61
  40. 40. Protocolo clínico para utilização de uma nova cerâmica vítrea reforçada por leucitaFigura 192 - Cimentação adesiva. Condicionamento com: ácido fosfórico Figura 193 - Aplicação de adesivo (Excite DSC, Ivoclar Vivadent).37% por 15 segundos.Figura 194 - Fotopolimerização: 10 a 20 segundos. Figura 195 - Cimentação: Cimento resinoso (Variolink 2, Ivoclar Vivadent).Figura 196 - Remoção dos excessos de cimento. Figura 197 - Incisivos centrais cimentados.62 R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005
  41. 41. Sidney KinaFigura 198 - Cimentação do laminado cerâmico no 23: condicionamento áci- Figura 199 - Aplicação de adesivo (Excite DSC, Ivoclar Vivadent).do (ácido fosfórico 37%, por 15 segundos).Figura 200 - Fotopolimerização: 10 a 20 segundos. R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005 63
  42. 42. Protocolo clínico para utilização de uma nova cerâmica vítrea reforçada por leucitaFiguras 201, 202 - Cimentação: cimento resinoso (Variolink 2, Ivoclar Vivadent).Figura 203 - Cerâmicas cimentadas. Observe a ótima translucidez e efeitos de opalescência incisal.Figuras 204, 205, 206 - Vistas em diferentes ângulos.64 R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005
  43. 43. Sidney KinaFiguras 207, 208 - Vista lateral em oclusão.Figura 209 - Caso final. Observe o ótimo mimetismo com os dentes inferiores (TPD. José Carlos Romanini, Londrina/Paraná). R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005 65
  44. 44. Protocolo clínico para utilização de uma nova cerâmica vítrea reforçada por leucita cOncluSõeS nas pastilhas deve ser bem observada e analisa- A cerâmica vítrea IPS Empress Esthetic é da pelo clínico e o técnico em prótese dentária constituída por uma fase vítrea e outra cristali- (TPD), sob o risco de obter restaurações com na do tipo leucita. O desenvolvimento deste sis- menor luminosidade (levemente acinzentadas) tema cerâmico levou a clássica formulação do do que a desejada. sistema Empress a uma estrutura com proprie- - o fato de trabalhar diretamente sobre a ce- dades melhoradas através de cristais de leucita râmica injetada, aplicando a cerâmica de cober- de partículas menores, com distribuição mais tura (IPS Empress Esthetic Veneer) e/ou pigmen- compacta e homogênea dentro da fase vítrea do tos (Shades/Stains) pela técnica de maquiagem, material. Com isto, o material adquiriu qualida- permite ao TPD trabalhar com mais tranqüilida- des mecânicas superiores e melhores níveis de de e de forma mais fácil, sem a necessidade de translucidez. Considerando as primeiras experi- um material refratário. ências de utilização clínica deste material, até o - a combinação da adesão entre esmalte, presente momento, podemos observar que: dentina e cerâmica, já bem estabelecida no sis- - o sistema apresenta resultados estéticos tema Empress, pode ser efetivamente aplicada surpreendentes. Com níveis variados de trans- no sistema Empress Esthetic. Esta união adesiva lucidez/opacidade e sortimento amplo de co- produz restaurações com excelente integridade res de pastilhas, podemos obter resoluções em mecânica, além de eliminar possíveis defeitos quase todas as situações de comprometimento da superfície interna, reduzindo o potencial de de cor. Contudo, a alta translucidez conseguida fratura. AgrAdecimentos Aos técnicos em prótese dentária, que através de seus conhecimentos e habilidades conseguem transformar a ciência da cerâmica dentária em pura arte: August Bruguera (Barcelona, Espanha), José Carlos Romanini (Londrina/PR), Luiz Alves Ferreira (São Paulo/SP), Marcos Celestrino (São Paulo/SP), Murilo Calgaro (Curitiba/PR), Peter Fisiak (Bogotá, Colômbia) e Victor-Hugo do Carmo (Cugy, Suíça). Ao apoio técnico da Ivoclar Vivadent, através do Sr. Herbert Mendes (Gerente de Marketing e Vendas, Brasil), Sr. Thomas Stahl (Gerente de Vendas Sênior para América Latina), Dr. Niklas Bartling (Serviços ao Profissional para América Latina) e o Sr. Jürgen Seger (Trainer ICDE, Schaan).66 R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005
  45. 45. Sidney Kina A clinical protocol in the use of a new glass ceramic reinforced by leucite Dental ceramics, besides being chemically the stresses of the mastication. To this extent, stable, presents excellent optical properties several reinforcement forms on its structure when compared to the dental structures, thus are described in the literature and applied in the guaranteeing a special position in the list of restorative dentistry. The present work describes aesthetic restorative materials. However, they the clinical use of a new ceramic material known friableness limit them in their use, reinforced by leucite named IPS Empress Esthetic demanding strategies for protection against (Ivoclar Vivadent), in five clinical cases. KeY Words: Dental ceramic. Leucite. IPS Empress Esthetic.1. CRAIG. R.G.; POWERS, J. M. Materiais dentários restauradores. 5. IVOCLAR Vivadent North América. Technology and applied 11. ed. São Paulo, Ed. Santos, 2004. Testing center: IPS Empress Competitive Analysis. Interner2. NOORT, R. Introdução aos materiais dentários. 2. Porto Alegre: Untersuchungsbericht an Ivoclar Vivadent AG. Schaan. July Artmed, 2004. 2003. Disponível em: <http://64.233.187.104/search?q=cache:3. WISSENSCHAFTLICHE Dokumentation. IPS empress oDPfiuJUqi8J:media.ivoclarvivadent.com/pdf/binarydata_it/info/ System: Ivoclar Vivadent AG, Schaan. 2003. Disponível em: wissdok_empress_esthetic_i.pdf+Ivoclar+Vivadent+North+Am% <http://64.233.187.104/search?q=cache:oDPfiuJUqi8J:media. C3%A9rica,+Technology+and+Applied+Testing+Center.+IPS+Em ivoclarvivadent.com/pdf/binarydata_it/info/wissdok_empress_ press+Competitive+Analysis.+Interner+Untersuchungsbericht+a esthetic_i.pdf+Wissenschaftliche+Dokumentation,+IPS+Empr n+Ivoclar+Vivadent+AG,+Schaan&hl=pt-BR>. Acesso em: 21 dez. ess+System+%E2%80%93+das+Original.+Ivoclar+Vivadent+A 2005. G,+Schaan,+2003.&hl=pt-BR>. Acesso em: 21 dez. 2005.4. IPS Empress Esthetic. liechtenstein: Schaan. June 2004. Disponível em: <http://64.233.187.104/search?q=cache: oDPfiuJUqi8J:media.ivoclarvivadent.com/pdf/binarydata_it/info/ wissdok_empress_esthetic_i.pdf+Wissenschaftliche+Dokumen tation,+IPS+Empress+System+%E2%80%93+das+Original.+Ivocl ar+Vivadent+AG,+Schaan,+2003.&hl=pt-BR>. Acesso em: 21 dez. 2005. Endereço para correspondência Sidney Kina Avenida Paraná, 242 - Sala 1406 - 14o andar CEP 87013-070 - Maringá - Paraná e-mail: kina@wnet.com.br - site: www.kinascopinhirata.com.br R Dental Press Estét - v. 2, n. 4, p. 23-67, out./nov./dez. 2005 67

×