Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Paulo Freire - cap 2 de Pedagogia da Autonomia

7,059 views

Published on

Sobre Pedagogia da autonomia de Paulo Freire

Published in: Education
  • Be the first to comment

Paulo Freire - cap 2 de Pedagogia da Autonomia

  1. 1. 2. ENSINAR NÃO É TRANSFERIR CONHECIMENTO Universidade e Sociedade
  2. 2. EQUIPE Gabriela Oliveira Gomes Cordeiro Jackson Cedraz Jessica Taís Barreto Jorge Karyna Duarte Alcântara Lucas Carvalho Marcos Henrique Sales Maia
  3. 3. ENSINAR NÃO É TRANSFERIR CONHECIMENTO  “...ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção”. Paulo Freire  O ensino para ser eficaz deve ser vivido  Ensinar requer pensar Certo
  4. 4. ENSINAR EXIGE CONSCIÊNCIA DO INACABADO  “Na verdade, o inacabamento do ser ou sua inconclusão é próprio da experiência vital. Onde há vida, há inacabamento. Mas só entre mulheres e homens o inacabamento se tornou consciente”. (Paulo Freire)  A invenção da existência a partir dos materiais que a vida oferecia levou homens e mulheres a promover o suporte em que os outros animais continuam, em mundo. (Paulo Freire)  Os humanos como seres éticos e pensantes.
  5. 5. “Gosto de ser homem, de ser gente, porque sei que minha passagem pelo mundo não é predeterminada, preestabelecida. Que meu "destino" não é um dado mas algo que precisa ser feito e de cuja responsabilidade não posso me eximir. Gosto de ser gente porque a História em que me faço com os outros e de cuja feitura tomo parte é um tempo de possibilidades e não de determinismo. Daí que insista tanto na problematização do futuro e recuse sua inexorabilidade”. (Paulo Freire, p.30)
  6. 6. ENSINAR EXIGE O RECONHECIMENTO DE SER CONDICIONADO  Ensinar exige o reconhecimento do ser condicionado  É a nossa inclusão assumida, é saber que somos inacabados e sermos conscientes disto.  A consciência do mundo e de si como ser inacabado inscrevem o ser num permanente movimento de busca. E nisto se fundamenta a educação como processo permanente.  Lutando deixo de ser apenas objeto, para ser também sujeito da História.
  7. 7. ENSINAR EXIGE RESPEITO À AUTONOMIA DO SER DO EDUCANDO  O respeito à autonomia e à dignidade de cada um é um imperativo ético e não um favor que podemos ou não conceder uns aos outros.  A dialogicidade  A transgressão da eticidade jamais pode ser entendida como virtude, mas como ruptura com a decência
  8. 8. ENSINAR EXIGE BOM SENSO  Bom senso é um conceito usado na argumentação ligado às noções de sabedoria e de razoabilidade.  Define a capacidade que uma pessoa tem de se adequar a regras e costumes em determinados momentos, para poder fazer bons julgamentos e escolhas.  O bom senso deve ser utilizado em todo momento em que for exercido meu dever de ensinar, cobrar, orientar e tomar decisões.  Não sendo autoritário, mas sim cumprindo o dever.
  9. 9. ENSINAR EXIGE HUMILDADE, TOLERÂNCIA E LUTA EM DEFESA DOS DIREITOS DOS EDUCADORES  Ensinar exige humildade, tolerância e luta em defesa dos direitos dos educadores  Deve haver respeito à identidade do educando, á sua pessoa, a seus direito de ser.  Deve haver respeito do professor à pessoa do educando, à sua curiosidade, à sua timidez, através da humildade e da tolerância.
  10. 10. ENSINAR EXIGE APREENSÃO DA REALIDADE  Somos os únicos seres que social e historicamente, nos tornamos capazes de aprender.  Aprender é uma aventura criadora, algo muito mais rico do que meramente repetir a lição dada.  Aprender é construir, reconstruir, constatar para mudar, o que não se faz sem abertura ao risco e á aventura do espírito.  A prática educativa demanda a existência de sujeitos, que ensinando aprende, outro que aprendendo, ensina. Chamado cunho gnosiológico.  A prática educativa envolve o uso de métodos, técnicas e matérias.  A prática educativa deve ser política, não deve ser neutra.
  11. 11. ENSINAR EXIGE ALEGRIA E ESPERANÇA  A esperança é um impulso natural e necessário, a falta dela é a exclusão deste impulso. Ela é indispensável à história, pois sem ela esta seria um puro determinismo.  Somos seres de esperanças que, por diversos fatores fomos nos tornando desesperançados, e por isso uma das nossas lutas deve ser diminuir as razões para essa desesperança que nos imobiliza.
  12. 12. ENSINAR EXIGE A CONVICÇÃO DE QUE A MUDANÇA É POSSÍVEL  É saber da História como possibilidade e não como determinação.  O mundo não é. O mundo está sendo.  O papel do professor não é só de constatar o que ocorre no mundo, mas também o de quem intervém como sujeito de ocorrências.  Além de objeto da história somos sujeitos da mesma.  Na história, cultura e na política, não podemos nos adaptar, mas sim mudá-las.
  13. 13. ENSINAR EXIGE CURIOSIDADE  Inibir a curiosidade do educando vai de encontro com sua experiência formadora.  O Educador não pode ser refém de procedimentos autoritários ou paternalistas, pois isso faz com que este, se oponha ao seu exercício de curiosidade, consequentemente de ensino.  É nítido o fato de que o educador aprende a custa da sua prática, mesmo que sua curiosidade esteja sujeita a limites.  O professor deve saber que a curiosidade que o rege, sem ela, não há aprendizagem nem ensino, pois para produzir e construir conhecimento é necessária a curiosidade, aquela que provoca a imaginação, que instiga o conhecimento. Para isso é necessária que haja uma harmonia entre a liberdade e a autoridade. A pratica discente é essencial para a pratica docente do futuro ou do presente. Estamos todos em processos de aprendizagem e buscas por respostas
  14. 14. CONCLUSÃO “É fundamental diminuir a distância entre o que se diz e o que se faz, de tal maneira que num dado momento a tua fala seja a tua prática”. (Paulo Freire)

×