Apresentação Tom Prado - Itaueira Agropecuária

2,382 views

Published on

Os arquivos das apresentações de eventos organizados pela AGROPEC são postados no SlideShare mediante autorização por escrito dos palestrantes.

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,382
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
372
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apresentação Tom Prado - Itaueira Agropecuária

  1. 1. Convivência entre Agricultura e Apicultura O caso do Melão REI (Itaueira Agropecuária S.A. - Tom Prado) Campinas – SP Outubro 2013
  2. 2. Convivência entre Agricultura e Apicultura Câmara Setorial de Fruticultura da CNA e do MAPA Minor Crops - Tom Prado Campinas – SP Outubro 2013
  3. 3. Fazenda Itaueira Agropecuária S.A. Parceria
  4. 4. Melão Rei
  5. 5. 03 Fazendas da Itaueira em 03 Estados • Produção todos os dias do ano. • Destino: Mercado interno e Exportação para Europa, Estados Unidos e Canadá. • Plantamos 2.000 há por ano. • Geramos 1.100 empregos diretos.
  6. 6. Saúde e Segurança alimentar
  7. 7. Saúde e Segurança alimentar Certificação GLOBALGAP
  8. 8. Saúde e Segurança alimentar
  9. 9. Fazenda Itaueira Agropecuária S.A. Aracati/CE
  10. 10. Fazenda Itaueira Agropecuária S.A. Aracati/CE
  11. 11. Fazenda Itaueira Agropecuária S.A.
  12. 12. Fazenda Itaueira Agropecuária S.A.
  13. 13. Packing - Embalagem
  14. 14. Packing - Resfriamento
  15. 15. Revisão de literatura científica sobre polinização de meloeiro: 1) O meloeiro não produz frutos por autopolinização nem por partenocarpia, necessitando, obrigatoriamente, da transferência de pólen realizada por vetores bióticos (KOUONONet al., 2009); 2) Para a formação de frutos com características comerciais, são necessárias de 10 a 15 visitas de abelhas (REYES-CARRILO et al., 2009);
  16. 16. Flor hermafrodita de melão 3) O meloeiro tem uma média de 80 flores por planta com uma razão sexual média de 01 flor masculina para 18 flores hermafroditas. Temos emissão de flores hermafroditas por 16 a 20 dias. As flores hermafroditas recebem mais visitas das abelhas do que as flores masculinas, provavelmente por terem maior volume de néctar. (K.M.M.SIQUEIRA al. 2011);
  17. 17. 4) As flores hermafroditas/femininas do meloeiro se fecham de noite. São viáveis apenas um dia! Elas abrem ao amanhecer e finalizam o seu ciclo ao final do dia. Não abrem mais no dia seguinte. “O horário de abertura das flores masculinas e hermafroditas é registrado por volta das 05h00...Esses resultados concordam com os registros feitos por Abreu et al., (2008)“ (Lucia Helena Piedade KILL et al., 2011).
  18. 18. 5) “Com um maior número de colméias no plantio de melão se obteve uma maior a produtividade.” Tese orientada pelo Prof. Breno Magalhães Freitas – UFC Universidade Federal do CE PhD em Abelhas e Polinização - University of Wales College of Cardiff (1995), Grã-Bretanha
  19. 19. O MAIOR PROBLEMA NO NORDESTE: FUGA DOS ENXAMES EM BUSCA DE ÁGUA DEVIDO À SECA! Já estamos no 3º ano de SECA no Nordeste! Relato da visita aos Apicultores de Ribeira do Amparo/BA Outubro/2013: “Em muitos lugares os apicultores reclamam da falta de enxames silvestres para repovoar as colmeias, o que comprova que as abelhas simplesmente morreram por falta de florada (seca). Os Enxames: Os dois últimos anos de seca reduziu drasticamente o número de enxames, em virtude da seca e da baixa enxameação, em várias regiões da Bahia... a perda atingiu 70% dos enxames” Raimundo Roberto Filho – Gestor Apícola
  20. 20. 1) Além das nossas colméias precisamos completar o volume necessário para o plantio arrendando colméias dos apicultores de cada estado. Além de pagarmos o aluguel da colméia o mel é do apicultor. 2) Em função do período seco os enxames migram naturalmente, todos os anos, em busca de água e floração, diminuindo assim a oferta de colméias. 3) Como plantamos o melão no período seco acabamos por colaborar na sobrevivência das colméias e das colônias naturais no período mais difícil.
  21. 21. 4) Depois que colhemos o melão vem o período das chuvas com a biodiversidade natural e floração plena. 5) Como não podemos controlar a seca e como usamos os neonicotinóides, tendo como foco e com resultado efetivo o controle da mosca branca, e estávamos cientes da reavaliação em curso pelo IBAMA, procuramos estudar o assunto de forma a entender: - O que poderíamos fazer para ampliar a nossa oferta de colméias no período de plantio nos 03 estados? - Porquê não havíamos percebido mortalidades relacionadas ao uso dos neonicotinóides e o que poderíamos fazer para mitigar os riscos apontados? - Seria possível encontrar uma maneira sustentável de conviver com a seca?
  22. 22. Nosso foco nos 03 Estados: 1) Conviver com a seca; 2) Cuidar da sanidade segurança das abelhas e e 3) Manter os enxames fortes o ano inteiro de forma sustentável. SOLUÇÃO: A Gestão Apícola!
  23. 23. Gestão Apícola • Seleção de matrizes; • Produção de abelhas Rainhas; • Banco de rainhas; • Produção de enxames. •Alimentação com xarope; • Alimentação com Promix proteica; • Floradas; • Bebedouros (água potável). •Monitoramento dos enxames na polinização; • Controle rigoroso na memória geográfica; •Sombreamento; • Apiário móvel (reboque) •Área geográfica; • Localização dos apiários e quantidade de caixas; • Enfermaria (21 dd x 21 dd); • Horário da pulverização.
  24. 24. Sala Técnica - EQUIPE
  25. 25. MIP = Manejo integrado de Pragas
  26. 26. MIP = Conjunto de práticas • Usamos 04 tipos de neonicotinoides e fazemos 01 aplicação de cada I.A. por ciclo fazendo assim a rotação de defensivos. • Com o uso do TNT reduzimos até 06 aplicações de defensivos Certificado MIP – MAPA
  27. 27. Requisição com conferência do estoque diária 1) Controle kardex no almoxarifado com baixa imediata no sistema com checagem de saldo no computador. 2) Conferência do total requisitado e saldo final pela chefia. Receita Agronômica
  28. 28. Equipe do Almoxarifado de defensivos e da pulverização
  29. 29. Separação de defensivos total e depois por pulverizador/lote com o fracionamento feito na fazenda e acompanhado pelos técnicos.
  30. 30. Equipe da manutenção diária dos pulverizadores. Regulagem e Calibragem diária Não utilizamos pulverização aérea.
  31. 31. Equipe técnica de apoio da Fitossanidade Acompanhamento pela equipe técnica da aplicação noturna de defensivos, não aplicando após às 04:00h da manhã.
  32. 32. Treinamento Técnico do monitoramento eletrônico com GPS Sensor na roda do pulverizador para o controle de fluxo contínuo da vazão independente da velocidade do trator
  33. 33. Controle do Volume de calda aplicado com o uso do GPS
  34. 34. 1 - Gestão Apícola - Genética Seleção de Matrizes, produção de mel, vegetação caducifólia (seca).
  35. 35. 1 - Gestão Apícola - Genética Produção de Rainhas
  36. 36. 1 - Gestão Apícola - Genética Banco de Rainhas
  37. 37. 1 - Gestão Apícola - Genética Produção de Enxames
  38. 38. 1 - Gestão Apícola - Genética Produção de Enxames/introdução de gaiola com rainha
  39. 39. 2 - Gestão Apícola - Nutrição Alimentação com xarope/apiários fixos Colméias instaladas nos quebra-ventos
  40. 40. 2 - Gestão Apícola - Nutrição Reserva natural na fazenda biodiversidade na época das chuvas
  41. 41. 2 - Gestão Apícola - Nutrição Reserva natural na fazenda biodiversidade na época das chuvas
  42. 42. 3 - Gestão Apícola - Manejo Monitoramento dos enxames para polinização
  43. 43. 3 - Gestão Apícola - Manejo Controle rigoroso na distância da memória geográfica
  44. 44. 3 - Gestão Apícola - Manejo Monitoramento do Àcaro “Varroa”
  45. 45. 3 - Gestão Apícola - Manejo Monitoramento da “saraça”
  46. 46. 3 - Gestão Apícola - Manejo Sombreamento para os apiários
  47. 47. 4 - Gestão Apícola - Polinização Planilha da polinização
  48. 48. 4 - Gestão Apícola - Polinização Localização dos apiários móveis
  49. 49. 4 - Gestão Apícola - Polinização Apiário móvel (reboque) baixa velocidade no transporte!
  50. 50. 4 - Gestão Apícola - Polinização Área de recuperação /enfermaria na entre safra
  51. 51. 4 - Gestão Apícola - Polinização Análise Transecto em linhas de 100m
  52. 52. 4 – Polinização: Melão REI
  53. 53. Sugestões: 1) Agilizar a legalização do uso de defensivos químicos e biológicos para as Minor Crops, propiciando fazer a rotação de I.A.s recomendado pelo MIP dentro da Lei. Acelerar a importação, produção, comercialização e o uso de soluções biológicas e sustentáveis, já de amplo conhecimento internacional, já em uso comercial, como por exemplo o Diglyphus Isaea que é um parasita da mosca minadora. A mosca minadora está dizimando áreas de melão no RN e CE e os produtos existentes não estão conseguindo realizar o controle. O Diglyphus Isaea já é largamente utilizado em plantios de campo aberto em outros países e já é produzido e comercializado por várias empresas biológicas no mundo sendo que algumas delas já estão no Brasil mas ainda não conseguiram as licenças! 2) Incentivar a pesquisa genética para a melhoria de resistências a pragas e doenças pelas próprias culturas.
  54. 54. Sugestões: 3) Acompanhar projetos como o ROBOBEES = Micro Air Vehicles Project. É um micro robô, abelhas eletromecânicas. (Mechanical bees pollinating crops in the wake of colony collapse disorder). Todas as soluções, químicas ou biológicas, eficientes e legalizadas que tivermos acesso adotaremos! Sempre que uma solução biológica puder substituir uma química daremos preferência pela solução biológica, desde que eficaz, sustentável e economicamente viável, como já o temos feito!
  55. 55. Melão REI = SABOROSO todos os dias do ano! Muito obrigado! Tom Prado E-mail: tomprado@itaueira.com.br www.itaueira.com.br

×