Apresentação Nelson Paim - Sindag Aviação

1,298 views

Published on

Os arquivos das apresentações de eventos organizados pela AGROPEC são postados no SlideShare mediante autorização por escrito dos palestrantes.

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,298
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
650
Actions
Shares
0
Downloads
51
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apresentação Nelson Paim - Sindag Aviação

  1. 1. SINDAG – SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE AVIAÇÃO AGRÍCOLA AVIAÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA
  2. 2. ATIVIDADES DA AVIAÇÃO AGRICOLA Pulverização Aérea na agricultura  Combate a Incêndios Florestais  Combate a Vetores Adubaçao em florestas Semeadura de pastagens Povoamento de aguas
  3. 3. ORGÃOS REGULADORES E FISCALIZADORES Ministério da Agricultura – MAPA  ANAC – Agencia Nacional de Aviação Civil
  4. 4. LEGISLAÇÃO Decreto Lei 917 de 07 de setembro de 1969 Decreto 86.765, de 22 de dezembro de 1981 Lei do Aeronauta Lei 7.183/84 Codigo Brasileiro de Aeronautica Lei Nº 7.565 Intrução Normativa Nº 02, de 03 de Janeiro de 2008 Nota técnica MAPA 01/2011 RBAC 137 Operações Aeroagricolas
  5. 5. LEGISLAÇÃO        250 metros Mananciais de Agua 500 metros de moradias Relatorio Operacional Relatorio Mensal Mapas Georreferenciado Acompanhamento Eng. Agrônomo Acompanhamento Técnico Agricola
  6. 6. Utilização da Aviação agricola no Mundo       Estados Unidos Canadá Austrália Espanha Portugal Argentina
  7. 7. Operadores de Aviação Agricola 231 199 Empresas Prestadoras de Serivços Operadores Privados Fonte Anac maio/2011.
  8. 8. Total de 231 Empresas Registradas Fonte Anac maio/2012.
  9. 9. FROTA DE AERONAVES AGRICOLAS NO BRASIL 2011 2012 Crescimento N Crescimento % % na frota Nacionais 1068 1133 65 6,09 62,56 Importados 625 678 53 8,48 37,44 TOTAIS 1693 1811 118 6,97 100 .
  10. 10. AREA PULVERIZAÇÃO AÉREA Culturas no Brasil soja algodão milho arroz cana feijão trigo laranja Área plantada * 25 1,4 15 2,4 8,4 3,2 1,9 0,8 Total de área Total de área Percentual de área pulverizada por todos os métodos * 150 19,6 45 12 50,4 16 5,7 4,8 pulverizada por via aérea * pulverizada por via aérea por Cultura 27% 36% 11% 33% 25% 6% 4% 29% 41 7 5 4 12,5 1 0,25 1,4 * Totais 58,1 303,5 Pulverização Aérea 24% (*) em milhões de hectares. Fonte: SINDAG (2012). 72,15 *
  11. 11. Culturas Pulverizadas 41 12.5 7 5 4 1.4 1 0.25 1  * Milhões de Hectares
  12. 12. IMPORTÂNCIA DA PULVERIZAÇÃO AÉREA     Pulverização nos momentos criticos das culturas Pulverização nas culturas altas Rapidez no tratamento das culturas Pulverização em terrenos molhados
  13. 13. QUANTIDADE E MOMENTO DA PULVERIZAÇÃO AÉREA  Soja (Funcigida,inseticida, periodo chuvoso, controle de percevejo)  Algodão (fungicida, inseticida, controle do bicudo)  Arroz irrigado no Sul do Brasil  Culturas altas (Cana de Açucar, Citrus)
  14. 14. TAMANHOS DE GOTAS E DERIVAS Parâmentros de Aplicação Aérea Humidade Relativa do Ar > 50% Temperatura do Ar < 30 C Velocidade do Vento < 10 km/hora Classe de tamanho de gotas Distância de segurança nas áreas de risco Grossa ou muito grossa 30 metros Média para a grossa 30-50 metros Fina Máximo de 70 metros
  15. 15. TÉCNOLOGIA DE BALIZAMENTO
  16. 16. MEIOS DE PULVERIZAÇÃO NECESSARIOS NA AGRICULTURA
  17. 17. VOLUMES DE APLICAÇÃO Pulverização Aérea Baixo volume de 02 a 30 litros hec X Pulverização Terrestre Alto Volume de 60 a 600 litros/hec
  18. 18. DISCRIMINAÇÃO DA PULVERIZAÇÃO AÉREA      Ideologia contra defensivos Agrícolas Falta de conhecimento da Pulverização Aérea Interesses Politicos Movimentos Sociais Ong’s
  19. 19. AÇÕES DO SINDAG        Aproximação com MAPA Aproximação com a Industria Quimica. Aproximação das Associações Congresso Nacional de Aviação Cartilhas operacionais Dias de Campos para orientação dos operadores Treinamentos com técnicos agricolas
  20. 20. AÇÕES DO SINDAG      Novo Manual de Aplicação Aérea para operadores Convenio Embrapa Assinado pesquisa derivas Novo Manual de Fiscalização (Mapa) Criação de um Banco de Dados (Mapa) Certificação dos Operadores Aeroagricolas
  21. 21. CERTIFICAÇÃO DOS OPERADORES AEROAGRICOLAS      Parceria Sindag-Andef-Universidades Certificação Voluntaria Criação de Grupo de Trabalho Envolvimento Cientifico (Unesp,UFLA,UFU) Definição de Fatores
  22. 22. PROPOSTA DA CERTIFICAÇÃO • Certificação tradicional, que se baseia no cumprimento de normas (ISO 9001, ISO 41001, etc.); •O processo proposto tem como objetivo desenvolver parâmetros qualitativos e de capacitação; • Incentivo ao desenvolvimento dos prestadores de serviços e operadores privados de aviação agrícola.
  23. 23. METAS DA CERTIFICAÇÃO Deve ser dividido em 3 etapas: • Meta 1: Certificação legal da operação. • Meta 2: Certificação da qualificação tecnológica da empresa. • Meta 3: Certificação da conformidade de equipamentos e instalações
  24. 24. APRESENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO NO CONGRESSO SINDAG/JUNHO • Exposição do Projeto • Divulgação do Projeto • Espectativas de boa recepção Fase final para lançamento
  25. 25. VISÃO DO SINDAG SOBRE A CERTIFICAÇÃO • Aumentar a segurança na Pulverização Aérea • Nivelamento dos operadores • Inspeção geral dos equipamentos • Selo de Qualidade do Operador • Avanço na tecnologia
  26. 26. CONVÊNIO EMBRAPA X SINDAG Coordenador Dr. Paulo Cruvinel (Embrapa São Carlos) • Estudos e avaliação de deriva • Acompanhamento em Quatro Regiões do Brasil • Pesquisa em Quatro Culturas (Soja, Cana de Açucar, Arroz, Citrus)
  27. 27. NECESSIDADES • • • • • • Cadastro dos Apicultores Mapeamento dos Apicultores Responsabilidade Operacional da Aviação Agricola Educação mutua dos envolvidos Comunicação entre agricultor, apicultor e operador Convivência pacifica
  28. 28. Nelson A Paim www.sindag.org.br E-mail: sindag@terra.com.br (51) 3337 5013

×