Necessidade energética gama filho junho 2008

2,581 views

Published on

0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,581
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
54
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Necessidade energética gama filho junho 2008

  1. 1. CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO - LATO SENSU: NUTRIÇÃO CLÍNICA ADMINISTRAÇÃO: CENTRAL DE CURSOS COORDENAÇÃO: PROFa. Dra. VANESSA F. COUTINHO PhD em Alimentos e Nutrição pela USP PROF. ESP. CLÁUDIO CHINÁGLIA claudionutri@yahoo.com.br ~40% MÓDULO: APRIMORAMENTO DISCIPLINA: Cálculos de Necessidade Energética e das Necessidade de Macronutrientes e Micronutrientes, DRIs e 1ª Simulação de Atendimento 400 milhões obesos em 2005 (OMS, 2008) No Brasil como estão os % de números...? brasileiros obesos em 2005 Projeção de % de obesos no Brasil para 2015 A obesidade é resultado do... Desequilíbrio energético prolongado “Obesidade rastejante” Balanço energético POSITIVO 1
  2. 2. Qual a importância do estudo do Gasto Energético? Dieta incorreta e Inatividade física só perdem para o tabaco como principal causa de morte. Fatores de risco= ib a sedentarismo e dieta desbalanceada WORLD HEALTH ORGANIZATION it r Cu GLOBAL STRATEGY ON DIET, PHYSICAL ACTIVITY AND HEALTH 2003 Um humano adulto médio consome ~1.000.000kcal/ano O balanço energético é regulado a longo prazo apesar das grandes flutuações no aporte e gasto energético em um mesmo dia e em dias diferentes. Se o aporte energético exceder cronicamente o gasto em até 105kj/dia (25kcal/dia), o indivíduo tornar- se-á substancialmente obeso. (Gibney et al., 2005) No equilíbrio energético aporte = gasto estoques (gordura corporal) permaneçam constantes. (reação + reação + reação) = Taxa metabólica = gasto Metabolismo energético/unidade de tempo Conjunto de reações oxi-redução que Gasto energético no repouso acontecem em sequência e ocorrem para sustentar as necessidades básicas do Efeito Térmico dos Alimentos corpo e a sobrevivência. Efeito Térmico da Atividade A taxa metabólica reflete a velocidade Diária e Física com a qual o organismo está usando os estoques de energia (calorias) Gasto Energético Total /24h (GET) 2
  3. 3. Taxa Metabólica de Repouso Gasto de Energia das seguintes funções: Batimento Cardíaco Inspirar e Expirar Manutensão da temperatura corporal Sínteses de novos tecidos Impulsos Nervosos Produção de Moléculas (hormônios, proteínas) Bomba Na+/K+ ATPase – proteína com função de manter gradientes (até 50% da TMR) BALANÇO ENERGÉTICO Taxa Metabólica de Repouso Massa corporal: TMR (60-75% do GET) -Gordura corporal (GC): Fatores que influenciam GER apresenta consumo de energia muito pequeno (desprezível) Massa Corporal (42-54,6kj/kg : ~10kcal/kg/d) Composição Corporal Superfície Corporal -Massa livre de gordura (MLG): Sexo, Massa visceral + Massa muscular (MM) - responsável pelo Idade, maior consumo de energia. (variável c/ idade, ~151,2kj/kg: ~36kcal/kg/d) Estes 5 fatores explicam de Massa muscular - representa a maior parte da massa 80-90% da TMR corporal total (MCT), responsável por apenas 20%, no máximo 30%, do consumo em condições basais 10-20% genética Estratégias vendidas para perder Taxa Metabólica de Repouso peso... Será que funcionam? 80 80 Gasto Energético (%GER) Idéia vendida: “Ganhe massa muscular e emagreça Gasto Energético do tecido dormindo” Consumo de Peso do Tecido O2 de vários tecidos (65kg) Peso (% do peso 60 60 Para perder 0,5kg de gordura por semana. corpóreo) Consumo de O2 Déficit calórico de 3500kcal por semana, Órgão (mL/min) % do TMR 40 40 500kcal/d Fígado 67 27 Para aumentar o gasto calórico a partir do aumento Cérebro 20 47 1920 somente de massa muscular: Coração 17 7 16,6-25kg de massa magra para ter aumento de 0 RinsFígado, Múculatura 26 Tecido Tecido 100 gasto de 500kcal (BACURAU et al., 2001). M. Esq. Cérebro, esquelética 45 adiposo adiposo obeso18 Rins, pessoa magra Demais Intestino, Órgãos 48 19 Provavelmente Inviável Coração 3
  4. 4. GASTO ENERGÉTICO TOTAL BALANÇO ENERGÉTICO • Necessidade para aumento de massa • Ingestão habitual; muscular; • Estado fisiológico ( gravidez, lactação e • Necessidade para diminuição de gordura patologias coexistentes ); corporal; • Características individuais • Temperatura ambiental GASTO ENERGÉTICO TOTAL • Idade: a perda da massa isenta de gordura está associada ao declínio do GET; • Sexo: as mulheres têm TMB 5 a 10% menores do que o homem do mesmo peso e altura GASTO ENERGÉTICO TOTAL GASTO ENERGÉTICO TOTAL • As febres aumentam a taxa metabólica • Função hormonal: o aumento médio no em torno de 13% para cada grau acima de gasto energético durante a segunda 37ºC; metade do ciclo menstrual é de • Temperatura: exercícios físicos em 150Kcal/dia ( Webb, 1986 ) temperaturas acima de 34ºC impõe um • Hipertireoidismo - gasto energético acréscimo de 5% na TMB 4
  5. 5. Taxa Metabólica de Repouso Superfície corporal Quanto ↑ a área corporal ↑ a taxa metabólica ↑ (↑ superfície de perda de calor) Área de superfície corporal = ASC ASC(m2)=(Altura cm)0,725x(Peso)0,425x 0,007184 Em adultos saudáveis GER = ~40kcal/h/m2 GASTO ENERGÉTICO TOTAL • Gasto energético basal ( TMB ): Ex: Normalmente, o gasto energético basal varia 2,0 x 36,8 = 73,6 73,6 x 24h = de 0,8 a 1,2Kcal/min no homem e na 1766,4kcal mulher saudáveis, e está mais associado com a massa magra ( Waitzberg, 2002 ) GASTO ENERGÉTICO TOTAL GASTO ENERGÉTICO TOTAL • Gasto energético em repouso ( GEB ) : • É a somatória do GER, energia gasta É usualmente medido em ambiente em atividades físicas e o efeito térmico termoneutro, após o paciente ter ficado dos alimentos. por 30’ em repouso, sem atividade física, GET = GER + AF + T em geral 3 a 4hs após a última refeição ( Waitzberg, 2002 ) 5
  6. 6. Dietas com 800Kcal ou menos podem: Outros fatores que influenciam a taxa metabólica de repouso • Provocar redução do efeito térmico do Tabaco alimento; Inalação isolada de nicotina por fumantes, aumento de 6% • Redução do gasto energético em na TMR (Perkins et al., 1989) repouso; Um cigarro causou aumento de 3% da TMB, aumento que permaneceu por 30 min (Dalloso & Jam e s, 1984) • Melhora na eficiência do alimento Efeito não persiste por mais de 12h ( menor gasto calórico no processamento Fumantes podem apresentar TMR 10% > quando das calorias alimentares ) ( Williams, 2002 ) comparados a não fumantes (Gibney et al., 2005) Como estimar o Gasto FAO/OMS - 1985 Energético Basal IDADE Gênero (anos) ATIVIDADE Gênero Masculino Feminino FÍSICA M F 0-3 60,9 P – 54 61,0 P – 51 Leve 1,55 1,56 Utilização de fórmulas 3-10 22,7 P + 495 22,5 P + 499 Moderada 1,78 1,64 preditivas 10-18 17,5 P + 651 12,2 P + 746 Pesada 2,10 1,82 18-30 15,3 P + 679 14,7 P + 496 30-60 11,6 P + 879 8,7 P + 829 GET = TMR x AF Kcal / d >60 13,5 P + 487 10,5 P + 596 Estimativa do GEB Fórmulas EQUAÇÕES PREDITIVAS Preditivas Segundo Schofield (1985) SCHOFIELD (1985) Idade (anos) Fórmula Homens 3 –9 22,706 x(P kg) + 504,3 Dados de 114 estudos 10 – 17 17,686 x(P kg) + 658,2 4809 homens e 2364 mulheres 18 -29 15,057 x(P kg) + 692,2 Norte-americanos e Europeus 30 a 60 11,472 x(P kg) + 873,1 > 60 11,711 x(P kg) + 587,7 WAHRLICH, 2000. 6
  7. 7. Estimativa do GEB Fórmulas Estimativa do GEB por Fórmulas Preditivas Preditivas Segundo Schofield (1985) Idade (anos) Fórmula Segundo Harris-Benedict (1919) Mulheres (15-74 anos) 3 –9 20,315 x (P kg) + 485,9 – = 66,47 + [13,75 x Peso(kg)] + [5,0 x 10 – 17 13,384 x (P kg) + 692,6 altura(cm)] – [6,75 x idade(anos)] 18 -29 14,818 x (P kg) + 486,6 – = 655 + [9,56 x Peso(kg)] + [1,85 x 30 a 60 8,126 x (P kg) + 845,6 altura(cm)] – [4,67 x idade(anos)] > 60 9,082 x (P kg) + 658,5 Estimativa do GEB por Fórmulas Harris-Benedict (1919) Preditivas Problema!!! Segundo Owen (1987) Indivíduos magros e obesos •Baseado na Massa Corporal Total: – (18-82 anos) =879+10,2xP(kg) Pode superestimar o GEB em 7-24% – (18-65 anos) =795+7,18xP(kg) 14% em mulheres – 9% em Homens •Baseado da Massa Isenta de Gordura (MIG): O próprio autor sugeriu diminuir o valor obtido em 5% p/ mulheres – Homens - TMB = 334 + 19,7xMIG (kg) (Benedict, 1928) – Mulheres - TMB = 290 + 22,3xMIG (kg) Estimativa do GEB por Fórmulas HENRY & REES - 1991 Preditivas IDADE FEMININO MASCULINO Segundo Miffling-St Jeor(1990) 3 - 10 [0,063 X P + 2,466] [0,113 X P + 1,689] X 239 X 239 (19-78 anos) 10 - 17 [0,047 X P + 2,951] [0,084 X P + 2,122] – =(9,99 x P)+(6,25 x Alt(m) x 100)-(4,92 x I)+5 X 239 X 239 – =(9,99 x P)+(6,25 x Alt(m) x 100)-(4,92 x I)-161 18 - 29 [0,048 X P + 2,562] [0,056 X P + 2,800] X 239 X 239 30 - 60 [0,048 X P + 2,448] [0,046 X P + 3,160] X 239 X 239 7
  8. 8. CALORIMETRIA INDIRETA 60 MULHERES X EQUAÇÕES CALORIMETRIA INDIRETA ???? Calorimetria Indireta 8
  9. 9. Calorimetria Indireta Ex: Procedimento padrão p/ medir GER ou GEB 1)Indivíduo deitado por 20min. 35 adolescentes 2)Instalação do equipamento 3)Mensurar VO2 e VCO2 (15-20min) 4)Utilizar menor valor médio CALORIMETRIA INDIRETA X EQUAÇÕES Schneider; Meyer. Rev Bras Med Esporte 2005 RESULTADOS U$1,795.00 Procedimento padrão: 1)Indivíduo repousa 20-30 min 2)Instala o aparelho na posição 3)Permanece 5-8min. 4)Aparelho calcula GER Dietary Reference CUNNINGHAM (1991) Estimativa do GEB Intakes - DRIs (2002/2005) Fórmulas Preditivas > 19 anos TMB = 370 + 21,6 X (Massa livre de Para homens peso normal gordura corporal em kg) GEB=204-(4 x I)+(450,5 x Alt(m))+(11,69 x P) Para homens com peso normal, sobrepeso e obesidade GEB=293-(3,8 x I)+(456,4 x Alt(m))+(10,1 x P) Ex. Para um homem pesando 70kg com 21% de gordura corporal, sua Massa Livre de Gordura (MLG) seria estimada em 55,3 kg e, Para mulheres peso normal com isso, sua TMB seria de: 370 + 21,6 (55,3) = 370 + 1194,48 GEB=255-(2,35 x I)+(361,6 x Alt(m))+(9,39 x P) = 1564,48 kcal Para mulheres peso normal, sobrepeso e obesidade GEB=247-(2,67 x I)+(401,5 x Alt(m))+(8,6 x P) CUNNINGHAN, J.J. “Body composition as a determinant of energy expenditure: a synthetic review and a proposed general predition equation” American Journal of Clinical Nutrition, v.54, 1991, p.963-9 9
  10. 10. Comparação entre Equaçoes p/ cálculo da TMB p/ Mulher (26 anos, 1,63m, 59,1kg) 1500,0 Fatores que influenciam a taxa metabólica 1400,1 1400,0 1364,8 1361,9 Harris-Benedict (1919) 1320,239 1330,1 OMS (1985) 1285,4 1300,0 1219,338 Schofield (1985) Henry Rees (1991) 1200,0 Owen (1987) 1100,0 Harris- OMS (1985) Schofield Henry Rees Owen (1987) Mifflin-St Jeor DRIs Mifflin-St Jeor (1990) DRIs (2002/2005) Efeito Térmico dos Alimentos Benedict (1985) (1991) (1990) (2002/2005) (1919) Primeira experiência sobre ETA - 1891(Max Rubner) Comparação entre Equaçoes p/ cálculo da TM B p/ Homem (27 anos, 1,70m, 70kg) 1800,0 Mensurou GE por 24h no jejum = 742kcal 1750,0 1746,2 1750,0 1696,7 1700,0 1680,2 1650,0 1593 1633,96 Harris-Benedict (1919) Mensurou GE após ingestão de 2kg de carne(1926kcal) = 1046kcal 1600,0 1600,0 OMS (1985) Schof ield (1985) aumento de 304kcal = 41% do GE do jejum 1550,0 Henry Rees (1991) 1500,0 Ow en (1987) Harris-Benedict (1919) OMS (1985) Schof ield (1985) Henry Rees (1991) Ow en (1987) Mif flin-St Jeor (1990) DRIs (2002/2005) Mif flin-St Jeor (1990) O EFEITO DA REFEIÇÃO REPRESENTOU 16% DO GET DRIs (2002/2005) EFEITO TÉRMICO DO Efeito Térmico dos ALIMENTO Alimentos • É o aumento no gasto energético Acontece aproximadamente: 1 h após e perdura por 4 h. associado ao consumo de alimento. Também chamado de termogênese Depende de fatores como: tamanho da refeição induzida pela dieta ou ação dinâmica composição de macronutrientes específica do alimento tempo desde a refeição prévia estado de saúde Efeito Térmico dos Alimentos Macronutrientes: Perda de energia durante a metabolização: Prot. (25-30%) > Carbo(6-8%) > Lip.(2-3%) Refeições contendo só proteínas podem induzir efeito térmico de 25% do valor calórico da refeição. Decorrente de - Ativação de processos digestivos, energia extra para o fígado assimilar e sintetizar a proteína e/ou desaminar aminoácidos e transformá-los em glicose ou triacilgliceróis 10
  11. 11. Efeito Térmico dos Fatores que influenciam a taxa metabólica Alimentos Efeito Térmico dos Alimentos Hill et al., 1985 – ocorre mesmo na Pimentas (capsaicinas) – podem ↑ em ausência de estímulos gustativos e até 33% olfatórios. Prat-Larquemin et al., 2000 – é Cafeína (100mg) – pode ↑ em 8 - reduzido após ingestão e edulcorantes 11% como aspartame e sacarina ETA (55:30:15 - OMS) (21:47:32) 21% 55% Efeito Térmico da Estimativa do GET NAF = nível de atividade física Atividade Diária e GET = GEB x NAF Física (ETAF) 11
  12. 12. Gasto Energético da Atividade Física Altíssima Variação 1200 1 Gasto Energético (kcal/h) 1000 Correr 16 km/h 800 Correr 9,6 km/h 600 Subir escadas Relação sexual 400 Jardinagem Caminhar 6,4km/h Ciclismo 200 Caminhar 3,2km/h Mascar chicletes (11 kcal/h) 0 Efeito da caminhada na gordura intra- Mudança na circunferência da cintura em mulheres de abdominal de senhoras pós-menopausa acordo com intensidade e duração do exercício Irwin et al., JAMA.(2003) Slentz et al., Arch Intern Med.(2004) 12
  13. 13. Mudança no peso corporal em mulheres de acordo Mudança em adipócitos subcutâneos após 20 semanas com intensidade e duração do exercício com déficit de 2800kcal/semana Slentz et al., Arch Intern Med.(2004) Será que vale a pena fazer exercício Estimando o Gasto Energético em jejum... GET = GEB x NAF NAF = nível de atividade física Como encontrar o nível de atividade física (NAF) correto? Jejum gasta 45mg a mais/min que alimentado. Possibilidade - Diário de Atividade Listar as atividades realizadas durante o dia apontando 2,7g a mais /h 24,3kcal de gordura corretamente o intervalo de tempo despendido em cada uma delas Para oxidar 1kg de gordura leva 370 dias Exemplo de diário atividade... NAF é resultado da média do Intervalo de tempo Atividade 00:30 – 01:00 01:00 – 01:30 Dormindo Dormindo METs atingidos durante... 14:00 – 14:30 Sentada assistindo aula 01:30 – 02:00 Dormindo 14:30 – 15:00 Sentada assistindo aula 02:00 – 02:30 Dormindo 15:00 – 15:30 Sentada assistindo aula 02:30 – 03:00 Dormindo MET - EQUIVALENTE METABÓLICO 15:30 – 16:00 Em pé conversando 03:00 – 03:30 Dormindo 16:00 – 16:30 Em pé conversando 03:30 – 04:00 Dormindo Def: múltiplos da taxa metabólica e repouso 16:30 – 17:00 Aula de STEP 04:00 – 04:30 Dormindo 17:00 – 17:30 Aula de STEP 04:30 – 05:00 Dormindo (L/min) ou (mL/kg/min) 17:30 – 18:00 Musculação 05:00 – 05:30 Dormindo 05:30 – 06:00 Dormindo 18:00 – 18:30 18:30 – 19:00 Musculação Assistindo TV 06:00 – 06:30 Dormindo 1MET= consumo de O2 no repouso 06:30 – 07:00 Dormindo 19:00 – 19:30 Sentada mexendo 07:00 – 07:30 Tomando banho H – 250mL/min computador 19:30 – 20:00 Sentada mexendo 07;30 – 08:00 08:00 – 08:30 Conversando Sentada assistindo aula M – 200mL/min computador 20:00 – 20:30 Sentada mexendo 08:30 – 09:00 Sentada assistindo aula computador 09:00 – 09:30 Sentada assistindo aula Valor Mais Preciso → 1 MET = 3,5 mL/kg/min. 20:30 – 21:00 Assistindo TV 09:30 – 10:00 Sentada assistindo aula 21:00 – 21:30 21:30 – 22:00 Assistindo TV Dormindo 10:00 – 10:30 10:30 – 11:00 Conversando Sentada assistindo aula **1L de O2 = 5kcal** 22:00 – 22:30 Dormindo 11:00 – 11:30 Sentada assistindo aula 11:30 – 12:00 Sentada assistindo aula 22:30 – 23:00 23:00 – 23:30 Dormindo Dormindo 12:00 – 12:30 Almoçando A média dos METs atingidos durante todas as 12:30 – 13:00 Andando 23:30 – 00:00 00:00 – 00:30 Dormindo Dormindo 13:00 – 13:30 Conversando atividades do indivíduo = NAF 13:30 – 14:00 Sentada assistindo aula 13
  14. 14. 01:30 – 02:00 Dormindo 1,0 02:00 – 02:30 Dormindo 1,0 Estimando o Gasto Energético 02:30 – 03:00 Dormindo 1,0 03:00 – 03:30 Dormindo 1,0 03:30 – 04:00 Dormindo 1,0 04:00 – 04:30 Dormindo 1,0 Intervalo de tempo Atividade METs 04:30 – 05:00 Dormindo 1,0 14:00 – 14:30 Sentada assistindo aula 1,4 05:00 – 05:30 Dormindo 1,0 14:30 – 15:00 Sentada assistindo aula 1,4 05:30 – 06:00 Dormindo 1,0 15:00 – 15:30 Sentada assistindo aula 1,4 06:00 – 06:30 Dormindo 1,0 15:30 – 16:00 Em pé conversando 1,4 06:30 – 07:00 Dormindo 1,0 16:00 – 16:30 Em pé conversando 1,4 07:00 – 07:30 Tomando banho 2,3 16:30 – 17:00 Aula de STEP 6,0 07;30 – 08:00 Conversando 1,4 17:00 – 17:30 Aula de STEP 6,0 08:00 – 08:30 Sentada assistindo aula 1,4 17:30 – 18:00 Musculação 4,0 08:30 – 09:00 Sentada assistindo aula 1,4 18:00 – 18:30 Musculação 4,0 09:00 – 09:30 Sentada assistindo aula 1,4 18:30 – 19:00 Assistindo TV 1,6 09:30 – 10:00 Sentada assistindo aula 1,4 19:00 – 19:30 Sentada mexendo computador 1,4 10:00 – 10:30 Conversando 1,4 10:30 – 11:00 Sentada assistindo aula 1,4 19:30 – 20:00 Sentada mexendo computador 1,4 11:00 – 11:30 Sentada assistindo aula 1,4 20:00 – 20:30 Sentada mexendo computador 1,4 11:30 – 12:00 Sentada assistindo aula 1,4 20:30 – 21:00 Assistindo TV 1,6 12:00 – 12:30 Almoçando 1,6 21:00 – 21:30 Assistindo TV 1,6 12:30 – 13:00 Andando 3,0 21:30 – 22:00 Dormindo 1,0 13:00 – 13:30 Conversando 1,4 22:00 – 22:30 Dormindo 1,0 13:30 – 14:00 Sentada assistindo aula 1,4 22:30 – 23:00 Dormindo 1,0 Total de 24 horas Total: 73,3 / 48= 23:00 – 23:30 Dormindo 1,0 23:30 – 00:00 Dormindo 1,0 1,61 00:00 – 00:30 Dormindo 1,0 00:30 – 01:00 01:00 – 01:30 Dormindo Dormindo 1,0 1,0 GET = GEB x NAF Estimativa do Gasto Energético Estimativa do GET Total... DRIs Classificação do estilo de vida Nível de Atividade Física (Physical activity level-PAL): Homens >19 anos: NAF ou PAL = GET/GEB GET= 662 – (9,53 x idade) + PA x (15,91 x peso (kg) + 539,6 x altura (m)) Coeficientes de atividade = PA = 1; p/ sedentários 1 < NAF <1.4, PA = 1,11; p/ pouco ativos 1.4<NAF<1.6, PA = 1,25; p/ ativos 1.6<NAF<1.9, PA = 1,48; p/ muito ativos 1.9<NAF<2.5 Mulheres >19 anos: GET= 354 – (6,91 x idade) + PA x (9,36 x peso (kg) + 726 x altura (m)) Coeficientes de atividade = PA = 1; p/ sedentárias 1 < NAF <1.4, PA = 1,12; p/ pouco ativas 1.4<NAF<1.6, PA = 1,27; p/ ativas 1.6<NAF<1.9, PA = 1,45; p/ muito ativas 1.9<NAF<2.5. CATEGORIA DE ATIVIDADE ENERGIA COMO MÚLTIPLO Estimativa do Gasto Energético DE GER Total... DRIs – N, SP e Ob. Repouso [ dormindo ] 1,0 Muito leve [ sentado e em pé, 1,5 Homens: normal, sobrepeso e obesos >19 anos: pintura, dirigir, costurar, passar roupa, jogas cartas ] GET= 864 – (9,72 x idade) + PA x (14,2 x peso (kg) + 503 x altura (m)) Leve [ andar em superfície 2,5 Coeficientes de atividade = PA = 1; p/ sedentários 1 < NAF <1.4, PA = 1,12; p/ plana, limpeza de casa, cuidar pouco ativos 1.4<NAF<1.6, PA = 1,27; p/ ativos 1.6<NAF<1.9, PA = 1,54; p/ de crianças, carpintaria ] muito ativos 1.9<NAF<2.5 Moderada [ trabalhar com 5,0 enxada, carregar peso, Mulheres: normal, sobrepeso e obesas >19 anos: ciclismo, tênis, dança ] Pesada [ andar com carga em 7,0 GET= 387 – (7,31 x idade) + PA x (10,9 x peso (kg) + 660,7 x altura (m)) subida, basquete, escalar, futebol ] Coeficientes de atividade = PA = 1; p/ sedentárias 1 < NAF <1.4, PA = 1,14; p/ National Academy Press, 1989 pouco ativas 1.4<NAF<1.6, PA = 1,27; p/ ativas 1.6<NAF<1.9, PA = 1,45; p/ muito ativas 1.9<NAF<2.5. 14
  15. 15. TMB MÉDIA PELA FAO CÁLCULO DA NET NET = TMB X FA + ADE (OPCIONAL) NET = TMB X FA + ADE EXEMPLO: Homem de 35 anos – 70kg 13h de atividade muito leve – 2h de atividade leve FA = ( F repouso X h repouso ) + ( FA + h atividade ) 1h de atividade física moderada – 8h de repouso 24 horas TMB: 11,6 x 70 + 879 = 1.691 Kcal : 24 horas = 70,46 kcal/hora EXEMPLO: Homem de 35 anos – 70kg 13h de atividade muito leve – 2h de atividade leve TMB proporcional (70,46) X 8h = 563,68Kcal X 1,0 = 563,68kcal 1h de atividade física moderada – 8h de repouso TMB proporcional (70,46) X 13h = 915,98Kcal X 1,5 = 1373,97kcal TMB: 11,6 x 70 + 879 = 1.691 Kcal TMB proporcional (70,46) X 2h = 140,92Kcal X 2,5 = 352,3kcal FA = (1,0 X 8) + (1,5 X 13) + (2,5 X 2) + (5,0 X 1) TMB proporcional (70,46) X 1h = 70,46Kcal X 5 = 352,3kcal 24 horas TOTAL = 2642,25kcal NET = 1.691 X 1,56 = 2.638Kcal + 10% ( 263,8) = 2.901,8Kcal/dia 2642,25kcal + 10% (264,2) = 2906,45kcal/dia CÁLCULO DA NET CÁLCULO DA NET • ATIVIDADE FÍSICA • REPOUSO 70kg X 3,5 = 245 : 1000 = 0,245 L/min X 5,0 X 60 = 73,5Kcal/h HOMEM DE 28 ANOS - PESO ATUAL: 70kg TREINO DE 1h15’ = 75min - VO2 máximo = 85 mL/kg/min • TOTAL DO DIA VO2 limiar = 68 mL/kg/min 73,5Kcal/h [ repouso ] • Regra de 3 com o ideal máximo 1785Kcal/h [ exercício físico de 1h15’ de duração no 85 mL X 70kg : 1000 = 5,95 L/min X 5,0Kcal X 75 min = 2231Kcal limiar ] Duração do sono = 8h + demais atividades realizadas • Calcula com o limiar: 73,5Kcal/h X 22,75h = 1672Kcal 68 mL X 70kg : 1000 = 4,76 L/min X 5,0Kcal X 75 min = 1785Kcal NET = 1672 + 1785 + 10% = 3800Kcal CÁLCULO DE VEMTA VEMTA • 1kg de gordura = 7700Kcal • 500g de gordura = 3850Kcal Ex: homem de 70kg deseja eliminar 2kg de peso por mês 1º calcula a NET ( ex. 2600Kcal ) 2º alt. de peso p/ semana – 500g = 3850Kcal : 7 = 550Kcal/dia 3º 2600Kcal/dia X 7 dias = 18200Kcal/sem 4º 18200 – 3850 = 14350Kcal : 7 = 2050Kcal/dia para perder 500g de peso gordo por semana 15
  16. 16. PESO ATUAL Indivíduo descalço, com roupas leves, posicionando-se em pé, no centro da base da balança PESO PESO USUAL Utilizado como referência na avaliação das mudanças recentes de peso e em casos de Considerações sobre o peso impossibilidade de medir o corporal peso atual PESO IDEAL OU Através do IMC: DESEJÁVEL Peso ideal = IMC desejado X estatura COMPLEIÇÃO HOMENS MULHERES A porcentagem de adequação do Adequação do peso peso atual em relação ao ideal é calculada assim: Pequena > 10,4 > 11,0 Adequação do peso(%) Média 9,6 – 10,4 10,1 – 11,0 Peso atual X 100 peso ideal Grande <9,6 < 10,1 Peso ajustado É o peso ideal corrigido para a determinação da necessidade ¨ PESO IDEAL P.I. = IMC desejável x A² energética quando a adequação IMC desejável para compleição física ou tipo de estrutura óssea: do peso for < 95% ou > 115% Peso ajustado = (peso ideal – COMPLEIÇÃO IMC Homem IMC Mulher peso atual) X 0,25 + peso atual Mudança de peso Pequena 20 19 Perda de peso (%) = (peso usual – peso atual) X 100 Média 22,5 21,5 peso usual Grande 24,9 23,9 Adequação do peso (%) Estado Nutricional TEMPO PERDA PERDA GRAVE SIGNIFICATIVA DE PESO (%) < ou = 70 Desnutrição grave DE PESO (%) 1 semana 1 -2 >2 70,1 - 80 Desnutrição moderada 80,1 - 90 Desnutrição leve 1 mês 5 >5 90,1 - 110 Eutrofia 3 meses 7,5 > 7,5 110,1 - 120 Sobrepeso 6 meses 10 > 10 > 120 Obesidade Blackburn & Thornton, 1979 Blackburn & Bistrian, 1977 16
  17. 17. EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS • Homem de 29 anos; • Peso atual: 79,5kg • Mulher de 19 anos; • Altura: 184cm • Peso atual: 55kg • Gordura corporal: 18,6% ( Guedes ) • Altura: 167cm • Atividade: 7hs de sono, 90’ atividade física • Gordura corporal: 32% INTENSA 4X por semana, trabalho em pé 4hs • Atividade física: 8hs de sono, 6hs estudando na por dia, 1h de trabalho com enxada 5x por semana . escola, 3hs estudando em casa. • Calcular a NET segundo CUNNINGHAN e • Calcular a NET segundo CUNNINGHAN e SCHOFIELD SCHOFIELD AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR 17
  18. 18. 1 ESCOLHA DO PADRÃO DE REFERÊNCIA 2 QUAIS NUTRIENTES A EAR ESTÁ DISPONÍVEL? Vit.C MAGNÉSIO TIAMINA FERRO RIBOFLAVINA SELÊNIO NIACINA ZINCO PIRIDOXINA FOSFORO FOLATO IODO AVALIAÇÃO DA ADEQUAÇÃO COBRE CIANOCOBALAMINA RETINOL NUTRICIONAL EAR 3 Determinação do D Ex: Ingestão de folato para homem de 51 Determinação do D anos D= DIFERENÇA INGESTÃO MÉDIA -MEDIANA D = Mi - EAR DA RECOMENDAÇÃO D = 410mcg – 320mcg D = Mi - EAR D = 90mcg Determinação do MASCULINO Desvio padrão de DPD DPn = 320/10% DPn = 32 mcg/dia DPi = Cálculos a partir do estudos nos EUA DPi = 150mcg/dia 18
  19. 19. FEMININO Determinação do Desvio padrão de DPD Vn= variância da necessidade Vi= variância da ingestão n= número de dias de ingestão Variância = (Desvio Padrão)2 DPn = 32 mcg/dia Vn= 1024 1024 +(22500 / 3) DPi = 150mcg/dia DPD = 92 Vi= 22500 RAZÃO= D/DPD 90mcg/92mcg RAZÃO=0,98 19
  20. 20. RDA RDA 20
  21. 21. RDA e AI RDA e AI RDA e AI AVALIAÇÃO DA ADEQUAÇÃO NUTRICIONAL AI e UL ESCOLHA DO PADRÃO DE REFERÊNCIA 3 Determinação do teste Z AI UL CÁLCIO CÁLCIO SÓDIO FLUOR POTÁSSIO NIACINA CROMO PIRIDOXINA FLUOR FOLATO ÁGUA MAGNÉSIO FIBRAS VIT. D FÓSFORO SELÊNIO Z= PROBABILIDADE DA INGESTÃO VIT. K VIT.C VIT.E VIT. D 21
  22. 22. Mulher de 40 anos Ingestão média de Cálcio Mi = (3 dias) 1200mg AI=Cálcio 1000mg DPi = 325 mg/dia N= 3 DIAS (1200-1000) (325 / 3 ) Z= 1,03 CONSUMO ALIMENTAR CONSUMO ALIMENTAR Vários métodos podem ser utilizados Pode ser dividido em dois grupos: para avaliar o consumo alimentar dos indivíduos. Sua validade e RETROSPECTIVOS reprodutibilidade dependem da habilidade do investigador e da cooperação do investigado. NÃO EXISTE UM MÉTODO PROSPECTIVOS DE AVALIAÇÃO DIETÉTICA IDEAL. Recordatório de 24 horas VANTAGENS DESVANTAGENS RETROSPECTIVOS • Fácil e rápido de ser • Depende da memória; administrado; • Requer treinamento do • Recordatório de 24 horas; • Baixo custo; investigador pra evitar indução; • Fornece estimativas da • A ingestão prévia das últimas • Questionário de freqüência alimentar; ingestão usual do indivíduo; 24 horas pode ser atípica; • Não altera a dieta usual; • Bebidas e lanches podem ser • Freqüência alimentar semi-quantitativo; • Pode ser realizado em grupos omitidos; de baixo nível de escolaridade; • Não fornece dados quantitativos precisos sobre a • História dietética ( recordatório 24 • Estima o valor energético total e a ingestão de macro e ingestão de nutrientes; horas + observações ) micronutrientes • Não reflete a diferença da ingestão durante a semana e fins de semana; • Pode ocorrer sub ou superestimação 22
  23. 23. Questionário de frequência alimentar Recordatório de 24 horas VANTAGENS DESVANTAGENS • Pode ser auto-administrado ou • Não fornece informações sobre utilizado por outros a quantidade consumida; Café da manhã Horário:_______ profissionais; • Não é possível saber a hora ou • Baixo custo; circunstância que o alimento foi • Rápido; consumido; Alimento Quantidade Medida caseira • Pode descrever padrões de • Listas compiladas para a ingestão alimentar; população geral podem não ser • Gera resultados padronizados; úteis para grupos com diferentes padrões alimentares; • Pode ser usado pra estudar a associação de alimentos • Pode ocorrer subestimação, específicos com doenças pois nem todos os alimentos estarão presentes na lista; • Análise difícil sem software especializado História dietética Questionário de frequência alimentar VANTAGENS DESVANTAGENS • Fornece uma completa e • Requer um nutricionista detalhada descrição qualitativa e altamente treinado; Alimento diariamente semanalmente eventualmente nunca quantitativa da ingestão • Depende da memória; 3x ou + 1 a 2x alimentar; • Exige tempo • Minimiza as variações que Grupo ocorrem no dia-a-dia • Fornece uma boa descrição da ingestão usual Alimento Preparação Registro alimentar estimado VANTAGENS DESVANTAGENS PROSPECTIVOS • Não depende da memória; • Pode interferir no padrão • Proporciona maior precisão alimentar; quantitativa dos alimentos; • Requer tempo; • Registro alimentar estimado; • Identifica tipo de alimento e • Alfabetização do indivíduo; preparações consumidas e • Subestimação comum; horários das refeições • Registro alimentar pesado • Alto nível de motivação e colaboração; • Dificuldade para estimar a quantidade ingerida 23
  24. 24. Registro alimentar pesado Registro alimentar estimado VANTAGENS DESVANTAGENS • Aumenta a acurácia do • Restringe a escolha dos Café da manhã Horário:_______ tamanho das porções, e alimentos; consequentemente dos nutrientes • Exige tempo; ingeridos • O consumo pode ser alterado Alimento Quantidade Medida caseira nos dias de consumo; • Difícil aplicabilidade na rotina Preenchido pelo próprio paciente EXAME GERAL E OBSERVAÇÃO LÁBIOS Sinal Como Possível Estado de verificar anormalidade doença EXAME FÍSICO Estomatite Examinar Deficiência em Doença angular junções dos B2, B6 e Fe hepática, ângulos da alcoolismo, boca, eles pelagra, má estão com absorção fissuras Queilose Fissuras B2, B3 e B6 Doença acompanhadas hepática, de vermelhidão, alcoolismo, inchaço e pelagra, má ulceração absorção Canadian Dietetic Association, 1994 EXAME GERAL E EXAME GERAL E OBSERVAÇÃO OBSERVAÇÃO BOCA CABELOS Sinal Como Possível Estado de Sinal Como Possível Estado de verificar anormalidade doença verificar anormalidade doença Língua Apresenta-se Deficiência em Doença pigmentação Examinar área PTN, Cu, B7, Kwashiokor inflamada dolorida e B3, B9, B2, hepática, quebradiços Hipopigmentada Zn vermelha B12, B6 e Fe anemia, síndrome de má absorção Branqueamento Inspecionar Anemia B12 perniciosa Atrofia das Aparência lisa, B3, B9, B2, Doença papilas papilas B12, B6 e Fe hepática, Alopécia Falhas, queda PTN, Zn, B7 Kwashiokor ausentes ou alcoolismo, ou cabelos finos doença celíaca reduzidas pelagra, má PTN, ácidos absorção Opacos e secos Examinar graxos Hipotireoidismo essenciais Má absorção Canadian Dietetic Association, 1994 Canadian Dietetic Association, 1994 24
  25. 25. EXAME GERAL E EXAME GERAL E OBSERVAÇÃO OBSERVAÇÃO PELE UNHAS Sinal Como Possível Estado de Sinal Como Possível Estado de verificar anormalidade doença verificar anormalidade doença Petéquias A cor não Deficiência em Escorbuto Coiloniquia Unhas em Fe e Cr Anemia desaparece com vitamina K e C Alcoolismo forma de colher pressão Hepatite Forma de casca Sem curvas, Vitamina A Má absorção Áreas PTN, B3, B9, de ovo extremidades pigmentação Hipertireoidismo escurecidas, B12 pontiagudas Alcoolismo manchas Manchas Inspecionar Se e Zn Má absorção pelagra brancas Machuca Inspecionar vitamina K e C Escorbuto facilmente Lâmina azul Unhas azuis Excesso de Cu Doença de Palidez cor ou cor Fe, B9, Cu Anemia Wilson amarelo Má absorção esverdeado Canadian Dietetic Association, 1994 Canadian Dietetic Association, 1994 EXAME GERAL E OBSERVAÇÃO OUTROS ÓRGÃOS Dentes Deficiência Neurológica Deficiência Manchas PTN Irritabilidade B1, B3 e B12 ACONSELHAMENTO marrom amareladas F Depressão Queimação nos B6 e Mg NUTRICIONAL pés Ácido pantotênico Cáries CHO simples Perda da B1, B2, E dentárias contração no Falta de PTN, punho e energia e F tornozelo Shils et al, 2002; Waitzberg, 1998 RELACIONADO AO RELACIONADO AO CLIENTE CONSELHEIRO • Qto mais informações recebidas ao mesmo tempo, < a aderência; • Qto + satisfeito o cliente estiver com o • Clientes que moram sozinho - < aderência; tratamento, > aderência às orientações; • Envolvimento do cônjuge na aderência; • Continuidade com o mesmo nutricionista • Qto + irregular for a rotina, < aderência; 25
  26. 26. RELACIONADO À ORIENTAÇÃO RELACIONADO AO AMBIENTE NUTRICIONAL • Local claro, organizado e limpo > aderência; • Qto > número de mudanças recomendadas ao • < tempo de espera, > aderência; mesmo tempo, < aderência; • Telefonista, recepcionista, manobrista • Qto + simples e claros forem os objetivos, > chances de aderência PROMOÇÃO DE PROMOÇÃO DE ADERÊNCIA ADERÊNCIA • Relacionamento estreito, de confiança e longo • Evitar sobrecarga de informações; prazo; • Auxiliar o cliente a estabelecer objetivos claros e • Identificar medo, ansiedade, preocupação e alcançáveis; expectativa do cliente; • Praticar com o cliente; • Agendar série de sessões para assegurar mudanças • Entregar material escrito; comportamentais do cliente; • Medir o sucesso; • Enfatizar alimentos que o cliente possa comer; • Buscar apoio • Valorizar o sabor; 26

×