Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Teologia medieval escolástica

6,316 views

Published on

Características da Teologia Escolástica Medieval, seus principais autores e obras desse período

Published in: Education
  • Be the first to comment

Teologia medieval escolástica

  1. 1. A Teologia Medieval Escolástica Afonso Murad www.casadateologia.blogspot.com Casa da Teologia (5)
  2. 2. Teologia Escolástica • Gestação : o que sobrou da patristica. Sentenças isoladas dos Padres. • Inícios: entrada do pensamento de Aristóteles. Uso da dialética. • Santo Anselmo: fides quaerens intellectum. • Cisma do Oriente em 1054. Perda da teologia simbólica. • Ensino nas escolas de catedrais e mosteiros. • Consolidação com Santo Tomás.
  3. 3. Elementos do ensino na Escolástica Lectio: explicação do mestre. Os estudantes devem reter informações na memória. Commentarium: exegese das grandes obras dos mestres do passado. Quaestio: desenvolvimento dialético, submetendo determinada afirmação à elaboração crítica. Disputatio: estudantes e mestres discorrem sobre temas e pensamentos de autor ou obra. Quodlibet: Discussão livre sobre qualquer espécie de assunto. Sententiae: retomada de sumas teológicas.
  4. 4. A teologia na universidade medieval
  5. 5. Santo Tomás de Aquino
  6. 6. A Suma Teológica Veja como a Suma teológica se estrutura em três partes, com as respectivas questões
  7. 7. Primeira parte Tratado de Deus (Questões 1 a 26) A Sagrada Doutrina (1) Natureza e extensão da Sagrada Doutrina (1) O Deus Único (2-26) A Existência de Deus (2) A Essência de Deus (3-13) Operações do Intelecto Divino (14-18) Operações da Vontade Divina (19-21) Operações do Intelecto e da Vontade (22-24) O Poder de Deus (25-26) Tratado da Trindade (27 a 43) Tratado da Criação (44 a 49) Tratado dos Anjos – O Espírito (50-64) Tratado dos Seis Dias – A Matéria (65 a 74) Tratado do Homem (Espírito e Matéria) (75-102) Tratado do Governo Divino (103-119)
  8. 8. Segunda Parte - I Tratado do fim último do homem (1-5) Tratado dos Atos Humanos (6-48) Tratado dos Hábitos (49-89) Tratado das Leis (90-108) A essência, os vários tipos e os efeitos da lei (90-92) A Lei Eterna (93) A Lei Natural (94) A Lei Humana (95-97) A Antiga Lei (98-103) A Nova Lei (106-108) Tratado da Graça (109-114)
  9. 9. Segunda Parte - II Tratado da Fé, Esperança e Caridade (1-46) Tratado das Virtudes Cardeais (Prudência, Justiça, Fortaleza, Temperança) (47-178) Tratado da Vida Contemplativa e da Vida Ativa (179-182) Tratado dos Estados de Vida (183-189)
  10. 10. Terceira Parte Tratado da Encarnação (1-26) Tratado da Vida de Cristo (27-59) Tratado dos Sacramentos (60-65) Batismo (66-71) Confirmação (72) Sagrada Eucaristia (73-83) Penitência (84-90)
  11. 11. Suplemento da Terceira Parte Penitência(continuação)(1-28) ExtremaUnção(29-33) OrdensSagradas(39-40) Matrimônio(41-68) ARessurreição(66-99)
  12. 12. Veja uma questão da Suma Teológica Observe como ela segue o esquema lógica: - Afirmação inicial, em forma de questão (parece que....) - Argumentos que justificariam tal afirmativa*. - Afirmação central, seguida da solução para a questão. Aqui se condensa a doutrina. - Refutação dos argumentos apresentados no início, mostrando como são insuficientes. * Faltam as notas de rodapé.
  13. 13. O quinto ponto discute-se assim: Parece que a fé não é uma virtude. A fé como virtude (Ia-IIae, q. 65)
  14. 14. 1. Pois, a virtude, tornando bom quem a possui, como diz o Filósofo, ordena para o bem. Ora, a fé ordena para a verdade. Logo, não é virtude. 2. Demais: Mais perfeita é a virtude infusa, que a adquirida. Ora, a fé, pela sua imperfeição, não é considerada virtude intelectual adquirida, segundo claramente o diz o Filósofo. Logo, com maior razão, não pode ser considerada virtude infusa. 3. Demais: A fé informada e a informe são da mesma espécie, como já se disse. Ora, a informe não é virtude, por não ter conexão com as demais virtudes. Logo, também não é a fé informada. 4. Demais: A graça gratuita e o fruto distinguem-se das virtudes. Ora, a fé está enumerada entre as graças gratuitas (1Cor 12, 9); e também entre os frutos (Gl 5, 23). Logo, não é a fé uma virtude.
  15. 15. Mas, em contrário, o homem se justifica pelas virtudes; pois, a justiça é a virtude total, como diz Aristóteles4. Ora, o homem se justifica pela fé, no dizer da Escritura (Rm 5, 1): Justificados pois pela fé, tenhamos paz, etc. Logo, é a fé uma virtude.
  16. 16. SOLUÇÃO. — Como do sobredito resulta, a virtude humana torna bom o ato humano. Por onde, todo hábito, que for sempre princípio de atos bons, pode considerar-se como virtude humana. Ora, tal hábito é a fé informada. Pois, sendo crer um ato do intelecto, que assente à verdade, por império da vontade, duas condições se requerem para esse ser perfeito. Uma, que o intelecto tenda infalivelmente para o seu bem, que é a verdade; outra, que infalivelmente se ordene ao fim último, por causa do qual a vontade assente à verdade. Ora, ambos esses elementos se encontram na fé informada. Pois, é da essência mesma da Fé, que o intelecto seja sempre levado para a verdade, pois a fé não é susceptível de falsidade, como já estabelecemos.
  17. 17. SOLUÇÃO. Ora, pela caridade, que informa a fé, a alma tem uma vontade que se ordena infalivelmente para um fim bom. Logo, é virtude a fé informada. A fé informe, porém, não é virtude, porque, embora tenha o ato de fé informe a perfeição devida, por parte do intelecto, não a tem contudo por parte da vontade. Assim, como se a temperança existisse no concupiscível, e não existisse no racional a prudência, não seria a temperança virtude, como já dissemos7. Porque o ato de temperança exige um ato de razão e outro do concupiscível, assim como o ato de fé exige o ato da vontade e o do intelecto.
  18. 18. DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. — A verdade, em si mesma, é o bem do intelecto, pois é a perfeição dele. Por onde, enquanto que pela fé, o intelecto é determinado para o verdadeiro, a fé se ordena para um certo bem. Mas ulteriormente, enquanto informada pela caridade, também se ordena para o bem, como objeto da vontade. RESPOSTA À SEGUNDA. — A fé de que fala o Filósofo se apóia na razão humana que não conclui necessariamente e é suscetível de falsidade. Por onde, essa fé não é virtude. Ao contrário, a fé de que tratamos, funda-se na verdade divina infalível, e portanto não é suscetível de falsidade. Portanto, tal fé pode ser virtude.
  19. 19. • RESPOSTA À TERCEIRA. — A fé informada e a informe não diferem especificamente, como se pertencessem a espécies diversas. Diferem porém como, na mesma espécie, o perfeito, do imperfeito. Por onde, a fé informe, sendo imperfeita, não realiza perfeitamente a essência da virtude, pois, a virtude é uma certa perfeição como diz o Filósofo. • RESPOSTA À QUARTA. — Certos ensinam que a fé enumerada entre as graças gratuitas, é a fé informe. — Mas não é esta opinião fundada, porque as graças gratuitas, no caso enumeradas, não são comuns a todos os membros da Igreja. Donde o dizer o Apóstolo: Há repartição de graças; e ainda: a um é dado isto, a outro, aquilo. Ora, a fé informe é comum a todos os membros da Igreja; porque o ser informe não lhe pertence à substância, enquanto dom gratuito. – Por onde, devemos dizer que fé, no caso vertente, deve ser tomada por alguma excelência dela, p. ex., pela constância, como diz a Glosa, ou pela linguagem da fé. Por outro lado, é a fé considerada como fruto, enquanto o seu ato produz certo deleite, em razão da certeza. Por isso, quando o Apóstolo enumera os frutos, a Glosa explica que é a fé a certeza do invisível.
  20. 20. Importância da teologia escolástica • Significou um momento alto de articulação da fé com o pensar humano (razão filosófica). • Acolheu e integrou o conhecimento da época, de forma original e ousada. • Primou pelo rigor conceitual. • Respondeu a profundas perguntas humanas. • Possibilitou o desenvolvimento da teologia como saber sistematizado.
  21. 21. Limites da teologia escolástica • Usa a bíblia somente para confirmar o que se sabe. A bíblia não ilumina a teologia, é somente um argumento a mais para ela. • Ao acentuar a dimensão intelectual da fé, desenvolve pouco a mística (espiritualidade). • É uma teologia conceitual. Não considera a narração como possibilidade de refletir sobre a fé.
  22. 22. Referência bibliográfica básica Capítulo 4 Capítulo 3 www.casadateologia.blogspot.com murad4@hotmail.com (versão 2014) *Bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq

×