Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Luzes, sombras e perspectivas da Vida Religiosa

2,301 views

Published on

Análise dos fatores positivos, limitações e perspectivas da Vida Consagrada na América Latina e Caribe

Published in: Spiritual
  • Be the first to comment

Luzes, sombras e perspectivas da Vida Religiosa

  1. 1. Luzes, sombras e perspectivas da Vida Religiosa Para discussão em grupo Ir. Afonso Murad – murad4@hotmail.com
  2. 2. Sinais luminosos na Vida Religiosa
  3. 3. 1. Testemunho de vida Mulheres e homens extraordinários e simples, que testemunham bondade, misericórdia, generosidade, amor a Deus, serenidade, solidariedade e profecia.
  4. 4. 2. Redescoberta do carisma fundacional • Movimento de “Volta às fontes” inaugurado no Concílio Vaticano II. • Leitura crítica e atualizada do(a) fundador(a), e de seu contexto. A originalidade de seu pensamento e das ações que empreendeu. • Distinguir: Tradição Vida que herdamos e tradicionalismo que nos bloqueia.
  5. 5. 3. Busca de fidelidade criativa • Se a(o) fundador(a) vivesse hoje, onde estaria? Como quem? De que forma? • Revisão de obras e de presenças. • Deslocamento: da mera regularidade para a perseverança na itinerância, discernindo os Sinais dos Tempos e os novos apelos de Deus na realidade.
  6. 6. 4. Opção preferencial pelos pobres • A opção preferencial pelos pobres articula: - Assistência (sem assistencialismo). - Convivência e discipulado (estar com os pobres numa relação fraterna de aprender e ensinar) - Conscientização e organização. Preparar lideranças para assumirem o protagonismo na Igreja e como cidadãos, em vista de nova sociedade -> Pelos pobres, contra a pobreza. - Participação e monitoramento das políticas públicas. • Amplia-se para as várias faces de pobreza.
  7. 7. 5. Espiritualidade encarnada • O cultivo da Espiritualidade ganha novo sabor. Vai além dos “Exercícios de piedade regradas” e das devoções. Centra-se na Palavra de Deus. Amplia-se com a oração espontânea, o louvor, os cânticos, a revisão do dia, a partilha das experiências, a celebração comunitária da eucaristia.
  8. 8. 6. Cultivo das relações humanas • A vida comunitária se modifica substancialmente: - Participação dos membros nas decisões. - Mais responsabilidade das pessoas. - Projeto comunitário. - Flexibilidade no horário. - Partilha dos sentimentos. - Desafio de equilibrar a exigências da vida em comum com as demandas dos indivíduos (subjetividade). - Valorização das diferenças culturais, étnicas, culturais e generacionais.
  9. 9. 7. Identidade comum e intercongregacionalidade • Emerge a consciência de que temos muitos elementos em comum, problemas semelhantes, buscas e possibilidades de soluções. • Desenvolvem-se as Conferências de Religiosos(as) regionais e nacionais. • Processo de formação inicial em conjunto. • Colaboração na reflexão, na animação espiritual e em outras iniciativas intercongregacionais. • Iniciativas de partilha de carismas semelhantes.
  10. 10. 8. Parceria com os leigos(as) • Vários fatores: diminuição do contingente de consagrados, valorização da vocação do leigo na Igreja, maior complexidade da gestão de obras, crescente especialização. • Os profissionais leigos entram nas obras: tarefas operacionais simples -> executores -> cargos técnicos - > coordenação. • Exige-se outra forma de lidar com os profissionais leigos. Não mais de maneira caseira. • Leigos cristãos nos buscam porque se encantam com o nosso carisma e querem participar dele, mantendo a condição laical -> partilha da espiritualidade
  11. 11. 9. Cidadania Eclesial • Somos Igreja, como discípulos(as) de Jesus. • Porque fazemos parte dela, de maneira ativa e queremos que a Igreja seja sal, luz e fermento no mundo, questionamos suas estruturas anacrônicas, a concentração do poder, as práticas androcêntricas, o refúgio no passado idealizado. • Sonhamos e nos empenhamos para que a Igreja, em suas pessoas e estruturas, exercite a fidelidade criativa no diálogo com o mundo. Que sua pregação, seus gestos e sua postura traduzam a Boa Nova de Jesus.
  12. 12. 10. Estar no mundo, não ser mundano(a) • Investimento na formação universitária dos(as) consagrados e nas tarefas profissionais. • Consciência da “questão de gênero”. Crítica ao modelo patriarcal. Busca de relações de reciprocidade. • Modernização da forma de gestão das instituições. • Tensão constante para manter a identidade religiosa.
  13. 13. Volta às fontes e fidelidade criativa Espiritualidade encarnada Relações de qualidade Opção pelos pobres Sinal no mundo Identidade de Vida Religiosa Com os leigos
  14. 14. Contexto planetário e eclesial • Mudanças muito rápidas: culturais, tecnológicas e de linguagem. • Complexidade e simultaneidade de características contrárias que se enfrentam ou convivem. • Tendência predominante na Igreja católica: - Minimizar as conquistas do Concílio. - Enfrentar o mundo moderno com doutrina forte, disciplina eclesiástica, concentração de poder, devocionalismo e sacramentalismo. • Crescimento do pentecostalismo na América Latina - > emoção, subjetividade.
  15. 15. Sombras e ameaças
  16. 16. 1. Alzheimer institucional • Lenta perda da memória imediata e remota. • Diminuição da agilidade e acuidade nos movimentos. • Sinapses (conexões) reduzidas. • Involução para os níveis básicos de sobrevivência. • Perda de muitas habilidades. • Não se reconhece a si mesmo. • Risco real de morte.
  17. 17. 2. Envelhecimento • Envelhecer, do ponto de vista biológico e pessoal, faz parte de nossa vida. Não é problema em si. • Envelhecimento de um grupo (alta média de idade) leva à lenta perda de vitalidade. • O orgulho das conquistas do passado cega as pessoas e a instituição -> autosuficiência. • As obras e comunidades que foram criadas para viabilizar a missão, tendem a se tornar grande peso ou determinam as opções da Congregação.
  18. 18. 3. Congelamento nas obras e presenças apostólicas • Muitas obras significativas no passado, não traduzem com vigor as intuições do carisma e a resposta aos Sinais dos Tempos. • Poucas energias e muitos problemas -> “manter o que temos”, até o momento em que isso não seja mais possível. • Age-se de forma reativa, tomando atitudes somente quando a situação, econômica ou humana, chega ao limite do insuportável.
  19. 19. 4. Perda de atratividade • Pouca conexão com o mundo atual e suas tendências. • Volta à regularidade, como tentativa de reduzir as perdas. • Não atrai vocações com espírito de itinerância, mas sim pessoas que buscam segurança. • Não se retem os(as) consagrados(as) de meia idade e os recém-professos -> vida com muito trabalho, poucas perspectivas e alegria contida. • Os(as) formadores(as) tem dificuldades de compreender as características das novas gerações.
  20. 20. 5. Relações humanas degradadas • Concentração de poder nas mãos do(a) superior(a), do ecônomo(a), do diretor(a). • Clima pesado nas relações cotidianas: mágoas acumuladas, pouca expressão dos sentimentos, competição, ironia, excesso de seriedade. • Proliferam-se doenças psico-somáticas. • Pouco investimento na formação de novas lideranças.
  21. 21. 6. Isolamento e autosuficiência • Com o aumento de trabalho, diminuição de efetivo de pessoas, problemas econômicos e relacionais, a congregação tende a se fechar em si própria. O mesmo acontece com as províncias.
  22. 22. 7. Espiritualidade medíocre • Pessoas e comunidades com muitas coisas religiosas, mas pouco desenvolvidas espiritualmente.
  23. 23. Alzheimer institucional Relações degradadas Isolamento Envelhecimento Espiritualidade débil Sem atratividade
  24. 24. O tripé da renovação Missão Relações Interpessoais Espiritualidade
  25. 25. Como se enfrentam os desafios • Reestruturação de províncias e do governo geral. • Abertura de frentes missionárias ad gentes. • Iniciativas de missão com os mais pobres, no novo contexto. • Pastoral vocacional com recursos e linguagens. • Busca de leveza institucional. • Adoção de modelos de Gestão institucional centrados em resultados, com visão estratégica. • Atuação junto aos leigos(as), para compartilhar missão e espiritualidade.
  26. 26. Passos a dar • Reconhecer novas identidades e pertenças. • Viver a Consagração de muitos modos • Constituir eficazes “redes de profecia e inovação” . Buscar juntos(as) as soluções, com outras congregações e organizações -> gestão do conhecimento, alianças e parcerias. • Formação e empoderamento de novas lideranças nos Institutos.
  27. 27. • www.afonsomurad.blogspot.com (versão fev 2013)

×