Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira
CONSTIPAÇÃO INTESTINAL
TERAPÊUTICA REPERTORIZADA
Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira
Defin...
Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira
A retenção fecal ocorre quando as fezes não são eliminadas. Quando essa retenção
persist...
Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira
CRITÉRIOS DE ROMA II
DIAGNÓSTICO DE CONSTIPAÇÃO INTESTINAL FUNCIONAL
Há uma variedade de...
Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira
Comportamental:
1. Dieta - Ingestão de líquidos (1500 ml/dia) e fibras (a OMS recomenda ...
Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira
sistema mononuclear fagocitário do fígado somado ao fator temperamental de baixa
tonicid...
Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira
FEZ@BOLAS COMO r030 t9 MAG-M
FEZ@DURA r187 t9 MAG-M
FEZ@ESCASSA r144 t9 Mag-m
FEZ@FORCOS...
Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira
RET@INVOLUNTARIA DEFECACAO r103 t9 Sanic
RET@INVOLUNTARIA$FLATOS$ELIMINANDO r030 t9 sani...
Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira
RET@URGENCIA DESEJO r192 t9 Bry
RET@URGENCIA$MOVIMENTO EM r005 t6 Bry
FEZ@DURA r187 t9 B...
Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira
Constipação e diarréia alternadas. Constipação com fezes duras ou como ovelhas.
Esforço ...
Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira
outro. Regurgitações amargas e vômitos biliosos, ácidos e amargos. Vertigens durante e
a...
Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira
RET@CONSTIPACAO$DROGAS$DEPOIS$ABUSO DE r011 t7 NUX-V
RET@CONSTIPACAO$EXTASIS$PORTAL POR ...
Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira
RET@CONSTRICAO$DEFECAR$IMPEDE r008 t6 LYC
RET@DOR r130 t9 LYC
RET@DOR$DEFECAR$DURANTE r1...
Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira
RET@URGENCIA DESEJO r192 t9 alumn
FEZ@BOLAS COMO r030 t9 ALUMN
FEZ@BOLAS$NEGRAS r006 t6 ...
Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira
Grande fraqueza por paresias ou paralisias, durante muito tempo. Dores com sensação de
f...
Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira
Constipação intensa e crônica por paresia ou paralisia retal, com contínuos e
ineficazes...
Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira
RET@DOR*DILACERANTE$DEFECAR$DURANTE r013 t7 Sel
RET@DOR*TENESMO r170 t9 sel
RET@DOR*TENE...
Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira
RET@PRURIDO$COCAR FORTE$< r027 t9 Alum
RET@PRURIDO$DEFECAR$DEPOIS r035 t9 alum
RET@SECUR...
Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira
RET@INATIVIDADE&RETO DO r131 t9 OP
RET@INVOLUNTARIA DEFECACAO r103 t9 OP
RET@INVOLUNTARI...
Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira
FEZ@BOLAS COMO, DURA, ESCASSA r144 t9 thuj
FEZ@FORCOSAS SUBITAS JORRANTES VIOLENTA r065 ...
Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira
Arrotos ácidos. Náuseas pela manhã. Vômitos ácidos com borra de sangue. Gastralgia.
Disp...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Constipação intestinal terapeutica

848 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
848
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
9
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Constipação intestinal terapeutica

  1. 1. Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira CONSTIPAÇÃO INTESTINAL TERAPÊUTICA REPERTORIZADA Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira Definição: A definição de constipação intestinal é ampla, envolvendo uma série de queixas relacionadas à dificuldade de evacuar, desde sua freqüência, em geral pequena, passando pela eliminação de fezes de volume reduzido ou de menor calibre ou endurecidas, que exijam grande esforço para sua eliminação. Inclui também a sensação subjetiva de evacuação incompleta ou aquela que requer manobras manuais para facilitar a saída do bolo fecal. Evacuações diárias não obrigatoriamente refletem normalidade do esvaziamento colônico e, por seu lado, mesmo as que ocorrem de forma descontinuada podem ser funcionalmente adequadas. Motilidade colônica: As principais funções do cólon são: absorver água e eletrólitos do quimo e conduzir as fezes a partir do intestino delgado e armazená-las, especialmente no sigmóide, antes das evacuações. Os movimentos no cólon normalmente são lentos, podendo ser divididos em movimentos de mistura (contrações haustrais) e propulsivos (movimentos de massa). Nos movimentos de mistura, cerca de 2,5 cm de músculo circular se contrai, até quase a oclusão completa da luz intestinal, juntamente com três faixas de musculatura longitudinal denominada tinea coli, formando as haustrações. Desse modo, toda a matéria fecal é gradualmente exposta à superfície do intestino grosso, e o líquido é progressivamente absorvido até apenas 80 a 150 ml da carga diária dos 750 ml provenientes do intestino delgado, em forma de quimo, se percam nas fezes. A maior parte da propulsão no ceco e cólon ascendente resulta de uma lenta, mas persistente, contração haustral, levando de 8 a 15 horas para mover o quimo apenas da válvula ileocecal até o cólon transverso, enquanto o próprio quimo se torna fecal em qualidade e também se transforma em semi-sólido pastoso ao invés de semilíquido. Do cólon transverso ao sigmóide, movimentos de massa aparecem, com mais abundância, por cerca de 15 minutos durante a primeira hora do desjejum. Também chamados de contrações propulsivas de alta amplitude (CPAA), ocorrem uma ou duas vezes ao dia. Quando elas forçam uma massa de fezes para o reto, manifesta-se o desejo evacuatório. Como em outros segmentos, aqui no intestino grosso o parassimpático aumenta a freqüência e amplitude dos movimentos. O simpático os inibe. O plexo nervoso entérico organiza os movimentos. O aparecimento das CPAA após as refeições deve-se em parte pelos reflexos gastro-cólicos e duodenocólicos e pela liberação de gastrina (ação excitatória no cólon e ação inibitória sobre a válvula ileocecal). Também ocorrem pela estimulação do sistema nervoso parassimpático, por uma irritação do cólon ou por sua superdistensão. O reflexo evacuatório inicia-se com a chegada do bolo fecal na ampola retal. Com a dilatação retal, os receptores sensíveis ao estiramento determinam o relaxamento do esfíncter interno do ânus (reflexo reto anal), permitindo que o conteúdo retal seja percebido de modo discriminado para gases, líquidos ou fezes pastosas. Neste momento, o indivíduo pode decidir pela eliminação de flatos ou pela contração voluntária do esfíncter externo até chegar ao local apropriado para defecar. Nas crianças a continência fecal dependerá do perfeito funcionamento do esfíncter anal externo, do músculo puborretal, do esfíncter anal interno e do reto. Distúrbios da evacuação:
  2. 2. Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira A retenção fecal ocorre quando as fezes não são eliminadas. Quando essa retenção persiste por tempo prolongado, o reto passa a conter fezes, progressivamente mais ressecadas e em maior volume. A parede retal fica cronicamente dilatada e a sensibilidade retal diminui. A criança retém massa fecal, que geralmente acarreta em dilatação do cólon (megacólon funcional). Um círculo vicioso se instala quando a criança apresenta eliminação dolorosa de fezes endurecidas e calibrosas, fazendo com que continue a inibir a defecação, através de contração anormal do esfíncter anal externo e do assoalho pélvico (anismo).Estas fezes retidas são difíceis de serem eliminadas e podem deixar o esfíncter anal interno cronicamente distendido, assim a criança torna incapaz de perceber o escape fecal (encoprese). . Outro fator contribuinte para a constipação é a dieta pobre em fibras alimentares.Existem estudos demonstrando a relação entre ingestão de leite de vaca e constipação intestinal. *Autores relacionam a intolerância à proteína do leite de vaca às reações de hipersensibilidade do tipo I (Psora) e IV (Tuberculinismo), mas propõem como única forma terapêutica a sua eliminação da dieta. Classificação: A - Constipação Funcional ou Primária 1. De trânsito lento por função motora do segmento colorretal anormal, sem que se identifique doença responsável por esta disfunção autonômica. Hipóteses relacionam ao reduzido numero de células enterocolônicas enterocromafínicas e células intersticiais de Cajal. 2. Defecação dissinérgica por incapacidade de coordenar ações entre a musculatura abdominal, anorretal e do assoalho pélvico. B – Constipação Orgânica ou Secundária: 1. Anormalidades estruturais anorretais e do cólon - Nas crianças encontraremos: estenose anal, má formação anorretal, ânus imperfurado, ânus ectópico anterior, ânus anteriorizado, Síndrome de pseudo-obstrução intestinal, aganglionose congênita (doença de Hirschsprung), aganglionose adquirida. 2. Anormalidades Extraintestinais: - Doenças endócrinas e metabólicas (hipotireoidismo, hiperparatireoidismo, feocromocitoma, diabetes melito e insipidus, fibrose cística). - Neurológicas: anormalidades da medula espinhal (trauma medular, tumor de cauda eqüina e meningocele), lesões do SNC (AVC, Parkinson, esclerose múltipla, paralisia cerebral). - Medicamentos: uso prolongado e exagerado de laxantes, e por drogas como opióides, psicotrópicos, anticonvulsivantes, anticolinérgicos, dopaminérgicos, bloqueadores de canais de cálcio, AINEs, sais de ferro, diuréticos, antiácidos a base de cálcio e alumínio.
  3. 3. Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira CRITÉRIOS DE ROMA II DIAGNÓSTICO DE CONSTIPAÇÃO INTESTINAL FUNCIONAL Há uma variedade de opiniões individuais sobre o que se pode considerar constipação. Algumas pessoas se sentem constipadas quando não conseguem evacuar diariamente, outros quando as fezes são duras ou quando o volume das fezes é pequeno ou quando fazem esforço para evacuar ou ainda quando a evacuação é dolorosa. Alguns estudos epidemiológicos têm demonstrado que 95% da população têm uma freqüência das evacuações entre três vezes ao dia a três vezes por semana. De uma forma geral, deve-se sempre considerar a freqüência das evacuações de cada individuo em particular como referencia para avaliação de seus sintomas. Um paciente cujo hábito seja três evacuações ao dia pode apresentar sintomas e ser considerado constipado se mudar o seu hábito intestinal para uma vez em dias alternados, embora não se enquadre na definição acima. Critérios de Diagnóstico: Bebês e em crianças pré-escolares (de 1 mês a 6 anos) devem apresentar, pelo menos, por 2 semanas : 1. Na maior parte das evacuações com fezes em cíbalos e endurecidas; 2. Evacuações duas ou menos vezes por semana 3. Sem evidência de doença estrutural, endócrina ou metabólica. Adultos: Devem apresentar pelo menos 12 semanas (não necessariamente consecutivas), nos últimos 12 meses, 2 ou mais dos seguintes itens: 1. Realizar esforço evacuatório em pelo menos25% das evacuações; 2. Fezes endurecidas ou fragmentadas em pelo menos 25% das evacuações; 3. Sensação de evacuação incompleta em pelo menos 25% das evacuações; 4. Sensação de obstrução ou interrupção da evacuação em pelo menos 25% das evacuações; 5. Manobras manuais para facilitar a defecação em pelo menos 25% das evacuações; 6. Menos de 3 defecações por semana. Tratamentos Antes de orientarmos os pacientes a mudar dietas, realizar exercícios, treinamento de esfíncteres, reeducação dos reflexos gastro-cólicos e outras medidas, devemos levar em consideração sempre as características constitucionais e temperamentais individuais. Assim, pacientes Carbônicos, com predominância do endoblasto, hipocrínicos (hipotireoideos), terão um metabolismo mais lento, com tendência à esclerose, e conseqüentemente um trânsito intestinal mais lento (Calc.). Já os Sulfúricos, terão um outro ritmo intestinal, justamente pela característica de acumularem toxinas e sofrerem pela auto e hetero-intoxicação, e reagirão com descargas eliminatórias (diarréias) ou por simpaticotonia (nos psóricos) com constipação. Lembrar os sintomas encontrados nas Matérias Médicas e nos repertórios do Sulphur: urgência de evacuar pela manhã, que o impulsiona a sair da cama às 5 horas da manhã.
  4. 4. Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira Comportamental: 1. Dieta - Ingestão de líquidos (1500 ml/dia) e fibras (a OMS recomenda de 25 a 30 g/dia, deste total de fibras 2/3 devem ser fibras insolúveis e 1/3 fibras solúveis). A fração insolúvel é encontrada nos cereais (farelos de um modo geral), hortaliças, frutas (especialmente nas cascas) e leguminosas. Este tipo de fibra atua principalmente no intestino grosso, aumentando o volume fecal e fazendo com que haja a produção de fezes mais macias. Também elas estão relacionadas à prevenção de doenças como diverticulite e câncer de cólon. As insolúveis têm menor capacidade de incorporação de água e são difíceis de serem degradadas pelas bactérias. Como acabam sendo eliminadas intactas, elas aumentam a quantidade de resíduos no intestino, aumentando o bolo fecal. A fração solúvel é encontrada principalmente em alimentos como a aveia, cevada, frutas cítricas (bagaço), maçã (casca), goiaba e em certas gomas e mucilagens (goma guar, goma acácia, entre outras), muito utilizadas na indústria de alimentos como espessantes e fontes de fibras. Este tipo de fibra atua principalmente na parte superior do trato gastro-intestinal, mais especificamente no estômago e no intestino delgado, onde ocorre a digestão e absorção dos nutrientes. A ação dessas fibras nesses dois órgãos promove vários efeitos:  Atraso do esvaziamento do estômago (promove saciedade = importante no tratamento da obesidade)  Atraso da absorção de nutrientes como a glicose (menor pico glicêmico pós-prandial)  Aumento da excreção de ácidos biliares (menor absorção do colesterol) 2. Atividade Física não extenuante, como caminhar 45 min/dia. 3. Reeducação de hábitos - Obediência ao reflexo de evacuação. Recomende a seu paciente constipado ir ao banheiro após uma refeição (de preferência a matinal) e iniciar o esforço para evacuar, isto pode ajudar no restabelecimento da resposta adequada ao reflexo gastro-cólico. Medicamentoso: 1. Incrementadores de bolo fecal: Fibras alimentares solúveis e insolúveis – Plantago ovalata, Psylium; 2. Lubrificantes: Óleo mineral; 3. Agentes osmóticos: Lactulose, manitol ou sorbitol (açúcares inabsorvíveis); 4. Laxantes: O uso crônico de laxantes pode levar a lesão dos plexos mioentéricos, resultando em dismotilidade crônica.  Componentes antraquinônicos (sene, aloe, cáscara sagrada, ruibarbo);  Estimulantes químicos: fenolftaleína, bisacodyl, picossulfato sódico; Tratamento Homeopático Por ser um importante emunctório, deve ser sempre avaliada as condições funcionais do intestino antes de se prescrever o medicamento de fundo, pois se não estiver em condições de suportar um estímulo maior que sua capacidade exonerativa, isto é, se houver um bloqueio emunctorial, a sobrecarga, provocada pelo aumento do aporte toxínico, acarretará na piora da constipação (agravamento homeopático). O bloqueio emunctorial intestinal está predominantemente relacionado ao desenvolvimento e ou manutenção de condições nosológicas de origem tuberculínica quando comparado aos transtornos originados por outras diáteses (lembrar que os transtornos tuberculínicos ocorrem devido à disfunção fagocitária das células de Kuppfer nos sinusoidais hepáticos e conseqüentemente pela disseminação das toxinas entéricas) e os mecanismos que levam os tuberculínicos a se constiparem encontram explicação na alteração da bomba de cloro e enxofre, que ocasionará o ressecamento das fezes (pequenas e endurecidas), no déficit do
  5. 5. Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira sistema mononuclear fagocitário do fígado somado ao fator temperamental de baixa tonicidade encontrada principalmente na infância (tuberculinismo infantil). Atua juntamente a estes fatores o funcionamento da glândula tireóide que se encontra aumentado alterando o equilíbrio dos íons cálcio e fósforo. A relação fisiopatológica da diátese psórica com a constipação, provavelmente está mais relacionada a um aumento da simpaticonia, conseqüentemente ocorre um aumento no tônus do esfíncter anal externo. E também aos quadros de auto e hetero intoxicação crônica agravando a insuficiência hepática pelo acometimento de seu parênquima; às reações alérgicas do tipo I de Gell e Coombs (intolerância à proteína do leite de vaca mediada por IgE ) e à tendência às parasitoses. No Sifilinismo encontramos os distúrbios do Sistema Nervoso Central e Periférico, congênitos ou adquiridos, (Hirchsprung, Chagas, trauma de medula) e ulcerações de origem arterial (teoria da natureza isquêmica na etiopatogenia da fissura anal). E na Sicose: os fatores obstrutivos causados pelos tumores intestinais; transtornos evacuatórios provocados por hemorróidas decorrentes da congestão portal passiva; atonia dos ligamentos e da musculatura pélvica; edema de alça; e por atonia do SNA. Principais Medicamentos Homeopáticos relacionados às Diáteses  TUBERCULINISMO Magnesia muriatica Cloridrato de magnésia – Junto com o fígado, o reto é o seu principal centro de ação. Ventre inchado e distendido com borborigmos, > eliminando flatos. Congestão do lobo esquerdo do fígado. Dor no hipocôndrio direito que se irradia à omoplata direito. > deitando sobre o lado direito (Bry.). Constipação com fezes duras, secas, escassas, grandes, nodosas, como fezes de cabrito, ou como cíbalos que saem com dificuldade e se despedaçam ou fragmentam na borda do ânus; algumas vezes somente podem ser evacuadas fazendo pressão sobre os músculos abdominais (Am-m., Nat-m.). Constipação em crianças durante a dentição. Constipação com constantes desejos ineficazes. Fezes muco sanguinolentas, com ardência durante e depois da evacuação. Teníase. Prurido anal. RET@CONSTIPACAO PRISAO DE VENTRE r248 t9 MAG-M RET@CONSTIPACAO$CONSTANTE$DESEJO r014 t7 Mag-m RET@CONSTIPACAO$DIFICIL DEFECAR r133 t9 MAG-M RET@CONSTIPACAO$DIFICIL$FEZES$RETROCEDEM r014 t7 Mag-m RET@CONSTIPACAO$INEFICAZES URGENCIA ESFORCO r169 t9 MAG-M RET@CONSTIPACAO$INSUFICIENTES INCOMPLETAS INSATISFATORIAS DEFECACOES r071 t9 Mag-m RET@CONSTIPACAO$PREOCUPACAO COM INTESTINOS r001 t1 Mag-m RET@DIARREIA$CRIANCAS r055 t9 MAG-M RET@DIARREIA$LEITE$DEPOIS DE r023 t9 MAG-M RET@DOR*PONTADA *PRESSAO *QUEIMANTE ARDENTE r169 t9 Mag-m RET@DOR*TENESMO$DEFECAR$DEPOIS r075 t9 Mag-m RET@INATIVIDADE&RETO DO r131 t9 Mag-m RET@PROLAPSO r092 t9 Mag-m RET@PRURIDO r181 t9 Mag-m RET@SENSIVEL r021 t9 MAG-M RET@URGENCIA DESEJO r192 t9 Mag-m RET@URGENCIA$CONSTANTE r043 t9 Mag-m RET@URGENCIA$DEFECAR$DEPOIS r061 t9 Mag-m
  6. 6. Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira FEZ@BOLAS COMO r030 t9 MAG-M FEZ@DURA r187 t9 MAG-M FEZ@ESCASSA r144 t9 Mag-m FEZ@FORCOSAS SUBITAS JORRANTES VIOLENTA r065 t9 Mag-m FEZ@GRANDE r085 t9 MAG-M FEZ@LIENTERICA r089 t9 MAG-M FEZ@LIENTERICA$LEITE$DEPOIS DE r002 t6 MAG-M FEZ@MUCOSA$COBERTA$MUCO DE r021 t7 Mag-m FEZ@MUCOSA$SANGUINOLENTA r078 t9 Mag-m FEZ@NODOSA NODULAR MASSAS r096 t9 MAG-M FEZ@NODOSA$MUCO$COBERTA DE r008 t6 Mag-m FEZ@OVELHA$ESTERCO$COMO (VER BOLAS) r043 t9 MAG-M FEZ@PEQUENA r067 t9 MAG-M Sanicula aqua É uma água termal de Ottawa, Illinois, Estados Unidos e sua composição entram principalmente Natrum muriaticum, Calcarea muriatica, Magnesia muriatica, Calcarea bicarbonica, Calcarea sulphurica, Kali sulphuricum, etc. Pela composição desta medicação, fica claro que o fator constipação, no tuberculinismo está relacionado ao composto muriaticum (cloro) dos remédios descritos acima: mag-m, nat-m, kali-m, sanic. Por isso é muito importante que analisemos os mecanismos fisiopatológicos presentes na fibrose cística ou mucoviscidose e daí a hipótese levando pela Dr. Romeu Carillo da alteração da bomba de cloro e enxofre em nível celular. Alteração das funções da nutrição com perturbações digestivas (parte alta do corpo (sobretudo no pescoço), apesar de um bom apetite; especialmente constipação ou diarréia). Desnutrição com emagrecimento progressivo, especialmente na nas crianças; com tendência caquética. Aspecto envelhecido da criança (Lyc.) cuja pele é escura e enrugada (Abrot, Iod., Nat-m.) Constipação: após grande esforço, as fezes retrocedem ao reto (Sil., Thuy.). Sanicula é um bom intermediário entre a Silicea e a Thuya em relação à obstipação atônica. Inatividade retal. Evacuações abundantes de cíbalos fétidos, secos, acinzentados, esfarelando-se nas bordas do ânus (Mag-m) e que devem ser retiradas manualmente (Sel). O reflexo é provocado somente pelo acúmulo de fezes, sem tenesmo nem espasmo. Constipado por dias, com fezes grandes difíceis de expulsar. RET@COMO$ACABADO$DE$EVACUAR$ELE$NAO$TIVESSE r002 t1 sanic RET@COMO$ESCULPIDA$QUADRADA$COM$FACA$FEZES$FOSSE r001 t1 sanic RET@COMO$EXPLODIR$AO$DEFECAR&CABECA$FOSSE r001 t1 sanic RET@COMO$FACA$FEZES$FOSSE$ENTALHADA$POR r001 t1 sanic RET@COMO$PARTICULAS$FEZES$ESTIVESSE$RECORTADAS r001 t1 sanic RET@COMO$QUADRADA$FEZES$TIVESSE$SIDO$ESCULPIDA r001 t1 sanic RET@CONSTIPACAO PRISAO DE VENTRE r248 t9 SANIC RET@CONSTIPACAO$DEVE$TIRAR$FEZES$MAO COM r013 t7 sanic RET@CONSTIPACAO$DIFICIL DEFECAR r133 t9 SANIC RET@CONSTIPACAO$DIFICIL$FEZES$RETROCEDEM r014 t7 Sanic RET@CONSTIPACAO$INEFICAZES URGENCIA ESFORCO r169 t9 Sanic RET@CONSTIPACAO$REMOVIDA MECANICAMENTE FEZES PRECISAM r010 t6 RET@CONSTRICAO$EM PE$> r001 t1 sanic RET@DOR$DEFECAR$DEPOIS$> r026 t9 sanic RET@DOR$DEFECAR$DURANTE r104 t9 Sanic RET@DOR*TENESMO$DEFECAR$DEPOIS$> r029 t9 sanic RET@ESCORIACAO r059 t9 Sanic RET@FISSURA r062 t9 sanic RET@INATIVIDADE&RETO DO r131 t9 SANIC
  7. 7. Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira RET@INVOLUNTARIA DEFECACAO r103 t9 Sanic RET@INVOLUNTARIA$FLATOS$ELIMINANDO r030 t9 sanic RET@URGENCIA$COMER$DURANTE r001 t1 sanic RET@URGENCIA$DEFECAR$DEPOIS$> r026 t9 sanic FEZ@BRANCA$GIZ COMO r014 t7 SANIC FEZ@BRANCA$LEITOSO$LIQUIDO r031 t9 SANIC FEZ@CLARA COR r068 t9 SANIC FEZ@DURA r187 t9 Sanic FEZ@GRANDE r085 t9 Sanic FEZ@GRUMOS GIZ COMO r010 t6 SANIC FEZ@SECA r075 t9 Sanic FEZ@VERDE$AGUA$RA CHARCO COMO r005 t6 Sanic  PSORA Bryonia Alba Inflamações agudas se traduzindo por uma sequidão excessiva das mucosas e por dores agudas e picantes, melhoradas pela pressão e repouso, agravadas pelo menor movimento. Constituição diátese predominante: Sulfúrica esclerótica e Psora Temperamento: Biliar e Atrabiliar Ação: através do sistema nervoso cérebroespinal, Bryonia tem quatro centros especiais de ação, provocando uma inflamação subaguda, com infiltração, exsudação e edema. 1. Membranas serosas: efusões e edemas. Afetando especialmente a pleura, meninge, sinóvia, fígado, peritônio, rins, fibra muscular. 2. Membranas mucosas: secura. Inflamação seca ao longo do tubo digestivo (lábios secos, sede intensa por grandes quantidades de água fria, obstipação com fezes duras e secas, como que calcinadas, muito grandes e com inatividade retal) Aparelho respiratório (tosse seca, irritação laríngea e em traquéia); ap. Urinário. 3. Sistema Muscular: inflamação reumatóide 4. Circulação: acelerada, por elevação de temperatura. As fezes secas de Bryonia são decorrentes da simpaticotonia que, além do ressecamento intestinal, também leva à sialosquiese e diminuição da produção de suco gástrico. O controle da simpaticotonia deve normalizar a qualidade e o fluxo das fezes. É um medicamento de afecções hepáticas, com cólica hepática, dor do fígado, pior ao tocá-lo, respirar e tossir, melhor deitado do lado direito. Um dos remédios mais importantes para apendicites, peritonites e hepatites. RET@CONSTIPACAO PRISAO DE VENTRE r248 t9 BRY RET@CONSTIPACAO$+DIARREIA r093 t9 Bry RET@CONSTIPACAO$DIFICIL DEFECAR r133 t9 BRY RET@CONSTIPACAO$GRAVIDEZ$DURANTE r022 t9 Bry RET@CONSTIPACAO$INEFICAZES URGENCIA ESFORCO r169 t9 Bry RET@CONSTIPACAO$INSUFICIENTES INCOMPLETAS INSATISFATORIAS DEFECACOES r071 t9 RET@CONSTIPACAO$SEDENTARIOS$HABITOS POR r010 t6 Bry RET@CONSTIPACAO$VELHOS r020 t8 Bry RET@DOR$DEFECAR$DURANTE r104 t9 Bry RET@DOR*QUEIMANTE$DEFECAR$DEPOIS r119 t9 BRY RET@FLATOS$FEDORENTOS r105 t9 BRY RET@INATIVIDADE&RETO DO r131 t9 BRY RET@INVOLUNTARIA$DORMINDO r029 t9 Bry RET@PLENITUDE&PERINEO r006 t6 Bry
  8. 8. Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira RET@URGENCIA DESEJO r192 t9 Bry RET@URGENCIA$MOVIMENTO EM r005 t6 Bry FEZ@DURA r187 t9 BRY FEZ@DURA$QUEIMADA$COMO r005 t6 BRY FEZ@ESCASSA r144 t9 Bry FEZ@ESCURA r046 t9 Bry FEZ@GRANDE r085 t9 BRY FEZ@LIENTERICA r089 t9 BRY FEZ@MUCOSA$SANGUINOLENTA r078 t9 Bry FEZ@NEGRA r102 t9 Bry FEZ@ODOR$QUEIJO$PODRE$COMO r004 t6 BRY FEZ@PASTOSA r142 t9 BRY FEZ@PULPOSA POLPUDAS r030 t9 BRY FEZ@PULPOSA$AMARELA r015 t7 BRY FEZ@SANGUINOLENTA (VER AVERMELHADA) r151 t9 Bry FEZ@SECA r075 t9 BRY Carduus marianus Distensão abdominal com constipação. Fezes duras, negras, em pequenos pedaços, difíceis de expulsar, escassas. Alterna com diarréia. Fezes de cor argilosa O principal campo de ação de Card-m fundamentalmente o fígado, com congestão passiva e verdadeira pletora do sistema venoso portal. Congestão hepática, sobretudo lobo esquerdo, com aumento do fígado no sentido transversal. Estase portal com constipação e hemorróidas. Plenitude do Hipocôndrio D, com necessidade de inspiração profunda. Cólica hepática, litíase com fígado aumentado. Outras características: Irritabilidade e tristeza. Enxaqueca biliosa, vômitos biliosos. Gosto amargo na boca, com língua carregada, branca no centro e vermelha na ponta. RET@COMO$MOVIDAS$AO$RESPIRAR&VISCERAS$FOSSEM r001 t1 card-m RET@CONSTIPACAO PRISAO DE VENTRE r248 t9 Card-m RET@CONSTIPACAO$+DIARREIA r093 t9 Card-m RET@CONSTIPACAO$INSUFICIENTES INCOMPLETAS INSATISFATORIAS DEFECACOES r071 t9 CARD-M RET@DOR*QUEIMANTE ARDENTE r169 t9 Card-m RET@FLATOS r133 t9 card-m RET@HEMORRAGIA r141 t9 card-m RET@HEMORROIDAS r172 t9 Card-m RET@PRURIDO r181 t9 card-m FEZ@ARGILA COR DE r027 t9 CARD-M FEZ@CLARA COR r068 t9 CARD-M FEZ@DURA r187 t9 CARD-M FEZ@ESCASSA r144 t9 Card-m FEZ@NEGRA r102 t9 Card-m FEZ@NODOSA NODULAR MASSAS r096 t9 card-m FEZ@PASTOSA r142 t9 Card-m Chelidonium majus Doenças hepáticas, torácicas e abdominais, seguidas de uma dor constante no fígado e no ângulo inferior da omoplata direito. Agravação: pelo movimento; pelo toque; a mudança de tempo; às 4 horas da manhã e 4 h da tarde. Melhora: depois de comer, principalmente alimentos quentes (leite); pelo repouso.
  9. 9. Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira Constipação e diarréia alternadas. Constipação com fezes duras ou como ovelhas. Esforço para defecar, sem resultado. Constrição do ânus defecando, ou impedindo de defecar; alterna com prurido. Hemorróidas que às vezes sangram; ardem e formigam. Fezes brancas, pastosas que flutuam na água (acolia e lientéricas). Hepatite do lobo Direito RET@COMO$CONTRACAO$NO&ANUS r003 t1 chel RET@CONSTIPACAO PRISAO DE VENTRE r248 t9 chel RET@CONSTIPACAO$+DIARREIA r093 t9 CHEL RET@CONSTIPACAO$DIFICIL DEFECAR r133 t9 chel RET@CONSTIPACAO$DIFICIL$MOLE$FEZES r054 t9 chel RET@CONSTIPACAO$INEFICAZES URGENCIA ESFORCO r169 t9 chel RET@CONSTIPACAO$MENSTRUACAO$DURANTE r026 t9 chel RET@CONSTRICAO CONTRACAO r092 t9 Chel RET@CONSTRICAO$+PRURIDO r001 t1 Chel RET@CONSTRICAO$DEFECAR$DEPOIS r020 t8 chel RET@CONSTRICAO$DEFECAR$DURANTE r021 t8 Chel RET@CONSTRICAO$ESPASMODICA r016 t8 chel RET@DOR$DEFECAR$DURANTE r104 t9 Chel RET@DOR*CORTANTE$DEFECAR$DEPOIS r014 t7 chel RET@FLATOS$> r079 t9 chel RET@FORMIGAMENTO&ANUS r065 t9 chel RET@HEMORRAGIA$DEFECAR$DEPOIS r030 t9 chel RET@INVOLUNTARIA DEFECACAO r103 t9 Chel RET@PESADEZ r059 t9 chel RET@PROLAPSO$SENSACAO DE r005 t6 chel RET@PRURIDO$COCAR FORTE$< r027 t9 chel RET@URGENCIA DESEJO r192 t9 Chel RET@VERMES$LUMBRIGAS r048 t9 Chel FEZ@ARGILA COR DE r027 t9 Chel FEZ@BRANCA$CINZENTA r012 t8 chel FEZ@BRANCA$LEITOSO$LIQUIDO r031 t9 CHEL FEZ@CLARA COR r068 t9 CHEL FEZ@COPIOSA#NOITE r010 t6 chel FEZ@DURA r187 t9 Chel FEZ@ESCASSA r144 t9 chel FEZ@FLOCOS EM r014 t7 Chel FEZ@NODOSA NODULAR MASSAS r096 t9 CHEL FEZ@OVELHA$ESTERCO$COMO (VER BOLAS) r043 t9 CHEL FEZ@PASTOSA r142 t9 CHEL FEZ@SANGUINOLENTA (VER AVERMELHADA) r151 t9 chel Gratiola officinalis Sene dos prados - O centro de ação é no reto e no intestino grosso. Desejos urgentes e ineficazes de evacuar. Constipação com fezes duras, escassas, difíceis de expulsar. Ascaridíase. Dor escoriante no ânus, enquanto defeca ou depois. Prurido anal. Reto contraído. É o Obstipado Melancólico, segundo Voisin, na presença de congestão porta com obstipação e tendência às hemorróidas. Melancolia com aversão pela vida. Tendência gotosa. Segundo Léon Vannier, conviria no tratamento da prisão de ventre nos gotosos. Taciturno, triste, irritado pela menor contradição, de mau humor. Apresenta ainda, dentro dos transtornos da insuficiência hépato-biliar, perturbações gástricas sub agudas e crônicas com distensão gástrica após ter comida ou bebido, que melhora após eructações. Sensação como se uma pedra rolasse no estômago de um lado ao
  10. 10. Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira outro. Regurgitações amargas e vômitos biliosos, ácidos e amargos. Vertigens durante e após as refeições e cefaléia. Como Gratiola é um medicamento de uso predominantemente em mulheres, melhora os sintomas de Nux vomica que elas podem apresentar (Vijnovsky). Nevralgias pelo abuso do café. Conhecido também pela ação sobre diarréias e gastroenterites agudas, com fezes líquidas amarelo esverdeada e espumosa, seguida de alívio abdominal. Diarréia de verão em crianças por beber muita água gelada. RET@COLERA$INFANTUM r048 t9 grat RET@COMO$ARDENDO$NO&ANUS$PIMENTA$ESTIVESSE r001 t1 grat RET@CONSTIPACAO$+DIARREIA r093 t9 grat RET@CONSTIPACAO$DIFICIL DEFECAR r133 t9 grat RET@CONSTIPACAO$GOTOSOS SUJEITOS r001 t1 grat RET@CONSTIPACAO$INEFICAZES URGENCIA ESFORCO r169 t9 grat RET@CONSTRICAO CONTRACAO r092 t9 grat RET@CONSTRICAO$DEFECAR$DEPOIS r020 t8 grat RET@CONSTRICAO$ESPASMODICA r016 t8 grat RET@DIARREIA$BEBER$AGUA POR r037 t9 Grat RET@DOR*CORTANTE$DEFECAR$ANTES DE r009 t6 grat RET@DOR*TENESMO r170 t9 grat RET@ESCORIACAO r059 t9 grat RET@FISSURA r062 t9 grat RET@FLATOS$JANTAR$DEPOIS DE r009 t6 grat RET@HEMORRAGIA$DEFECAR$DEPOIS r030 t9 grat RET@HEMORROIDAS$EXTERNAS r088 t9 grat RET@PONTADAS$DEFECAR$DEPOIS r001 t1 grat RET@PRURIDO r181 t9 grat RET@URGENCIA$DEFECAR$ANTES DE r025 t8 grat RET@VERMES$ASCARIS FEZ@AMARELA$VERDOSA r021 t8 GRAT FEZ@DURA r187 t9 Grat FEZ@ESCASSA r144 t9 grat FEZ@FILAMENTOSA r008 t6 GRAT FEZ@GRANDE r085 t9 grat FEZ@NODOSA NODULAR MASSA r096 t9 grat Nux Vomica Alcalóides: estriquinina e brucina. Ação tóxica: Excitação dos centros nervosos, sobre tudo bulbo-medular com sintomas ligados a uma hipersensibilidade e hiperreatividade geral (espasmofilia). Irritabilidade nervosa nas pessoas de vida sedentária que apresentam perturbações gástricas e intestinais espasmódicas seguidas de congestão portal. Constipação com necessidades urgentes e ineficazes. Tem a impressão que não poderá nunca esvaziar completamente seu intestino. Constrição anal. Simpaticotonia sobre o esfíncter anal externo (EAE). Congestão e estase hepáticas e portais, auto e hetero intoxicado. Excitação dos músculos lisos do estômago do intestino, com antiperistaltismo. Não tolera a menor contradição. RET@CONSTIPACAO PRISAO DE VENTRE r248 t9 NUX-V RET@CONSTIPACAO$+DIARREIA r093 t9 NUX-V RET@CONSTIPACAO$CONSTANTE$DESEJO r014 t7 NUX-V RET@CONSTIPACAO$CRIANCAS r023 t7 NUX-V RET@CONSTIPACAO$CRIANCAS$BEBES RECEM NASCIDOS r004 t7 NUX-V RET@CONSTIPACAO$DIFICIL DEFECAR r133 t9 NUX-V
  11. 11. Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira RET@CONSTIPACAO$DROGAS$DEPOIS$ABUSO DE r011 t7 NUX-V RET@CONSTIPACAO$EXTASIS$PORTAL POR r004 t6 NUX-V RET@CONSTIPACAO$GRAVIDEZ$DURANTE r022 t9 NUX-V RET@CONSTIPACAO$INEFICAZES URGENCIA ESFORCO r169 t9 NUX-V RET@CONSTIPACAO$INSUFICIENTES,INCOMPLETAS,INSATISFATORIAS, DEFECACOES r071 t9 NUX-V RET@CONSTRICAO CONTRACAO r092 t9 NUX-V RET@CONSTRICAO$DOLOROSA r017 t7 NUX-V RET@CONSTRICAO$ESPASMODICA r016 t8 NUX-V RET@DOR$DEFECAR$DEPOIS$> r026 t9 NUX-V RET@DOR*CORTANTE$DEFECAR$DEPOIS r014 t7 NUX-V RET@DOR*CRAVANTE$DEFECAR$DEPOIS r002 t6 NUX-V RET@DOR*PONTADA$MENTAL$ESFORCO$DEPOIS DE r001 t1 NUX-V RET@DOR*PRESSAO r101 t9 NUX-V RET@DOR*QUEIMANTE ARDENTE r169 t9 NUX-V RET@DOR*TENESMO$BEXIGA E r005 t6 NUX-V RET@DOR*TENESMO$DEFECAR$DEPOIS$> r029 t9 NUX-V RET@DOR*TENESMO$DEFECAR$DURANTE r107 t9 NUX-V RET@FLATOS$> r079 t9 NUX-V RET@HEMORRAGIA r141 t9 NUX-V RET@HEMORROIDAS r172 t9 NUX-V RET@HEMORROIDAS$BEBADOS EM r005 t6 NUX-V RET@HEMORROIDAS$CONGESTIONADAS r031 t9 NUX-V RET@HEMORROIDAS$CRONICAS r021 t9 NUX-V RET@HEMORROIDAS$GRANDES r046 t9 NUX-V RET@HEMORROIDAS$INTERNAS r035 t9 NUX-V RET@HEMORROIDAS$SUPRIMIDAS r015 t6 NUX-V RET@INATIVIDADE&RETO DO r131 t9 NUX-V RET@PROLAPSO r092 t9 NUX-V RET@PRURIDO r181 t9 NUX-V RET@URGENCIA$COLICA$DURANTE r006 t6 NUX-V RET@URGENCIA$DEFECAR$DEPOIS$> r026 t9 NUX-V RET@URGENCIA$FREQUENTE r049 t9 NUX-V RET@URGENCIA$URINANDO r019 t8 NUX-V FEZ@DURA r187 t9 NUX-V FEZ@ESCASSA r144 t9 NUX-V FEZ@FREQUENTE r113 t9 NUX-V FEZ@GRANDE r085 t9 NUX-V FEZ@MUCOSA$SANGUINOLENTA r078 t9 NUX-V FEZ@PEQUENA r067 t9 NUX-V FEZ@SANGUINOLENTA$FRANJAS EM r023 t8 NUX-V FEZ@SECA r075 t9 NUX-V Lycopodium clavatum Doenças Crônicas progressivas, profundas, com perturbações digestivas e hepáticas. Litíase biliar e renal. Auto e hetero intoxicado, com insuficiência hepática e congestão porta. Sensação de plenitude após as refeições, embora tenha comido pouco. Logo sacia. Distensão abdominal com borborigmos pelo extremo acúmulo de gases que > com flatos. Constipação crônica com necessidades ineficazes; fezes duras, pequenas e insuficientes, difíceis de evacuar devido a uma contração espasmódica dolorida do ânus. RET@CONSTIPACAO PRISAO DE VENTRE r248 t9 LYC RET@CONSTIPACAO$CRIANCAS r023 t7 LYC RET@CONSTIPACAO$INEFICAZES URGENCIA ESFORCO r169 t9 LYC RET@CONSTRICAO CONTRACAO r092 t9 LYC
  12. 12. Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira RET@CONSTRICAO$DEFECAR$IMPEDE r008 t6 LYC RET@DOR r130 t9 LYC RET@DOR$DEFECAR$DURANTE r104 t9 LYC RET@DOR*PONTADA r134 t9 LYC RET@DOR*PRESSAO$DEFECAR$DURANTE r016 t7 LYC RET@ESCORIACAO r059 t9 LYC RET@ESCORIACAO$DEVE$ESFREGAR$ANUS$ATE$QUE FIQUE$CARNE$VIVA RET@FLATOS$> r079 t9 LYC RET@HEMORRAGIA r141 t9 LYC RET@HEMORROIDAS r172 t9 LYC RET@PROLAPSO$DEFECAR$DURANTE r031 t9 LYC RET@PRURIDO r181 t9 LYC FEZ@DURA r187 t9 LYC FEZ@DURA$PRIMEIRO$LOGO$FLUIDA$LIQUIDA r025 t7 LYC FEZ@MUCOSA$VERMELHA r011 t6 LYC FEZ@NODOSA NODULAR MASSAS r096 t9 LYC FEZ@SECA r075 t9 LYC  SIFILINISMO Alumen Constipação das mais graves, sem desejos durante muitos dias, sem capacidade ou força para mover as fezes ou com desejos violentos, mas ineficazes. Quando consegue evacuar, as fezes são muito duras como pedras, como bolinhas pretas (Op., Pb.) e mesmo depois de saírem, sente o reto cheio. Dores intolerantes no reto depois de evacuar. Hemorróidas sangrantes. Prurido anal. Estados de debilidade paralítica muscular (reto, bexiga e pernas). Sensação de secura e constrição. Com grande tendência a hipertrofia e endurecimentos de tecidos (língua, útero, glândulas, gânglios, reto) e câncer. Varicosidades. Parece estar relacionado às diáteses sifilínicas e sicóticas. RET@CANCER r015 t6 alumn RET@CONSTIPACAO PRISAO DE VENTRE r248 t9 ALUMN RET@CONSTIPACAO$CANCER DE RETO E UTERO r001 t1 alumn RET@CONSTIPACAO$DIFICIL DEFECAR r133 t9 ALUMN RET@CONSTIPACAO$INEFICAZES URGENCIA ESFORCO r169 t9 alumn RET@CONSTIPACAO$VELHOS r020 t8 alumn RET@DOR r130 t9 Alumn RET@DOR$DEITADO&COSTAS$> r004 t6 alumn RET@DOR*DILACERANTE$DEFECAR$DEPOIS r006 t6 alumn RET@DOR*DILACERANTE$DEITADO$SOBRE$COSTAS$> r001 t1 alumn RET@DOR*DILACERANTE$DOBRANDO$PARA$FRENTE$> r001 t1 alumn RET@DOR*PONTADA r134 t9 alumn RET@DOR*PONTADA%CIMA$PARA$DEFECAR$DEPOIS DE r003 t6 alumn RET@DOR*PONTADA%INTERNA$PARTE&COXA r001 t1 alumn RET@DOR*QUEIMANTE$DEFECAR$DEPOIS$DURAS DEPOIS DE DEFECAR r026 t9 alumn RET@HEMORRAGIA$DEFECAR$DURANTE r032 t9 alumn RET@HEMORRAGIA$NEGRA r010 t6 alumn RET@HEMORROIDAS$DEFECAR$PROTAEM$DURANTE r025 t8 alumn RET@PARALISIA r056 t9 alumn RET@PLENITUDE$DEFECACAO$DEPOIS DA r004 t6 alumn RET@PROLAPSO r092 t9 alumn RET@PRURIDO r181 t9 alumn RET@PRURIDO#ANOITECER r019 t8 alumn RET@PRURIDO#NOITE r019 t8 alumn RET@PULSACAO r025 t9 alumn RET@PULSACAO$DEFECAR$DEPOIS r010 t6 alumn
  13. 13. Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira RET@URGENCIA DESEJO r192 t9 alumn FEZ@BOLAS COMO r030 t9 ALUMN FEZ@BOLAS$NEGRAS r006 t6 ALUMN FEZ@DURA r187 t9 ALUMN FEZ@DURA$PRIMEIRO$LOGO$MOLE r022 t6 alumn FEZ@NODOSA NODULAR MASSAS r096 t9 ALUMN FEZ@OVELHA$ESTERCO$COMO (VER BOLAS) r043 t9 ALUMN FEZ@SANGUINOLENTA (VER AVERMELHADA) r151 t9 Alumn FEZ@SECA r075 t9 alumn Ambra Grisea Constipação por perturbações nervosas ou psíquicas – Atônicas Distensão abdominal com grande flatulência, principalmente depois de comer, que às vezes, despertar o paciente durante a noite, com borborigmos e cólicas intestinais; sensação que a parede abdominal interna está fria (Kent). Sensação de pressão hepática profunda; agravação pela manhã, depois comer e de cada evacuação. Constipação inveterada em pessoas idosas, principalmente quando alguém está próximo no momento de evacuar. Desejos freqüentes e ineficazes de evacuar, o que o deixa ansioso e não permite que ninguém fique por perto. Depois de evacuar, o paciente experimenta sensação de pressão e vazio no ventre, que alivia com eliminação de um flato ou um arroto (Kent). RET@COMICHAO r007 t6 ambr RET@CONSTIPACAO PRISAO DE VENTRE r248 t9 Ambr RET@CONSTIPACAO$GRAVIDEZ$DURANTE r022 t9 Ambr RET@CONSTIPACAO$INCAPAZ$DEFECAR$PRESENCA$BABA r004 t6 AMBR RET@CONSTIPACAO$INEFICAZES URGENCIA ESFORCO r169 t9 AMBR RET@CONSTIPACAO$SEDENTARIOS$HABITOS POR r010 t6 Ambr RET@CONSTIPACAO$VELHOS r020 t8 ambr RET@DIARREIA$CALOROSO$TEMPO r054 t9 ambr RET@DOR$BEXIGA AO MESMO TEMPO E r001 t1 ambr RET@DOR$DEFECAR$DURANTE r104 t9 ambr RET@DOR*DOLORIMENTO MACHUCADURA r100 t9 ambr RET@DOR*FERROANTE r021 t8 ambr RET@DOR*MORDENTE r026 t9 ambr RET@DOR*PONTADA r134 t9 ambr RET@DOR*QUEIMANTE ARDENTE r169 t9 ambr RET@DOR*TENESMO r170 t9 ambr RET@DOR*TENESMO$DEFECAR$DEPOIS r075 t9 ambr RET@FLATOS$> r079 t9 ambr RET@FLATOS$INODOROS r13 t6 ambr RET@FORMIGAMENTO&ANUS r065 t9 ambr RET@HEMORRAGIA r141 t9 ambr RET@HEMORRAGIA$DEFECAR$DURANTE r032 t9 Ambr RET@HEMORROIDAS r172 t9 ambr RET@PRURIDO$VOLUPTUOSO r015 t7 ambr RET@URGENCIA DESEJO r192 t9 ambr RET@URGENCIA$AUSENTE$COMPANHIA EM r004 t6 AMBR RET@URGENCIA$DEFECAR$DEPOIS r061 t9 ambr FEZ@AMARELA r132 t9 ambr FEZ@CLARA COR r068 t9 ambr FEZ@ESCASSA r144 t9 ambr Causticum
  14. 14. Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira Grande fraqueza por paresias ou paralisias, durante muito tempo. Dores com sensação de ferida em carne viva e de queimadura como por cal viva. Há uma perturbação da evacuação com um embotamento da sensibilidade da mucosa retal ou do reflexo evacuatório. Com isso, há uma necessidade de fazer grandes esforços e só resultam de pequenas defecações. Há uma atonia da musculatura, sem insuficiência das secreções e dos sucos digestivos.(Pb., Sil.) RET@CONDILOMAS r025 t9 Caust RET@CONSTIPACAO PRISAO DE VENTRE r248 t9 CAUST RET@CONSTIPACAO$DIFICIL DEFECAR r133 t9 CAUST RET@CONSTIPACAO$INEFICAZES URGENCIA ESFORCO r169 t9 CAUST RET@CONSTRICAO CONTRACAO r092 t9 CAUST RET@CONSTRICAO$ANDAR AO r002 t6 Caust RET@DOR r130 t9 CAUST RET@DOR$ANDANDO r012 t6 CAUST RET@DOR$MENTAL$ESFORCO$DEPOIS DE r002 t6 Caust RET@DOR*DOLORIMENTO$SENTADO r009 t6 CAUST RET@DOR*FERROANTE r021 t8 Caust RET@DOR*PONTADA r134 t9 CAUST RET@DOR*PRESSAO r101 t9 CAUST RET@DOR*PRESSAO$FEZES$ALOJARAM$RETO$COMO SE r001 t1 Caust RET@DOR*QUEIMANTE$DEFECAR$DEPOIS r119 t9 CAUST RET@DOR*TENESMO$DEFECAR$DURANTE r107 t9 Caust RET@ERUPCAO AO REDOR DO ANUS r027 t9 Caust RET@ESCORIACAO r059 t9 CAUST RET@ESCORIACAO$DEVE$ESFREGAR$ANUS$ATE$QUE FIQUE$CARNE$VIVA r018 t8 CAUST RET@ESCORIACAO&PERINEO NO r019 t8 Caust RET@ESPASMOS EM r005 t6 Caust RET@ESPASMOS$URGENCIA$URINAR COM r001 t1 Caust RET@FISSURA r062 t9 Caust RET@FISTULA r045 t9 CAUST RET@FLATOS$FEDORENTOS r105 t9 CAUST RET@FLATOS$RUIDOSOS ALTOS r028 t8 CAUST RET@HEMORROIDAS r172 t9 CAUST RET@HEMORROIDAS$ANDANDO$< r027 t9 CAUST RET@HEMORROIDAS$CONGESTIONADAS r031 t9 Caust RET@HEMORROIDAS$CONTATO$< r027 t9 CAUST RET@HEMORROIDAS$DEFECAR$IMPEDINDO r006 t6 Caust RET@HEMORROIDAS$EXTERNAS r088 t9 Caust RET@HEMORROIDAS$GRANDES r046 t9 CAUST RET@INVOLUNTARIA DEFECACAO r103 t9 Caust RET@MASSA SENSACAO DE r021 t9 Caust RET@PRURIDO r181 t9 CAUST RET@PRURIDO$COCAR FORTE$< r027 t9 Caust RET@URGENCIA$FREQUENTE r049 t9 Caust RET@URGENCIA$SUSTO POR r001 t1 Caust FEZ@DELGADA COMPRIDA r016 t7 Caust FEZ@DURA r187 t9 Caust FEZ@DURA$SOLIDA$GORDUROSA r002 t6 Caust FEZ@NODOSA NODULAR MASSAS r096 t9 Caust FEZ@OVELHA$ESTERCO$COMO (VER BOLAS) r043 t9 Caust FEZ@SANGUINOLENTA (VER AVERMELHADA) r151 t9 Caust FEZ@TENAZ RESISTENTE r011 t7 Caust Plumbum metallicum
  15. 15. Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira Constipação intensa e crônica por paresia ou paralisia retal, com contínuos e ineficazes desejos de evacuar; fezes duras, negras como de carneiro que se agrupam em grandes massas aderentes; com urgência e tenesmo, por intensa constrição espasmódica do ânus; defecação difícil e dolorosa, obstruída por fezes endurecidas, secas. Durante a gravidez; em crianças. Sensação como se ânus estivesse violentamente retraído. Prolapso e fissura anal. Abdômen retraído e duro, como se a parede abdominal estivesse sendo puxada por um fio preso ao umbigo, com cólicas. Agrava pelo movimento e à noite. Melhora pela pressão forte; por fricções. RET@CONSTIPACAO$CONSTANTE$DESEJO r014 t7 Plb RET@CONSTIPACAO$CRIANCAS r023 t7 Plb RET@CONSTIPACAO$DIFICIL DEFECAR r133 t9 PLB RET@CONSTIPACAO$GRAVIDEZ$DURANTE r022 t9 PLB RET@CONSTIPACAO$INSUFICIENTES INCOMPLETAS INSATISFATORIAS DEFECACOES r071 t9 RET@CONSTRICAO CONTRACAO r092 t9 PLB RET@CONSTRICAO$DEFECAR$DURANTE r021 t8 PLB RET@CONSTRICAO$DOLOROSA r017 t7 PLB RET@CONSTRICAO$ESPASMODICA r016 t8 PLB RET@DESPERCEBIDA DEFECAR INADVERTIDA r016 t8 Plb RET@DOR$DEFECAR$DURANTE r104 t9 Plb RET@FISSURA r062 t9 Plb RET@FLATOS$> r079 t9 Plb RET@INATIVIDADE&RETO DO r131 t9 PLB RET@PARALISIA r056 t9 PLB RET@PROLAPSO r092 t9 Plb RET@URGENCIA DESEJO r192 t9 PLB FEZ@ADERENTE r026 t9 plb FEZ@BOLAS COMO r030 t9 PLB FEZ@DURA r187 t9 PLB FEZ@DURA$QUEIMADA$COMO r005 t6 plb FEZ@ESCASSA r144 t9 PLB FEZ@ESCURA r046 t9 Plb FEZ@LIQUIDA$SEGUIDA$POR$DURA r021 t8 plb FEZ@NEGRA r102 t9 PLB FEZ@NODOSA NODULAR MASSAS r096 t9 PLB FEZ@OVELHA$ESTERCO$COMO (VER BOLAS) r043 t9 PLB FEZ@SECA r075 t9 Plb Selenium Inatividade retal. Constipação com desejos freqüentes e ineficazes, fezes duras e impactadas (fecaloma).Geralmente o bolo fecal deve ser removido manualmente, com sangue. Esgotamento físico e mental com emagrecimento, depois de doença grave, um esforço intelectual prolongado ou excessos sexuais. Tristeza extrema. FEZ@DURA r187 t9 SEL FEZ@GRANDE r085 t9 SEL FEZ@SECA r075 t9 sel RET@CONSTIPACAO PRISAO DE VENTRE r248 t9 Sel RET@CONSTIPACAO$DEVE$TIRAR$FEZES$MAO COM r013 t7 sel RET@CONSTIPACAO$DIFICIL DEFECAR r133 t9 SEL RET@CONSTIPACAO$INEFICAZES URGENCIA ESFORCO r169 t9 SEL RET@CONSTIPACAO$INSUFIC. INCOMPLETAS INSATISFAT. DEFECACOES r071 t9 SEL RET@CONSTIPACAO$REMOVIDA MECANICAMENTE FEZES PRECISAM r010 t6 RET@CONSTIPACAO$VELHOS r020 t8 sel RET@DOR&PERINEO r023 t9 sel
  16. 16. Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira RET@DOR*DILACERANTE$DEFECAR$DURANTE r013 t7 Sel RET@DOR*TENESMO r170 t9 sel RET@DOR*TENESMO$DIARREIA$DURANTE r030 t9 sel RET@FLATOS$> r079 t9 sel RET@HEMORRAGIA$DEFECAR$DEPOIS r030 t9 sel RET@INATIVIDADE&RETO DO r131 t9 SEL RET@PARALISIA r056 t9 sel Alumina Secura extrema da pele e das mucosas. Fraqueza parética generalizada ou localizada (Intestinos e bexiga) em relação com uma doença crônica profunda. Obstipação com fezes secas, duras e em pequenos pedaços cobertos de muco. Impossibilidade de evacuar até que haja um grande acúmulo de fezes. Intestino parece paralisado pela perda do poder expulsivo do reto. Mesmo as fezes moles demandam grandes esforços para serem eliminadas. Fezes retrocedem. Escoriação após evacuação. Agravação: pelo frio e tempo seco; de manhã ao despertar. Melhora: pelo calor, pelos alimentos e bebidas quentes, por se lavar com água fria. Ação sobre o simpático e nervos que partem da medula. Os músculos inervados por eles estão enfraquecidos. No início é uma inatividade geral durante um tempo mais ou menos longo que termina em estado de completa paralisia. Condutividade nervosa diminuída; a reação a um estímulo ocorre em tempo mais longo. Alumina produz notável secura de mucosas o que explica: dispepsia por hiposecreção, faringo laringite seca e a constipação. RET@COMO$CONSTRINGIDO&RETO$ESTIVESSE r002 t1 alum RET@COMO$DEBILITADO&ESFINCTER$ESTIVESSE r001 t1 alum RET@CONSTIPACAO PRISAO DE VENTRE r248 t9 ALUM RET@CONSTIPACAO$+DIARREIA$VELHOS r007 t6 alum RET@CONSTIPACAO$CRIANCAS$PEQUENAS r002 t7 Alum RET@CONSTIPACAO$DIFICIL DEFECAR r133 t9 ALUM RET@CONSTIPACAO$DIFICIL$MOLE$FEZES r054 t9 ALUM RET@CONSTIPACAO$DIFICIL$URINA$SO$PODE$DEFECAR$QUANDO r002 t6 RET@CONSTIPACAO$GRAVIDEZ$DURANTE r022 t9 Alum RET@CONSTIPACAO$INEFICAZES URGENCIA ESFORCO r169 t9 Alum RET@CONSTIPACAO$INSUFICIENTES INCOMPLETAS INSATISF. DEFECACOES r071 Alum RET@CONSTIPACAO$MENSTRUACAO$DURANTE r026 t9 alum RET@CONSTIPACAO$PERIODICA$DIA$< r006 t1 alum RET@CONSTIPACAO$SECURA&RETO POR r001 t1 Alum RET@CONSTIPACAO$VELHOS r020 t8 alum RET@CONSTIPACAO$VIAJANDO r005 t6 Alum RET@CONSTRICAO CONTRACAO r092 t9 alum RET@CONSTRICAO$DEFECAR$DURANTE r021 t8 Alum RET@DOR*CORTANTE r058 t9 ALUM RET@DOR*DOLORIMENTO$DEFECAR$DURANTE r016 t7 ALUM RET@DOR*QUEIMANTE$DEFECAR$DURANTE r103 t9 ALUM RET@ESTREITEZ r031 t9 alum RET@FISSURA r062 t9 alum RET@FISTULA r045 t9 Alum RET@HEMORRAGIA$DEFECAR$DEPOIS r030 t9 DURANTE r032 t9Alum RET@HEMORROIDAS$CONGESTIONADAS r031 t9 alum RET@HEMORROIDAS$DEFECAR$PROTAEM$DURANTE r025 t8 alum RET@INATIVIDADE&RETO DO r131 t9 ALUM RET@INVOLUNTARIA$PARALISIA POR r006 t6 Alum RET@INVOLUNTARIA$URINANDO r016 t7 alum RET@PARALISIA r056 t9 Alum RET@PROLAPSO r092 t9 alum RET@PRURIDO#NOITE $CALOR$CAMA r010 t6 Alum
  17. 17. Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira RET@PRURIDO$COCAR FORTE$< r027 t9 Alum RET@PRURIDO$DEFECAR$DEPOIS r035 t9 alum RET@SECURA r013 t7 alum RET@TRANSPIRACAO AO REDOR ANUS E PERINEO r011 t6 Alum RET@ULCERACAO r025 t8 alum RET@URGENCIA$DESPERTAR AO r001 t1 alum RET@URGENCIA$FLATOS POR r011 t6 alum FEZ@ACRE CORROSIVA EXCORIANTE r063 t9 alum FEZ@BOLAS COMO r030 t9 ALUM FEZ@DELGADA COMPRIDA r016 t7 Alum FEZ@DURA r187 t9 ALUM @PEQUENA r067 t9 @SECA r075 t9 FEZ@DURA$PRIMEIRO$LOGO$MOLE r022 t6 alum FEZ@ESCASSA r144 t9 Alum FEZ@FRAGMENTADA r035 t9 alum FEZ@GRANDE r085 t9 Alum FEZ@LIENTERICA r089 t9 alum FEZ@NEGRA r102 t9 alum FEZ@NODOSA NODULAR MASSAS r096 t9 ALUM FEZ@OVELHA$ESTERCO$COMO (VER BOLAS) r043 t9 ALUM FEZ@SANGUINOLENTA (VER AVERMELHADA) r151 t9 ALUM Opium Constipação por atonia intestinal e sobre tudo por inatividade total ou inércia do reto, de longa data, com grande acúmulo de fezes. Não sente nenhum desejo de evacuar. Fezes em cíbalos, duros redondos e negros (Chel., Plumb;Thuy.). Como não há poder de expulsão na musculatura retal, somente os esforços feitos com os músculos abdominais conseguem fazer progredir as fezes, que logo retrocedem (Sil,.Thuy.). Pode haver retenção espasmódica das fezes no intestino. Encoprese, escape fecal especialmente depois de um susto; por paralisia do esfíncter. Ânus contraído espasmódico durante a cólica. Alterna diarréia com constipação. A grande característica geral de Opium é a ausência de reação ou de reatividade. RET@ABERTO&ANUS r011 t6 op RET@COMO$FECHADO$AO$FAZER$ESFORCO$NA$DEFECACAO&FOSSEr001 RET@COMO$FECHADO&ANUS$ESTIVESSE r004 t1 op RET@CONSTIPACAO PRISAO DE VENTRE r248 t9 OP RET@CONSTIPACAO$+DIARREIA r093 t9 OP RET@CONSTIPACAO$+DIARREIA$VELHOS r007 t6 op RET@CONSTIPACAO$CRIANCAS r023 t7 OP RET@CONSTIPACAO$CRIANCAS$BEBES RECEM NASCIDOS r004 t7 OP RET@CONSTIPACAO$DIFICIL DEFECAR r133 t9 OP RET@CONSTIPACAO$DIFICIL$FEZES$RETROCEDEM r014 t7 OP RET@CONSTIPACAO$DROGAS$DEPOIS$ABUSO DE r011 t7 Op RET@CONSTIPACAO$FEZES$FICAM$TEMPO$RETO$SEM$URGENCIA OP RET@CONSTIPACAO$GRAVIDEZ$DURANTE r022 t9 Op RET@CONSTIPACAO$INCAPAZ$DEFECAR$PRESENCA$BABA r004 t6 op RET@CONSTIPACAO$INEFICAZES URGENCIA ESFORCO r169 t9 Op RET@CONSTIPACAO$INSUFICIENT. INCOMP. INSATISFATORIAS DEFECACOES r071 t9 OP RET@CONSTIPACAO$OPERACAO DEPOIS DE r001 t1 op RET@CONSTIPACAO$SEDENTARIOS$HABITOS POR r010 t6 Op RET@CONSTIPACAO$VELHOS r020 t8 Op RET@CONSTIPACAO$VIAJANDO r005 t6 Op RET@CONSTRICAO CONTRACAO r092 t9 Op RET@CONSTRICAO$ESPASMODICA r016 t8 OP RET@DOR*QUEIMANTE$DEFECAR$DURANTE r103 t9 OP RET@DOR*TENESMO$DEFECAR$DURANTE r107 t9 OP RET@FLATOS r133 t9 OP RET@HEMORROIDAS$SUPRIMIDAS r015 t6 OP
  18. 18. Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira RET@INATIVIDADE&RETO DO r131 t9 OP RET@INVOLUNTARIA DEFECACAO r103 t9 OP RET@INVOLUNTARIA$PARALISIA POR r006 t6 op RET@INVOLUNTARIA$PENA POR r001 t1 OP RET@INVOLUNTARIA$SUSTO$DEPOIS DE r004 t6 OP RET@RETRACAO r008 t6 Op RET@URGENCIA DESEJO r192 t9 Op RET@URGENCIA$AUSENTE$COMPANHIA EM r004 t6 op FEZ@BOLAS COMO r030 t9 OP FEZ@BOLAS$NEGRAS r006 t6 OP FEZ@CINZENTA r037 t9 OP FEZ@DURA r187 t9 OP FEZ@ESCASSA r144 t9 Op FEZ@FRAGMENTADA r035 t9 Op FEZ@GRANDE r085 t9 op FEZ@NEGRA r102 t9 OP FEZ@NODOSA NODULAR MASSAS r096 t9 op FEZ@ODOR$FEDORENTO REPUGNANTE r150 t9 OP FEZ@OVELHA$ESTERCO$COMO (VER BOLAS) r043 t9 OP FEZ@PEQUENA r067 t9 op FEZ@SECA r075 t9 OP  Sicose Thuya occidentalis Constipação obstinada com desejos ineficazes de defecar e dificuldade para evacuar as fezes duras e de grande tamanho, escuras, cobertas de sangue; inatividade do reto. As fezes retrocedem. Flatos explosivos ao mover o ventre ou difíceis de expulsar pela constrição anal. Ânus fissurado, doloroso e rodeado de condilomas planos. Umidade anal acre. Hemorróiodas inchadas e doloridas. Distensão abdominal com sensação como se houvesse alguma coisa viva no ventre. RET@COMO$AGULHAS$FINAS$PRESAS$NO&RETO r001 t1 thuj RET@COMO$INATIVO&RETO$ESTIVESSE r001 t1 thu RET@CONDILOMAS$PLANOS r003 t6 THUJ RET@CONSTIPACAO PRISAO DE VENTRE r248 t9 THUJ RET@CONSTIPACAO$DIFICIL DEFECAR r133 t9 THUJ RET@CONSTIPACAO$DIFICIL$FEZES$RETROCEDEM r014 t7 Thuj RET@CONSTIPACAO$INEFICAZES URGENCIA ESFORCO r169 t9 THUJ RET@CONSTIPACAO$MENSTRUACAO$DURANTE r026 t9 thuj RET@CONSTRICAO CONTRACAO r092 t9 thuj RET@CONSTRICAO$DEFECAR$DURANTE r021 t8 Thuj RET@CONSTRICAO$DOLOROSA r017 t7 Thuj RET@DOR r130 t9 THUJ RET@DOR$DEFECAR$DURANTE r104 t9 Thuj RET@DOR$DEFECAR$ESFORCANDO$DEPOIS DE r010 t6 Thuj RET@DOR*QUEIMANTE ARDENTE r169 t9 THUJ RET@DOR*TENESMO r170 t9 thuj RET@FISSURA r062 t9 THUJ RET@FLATOS$DEFECAR$DURANTE r045 t7 THUJ RET@HEMORROIDAS$ANDANDO$< r027 t9 thuj RET@HEMORROIDAS$CONTATO$< r027 t9 THUJ RET@HEMORROIDAS$DEFECAR$IMPEDINDO r006 t6 Thuj RET@HEMORROIDAS$EXTERNAS GRANDES r046 t9 thuj RET@INATIVIDADE&RETO DO r131 t9 Thuj RET@MASSA SENSACAO DE r021 t9 thuj RET@PARALISIA r056 t9 thuj RET@VERMES$ASCARIS r064 t9 thuj
  19. 19. Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira FEZ@BOLAS COMO, DURA, ESCASSA r144 t9 thuj FEZ@FORCOSAS SUBITAS JORRANTES VIOLENTA r065 t9 Thuj FEZ@GRANDE @NODOSA NODULAR MASSAS r096 t9 Thuj Collinsonia canadensis Congestão pélvica e portal que resulta em dismenorréia e hemorróidas. Especialmente nos últimos meses de gravidez. Obstipação alternada com diarréia; inércia congestiva do cólon descendente; evacuações lentas e difíceis, com dor e grande flatulência. Hemorróidas crônicas, dolorosas, sangrantes. Há espasmo do esfíncter com congestão porta. Evacuações volumosas, nodosas e muito dolorosas, com desfalecimento por dor e crise hemorroidária. RET@COMO$CASCALHO$NO&RETO r001 t1 coll RET@CONSTIPACAO PRISAO DE VENTRE r248 t9 COLL RET@CONSTIPACAO$+DIARREIA r093 t9 Coll RET@CONSTIPACAO$CATARTICO < DEPOIS DE DEFECAR INDUZIDA SO POR r001 t1 RET@CONSTIPACAO$GRAVIDEZ$DURANTE r022 t9 Coll RET@CONSTIPACAO$INEFICAZES URGENCIA ESFORCO r169 t9 COLL RET@CONSTIPACAO$OBSTINADA COM FLATULENCIA E HEMORROIDAS r001 t1 COLL RET@DOR r130 t9 COLL RET@DOR$DEFECAR$DURANTE r104 t9 COLL RET@DOR*FARPA COMO r011 t7 coll RET@DOR*QUEIMANTE ARDENTE r169 t9 coll RET@DOR*TENESMO r170 t9 Coll RET@DOR*TENESMO$DEFECAR$DURANTE r107 t9 Coll RET@FLATOS$DEFECAR$DURANTE r045 t7 COLL RET@HEMORRAGIA r141 t9 COLL RET@HEMORROIDAS r172 t9 COLL RET@HEMORROIDAS$+PALPITACOES r001 t1 COLL RET@HEMORROIDAS$CRONICAS r021 t9 COLL RET@HEMORROIDAS$EXTERNAS r088 t9 Coll RET@HEMORROIDAS$GRAVIDEZ$DURANTE r016 t7 Coll RET@HEMORROIDAS$MENSTRUACAO$DURANTE$< r014 t7 Coll RET@INATIVIDADE&RETO DO r131 t9 Coll RET@PARALISIA r056 t9 coll RET@PESADEZ @PROLAPSO r092 t9 Coll RET@PRURIDO r181 t9 Coll RET@URGENCIA$DEFECAR$DURANTE r065 t9 Coll FEZ@DURA r187 t9 COLL FEZ@MUCOSA LIMOSA r131 t9 COLL FEZ@NEGRA r102 t9 COLL FEZ@NODOSA NODULAR MASSAS r096 t9 Coll FEZ@OVELHA$ESTERCO$COMO (VER BOLAS) r043 t9 Coll  Interações diatésicas Psora e Sifilinismo Lac vaccinum defloratum Perturbações hepáticas com constipação e cefaléia. Constipação crônica com cefaléias e enxaquecas crônicas intoleráveis ( psora – intoxinação mais insuficiência do metabolismo hepático). A constipação não responde a purgantes. As fezes são secas e duras, e saem com grandes esforços (ineficazes, retrocedem), machucando o ânus com saída de bastante sangue. Ocorre também inatividade do reto, atonia, paralisia (sifilinismo).
  20. 20. Dr. Flávio Luís Ramos da Silveira Arrotos ácidos. Náuseas pela manhã. Vômitos ácidos com borra de sangue. Gastralgia. Dispepsia. Vômitos gravídicos com aversão ao leite. Dor na região ileocecal. RET@CONSTIPACAO PRISAO DE VENTRE r248 t9 LAC-D RET@CONSTIPACAO$+DIARREIA r093 t9 Lac-d RET@CONSTIPACAO$DIFICIL DEFECAR r133 t9 LAC-D RET@CONSTIPACAO$DIFICIL$FEZES$RETROCEDEM r014 t7 Lac-d RET@CONSTIPACAO$INEFICAZES URGENCIA ESFORCO r169 t9 Lac-d RET@INATIVIDADE&RETO DO r131 t9 lac-d RET@PARALISIA r056 t9 lac-d RET@URGENCIA$FREQUENTE r049 t9 lac-d FEZ@DURA r187 t9 LAC-D FEZ@GRANDE r085 t9 LAC-D FEZ@SANGUINOLENTA (VER AVERMELHADA) r151 t9 Lac-d FEZ@SECA r075 t9 LAC-D Eugenia jambosa Constipação com fezes duras, escassas, que elimina com muito esforço, seguido de fechamento espasmódico do ânus. Tenesmo. Sensação de grande peso no reto, como se tudo fosse sair. Grande indicação para Acne facial, acne rosácea, com erupções dolorosas. Acredita-se que o componente sifilinico deste medicamento seja devido a sua ação tóxica, que na Matéria Médica de Vijnosvsky e de Voisin descrevem como semelhante a uma intoxicação alcoólica (superexcitação exaltada e eufórica como pelo álcool, às vezes, seguida de depressão prolongada). ROS@ERUPCOES$MENSTRUACAO$DURANTE r009 t6 eug ROS@ERUPCOES*ACNE r089 t9 Eug ROS@ERUPCOES*ACNE$ROSACEA r053 t9 EUG ROS@ERUPCOES*CRAVOS ESPINHAS SEBACEAS r031 t9 Eug ROS@ERUPCOES*DOLOROSAS r014 t7 eug ROS@ERUPCOES*PAPULAS r104 t9 EUG FEZ@CUSPIDO SOM DE (VER RUIDOSA) r013 t6 eug FEZ@DURA r187 t9 eug FEZ@ESCASSA r144 t9 eug FEZ@LANCADA PARA FORA r040 t9 eug FEZ@ODOR$FEDORENTO REPUGNANTE r150 t9 eug FEZ@PEQUENA r067 t9 eug RET@CONSTIPACAO$DIFICIL$FEZES$RETROCEDEM r014 t7 eug RET@DOR*PRESSAO r101 t9 eug RET@FLATOS$DEFECAR$DURANTE r045 t7 eug RET@HEMORRAGIA r141 t9 Eug RET@HEMORROIDAS r172 t9 Eug RET@URGENCIA DESEJO r192 t9 eug MEN@COMPANHIA$AVERSAO A r149 t1 eug MEN@CONFUSAO MENTAL r319 t3 eug MEN@DESCONTENTE$TUDO DE r066 t1 eug MEN@ERRONEO (FALSO), TUDO PARECE r006 t1 eug. MEN@ESCONDER-SE, DESEJO DE r015 t2 eug. MEN@INDOLENCIA (AVERSAO AO TRABALHO) r263 t2 eug MEN@INQUIETUDE$NERVOSISMO r416 t2 eug MEN@MELANCOLICO$+ALEGRIA r018 t1 eug MEN@REFLETIR (REFLEXIONAR) r008 t3 eug MEN@TRISTEZA (DEPRESSAO MENTAL) r479 t1 eug MEN@TRISTEZA$MICCAO (URINAR) > r002 t1 eug

×